Associação de Adeptos Sportinguistas

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

O que foi recusado pelos sócios não foi a mesma proposta (a outra englobava a passagem do estádio e academia para a SAD). Quanto ao termo recusar acho mal empregue, pois a maior parte dos sócios até estava de acordo ... só que os estatutos obrigam uma maioria qualificada.
E não é à toa que exigem maioria qualificada. Acho que podemos dizer que os sócios recusaram a proposta!

A lei do aborto tambem foi referendada duas vezes, por isso não vejo mal nenhum a direcção propor uma 2ª vez alguns dos pontos que foram "recusados" na 1ª vez, desde que sinta que exista uma maioria que concorda com a direcção, parece-me lógico que faça isso.
A diferença é que a lei do aborto foi referendada 2 vezes em legislaturas diferentes, com 10 anos de intervalo. E foi referendada e aprovada no início de uma legislatura, não a 6 meses do fim . . .

Já disse anteriormente que tudo o que diz respeito ao futebol deve ser gerido pela SAD, o que inclui óbviamente os direitos televisivos. Quanto a um dos accionistas da SAD ser um dos possiveis fornecedores desse serviço ... são as leis do mercado que têm este grande inconveniente ético mas que acontecem nos negócios em geral e não no futebol em particular (e o Sporting não é caso único). Tambem será fácilmente auditável se o Sporting recusar uma proposta mais vantajosa de outro fornecedor deste tipo de serviços. Que eu saiba quando o Sporting negociou os direitos televisivos, a SportTV era a melhor proposta (se é que havia outra ...).
Ái é que está o busilis! Quando a SAD quiser renegociar os contratos, o Oliveira vai ter informação interna, pelo que saberá até onde pode ir na sua proposta. Esta viciação da negociação só pode ser lesiva para a SAD.
A prova disso é o que tu disseste. Se a proposta do Oliveira era a única, já é uma prova de que os operadores não acreditam na transparência do mercado.

Não é demagogia é um facto, diminuiu-se o passivo, perde o clube poder de decisão. Se isso é bom ou mau ...  para mim é uma possivel solução. Conforme já disse anteriormente, quem investe em alguma coisa, é porque acredita que essa coisa vai ter sucesso e vai lhe dar retorno. Por isso não me deixa aprensivo, o Sporting não ter a maioria na SAD. Até porque acredito que essas acções vão ficar espalhadas e não vão para alguem em particular, o que torna muito menos provavel uma hostilização ao clube por parte de algum accionista. Depois tambem acho que ninguem em seu perfeito juizo, tentará algo de hostil contra o cluibe sabendo o fanatismo que o desporto (especialmente o futebol) acarreta e que certamente em caso de conflito iria ter graves problemas pessoais com esse tipo de atitude.
É demagogia porque os sócios não estão a ser informados das consequências da contratação dos VMOCs. Basta ler na imprensa e no site do clube.
Em que é que te baseias para afirmar que as acções vão ficar espalhadas? Achas que é a comunidade sportinguista que vai absorver 55M€ em acções? Acho que é evidente que os bancos vão procurar algum grupo económico para entregar as acções.
É claro que um accionista de referência da SAD não vai hostilizar o clube. Vai é influenciar as decisões de gestão da SAD de acordo com os seus interesses, que não serão sempre alinhados com os interesses do clube.
Se a pergunta a ser realizada em AG fosse 'concorda que o SCP perca a maioria do capital da SAD, aceitando o risco de controlo accionista da mesma?', acho que a minoria de bloqueio se converteria numa maioria.
O que foi recusado pelos sócios não foi a mesma proposta (a outra englobava a passagem do estádio e academia para a SAD). Quanto ao termo recusar acho mal empregue, pois a maior parte dos sócios até estava de acordo ... só que os estatutos obrigam uma maioria qualificada. A lei do aborto tambem foi referendada duas vezes, por isso não vejo mal nenhum a direcção propor uma 2ª vez alguns dos pontos que foram "recusados" na 1ª vez, desde que sinta que exista uma maioria que concorda com a direcção, parece-me lógico que faça isso.

Olhe que não Dr. Moura, olhe que não! Na AG de 30 de Maio não tiveram coragem para tanto...8)

Trata-se apenas de um lapso de memória ou de um whisful thinking?

Acho bem a comparação com o referendo sobre o aborto. Existem bastantes semelhanças...

A proposta da passagem do estádio para a SAD foi falada tal como estas agora. O que foi levado à assembleia geral foi diferente, tal como o que poderá vir ser levado à própria assembleia geral possa a vir ser diferente. Tal como na politica há propostas que se lançam e que depois podem ir à votação com alterações ou até com artigos retirados, não é preciso ser Dr, para perceber isso.

Quanto à semelhança com a lei do aborto nenhuma, quanto à analogia é um exemplo perfeito.

Pag 13 do Relatório e Contas da Sporting SAD época 2007/2008

"Na sequência da reestruturação financeira do Grupo SCP, o Conselho tomou conhecimento
do plano de reestruturação acordado entre o SCP e os bancos financiadores do Project Finance,
o qual pressupõe a adopção de medidas da competência do Conselho, como sejam a
(i) aquisição ao Sporting Clube de Portugal do ramo de negócio denominado Academia Sporting
Puma e a (ii) aquisição ao Sporting Cube de Portugal e à Sporting SGPS, SA da totalidade
das acções da Sporting - Comércio e Serviços, SA, como também da (iii) emissão de Valores
Mobiliários Obrigatoriamente Convertíveis (VMOC’s) até ao montante de € 60.000.000,00
(sessenta milhões de euros), medida esta para a qual foi solicitada autorização à Assebleia
Geral realizada em 30 de Maio de 2008. Importa referir que o ponto (ii) não obteve a necessária
aprovação em Assembleia Geral do Sporting Clube de Portugal o que obrigará à
reformulação, nessa parte, da reestruturação gizada."

Pergunto:

Quantas votações foram efectuadas na referida AG de Maio?
Que eu saiba, foram votadas as três propostas enquanto "pacote" de reestruturação.

Chumbadas pelos associados e constam no relatório e contas no final do ano como medidas incluídas no Project Finance recentemente renegociado?
E em que medida a medida ii) não foi aprovada e as outras duas foram?

Se me puderem ajudar a perceber, agradeço.

http://www.sporting.pt/GrupoSCP/InvestorRelations/gruposcp_invrel_contasanuais.asp
O que foi recusado pelos sócios não foi a mesma proposta (a outra englobava a passagem do estádio e academia para a SAD). Quanto ao termo recusar acho mal empregue, pois a maior parte dos sócios até estava de acordo ... só que os estatutos obrigam uma maioria qualificada.
E não é à toa que exigem maioria qualificada. Acho que podemos dizer que os sócios recusaram a proposta!

Eu não me oponho a certo tipo de votações necessitarem de maioria qualificada, agora é preciso saber ler os números e uma das conclusões dessa votação é que a maioria dos sócios não se opunha à proposta da direcção. Isso é um indicador para o futuro.

A lei do aborto tambem foi referendada duas vezes, por isso não vejo mal nenhum a direcção propor uma 2ª vez alguns dos pontos que foram "recusados" na 1ª vez, desde que sinta que exista uma maioria que concorda com a direcção, parece-me lógico que faça isso.
A diferença é que a lei do aborto foi referendada 2 vezes em legislaturas diferentes, com 10 anos de intervalo. E foi referendada e aprovada no início de uma legislatura, não a 6 meses do fim . . .

Sim nesse aspecto há uma diferença significativa, embora para mim é irrelevante ser no fim ou no inicio dum mandato.


Já disse anteriormente que tudo o que diz respeito ao futebol deve ser gerido pela SAD, o que inclui óbviamente os direitos televisivos. Quanto a um dos accionistas da SAD ser um dos possiveis fornecedores desse serviço ... são as leis do mercado que têm este grande inconveniente ético mas que acontecem nos negócios em geral e não no futebol em particular (e o Sporting não é caso único). Tambem será fácilmente auditável se o Sporting recusar uma proposta mais vantajosa de outro fornecedor deste tipo de serviços. Que eu saiba quando o Sporting negociou os direitos televisivos, a SportTV era a melhor proposta (se é que havia outra ...).
Ái é que está o busilis! Quando a SAD quiser renegociar os contratos, o Oliveira vai ter informação interna, pelo que saberá até onde pode ir na sua proposta. Esta viciação da negociação só pode ser lesiva para a SAD.
A prova disso é o que tu disseste. Se a proposta do Oliveira era a única, já é uma prova de que os operadores não acreditam na transparência do mercado.

Não vejo que informação interna possa ter que possa influenciar a decisão. Uma decisão destas baseia-se sempre em quem dá mais e normalmente as propostas são seladas e abertas num determinado dia préviamente estipulado onde todos os concorrentes devem estar presentes.

Não é demagogia é um facto, diminuiu-se o passivo, perde o clube poder de decisão. Se isso é bom ou mau ...  para mim é uma possivel solução. Conforme já disse anteriormente, quem investe em alguma coisa, é porque acredita que essa coisa vai ter sucesso e vai lhe dar retorno. Por isso não me deixa aprensivo, o Sporting não ter a maioria na SAD. Até porque acredito que essas acções vão ficar espalhadas e não vão para alguem em particular, o que torna muito menos provavel uma hostilização ao clube por parte de algum accionista. Depois tambem acho que ninguem em seu perfeito juizo, tentará algo de hostil contra o cluibe sabendo o fanatismo que o desporto (especialmente o futebol) acarreta e que certamente em caso de conflito iria ter graves problemas pessoais com esse tipo de atitude.
É demagogia porque os sócios não estão a ser informados das consequências da contratação dos VMOCs. Basta ler na imprensa e no site do clube.
Em que é que te baseias para afirmar que as acções vão ficar espalhadas? Achas que é a comunidade sportinguista que vai absorver 55M€ em acções? Acho que é evidente que os bancos vão procurar algum grupo económico para entregar as acções.
É claro que um accionista de referência da SAD não vai hostilizar o clube. Vai é influenciar as decisões de gestão da SAD de acordo com os seus interesses, que não serão sempre alinhados com os interesses do clube.
Se a pergunta a ser realizada em AG fosse 'concorda que o SCP perca a maioria do capital da SAD, aceitando o risco de controlo accionista da mesma?', acho que a minoria de bloqueio se converteria numa maioria.

Para mim o que está proposto, é claro e acho que a maioria dos sócios apercebe-se das vantagens e desvantagens da proposta. Há uma certa tendência para menosprezar a inteligência dos sócios sportinguistas, o que a história prova que tal está longe de ser verdade.
Pergunto:

Quantas votações foram efectuadas na referida AG de Maio?
Que eu saiba, foram votadas as três propostas enquanto "pacote" de reestruturação.

Chumbadas pelos associados e constam no relatório e contas no final do ano como medidas incluídas no Project Finance recentemente renegociado?
E em que medida a medida ii) não foi aprovada e as outras duas foram?

Se me puderem ajudar a perceber, agradeço.

http://www.sporting.pt/GrupoSCP/InvestorRelations/gruposcp_invrel_contasanuais.asp


Pergunta ao Presidente da Mesa da Assembleia Geral, que disse que ia tudo ser votado em conjunto e no final... milagre, passam algumas das propostas !

Foi uma vergonha com direito a publicação em Relatório e Contas.

Mas parece que a trafulhice foi tanta que tiveram que voltar atrás e vão convocar nova AG, a poucas semanas do Congresso. Enfim, estão a ser pressionados pela voz do dono  :wall:
Há uma certa tendência para menosprezar a inteligência dos sócios sportinguistas, o que a história prova que tal está longe de ser verdade.

Nisso tens toda a razão. O desprezo pela inteligência dos sócios é tanta que se recusam a marcar AG extraordinárias pedidas pelos sócios e fazem duas (??) AG's para tentarem passar as mesmas medidas.

Espanta-me se não fizerem uma AG a pedir para remeter para o Conselho Leonino a deliberação ^-^
O que foi recusado pelos sócios não foi a mesma proposta (a outra englobava a passagem do estádio e academia para a SAD). Quanto ao termo recusar acho mal empregue, pois a maior parte dos sócios até estava de acordo ... só que os estatutos obrigam uma maioria qualificada. A lei do aborto tambem foi referendada duas vezes, por isso não vejo mal nenhum a direcção propor uma 2ª vez alguns dos pontos que foram "recusados" na 1ª vez, desde que sinta que exista uma maioria que concorda com a direcção, parece-me lógico que faça isso.

Olhe que não Dr. Moura, olhe que não! Na AG de 30 de Maio não tiveram coragem para tanto...8)

Trata-se apenas de um lapso de memória ou de um whisful thinking?

Acho bem a comparação com o referendo sobre o aborto. Existem bastantes semelhanças...

A proposta da passagem do estádio para a SAD foi falada tal como estas agora. O que foi levado à assembleia geral foi diferente, tal como o que poderá vir ser levado à própria assembleia geral possa a vir ser diferente. Tal como na politica há propostas que se lançam e que depois podem ir à votação com alterações ou até com artigos retirados, não é preciso ser Dr, para perceber isso.

Quanto à semelhança com a lei do aborto nenhuma, quanto à analogia é um exemplo perfeito.

Pois...tenta agora esquivar-te com essa...deves julgar que consegues engazopar toda a gente...

Quanto ao Dr. era piada na sequência do "olhe que não", mas já vi que não atingiste... 8)
Há uma certa tendência para menosprezar a inteligência dos sócios sportinguistas, o que a história prova que tal está longe de ser verdade.

Nisso tens toda a razão. O desprezo pela inteligência dos sócios é tanta que se recusam a marcar AG extraordinárias pedidas pelos sócios e fazem duas (??) AG's para tentarem passar as mesmas medidas.

Espanta-me se não fizerem uma AG a pedir para remeter para o Conselho Leonino a deliberação ^-^


Caso seja novamente chumbada, é capaz de acontecer...
Campo Grande paga a traidores.
.... onde andam agora???
Pergunto:

Quantas votações foram efectuadas na referida AG de Maio?
Que eu saiba, foram votadas as três propostas enquanto "pava cote" de reestruturação.

Chumbadas pelos associados e constam no relatório e contas no final do ano como medidas incluídas no Project Finance recentemente renegociado?
E em que medida a medida ii) não foi aprovada e as outras duas foram?

Se me puderem ajudar a perceber, agradeço.

http://www.sporting.pt/GrupoSCP/InvestorRelations/gruposcp_invrel_contasanuais.asp


A votação foi só uma. E sim, todas as medidas estavam integradas num "pacote".

Não tendo havido uma vitória por maioria qualificada em relação ao "pacote", a razão pela qual algumas das medidas passaram e outras ficaram "penduradas" deveu-se ao facto de nem todas as medidas que integravam o "pacote" terem necessidade de ser aprovadas em AG, ou pelo menos esse foi o argumento utilizado pelo Rogério Alves na sessão de fecho da AG de 28 de Maio.

Na minha humilde opinião, os sócios têm todas as razões para se sentirem ludibriados com essa decisão.
« Última modificação: Janeiro 10, 2009, 18:06 pm por Spittelau »
SPORTING SEMPRE!

Uma paixão para além da verde e branca:

Pergunto:

Quantas votações foram efectuadas na referida AG de Maio?
Que eu saiba, foram votadas as três propostas enquanto "pava cote" de reestruturação.

Chumbadas pelos associados e constam no relatório e contas no final do ano como medidas incluídas no Project Finance recentemente renegociado?
E em que medida a medida ii) não foi aprovada e as outras duas foram?

Se me puderem ajudar a perceber, agradeço.

http://www.sporting.pt/GrupoSCP/InvestorRelations/gruposcp_invrel_contasanuais.asp


A votação foi só uma. E sim, todas as medidas estavam integradas num "pacote".

Não tendo havido uma vitória por maioria qualificada em relação ao "pacote", a razão pela qual algumas das medidas passaram e outras ficaram "penduradas" deveu-se ao facto de nem todas as medidas que integravam o "pacote" terem necessidade de ser aprovadas em AG, ou pelo menos esse foi o argumento utilizado pelo Rogério Alves na sessão de fecho da AG de 28 de Maio.

Na minha humilde opinião, os sócios têm todas as razões para se sentirem ludibriados com essa decisão.

Segundo julgo entender, a emissão de Valores Mobiliários Obrigatoriamente Convertíveis (VMOC’s) até ao montante de € 60.000.000,00 (sessenta milhões de euros), apesar de ter sido incluída no 'pacote' que em Maio, a AG chumbou, por falta de maioria qualificada, foi considerada aprovada, já que a sua inclusão naquele 'pacote' foi um 'bónus' que a Direcção deu, como prova da sua 'transparência'  :liar:

E estando considerada aprovada, só volta a ir à próxima Assembleia Geral do Sporting Clube de Portugal, por meras questões fiscais, já que assim a transacção fica menos onerosa para o clube.

Por isso, a deadline para a perca de maioria do clube na SAD mantém-se imutável.

O meu símbolo é o LEÃO não o carneiro.

Dinasta da Dívida : Roquette - 'O Projectista Falhado', Dias da Cunha - 'O Crédulo Impenitente', Soares Franco - 'O Dissimulado compulsivo', Bettencourt - 'O Visigodo Inimputável', Godinho Lopes - 'O ex-Arguido Credível'
Day AfterBruno de Carvalho  - 'O Bonaparte Lusitano !'

E estando considerada aprovada, só volta a ir à próxima Assembleia Geral do Sporting Clube de Portugal, por meras questões fiscais, já que assim a transacção fica menos onerosa para o clube.


Outra  :liar:
A medida que não necessitava de ir a votação não era essa. Era a da passagem dos direitos televisivos.

Se a SAD comprar os direitos televisivos, não necessita de aprovação em AG, mas acarreta custos fiscais.

Se a SAD comprar a empresa do grupo que detem os direitos televisivos, acarreta menos custos fiscais, mas obriga à aprovação em AG.
Correcto.

A venda da SCS à SAD constitui uma alienação de participação social e precisa de aprovação da AG com maioria de 2/3. A emissão dos VMOCs, numa leitura literal dos estatutos, nem sequer precisará de passar pela AG.

A questão aqui é que a emissão dos VMOCs está umbilicalmente ligada à venda da SCS, porque, na configuração dada ao plano de reestruturação, o produto daquela emissão serve para a SAD pagar ao Sporting pela SCS.

O problema com a AG de Maio foi que o CD considerou que a emissão dos VMOCs estava aprovada, mas faltava o destino a que ela se destinava, porque a venda da SCS não passou. Houve aquela rábula de partir a deliberação em três e no dia seguinte ainda tiveram a lata de pôr a AG da SAD a aprovar uma emissão de valores que não poderia servir para nada (rezam as crónicas que nessa AG a justificação oficial foi "vamos emitir os VMOCs à mesma porque é um bom negócio"...). Mas depois, que maçada, parece que a CMVM não achou muita graça à chico-espertice, daí que cá estejamos, muito democraticamente, a discutir outra vez aquilo que já foi chumbado.
Correcto.
A venda da SCS à SAD constitui uma alienação de participação social e precisa de aprovação da AG com maioria de 2/3. A emissão dos VMOCs, numa leitura literal dos estatutos, nem sequer precisará de passar pela AG.

Dizes bem: numa leitura literal 8). Mas não sejamos tão positivistas... :whistle:

O problema com a AG de Maio foi que o CD considerou que a emissão dos VMOCs estava aprovada, mas faltava o destino a que ela se destinava, porque a venda da SCS não passou. Houve aquela rábula de partir a deliberação em três e no dia seguinte ainda tiveram a lata de pôr a AG da SAD a aprovar uma emissão de valores que não poderia servir para nada (rezam as crónicas que nessa AG a justificação oficial foi "vamos emitir os VMOCs à mesma porque é um bom negócio"...). Mas depois, que maçada, parece que a CMVM não achou muita graça à chico-espertice, daí que cá estejamos, muito democraticamente, a discutir outra vez aquilo que já foi chumbado.

É só maçadas para o Flip:
Citar
(...) em todas as assembleias gerais há sempre um núcleo aguerrido que contesta todas e quaisquer medidas que queiramos tomar (...)
OK !

Esclarecimentos e precisões feitas  :great:, acho que agora é urgente toda a concentração para impedir que este projecto de capitulação tenha maioria qualificada na próxima AG

Vai nesse sentido o comunicado do 'Leão de Verdade' :

Citar
12-01-2009
Movimento de Cidadania Sportinguista Leão de Verdade comunica a suspensão no processo de realização de Assembleia-Geral Extraordinária solicitada pelos sócios do Sporting Clube de Portugal

O meu símbolo é o LEÃO não o carneiro.

Dinasta da Dívida : Roquette - 'O Projectista Falhado', Dias da Cunha - 'O Crédulo Impenitente', Soares Franco - 'O Dissimulado compulsivo', Bettencourt - 'O Visigodo Inimputável', Godinho Lopes - 'O ex-Arguido Credível'
Day AfterBruno de Carvalho  - 'O Bonaparte Lusitano !'
Era só para avisar que já está online, no site da AAS (http://www.aasporting.com) o relatório com as conclusões do II Pensar Sporting.

Convido, desde já, todos a darem uma espreitadela e deixarem os vossos comentários...
Era só para avisar que já está online, no site da AAS (http://www.aasporting.com) o relatório com as conclusões do II Pensar Sporting.

Convido, desde já, todos a darem uma espreitadela e deixarem os vossos comentários...

Li-o ainda ontem (ok, tecnicamente foi hoje porque passava da meia noite).

Achei interessante, muito interessante. Bem conseguido, estruturado e com rigor. Partilho a grande maioria das ideias apresentadas e fico contente por ver que existem Sportinguistas que se preocupam em reunir e apresentar as sugestões e ideias dos sócios. É dificil a um sócio conseguir fazer chegar as suas ideias a outros e a AAS serve como um meio de excelência para isso ser atingido.

Os meus parabéns pelo trabalho.
Campo Grande paga a traidores.
Li-o ainda ontem (ok, tecnicamente foi hoje porque passava da meia noite).

Achei interessante, muito interessante. Bem conseguido, estruturado e com rigor. Partilho a grande maioria das ideias apresentadas e fico contente por ver que existem Sportinguistas que se preocupam em reunir e apresentar as sugestões e ideias dos sócios. É dificil a um sócio conseguir fazer chegar as suas ideias a outros e a AAS serve como um meio de excelência para isso ser atingido.

Os meus parabéns pelo trabalho.

:arrow: Sem tirar nem pôr. Li hoje de madrugada e achei o mesmo
Uma vez ser ainda tempo de festejos da vitória de há pouco, um pouco de humor com os nossos "vizinhos" na primeira página do site da AAS http://www.aasporting.com
 :victory: