Aurélio Pereira

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

"DAMOS LIBERDADE CRIATIVA E NÃO FORMATAMOS NINGUÉM"
Por Jornal Sporting
12 Set, 2016
FUTEBOL FORMAÇÃO
Professor Aurélio Pereira fala de Cristiano Ronaldo como o maior diamante da mina que simboliza a Academia


A dois dias da 1.ª jornada da Liga dos Campeões, na qual o Sporting CP visita o Real Madrid, o professor Aurélio Pereira, responsável pelo departamento de recrutamento e scouting leonino, foi ao Jornal das 7, na SIC Notícias para falar do expoente máximo saído da Academia Sporting e da filosofia subjacente ao trabalho desenvolvido em Alcochete.

"Conhecendo o Cristiano Ronaldo, sei que não vai facilitar. O profissionalismo nunca se lhe poderá ser colocado em causa", começou por explicar, ainda que o tri-Bola de Ouro já tenha publicamente declarado em Espanha o seu amor ao Sporting CP, sendo igualmente Sócio, n.º 100.000. "Numa primeira fase, estamos a falar de uma criança de 11 anos, da Madeira, sem os pais, e que chega a Alcochete. Custou cinco mil contos em 1997. Era muito dinheiro. Estamos muito à-vontade em ver jogadores com estas idades. O que aconteceu é que no dia a seguir à sua chegada foi treinar com jogadores mais velhos e mostrou uma capacidade de integração a que não estávamos habituados. Os colegas são os críticos mais competentes, não os treinadores. "Isto é outra coisa", diziam os colegas mais velhos. Era algo de diferente, para além das qualidades técncias, da velocidade de deslocação e desmarcação e movimento. Evidenciava já algum jeito para dominar o jogo aéreo", acrescentou.

Apesar de nem todos os jogadores terem as mesmas capacidades, há algo que é comum: a genética do Clube, que permite ao Sporting CP trabalhar com a maior diversidade de personalidades existentes com um grau de erro menor. "O talento é uma coisa e o temperamento e audácia é outra. O ser humano que está dentro do jogador, muitas vezes , não se consegue logo ver. Não com o Ronaldo. Tratava os colegas por "ó miúdo, tem calma". Isto ao segundo dia, quando muitos nas mesmas condições, já tinham as malas feitas para regressar a casa. Há um forte ADN na matriz da formação. Cultura histórica. Uma forma e um conceito de lidar com crianças em que lhes damos a liberdade de criar e não as formatar. Somos muito pacientes. Olhamos muito para o ser humano. Mais importante que ter uma formação vencedora é ter uma formação de vencedores", rematou.

http://www.sporting.pt/pt/noticias/futebol/futebol-formacao/2016-09-12/damos-liberdade-criativa-e-nao-formatamos-ninguem
"DAMOS LIBERDADE CRIATIVA E NÃO FORMATAMOS NINGUÉM"
Por Jornal Sporting
12 Set, 2016
FUTEBOL FORMAÇÃO
Professor Aurélio Pereira fala de Cristiano Ronaldo como o maior diamante da mina que simboliza a Academia



http://www.sporting.pt/pt/noticias/futebol/futebol-formacao/2016-09-12/damos-liberdade-criativa-e-nao-formatamos-ninguem
Sempre em grande, um Senhor AP, vale a pena ler!
SL
Muitos parabéns Sr. Aurélio Pereira! :clap:
”Deixe-me fazer uma nota prévia, por ser o sentimento de toda a equipa: nós não temos memória curta e, independentemente das boas ou más acções das pessoas, só temos de dedicar esta vitória ao Presidente Bruno de Carvalho, que esteve sempre connosco e nos apoiou. Somos atletas, estamos sujeitos à crítica, temos de viver com elas, e resta-nos, em campo, dar tudo pelo nosso clube” - Capitão do Andebol do Sporting
"SEMPRE TIVE UM GOSTO ESPECIAL PELA OBSERVAÇÃO DE JOGADORES"
Por Jornal Sporting
15 Out, 2016
NOTÍCIAS
Aurélio Pereira concedeu uma entrevista à UEFA onde falou sobre a formação do Sporting CP e a pérola madeirense


Chegou ao Sporting CP, na pele de jogador, com apenas 14 anos. Anos mais tarde, a convite de Hilário, regressou ao Clube de Alvalade onde ficou cerca de duas décadas como treinador no futebol de formação. Em Julho de 1988 criou o departamento de formação, um local que descobriu jogadores tão desconhecidos como Luís Figo, Cristiano Ronaldo, Paulo Futre, Simão Sabrosa, Ricardo Quaresma, Nani e tantos mais.

“Sempre tive um gosto especial pela observação de jogadores. Ainda hoje, se passar por algum lugar onde há um grupo de crianças a jogar futebol, tenho que parar o carro porque é mais forte do que eu”, revelou o ‘Mestre’ Aurélio Pereira, em declarações à UEFA.

Na entrevista que concedeu ao organismo que gere o futebol europeu, o senhor da formação dos leões, hoje com 68 anos, falou sobre o processo de recrutamento, que se encontra subdivido em três fases: a descoberta, a selecção e, por fim, a assinatura.

“Somos responsáveis ​​pela descoberta e o primeiro rosto que as famílias vêem. A partir do momento em que estabelecemos contacto com um jovem que vem de longe, o nosso objectivo passa por trazê-lo para a nossa Academia. Somos responsáveis por mudar o curso da vida de um adolescente que, eventualmente, pode vir a ser um bom engenheiro ou um jogador razoável. Nesta casa, ajudamos a desenvolver jogadores e a construir homens. Testemunhamos todo o seu desenvolvimento e acabamos por criar uma ligação especial. Há jogadores na equipa principal do Sporting CP que conheço desde os 12 anos. O nosso elo está praticamente assente numa relação familiar”, explicou Aurélio Pereira, que ganhou o respeito e o carinho de muitos atletas, a tal ponto de ser chamado de pai. Um bom exemplo disso é Cristiano Ronaldo, de quem guarda grandes histórias na memória.

“Quando estávamos a construir a Academia, os jogadores tiveram de deixar o antigo estádio e vieram morar para uma residência. Aí perto, havia uma rua onde o Cristiano ia regularmente. Ele colocava pesos nas pernas e depois ia para junto de uns semáforos. Assim que ficava verde ele começava a correr, competindo com os carros, para ver se conseguia chegar ao topo da colina em primeiro lugar. Fez isso muitas vezes, porque estava convencido de que iria dar-lhe mais velocidade e força. Isso dá-nos uma ideia do desejo que esta criança tinha em superar-se, quer do ponto de vista técnico quer físico”, explicou.

http://www.sporting.pt/pt/noticias/clube/noticias/2016-10-15/sempre-tive-um-gosto-especial-pela-observacao-de-jogadores
Citar
Aurélio Pereira: “Se os nossos concorrentes nos seguiram, é porque estávamos certos”
No dia em que a Academia Sporting festeja o seu 15.º aniversário, o responsável pelo recrutamento dos “leões” explica o que mudou com o surgimento da infra-estrutura em Alcochete.

Ostenta, com propriedade, o título de “senhor formação” do futebol português e anda há três décadas a descobrir talentos em nome do Sporting. No dia em que a Academia Sporting festeja o seu 15.º aniversário, Aurélio Pereira, o homem por detrás do sucesso da formação “leonina”, fala sobre a importância da infra-estrutura de Alcochete para o Departamento de Recrutamento e Formação que lidera, confessa que continua a não conseguir resistir em procurar talentos na rua, mas admite que não encontra explicações para a ausência de títulos nos futebol sénior.

Como surgiu o projecto da Academia Sporting?
Nos anos 90, o Sporting tinha um problema sério de falta de infra-estruturas para treinar e num jantar de consagração após a conquista de um título de juniores, o que já não acontecia há muito tempo, eu disse aos presentes, onde estavam José Roquete e Dias da Cunha, que o Sporting tinha uma grande equipa, mas treinava nos campos pelados do Sporting da Torre e do Águias da Musgueira. As pessoas ficaram incrédulas. Seria inevitável que algo se fizesse. Surgiu então a ideia de escolher um local para fazer uma academia. Primeiro pensou-se em Loures, depois Torres Vedras e, finalmente, decidiu-se que seria em Alcochete.

Quinze anos depois, a Academia é hoje o que idealizava há 15 anos?
Quando foi inaugurada, dei por mim num canto, com alguma emoção, a olhar para toda aquela gente. Mas o futebol juvenil trabalhava em horário pós-laboral e não podíamos continuar a fazer isto de uma forma amadora. Com um equipamento destes, tínhamos que partir para uma estrutura profissionalizada. Ninguém tinha ideia de como era uma academia. Colocavam-se várias questões. Mas eu sabia que com aquelas condições, não se podia manter o amadorismo, e que nada podia continuar a ser igual.

A principal mudança na formação do Sporting passou pela profissionalização da estrutura?
Quando há talento em jogadores como o Cristiano [Ronaldo] ou o Figo, resiste-se a todas condições e tempestades. Mas depois, há os outros que é preciso desenvolver com mais trabalho. Foi para esses que se sentiu a maior mudança. Nós, sem a Academia, formamos o Figo e o Ronaldo. Mas esses são espécies raras, como o Eusébio. São extra-terrestres. Talentos naturais. Os outros precisam de desenvolver um conjunto de técnicas de base e dão mais trabalho.

O que falta ainda fazer?
Respondo da mesma forma que respondo quando me perguntam o que o Cristiano precisa de fazer: manter. E manter dá muito trabalho. Foram feitas grandes melhoramentos na Academia com o presidente Bruno Carvalho, que é um entusiasta da formação. Era necessário arranjar mais espaço para treinar, mais ginásios e outras infra-estruturas. De tempos a tempos, tem que se avançar. Isto não pára.

Com o surgimento da Academia, o processo de recrutamento e prospecção sofreu alterações?
Em 1987 nasceu comigo o Departamento de Recrutamento e, em 2002, a Academia. O recrutamento fazia-se com milhares de captações, num processo arcaico, onde tínhamos que ver centenas ou milhares de jogadores em pouco tempo. Era mau para quem observava e era mau para quem tinha dez minutos para mostrar as suas habilidades. Perante este facto, o Departamento de Recrutamento e a Academia foram fundamentais. Ao fim de trinta anos, qual foi o sumo do trabalho? Se olharmos para a selecção nacional, estão lá 10 ou 11 jogadores detectados e criados no Sporting, entre os 11 e 15 anos. Ao sermos o primeiro clube a criar uma academia com dinheiros próprios, subimos ao patamar primeiro do futebol jovem em Portugal.

Quais são os critérios de admissão de atletas para a Academia?
Temos uma estrutura de recrutamento que durante todo o ano referencia em todos os escalões jogadores de todos os clubes de Portugal. A selecção é feita e depois temos um espaço no Estádio Universitário onde estão os jogadores dos 6 aos 12 anos, que recebem os primeiros ensinamentos e começam a beber a nossa filosofia. É um espaço muito importante e temos um objectivo definido: 75% dos jogadores que estão na Academia têm que vir do Estádio Universitário.

Essa separação entre o Estádio Universitário e a Academia acontece por necessidades estruturais ou faz parte da estratégia de formação?
Cerca de 90% dos jogadores que estão no Estádio Universitário são de Lisboa. Não fazia sentido colocá-los do outro lado. No Universitário é onde bebem o leite materno. Onde se identificam com a nossa filosofia e princípios. Quando passam para Alcochete, já chegam com conhecimento de muita coisa.

Continua a procurar miúdos na rua?
Isso está-me no sangue. Não consigo resistir. Estou activo e gosto de acompanhar as equipas mais jovens, como os sub-14 ou sub-16, para depois ficar com as minhas expectativas sobre o valor dos jogadores.

Esta época o Sporting voltou a ser campeão de sub-17 e sub-19, e desde que há 30 anos criou o Departamento de Recrutamento, o Sporting formou jogadores como o Futre, o Figo, o Quaresma ou o Ronaldo. No entanto, nestas três décadas, o Sporting foi apenas duas vezes campeão em seniores. Como se explica isto?
Eu gostava de encontrar uma explicação [risos]. Não foi por o Sporting não ter grandes equipas. Mas isso é outro campeonato. São coisas mais profundas. Cada clube tem os seus princípios. Há culturas em que se tem que ganhar a qualquer preço. O Sporting não tem essa cultura. Defende a transparência e princípios que às vezes não se coadunam com o futebol-negócio. Onde há dinheiro, normalmente há homens mal-intencionados.

Nos últimos anos, o Benfica e o FC Porto aumentaram a aposta na formação. É um sinal que o caminho que sempre defendeu é o correcto?
O Sporting, desde sempre, olhou para a formação de uma forma diferente. A concorrência é fundamental e respeito-a, e não olho para ela como um inimigo. Se os nossos concorrentes nos seguiram em quase toda a linha, copiando os nossos processos, é porque estávamos certos.

Essa aposta na formação não é, também, uma inevitabilidade devido às dificuldades financeiras que os clubes portugueses atravessam?
Não é verdade. Os treinadores que passaram pelo Sporting, apostaram nos jogadores do clube porque tinham qualidade. Recordo-me que quando o Jesualdo Ferreira, que é na minha opinião uma das pessoas que mais sabe de futebol, passou pelo Sporting, havia uma equipa de grande qualidade. E ele, ao fim de duas semanas, disse-me que estava ali uma mina de ouro, e foi jogar ao Estádio da Luz com dois juniores: o Eric Dier e o Bruma. Apostou neles porque sentiu que eram os mais capazes.

Essa aposta mantém-se? Há cerca de um mês Jorge Jesus disse que só a Academia não chega para ganhar títulos…
Eu percebo o que ele quis dizer. Quando os jogadores passam dos juniores para a equipa B, têm que encontrar no futebol profissional outros que os façam crescer em todos os aspectos. Nem o Barcelona pode ter 11 jogadores da formação. Isso é impossível. O que é preciso é trazer jogadores de grande nível para que os nossos possam crescer.

A formação académica é também uma prioridade? Acha possível num futuro próximo ter licenciados na equipa sénior, como é o caso agora do Francisco Geraldes?
Os clubes que apostam na formação também têm que ter nisso uma prioridade. Se vamos desafiar um miúdo de 14 anos, de Paços de Ferreira ou de Braga, temos que ter uma estrutura que acompanhe as preocupações dos pais para que a parte escolar não falhe. Seria desastroso que um jogador que não conseguiu projectar as suas aptidões para se manter, no regresso a casa vá descalço em questões futebolistas e académicas. Quando um menino não se porta bem, sabe no que no domingo seguinte o seu lugar no banco está garantido. Estamos em contacto permanente com a escola e para nós esse é um tema essencial.


O Público

alguém me sabe dizer se haverá transmissão dos jogos do troféu Aurélio Pereira que começa hoje à tarde?
let us fight until the end. let me try at least that - fight. Pep Guardiola
Parabéns atrasados a este grande Senhor!! Podem levar o Mil Homens, quem quiserem, menos esta senhor que é a razão da nossa formação ser umas das melhores do mundo!!
Parabéns mestre...muitos e bons anos,

Desejo que a sucessão esteja a ser bem trabalhada
Parabéns ao Grande Aurélio Pereira!

Bonito gesto de Adrien, ontem!
Sei que é "feio" um homem chorar, mas ontem chorei, de orgulho e de alegria por trazer no coração o amor ao Sporting Clube de Portugal! - AJG - 01JUN2015
Aurélio Pereira o “senhor formação” atravessa um delicado momento em termos de saúde!

Depois de um acidente de viação sofreu ainda um AVC!

As melhoras!
As melhoras rápidas desse grande Sportinguista.  :'(

Votos de rápidas melhoras.  :great:
As rápidas melhoras e que tenha uma recuperação plena!
Força Sr. Aurélio! Que volte rápido! Forte abraço de melhoras
S C P - 1 9 0 6
Força Leão.

Enviado do meu SM-G350 através de Tapatalk

ESFORÇO, DEDICAÇÃO, DEVOÇÃO E GLÓRIA
https://socionumminuto.pt/