Assistências para o campeonato no Estádio José Alvalade

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

O pior ano do porto em dez é ainda assim superior ao nosso melhor ano, daqueles que estão presentes no gráfico. Mas isso não é de todo surpreendente porque estamos a falar de um clube que tem dominado totalmente o futebol português nas últimas duas décadas.

O que dá algum alento é reparar que, por outro lado, o Porto em 2 anos sucessivos em que é campeão com uma perna às costas (07/08 e 08/09), poucos anos depois de ser vencedor da taça uefa e campeão da Europa, tem uma média de assistências com apenas cerca de 5000 espectadores a mais do que nós em 06/07. Lembre-se que apenas nos últimos 3 anos nas médias de assistência em Alvalade houve um decréscimo de 10000 pessoas!

Ou seja a nossa margem de crescimento mostra que só o sucesso desportivo nos colocará no mesmo patamar de assistências dos corruptos.

Bottom-line: O Sporting é uma força imensa anestesiada por anos e anos de incompetência dos seus dirigentes!

Quando aos idiotas de vermelho, outras variáveis entram na explicação do problema - base demográfica de recrutamento mais alargada, etc. - mas não merecem que se perca tempo com eles.
« Última modificação: Maio 04, 2010, 14:18 pm por Eurípides »
"O Sporting Clube de Portugal é o título duma associação composta de indivíduos de ambos os sexos de boa sociedade e conduta irrepreensível." - Artigo 1º dos Primeiros Estatutos
O pior ano do porto em dez é ainda assim superior ao nosso melhor ano, daqueles que estão presentes no gráfico. Mas isso não é de todo surpreendente porque estamos a falar de um clube que tem dominado totalmente o futebol português nas últimas duas décadas.

O que dá algum alento é reparar que, por outro lado, o Porto em 2 anos sucessivos em que é campeão com uma perna às costas (07/08 e 08/09), poucos anos depois de ser vencedor da taça uefa e campeão da Europa, tem uma média de assistências com apenas cerca de 5000 espectadores a mais do que nós em 06/07. Lembre-se que apenas nos últimos 3 anos nas médias de assistência em Alvalade houve um decréscimo de 10000 pessoas!

Ou seja a nossa margem de crescimento mostra que só o sucesso desportivo nos colocará no mesmo patamar de assistências dos corruptos.

Bottom-line: O Sporting é uma força imensa anestesiada por anos e anos de incompetência dos seus dirigentes!

Quando aos idiotas de vermelho, outras variáveis entram na explicação do problema - base demográfica de recrutamento mais alargada, etc. - mas não merecem que se perca tempo com eles.

Concordo plenamente.

Temos uma excelente massa adepta regular, que com algum sucesso desportivo consegue dar ao clube assistências fantásticas. Não consigo perceber como é que a direcção não percebe estes pormenores.
Estes dados só provam uma vez mais a velha máxima:

Joga-se bem ->  + Pessoas no estádio
Joga-se Mal -> - Pessoas no estádio

E para isto existe N razões que servem ainda mais para agravar a crise de espectadores em Alvalade, Discursos fracos e sem vontade de vencer, pouco investimento em jogadores que chamem mais adeptos e Dirigentes que não inspiram confiança a ninguém!

Estes dados deveriam ser expostos publicamente e se possível num programa qualquer como o "Dia Seguinte" "Tempo extra" ou algo do género, porque ai sim os que continuam cegos poderiam abrir os olhos ao que têm feito ao Sporting Clube de Portugal nos últimos anos...

Bom artigo Paracelsus :great:

Em programas como o "Dia Seguinte", o Dias Ferreira limitar-se-ia a inverter o ónus da questão.

Como lhe(s) convém, diria simplesmente que a culpa da equipa não render é o fraco apoio e a falta de militância. Para ele(s), quem está mal nesta questão é o adepto do Sporting que fica em casa para não assistir ao fraco futebol em Alvalade.

A pobreza exibicional, os preços elevados, os horários pornográficos, os jogos à sexta e à segunda, a falta de investimento, os discursos que visam referir que o Sporting não tem tiques de organização vencedora e que o Sporting está a anos-luz do carnide, em nada contribuem para as assistências registadas.

A culpa, claro está, é do adepto.
«Já nós, que destruímos João Rocha, que ignorámos Jaime Duarte, que fomos na conversa do «notável» Sousa Cintra e que agora traímos Bruno de Carvalho, só merecemos definhar e desaparecer, porque somos um clube sem personalidade, onde somos manipulados pelos notáveis e destruímos sempre os candidatos que representam o verdadeiro povo.» Por @Gluf
As assistências estão directamente relacionadas com a qualidade do futebol praticado e com a expectativa criada em torno da equipa de futebol, por muito bom que seja o plano de marketing delineado para trazer mais sócios e adeptos ao Estádio, ele ruirá pela base se as premissas atrás referidas não forem positivas, mais se acentuará o desnível quanto mais longo for o período em que uma das premissas é negativa, nomeadamente a qualidade do futebol apresentado, acredito que com qualidade futebolística os Sportinguistas voltam ao Estádio, também acredito que, se essa qualidade for previamente projectada com a expectativa de uma equipa capaz, com reforços e boas pré-épocas, mais facilmente se inverte a tendência dos últimos anos e rapidamente voltamos a valores de 2006-2007, isso foi bem claro no ciclo de jogos com o Atlético de Madrid e porco, por exemplo! :idea:

Tudo passa, nos próximos meses, pela gestão de expectativa em torno da equipa de futebol, neste momento partimos de um patamar muito baixo, o nome do treinador não anima nem cria esperança, sobretudo o tipo de esperança e crença que leva as pessoas à bola, resta apenas o reforço do plantel para criar a "onda", brevemente saberemos se é por aí que JEB e Cª querem ir, eu espero que seja! :think:

O facto de termos o eterno rival activo e forte no mercado pode "obrigar" JEB a mudar o paradigma dos últimos anos, parece-me claro que vamos ter na próxima época um glórias forte, também vamos ter, de certeza, um porco ferido e por isso também forte, provavelmente vamos ter um Braga nos parâmetros actuais, o Sporting não tem saída e só tem um caminho, apostar no reforço do plantel, outro cenário seria pouco menos que catastrófico! :arrow:

Depois há outros factores que condicionam mas não determinam as fracas assistências, horários e dias dos jogos, preço dos bilhetes, etc, não me parece que seja por aqui que as pessoas se afastam de Alvalade! :exclaim:
« Última modificação: Maio 04, 2010, 14:37 pm por Rui Sampaio »
Hoje como sempre, tenho o FórumSCP na mente e o Sporting Clube de Portugal no coração!
A pobreza exibicional, os preços elevados, os horários pornográficos, os jogos à sexta e à segunda, a falta de investimento, os discursos que visam referir que o Sporting não tem tiques de organização vencedora e que o Sporting está a anos-luz do carnide, em nada contribuem para as assistências registadas.

Tocaste aqui em muitos pontos que julgo que afectam fortemente as assistências e que não é possível analisar (por falta de dados da minha parte, não que seja impossível ou indesejável).

- Os preços exorbitantes para quem não compra Gamebox, quando esta deveria ser apenas uma forma de providenciar um lugar anual com facilidade e conforto e não um factor de diferenciação do género "Tu não compras GB então não gostas suficientemente do clube / não contribuis o suficiente"... este é a propósito um argumento ridículo porque se se comparar 2 adeptos que vão ao mesmo número de jogos, contribui mais quem compra o bilhete a cada jogo do que quem compra a Gamebox.

- Os horários absurdos, a partir das 20:30 ou em dias de semana, tudo por não se quererem dar ao trabalho de negociar com a Olivedesportos. É a tal mentalidade da "dívida de gratidão para com a Olivedesportos" proplada por FSF a fazer efeito... pergunto-me como é que se pode considerar FSF "gestor" seja do que for quando este vê relacões comerciais como "dívidas de gratidão"? (este tipo era chumbado no primeiro dia numa escola de gestão minimamente credível)

- A política pouco agressiva de marketing, quer nos discursos quer no que sai para a imprensa não ajuda a cativar "os indecisos" que estão no vai não-vai e que só precisam de um empurrãozinho.
É incontornável que a melhoria da qualidade de jogo aliada à competitividade na disputa dos títulos (e sua conquista) é a pedra basilar no crescimento das assistências, que levará provavelmente ao aumento do numero de associados, maiores receitas etc...

Mas existe um facto que nos está a escapar e me parece tão importante e a necessitar atenção, que é o facto de há 20 anos, perante um adversário com nome (e por vezes até com menos nome), enchermos o estádio (mesmo com prestações competitivas ao nível da actual), e hoje em dia (algo que já tem uns anos largos) recebermos das maiores equipas europeias e não conseguirmos chegar aos 40 mil espectadores.

A qualidade do espectáculo não explica totalmente esta incapacidade, ela vai mais além no afastamento progressivo que tem marcado os últimos anos da relação Sporting-sportinguistas. Porque mesmo em períodos de "alta" (como por exemplo campanha Uefa 05), esses jogos não chamam o publico.
Acho que a subida drástica, de 08/09 para 09/10, da assistência lampiónica diz tudo.

São somente mais dez mil pessoas. E tudo devido às contratações de renome, goleadas, boas exibições e expectativas em relação à vitória no campeonato.

Crer que a massa adepta é estática e invariável face aos resultados desportivos é uma ideia estapafúrdia e desfasada da realidade.

Se o Sporting continuar nesta toada, assumindo-se como derrotado na pré-época, não há milagres.

Acho que esses 10 mil não vieram por isso, essencialmente, mas sim pela vitórias. Embora esteja tudo interligado, a razão principal é o resultado.

Adeptos das vitórias são aqueles que marcam verdadeiramente estas variações de época a época. No fundo a debandada é desses, ou seja, para que o SCP tenha mais assistência tem é de ganhar os jogos para que essa massa regresse ao estádio.
As assistências comparadas entre os 3 grandes são elucidativas.

1- O Porto ganhou o tri sem espinhas, a 20 e não sei quantos pontos sobre o 2º, a 3 ou 4 jornadas do fim, e com uma excelente equipa que, desde cedo, dava garantias que iam ser favas contadas.
O tetra não foi tão clarividente, mas era expectável no início da 2ª volta.
Não sei qual é a sua lotação, mas presumo que seja próxima de Alvalade.
Em média, o Dragão teve 10 mil cadeiras vazias por jogo.

2- O efeito da festa de domingo sobre a média não será brutal: 52, 53 mil em média.
E os lampiões são campeões anunciados desde muito cedo e o seu opositor foi... o Braga. Andrades irreconhecíveis e nós a 30 pontos, a lutar pelo 4º.
Taças e torneios de pré-época, habitual euforia dos emigrantes de férias em solo luso, contratações de arromba, treinador 5 estrelas, goleadas a abrir, as excursões de cabidela das casas regionais entupiram as auto-estradas, arrasaram o Colombo.
Resultado: em média, cerca de 10 mil cadeiras vazias por jogo

3- Isto é o futebol luso nas bancadas.
Presumo que sejam os máximos.
38 mil em média no túnel de vento, 50 mil na etar.
10 mil lugares vagos, 20% lá em cima, 17% cá em baixo.

4- Admito que os nossos máximos sejam superiores a 2007, quando ficámos a 1 ponto, mas, no Natal, estávamos praticamente fora da corrida, nem sei se não andávamos em 3º.
Vou ser optimista: uma boa campanha desde a pré-época, ie, de forma continuada a olhar para os rivais cá em baixo talvez alcancemos o patamar do fóculporto. Não mais, ou pelo menos não muito mais.
A menos que comecem a fazer como o Braga: porta aberta, entra quem quer, sócio ou curioso pela arquitectura.

5- Quanto aos mínimos.
Os dos lampiões não serão os 35 mil, mas talvez sejam o correspondente ao mínimo conhecido do fóculporto (33 mil) ou ao nosso máximo conhecido.
Estou seriamente convicto de que, na próxima época, iremos conhecer o nosso mínimo.
Isto é: ainda não foi alcançado.
Não tenho uma bola de cristal, mas os muitos lugares que nos últimos jogos estão vagos no sector onde me sento e que costuma(va)m ser ocupados por indefectíveis não são por causa da chuva. E os últimos comentários dos que restaram não auguram nada de bom.

Edit: parece que o anexo do colombo tem 65 mil e não 60 mil como eu pensava
Mas os globais ficam mais ou menos na mesma.
Com a festa a média deste ano será 53 mil, o que corresponde a 18,5% de cadeiras vagas/jogo.
« Última modificação: Maio 04, 2010, 16:41 pm por farinha amparo »
Quanto às comparações com guimarães, é preciso ter cuidado com os termos usados para as fazer: as aspirações desse clube não são iguais às nossas, pelo que isso tem que entrar nas avaliações dos números médios de espectadores. Este ano que para nós foi de embate no fundo, foi um ano relativamente positivo/dentro da normalidade para eles (5º lugar); é óbvio que iria haver uma aproximação. Mas como seriam as assistências no Afonso Henriques se, mantendo-se a nossa época igual, o vitória andasse durante todo o ano pelo 11º, ou 10º lugar?

Não é verdade. Na última época, o Vitória ficou em 9º e teve uma assistência média muito próxima da deste ano. Aliás, segundo os dados do site da Liga, até perdeu 1000 adeptos por jogo da época passada para esta época…

Percebe-se, pois o Guimarães não fez nada de especial esta época, tendo sido até bastante irregular. O 5º lugar é muito enganador - em termos pontuais, a diferença para o meio da tabela é mínima e só se consolidou nas últimas 3-4 jornadas – e deve-se mais à grande irregularidade esta época de todos os clubes médios à excepção do Braga (Nacional, Marítimo, Leiria, etc.) do que a uma grande temporada do Vitória -  irregularidade que, de resto, nos salvou de um lugar humilhante na tabela.

Ou seja, acho que os valores actuais das assistências do Guimarães estão muito próximos do que eles “valem” em condições normais.


- De qualquer maneira, colocando como hipótese que não é possível descer mais que este ano em termos de resultados, humilhações e mau futebol, acho que a média de espectadores deixa pelo menos algum conforto na medida que mostra duas coisas: a) mesmo com uma época inenarrável há uma espécie de limite mínimo de cerca de 25000 espectadores, que até nem me parece escandaloso; b) a margem de crescimento é imensa, e isso é um factor crucial para o clube.

Isso agora.... Por um lado, embora admitindo que é cedo, a verdade é que não vi nada até agora que indicasse que a próxima época vá ser melhor do que esta. Bem pelo contrário.

Por outro lado, a experiencia negativíssima desta época vai sentir-se de certeza na venda de GB que se vai iniciar em Julho.  Com um treinador que não entusiasma ninguém, só mesmo um par de contratações de grande renome é que conseguirá impedir mais uma quebra nas vendas.


- Os dados mostram o Factor crítico para trazer gente: lutar a sério pelo título. Não há volta a dar. Em 06/07 foi quando ficámos mais perto; a partir daí abdicou-se de lutar pelo campeonato em prol dos 2ºs lugares e da conversa das tacitas e o resultado está à vista.

O mais curioso (ou trágico) é que não é muito difícil trazer as pessoas de volta. A prova que o Sporting é um gigante adormecido – e de que é preciso uma grande dose de nabice e incompetência para o manter assim - é que basta um cheirinho de vitória e bom futebol para o público acorrer a Alvalade.

Veja-se o entusiasmo na eliminatória contra o Atlético ou o facto de a 2ª melhor assistência da época ter sido contra o Guimarães. Quando é que ocorrem? Precisamente durante o único período da época em que mostramos algum futebol e fizemos umas gracinhas (vitória robusta sobre o Porto e eliminação do Everton).
Excelente trabalho. Pena que, para variar, não interesse a quem devia interessar...

(...) - Os horários absurdos, a partir das 20:30 ou em dias de semana, tudo por não se quererem dar ao trabalho de negociar com a Olivedesportos. É a tal mentalidade da "dívida de gratidão para com a Olivedesportos" proplada por FSF a fazer efeito... pergunto-me como é que se pode considerar FSF "gestor" seja do que for quando este vê relacões comerciais como "dívidas de gratidão"? (este tipo era chumbado no primeiro dia numa escola de gestão minimamente credível)
(...)
 
Já falei nisso mais que uma vez. No Congresso Leonino, um conhecido comentador disse que era totalmente irrealista querer jogos noutros horários.
Era «his master's voice» que se ouvia, ou seja, nem pensar em questionar as opções das agências de publicidade e estações de TV. Ponto.
Não há vontade de alterar seja o que for.
Para agravar o problema, houve uma ligeira evolução dos horários, entre a época passada e a que está a terminar, sem que a afluência ao estádio evoluísse no bom sentido. É de prever que os péssimos horários persistam.
E quem diz os péssimos horários, diz a divulgação das datas e horas dos jogos em cima deles, impedindo as pessoas de planear a ida aos jogos. Para não falar na proibição de levar comida, rádio portátil, etc. Em vez de se incentivar a ida aos jogos, faz-se o contrário.

«Opiniões divergentes não significam ataques pessoais»
O Porto caiu muito de um ano para o outro. A média de espectadores este ano andará por volta dos 25 mil espectadores. Menos 10 mil que o ano passado.

O Sporting tem um produto futebolístico mediocre e deprimente, portanto não se podem esperar milagres. Não há campanha de marketing que resista aos desaires que se assistem dentro e fora do campo. A política de bilheteira tem de mudar (é o desastre que é porque foi pensada e executada por quem não tem nenhuma sensibilidade para estas coisas e não é do mesmo estracto social da esmagadora maioria dos adeptos do futebol e do Sporting em particular) mas enquanto a política desportiva não der frutos, Alvalade será um estádio subaproveitado.

Ir ao estádio nunca pode ser uma obrigação, ou um sacrifício, deve ser um prazer. A maneira como as coisas têm sido apresentadas nos últimos anos deixaram marcas muito profundas e há um trabalho enorme a fazer para recuperar o público que se perdeu com devaneios elitistas e palhaçadas à Paulo Bento e Soares Franco. Cada ano de fracasso desportivo agrava ainda mais o despovoamento do estádio. Mas é ÓBVIO que o Sporting é um clube subaproveitado a VÁRIOS níveis. Mas para o potenciar, a engrenagem tem de começar a funcionar, ou seja, o futebol profissional tem de ser muito mais competitivo, porque tal como está é desastroso.
FORÇA LEÕES!!
Já falei nisso mais que uma vez. No Congresso Leonino, um conhecido comentador disse que era totalmente irrealista querer jogos noutros horários.
Era «his master's voice» que se ouvia, ou seja, nem pensar em questionar as opções das agências de publicidade e estações de TV. Ponto.
Não há vontade de alterar seja o que for.
Para agravar o problema, houve uma ligeira evolução dos horários, entre a época passada e a que está a terminar, sem que a afluência ao estádio evoluísse no bom sentido. É de prever que os péssimos horários persistam.
E quem diz os péssimos horários, diz a divulgação das datas e horas dos jogos em cima deles, impedindo as pessoas de planear a ida aos jogos. Para não falar na proibição de levar comida, rádio portátil, etc. Em vez de se incentivar a ida aos jogos, faz-se o contrário.


Sim, muito típico de Sporting de Soares Franco e de JEB. Tudo é impossível. Tudo é uma chatice. Era o pavilhão, era gastar 10 milhões no mercado de inverno… Tudo é impossível e uma chatice - até alguém o fazer.

E isto é importante. Até agora só estou a pensar nos 35 mil - que me parecem o mínimo razoável para um clube da dimensão - e a ter como referência 2006/07. Mas o clube devia ter como objectivo de longo prazo vender toda a lotação do estádio em cada jogo. Cada cadeira vazia é dinheiro que se perde e apoio que não se tem.

Esta devia ser uma meta importante . E a “política externa” do clube – do preço dos bilhetes ao trabalho na Liga com os outros clubes - deveria ser orientada para ela.

Isto implicaria, como dizes, ter um mínimo de estabilidade nos horários e dias de jogo para permitir que se criem rotinas de ida à bola, preços realistas de bilhetes para não excluir as pessoas, promoção adequada dos jogos (e do campeonato português, embora aqui o trabalho seja sobretudo na e da Liga), melhor tratamento dos espectadores, etc.
Penso que se tivermos uma epoca razoavel (ganharmos Taças e chegarmos +/- longe na Europa) conseguimos parar com a descida nos nºs... mas mais importante que isso é um equipa com raça...

SS1906!
A descida média de espectadores pós-inauguração do novo estádio era espectável e facilmente previsível caso não fosse acompanhada de campanhas desportivas com sucesso.

Os primeiros anos foram os da tesão do mijo do estádio novo em que muitos compraram gameboxes pela primeira vez só para estar no novo estádio. Esse facto aliado ao primeiro ano do Peseiro onde discutimos o campeonato até à penúltima jornada e chegámos à final da taça Uefa ajudam a explicar esse pico de assistência. Passado o efeito novidade, ou o futebol é competitivo ou as bancadas esvaziam-se. Nós não somos ingleses, não temos nem o mesmo poder de compra nem o mesmo espirito com que eles encaram o desporto.

Estes números provam um aspecto em que critico fortemente as últimas direcções do SCP que é na sua total incapacidade para gerir expectativas em paralelo com o investimento nulo no futebol. Para se ter uma época positiva em termos de retorno de investimento não é obrigatório ser-se campeão, e a época do Peseiro prova-o. A expectativa de o podermos ser até bem próximo do final mantém durante largos meses os sócios e adeptos com a equipa, potenciando retorno monetário na bilheteira, quotização e merchandising.
Agora quando se aposta e renovam nos cargos quer técnicos, quer dirigentes quer atletas que em nada contribuem para isto, quando temos um treinador que manda adeptos para casa, quando temos presidentes que acham que com Pedro Silvas, Caicedos e Angulos vamos lá, bancadas despidas é o corolário lógico de tanta competência.
Vuk10Bala ©
O Porto caiu muito de um ano para o outro. A média de espectadores este ano andará por volta dos 25 mil espectadores. Menos 10 mil que o ano passado.

Já coloquei essa média uns posts mais abaixo, está nos 33 000 aproximadamente, menos 5 mil que no ano passado e mais 9 mil que a média do Sporting no mesmo período.
O Porto caiu muito de um ano para o outro. A média de espectadores este ano andará por volta dos 25 mil espectadores. Menos 10 mil que o ano passado.

Já coloquei essa média uns posts mais abaixo, está nos 33 000 aproximadamente, menos 5 mil que no ano passado e mais 9 mil que a média do Sporting no mesmo período.

Se contares só os jogos da segunda volta no Dragão, verás que só os jogos europeus e com os lampiões ultrapassaram a casa dos 30 mil espectadores. Já não havia a perspectiva do penta.
FORÇA LEÕES!!
Excelente trabalho!

Os gráficos apresentados demonstram na perfeição o abandono das bancadas de Alvalade. Também seria interessante conseguirmos saber como tem estado o acompanhamento nos jogos fora. Acredito que também baixou bastante.

As causas já foram identificadas : mau futebol, maus resultados, maus horários, preços exorbitantes.

O que fazer para o futuro? Apostar na equipa, criando um plantel forte que crie ilusões nas pessoas. Se a aposta recair em lazarettis, moreiras e afins as assistências baixarão ainda mais. Se a aposta recair num "Quaresma" e mais um ou outro jogador de renome, o povo mobiliza-se.

PS: Ainda estou a dever uma bejeca ao Zed por uma aposta no início da época. O pagamento está atrasado, não está esquecido :)
O Porto caiu muito de um ano para o outro. A média de espectadores este ano andará por volta dos 25 mil espectadores. Menos 10 mil que o ano passado.

Já coloquei essa média uns posts mais abaixo, está nos 33 000 aproximadamente, menos 5 mil que no ano passado e mais 9 mil que a média do Sporting no mesmo período.

Se contares só os jogos da segunda volta no Dragão, verás que só os jogos europeus e com os lampiões ultrapassaram a casa dos 30 mil espectadores. Já não havia a perspectiva do penta.

O mesmo vale para nós. Se contarmos também só com os nossos jogos da 2ª volta, duvido que a nossa média se mantenha nos 25 mil...
Só mostra a importância que as pessoas deram ao Paulo Bento. Como queriam ver espectáculos agora vão ao cinema  :great:
Elucidativo. Fico triste.

Hoje em dia apenas vou a Alvalade 2/3x epoca.
Mais uma meia-duzia de jogos aqui no norte.
Sempre que posso estou lá!