Diego Rubio

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Toda a sorte para o seu futuro.
Tenho pena mas acho que não havia alternativa.

Mais um contrato armadilhado que nos coube em herança do tempo do eixo Gnomo/Duque/Freitas.
E o Sporting é o nosso Grande Amor!!! Mas não o do Varandas!!!
É pena o Diego não ter tido mais oportunidades na equipa A do Sporting, continuo a vê-lo um jogador com um potencial bastante interessante e que podia dar jeito ao Sporting num futuro próximo.

Boa sorte para ele e que mostre as suas qualidades em Espanha!
Tenho pena que não tenha vingado, via nele qualidade e acho até que podia ser útil.
Boa Sorte
Tenho pena mas acho que não havia alternativa.

Mais um contrato armadilhado que nos coube em herança do tempo do eixo Gnomo/Duque/Freitas.
Aqui juntar-lhe-ia na equação a dupla Jesus/Carvalho.
Custa-me perceber este jogador e a sua contratação.
Bem miúdo veio para aí com um salário robusto.
Deu nas vistas ocasionalmente e sinceramente parece-me um jogador com algum futuro.
Não sei qual a percentagem de passe que detiamos deste, por isso não posso avaliar correctamente a importância de o manter para uma futura valia.
Já a caminho do final de contrato, valia a pena perceber se havia ali algum potencial ou não.
Afinal é alguém que não deslustra, não na equipa A mas sim na equipa B onde cohabita com outros craques de valor faraonico.
Mas este foi contratado pelos proscritos, logo deverá ser visto com outros olhos?!
Tenho fraca opinião sobre a real mais valia dele, de facto.
Mas isso deve-se a toda a minha desconfiança àquilo que actualmente se faz na gestão de reservas de valor avultado que existem apenas, por agora, para "encher" a equipa B.
E digo encher porque sendo esta uma equipa da Segunda  Liga a jogar contra adversários de muito menor encargo financeiro, não lhes vislumbro com certeza absoluta todo o seu potencial para um dia serem efectivamente as extraordinárias promessas pelo qual se apostou tanto dinheiro em cima.
Parece-me a mim que continua-se a fazer alguns negócios no mínimo duvidosos e algo arriscados.
Mas eu não sou treinador, logo, cabe-me a mim ficar calado e a assistir, para já...
Rubio não foi considerado suficientemente válido numa equipa (B) onde não existe nenhum avançado em prespectiva.
Admito que não sirva e até parece-me, à partida, um negócio positivo.
Mas também gostava de ver estes e outros negócios por cá feitos um pouco mais bem esclarecidos.
Afinal foi algo que nos foi desde sempre garantido: as coisas seriam feitas com mais clareza e com o conhecimento dos sócios ao arrepio daquilo que se faz anteriormente em que não se passava cavaco a ninguém...
Tenho pena mas acho que não havia alternativa.

Mais um contrato armadilhado que nos coube em herança do tempo do eixo Gnomo/Duque/Freitas.
Aqui juntar-lhe-ia na equação a dupla Jesus/Carvalho.
Custa-me perceber este jogador e a sua contratação.
Bem miúdo veio para aí com um salário robusto.
Deu nas vistas ocasionalmente e sinceramente parece-me um jogador com algum futuro.
Não sei qual a percentagem de passe que detiamos deste, por isso não posso avaliar correctamente a importância de o manter para uma futura valia.
Já a caminho do final de contrato, valia a pena perceber se havia ali algum potencial ou não.
Afinal é alguém que não deslustra, não na equipa A mas sim na equipa B onde cohabita com outros craques de valor faraonico.
Mas este foi contratado pelos proscritos, logo deverá ser visto com outros olhos?!
Tenho fraca opinião sobre a real mais valia dele, de facto.
Mas isso deve-se a toda a minha desconfiança àquilo que actualmente se faz na gestão de reservas de valor avultado que existem apenas, por agora, para "encher" a equipa B.
E digo encher porque sendo esta uma equipa da Segunda  Liga a jogar contra adversários de muito menor encargo financeiro, não lhes vislumbro com certeza absoluta todo o seu potencial para um dia serem efectivamente as extraordinárias promessas pelo qual se apostou tanto dinheiro em cima.
Parece-me a mim que continua-se a fazer alguns negócios no mínimo duvidosos e algo arriscados.
Mas eu não sou treinador, logo, cabe-me a mim ficar calado e a assistir, para já...
Rubio não foi considerado suficientemente válido numa equipa (B) onde não existe nenhum avançado em prespectiva.
Admito que não sirva e até parece-me, à partida, um negócio positivo.
Mas também gostava de ver estes e outros negócios por cá feitos um pouco mais bem esclarecidos.
Afinal foi algo que nos foi desde sempre garantido: as coisas seriam feitas com mais clareza e com o conhecimento dos sócios ao arrepio daquilo que se faz anteriormente em que não se passava cavaco a ninguém...
?

Claro que era perfeitamente válido para a equipa B. Porque é que havia de não ser?

Mas a questão não era essa, pois não,
Tenho pena mas acho que não havia alternativa.

Mais um contrato armadilhado que nos coube em herança do tempo do eixo Gnomo/Duque/Freitas.
Aqui juntar-lhe-ia na equação a dupla Jesus/Carvalho.
Custa-me perceber este jogador e a sua contratação.
Bem miúdo veio para aí com um salário robusto.
Deu nas vistas ocasionalmente e sinceramente parece-me um jogador com algum futuro.
Não sei qual a percentagem de passe que detiamos deste, por isso não posso avaliar correctamente a importância de o manter para uma futura valia.
Já a caminho do final de contrato, valia a pena perceber se havia ali algum potencial ou não.
Afinal é alguém que não deslustra, não na equipa A mas sim na equipa B onde cohabita com outros craques de valor faraonico.
Mas este foi contratado pelos proscritos, logo deverá ser visto com outros olhos?!
Tenho fraca opinião sobre a real mais valia dele, de facto.
Mas isso deve-se a toda a minha desconfiança àquilo que actualmente se faz na gestão de reservas de valor avultado que existem apenas, por agora, para "encher" a equipa B.
E digo encher porque sendo esta uma equipa da Segunda  Liga a jogar contra adversários de muito menor encargo financeiro, não lhes vislumbro com certeza absoluta todo o seu potencial para um dia serem efectivamente as extraordinárias promessas pelo qual se apostou tanto dinheiro em cima.
Parece-me a mim que continua-se a fazer alguns negócios no mínimo duvidosos e algo arriscados.
Mas eu não sou treinador, logo, cabe-me a mim ficar calado e a assistir, para já...
Rubio não foi considerado suficientemente válido numa equipa (B) onde não existe nenhum avançado em prespectiva.
Admito que não sirva e até parece-me, à partida, um negócio positivo.
Mas também gostava de ver estes e outros negócios por cá feitos um pouco mais bem esclarecidos.
Afinal foi algo que nos foi desde sempre garantido: as coisas seriam feitas com mais clareza e com o conhecimento dos sócios ao arrepio daquilo que se faz anteriormente em que não se passava cavaco a ninguém...
?

Claro que era perfeitamente válido para a equipa B. Porque é que havia de não ser?

Mas a questão não era essa, pois não,
Nao... A questão não era essa!
Não nego a sua pouca utilidade sendo um activo caro que apenas e só reforça a equipa B.
Pergunto é sobre a utilidade dos que tal como ele apenas e só servem a equipa B sendo tão ou mais onerosos ao clube.
Ir não me faz confusão nenhuma, o que me confunde é o que se quer ou se vai fazendo lá pela equipa B.
Será que outros terão o mesmo fim que este quando chegar à altura deles?
23-03-2013 O dia mais feliz da minha vida como sportinguista.
A partir de agora mandamos nós e o Sporting terá o seu caminho novamente, quero vos agradecer a todos e dizer claramente para que toda a gente oiça:
Viva o Sporting Clube de Portugal! É nosso outra vez!
Palavras do Presidente do Sporting Clube de Portugal, Bruno de Carvalho. Bem-haja Presidente!
23-06-2018 O pior dia da minha vida como sportinguista. Após campanha orquestrada entre lampiões, croquetes e comunicação social, cai o melhor Presidente da história do clube. Obrigado do fundo do coração Presidente por ter trazido um orgulho e alegria que estavam esmagados no meu coração para mim será eterno.
Tenho pena mas acho que não havia alternativa.

Mais um contrato armadilhado que nos coube em herança do tempo do eixo Gnomo/Duque/Freitas.
Aqui juntar-lhe-ia na equação a dupla Jesus/Carvalho.
Custa-me perceber este jogador e a sua contratação.
Bem miúdo veio para aí com um salário robusto.
Deu nas vistas ocasionalmente e sinceramente parece-me um jogador com algum futuro.
Não sei qual a percentagem de passe que detiamos deste, por isso não posso avaliar correctamente a importância de o manter para uma futura valia.
Já a caminho do final de contrato, valia a pena perceber se havia ali algum potencial ou não.
Afinal é alguém que não deslustra, não na equipa A mas sim na equipa B onde cohabita com outros craques de valor faraonico.
Mas este foi contratado pelos proscritos, logo deverá ser visto com outros olhos?!
Tenho fraca opinião sobre a real mais valia dele, de facto.
Mas isso deve-se a toda a minha desconfiança àquilo que actualmente se faz na gestão de reservas de valor avultado que existem apenas, por agora, para "encher" a equipa B.
E digo encher porque sendo esta uma equipa da Segunda  Liga a jogar contra adversários de muito menor encargo financeiro, não lhes vislumbro com certeza absoluta todo o seu potencial para um dia serem efectivamente as extraordinárias promessas pelo qual se apostou tanto dinheiro em cima.
Parece-me a mim que continua-se a fazer alguns negócios no mínimo duvidosos e algo arriscados.
Mas eu não sou treinador, logo, cabe-me a mim ficar calado e a assistir, para já...
Rubio não foi considerado suficientemente válido numa equipa (B) onde não existe nenhum avançado em prespectiva.
Admito que não sirva e até parece-me, à partida, um negócio positivo.
Mas também gostava de ver estes e outros negócios por cá feitos um pouco mais bem esclarecidos.
Afinal foi algo que nos foi desde sempre garantido: as coisas seriam feitas com mais clareza e com o conhecimento dos sócios ao arrepio daquilo que se faz anteriormente em que não se passava cavaco a ninguém...
?

Claro que era perfeitamente válido para a equipa B. Porque é que havia de não ser?

Mas a questão não era essa, pois não,
Nao... A questão não era essa!
Não nego a sua pouca utilidade sendo um activo caro que apenas e só reforça a equipa B.
Pergunto é sobre a utilidade dos que tal como ele apenas e só servem a equipa B sendo tão ou mais onerosos ao clube.
Ir não me faz confusão nenhuma, o que me confunde é o que se quer ou se vai fazendo lá pela equipa B.
Será que outros terão o mesmo fim que este quando chegar à altura deles?
Falas de quem?
Tenho pena mas acho que não havia alternativa.

Mais um contrato armadilhado que nos coube em herança do tempo do eixo Gnomo/Duque/Freitas.
Aqui juntar-lhe-ia na equação a dupla Jesus/Carvalho.
Custa-me perceber este jogador e a sua contratação.
Bem miúdo veio para aí com um salário robusto.
Deu nas vistas ocasionalmente e sinceramente parece-me um jogador com algum futuro.
Não sei qual a percentagem de passe que detiamos deste, por isso não posso avaliar correctamente a importância de o manter para uma futura valia.
Já a caminho do final de contrato, valia a pena perceber se havia ali algum potencial ou não.
Afinal é alguém que não deslustra, não na equipa A mas sim na equipa B onde cohabita com outros craques de valor faraonico.
Mas este foi contratado pelos proscritos, logo deverá ser visto com outros olhos?!
Tenho fraca opinião sobre a real mais valia dele, de facto.
Mas isso deve-se a toda a minha desconfiança àquilo que actualmente se faz na gestão de reservas de valor avultado que existem apenas, por agora, para "encher" a equipa B.
E digo encher porque sendo esta uma equipa da Segunda  Liga a jogar contra adversários de muito menor encargo financeiro, não lhes vislumbro com certeza absoluta todo o seu potencial para um dia serem efectivamente as extraordinárias promessas pelo qual se apostou tanto dinheiro em cima.
Parece-me a mim que continua-se a fazer alguns negócios no mínimo duvidosos e algo arriscados.
Mas eu não sou treinador, logo, cabe-me a mim ficar calado e a assistir, para já...
Rubio não foi considerado suficientemente válido numa equipa (B) onde não existe nenhum avançado em prespectiva.
Admito que não sirva e até parece-me, à partida, um negócio positivo.
Mas também gostava de ver estes e outros negócios por cá feitos um pouco mais bem esclarecidos.
Afinal foi algo que nos foi desde sempre garantido: as coisas seriam feitas com mais clareza e com o conhecimento dos sócios ao arrepio daquilo que se faz anteriormente em que não se passava cavaco a ninguém...
?

Claro que era perfeitamente válido para a equipa B. Porque é que havia de não ser?

Mas a questão não era essa, pois não,
Nao... A questão não era essa!
Não nego a sua pouca utilidade sendo um activo caro que apenas e só reforça a equipa B.
Pergunto é sobre a utilidade dos que tal como ele apenas e só servem a equipa B sendo tão ou mais onerosos ao clube.
Ir não me faz confusão nenhuma, o que me confunde é o que se quer ou se vai fazendo lá pela equipa B.
Será que outros terão o mesmo fim que este quando chegar à altura deles?
Falas de quem?
Falo do facto de termos uma equipa de futebol que se propõe ser campeã nacional ( não sou eu que o exijo para já...!) mas que não tem recursos nem nada que se pareça com os seus adversários directos.
Tem uma dificuldade acrescida pela menor receita de bilheteria, publicidade e direitos de participação na única competição que permite fazer disparar as receitas e os custos orçamentais.
Ainda assim, não se coíbe de contratar em grande.
Agora, sabendo-se do falhanço nos objectivos pretendidos, também não se consegue obter mais valias de processos há muito pendentes e de difícil solução.
Em minha opinião, que vale apenas aquilo que vale não deixando de ser aqui tão aceitável como outra qualquer, existe um conjunto de prioridades que colidem com outro conjunto de necessidades sendo que a mim me parece complicado vislumbrar quais os reais bons créditos de tal gestão.
Existe dinheiro a ser gasto (não só) na equipa B que deveria e podia ser canalizado para resolver alguns dossiers importantes na equipa A.
Tenho pena mas acho que não havia alternativa.

Mais um contrato armadilhado que nos coube em herança do tempo do eixo Gnomo/Duque/Freitas.
Aqui juntar-lhe-ia na equação a dupla Jesus/Carvalho.
Custa-me perceber este jogador e a sua contratação.
Bem miúdo veio para aí com um salário robusto.
Deu nas vistas ocasionalmente e sinceramente parece-me um jogador com algum futuro.
Não sei qual a percentagem de passe que detiamos deste, por isso não posso avaliar correctamente a importância de o manter para uma futura valia.
Já a caminho do final de contrato, valia a pena perceber se havia ali algum potencial ou não.
Afinal é alguém que não deslustra, não na equipa A mas sim na equipa B onde cohabita com outros craques de valor faraonico.
Mas este foi contratado pelos proscritos, logo deverá ser visto com outros olhos?!
Tenho fraca opinião sobre a real mais valia dele, de facto.
Mas isso deve-se a toda a minha desconfiança àquilo que actualmente se faz na gestão de reservas de valor avultado que existem apenas, por agora, para "encher" a equipa B.
E digo encher porque sendo esta uma equipa da Segunda  Liga a jogar contra adversários de muito menor encargo financeiro, não lhes vislumbro com certeza absoluta todo o seu potencial para um dia serem efectivamente as extraordinárias promessas pelo qual se apostou tanto dinheiro em cima.
Parece-me a mim que continua-se a fazer alguns negócios no mínimo duvidosos e algo arriscados.
Mas eu não sou treinador, logo, cabe-me a mim ficar calado e a assistir, para já...
Rubio não foi considerado suficientemente válido numa equipa (B) onde não existe nenhum avançado em prespectiva.
Admito que não sirva e até parece-me, à partida, um negócio positivo.
Mas também gostava de ver estes e outros negócios por cá feitos um pouco mais bem esclarecidos.
Afinal foi algo que nos foi desde sempre garantido: as coisas seriam feitas com mais clareza e com o conhecimento dos sócios ao arrepio daquilo que se faz anteriormente em que não se passava cavaco a ninguém...
?

Claro que era perfeitamente válido para a equipa B. Porque é que havia de não ser?

Mas a questão não era essa, pois não,
Nao... A questão não era essa!
Não nego a sua pouca utilidade sendo um activo caro que apenas e só reforça a equipa B.
Pergunto é sobre a utilidade dos que tal como ele apenas e só servem a equipa B sendo tão ou mais onerosos ao clube.
Ir não me faz confusão nenhuma, o que me confunde é o que se quer ou se vai fazendo lá pela equipa B.
Será que outros terão o mesmo fim que este quando chegar à altura deles?
Falas de quem?
Falo do facto de termos uma equipa de futebol que se propõe ser campeã nacional ( não sou eu que o exijo para já...!) mas que não tem recursos nem nada que se pareça com os seus adversários directos.
Tem uma dificuldade acrescida pela menor receita de bilheteria, publicidade e direitos de participação na única competição que permite fazer disparar as receitas e os custos orçamentais.
Ainda assim, não se coíbe de contratar em grande.
Agora, sabendo-se do falhanço nos objectivos pretendidos, também não se consegue obter mais valias de processos há muito pendentes e de difícil solução.
Em minha opinião, que vale apenas aquilo que vale não deixando de ser aqui tão aceitável como outra qualquer, existe um conjunto de prioridades que colidem com outro conjunto de necessidades sendo que a mim me parece complicado vislumbrar quais os reais bons créditos de tal gestão.
Existe dinheiro a ser gasto (não só) na equipa B que deveria e podia ser canalizado para resolver alguns dossiers importantes na equipa A.

Existe muita coisa que deveria ter sido feita de uma forma e não foi.

Quanto aos reais créditos?

Esses são-nos dados pelos resultados financeiros  ( até ao momento, bons ) e desportivos  ( vão-se consolidando e em crescimento ).

Uma, duas ou três árvores, não fazem a floresta.
Tenho pena mas acho que não havia alternativa.

Mais um contrato armadilhado que nos coube em herança do tempo do eixo Gnomo/Duque/Freitas.
Aqui juntar-lhe-ia na equação a dupla Jesus/Carvalho.
Custa-me perceber este jogador e a sua contratação.
Bem miúdo veio para aí com um salário robusto.
Deu nas vistas ocasionalmente e sinceramente parece-me um jogador com algum futuro.
Não sei qual a percentagem de passe que detiamos deste, por isso não posso avaliar correctamente a importância de o manter para uma futura valia.
Já a caminho do final de contrato, valia a pena perceber se havia ali algum potencial ou não.
Afinal é alguém que não deslustra, não na equipa A mas sim na equipa B onde cohabita com outros craques de valor faraonico.
Mas este foi contratado pelos proscritos, logo deverá ser visto com outros olhos?!
Tenho fraca opinião sobre a real mais valia dele, de facto.
Mas isso deve-se a toda a minha desconfiança àquilo que actualmente se faz na gestão de reservas de valor avultado que existem apenas, por agora, para "encher" a equipa B.
E digo encher porque sendo esta uma equipa da Segunda  Liga a jogar contra adversários de muito menor encargo financeiro, não lhes vislumbro com certeza absoluta todo o seu potencial para um dia serem efectivamente as extraordinárias promessas pelo qual se apostou tanto dinheiro em cima.
Parece-me a mim que continua-se a fazer alguns negócios no mínimo duvidosos e algo arriscados.
Mas eu não sou treinador, logo, cabe-me a mim ficar calado e a assistir, para já...
Rubio não foi considerado suficientemente válido numa equipa (B) onde não existe nenhum avançado em prespectiva.
Admito que não sirva e até parece-me, à partida, um negócio positivo.
Mas também gostava de ver estes e outros negócios por cá feitos um pouco mais bem esclarecidos.
Afinal foi algo que nos foi desde sempre garantido: as coisas seriam feitas com mais clareza e com o conhecimento dos sócios ao arrepio daquilo que se faz anteriormente em que não se passava cavaco a ninguém...
?

Claro que era perfeitamente válido para a equipa B. Porque é que havia de não ser?

Mas a questão não era essa, pois não,
Nao... A questão não era essa!
Não nego a sua pouca utilidade sendo um activo caro que apenas e só reforça a equipa B.
Pergunto é sobre a utilidade dos que tal como ele apenas e só servem a equipa B sendo tão ou mais onerosos ao clube.
Ir não me faz confusão nenhuma, o que me confunde é o que se quer ou se vai fazendo lá pela equipa B.
Será que outros terão o mesmo fim que este quando chegar à altura deles?
Falas de quem?
Falo do facto de termos uma equipa de futebol que se propõe ser campeã nacional ( não sou eu que o exijo para já...!) mas que não tem recursos nem nada que se pareça com os seus adversários directos.
Tem uma dificuldade acrescida pela menor receita de bilheteria, publicidade e direitos de participação na única competição que permite fazer disparar as receitas e os custos orçamentais.
Ainda assim, não se coíbe de contratar em grande.
Agora, sabendo-se do falhanço nos objectivos pretendidos, também não se consegue obter mais valias de processos há muito pendentes e de difícil solução.
Em minha opinião, que vale apenas aquilo que vale não deixando de ser aqui tão aceitável como outra qualquer, existe um conjunto de prioridades que colidem com outro conjunto de necessidades sendo que a mim me parece complicado vislumbrar quais os reais bons créditos de tal gestão.
Existe dinheiro a ser gasto (não só) na equipa B que deveria e podia ser canalizado para resolver alguns dossiers importantes na equipa A.

Existe muita coisa que deveria ter sido feita de uma forma e não foi.

Quanto aos reais créditos?

Esses são-nos dados pelos resultados financeiros  ( até ao momento, bons ) e desportivos  ( vão-se consolidando e em crescimento ).

Uma, duas ou três árvores, não fazem a floresta.
 :arrow: Verdade!
Convém é manter a floresta bem tratada...
Não tenho razões para me tornar um crítico acérrimo de coisa alguma.
Apenas relevo alguns assuntos ou temas que, a mim, por dificuldade de compreensão, me parecem um pouco errados, às vezes, disparatados, aqui e ali, desastrosos...
Ninguém é perfeito.
Por isso é tão aceitável sermos tolerantes quanto sermos críticos quando esta tem espaço para existir.
Oh amigo. Ninguém na equipa B ganha nem perto do que o Rubio ganhava...

Nem perto.

Edit: chiça penico!. Tive que perder mais um bocadinho de tempo para ler o que escreveste. "Contratar em grande"...epa, o Sporting praticamente só com a venda do Cédric pagou o que investiu neste mercado.
Se ainda juntarmos os trocos feitos com Shikabala, Rabia ou Sarr e saímos com um balanço bastante positivo.
« Última modificação: Setembro 01, 2015, 21:35 pm por Matchbox Twenty »

Tenho a certeza que não tínhamos 70% do passe......
Dito isto boa sorte ao Rubio. Que se valorize e possa ser transferido um dia.

SL
Acho que nunca foi verdadeiramente aproveitado no Sporting...

Não foi o 1º e não será certamente o último...  :inde:

Resta-me desejar-lhe a melhor das sortes e que protagonize uma grande transferência futura, o Sporting só teria a ganhar com isso!!

...e o SPORTING é o nosso grande amor!!
Resolvemos um problema que se arrastava há anos e isso é uma boa notícia. Desejo ao Diego boa sorte em Espanha.

Mas... Gostaria de ter mais pormenores sobre este negócio. Tínhamos 40% do passe e, depois da saída, ficamos com 70% de uma futura venda? Sem ter certezas, como é óbvio, desconfio que tenhamos comprado uma parte do passe do jogador ao Quality Ireland para o podermos despachar de seguida e resolver o problema...  :inde:
Campo Grande paga a traidores.