Política Nacional

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

ehehehheh

Não consigo entender como é que as pessoas toleram isto de ânimo leve..

https://observador.pt/2018/06/16/hoje-e-o-dia-da-libertacao-de-impostos-portugueses-trabalharam-168-dias-para-o-estado/

É assim em todos os países desenvolvidos, para as coisas funcionarem e haver saúde e segurança grátis tem de se pagar impostos
Não consigo entender como é que as pessoas toleram isto de ânimo leve..

https://observador.pt/2018/06/16/hoje-e-o-dia-da-libertacao-de-impostos-portugueses-trabalharam-168-dias-para-o-estado/

É assim em todos os países desenvolvidos, para as coisas funcionarem e haver saúde e segurança grátis tem de se pagar impostos
Durante mais de metade do ano. Serviços esses de qualidade como podemos ver. Está certo.
Não consigo entender como é que as pessoas toleram isto de ânimo leve..

https://observador.pt/2018/06/16/hoje-e-o-dia-da-libertacao-de-impostos-portugueses-trabalharam-168-dias-para-o-estado/

É assim em todos os países desenvolvidos, para as coisas funcionarem e haver saúde e segurança grátis tem de se pagar impostos
Durante mais de metade do ano. Serviços esses de qualidade como podemos ver. Está certo.

Os serviços poderiam ser melhores mas nem são assim tão maus quanto isso, os impostos e a divída são um mal necessário de praticamente todos os países desenvolvidos, prefiro assim do que isto virar um Brasil
Não consigo entender como é que as pessoas toleram isto de ânimo leve..

https://observador.pt/2018/06/16/hoje-e-o-dia-da-libertacao-de-impostos-portugueses-trabalharam-168-dias-para-o-estado/

Isso não é real. A maioria das pessoas já parou de pagar impostos para aí em Março visto que 50% não paga IRS. Eu é que ainda tenho de trabalhar mais uns mesitos para acabar de pagar impostos.
 É a média. Uns estão dentro e outros ficam fora.

 Sou da opinião que todos deviam pagar IRS. Todos.
“We have to be compact, close together tactically, and if you are close then you have options to play with. You don't always have to try the most risky ball if you are compact. You have to run, to fight, until the moment, and then ... bang, you take it.”

Jurgen Klopp
É até rebentar. Há decadas que os estados sociais vão crescendo e cada vez mais impondo impostos sobre a população. Os mais afectados são sempre os mais inteligentes e bem sucedidos que têm sido constantemente puxados para a mediocridade. Obviamente que o estado social vai colapsar porque precisa de cada vez mais impostos que acabam por cercear a inteligência e inovação.

Estas politicas socialistas de redistribuição de riqueza têm o fim contado. E atenção que o estado social não anda de braço dado com o capitalismo como os sociais democratas (que não passsam de neo-marxistas) gostam de dizer. Os estados sociais vão colapsar mas o capitalismo sobrevive.
É até rebentar. Há decadas que os estados sociais vão crescendo e cada vez mais impondo impostos sobre a população. Os mais afectados são sempre os mais inteligentes e bem sucedidos que têm sido constantemente puxados para a mediocridade. Obviamente que o estado social vai colapsar porque precisa de cada vez mais impostos que acabam por cercear a inteligência e inovação.

Estas politicas socialistas de redistribuição de riqueza têm o fim contado. E atenção que o estado social não anda de braço dado com o capitalismo como os sociais democratas (que não passsam de neo-marxistas) gostam de dizer. Os estados sociais vão colapsar mas o capitalismo sobrevive.
É isto :clap: :clap:


Com o apoio do BE e PCP. Em frente camaradas :rotfl: :rotfl:

#politicadebaixosalario
É matemática pura. Temos uma força de trabalho (principalmente na FP) que é muito cara e pouco produtiva. Os novos trabalhos criados praticam salários mais baixos do que os que já vêm de anos anteriores portanto este "baixar" geral é uma inevitabilidade. Diria até que do ponto de vista económico é bom, à medida que as empresas e o próprio estado vão reciclando funcionários muito bem pagos para a usa produtividade por outros a fazer o mesmo mas muito mais baratos. É um passo "obrigatório" já que reduzir ordenados estava fora de questão.
É matemática pura. Temos uma força de trabalho (principalmente na FP) que é muito cara e pouco produtiva. Os novos trabalhos criados praticam salários mais baixos do que os que já vêm de anos anteriores portanto este "baixar" geral é uma inevitabilidade. Diria até que do ponto de vista económico é bom, à medida que as empresas e o próprio estado vão reciclando funcionários muito bem pagos para a usa produtividade por outros a fazer o mesmo mas muito mais baratos. É um passo "obrigatório" já que reduzir ordenados estava fora de questão.
Se for isso que está a acontecer pode ser bom - pelo menos no curto prazo (i.e. os salários baixarem no curto prazo). Mas acho que não, que é simplesmente o que disseste primeiro. Têm sido criados muitos empregos no turismo que são de baixos salários.

Mas de qualquer forma acho os numeros preocupantes. No paradigma que temos deviamos estar a crescer economicamente como os países do leste.

Se calhar a vacina do kissinger tinha-nos feito bem de um ponto de vista de puro pragmatismo de longo prazo
O Presidente da República sentiu-se mal, imagens na CMTV.

INEM no local.


Esforço, Dedicação, Devoção e Golo
O Presidente da República sentiu-se mal, imagens na CMTV.

INEM no local.

Provavelmente andava com inveja do mediatismo que o ex-Presidente do Sporting tem tido e achou que um desmaio à lá Cavaco podia contrariar isso.


Citar
A Polícia Judiciária e o Ministério Público avançaram, esta quarta-feira de manhã, com a realização de cerca de 70 buscas, em instalações do PSD e do PS em Lisboa, em câmaras municipais, juntas de freguesia, empresas, escritórios de advogados e domicílios particulares.

A Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa confirmou, em comunicado publicado no seu portal ao final da manhã, a realização desta megaoperação, que exigiu a mobilização de três juízes de instrução criminal, doze magistrados do Ministério Público, peritos informáticos e financeiros e inspetores da Polícia Judiciária, em número que ascende a cerca de 200 pessoas.

Os factos sob investigação remetem para crimes corrupção, tráfico de influência, participação económica em negócio e financiamento partidário proibido, informa a mesma fonte.

Outras informações recolhidas pelo JN indicam que as buscas em Lisboa, em particular, visam instalações da Distrital do PSD, da Concelhia do PS, da câmara municipal e das juntas de freguesia do Areeiro, da Estrela e de Santo António, entre outros alvos.

"Segundo os fortes indícios recolhidos, apurou-se, no essencial, que um grupo de indivíduos ligados às estruturas de partido político, desenvolveram entre si influências destinadas a alcançar a celebração de contratos públicos, incluindo avenças com pessoas singulares e outras posições estratégicas", lê-se ainda na nota da procuradoria distrital dirigida por Maria José Morgado.

Apesar de também apontar para o PS, a rede clientelar sob investigação envolve, maioritariamente, empresas e autarquias lideradas por militantes do PSD. Estão em causa os contratos adjudicados por duas a três dezenas de autarquias, entre câmaras municipais e juntas de freguesia, a várias empresas.

Além daqueles negócios, são investigados contratos de trabalho, nomeadamente de avença, celebrados entre as mesmas autarquias lideradas e militantes partidários.

Carlos Eduardo Reis, antigo líder da JSD de Braga e atual conselheiro nacional do PSD, e a empresa Ambigold, de que aquele e sócio-gerente, são dos alvos principais do inquérito. A empresa de Carlos Reis, filho do ex-presidente da Câmara de Barcelos Fernando Reis, tem sido beneficiada por ajustes diretos de contratos relacionados, nomeadamente, com trabalhos de jardinagem e instalação e manutenção de relvados sintéticos, entre outros.

Outra das pessoas sob investigação é o deputado Sérgio Azevedo, que era vice-presidente da bancada parlamentar do PSD, antes de Rui Rio conquistar a liderança do partido, e é amigo de Carlos Reis.

O inquérito corre termos na 9ª Secção do Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa, do Ministério Público, que se faz coadjuvar pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária.

Já sabem que não há nada a ver. A culpa é de...
Disclaimer: todas as imagens de emails são fictícias, inúteis, e de fonte secundária.

"If you can survive disappointment, nothing can beat you."

(...) But my dreams have been stolen away.
 A contratação pública é uma forma muito airosa de alimentar os grupos empresariais amigos. Seja por ajusto directo, seja por concurso, seja por convite, muitos serviços externos são pagos dessa forma. Há um limite orçamental por NIF anual, que serve para obrigar a que haja um maior número de empresas a negociar com o Estado, o que fazem as empresas? Criam sucursais com um novo NIF, está resolvido. Podem entreter-se no Portal GOV, onde resistam os contratos públicos, são momentos agoniantes para o bolso do português.

 A PJ e Ministério Público dificilmente apanham os meninos. Dá bem para fazer tudo dentro da legalidade.
“We have to be compact, close together tactically, and if you are close then you have options to play with. You don't always have to try the most risky ball if you are compact. You have to run, to fight, until the moment, and then ... bang, you take it.”

Jurgen Klopp
Até o PSD já aprendeu a dizer a máxima: a culpa é do passos  :mrgreen:

Citar
Dados provisórios sobre ‘burnout’ dos professores indicam valores muito altos

Coordenadora do estudo diz que muitos professores estão “a trabalhar em condições de adoecimento grave”

A coordenadora do estudo sobre ‘burnout’ – em português desgaste – dos professores, Raquel Varela, revelu à agência Lusa que os dados provisórios sobre a situação relativa aos professores indicam valores “altíssimos”. O estudo será apresentado esta sexta-feira.

“Não posso revelar os dados antes do dia 6 de julho [sexta-feira] mas, neste momento, os dados provisórios apontam para uma taxa de burnout altíssima. Ou seja, nós temos um número de professores estatisticamente muito relevante que está a trabalhar em condições de adoecimento grave”, confessa a coordenadora.

O estudo sobre o burnout dos professores tem como base questionários a mais de 19 mil profissionais portugueses, em Portugal e tem como objetivo conhecer as condições de vida e de trabalho dos professores, quer no ensino público quer no ensino privado. Para Raquel Varela, os resultados do relatório podem ter impactos políticos, jurídicos ou sindicais.

A investigadora refere ainda que “burnout significa que a pessoa esgotou. Colapsou-se. É multifatorial, mas há uma questão que estamos a concluir e que vai ao encontro com os trabalhos internacionais: há uma dissociação entre as expectativas criadoras, inovadoras, autónomas das pessoas e aquilo que é a realidade dos locais de trabalho.”

Para a coordenadora, este estudo espelha a realidade dos professores portugueses, que defende ser “profundamente hierarquizada, vigilante” e que, por isso, “corta a autonomia” e “isso diminui a produtividade e leva ao adoecimento dos professores”.

Esta é uma pesquisa feita em parceria com a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Nova, que conta também com a colaboração de especialistas do Instituto Superior Técnico.




Este cenário calamitoso que atinge os Professores - e que também ocorre noutras classes profissionais como a dos Enfermeiros - exige uma profunda reflexão sobre dois sectores tão essenciais ao desenvolvimento de qualquer país, como são a Educação e a Saúde.

Receio que, mais uma vez, a sociedade portuguesa não manifeste grande interesse em participar no debate sobre estas matérias, apesar de serem determinantes para o nosso futuro colectivo. O momento também não é dos mais favoráveis. Com a chegada do Verão, instala-se a "silly season", propícia às comezainas, aos festivais de música e à renovação da obsessão com o futebol.

E também não é de esperar um grande contributo por parte das televisões, muito mais interessadas em analisar outro tipo de assuntos, tais como as peripécias do Mundial de Futebol ou os posts de Bruno de Carvalho.

É o país que temos...

 Todas as classes profissionais estão em burnout. Os professores querem é material que sustentem as suas reivindicações, uma classe que deve de ser das mais favorecidas em Portugal. Nunca estão satisfeitos. Agora que os parceiros da coligação de esquerda estão chateados, está a aproximar-se as eleições, eis que aparece em força os sindicatos de professores, as greves, sabem bem como trabalhar estas matérias.
“We have to be compact, close together tactically, and if you are close then you have options to play with. You don't always have to try the most risky ball if you are compact. You have to run, to fight, until the moment, and then ... bang, you take it.”

Jurgen Klopp
Tenho pena dos miúdos que devem estar a sofrer a bem sofrer com isto tudo.

Que praga fds, nem com os amigos no governo se calam.