O que é que lêem, nestas noites...?

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Comecei "Macbeth" de Jo Nesbo, que encontrei à venda por 5€ numa feira aqui no Algarve. Até agora está a ser uma decepção...
«Opiniões divergentes não significam ataques pessoais»
 Voltei ao Eça.

 
“We have to be compact, close together tactically, and if you are close then you have options to play with. You don't always have to try the most risky ball if you are compact. You have to run, to fight, until the moment, and then ... bang, you take it.”

Jurgen Klopp
 Outro regresso, agora a Saramago.

 
“We have to be compact, close together tactically, and if you are close then you have options to play with. You don't always have to try the most risky ball if you are compact. You have to run, to fight, until the moment, and then ... bang, you take it.”

Jurgen Klopp
[...]
Quanto a quem teme pelo futuro do Sporting, não temam, pois haverá Sporting enquanto houver gente cobarde, ingrata e dúplice (os três eixos do Sportinguismo contemporâneo).
[...]
A ler:


 :

Terceiro pior romance Star Wars (Legends e Canon) que li (e eu já li uns 60). Fui à procura de mais opiniões sobre o mesmo, e parece que a comunidade está dividida em dois grupos. Eu faço parte do grupo que quase abominou o livro.
5 out of 10.

Se houver por aqui fãs de Star Wars que queiram saber quais livros são uma experiência digna de SW, apitem, pois há alguns que são bem interessantes (alguns inclusive intensificam consideravelmente a experiência de ver os filmes e as séries de animação).

Porque estamos a pouco tempo do lançamento do Rise of the Skywalker, vão sair, como aconteceu no passado, alguns livros (título do livro + Journey to [filme]), que preenchem alguns espaços, especialmente temporais, vazios.
« Última modificação: Setembro 10, 2019, 15:59 pm por Chev Chelios »
[...]
Quanto a quem teme pelo futuro do Sporting, não temam, pois haverá Sporting enquanto houver gente cobarde, ingrata e dúplice (os três eixos do Sportinguismo contemporâneo).
[...]
@Chev Chelios

A minha dúvida em relação a literatura "Star Wars" está em entender qual é na verdade "complementar" à storyline dos filmes e qual literatura corresponde a "realidade alternativa". Entendes o que quero dizer?
@Chev Chelios

A minha dúvida em relação a literatura "Star Wars" está em entender qual é na verdade "complementar" à storyline dos filmes e qual literatura corresponde a "realidade alternativa". Entendes o que quero dizer?

Tudo o que foi publicado após a Disney ter comprado a Lucas Arts faz parte do chamado canon, ou seja, aconteceu, foi incluído na história oficial da série (o mesmo acontece com as séries animadas) e podes, numa rixa entre SW nerds, mencionar com propriedade qualquer evento ou situação ocorridos nestes livros.
Existe inclusive um género de comité que avalia, e ora permite ora rejeita (mas claro que já há inconsistências e aprovações que não fazem sentido), as adições feitas pelo pessoal que cria conteúdo Star Wars (pessoal dos livros, guionistas, banda desenhada, etc.). Tudo o que havia até a aquisição foi eliminado e chama-se Legends ou Expanded Universe.

A propósito de livros com ligações sólidas aos filmes, experimenta ler o Catalyst, a Rogue One Novel e o Star Wars Rebel Rising. Lê ambos e depois vê o filme. Vais ver que, apesar de já teres visto o filme, a leitura dos livros melhora o filme, especialmente o comportamento de certos personagens (background, factos sobre a construção do Death Star, etc.). Aliás a maioria dos livros serve esse propósito. Se um filme lançado ou a ser lançado no futuro não explicar certo evento, personagem, grupo ou comportamento, muitas vezes os autores tentam fazê-lo. A ligação entre meios está bem feita entre os livros e a banda desenhada. Mas há inconsistências. Há um livro que explica a origem da Captain Phasma (livro medíocre e estranho). Tu lês o livro, vês o The Last Jedi, e a primeira pergunta que fazes é, como é que alguém como o Finn derrotou a Phasma? É óbvio que o pessoal dos filmes, se quiser seguir determinado caminho, segue-o e caga em todos. Mas sou sem dúvida fã da simbiose entre comics e livros. A banda desenhada do Poe Dameron dá-te um retrato espectacular da ligação entre o Poe e a Leia.

Fica aqui a lista dos livros SW que vale a pena ler (pós-aquisição da LA):
Star Wars Bloodline (thriller político, conflito entre quem quer um Galactic Senate com tantos poderes quanto possível e quem quer o contrário)
Star Wars Lost Stars (Romeu e Julieta versão Star Wars)
Star Wars: Leia Princess of Alderaan (Leia com 16 anos, o seu começo no mundo da política)
Star Wars Twilight Company (sobre os soldados da Rebellion).

Star Wars Thrawn (a introdução no canon de uma das personagens mais espectaculares do Legends, e vai ao encontro da versão original, felizmente).
Star Wars Thrawn Alliances
Star Wars Thrawn Treason (saiu o mês passado).

Star Wars Tarkin (a origem de Tarkin)
Star Wars Rebel Rising (a história de Jyn Erso, a relação dela com o Saw, o tipo de acções que o grupo do Saw fazia, etc.)

A trilogia Aftermath (que narra o que aconteceu ao Império imediatamente a seguir ao fim do Return of the Jedi). O problema poderá ser o primeiro livro, que é basicamente 400 e tal páginas de exposição e preparação dos volumes 2 e 3. Mas eu gostei.

Qualquer um destes livros vale a pena. Sem dúvida.
Sendo fã, não há outro caminho que não ler pelo alguns destes livros. Pelo menos.
Tenta seguir a ordem de publicação dos livros. P ex, nada de ler o Bloodlines antes do Leia Princess of Alderaan.
« Última modificação: Setembro 10, 2019, 16:05 pm por Chev Chelios »
[...]
Quanto a quem teme pelo futuro do Sporting, não temam, pois haverá Sporting enquanto houver gente cobarde, ingrata e dúplice (os três eixos do Sportinguismo contemporâneo).
[...]
Na continuação das férias despachei este:
«Opiniões divergentes não significam ataques pessoais»
Entretanto li mais dois recentemente:




Dark Matter

Livro de sci-fi (nao de naves espaciais e aliens e coiso, entenda-se... é sci-fi de outro tipo). A história é interessante, do princípio ao fim, mas tem dois problemas a meu ver:

- É demasiado curto e rápido de ler. Estava à espera de um livro mais “demorado” e com mais sumo. Por vezes quase parece um screenplay e não uma história literária. A meu ver é este o principal defeito que se reflecte num desenvolvimento pouco profundo das personagens.

- O estilo de escrita é pouco trabalhado. Nada de errado em si, mas para quem vem da trilogia Broken Earth é como passar do dia para a noite.

Para quem já leu Philip K Dick, a analogia é a seguinte, parece uma história curta deste mas escrita de forma bastante mais simplista. Tinha lido boas reviews sobre o livro e estava sinceramente à espera de melhor.





Thirteen

Este apanhou-me um bocado de surpresa pela positiva. É um thriller policial de boa qualidade, um verdadeiro page-turner, a partir de certa altura é muito difícil de largar o livro.

Eu que não sou muito deste género e já li diversos autores, acabei por apreciar bastante este aqui. Gostei bastante do estilo narrativo usado pelo autor, bastante detalhado e sem pressas para criar a atmosfera certa sem no entanto descurar o “pace” da história que é ainda assim bastante elevado. Houve preocupação de não deixar muitas pontas soltas e de não recorrer a situações totalmente irrealistas, o que pra mim foi bom, pois tornou a coisa mais realista e assim mais entusiasmante.

Aparentemente faz parte de uma série de livros com o mesmo advogado, mas posso garantir que se lê perfeitamente como stand-alone.


 Depois dos 3 Lord Of The Rings (Fellowship of The Ring, Two Towers and The Return of The King), do Hobbit e do Béren and Luthien estou a ler este. Faltam-me ainda o Fall of Gondolin, o Unfinished Tales e o Silmarillion para acabar toda a obra do JRR Tolkien (objectivo deste ano).
acabei o Malazan Book of the Fallen do Steven Erikson. São 10 volumes com mais de mil páginas cada. E é na prática uma única história, com múltiplos plots, sub plots, sub-sub-sub etc. Muito bom, da melhor fantasia que tenho lido.

Interessante é que o Erikson concebeu a história a meias com outro autor, Ian Cameron Esslemont, como um jogo (género D&D mas muito mais complexo). Como ninguém pegou, decidiram escrever, e cada um escreveu por si, mas no mesmo universo, e com histórias entrelaçadas. Ou seja, tenho agora para ler 6 volumes do Esslemont do ciclo Novels of the Malazan Empire, mais duas trilogias prequel Path to Ascendancy e Kharkanas Trilogy, mais uma trilogia sequel (ainda não escrita).

Já tenho que fazer nas cerca de 100 horas que vou estar em aeroportos e aviões este ano  :mrgreen:
[...]
Quanto a quem teme pelo futuro do Sporting, não temam, pois haverá Sporting enquanto houver gente cobarde, ingrata e dúplice (os três eixos do Sportinguismo contemporâneo).
[...]
“We have to be compact, close together tactically, and if you are close then you have options to play with. You don't always have to try the most risky ball if you are compact. You have to run, to fight, until the moment, and then ... bang, you take it.”

Jurgen Klopp
Um pouco na linha deste,

De vota aos clássicos...<

«Opiniões divergentes não significam ataques pessoais»





Receio que o primeiro esteja um pouco desactualizado.
«Opiniões divergentes não significam ataques pessoais»
"É fraqueza entre ovelhas ser Leão." (Lusíadas, I-68)
[...]
Quanto a quem teme pelo futuro do Sporting, não temam, pois haverá Sporting enquanto houver gente cobarde, ingrata e dúplice (os três eixos do Sportinguismo contemporâneo).
[...]
 Gosto imenso do John Williams, esse Augustus já vai para lista de espera.
“We have to be compact, close together tactically, and if you are close then you have options to play with. You don't always have to try the most risky ball if you are compact. You have to run, to fight, until the moment, and then ... bang, you take it.”

Jurgen Klopp