Votação

Qual é o seu Rookie of the Year?

Ben Simmons
Donovan Mitchell
Jayson tatum
Lauri Markkanen
Dennis Smith Jr.
Kyle Kuzma
Lonzo Ball
De'Aaron Fox
Bogdan Bogdanovic
Josh Jackon
John Collins
Outro

NBA |2018 Playoffs

0 Membros e 2 Visitantes estão a ver este tópico.

Não valia a pena levar a prolongamento. O Donovan meteu o Nance no bolso de trás e depois afundou com ele lá enfiado. Nem sequer estiveram próximos do mesmo nível, sinceramente.

A regra das três tentativas é ridículas. Graças a ela, o Oladipo tem duas participações no concurso e...1 afundanço com sucesso, porque sempre arriscou mais que os outros e quis dar espectáculo (que é o objectivo primordial deste fim-de-semana).
"If God had meant football to be played in the air, he would have put grass in the sky" - Brian Clough

“Quando treinava o Saragoça, um jogador veio ter comigo no início da época e disse-me, todo contente: ‘Mister, estou melhor do que nunca fisicamente.’ Olhei para ele e respondi-lhe: ‘Isso é a pior notícia que me podias dar. Agora vais estar em mais sítios errados mais vezes, c*****.’” - Juan Manuel Lillo
Livreiro a abrir o livro!!!

Este chaval é um diamante. Já tinha deixado indicações sobrenaturais quando aos 20 anos espeta 70 pontos aos Celtics (em Boston!).

As esperanças do @barbosa são bem legítimas. Já parece mais que óbvio que estamos a lidar com um franchise player. No próximo ano tem de ser All-Star. E é bom que os dirigentes dos Suns fiquem espertos e comecem a construir uma equipa competitiva à sua volta.
Sempre gostei do fim de semana all star mas a cada ano que passa fica pior. Exceptuando o ano do Gordon vs LaVine que foi realmente bastante bom(embora o Gordon tenha sido roubado à grande), nos últimos anos tem sido sempre uma desilusão, principalmente o concurso de afundanços.

Ontem foi um dos piores que já vi e o juri esteve patético. Hoje em dia um afundanço tem mais pontuação pelo show off que pelo lance em si, basta colocar lá famosos, vestir uns fatos, fazer umas homenagens e voilá. Só dava 50 ao do meu menino DSJ. Aquele 2º do Donovan então é ridículo. Chama 3 gajos pequenos e ainda os manda se agacharem para saltar por cima deles e afundar facilmente e leva 50.  :lol:
O Booker usou claramente cheats na ultima ronda! O Tobias se não fosse o facto de ter ficado cansado a meio, ia conseguir lá chegar...
Muito fraco o concurso de afundanços, os jurados foram simpáticos com os 10 à toa que davam. Há dois anos davam 11 ao LaVine e ao Gordon? Muito fraquinho este concurso... o Oladipo foi uma desilusão, Nance só merecia 10 no dunk da tabela e o Donovan levou muitos 10 por ser o menino bonito desta época. O melhor da noite foi do Dennis Smith Jr.
76-78, 1ª parte muito fraca.
Tivemos defesa (um pouco) num all star!!



Lebron a brincar com as crianças #TeamPopcorn :)
« Última modificação: Fevereiro 19, 2018, 15:17 pm por i0tech »
Bela joga no All Star game.

Lebron justamente o MVP, grande joga e deu espetáculo.

O Oladipo aqui já soube afundar  :lol: :lol:
Pessoal, qual a vossa opinião com o a possibilidade de se acabar com o Este/Oeste? Ao que parece está a ser equacionado.
Eu acho que traz vantagens uma vez que as conferências estão bastante desequilibradas (mais qualidade no oeste). A grande diferença seria que os Playoffs deixariam de ser um passeio para o Lebron (até à final) uma vez que neste momento ficar em 1º ou em 8º no Este é-lhe indiferente. Também ia mudar a maneira como algumas equipas descansam muitas vezes os jogadores, já que a diferença de alguns jogos ganhos teria uma maior influência em termos de apanhar equipas mais fortes nos playoffs.
Já existem bastantes jogos entre equipas de conferências diferentes durante a época e até no All star deixou de haver distinção, por isso acho que é uma questão de tempo até isto acontecer. o que acham?

Acho uma excelente ideia e terá de se tomar esse rumo tendo em conta o poderio superior do Oeste. Os problemas desta medida são as viagens e os fusos horários.

Diga-se que há equipas na conferência este que estão bem mais a oeste que muitas da este. Mas no geral uma viagem de uma costa à outra do país não será fácil de aguentar.

Enviado do meu SM-G950F através do Tapatalk



"In Northeast Ohio, nothing is given. Everything is earned. You work for what you have.

I’m ready to accept the challenge. I’m coming home." - LeBron James
Isso não resolve nada e só aumenta o fosso de talento em termos geográficos no país. O modelo da nba estava e está assente numa tentativa de equilibrar valores basquetebolisticos um pouco por todo o país, daí a divisão de conferências, salary cap, luxury taxes, super max contracts para os jogadores ficarem onde foram draftados e não quererem ir para mercados maiores, etc etc. Essa medida é um simples ataque ao sintoma do problema e não ao problema em si. Estão a mascara-lo, a permitir que a doença evolua e o medicamento ainda cria outros focos de infecção. Os mercados dentro dos EUA são desiguais, ao nível de exposição ou de impostos, por exemplo. A doença fará que as populações de zonas menos atrativas cada vez mais se desinteressem pelo jogo e deixem de ir ao pavilhão, o que já está a acontecer actualmente em certas cidades.  Querem uma liga portuguesa de futebol com 3 grandes, uma espanhola com dois ou uma inglesa em que qualquer equipa tem uma hipótese? Por alguma razão as ligas mais competitivas, em qualquer desporto, são as que geram maior interesse, mais desenvolvidas e com maior retorno, económico e desportivo.
« Última modificação: Fevereiro 20, 2018, 18:38 pm por i0tech »


Excelente vídeo, com opiniões e perspetivas bastante interessantes.


"In Northeast Ohio, nothing is given. Everything is earned. You work for what you have.

I’m ready to accept the challenge. I’m coming home." - LeBron James
Pois ainda não percebi se a ideia não será manter o número de jogos como está (30 contra equipas de outra conferência, 16 contra equipas da mesma divisão e 36 contra equipas de outras divisões mas da mesma conferência). E a mudança seria só ignorar as classificações por conferência (tal como já se faz com as classificações de divisão) passando o acesso aos playoffs ser decidido por uma classificação geral.  :think:

Ando numa de analisar o Draft deste ano e holy shit...o Doncic é qualquer coisa. Adoraria que as equipas do top 5 o deixassem passar por ser europeu ou pela falta de atleticismo ou pelo whatnot. Ou que Brooklyn seja mesmo horrível e caia para o top 3. Mas é complicado. Este ano, especialmente, há muuuuitas equipas más e os Nets não têm interesse nenhum em fazer tank.


"In Northeast Ohio, nothing is given. Everything is earned. You work for what you have.

I’m ready to accept the challenge. I’m coming home." - LeBron James
Ando numa de analisar o Draft deste ano e holy shit...o Doncic é qualquer coisa. Adoraria que as equipas do top 5 o deixassem passar por ser europeu ou pela falta de atleticismo ou pelo whatnot. Ou que Brooklyn seja mesmo horrível e caia para o top 3. Mas é complicado. Este ano, especialmente, há muuuuitas equipas más e os Nets não têm interesse nenhum em fazer tank.
Quem é que já viste?

O Doncic só não deve #1 pelo estigma de ser europeu e pouco atlético (para os standards americanos, entenda-se). É um jogador incrível, que pode até jogar em várias posições na NBA. Mas não deve baixar nunca do top 3.

O Ayton e o Trae Young (que época incrível deste miúdo) também são prospects de grande talento e potencial. O primeiro é o típico center dominador que aparece sempre nestas discussões. Muito forte em termos ofensivos, tanto em termos de lançamento (é um gajo que estica o jogo até à linha de 3 pontos) como na tabela. Já o segundo é um combo guard explosivo, com uma mecânica de lançamento rápida e fácil e com um range digno de Steph Curry. Aliás, a comparação com o base dos Warriors não é nada descabida, salvaguardando as devidas diferenças de qualidade. O Trae tem carregado Oklahoma esta época, com 29pts 4reb 10ast de médias, mais coisa menos coisa. Números estratosféricos.

Depois, há ainda o Marvin Bagley (PF, Duke), o Miles Bridges (SF/PF, Michigan State), o Jaren Jackson Jr. (PF, Michigan State), o Mohamed Bamba (C, Texas. Tem uma wingspan assombrosa, a la Giannis) ou o Collin Sexton (PG, Alabama). Há ainda a incógnita Michael Porter (SF, Missouri), que era a top prospect deste draft mas que se lesionou com gravidade logo no início da época. Ele já deu indicações de querer ficar mais um ano no college, pelo que não deve ainda entrar na NBA este ano. É um Durant em potência, em termos ofensivos. Está lá tudo.
"If God had meant football to be played in the air, he would have put grass in the sky" - Brian Clough

“Quando treinava o Saragoça, um jogador veio ter comigo no início da época e disse-me, todo contente: ‘Mister, estou melhor do que nunca fisicamente.’ Olhei para ele e respondi-lhe: ‘Isso é a pior notícia que me podias dar. Agora vais estar em mais sítios errados mais vezes, c*****.’” - Juan Manuel Lillo
Ando numa de analisar o Draft deste ano e holy shit...o Doncic é qualquer coisa. Adoraria que as equipas do top 5 o deixassem passar por ser europeu ou pela falta de atleticismo ou pelo whatnot. Ou que Brooklyn seja mesmo horrível e caia para o top 3. Mas é complicado. Este ano, especialmente, há muuuuitas equipas más e os Nets não têm interesse nenhum em fazer tank.
Quem é que já viste?

O Doncic só não deve #1 pelo estigma de ser europeu e pouco atlético (para os standards americanos, entenda-se). É um jogador incrível, que pode até jogar em várias posições na NBA. Mas não deve baixar nunca do top 3.

O Ayton e o Trae Young (que época incrível deste miúdo) também são prospects de grande talento e potencial. O primeiro é o típico center dominador que aparece sempre nestas discussões. Muito forte em termos ofensivos, tanto em termos de lançamento (é um gajo que estica o jogo até à linha de 3 pontos) como na tabela. Já o segundo é um combo guard explosivo, com uma mecânica de lançamento rápida e fácil e com um range digno de Steph Curry. Aliás, a comparação com o base dos Warriors não é nada descabida, salvaguardando as devidas diferenças de qualidade. O Trae tem carregado Oklahoma esta época, com 29pts 4reb 10ast de médias, mais coisa menos coisa. Números estratosféricos.

Depois, há ainda o Marvin Bagley (PF, Duke), o Miles Bridges (SF/PF, Michigan State), o Jaren Jackson Jr. (PF, Michigan State), o Mohamed Bamba (C, Texas. Tem uma wingspan assombrosa, a la Giannis) ou o Collin Sexton (PG, Alabama). Há ainda a incógnita Michael Porter (SF, Missouri), que era a top prospect deste draft mas que se lesionou com gravidade logo no início da época. Ele já deu indicações de querer ficar mais um ano no college, pelo que não deve ainda entrar na NBA este ano. É um Durant em potência, em termos ofensivos. Está lá tudo.
Vi esses todos que referiste.

Neste momento o meu top 4 está assim :

1- Doncic
2- Ayton
3- Jarren Jackson
4- Michael Porter Jr.

O Ayton está em segundo apenas pelo potencial estratosférico que tem. Mas tenho receio pela componente mental, parece muito pouco esforçado, com tendências muito diva. Deve ser dos piores jogadores que já vi a fazer screens, tendo em conta a pujança física dele. Mais, defensivamente esperaria um domínio absoluto, que não se confirma, longe disso. Mas caso supere essas minhas dúvidas tem potencial de MVP. Embiid-esque.

Excluindo o Doncic (de quem sou lover), o Jackson é o meu jogador favorito do draft. Que monstro. Defensivamente elite, excelente shooter de 3 e +80% de FT. Tenho dúvidas se será capaz capaz de carregar uma equipa ofensivamente mas com o seu work ethic não seria chocante. Joga também numa equipa que não permite explodir ofensivamente. Adorava que caísse para Cleveland.

E por fim, Michael Porter Jr. Não fosse a lesão e estaria isolado na primeira posição. Tem tudo. Tudo. Shooting, defesa, passing, fisicamente forte. Só dois semi-receios : o handle e o mesmo problema do Harrison Barnes, capacidade atlética muito forte, mas muito mecânico, muito straight line, não vejo muita agilidade/fluidez. Mas são pequenas coisas, claro.

Os restantes estão num mix cheio de dúvidas, ainda que tenham um excelente potencial.

Enviado do meu SM-G950F através do Tapatalk


"In Northeast Ohio, nothing is given. Everything is earned. You work for what you have.

I’m ready to accept the challenge. I’m coming home." - LeBron James
Os restantes que tenho visto e analisado :

Bamba, Carter, Bridges, Young, Bagley e Sexton.

Em todos eles tenho sérias redflags. Mas o  destaque é, definitivamente, o Bagley. Só está aqui neste top pela capacidade física. Defensivamente banal, ofensivamente baseia-se em putbacks/alley-oops. Tem uma boa esquerda no post, mas nada elite. Um jumpshot razoável, muito longe de elite. Simplesmente não gosto do que vejo e não percebo o hype.

Provavelmente ficaria assim :

5- Bamba : quase impossível negar o quão especial é o seu potencial. Capacidade defensiva e física semelhante à do Gobert. Tem um jumpshot. Não é nada de se gabar, mas tem. %s baixas de triplo e razoável % de FT maaaaas...há algo lá. Algo a explorar. E um Gobert com capacidade para lançar de fora é um jogador do c*ralho.

6- Young : visão de jogo muito acima da média, capacidade de lançamento elite. Fisicamente frágil, terá dificuldades em se adaptar ao nível físico da NBA. Tem dificuldades em finalizar debaixo do cesto contra bigs, por outro lado, tem um floater fortíssimo, o que é uma excelente arma alternativa para se poupar fisicamente e para variar o seu jogo ofensivo. Gosto dele, mas as suas redflags são consideráveis. Está a atravessar um mau momento, lançando pauperrimamente, o que é compreensível tendo em conta o fardo que tem de carregar e o fato das equipas adversárias se focarem somente nele. Muitas dúvidas mas muito tentador.

7 - Mikal Bridges : whats not to like ? Lembram-se do Jimmy Butler, Paul George e Kawhi Leonard antes se tornarem estrelas ? Pronto, é esse o potencial do Bridges com a vantagem de já ser um excelente shooter. Elite defensivamente, super longo. Extremamente eficaz a lançar de 3. Sempre acima de 40%. Dúvidas sérias na capacidade de criar o seu próprio lançamento. O Otto Porter também é uma possível comparação. Gosto muito dele, com o seu work ethic acredito que atinja coisas muito boas. Mas, para já, é apenas um 3 & D player, perfeitamente capaz de contribuir na NBA logo na primeira época.

8- Carter : ainda não analisei o suficiente, mas acho que pode cair no top 5. Potencial inferior aos bigs do top 5 mas um floor muito muito bom. Fisicamente não tão imponente, mas muito talentoso. Possivelmente o big com menos bust potential. Uma pick menos arriscada mas igualmente valiosa. Não teria problemas em colocá-lo à frente do Trae Young. A rever.

Do Bagley já referi o meu desagrado. Em relação ao Sexton pouco vi dele, e não tenho muito a acrescentar ainda. Mas assustam-me as %s debaixo do cesto, não sei se tem potencial para competir com os melhores PGs da liga. Mas na posição 8/9/10 do draft, why not ? Acima disso acho demasiado arriscado.

PS : Não confundir o Mikal Bridges com o Miles Bridges. A minha preferência recai sobre o primeiro, mas o segundo é do meu agrado também. Não gosto da passividade dele, mas quando quer mostra coisas muito boas, pode vir a ser aquela típica late-lottery pick que se torna em algo especial. Ainda está na retina o game winner dele esta época.

Enviado do meu SM-G950F através do Tapatalk
« Última modificação: Fevereiro 22, 2018, 06:57 am por GTeles »


"In Northeast Ohio, nothing is given. Everything is earned. You work for what you have.

I’m ready to accept the challenge. I’m coming home." - LeBron James
Vivem-se bons dias em Dallas!

Escândalo sexual e agora o Cuban foi multado por basicamente dizer aos jogadores para perderem, muito bom  :lol: :lol:
O Trae Young tem desiludido um pouco nos últimos tempos, levou um cabaz esta semana. Cheira-me que vai ser draftados entre 7-10, o que vai corresponder à pick dos Nets que os cavs possuem. E depois do que o LeBron já disse do Trae... Cheira-me há algum tempo que os cavs vão acabar por ficar com ele. Ele tem muita da maluquice do JRSmith e seria uma boa "troca" libertando cap do seu grande contrato (vão ter que libertar jogadores durante o verão, terem absorvido o contrato do Hill foi um erro).