Génios da Táctica - Sporting CP 2011/2012

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Eis a minha táctica para para fazermos melhor figura no campeonato e para levar a melhor no jogo com o M City!!!



no campeonato tirava o Carriço e ponha o Elias  :victory:

E não é que o homem acertou mesmo na muche com o 11 do Sporting!

SportSimpatizante:

João Pereira vai cumprir castigo, Sá Pinto irá ter de apostar no Pereirinha, ou adaptar Evaldo à direita, já que Ínsua é indiscutível na esquerda.



 :rotfl:
- Finalmente temos o Sporting a jogar sem "três trincos"!
- Finalmente temos o Matias a jogar na sua posição!
- Finalmente a aposta no duplo-pivôt!

Como irá ser o meio-campo quando Rinaudo voltar? Será possível conciliar Rinaudo + Schaars + Elias + Matias (no centro)?

Contra o City, estou à espera que o Sá adopte o mesmo sistema de jogo que apresentou na 1ª mão:

Com bola:



Sem bola:



Em relação à posição de defesa-direito, acho que a aposta deveria recair sobre o Pereirinha. Defensivamente, não o acho pior que João Pereira. O único motivo pelo qual apostaria em Carriço naquela posição seria por este, em termos físicos (onde o City tem vantagem), ser superior ao Pereirinha.
« Última modificação: Março 12, 2012, 15:34 pm por Antuerpia64 »
Como irá ser o meio-campo quando Rinaudo voltar? Será possível conciliar Rinaudo + Schaars + Elias + Matias (no centro)?

Será possivel e não é possivel. :)

Poderá ser possivel, jogando com ME - MC - MC - MD (Schaars, Rinaudo Matias, Elias), respectivamente. PLC e AV (Wolfs e Izma), respectivamente.

Levanta um problema... Onde ficará então o Capel e o Carrillo?

Por mais que seja duro, para mim, o pior/piores fisicamente, ficará(ficarão) no banco, e falo do Elias, Schaars, Matias, Izma e mesmo do Rinaudo.

My 2 cents
let us fight until the end. let me try at least that - fight. Pep Guardiola
Como irá ser o meio-campo quando Rinaudo voltar? Será possível conciliar Rinaudo + Schaars + Elias + Matias (no centro)?

Será possivel e não é possivel. :)

Poderá ser possivel, jogando com ME - MC - MC - MD (Schaars, Rinaudo Matias, Elias), respectivamente. PLC e AV (Wolfs e Izma), respectivamente.

Levanta um problema... Onde ficará então o Capel e o Carrillo?

Por mais que seja duro, para mim, o pior/piores fisicamente, ficará(ficarão) no banco, e falo do Elias, Schaars, Matias, Izma e mesmo do Rinaudo.

My 2 cents

Acho difícil essa formação resultar. Isto porque temos um plantel formatado para o 4-3-3 ou para o 4-2-3-1, visto que temos excelentes extremos dos quais não acho que devemos abdicar, pelo menos contra a equipas mais fracas(quase todas). A solução terá de passar mesmo pela gestão dos jogadores a nível físico, enfim, boas dores de cabeça para o Sá.

No entanto, acho que contra equipas que saibam segurar a bola e que tenham jogadores capazes de fazer a diferença, não deixaria de ser interessante experimentar a seguinte formação (ao estilo do Inter de Mourinho):

              Rinaudo

  Elias                       Schaars

              Matias

   Izmailov/Carrillo   
                     Wolfswinkel

A nível defensivo, das transições, pressão ou preenchimento dos espaços, seria um meio-campo fortíssimo.
let us fight until the end. let me try at least that - fight. Pep Guardiola
O Sá Pinto está a usar a táctica que eu sempre defendi como a melhor para esta equipa, que é o 4-2-3-1.
O Matias Fernandez está a jogar de uma forma fantástica na posição que mais gosta e o Wolfs sente-se muito mais confiante com ele atrás.
O Rinaudo quando voltar deve encostar ao lado do Schaars como jogava na Argentina.

Antes a equipa estava muito distanciada entre sectores, agora está muito mais compacta e aguerrida.

Tenho de dar os meus parabéns ao Sá Pinto pelo trabalho que está a fazer, apesar de ainda ser muito cedo. O grande mérito dele foi conseguir reanimar a equipa psicologicamente, em termos de princípios de jogo ainda não teve tempo para quase nada.
let us fight until the end. let me try at least that - fight. Pep Guardiola
yah, até esta a fazer um bom trabalho, tiveram alguns jogos menos bons mas tambem ja fizer jogos fantasticos. tambem é complicado agarrar numa equipa a meio do campeonato..devia ter tido mais tempo para treinar a equipae prepará-los da maneira que acha melhor
let us fight until the end. let me try at least that - fight. Pep Guardiola
Metalist VS Sporting

Ontem o André esteve na posição certa, ele não tem a magia nem o drible do Matías para jogar a 10, mas ali simplifica bastante o jogo e é rapido na recuperação :clap:

Portanto ficámos a saber que só existem médios defensivos e os "10". Aliás, estava tanto na posição certa, que bastou subir uns metros e começou-se a ver ainda mais futebol a sair daqueles pés.

Não sejas assim! Deixa o rapaz jogar! :mrgreen:



Tens razão, isso é porque fora Jeffrén todos os outros são mais médios que avançados. Isso é algo que o treinador tem que resolver para não ficarmos com 5 médios em campo. A não ser jogar com dois avançados que já resultou, equipa campeã de 2002.

Eu nem ia tanto por aí. A minha questão nem é no número de médios, mas sim como vamos jogar com os médios que temos. Temos André Martins, Izmailov, Schaars, Elias, ainda o Adrien emprestado... tudo médios que ficar mais atrás, em dupla, não os beneficia em nada. Aliás, o único que está mais para isso será mesmo o André Santos ou o Renato Neto. E mesmo assim já é esticar. Ainda temos o Rinaudo, que é daqueles médios defensivos que meter um tipo ao lado dele em dupla é... dar cabo de outro jogador, porque ele não é ali necessário, o Rinaudo varre tudo e podemos bem puxar outro para cima. Nem sei se ele não será tipo Redondo, mete-se um ali ao lado e estragam-se dois (atenção, não estou a comparar os dotes do Redondo ao Rinaudo, apenas essa característica).

Sendo assim, para quê o duplo pivot? O Real tem lógica jogar assim, montou o plantel para isso. Mas e nós? Posso estar errado, até é provável, mas pela minha ideia (esta) não tem grande lógica continuar assim.
« Última modificação: Abril 06, 2012, 14:28 pm por Stunner »

Matias não está apenas num bom momento de forma, é um dos melhores jogadores do plantel ( na minha opinião e claramente está no top 3 ), portanto parece-me fazer todo o sentido que se potencie uma das melhores armas do plantel adequando-se o desenho táctico. Parece-me também que Schaars rende mais a partir de zonas mais recuadas ( tal como Elias ), onde tem espaço para a primeira fase de construção.

O André esteve num plano razoável. Terá sido, talvez, o jogador de campo com melhor rendimento, no jogo de ontem.


Eu não estou a dizer para sacar o Matías da equipa. Isso seria de doidos, tendo em conta que atacar de uma forma contínua e fiável, há já muito tempo, depende dele. Se o saco da equipa, lá vai ele e fico com as inspirações do Capel e os raides dos laterais. Pouco.

O que eu acho é que temos de ver bem o que temos e o que compramos de futuro.

PS: Se eu concordasse contigo quanto ao melhor jogo do Schaars ou do Elias, estaria mais descansado e isto não se colocaria. Mas até o Schaars ficou surpreendido com a dimensão que o seu jogo ganhou uns metros mais à frente. E não tenho gostado nada de ver qualquer um deles mais atrás.  :inde:

E já discutimos bastante sobre o Matías, o suficiente para pensares algo assim. Eu sempre defendi o homem. E nem o estou a atacar agora. Não acho é que ele seja apenas uma coisa (e já concordaste comigo neste aspecto, até mostrando que ele faz bem mais que normalmente se tem a mania de apontar) e que toda a equipa tenha de se converter a esta ideia sobre ele. Ainda ontem vimos dois que só atacavam, chegaram à Europa e ganharam uma dimensão extra. Encontramos mais na Ucrânia assim.

Não acho que A. Martins ou Adrien sejam Khediras ou Alonsos (para além dos dois acima). Nem que tenham de ser reformatados tipo Schweinsteiger. Apenas isso. Já me bastou aturar a ideia do Liedson obriga a isto e apenas isto por parte de não sei quantos treinadores.

A única maneira é sacrificar o Matías, não tira-lo da equipa mas obriga-lo a ter maior responsabilidade defensiva. Obviamente que quem jogar ao seu lado, seja Schaars ou Adrien ou Elias ou Martins, teria que ter uma responsabilidade defensiva acrescida. Mas depois entra-se por outro caminho, falta de extremos/avançados que nós não temos. Seria assim um 4-5-1 que sinceramente nada beneficia uma equipa que quer ser campeã.
let us fight until the end. let me try at least that - fight. Pep Guardiola
Ravanelli:

Eu acho que Matias encaixa no 433, não o considero inútil no preenchimento de espaços, quando tem mais responsabilidades defensivas e até entendo que, estando mais recuado, pode pegar no jogo mais cedo e mais cedo também dará qualidade à nossa construção de jogo. No actual posicionamento mais dependerá do que os colegas que estão atrás estarão preparados para fazer e penso que aqui cria-se um dilema para o chileno... ou espera que o jogo chegue até si, para apoios mais curtos ao tridente de ataque e para os desequilibrios no 1x1 perto da área contrária ou terá, quando as coisas não funcionam atrás, que recuar e carregar o jogo ofensivo da equipa, à imagem do jogo da Taça, frente ao Nacional. Ora por muito que admire o futebol do chileno e tivesse ele maior intensidade de jogo e uma personalidade... bem, tivesse ele mais "cagança", estaria claramente no meu top dos melhores jogadores de sempre que vi no Sporting, muito dificilmente Matias consegue desdobrar-se dessa maneira. Precisa de um ou dois colegas a seu lado e atrás, com outra capacidade competitiva, que potenciem o seu jogo e embora o ache enquadrável como médio, é mesmo a 10, solto, que mais gosto de o ver jogar e que tem mais impacto na nossa equipa.

Pode-se discutir se a equipa perde na tentativa de  enquadrar um 10 no seu modelo de jogo. Tenho dúvidas. Em primeiro lugar, porque a dinâmica actual, não acredito que tenha muito a ver com qualquer desenho táctico ou posicionamento dos jogadores, mas sim com indices de confiança pouco consolidados, após uma época tremendamente irregular e com uma mudança de treinador de permeio, sem tempo para um trabalho de base. Wolf não tem estado sozinho só porque os alas são mais médios que extremos, a própria equipa joga com as linhas muito recuadas, próprio de quem não se quer desposicionar e tem dúvidas da sua própria capacidade para assumir riscos. Em segundo lugar, porque me parece, efectivamente, que quer Schaars, quer Elias, funcionam melhor a partir duma zona mais recuada, pegando o jogo junto ao 6.

É verdade que as coisas correram bem ao holandês no principio da época, mais adiantado, fruto também da sua capacidade de pressão alta e do seu toque de bola pronto, mas também numa altura em que todo o conjunto jogava a um nível de intensidade brutal. Entretanto muitas lesões em jogadores cruciais, resultados que colocaram muitas dúvidas e também, neste momento, uma equipa que joga um futebol mais curto, mais apoiado e com o bloco mais baixo e onde me parece que se pede a Schaars que jogue mais recuado não apenas como mera escolha posicional, mas por necessidade.

Com Rinaudo as coisas serão, talvez, diferentes. Seja como for e disse-o mesmo quando apenas se ganhava, há coisas que aquele tridente que se reputava de intocável, não conseguiam oferecer à equipa, principalmente quando os espaços não abundavam.
Caro Lion73;

A minha intenção, quando escrevi o que escrevi, não era entrar em debates/divagações/sugestões tácticas, tão ao meu modo de antigamente. Aliás, nem penso em fazê-lo tão cedo. Não existe, no momento, qualquer espaço para fazer isso e, honestamente, não tenho pachorra (felizmente para o fórum). Estou verdadeiramente desinteressado se jogamos assim, assado ou como seja. Quer dizer, não estou, mas reflicto apenas na pacatez do meu sofá ou da cadeira do Estádio. Para além disso, estou convicto que ao actual treinador faltou ainda tempo (entre outras condições necessárias) para colocar as suas ideias de equipa de ataque em campo, portanto resta-me esperar.

Ontem ouvia (não sei quem ou em que canal, não ligo nada a comentadores e ando sempre no zapping) que o treinador não pode colocar as mesmas ideias que tinha nos juniores, porque aí é sempre a aviar, os outros são muito fraquinhos, são miúdos, não sabem, o Sporting em 20 ganha 19 e coisa e tal... mas nos seniores já toca diferente. Porque são mais evoluídos. E depois perdemos... Eu não concordo. Eu não gosto dos clubes pequenos e do seu futebolzinho (embora compreenda que o tenham de fazer, é a sua arma, mas por algum motivo não sou adepto deles), sempre disse mal do futebol italiano (embora dê mérito a quem consegue 90 minutos sem que o adversário crie perigo, mas não pago bilhete para isso). E se for como o tal senhor diz, alguém tem rapidamente de ir avisar os tipos da Bundesliga para parar com aquela coisa do atacar e marcar golos.

Se o fazem em 433, 343, 3412, 4231... é-me indiferente. Pessoalmente tenho as minhas preferências, mas calaram-se.

Agora, ele há coisas que me fazem saltar a tampa. Acho tremendamente injusto que se ataquem, por páginas e páginas, 4 ou 5 jogadores que andam o jogo todo em sacrifício táctico para que 2 possam brilhar e 2 disfarcem as suas fraquezas. Acho mal. E por isso tenho defendido alguns. Se calhar estou errado, mas olha, pelo menos defendo, não ando a levantar pelourinhos para os lixar.

Depois há outra coisa, que foi o que me levou a escrever aquilo em resposta ao @Stunner. Eu concordo com o que ele escreveu, o A. Martins encaixa numa determinada forma de jogar. Mas também o Adrien, tal como antes o Moutinho ou, pensei eu e se calhar estava errado, A. Santos e Veloso.  E daí o meu desabafo: se os criamos, não os deveríamos potenciar? Senão, então temos de ver o que andamos a fazer quanto a compras. Ou há uma ideia e adquire-se para ela, ou andar a comprar porque é bom e depois faz-se um arranjinho... sou contra, agora e há meses ou anos atrás. Há quem o faça, mas com o mal deles posso eu bem e nem o Sporting tem ajudas financeiras estatais ou municipais para aguentar isso, como esses têm.

No mesmo tema, como já deves ter percebido, tenho uma posição favorita em campo. Tal como qualquer um que vê bola e gostaria de ali jogar, também eu tenho as minhas preferências. E o jogador modelo. Como um puto no pátio da escola, que quer jogar ali ou imitar aquele. Eu era esse tipo de miúdo, fosse no pátio ou num campo. E olha, se calhar nunca cresci. E quando vejo um André Martins (entre outros, mas era no tópico dele que escrevia), custa-me vê-lo ali atrás e a ter de fazer 40 metros com a bola nos pés ou a dobrar os centrais por sistema e não por acaso.

Por último, não olho para Matías e vejo um coitadinho que é tímido e sem garra e coisa e tal (não estou a dizer que é assim que o vês, é que já ouvi e li isso em muito lado, a justificar algumas opções ou alguns momentos de forma). A garra diz-me pouco, gosto mesmo é de futebol. O Balakov não precisava de garra, tinha futebol em cada poro. Quem precisa de garra são os Gattusos. Matías é um homem, um jogador de futebol profissional. Como qualquer profissional, entra em campo com a obrigação de dar o máximo das suas capacidades, para jogar ao 100% dos seus skills, da sua forma. Se o fizer, fica a falta apenas uma coisa: a confiança. Como qualquer jogador de futebol profissional, tem a obrigação de compreender o jogo, saber o que fazer em cada circunstância. Como qualquer jogador, se lhe injectarmos confiança, tudo o que disse antes acontece. Não pensa, faz. Se não tiver confiança, antes de passar, rematar ou fintar vai pensar se.. que.. coiso... talvez... e perde o lance. Matías pode fazer o que quiser. Tão livre quanto quiser, como alguns na Ucrânia fazem. Quando perde a bola, vai atrás dela ou cai em cima de quem a tem. Não tem de ser o indivíduo que corre em linha vertical ali no meio ou anda em círculos à volta do avançado centro. Até porque já o vi fazer diferente e muito bem!!!
“A lot of football success is in the mind. You must believe you are the best and then make sure that you are.” - Bill Shankly
A minha intenção, quando escrevi o que escrevi, não era entrar em debates/divagações/sugestões tácticas, tão ao meu modo de antigamente. Aliás, nem penso em fazê-lo tão cedo. Não existe, no momento, qualquer espaço para fazer isso e, honestamente, não tenho pachorra (felizmente para o fórum). Estou verdadeiramente desinteressado se jogamos assim, assado ou como seja. Quer dizer, não estou, mas reflicto apenas na pacatez do meu sofá ou da cadeira do Estádio. Para além disso, estou convicto que ao actual treinador faltou ainda tempo (entre outras condições necessárias) para colocar as suas ideias de equipa de ataque em campo, portanto resta-me esperar.

se por um lado acho mal, porque gosto de ler e responder futebol... por outro compreendo perfeitamente. até nos textos que tenho escrito no site lusofans tenho alterado um pouco a abordagem táctica aos jogos. isto que temos tido é o máximo que o treinador conseguirá fazer até final da época. mais do que isto (e já não é pouco) só para o ano. aí sim, começa um novo ciclo de críticas, elogios e exigências.

por isso, e concordando completamente contigo, resta-nos esperar. e se entretanto der para uma conquistazita europeia... eh pá, deste lado ninguém se vai queixar.

(não sei se o teu "desinteresse" em discutir passa só por aqui ou vai mais longe, mas esta é hoje a minha razão principal para limitar as minhas participações neste tópico aos textos de opinião que vou escrevendo... mas atenção que essa discussão dos médios-centro do Sporting dava para umas páginas jeitosas de conversa. formamos nós jogadores com características de "10" ou não? ou a forma como os jogadores são "obrigados" a rodar pelas 3 posições do triângulo do meio-campo no 4-3-3 dos juniores acaba por transformá-los em "8"? e de que forma deveríamos nós potenciar um 4-3-3 nos seniores com um triângulo trabalhado com esses "8" formados/formatados?)
« Última modificação: Abril 07, 2012, 11:43 am por bukowski »
let us fight until the end. let me try at least that - fight. Pep Guardiola
Não me levem a mal e respondam se quiserem, óbvio... mas a que se deve essa "abstinência"?
Quanto à questão dos nossos médios e dos tais 8.

Até que ponto a "hibridez" de características e de postura em campo traduzem um fim em si mesmo ou, por outro lado, a falta de determinadas valências especificas, que resultam em médios que não são carne nem são peixe? O tal trabalho táctico a que estes são sacrificados durante o jogo, deve-se a uma qualquer necessidade colectiva ou será o espelho da sua própria incapacidade em aparecer em momentos determinantes do jogo? Com e sem bola?

Tenho por vezes dificuldades em entender, também, o elogio ao trabalho "invisível", porque se o trabalho merece elogios, este não é invisível. Quer dizer, a ocupação de espaços, a redução de linhas de passe aos adversários, as dobras aos colegas, não é algo que se esconda, a não ser que não prestemos atenção. Os nossos médios são capazes neste aspecto? Não falo só dos titulares, falo dos menos utilizados também e até dos emprestados.

Acho que nos falta gente capaz, no plantel, nos momentos de decisão no último terço e por isso é que defendo quase que incondicionalmente a presença de Matias no 11, é por isso também que o regresso de Izmailov foi importante. O brilho individual de uns, não tem origem na subalternização do colectivo a 1 ou 2 jogadores, mas sim na sua capacidade de preencher as lacunas desse mesmo colectivo. É que nesse colectivo, temos gente que é reputada como jogadores de equipa, gente que ataca e que defende. Mas atacam bem? Defendem bem?

É a minha opinião, que não pretende ser contra ninguém, é pelo gosto pela discussäo, "vocês conhecem-me"... :mrgreen:
(não sei se o teu "desinteresse" em discutir passa só por aqui ou vai mais longe, mas esta é hoje a minha razão principal para limitar as minhas participações neste tópico aos textos de opinião que vou escrevendo... mas atenção que essa discussão dos médios-centro do Sporting dava para umas páginas jeitosas de conversa. formamos nós jogadores com características de "10" ou não? ou a forma como os jogadores são "obrigados" a rodar pelas 3 posições do triângulo do meio-campo no 4-3-3 dos juniores acaba por transformá-los em "8"? e de que forma deveríamos nós potenciar um 4-3-3 nos seniores com um triângulo trabalhado com esses "8" formados/formatados?)

Acho que estás equivocado quanto à rodagem, podem alternar entre o trinco e o oito ou o oito e o dez, mas já têm bases. Rosado salvo erro era muitas vezes dez e nunca jogou a trinco. Obviamente que num processo de formação é necessário experimentar, se assim não fosse muitos jogadores não seriam o que são hoje.

setúbal - SCP: http://lusofans.com/TeamArticle.aspx?ArticleId=4881

SCP - man city: http://lusofans.com/TeamArticle.aspx?ArticleId=4946

Homem a homem, Matías, Izma, Schaars apenas "3" no jogo contra o City... Quem escreve aquilo, um lampião?

Se és tu que escreves só posso pedir desculpa por este post, mas não me revi em nada. Fui novamente procurar o artigo mas não encontrei. E claro, com opiniões divergentes ou não está um bom blogue :great: