[Mundial 2014] 1/4 Argentina 1 - 0 Bélgica [5/7]

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Depois do Neymar, di maria out enorme perda para a argentina.
Para mim estava a ser o melhor da argentina a seguir ao Rojo  ???
“Para mim, o Sporting é como uma mulher que se ama logo à primeira vista. Um homem pode conhecer várias mulheres, mas há sempre ‘aquela’, a especial. Independentemente de ficarmos com ela ou não, lembramo-nos dela para sempre!” De Franceschi
2 seleções com grandes talentos, mas coletivo fraco.

Esta Bélgica no mundial, mas especialmente hoje, jogou muito mal. Especialmente a estrela maior da companhia, Hazard, esteve péssimo este mundial.

Esperava mais desta Bélgica em termos de jogo jogado, ainda por cima tendo em conta os jogos que fez na qualificação.

A Argentina com 1 boneco como treinador e não jogando nada do outro mundo chega ás meias-finais.

E agora perderam o Di Maria, baixa muito importante.



Olhem-me este boneco:


 :rotfl: :rotfl: :rotfl:
FORÇA GRANDE BRUNO CARVALHO...
Argentina 1 - 0 Bélgica

# um daqueles jogos capaz de deprimir o apaixonado Luís Freitas Lobo. :whistle: :lol:

Notas: i) a pasmaceira generalizada no colectivo de Wilmots (?) foi a melhor fotocópia do Portugal de Bento (...) intensidade inexistente, movimentações pouco (ou nada) fluídas, ataques relâmpago [2|3 jogadores em pobres sequências rápidas de 2|3 passes], organização digna de escalões secundários e uma fome de bola equivalente a um pós-Açorda em pleno Alentejo (!). Há equipas que (ainda) hoje podiam estar no Brasil a comer, literalmente, a relva adversária só para poderem continuar a participação no Mundial [Argélia, Irão, Costa Rica, Chile, Colômbia] e as vedetas Belgas, possivelmente acomodadas a uma, desde já, presença histórica [1|4 de final] resolveram ignorar tudo aquilo para que foram chamados. Há jogos combinados na Serie A com um "guião" mais interessante que estes pobres 90 minutos. ii) Mirallas - ou Miralhas - aos 26 anos não revela qualquer evolução no seu jogo desde que chegou a Inglaterra [2012] sendo um daqueles atletas - à la Defoe - capaz de fazer uma carreira por clubes (minimamente) interessantes tendo apenas como atributo acima da média, a sua velocidade. É um atleta tão mediano em (quase) tudo o que faz - falo do remate, da recepção, da capacidade de passe, da colocação do cruzamento - que me faz acreditar que apenas a falta de tomates do Wilmot lhe foi capaz de assegurar a titularidade num colectivo que (ainda) tem Mertens e|ou Januzaj. (...)

iii) há atletas na Catalunha [Barcelona] que por todo o folclore que envolve aquele colectivo - e diga-se, arsenal ofensivo [Messi, Neymar, Alexis, Pedro] - nunca chegam a ser devidamente valorizados, Javier Mascherano [30 anos] é (claramente!) um deles [menções honrosas para Yaya Touré e|ou Busquets]. É um atleta soberbo, outrora indiscutível em Liverpool, perspicaz no 1x1 e com um timing de desarme|intercepção capaz de corar verdadeiros centrais. Vê-lo na posição 6 - face às características de Gago (?) até acaba por ter um papel (bem!) mais exigente do que o típico 6 - com a "trela" solta, sem o peso das obrigações posicionais impostas em Espanha [DC] é um regalo para os olhos. Ele está por todo o lado, a destruir, a construir, a roubar, a passar, a dobrar, a apoiar, é uma pena não ter menos 4 anos nas pernas. vi) atendendo à qualidade - individual - da Bélgica seria útil para os Belgas começar a pensar num sistema capaz de maximizar a eficiência ofensiva da sua turma. Existem várias coexistências no XI difíceis de conciliar em tão pouco tempo de trabalho: (1) o Fellaini não pode ter tanta liberdade (ofensiva) neste modelo de duplo-pivot. (2) há que tentar incutir solidariedade defensiva nos extremos Belgas [Mirallas, Mertens, Hazard, Januzaj], qualquer um deles confia as responsabilidades da ala quase que por completo aos laterais. (3) De Bruyne, em termos de intensidade, está ao lado do Óscar, o que pode ser um problema se a equipa andar ao reboque do ritmo de jogo que ele incute. (4) Origi e|ou Lukaku têm de começar a usar as pernas na 1ª fase de pressão [aspecto em que ambos foram espectadores neste Mundial]. (5) devem assumir-se como equipa de posse ou transição? Há que ter estes aspectos em consideração, caso contrário esta (fantástica) geração de Ouro poderá nunca vir a alcançar um pódio neste tipo de competições [Mundial, Europeu].
O Januzaj podia e devia ter entrado neste jogo na minha opinião.

Mesmo com a equipa tão mal, acredito que o Januzaj era menino para mexer com o jogo.
A Argentina ganhou merecidamente. A Bélgica não teve grandes hipóteses de ganhar, foi inferior.

Não percebo bem a má-vontade com o Sabella. Ou, se calhar, percebo, em Portugal. É que, para estes fanáticos de cá, era Messi, Enzo Pérez e mais nove. Vejam o ridículo destaque que deram, durante o jogo e depois, à entrada deste tipo no jogo. Esqueceram-se foi de dizer que não jogou uma trampa.

Aliás, para estes doidinhos, o Sabella devia ter convocado o Gaitán, o Sálvio e sei lá mais quem. Às vezes, riu-me quando os ouço falar com admiração do Rojo. Parece que o descobriram no Mundial (bem como ao Slimani). E, se não fosse a admiração internacional pelo jogador, se calhar nem reparariam.

O problema do Sabella é o mesmo dos últimos seleccionadores argentinos: tem um fantástico jogador e, de resto, uma geração de jogadores relativamente mediana. O futebol argentino decaiu muito (e é também por isso que alguns param cá uns anos).
Não concordo nada, por acaso (e não é costume). Di Maria é um excelente jogador, Aguero é top. Gosto muito do Gago também. Para mim, Enzo e Garay também são muito bons e têm tanto lugar num clube grande como o Matic. Comigo, sim, eram ambos titulares.

O Sabella é excessivamente defensivo, sim. Todas as Selecções têm debilidades e isso tem-se visto em quase todas, mas nos jogos da Argentina são quase sempre as individualidades a resolver, inclusive contra adversários bem modestos e sem grandes jogadores (ex: Irão).

Penso que o Brasil-Alemanha será uma final antecipada. Nenhuma das Selecções está fantástica mas (por razões diferentes) parecem-me as mais fortes (ou as menos fracas). A Argentina tem Messi e tudo pode acontecer. A Holanda tem Robben, o que já não é bem o mesmo. Mas também pode surpreender, claro.