Formula 1

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Que palhaçada.

Lobby britânico no seu melhor.
As atitudes do Vettel conseguiram que ninguém discutisse o essencial, mais uma vez sob pressão errou e perdeu uma corrida. Já tinha sido assim na Alemanha o ano passado quando liderava a corrida e saiu de pista perdendo a vitoria. Ou este ano no Bahrain que lado a lado com o Hamilton para a liderança da corrida fez um pião.

Só existe penalização (e polémica) porque cometeu um erro grave para um piloto com o estatuto dele, tudo o resto são floreados.

É obvio que ele ao regressar à pista tem pouco controlo sobre o carro, mas também é claro que infringiu uma regra que é bem explícita.

O ano passado no Japão o Verstappen, na primeira volta, erra uma travagem sai de pista tenta segurar o carro mas ao regressar à pista obriga o Kimi a ir para a escapatória. As imagens até eram claras, ele tinha o volante em “full opposite lock” mas não conseguiu evitar a quase colisão com o finlandês. Foi sancionado com 5s de penalidade e não houve drama.

Compreendo que se fique chateado porque perdeu-se a emoção das ultimas voltas, mas se a regra existe tem de ser aplicada.
Aliás tenho muita dificuldade em perceber o argumento “estragou-se o espectáculo”.

Seria o mesmo que aceitar a um arbitro a não expulsão de um jogador merecedor de cartão vermelho, para não estragar o jogo.


As atitudes do Vettel conseguiram que ninguém discutisse o essencial, mais uma vez sob pressão errou e perdeu uma corrida. Já tinha sido assim na Alemanha o ano passado quando liderava a corrida e saiu de pista perdendo a vitoria. Ou este ano no Bahrain que lado a lado com o Hamilton para a liderança da corrida fez um pião.

Só existe penalização (e polémica) porque cometeu um erro grave para um piloto com o estatuto dele, tudo o resto são floreados.

É obvio que ele ao regressar à pista tem pouco controlo sobre o carro, mas também é claro que infringiu uma regra que é bem explícita.

O ano passado no Japão o Verstappen, na primeira volta, erra uma travagem sai de pista tenta segurar o carro mas ao regressar à pista obriga o Kimi a ir para a escapatória. As imagens até eram claras, ele tinha o volante em “full opposite lock” mas não conseguiu evitar a quase colisão com o finlandês. Foi sancionado com 5s de penalidade e não houve drama.

Compreendo que se fique chateado porque perdeu-se a emoção das ultimas voltas, mas se a regra existe tem de ser aplicada.
Aliás tenho muita dificuldade em perceber o argumento “estragou-se o espectáculo”.

Seria o mesmo que aceitar a um arbitro a não expulsão de um jogador merecedor de cartão vermelho, para não estragar o jogo.
Se bem me lembro bem essa do Verstappen foi bem diferente, ele ainda andou um pouco fora da pista e escolheu o momento de entrada na mesma.

O que se passou ontem não teve nada a ver.

Sancionar um piloto por um incidente como o de ontem é querer matar o desporto. O Vettel errou mas corrigiu corrigir o erro ao evitar uma colisão no muro ou até contra o Hamilton, e é sancionado na mesma.

As atitudes do Vettel conseguiram que ninguém discutisse o essencial, mais uma vez sob pressão errou e perdeu uma corrida. Já tinha sido assim na Alemanha o ano passado quando liderava a corrida e saiu de pista perdendo a vitoria. Ou este ano no Bahrain que lado a lado com o Hamilton para a liderança da corrida fez um pião.

Só existe penalização (e polémica) porque cometeu um erro grave para um piloto com o estatuto dele, tudo o resto são floreados.

É obvio que ele ao regressar à pista tem pouco controlo sobre o carro, mas também é claro que infringiu uma regra que é bem explícita.

O ano passado no Japão o Verstappen, na primeira volta, erra uma travagem sai de pista tenta segurar o carro mas ao regressar à pista obriga o Kimi a ir para a escapatória. As imagens até eram claras, ele tinha o volante em “full opposite lock” mas não conseguiu evitar a quase colisão com o finlandês. Foi sancionado com 5s de penalidade e não houve drama.

Compreendo que se fique chateado porque perdeu-se a emoção das ultimas voltas, mas se a regra existe tem de ser aplicada.
Aliás tenho muita dificuldade em perceber o argumento “estragou-se o espectáculo”.

Seria o mesmo que aceitar a um arbitro a não expulsão de um jogador merecedor de cartão vermelho, para não estragar o jogo.
Desculpa, mas isso não cola. Um erro grave para um piloto como ele? O Hamilton lockou para aí 3 ou 4 vezes no gancho, se tivesse sido naquela curva, acontecia-lhe o mesmo. Estavam os 2 a lutar pela posição e ambos cometeram erros. Não existem penalizações para este tipo de erros como o de ontem. Em 2016, aconteceu o mesmo ao Hamilton e não foi punido. Dar 5s por aquilo de ontem e pura e simplemente má fé e querer matar o desporto. Aliás, muitos ex-pilotos e comentadores (até ingleses, pasme-se) dizem o mesmo. Mas ya, o Vettel errou...

Análises honestas:














« Última modificação: Junho 10, 2019, 16:02 pm por scanferr »
As atitudes do Vettel conseguiram que ninguém discutisse o essencial, mais uma vez sob pressão errou e perdeu uma corrida. Já tinha sido assim na Alemanha o ano passado quando liderava a corrida e saiu de pista perdendo a vitoria. Ou este ano no Bahrain que lado a lado com o Hamilton para a liderança da corrida fez um pião.
Só existe penalização (e polémica) porque cometeu um erro grave para um piloto com o estatuto dele, tudo o resto são floreados.
É obvio que ele ao regressar à pista tem pouco controlo sobre o carro, mas também é claro que infringiu uma regra que é bem explícita.
O ano passado no Japão o Verstappen, na primeira volta, erra uma travagem sai de pista tenta segurar o carro mas ao regressar à pista obriga o Kimi a ir para a escapatória. As imagens até eram claras, ele tinha o volante em “full opposite lock” mas não conseguiu evitar a quase colisão com o finlandês. Foi sancionado com 5s de penalidade e não houve drama.
Compreendo que se fique chateado porque perdeu-se a emoção das ultimas voltas, mas se a regra existe tem de ser aplicada.
Aliás tenho muita dificuldade em perceber o argumento “estragou-se o espectáculo”.
Seria o mesmo que aceitar a um arbitro a não expulsão de um jogador merecedor de cartão vermelho, para não estragar o jogo.
Define pressão... Quase aposto que não consideras o factor Missão Impossível, dada a maior potência do veículo que o perseguia, que estava claramente a jogar ao gato e ao rato com ele.
«Opiniões divergentes não significam ataques pessoais»
As atitudes do Vettel conseguiram que ninguém discutisse o essencial, mais uma vez sob pressão errou e perdeu uma corrida. Já tinha sido assim na Alemanha o ano passado quando liderava a corrida e saiu de pista perdendo a vitoria. Ou este ano no Bahrain que lado a lado com o Hamilton para a liderança da corrida fez um pião.
Só existe penalização (e polémica) porque cometeu um erro grave para um piloto com o estatuto dele, tudo o resto são floreados.
É obvio que ele ao regressar à pista tem pouco controlo sobre o carro, mas também é claro que infringiu uma regra que é bem explícita.
O ano passado no Japão o Verstappen, na primeira volta, erra uma travagem sai de pista tenta segurar o carro mas ao regressar à pista obriga o Kimi a ir para a escapatória. As imagens até eram claras, ele tinha o volante em “full opposite lock” mas não conseguiu evitar a quase colisão com o finlandês. Foi sancionado com 5s de penalidade e não houve drama.
Compreendo que se fique chateado porque perdeu-se a emoção das ultimas voltas, mas se a regra existe tem de ser aplicada.
Aliás tenho muita dificuldade em perceber o argumento “estragou-se o espectáculo”.
Seria o mesmo que aceitar a um arbitro a não expulsão de um jogador merecedor de cartão vermelho, para não estragar o jogo.
Define pressão... Quase aposto que não consideras o factor Missão Impossível, dada a maior potência do veículo que o perseguia, que estava claramente a jogar ao gato e ao rato com ele.

Nesta corrida, a vantagem era da Ferrari que tinha um carro mais rápido em velocidade de ponta, permitindo ao Vettel mesmo quando tinha o Hamilton com DRS, em gerir a vantagem especialmente na recta que antecede a ultima chicane antes da meta.

Isso é facilmente verificável na comparação entre as voltas de qualificação de ambos, onde se confirma que a diferença de quase dois décimos é praticamente toda ganha nessa recta. Naquela pista as ultrapassagens só se fazem ou no final dessa recta ou na travagem para o gancho que a antecede, não existindo nenhum erro e tendo vantagem em termos de velocidade de ponta, dificilmente o Hamilton conseguiria passar o Vettel.

A superioridade do Mercedes vale pela eficácia do carro no seu conjunto porque no que concerne à potencia pura o motor Ferrari ganha, facto reconhecido por todos. Suspeitando-se de uma vantagem que andará em torno dos 30 a 40cv.

O que falha no carro é a falta de tracção em curva, que se torna mais evidente em pistas mais técnicas fruto da incapacidade do carro em explorar de forma eficaz as potencialidades deste novos pneus da Pirelli. Aliás é problema que quase todas as equipas tem enfrentado e que tem levado a que a Ferrari, Red Bull, Haas, Toro Rosso estejam a fazer algum lobby para fazer regressar para a segunda metade da temporada os pneus do ano passado.

https://www.autosport.com/f1/news/143974/wolff-annoyed-f1-rivals-lobbying-for-tyre-change

https://www.autosport.com/f1/news/143861/ferrari-explains-struggles-with-quite-different-tyres


Relativamente à opinião que expressei antes, mantenho o que disse. Toda esta questão começa com um erro do Vettel, isso parece-me evidente.

Se a regra existe tem de ser aplicada, porque então passaria a haver regras para uns, e um conjunto de regras para outros, ou dito de outra forma, se acontece com os pilotos que lutam pelos títulos, avalia-se de uma maneira se fosse com o um Grosjean ou Norris, avaliava-se de outra, não me parece que isso seja sério.

Pode sim discutir-se a letra da regra, e ai concordo que o excesso de regulamentação nestas situações "mata" os duelos quando são mais "acesos".
As atitudes do Vettel conseguiram que ninguém discutisse o essencial, mais uma vez sob pressão errou e perdeu uma corrida. Já tinha sido assim na Alemanha o ano passado quando liderava a corrida e saiu de pista perdendo a vitoria. Ou este ano no Bahrain que lado a lado com o Hamilton para a liderança da corrida fez um pião.
Só existe penalização (e polémica) porque cometeu um erro grave para um piloto com o estatuto dele, tudo o resto são floreados.
É obvio que ele ao regressar à pista tem pouco controlo sobre o carro, mas também é claro que infringiu uma regra que é bem explícita.
O ano passado no Japão o Verstappen, na primeira volta, erra uma travagem sai de pista tenta segurar o carro mas ao regressar à pista obriga o Kimi a ir para a escapatória. As imagens até eram claras, ele tinha o volante em “full opposite lock” mas não conseguiu evitar a quase colisão com o finlandês. Foi sancionado com 5s de penalidade e não houve drama.
Compreendo que se fique chateado porque perdeu-se a emoção das ultimas voltas, mas se a regra existe tem de ser aplicada.
Aliás tenho muita dificuldade em perceber o argumento “estragou-se o espectáculo”.
Seria o mesmo que aceitar a um arbitro a não expulsão de um jogador merecedor de cartão vermelho, para não estragar o jogo.
Define pressão... Quase aposto que não consideras o factor Missão Impossível, dada a maior potência do veículo que o perseguia, que estava claramente a jogar ao gato e ao rato com ele.
Nesta corrida, a vantagem era da Ferrari que tinha um carro mais rápido em velocidade de ponta, permitindo ao Vettel mesmo quando tinha o Hamilton com DRS, em gerir a vantagem especialmente na recta que antecede a ultima chicane antes da meta.
Isso é facilmente verificável na comparação entre as voltas de qualificação de ambos, onde se confirma que a diferença de quase dois décimos é praticamente toda ganha nessa recta. Naquela pista as ultrapassagens só se fazem ou no final dessa recta ou na travagem para o gancho que a antecede, não existindo nenhum erro e tendo vantagem em termos de velocidade de ponta, dificilmente o Hamilton conseguiria passar o Vettel.
A superioridade do Mercedes vale pela eficácia do carro no seu conjunto porque no que concerne à potencia pura o motor Ferrari ganha, facto reconhecido por todos. Suspeitando-se de uma vantagem que andará em torno dos 30 a 40cv.
O que falha no carro é a falta de tracção em curva, que se torna mais evidente em pistas mais técnicas fruto da incapacidade do carro em explorar de forma eficaz as potencialidades deste novos pneus da Pirelli. Aliás é problema que quase todas as equipas tem enfrentado e que tem levado a que a Ferrari, Red Bull, Haas, Toro Rosso estejam a fazer algum lobby para fazer regressar para a segunda metade da temporada os pneus do ano passado.
https://www.autosport.com/f1/news/143974/wolff-annoyed-f1-rivals-lobbying-for-tyre-change
https://www.autosport.com/f1/news/143861/ferrari-explains-struggles-with-quite-different-tyres
Relativamente à opinião que expressei antes, mantenho o que disse. Toda esta questão começa com um erro do Vettel, isso parece-me evidente.
Se a regra existe tem de ser aplicada, porque então passaria a haver regras para uns, e um conjunto de regras para outros, ou dito de outra forma, se acontece com os pilotos que lutam pelos títulos, avalia-se de uma maneira se fosse com o um Grosjean ou Norris, avaliava-se de outra, não me parece que isso seja sério.
Pode sim discutir-se a letra da regra, e ai concordo que o excesso de regulamentação nestas situações "mata" os duelos quando são mais "acesos".
É óbvio que não vimos a mesma corrida...
Vettel esfarrapava-se todo e conseguia, com aparente facilidade, obter quase 4 segundos de avanço. Só que... Sempre que Hamilton queria, esse avanço desaparecia. Só não viu quem não quis!
Parecia a prova de Monza do ano passado. Hamilton a fazer bluff, sempre atrás, até ter mesmo que passar. Em Montreal não foi o caso, não precisou, pois deram-lhe a vitória na secretaria, bastou-lhe seguir o outro, sempre a meio segundo de distância, diferença que obtinha sempre que queria.
É verdade que uma coisa é chegar lá e outra é passar. Certo. Mas, dada a facilidade com que chegava lá, o que se viu claramente desde que Hamilton montou os pneus mais duros, até ao incidente, era de esperar, a qualquer momento, uma ultrapassagem, sob DRS.
Dúvidas? Veja-se como Leclerc nunca conseguiu aproximar-se de Hamilton, mesmo quando Vettel andou a retardar ostensivamente este (que se manteve quietinho atrás, não precisava sequer de atacar).
É mais de que evidente que um dos carros é claramente mais rápido que o outro. O outro até pode andar à frente, mas só enquanto o mais rápido deixar (o que foi o caso). Daí que tentar culpar um piloto por andar nos limites, enquanto o outro se passeia, é não querer ver o filme todo.
Coimo já disse por mais que uma vez aqui, quando um carro parece ter mais velocidade de ponta, é porque tem menos apoio aerodinâmico, para compensar a menor potência. Isso obriga a curvar nos limites e, quando menos se espera, lá está uma ida à relva...
(até porque travões e pneus não aguentam tanto)
«Opiniões divergentes não significam ataques pessoais»
As atitudes do Vettel conseguiram que ninguém discutisse o essencial, mais uma vez sob pressão errou e perdeu uma corrida. Já tinha sido assim na Alemanha o ano passado quando liderava a corrida e saiu de pista perdendo a vitoria. Ou este ano no Bahrain que lado a lado com o Hamilton para a liderança da corrida fez um pião.
Só existe penalização (e polémica) porque cometeu um erro grave para um piloto com o estatuto dele, tudo o resto são floreados.
É obvio que ele ao regressar à pista tem pouco controlo sobre o carro, mas também é claro que infringiu uma regra que é bem explícita.
O ano passado no Japão o Verstappen, na primeira volta, erra uma travagem sai de pista tenta segurar o carro mas ao regressar à pista obriga o Kimi a ir para a escapatória. As imagens até eram claras, ele tinha o volante em “full opposite lock” mas não conseguiu evitar a quase colisão com o finlandês. Foi sancionado com 5s de penalidade e não houve drama.
Compreendo que se fique chateado porque perdeu-se a emoção das ultimas voltas, mas se a regra existe tem de ser aplicada.
Aliás tenho muita dificuldade em perceber o argumento “estragou-se o espectáculo”.
Seria o mesmo que aceitar a um arbitro a não expulsão de um jogador merecedor de cartão vermelho, para não estragar o jogo.
Define pressão... Quase aposto que não consideras o factor Missão Impossível, dada a maior potência do veículo que o perseguia, que estava claramente a jogar ao gato e ao rato com ele.
Nesta corrida, a vantagem era da Ferrari que tinha um carro mais rápido em velocidade de ponta, permitindo ao Vettel mesmo quando tinha o Hamilton com DRS, em gerir a vantagem especialmente na recta que antecede a ultima chicane antes da meta.
Isso é facilmente verificável na comparação entre as voltas de qualificação de ambos, onde se confirma que a diferença de quase dois décimos é praticamente toda ganha nessa recta. Naquela pista as ultrapassagens só se fazem ou no final dessa recta ou na travagem para o gancho que a antecede, não existindo nenhum erro e tendo vantagem em termos de velocidade de ponta, dificilmente o Hamilton conseguiria passar o Vettel.
A superioridade do Mercedes vale pela eficácia do carro no seu conjunto porque no que concerne à potencia pura o motor Ferrari ganha, facto reconhecido por todos. Suspeitando-se de uma vantagem que andará em torno dos 30 a 40cv.
O que falha no carro é a falta de tracção em curva, que se torna mais evidente em pistas mais técnicas fruto da incapacidade do carro em explorar de forma eficaz as potencialidades deste novos pneus da Pirelli. Aliás é problema que quase todas as equipas tem enfrentado e que tem levado a que a Ferrari, Red Bull, Haas, Toro Rosso estejam a fazer algum lobby para fazer regressar para a segunda metade da temporada os pneus do ano passado.
https://www.autosport.com/f1/news/143974/wolff-annoyed-f1-rivals-lobbying-for-tyre-change
https://www.autosport.com/f1/news/143861/ferrari-explains-struggles-with-quite-different-tyres
Relativamente à opinião que expressei antes, mantenho o que disse. Toda esta questão começa com um erro do Vettel, isso parece-me evidente.
Se a regra existe tem de ser aplicada, porque então passaria a haver regras para uns, e um conjunto de regras para outros, ou dito de outra forma, se acontece com os pilotos que lutam pelos títulos, avalia-se de uma maneira se fosse com o um Grosjean ou Norris, avaliava-se de outra, não me parece que isso seja sério.
Pode sim discutir-se a letra da regra, e ai concordo que o excesso de regulamentação nestas situações "mata" os duelos quando são mais "acesos".
É óbvio que não vimos a mesma corrida...
Vettel esfarrapava-se todo e conseguia, com aparente facilidade, obter quase 4 segundos de avanço. Só que... Sempre que Hamilton queria, esse avanço desaparecia. Só não viu quem não quis!
Parecia a prova de Monza do ano passado. Hamilton a fazer bluff, sempre atrás, até ter mesmo que passar. Em Montreal não foi o caso, não precisou, pois deram-lhe a vitória na secretaria, bastou-lhe seguir o outro, sempre a meio segundo de distância, diferença que obtinha sempre que queria.
É verdade que uma coisa é chegar lá e outra é passar. Certo. Mas, dada a facilidade com que chegava lá, o que se viu claramente desde que Hamilton montou os pneus mais duros, até ao incidente, era de esperar, a qualquer momento, uma ultrapassagem, sob DRS.
Dúvidas? Veja-se como Leclerc nunca conseguiu aproximar-se de Hamilton, mesmo quando Vettel andou a retardar ostensivamente este (que se manteve quietinho atrás, não precisava sequer de atacar).
É mais de que evidente que um dos carros é claramente mais rápido que o outro. O outro até pode andar à frente, mas só enquanto o mais rápido deixar (o que foi o caso). Daí que tentar culpar um piloto por andar nos limites, enquanto o outro se passeia, é não querer ver o filme todo.
Coimo já disse por mais que uma vez aqui, quando um carro parece ter mais velocidade de ponta, é porque tem menos apoio aerodinâmico, para compensar a menor potência. Isso obriga a curvar nos limites e, quando menos se espera, lá está uma ida à relva...
(até porque travões e pneus não aguentam tanto)

Exacto. A Mercedes tinha .8s por volta a menos que a ferrari.a Ferrari teve de economizar combustível ( a mensagem do engenheiro para o Seb a dizer que os números no monitor estavam certos e que ele tinha de agir eram sobre combustível). Este ano o motor Ferrari "bebe" demasiado (a segunda spec da ICU foi para reduzir o gasto de combustível) e comparado com o Mercedes é complicado. Memo o Ham teve vários erros em que bloqueou rodas e tudo mais mas ele não estava a andar no limite ou alguém achou que o Hamilton estava a andar no limite quando fez a corrida quase toda a menos de 1s do Vettel?

Esse erro do Gp da Alemanha foi um erro da Ferrari que o deixou fora com pneus duros e a chover enquanto que o Ham tinha pneus macios ou ultramacios que naquelas condições estavam a ter tanta aderência que ele tinha 2s a menos por volta. Como o vettel tinha mais que tempo suficiente para fazer um Pitstop mas a Ferrari decidiu não fazer ele teve de forçar porque o Hamilton estava super rápido e iria facilmente chegar a 1
As atitudes do Vettel conseguiram que ninguém discutisse o essencial, mais uma vez sob pressão errou e perdeu uma corrida. Já tinha sido assim na Alemanha o ano passado quando liderava a corrida e saiu de pista perdendo a vitoria. Ou este ano no Bahrain que lado a lado com o Hamilton para a liderança da corrida fez um pião.
Só existe penalização (e polémica) porque cometeu um erro grave para um piloto com o estatuto dele, tudo o resto são floreados.
É obvio que ele ao regressar à pista tem pouco controlo sobre o carro, mas também é claro que infringiu uma regra que é bem explícita.
O ano passado no Japão o Verstappen, na primeira volta, erra uma travagem sai de pista tenta segurar o carro mas ao regressar à pista obriga o Kimi a ir para a escapatória. As imagens até eram claras, ele tinha o volante em “full opposite lock” mas não conseguiu evitar a quase colisão com o finlandês. Foi sancionado com 5s de penalidade e não houve drama.
Compreendo que se fique chateado porque perdeu-se a emoção das ultimas voltas, mas se a regra existe tem de ser aplicada.
Aliás tenho muita dificuldade em perceber o argumento “estragou-se o espectáculo”.
Seria o mesmo que aceitar a um arbitro a não expulsão de um jogador merecedor de cartão vermelho, para não estragar o jogo.
Define pressão... Quase aposto que não consideras o factor Missão Impossível, dada a maior potência do veículo que o perseguia, que estava claramente a jogar ao gato e ao rato com ele.
Nesta corrida, a vantagem era da Ferrari que tinha um carro mais rápido em velocidade de ponta, permitindo ao Vettel mesmo quando tinha o Hamilton com DRS, em gerir a vantagem especialmente na recta que antecede a ultima chicane antes da meta.
Isso é facilmente verificável na comparação entre as voltas de qualificação de ambos, onde se confirma que a diferença de quase dois décimos é praticamente toda ganha nessa recta. Naquela pista as ultrapassagens só se fazem ou no final dessa recta ou na travagem para o gancho que a antecede, não existindo nenhum erro e tendo vantagem em termos de velocidade de ponta, dificilmente o Hamilton conseguiria passar o Vettel.
A superioridade do Mercedes vale pela eficácia do carro no seu conjunto porque no que concerne à potencia pura o motor Ferrari ganha, facto reconhecido por todos. Suspeitando-se de uma vantagem que andará em torno dos 30 a 40cv.
O que falha no carro é a falta de tracção em curva, que se torna mais evidente em pistas mais técnicas fruto da incapacidade do carro em explorar de forma eficaz as potencialidades deste novos pneus da Pirelli. Aliás é problema que quase todas as equipas tem enfrentado e que tem levado a que a Ferrari, Red Bull, Haas, Toro Rosso estejam a fazer algum lobby para fazer regressar para a segunda metade da temporada os pneus do ano passado.
https://www.autosport.com/f1/news/143974/wolff-annoyed-f1-rivals-lobbying-for-tyre-change
https://www.autosport.com/f1/news/143861/ferrari-explains-struggles-with-quite-different-tyres
Relativamente à opinião que expressei antes, mantenho o que disse. Toda esta questão começa com um erro do Vettel, isso parece-me evidente.
Se a regra existe tem de ser aplicada, porque então passaria a haver regras para uns, e um conjunto de regras para outros, ou dito de outra forma, se acontece com os pilotos que lutam pelos títulos, avalia-se de uma maneira se fosse com o um Grosjean ou Norris, avaliava-se de outra, não me parece que isso seja sério.
Pode sim discutir-se a letra da regra, e ai concordo que o excesso de regulamentação nestas situações "mata" os duelos quando são mais "acesos".
É óbvio que não vimos a mesma corrida...
Vettel esfarrapava-se todo e conseguia, com aparente facilidade, obter quase 4 segundos de avanço. Só que... Sempre que Hamilton queria, esse avanço desaparecia. Só não viu quem não quis!
Parecia a prova de Monza do ano passado. Hamilton a fazer bluff, sempre atrás, até ter mesmo que passar. Em Montreal não foi o caso, não precisou, pois deram-lhe a vitória na secretaria, bastou-lhe seguir o outro, sempre a meio segundo de distância, diferença que obtinha sempre que queria.
É verdade que uma coisa é chegar lá e outra é passar. Certo. Mas, dada a facilidade com que chegava lá, o que se viu claramente desde que Hamilton montou os pneus mais duros, até ao incidente, era de esperar, a qualquer momento, uma ultrapassagem, sob DRS.
Dúvidas? Veja-se como Leclerc nunca conseguiu aproximar-se de Hamilton, mesmo quando Vettel andou a retardar ostensivamente este (que se manteve quietinho atrás, não precisava sequer de atacar).
É mais de que evidente que um dos carros é claramente mais rápido que o outro. O outro até pode andar à frente, mas só enquanto o mais rápido deixar (o que foi o caso). Daí que tentar culpar um piloto por andar nos limites, enquanto o outro se passeia, é não querer ver o filme todo.
Coimo já disse por mais que uma vez aqui, quando um carro parece ter mais velocidade de ponta, é porque tem menos apoio aerodinâmico, para compensar a menor potência. Isso obriga a curvar nos limites e, quando menos se espera, lá está uma ida à relva...
(até porque travões e pneus não aguentam tanto)

Exacto. A Mercedes tinha .8s por volta a menos que a ferrari.a Ferrari teve de economizar combustível ( a mensagem do engenheiro para o Seb a dizer que os números no monitor estavam certos e que ele tinha de agir eram sobre combustível). Este ano o motor Ferrari "bebe" demasiado (a segunda spec da ICU foi para reduzir o gasto de combustível) e comparado com o Mercedes é complicado. Memo o Ham teve vários erros em que bloqueou rodas e tudo mais mas ele não estava a andar no limite ou alguém achou que o Hamilton estava a andar no limite quando fez a corrida quase toda a menos de 1s do Vettel?
Esse erro do Gp da Alemanha foi um erro da Ferrari que o deixou fora com pneus duros e a chover enquanto que o Ham tinha pneus macios ou ultramacios que naquelas condições estavam a ter tanta aderência que ele tinha 2s a menos por volta. Como o vettel tinha mais que tempo suficiente para fazer um Pitstop mas a Ferrari decidiu não fazer ele teve de forçar porque o Hamilton estava super rápido e iria facilmente chegar a 1
Não acho que o motor italiano beba ou deixe de beber mais. O que se passa é que o motor alemão tem muito mais potência de origem electrica, o que lhe permite poupar combustível. Da única vez que o motor italiano teve potência comparável de origem electrica (há um ou dois anos), houve logo um protesto dos alemães e proibiram a modificação (um segundo sensor de bateria, ou coisa parecida) dos italianos.
«Opiniões divergentes não significam ataques pessoais»
As atitudes do Vettel conseguiram que ninguém discutisse o essencial, mais uma vez sob pressão errou e perdeu uma corrida. Já tinha sido assim na Alemanha o ano passado quando liderava a corrida e saiu de pista perdendo a vitoria. Ou este ano no Bahrain que lado a lado com o Hamilton para a liderança da corrida fez um pião.
Só existe penalização (e polémica) porque cometeu um erro grave para um piloto com o estatuto dele, tudo o resto são floreados.
É obvio que ele ao regressar à pista tem pouco controlo sobre o carro, mas também é claro que infringiu uma regra que é bem explícita.
O ano passado no Japão o Verstappen, na primeira volta, erra uma travagem sai de pista tenta segurar o carro mas ao regressar à pista obriga o Kimi a ir para a escapatória. As imagens até eram claras, ele tinha o volante em “full opposite lock” mas não conseguiu evitar a quase colisão com o finlandês. Foi sancionado com 5s de penalidade e não houve drama.
Compreendo que se fique chateado porque perdeu-se a emoção das ultimas voltas, mas se a regra existe tem de ser aplicada.
Aliás tenho muita dificuldade em perceber o argumento “estragou-se o espectáculo”.
Seria o mesmo que aceitar a um arbitro a não expulsão de um jogador merecedor de cartão vermelho, para não estragar o jogo.
Define pressão... Quase aposto que não consideras o factor Missão Impossível, dada a maior potência do veículo que o perseguia, que estava claramente a jogar ao gato e ao rato com ele.
Nesta corrida, a vantagem era da Ferrari que tinha um carro mais rápido em velocidade de ponta, permitindo ao Vettel mesmo quando tinha o Hamilton com DRS, em gerir a vantagem especialmente na recta que antecede a ultima chicane antes da meta.
Isso é facilmente verificável na comparação entre as voltas de qualificação de ambos, onde se confirma que a diferença de quase dois décimos é praticamente toda ganha nessa recta. Naquela pista as ultrapassagens só se fazem ou no final dessa recta ou na travagem para o gancho que a antecede, não existindo nenhum erro e tendo vantagem em termos de velocidade de ponta, dificilmente o Hamilton conseguiria passar o Vettel.
A superioridade do Mercedes vale pela eficácia do carro no seu conjunto porque no que concerne à potencia pura o motor Ferrari ganha, facto reconhecido por todos. Suspeitando-se de uma vantagem que andará em torno dos 30 a 40cv.
O que falha no carro é a falta de tracção em curva, que se torna mais evidente em pistas mais técnicas fruto da incapacidade do carro em explorar de forma eficaz as potencialidades deste novos pneus da Pirelli. Aliás é problema que quase todas as equipas tem enfrentado e que tem levado a que a Ferrari, Red Bull, Haas, Toro Rosso estejam a fazer algum lobby para fazer regressar para a segunda metade da temporada os pneus do ano passado.
https://www.autosport.com/f1/news/143974/wolff-annoyed-f1-rivals-lobbying-for-tyre-change
https://www.autosport.com/f1/news/143861/ferrari-explains-struggles-with-quite-different-tyres
Relativamente à opinião que expressei antes, mantenho o que disse. Toda esta questão começa com um erro do Vettel, isso parece-me evidente.
Se a regra existe tem de ser aplicada, porque então passaria a haver regras para uns, e um conjunto de regras para outros, ou dito de outra forma, se acontece com os pilotos que lutam pelos títulos, avalia-se de uma maneira se fosse com o um Grosjean ou Norris, avaliava-se de outra, não me parece que isso seja sério.
Pode sim discutir-se a letra da regra, e ai concordo que o excesso de regulamentação nestas situações "mata" os duelos quando são mais "acesos".
É óbvio que não vimos a mesma corrida...
Vettel esfarrapava-se todo e conseguia, com aparente facilidade, obter quase 4 segundos de avanço. Só que... Sempre que Hamilton queria, esse avanço desaparecia. Só não viu quem não quis!
Parecia a prova de Monza do ano passado. Hamilton a fazer bluff, sempre atrás, até ter mesmo que passar. Em Montreal não foi o caso, não precisou, pois deram-lhe a vitória na secretaria, bastou-lhe seguir o outro, sempre a meio segundo de distância, diferença que obtinha sempre que queria.
É verdade que uma coisa é chegar lá e outra é passar. Certo. Mas, dada a facilidade com que chegava lá, o que se viu claramente desde que Hamilton montou os pneus mais duros, até ao incidente, era de esperar, a qualquer momento, uma ultrapassagem, sob DRS.
Dúvidas? Veja-se como Leclerc nunca conseguiu aproximar-se de Hamilton, mesmo quando Vettel andou a retardar ostensivamente este (que se manteve quietinho atrás, não precisava sequer de atacar).
É mais de que evidente que um dos carros é claramente mais rápido que o outro. O outro até pode andar à frente, mas só enquanto o mais rápido deixar (o que foi o caso). Daí que tentar culpar um piloto por andar nos limites, enquanto o outro se passeia, é não querer ver o filme todo.
Coimo já disse por mais que uma vez aqui, quando um carro parece ter mais velocidade de ponta, é porque tem menos apoio aerodinâmico, para compensar a menor potência. Isso obriga a curvar nos limites e, quando menos se espera, lá está uma ida à relva...
(até porque travões e pneus não aguentam tanto)

Exacto. A Mercedes tinha .8s por volta a menos que a ferrari.a Ferrari teve de economizar combustível ( a mensagem do engenheiro para o Seb a dizer que os números no monitor estavam certos e que ele tinha de agir eram sobre combustível). Este ano o motor Ferrari "bebe" demasiado (a segunda spec da ICU foi para reduzir o gasto de combustível) e comparado com o Mercedes é complicado. Memo o Ham teve vários erros em que bloqueou rodas e tudo mais mas ele não estava a andar no limite ou alguém achou que o Hamilton estava a andar no limite quando fez a corrida quase toda a menos de 1s do Vettel?
Esse erro do Gp da Alemanha foi um erro da Ferrari que o deixou fora com pneus duros e a chover enquanto que o Ham tinha pneus macios ou ultramacios que naquelas condições estavam a ter tanta aderência que ele tinha 2s a menos por volta. Como o vettel tinha mais que tempo suficiente para fazer um Pitstop mas a Ferrari decidiu não fazer ele teve de forçar porque o Hamilton estava super rápido e iria facilmente chegar a 1
Não acho que o motor italiano beba ou deixe de beber mais. O que se passa é que o motor alemão tem muito mais potência de origem electrica, o que lhe permite poupar combustível. Da única vez que o motor italiano teve potência comparável de origem electrica (há um ou dois anos), houve logo um protesto dos alemães e proibiram a modificação (um segundo sensor de bateria, ou coisa parecida) dos italianos.
Exacto mas estava a comparar o consumo com o a Mercedes.
As atitudes do Vettel conseguiram que ninguém discutisse o essencial, mais uma vez sob pressão errou e perdeu uma corrida. Já tinha sido assim na Alemanha o ano passado quando liderava a corrida e saiu de pista perdendo a vitoria. Ou este ano no Bahrain que lado a lado com o Hamilton para a liderança da corrida fez um pião.
Só existe penalização (e polémica) porque cometeu um erro grave para um piloto com o estatuto dele, tudo o resto são floreados.
É obvio que ele ao regressar à pista tem pouco controlo sobre o carro, mas também é claro que infringiu uma regra que é bem explícita.
O ano passado no Japão o Verstappen, na primeira volta, erra uma travagem sai de pista tenta segurar o carro mas ao regressar à pista obriga o Kimi a ir para a escapatória. As imagens até eram claras, ele tinha o volante em “full opposite lock” mas não conseguiu evitar a quase colisão com o finlandês. Foi sancionado com 5s de penalidade e não houve drama.
Compreendo que se fique chateado porque perdeu-se a emoção das ultimas voltas, mas se a regra existe tem de ser aplicada.
Aliás tenho muita dificuldade em perceber o argumento “estragou-se o espectáculo”.
Seria o mesmo que aceitar a um arbitro a não expulsão de um jogador merecedor de cartão vermelho, para não estragar o jogo.
Define pressão... Quase aposto que não consideras o factor Missão Impossível, dada a maior potência do veículo que o perseguia, que estava claramente a jogar ao gato e ao rato com ele.
Nesta corrida, a vantagem era da Ferrari que tinha um carro mais rápido em velocidade de ponta, permitindo ao Vettel mesmo quando tinha o Hamilton com DRS, em gerir a vantagem especialmente na recta que antecede a ultima chicane antes da meta.
Isso é facilmente verificável na comparação entre as voltas de qualificação de ambos, onde se confirma que a diferença de quase dois décimos é praticamente toda ganha nessa recta. Naquela pista as ultrapassagens só se fazem ou no final dessa recta ou na travagem para o gancho que a antecede, não existindo nenhum erro e tendo vantagem em termos de velocidade de ponta, dificilmente o Hamilton conseguiria passar o Vettel.
A superioridade do Mercedes vale pela eficácia do carro no seu conjunto porque no que concerne à potencia pura o motor Ferrari ganha, facto reconhecido por todos. Suspeitando-se de uma vantagem que andará em torno dos 30 a 40cv.
O que falha no carro é a falta de tracção em curva, que se torna mais evidente em pistas mais técnicas fruto da incapacidade do carro em explorar de forma eficaz as potencialidades deste novos pneus da Pirelli. Aliás é problema que quase todas as equipas tem enfrentado e que tem levado a que a Ferrari, Red Bull, Haas, Toro Rosso estejam a fazer algum lobby para fazer regressar para a segunda metade da temporada os pneus do ano passado.
https://www.autosport.com/f1/news/143974/wolff-annoyed-f1-rivals-lobbying-for-tyre-change
https://www.autosport.com/f1/news/143861/ferrari-explains-struggles-with-quite-different-tyres
Relativamente à opinião que expressei antes, mantenho o que disse. Toda esta questão começa com um erro do Vettel, isso parece-me evidente.
Se a regra existe tem de ser aplicada, porque então passaria a haver regras para uns, e um conjunto de regras para outros, ou dito de outra forma, se acontece com os pilotos que lutam pelos títulos, avalia-se de uma maneira se fosse com o um Grosjean ou Norris, avaliava-se de outra, não me parece que isso seja sério.
Pode sim discutir-se a letra da regra, e ai concordo que o excesso de regulamentação nestas situações "mata" os duelos quando são mais "acesos".
É óbvio que não vimos a mesma corrida...
Vettel esfarrapava-se todo e conseguia, com aparente facilidade, obter quase 4 segundos de avanço. Só que... Sempre que Hamilton queria, esse avanço desaparecia. Só não viu quem não quis!

Parecia a prova de Monza do ano passado. Hamilton a fazer bluff, sempre atrás, até ter mesmo que passar. Em Montreal não foi o caso, não precisou, pois deram-lhe a vitória na secretaria, bastou-lhe seguir o outro, sempre a meio segundo de distância, diferença que obtinha sempre que queria.
É verdade que uma coisa é chegar lá e outra é passar. Certo. Mas, dada a facilidade com que chegava lá, o que se viu claramente desde que Hamilton montou os pneus mais duros, até ao incidente, era de esperar, a qualquer momento, uma ultrapassagem, sob DRS.
Dúvidas? Veja-se como Leclerc nunca conseguiu aproximar-se de Hamilton, mesmo quando Vettel andou a retardar ostensivamente este (que se manteve quietinho atrás, não precisava sequer de atacar).
É mais de que evidente que um dos carros é claramente mais rápido que o outro. O outro até pode andar à frente, mas só enquanto o mais rápido deixar (o que foi o caso). Daí que tentar culpar um piloto por andar nos limites, enquanto o outro se passeia, é não querer ver o filme todo.
Coimo já disse por mais que uma vez aqui, quando um carro parece ter mais velocidade de ponta, é porque tem menos apoio aerodinâmico, para compensar a menor potência. Isso obriga a curvar nos limites e, quando menos se espera, lá está uma ida à relva...
(até porque travões e pneus não aguentam tanto)

 
Se viste na Eleven Sports, vimos a mesma corrida  ;D

A Mercedes só equilibrou as coisas na corrida quando ambas as equipas montaram os pneus duros. A Ferrari durante todo o fim de semana só usou esta mistura na corrida, aliás os dois carros usaram esses pneus nas voltas de formação da pré-grelha, provavelmente para os pilotos terem uma noção do equilíbrio do carro.

Mas uma coisa é chegar outra é ultrapassar, e ele nunca teve velocidade de ponta para o fazer. Quando é aplicado os 5s ao Vettel o alemão tinha uma vantagem de 3s sobre o Hamilton que tinha necessidade de dar espaço para o Ferrari para o motor poder respirar e não destruir os pneus, por isso não podia estar sempre em cima.

Porém deves ter reparado que ele tentou ganhar a corrida na pista, quando foi informado da penalização ao Vettel, mas nunca conseguiu sequer ameaçar uma ultrapassagem.

Se é verdade que o Mercedes é o carro mais completo, no Canadá o Ferrari foi o mais carro eficaz, por alguma razão meteu os dois pilotos no pódio, fez a Pole e devia ter ganho a corrida.