O que é que lêem, nestas noites...?

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Eu só li esse e outro dele, até agora, e deu para perceber bem, não precisas de te preocupar. :great:

Obrigado  :).

Recebi dois livros iguais, por isso vou aproveitar por trocar um deles por outro do Daniel Silva.
Este Natal ofereci-me a mim mesmo um livro de Haruki Murakami (famoso sobretudo pelo seu "Kafka à Beira-Mar").
Fio da Navalha de Sommerset Maughan, recomendado pelo dono da Livraria Lello.

Grande influência de George Orwell, um livro magnífico.
Só hoje vi este tópico vá-se lá saber como.

Neste momento estou a ler O Sétimo Selo do José Rodrigues dos Santos e estou a gostar, já vi que por aqui não tem muitos fans.



Quanto ao Guerra dos Tronos, falado 3 páginas atrás são pelo menos 9 livros.
"É um orgulho estar no Sporting. Quem não conhece o Sporting sabe muito pouco de futebol"  Tales  3-9-2010
Biografia de Sir Winston Churchill, escrita por Sir Martin Gilbert.

Absolutamente fantástico, aconselho vivamente!  :great:
[/71%: VOCÊS SÃO PIORES QUE LAMPIÕESb]
Este Natal ofereci-me a mim mesmo um livro de Haruki Murakami (famoso sobretudo pelo seu "Kafka à Beira-Mar").

Depois diz qualquer coisa. :great: Ando para ler algum dele há algum tempo, vou sempre adiando...


Este é daqueles que me fazem voltar a ler certas frases várias vezes. Não por não entender à primeira, mas sim pela genialidade das mesmas (e para o livro durar mais, admito).  :drool:

Já li o Animal Farm também. Aconselham mais alguma obra do George Orwell?
Estou tentado a comprar isto o seguinte:
« Última modificação: Dezembro 27, 2011, 18:20 pm por rguiz »


Li este livro que recomendo a todos. Fala sobre as identidades de cada um. De como podemos ter várias identidades ao mesmo tempo. Ao falar disso surgem assuntos como a globalização, a extinção ou ameaça de culturas e o modo como se encara o indivíduo de fora. Um livro muito bom do Amim Maalouf, Libanês, que vive em França.



Acabei à pouco o livro do Alaa al Aswany, que gostei bastante, fundamental para quem quiser conhecer melhor a realidade que se vive pelo Egipto (e não só). Para os que não quiserem comprar, mas quiserem saber mais fica aqui o blog dele: http://www.worldaffairsjournal.org/blogs/alaa-al-aswany

O livro não é mais que um apanhado das opiniões que ele foi escrevendo no blog.



 
Agora estou a ler este, que me tem fascinado, também em parte devido à minha ignorância relativamente à China. O auto, Henry Kissinger , foi embaixador dos EUA na China durante bastante anos. O livro retrata toda a história do país, desde os primordios da sua existência até aos dias de hoje. Fala do povo, dos lideres, da maneira de estar no Mundo, etc. Bastante interessante.


SL
Vou começar agora este:

O ultimo segredo de José Rodrigues dos Santos.



Bem, sem dúvida que no que diz respeito à informação histórica do livro, embora por vezes seja demasiado repetitivo, este é um bom livro... Mas a nível de enredo é fraquinho. Mais lá para o fim até se torna mais interessante, mas nada de mais mesmo. Acontecem algumas coisas ao longo do livro, que não fazem nem um bocadinho de sentido. Caracterização das personagens e dos ambientes, é muito pouco frequente, e quando aparece, é muito escassa. Os diálogos são muito simples, e demasiado repetitivos. A reacção dalgumas é basicamente sempre a mesma.

Mesmo assim, pela informação histórica, até é um livro que vale a pena ler.

Entretanto comecei a ler 'As regras de Moscovo' de Daniel Silva.
Quando as frequências acabarem:





Acabei há segundos de ler:



Fiquei muito surpreendido com esta obra, que é totalmente diferente do filme que tem o actor Jim Caviezel a desempenhar o papel de Edmond Dantés/Conde de Monte Cristo. Recomendo. Foram quase 1000 páginas em quase duas semanas. Eu tinha a ideia de que o livro seria diferente do filme, claro, até porque seria impossível resumir em quase duas horas uma obra com quase 1000 páginas sem deixar partes consideráveis de fora, mas fiquei atónito com as diferenças entre livro e filme. São muitas, mesmo, e não é incorrecto afirmar que o filme que aqui refiro é quase todo diferente do livro que o inspirou. Conhecendo o fim do filme e o fim do livro, fiquei triste, claro, até porque ele é totalmente diferente. 100% diferente. Algumas personagens que o leitor quer ver felizes simplesmente desvanecem, não se sabendo muito bem o que lhes acontece. Personagens que no filme são centrais e que participam no fim feliz.

Não sei muito bem o que vou ler agora. Tenho algumas sugestões, como Guerra e Paz, Liberdade, Lisboa, um Melodrama, A Ponte Invisível, O Coração das Trevas, Gente Pobre. Antes tinha o hábito de apenas ler um livro de cada vez, intercalando entre ficção e não-ficção, mas agora adoptei uma nova prática: leio dois livros de ficção ao mesmo tempo, um clássico (ou então um livro pesado, tipo para aí entre 600 a 1000 páginas) e um contemporâneo, e um de não-ficção. O próximo de não-ficção que vou ler vai ser um que adquiri na quinta-feira: D.Pedro V, Um Homem e um Rei, um livro que devo ler em dois dias, porque é pequeno.

E li também estes:





Este caso é um autêntico escândalo. Eu tinha uma ideia da perfídia que é o acontecimento, mas, afinal, após ler este livro, é ainda mais mórbido do que eu pensava, muito mais. Envolve todo o tipo de gente: pessoal do PPD/PSD (Balsemão, principalmente: existe inclusive um cheque passado por este e levantado por Otelo Saraiva de Carvalho, cuja finalidade se desconhece), do CDS (um gajo que soube antecipadamente o que ia acontecer, Lucas Pires), das FP-25 (Otelo), da CODECO (José Esteves, especialista no fabrico de bombas e comandante da FNLA), do MPLA (não directamente o partido, mas elementos desde que se teriam infiltrado na UNITA), ex-militares, ex-PIDE, etc.

Ficam os seguintes factos:

1) Foram encontrados vestígios de um material explosivo, que foram depois confirmados por um laboratório inglês especializado na matéria, mas que depois perdeu as provas...;
2) A CIA (ligada a Mário Soares) e a Stasi (que construiu em Portugal uma eficaz linha de informações por causa da proliferação de grupos de extrema-esquerda) sabem o que realmente aconteceu e quem cometeu o atentado (que no livro se conclui que o objectivo era assassinar Adelino Amaro da Costa e Sá Carneiro, e nunca apenas um deles, e que todas as outras teorias são fracas);
3) Que parte do pessoal da logística do atentado estava ligado ao General Ramalho Eanes (no livro sugere-se a ideia de que este foi ingénuo em todo o processo, mas fica latente a má relação entre Ramalho Eanes e Sá Carneiro e Amaro da Costa);
4) Que a causa mais forte é o Fundo de Defesa Militar do Ultramar, criado por Salazar para facilitar as compras militares. Fundo que, reparem no escândalo, permaneceu em níveis de funcionamento financeiro iguais aos tempos da guerra (gastos) até meados 1980, 6 anos depois do conflito terminar, movimentando cerca de 12 milhões de contos por ano, uma quantia enorme.
5) Dois anteriores Cessnas destinados a Sá Carneiro e a Amaro da Costa já tinham sido sabotados;
6) A morte misteriosa de 3 testemunhas vitais: Melo Alves (encontrado morto dentro do seu carro); José Moreira (encontrado morto, juntamente com sua companheira, em Carnaxide); e Luís Torres (encontrado enforcado numa visita que fez à Argélia);
7) A mais misteriosa personagem é um gajo chamado Sinan Lee Rodrigues, conhecido como o homem das 50 identidades, suposto mercenário/terrorista perito em criar meios para destruir aviões (esteve envolvido num caso famoso que vitimou mais de 100 passageiros, também ele uma sabotagem);

O livro aborda três possibilidades, duas delas apenas mencionadas por serem referidas por algumas pessoas:

1) Assassinar Sá Carneiro e Amaro da Costa (Fundo do Ultramar e Soares Carneiro, o candidato presidencial escolhido por Sá Carneiro)
2) CIA e Frank Carlucci (por este detestar Sá Carneiro e preferir Mário Soares, e pelo apoio político que o PPD/CDS (AD) prestava ao MPLA, em detrimento da UNITA, que era apoiada pelos EUA, e que o livro refere até que a possibilidade de apoio militar português ao MPLA estava a ser ponderada);
3) FNLA (sem razões conhecidas, apenas afirmada por causa de três supostos elementos ligados terem ligações a esse grupo);

O Caso Camarate é um autêntico escândalo. Admito até que nunca julguei que o caso fosse tão pérfido quanto ele na realidade é. E é óbvio que nunca vai ser resolvido, porque envolve pessoas e partidos vitais ao Portugal de hoje. No livro são referidos as várias ameaças feitas à jornalista, na altura a trabalhar na TVI, por gente famosa e que a própria refere como "figuras fulcrais do cenário político português", isto em 1995, quando o livro foi publicado.

As autópsias a todos os corpos foram realizadas apenas em 4 horas. Ao descobrir em alguns corpos a presença de um químico explosivo, o médico confidenciou ao juiz do processo, um deles, que "destruí a minha vida". Foi depois afastado do processo e impedido de testemunhar. A actuação aberrante da polícia, que permitiu que populares caminhassem pelos destroços e levassem para casa bocados do avião. A RTP conseguiu colocar no terreno uma equipa. Esta equipa filmou durante muito tempo o local do acidente, a avioneta destruída, os corpos, mas todas as filmagens desapareceram. A jornalista que estava no local presta declarações no livro e afirma que toda a reportagem foi afastada internamente pelo director de então da RTP. Que nessa noite a RTP recebeu "milhares" de chamadas pela falta de informação sobre o acidente. Quando aconteceu, deu-se a informação e passou-se rapidamente para outros conteúdos, como uma telenovela qualquer.

Se Soares Carneiro perdesse as eleições para Ramalho Eanes (e que perdeu, embora na altura Sá Carneiro estivesse a caminho de um comício no Porto, considerado decisivo), Sá Carneiro iria de facto demitir-se, embora quisesse permanecer na AR enquanto deputado, e escolheu Eurico Melo, então Ministro da Administração Interna, para o suceder enquanto PM. Sá Carneiro, por ter escolhido Soares Carneiro para candidato presidencial, enfrentou muita oposição interna, na qual se destacou Helena Roseta. Sá Carneiro, caso Soares Carneiro vencesse as eleições, planeava ler a cabo uma remodelação no partido.

"Sei que o meu destino é morrer cedo e só concebo a vida se for vivida vertiginosamente."
« Última modificação: Dezembro 31, 2011, 07:16 am por Chev Chelios »
Quando as frequências acabarem:
Tenho esse em lista de espera (mas em castelhano).
«Opiniões divergentes não significam ataques pessoais»


Tenho-me por um jovem que conhece de alguma forma a história de Portugal. Afinal, não é bem verdade, porque desconhecia os contributos deste rei, muito inteligente e ligado ao povo. E é fascinante a similaridade entre a classe política de então e a de hoje, ambas inúteis e preocupadas apenas em promoverem-se a eles mesmos. Em Portugal, a história repete-se como em mais lado nenhum.

« Última modificação: Janeiro 03, 2012, 16:08 pm por Chev Chelios »
Tinha comprado há uns tempos o Deus das Moscas de William Golding, e ontem, dia de anos, recebi o primeiro da trilogia Millenium do Stieg Larsson, O Terceiro Gémeo de Ken Follett, Guerra dos Tronos de George Martin e Abraço de José Luís Peixoto.

Alguém já leu o Deus das Moscas ou O Terceiro Gémeo? O resto já é mais do que conhecido. :)
Quando as frequências acabarem:
Tenho esse em lista de espera (mas em castelhano).

Já leste o Á sombra do vento, do mesmo autor?

Gostei muito!
A Biografia do Steve Jobs. Comecei ontem, pelo que ainda não consigo fazer grande crítica mas estou a gostar, lê-se bem.
Tinha comprado há uns tempos o Deus das Moscas de William Golding, e ontem, dia de anos, recebi o primeiro da trilogia Millenium do Stieg Larsson, O Terceiro Gémeo de Ken Follett, Guerra dos Tronos de George Martin e Abraço de José Luís Peixoto.

Alguém já leu o Deus das Moscas ou O Terceiro Gémeo? O resto já é mais do que conhecido. :)

Já li o Terceiro Gémeo (e já vi a adaptação televisiva que fizeram). É um livro ao jeito do Ken Follett, thriller/suspense puro, com um bom gancho narrativo e um enredo do tipo "conspirativo/secreto" como em quase todas as histórias do Follett (os Pilares da Terra devem ser a excepção). Se gostas de histórias do género Dan Brown, mesmo que não tenham aquelas implicações mundiais ou conspirativas desde Moisés até aos tempos modernos, então vais gostar desse.