O Sporting e as «Caixas Douradas»

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Vejam lá se são estes os vídeos:



ESFORÇO, DEDICAÇÃO, DEVOÇÃO E GLÓRIA
https://socionumminuto.pt/
Vejam lá se são estes os vídeos:





Sim, são esses. Mas não estou a conseguir adicionar ao post, dá um erro qualquer (provavelmente porque é demasiada informação numa só mensagem).
É isso mesmo! @REI LEÃO
E há mais!
Se não der para meter no post, que fiquem assim.
Suspeito que aparecerá alguém que faz download e os guarda.  ;)
Se os apagarem, teremos sempre para apresentar!!! 

 :great:
Deste assunto é que eu gostava de ver fazerem-se capas amanhã, títulos tipo, DESASTRE!
23-03-2013 O dia mais feliz da minha vida como sportinguista.
A partir de agora mandamos nós e o Sporting terá o seu caminho novamente, quero vos agradecer a todos e dizer claramente para que toda a gente oiça:
Viva o Sporting Clube de Portugal! É nosso outra vez!
Palavras do Presidente do Sporting Clube de Portugal, Bruno de Carvalho. Bem-haja Presidente!
23-06-2018 O pior dia da minha vida como sportinguista. Após campanha orquestrada entre lampiões, croquetes e comunicação social, cai o melhor Presidente da história do clube. Obrigado do fundo do coração Presidente por ter trazido um orgulho e alegria que estavam esmagados no meu coração para mim será eterno.
Queria apenas deixar neste tópico este vídeo, para aqueles que insistem no argumento do "mas acham mesmo que os árbitros se deixam corromper por 4 refeições?", onde o Dr. Júlio Machado Vaz, um benfiquista e psiquiatra que merece todo o meu respeito e consideração, dá a sua opinião acerca do efeito que um favor / prenda a um árbitro (neste caso, acerca do caso Apito Dourado) podem ter na tomada de uma decisão de um lance duvidoso num jogo de futebol.

Excelente, @Antuerpia64 !!!

Mais uma:

Os papagaios oficiais e oficiosos de Carnide, têm tentado todo o tipo de argumentos desesperados, para sacudir a água do seu capote completamente encharcado pelas ilegalidades das «Caixas Douradas».
Um dos mais recentes, tenta afrontar a capacidade de JJ para diluir o assunto:

"Se fosse verdade que o Benfica ganhou os últimos campeonatos à custa as prendas, por que motivo é que foram contratar JJ?"

Para lá da resposta ser óbvia - Porque JJ é um grandíssimo treinador e uma coisa não implica a outra! - há um outro facto que não referem ou varreram intencional e convenientemente da sua memória, apesar de o terem andado a alardear durante anos:

O processo Apito Dourado refere-se directamente a corrupção em jogos da época 2003/04.
Nessa época, o treinador do FC Porto era, nada mais, nada menos, do que... José Mourinho!

Ficou evidente que teve ajudas? Ficou!
Isso invalida o mérito de ser, reconhecidamente, um dos melhores treinadores do mundo?
Obviamente que não!!!

Quanto mais se mexem, ...mais se enterram!
« Última modificação: Novembro 26, 2015, 03:33 am por Alex Nogueira »
O do Arouca terá recebido a caixa, é que com tanta dor deixou-me na duvida e como infelizmente sei que vivemos num país repleto de corruptos, será?
23-03-2013 O dia mais feliz da minha vida como sportinguista.
A partir de agora mandamos nós e o Sporting terá o seu caminho novamente, quero vos agradecer a todos e dizer claramente para que toda a gente oiça:
Viva o Sporting Clube de Portugal! É nosso outra vez!
Palavras do Presidente do Sporting Clube de Portugal, Bruno de Carvalho. Bem-haja Presidente!
23-06-2018 O pior dia da minha vida como sportinguista. Após campanha orquestrada entre lampiões, croquetes e comunicação social, cai o melhor Presidente da história do clube. Obrigado do fundo do coração Presidente por ter trazido um orgulho e alegria que estavam esmagados no meu coração para mim será eterno.
« Última modificação: Novembro 12, 2015, 11:29 am por Cinnabar »
Não é hoje que o rei das galinhas (oops, dos pneus) vai ser ouvido na comissão de inquérito?
Espero que não se esqueça dos vouchers!!!
Está um belo dia para recuperar a análise do Alex Nogueira:


VALOR DA CAIXA


Como já toda a gente percebeu, o mero acto de oferta da «Caixa Negra» é ilegal à luz dos regulamentos, pouco importando o valor que pode atingir.

Porque, incluindo um voucher de valor comercial, cada euro (para além da camisola - esta sim, "objecto meramente simbólico"), está a mais e é contra os regulamentos nacionais vigentes!

Ainda assim, sendo tolerantes, se estivéssemos a falar de um mero par de euros insignificante a mais, poderia ser aceitável deixar-se passar o caso, com uma mera reprimenda.

Mas não é o caso.

O voucher, sobretudo no que concerne ao Restaurante Museu da Cerveja, não é um objecto e muito menos "meramente simbólico".
É um produto de natureza comercial e o seu valor está em aberto, ou seja, pode atingir o valor que se quiser, dentro do cardápio do Restaurante, cuja oferta é bem cara, como é natural num restaurante com cozinha de autor.
Agrava que, não sendo identificado, pode ser alienado (vendido, trocado...) ou re-oferecido a terceiros, ou ainda usado dissimuladamente, fazendo-se a marcação em qualquer outro nome, que só terá que ser confirmado no Restaurante.

O enquadramento da oferta da «Caixa Negra» nos regulamentos da UEFA, também não é aplicável, uma vez que o Regulamento "General Terms and Conditions for Referees Oficiating UEFA Matches" é, como o próprio nome indica e o conteúdo confirma, aplicável apenas às competições organizadas pela UEFA.

Ainda assim, por mero exercício especulativo, comparando com os valores inscritos nesse regulamento, os famosos 200 francos suiços, ainda assim a coisa ficaria negra.

Bruno de Carvalho estimou um valor possível e bem real de 500€ por cada 4 refeições incluídas, a que se teria que somar o valor da camisola e das 4 visitas ao Museu Cosme Damião.
O valor é bem real e verossímil, mas sejamos mais comedidos, e vamos pelos valores referenciados nos teasers (chamarizes) comerciais, que pintam sempre uma realidade mais... em conta, para nos levar a sentar nas mesas do Restaurante:



Na época de 2013/14:

Caixa negra c/ camisola - 59,90€
Visitas ao Museu - 4 x 17,50€ = 70,00€
Jantares - 4 x 30,00€ (*) = 120,00€

(*) - Conforme teaser p/ CS (http://fugas.publico.pt/restaurantesebares/322581_museu-da-cerveja).
É sabido pelos comuns mortais que já frequentaram esta casa, que em situações normais - sem vouchers em aberto(!!!) nem grandes esticanços - nunca lá se come por menos de 40€/pessoa!

Total = 249,90€, arredondando... 250,00€

Valor máximo permitido pela UEFA: 220CHF ou seja... 183,22€!!!



Nesta época (o preço das visitas ao museu baixou!)

Caixa negra c/ camisola - 59,90€
Visitas ao Museu - 4 x 10,00€ = 40,00€
Jantares - 4 x 30,00€ (*) = 120,00€

(*) - ver acima!

Total = 219,90€, arredondando... 220,00€

Valor máximo permitido pela UEFA: 220CHF ou seja... 183,22€!!!



Ou seja:

Até no âmbito das competições organizadas pela UEFA e indo por valores mínimos reais, a oferta estaria sempre bem para lá do permitido.

E, insisto, estes valores não encerram de forma alguma os valores possíveis para a «Caixa Negra», uma vez que o valor das refeições está em aberto, pelo que até os 500€ estimados por Bruno de Carvalho poderão ser excedidos em muito, mais que dobrando!

Acresce que nos regulamentos nacionais, as ofertas cuja natureza e valor estão para além do "objecto meramente simbólico" não são permitidos de todo!
Ou seja, novamente, cada euro a mais (e com um valor comercial em aberto... sky is the limit!) é ilegal.

O mais recente argumentário (Pedro Guerra... quem mais poderia ser?) de que o voucher não refere refeições, tentando forçar a ideia de que se destinava só à visita do Museu, além de risível (desde quando a cerveja é simbolo do futebol ou do clube?) também não cola, não tendo resistido no mesmo programa à primeira pergunta de Sousa Martins: "Mas pode ou não pode marcar-se refeições no Restaurante?"
E, de facto, Museu da Cerveja é o nome comercial... dum Restaurante!

Um argumento mais, cai aqui que nem uma luva:
Disse e repetiu, Pedro Guerra, em jeito de basófia, que o Benfica tem facturado como nunca com a "publicidade" às «Caixas Negras». Quando confrontado com o facto de, para esses compradores, a caixa não incluir o voucher, ficou engasgado!
Porque é a demonstração de que o Benfica não pegou num produto que já tinha aquela configuração e ofereceu-o inadvertidamente. Não: o Benfica pegou numa Caixa Eusébio e colocou lá intencionalmente um voucher, exclusivo, que não é para todos, transformando-a numa «Caixa Negra»!
Sabiam muito bem o que estavam a fazer e a oferecer!!!

Aguarda-se penalização em conformidade!!!

E até que aconteça...

...não nos calaremos!

E esta?

Citar
Árbitros garantem que todos os clubes dão lembranças
11 de Novembro de 2015

Os árbitros já responderam às questões colocadas pela Comissão de Inquérito da Liga sobre as alegadas prendas do Benfica. Nestas respostas, a que a TSF teve acesso, os árbitros não confirmam convites para refeições feitos pelo Benfica.

Os 180 árbitros, assistentes e observadores responderam todos da mesma forma. Seguiram uma minuta criada pela APAF (Associação Porruguesa de árbitros de Futebol) e confirmam que o Benfica e outros clubes ofereciam lembranças nos mesmo termos e contextos.

Neste mail de resposta às perguntas da Comissão de Inquérito da Liga, os árbitros nunca usam as expressões "voucher", "refeições", "almoços" ou "jantares". Dizem apenas que, por ser generalizada e circunstancial a entrega de tais ofertas, dependendo às vezes de factos tão concretos como aniversários de clubes, celebrações de feitos desportivos ou evocação de glórias, é impossível recordar ou localizar com precisão se em determinado jogo foi feita essa oferta.

Neste email a que a TSF teve acesso, os juízes explicam ainda que, ao longo da carreira, foi hábito generalizado os clubes oferecerem pequenas lembranças como porta-chaves, galhardetes, cachecóis, livros, camisolas ou produtos regionais como pão, doces e vinhos.

A maioria das vezes estas ofertas foram feitas no final dos jogos, à saída dos balneários e à vista de todos, sendo que nas competições profissionais também os delegados e assistentes da Liga os receberam.

Os 180 árbitros, assistentes e observadores concluem que estas ofertas, de valor irrisório, recebidas por boa educação e cortesia, não afetaram a imparcialidade até porque a entrega era feita no final dos jogos.

Já há muito que a máquina de propaganda lampiã, nomeadamente Pedro Guerra, tenta passar a ideia de que a "caixa" nunca conteve vouchers para refeições. Ou seja, que o seu valor é manifestamente "irrisório", e que é apenas uma "lembrança". Isto não é mais do que um processo de legalização de algo que todos sabem ser ilegal.

Hoje fica claro o porquê, já que até os senhores árbitros se esqueceram deste pequeno promenor e trataram de também legalizar a coisa.

Posto isto, parece-me que este assunto irá morrer muito brevemente...e com selo de legalidade!

A resposta dos árbitros, delegados e observadores ao mail da Liga, não só é de bradar aos céus, como é mais uma tentativa de branquear responsabilidades, respondendo corporativamente, por esquema urdido pela APAF.

Se há assunto que não pode ser respondido por "minuta" é o da corrupção.

Ao responderem por minuta, estão a abastardar a investigação e a inibir a manifestação directa da realidade de cada um!
A única coisa que resulta é que ficámos sem saber o que realmente sente, pensa e fez cada um, perante uma questão desta gravidade.
A resposta é abstracta, e produzida pela APAF. Em rigor, a resposta É da APAF e não de cada árbitro.
Logo, o valor desta resposta para a investigação é... zero!
Ou seja: aquilo que a CII queria saber (se isto não foi combinado!), continua sem saber, só que agora sabe, formalmente, que não o vai saber.

Mas a resposta corporativa por minuta nem é o pior, porque não o poderão fazer no Ministério Público.

O pior, é o conteúdo da resposta da APAF:

Em primeiro lugar, tentam esconder as «Caixas Douradas» no meio de uma miríade de ofertas, mas, com isso, também fica claro que não desmentem ou negam a sua existência.

Depois, a APAF decide apreciar, em benefício próprio, o valor das «Caixas Douradas».
Diluindo essa oferta ilegal, sem a nomear, entre uma generalidade de ofertas, tenta colar-lhe o rótulo de irrelevante e desvalorizá-la, como se tivesse o mesmo valor de uns dos pinchavelhos que enunciam.
Mas não só não lhe cabe fazer essa valorização, porque o faz em benefício próprio, como é fazê-lo desta forma é completamente irrelevante, porque é uma opinião que não se baseia no que está presente e expresso nos regulamentos.

Efectivamente, um voucher com refeições de valor em aberto num restaurante caro com cozinha de autor, é tudo menos um "objecto meramente simbólico"

Por último, que os árbitros não se tenham deixado influenciar pelas ofertas, é uma coisa (que está por saber, uma vez que uma minuta estereotipada não garante nada nesse aspecto).
Querer vender a ideia de que o facto de as ofertas serem feitas após o jogo é "garante" da não influência, é no mínimo verborreia da treta!

Ou seja,

a APAF aproveitando-se do incómodo dos árbitros com a situação (imagine-se o que seria se um por um começassem a falar e a contar o que sabem!), decide atirar areia para os olhos da população, ocultando as «Caixas Douradas», tentando iludir a sua qualidade anti-regulamentar e o seu valor ilegal.

Com este aproveitamento do desconforto, aproveita para proteger o amigo Vitor "Colinho" Pereira e apoiar os seus donos, os lampiões do Ass Hole Bê, como fica patente pelo "baralha e volta a dar", tentando diluir as "insignificantes" «Caixas Douradas» num cenário muito vasto, e inibindo os investigadores de saber, pela boca dos árbitros, se Vitó Colinho, sempre sabia ou não, e o que é que fez em relação ao que sabia!

Voltando atrás, fica uma pergunta ou pedido de clarificação que se impõe à APAF:

Quando dizem que as prendas "não infringem o tecto financeiro estabelecido", a pergunta mais certa e directa, seria: "desde quando o caso depende disso?"

Mas, já que estão a sofrer pelas dores lampiãs e a adoptar o seu argumentário, podiam ao menos dizer quantos euros vale... "em aberto"!

Se não conseguirem traduzir em euros o "em aberto", como ninguém consegue, porque "em aberto" significa "sem limite", que expliquem se, nesse caso, consideram que o valor regulamentado das prendas é... ilimitado!

Perderam uma boa oportunidade de ficar calados!
Com uma resposta destas, de clara tentativa de branqueamento e fuga para a frente, acabam por complicar ainda mais o estatuto de cada um dos associados que assinou a minuta, em termos da justiça civil.

Seria bom que os árbitros mais sérios mandassem as suas respostas reais e individuais, para não ficarem comprometidos com aqueles observadores e delegados que já sabemos que estão metidos nisto até às orelhas!
« Última modificação: Novembro 26, 2015, 03:35 am por Alex Nogueira »

...

Quando dizem que as prendas "não infringem o tecto financeiro estabelecido", a pergunta mais certa e directa, seria: "desde quando o caso depende disso?"

...



 :arrow: :arrow: :arrow:

Isto. Não basta ser sério, há que parecê-lo.

Os árbitros, sabendo o clima de suspeição que rodeia a sua actividade, só tinham era que não aceitar nem um pires de tremoços, mais nada.

...

Quando dizem que as prendas "não infringem o tecto financeiro estabelecido", a pergunta mais certa e directa, seria: "desde quando o caso depende disso?"

...



 :arrow: :arrow: :arrow:

Isto. Não basta ser sério, há que parecê-lo.

Os árbitros, sabendo o clima de suspeição que rodeia a sua actividade, só tinham era que não aceitar nem um pires de tremoços, mais nada.

Eu tenho nada contra ofertas de cortesia. De valor simbólico. Todos o fazem e vejo mal nenhum.

O que me parece neste caso evidente é que estas ofertas no mínimo estão no limiar da legalidade  ( e não vejo como é que não ultrapassam e bem o valor máximo recomendado.

Não cabe é aos árbitros, os alegadamente aliciados, fazer um juízo de valor financeiro sobre as ofertas.
Seria um bom jornalismo se este tivesse a coragem de colocar todos esses dados nas capas dos jornais.
23-03-2013 O dia mais feliz da minha vida como sportinguista.
A partir de agora mandamos nós e o Sporting terá o seu caminho novamente, quero vos agradecer a todos e dizer claramente para que toda a gente oiça:
Viva o Sporting Clube de Portugal! É nosso outra vez!
Palavras do Presidente do Sporting Clube de Portugal, Bruno de Carvalho. Bem-haja Presidente!
23-06-2018 O pior dia da minha vida como sportinguista. Após campanha orquestrada entre lampiões, croquetes e comunicação social, cai o melhor Presidente da história do clube. Obrigado do fundo do coração Presidente por ter trazido um orgulho e alegria que estavam esmagados no meu coração para mim será eterno.
o inquérito aos árbitros sobre a caixa negra
ESFORÇO, DEDICAÇÃO, DEVOÇÃO E GLÓRIA
https://socionumminuto.pt/
Eu acho que o presidente deveria de vir a publico e falar sobre o assunto novamente , e dizer o que tem a dizer do que se tem passado nos ultimos dias .

Eles nao podem passar pelo meio dos pingos da chuva com esta facilidade , isto e vergonhoso de mais  para se passar com uma esponja e fica tudo bem !!
Vamos presidente da=lhe
Actualização

HISTÓRICO - Parte I


05/10/2015 - Bruno de Carvalho, SPORTING
Denuncia e apresentação das «Caixas Douradas», no Prolongamento TVI24.


06/10/2015 - Conselho de Arbitragem da FPF  INQUÉRITO CA
Anuncia que vai analisar as declarações do Presidente do Sporting
Spoiler: mostrar

Conselho de Arbitragem vai analisar declarações de Bruno de Carvalho
Presidente do Sporting acusou o Benfica de oferecer prendas a árbitros. APAF garante que os juízes cumprem os códigos da UEFA.

Fonte do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol revelou à TSF que as declarações do presidente do Sporting serão analisadas naquele órgão.

José Fontelas Gomes, presidente da A Associação de Árbitros de Futebol, esclareceu entretanto que as ofertas do Benfica cumprem as indicações da UEFA.

Cada árbitro pode receber prendas no valor de aproximadamente 200 euros.

"Os árbitros seguem escrupulosamente aquilo que é o código de ética instituíido pela UEFA, nem mais nem menos. Tenho a certeza que nenhum árbitro utilizou esses convites e a oferta de camisolas é comum em toda a Europa", garante o dirigente dos árbitros.

Bruno de Carvalho disse na TVI24 que o Benfica gasta perto de 250 mil euros em ofertas a árbitros durante a época. Bruno de Carvalho baseou as suas afirmações numa alegada denúncia anónima, mostrando mesmo uma caixa oferta entregue pelo Benfica aos árbitros nos jogos das suas equipas.


06/10/2015 - José Gomes, APAF
Não nega a existências das ofertas, diz que “os árbitros cumprem à risca" e fala em valores
Spoiler: mostrar

APAF desafia Bruno de Carvalho a provar aliciamentos a árbitros
Fontelas Gomes garantiu que os “os árbitros cumprem à risca as instruções do código de ética da UEFA”.

A Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF) está a analisar as declarações do presidente do Sporting sobre alegados aliciamentos a árbitros por parte do Benfica e desafiou Bruno de Carvalho a provar o que disse na TVI24.

“Estamos a analisar essas declarações, que são muito recentes. Aquilo que jamais iremos admitir é que ponham em causa a idoneidade das nossas equipas de arbitragem. Se têm algo que possam provar que o provem, porque nós seremos também os primeiros a fazê-lo”, disse hoje à agência Lusa o presidente da APAF.

Na segunda-feira, o presidente do Sporting denunciou na TVI24 alegados aliciamentos a árbitros feitos pelo Benfica, referindo que, por ano, o valor que os ‘encarnados’ despendem em jantares e prendas ronda “um quarto de milhão de euros”.

Fontelas Gomes garantiu que os “os árbitros cumprem à risca as instruções do código de ética da UEFA”, segundo o qual podem aceitar ofertas até 200 francos suíços (183 euros), e referiu que a oferta de camisolas “é uma prática feita por toda a Europa”.

O presidente da APF explicou que os árbitros, se virem “algo que não se enquadre dentro desses parâmetros, devem reportá-lo às autoridades competentes e no relatório de jogo”.

Fontelas Gomes assegurou que a APAF nunca teve conhecimento de qualquer violação desse regulamento: “Nunca tivemos qualquer ‘report’ de que houvesse algo que fosse anormal, por isso estamos perfeitamente tranquilos em relação aquilo que são as práticas por essa Europa fora.

Contactada pela Lusa, fonte do Conselho de Arbitragem (CA) da Federação Portuguesa de Futebol, garantiu que o organismo “está em permanente contacto com a APAF e sempre empenhado em salvaguardar o bom nome dos árbitros”.


06/10/2015 - Rui Pedro Braz (Comentador Benfica), TVI24
Revela que foram utilizados pelo menos 7 vouchers no restaurante
Spoiler: mostrar

Quanto vale um Kit Cortesia?

Tive o cuidado de rever a forma como Pedro Guerra reagiu à revelação que Bruno de Carvalho fez do Kit Cortesia, uma caixa evocativa da memória de Eusébio que continha uma camisola víntage, e ainda um voucher de jantar para quatro pessoas na Catedral da Cerveja ou no Museu da Cerveja. O diretor de conteúdos da Benfica TV não desmentiu as palavras de Bruno de Carvalho, preferindo mostrar a sua indignação pelo inaceitável ataque à memória desse (indiscutível) símbolo nacional que é Eusébio da Silva Ferreira. Areia para os olhos de quem foi apanhado de calças na mão e não sabia o que dizer, já que é claro para toda a gente que não era a figura de Eusébio que estava ali em causa.

No dia seguinte esperou-se por uma reação do Benfica... mas nada. Apenas a APAF fez uma declaração em que tacitamente admite a existência daquelas ofertas.

Ficou reservada para o final da tarde e noite a resposta do Benfica através de alguns dos seus habituais intermediários. Vou destacar dois. Comecemos por João Malheiro:

(video já não está disponível)

Portanto, ficamos totalmente esclarecidos que o Kit Cortesia existe. Vamos agora saber mais detalhes pelo especialista da TVI24 em retalho, Rui Pedro Braz:

(video já não está disponível)

Rui Pedro Braz diz que gosta de ser rigoroso mas começou mal: o limite colocado pela UEFA não são €200 mas sim 200 Francos Suíços, o que corresponde a €183,50 ao câmbio atual. Depois diz que a camisola tem um PVP de €59,90 (qualquer visita ao site o comprova) e um preço de custo de €24 (que é uma informação que só pode ser o próprio clube a fornecer-lhe).

Neste caso o preço de custo é irrelevante, porque o que é importante é o valor comercial da oferta. Caso contrário qualquer clube poderia dar artigos de valor bem mais significativo - como relógios de luxo ou peças de joalheria - desde que pagos do bolso de algum particular. Assim o "preço de custo" para o clube seria zero. De qualquer forma os 60€ ainda estão muito longe do tal limite de 183€.

Passemos ao voucher. Rui Pedro Braz revela que apenas 7 árbitros os utilizaram em 2014/15, de forma a desvalorizar a dimensão da acusação. Mas mais uma vez está a ver o assunto de forma parcial, pelo lado que mais lhe convém. Rui Pedro Braz teria que olhar para as duas faces da questão em análise, pois é tão relevante para o caso saber que árbitros utilizaram os vouchers como saber quantos vouchers o Benfica efetivamente ofereceu.

De qualquer forma ficámos a saber que há sete árbitros a mais do que aquilo que Fontelas Gomes imaginaria a usufruir do convite para jantar do Benfica. E também que o Benfica controla muito de perto e de forma precisa o número de árbitros (e seguramente também saberão os nomes dos árbitros em concreto) que aceitaram a sua gentil oferta. Seguramente é uma informação que poderá vir a ter a sua utilidade no futuro.

E já que estamos a ser tão minuciosos em relação ao valor da camisola, já agora também convinha saber quanto valerá em média um jantar para quatro pessoas nos estabelecimentos propostos pelo Benfica. Assumindo que os árbitros e seus acompanhantes não abusam da generosidade do atual campeão nacional, vamos criar o seguinte cenário: o grupo de quatro pessoas pedirá duas entradas para partilhar, um prato de carne para cada, seis cervejas (as garrafas de vinho tinto custam €35, um abuso), quatro sobremesas e café.



Ora bem, duas cestinhas de pão (€6,40), um prato de presunto (€12,50) e uma tábua de queijos (€15), quatro bifes à portuguesa (4 x €20), 6 cervejas (a média é de 5€ cada, logo dá €30), 4 maçãs assadas (€16) e 2 cafés (é de noite e há quem não queira abusar da cafeína, 2,50€). Se entregassem a conta para este jantar, que não teve qualquer tipo de excentricidades, e haveria que pagar €164,90. Junte-se a camisola (a preço de loja ou a preço de custo, é indiferente para o caso) e ficamos acima do tal patamar de referência que a UEFA definiu. Repito, sem qualquer abuso no jantar.

Isto significa que estamos perante casos de suborno? É evidente que não. Mas nem querendo entrar na questão de princípio que deveria levar profissionais bem pagos a recusar este tipo de cortesias, o facto é que há regras que estão a ser violadas de duas formas - um clube a oferecer brindes de valor superior ao permitido e árbitros a aceitá-los - e como tal as entidades responsáveis terão obrigatoriamente que investigar estas ofertas de forma completa e detalhada. Doa a quem doer.


07/10/2015 - Árbitros
Confirmam ofertas das «Caixas Douradas» do Benfica
Spoiler: mostrar

Árbitros confirmam ofertas do Benfica. Delegados utilizaram 'vouchers' para jantar. Risco de exclusão. U.Leiria já havia feito queixa

Árbitros contactados pelo jornal Record confirmaram que o Benfica efetivamente faz as ofertas referidas por Bruno de Carvalho, no ‘Prolongamento’, programa da TVI 24: uma camisola do clube (pack premium) e convites para o Museu Cosme Damião com quatro jantares incluídos.

O diário diz saber também que na época passada nenhum dos árbitros que apitaram jogos da equipa principal ou do Benfica B utilizou os ‘vouchers’ para jantar no Museu da Cerveja, no Terreiro do Paço, em Lisboa, mas houve "seis ou sete delegados" da Liga que o fizeram.

O valor dos jantares, que o presidente do Sporting orçou em 140 mil euros anuais, é de resto a grande questão desta denúncia, porque existe uma norma nas competições da UEFA que proíbe os árbitros de aceitarem ofertas superiores a 200 francos suíços (cerca de 183 euros).

Se os juízes e os seus convidados gastassem o valor referido por Bruno de Carvalho, cada refeição ficaria ao preço de 125 euros – embora fonte oficial do Benfica garanta que o plafond estabelecido é de 35 euros por pessoa, limitado a pratos do dia, condição que não é visível no documento. Sendo quatro os vouchers, segundo Carvalho seriam 500 os euros oferecidos a cada elemento das equipas de arbitragem, faltando ainda juntar os 59,9 euros das camisolas (os preços para o Benfica ficam a 24 euros) e os convites para o Museu, que têm o valor de dez euros.

O Conselho de Arbitragem, presidido por Vítor Pereira, está a acompanhar o caso sem fazer declarações e decidiu remeter a matéria apurada para a alçada da justiça desportiva, o Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol.

Segundo o regulamento disciplinar da FPF, em caso de corrupção provada da equipa de arbitragem "através da oferta de presentes, empréstimos, promessas de recompensa ou de, em geral, qualquer outra vantagem patrimonial ou não patrimonial", o Benfica poderia ser excluído da 1.ª Liga por "período a determinar entre 1 e 3 épocas desportivas", para além de poder ser " sancionado com multa a fixar entre 50 a 250 UC" (de 50 mil a 250 mil euros).

Em 2008, os encarnados viram-se confrontados com uma queixa da U. Leiria, com a acusação de terem oferecido uma lembrança à equipa de arbitragem do jogo Benfica-Naval.
A Comissão Disciplinar da Liga propôs o arquivamento da participação, por considerar as ofertas de "mera cortesia, que constituem praxe social desportiva, de caráter generalizado e indiferenciado". Depois de concluir não se ter verificado qualquer "ilícito disciplinar", o caso acabou arquivado.

A Liga Portugal, organizadora das competições profissionais, decidiu a propósito deste caso suscitado por Bruno de Carvalho não tomar para já qualquer posição.


07/10/2015 - FPF  INQUÉRITO CD da FPF e Min. Público
Anunciado o envio para o Ministério Público e investigação no Conselho de Disciplina da FPF
Spoiler: mostrar

FPF pede investigação do Ministério Público sobre prendas aos árbitros
A denúncia do Presidente do Sporting chega à Justiça. Em causa as declarações polémicas de Bruno de Carvalho.

A Direcção da Federação Portuguesa de Futebol vai enviar para o Ministério Público as denúncias de Bruno de Carvalho sobre as prendas que o Benfica ofecere aos árbitros.

Fonte da Federação diz à TSF que, em defesa do bom nome do futebol português, o caso deve ser investigado. O organismo que tutela o futebol em Portugal pede assim à Justiça que investigue ao mesmo tempo que o processo vai ser analisado na justiça desportiva.


08/10/2015 - Pedro Henriques, Comentador e Ex-árbitro
Garante que Vitor Pereira (CA) e José Gomes (APAF) sempre souberam das prendas do Benfica
Spoiler: mostrar

Vítor Pereira sabia das prendas
Pedro Henriques garante que o presidente do CA foi informado pelos árbitros.

O ex­-árbitro Pedro Henriques garante que também o presidente da APAF, José Fontelas Gomes, estava a par das ofertas encarnadas. O caso, refira­se, vai ser investigado pelo Ministé­rio Público.

A denúncia e respetivas insinuações de Bruno de Carvalho, de alegado aliciamento do Benfica a árbitros, vão ser investigadas pelo Ministério Público (MP), mas as prendas de que o presidente leonino falou na polémica entrevista à TVI24 já eram do conhecimento de Vítor Pereira, presidente do Conselho de Arbitragem (CA) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), e de José Fontelas Gomes, presidente da APAF.

Quem o garante é o ex­árbitro Pedro Henriques. “Vítor Pereira e José Gomes sempre souberam das ofertas de cortesia do Benfica”, disse a O JOGO o antigo juiz e comentador de arbitragem deste jornal. “Quando criou a Eusébio Cup, o Benfica começou a oferecer caixas com uma moldura do Eusébio. Essas caixas contêm uma camisola, bilhetes de entrada no museu do Benfica, um livro sobre o Eusébio e uns vouchers de refeições, que segundo me foi dito pelo José Gomes, nenhum árbitro utilizou, evitando assim outras interpretações”, sublinhou.

O nosso jornal tentou contactar os dois citados responsáveis pela arbitragem em Portugal por diversas vezes durante o dia de ontem... mas não obtev­e qualquer resposta.

Recorde-se que Bruno de Carvalho denunciou as prendas do Benfica a árbitros, delegados e observadores nos jogos das suas equipas, principal e secundária, falando de um custo previsível de cerca de “um quarto de milhão de euros”. Após a entrevista, o CA reuniu os dados descritos e remeteu o assunto para o Conselho de Disciplina da FPF. Contudo, em paralelo, a Direção da FPF pediu ajuda ao MP para se apurar eventual matéria criminal ou se existe ilícito a partir o que foi denunciado.


09/10/2015 - Luis Filipe Vieira, BENFICA
Não nega as ofertas e apela a que os benfiquistas "Ignorem o ruído"
Spoiler: mostrar

"Ignorem o ruído" diz Luís Filipe Vieira
Luís Filipe Vieira não responde diretamente às acusações vindas de Bruno de Carvalho mas garante que o Benfica vai agir "nos locais próprios".

O presidente do Benfica fez uma promessa. Esta sexta-feira à noite, na inauguração da Casa do Benfica em Algueirão - Mem Martins, Luís Filipe Vieira disse que ia defender "de forma intransigente, o bom nome do clube".

O presidente das águias pediu aos benfiquistas para ignorarem "o ruído" que tem sido criado à volta do clubes e garantiu que a resposta encarnada vai ser dada nos locais próprios.
(...)


11/10/2015 - Bruno de Carvalho, SPORTING
Responde a Vieira: "Só disse a verdade!"
Spoiler: mostrar

Bruno de Carvalho responde a Vieira e garante que só falou verdade
"Não há questões polémicas. Neste momento o Sporting disse tudo aquilo que tinha para dizer, quem quis perceber percebeu." É a resposta de Bruno de Carvalho às declarações do líder do Benfica, Luís Filipe Vieira.

O presidente do Sporting respondeu às declarações do líder do Benfica, numa curta declaração à margem da corrida do Sporting, em Lisboa, afirmando que tudo o que disse é verdade.

"Não há questões polémicas. Neste momento o Sporting disse tudo aquilo que tinha para dizer, quem quis perceber percebeu. Os sítios certos realmente existem, agora o importante é as pessoas verem que há muito tema em movimento e que afinal tudo aquilo que eu disse era verdade", reiterou Bruno de Carvalho.

As declarações do presidente dos 'leões', que esta semana acusou os 'encarnados' de fazerem ofertas a árbitros que anualmente poderiam atingir um valor de 250 mil euros, surge depois de Luís Filipe Vieira ter garantido que defenderia o Benfica "nos lugares próprios".

"Apelo aos benfiquistas que ignorem o ruído, que não beneficia ninguém. Falemos de nós e preocupemo-nos apenas com o Benfica. Sei como presidente que tenho a obrigação de defender de forma intransigente o bom nome do clube e deixo-vos a garantia de que assim farei, mas nos lugares próprios", disse Luís Filipe Vieira na sexta-feira na inauguração Casa do Benfica de Algueirão e Mem Martins.

No sábado, na Guarda, fez o mesmo apelo e prometeu resposta do Benfica: "no dia certo e à hora certa saberemos ajustar contas", disse.


12/10/2015 - Augusto Inácio, SPORTING
«Benfica andou anos a fio a falar da fruta e agora oferece a refeição toda»


13/10/20150 - Fernando Gomes, FPF
Assume ilegalidade, pedindo "mão pesada para árbitros" que tenham usado os vouchers, sem nada dizer sobre o Benfica
Spoiler: mostrar

Sporting receia uma lista do Benfica condicionar os árbitros
Fonte ligada ao clube leonino diz que deve existir mão pesada para o Benfica.

O Sporting está preocupado que o Benfica utilize a lista dos árbitros de futebol que usaram 'vouchers' de refeição incluídos no pacote de oferta dos 'encarnados' para os condicionar, disse esta terça-feira fonte ligada à direção dos 'leões'.

Na origem da preocupação está uma notícia desta terça-feira veiculada pelo jornal Correio da Manhã dando conta de que o presidente da FPF, Fernando Gomes, pediu ao Conselho de Disciplina "mão pesada para os árbitros que usaram os 'vouchers' de refeições" inseridos na oferta de cortesia que o Benfica faz a juízes, delegados da Liga e observadores.

"Esta notícia é perigosíssima e pode dar azo ao aparecimento de uma 'lista de Schindler', no qual o Benfica escolhe os árbitros, delegados ou observadores de que não goste para os ameaçar, denunciar ou tramar", afirmou a mesma fonte.

Segundo esta, só o Benfica e a empresa de 'catering' que fornece as refeições no restaurante Catedral da Cerveja, que são parceiros comerciais, detêm a informação sobre os árbitros que utilizaram as refeições que constam da prenda do Benfica, quatro atribuídas a cada um dos árbitros, aos dois (ou três delegados) da Liga e ao observador.

Mão pesada para o Benfica
Na perspetiva da mesma fonte, existe o risco de o Benfica "tentar comprometer os poucos árbitros, delegados da Liga e observadores que não são da cor e branquear uma situação sobre a qual a Direção da FPF já deveria ter tomado uma posição em termos desportivos".

"Mão pesada sobre os árbitros que usaram os 'vouchers' de refeição? Então sobre o Benfica, que foi quem violou os regulamentos, não há mão nem leve nem pesada?", questionou, interpretando essa declaração como "um recado às arbitragens" que vierem a apitar futuramente jogos dos encarnados.

Neste contexto, o Sporting espera que os árbitros "respirem fundo, tenham cabeça fria e não entrem em pânico nem no estratagema do Benfica" e que a FPF se "pronuncie o mais rapidamente sobre o assunto e sancione quem violou os regulamentos em vez de mandar recados a quem usou os 'vouchers'".

De acordo com a mesma fonte, estão em causa 1.120 refeições por época e a oferta do Benfica viola manifestamente o código de ética da UEFA, razão pela qual a Direção da FPF não pode fugir ao assunto e limitar-se a enviar o processo para o Ministério Público, quando já sabe que a denúncia do Sporting é verdadeira.

"O Ministério Público é para averiguar se há corrupção e qual o grau que esta atingiu, mas a FPF já deveria ter tomado uma decisão a nível desportivo", disse a fonte, tendo em conta que o Conselho de Disciplina já está a par dos factos, confirmados por declarações de alguns árbitros.


13/10/2015 - LIGA
Liga espera que cada órgão actue sobre ofertas a árbitros


continua...
« Última modificação: Novembro 26, 2015, 03:39 am por Alex Nogueira »

HISTÓRICO - Parte II


13/10/2015 - SPORTING
Reagindo à "mão pesada" da FPF, teme criação de "Lista Negra" de árbitros, observadores e delegados não alinhados com Benfica


14/10/2015 - Sporting / FPF
Sporting acusa a FPF de criar o pânico e não agir. FPF rejeita as críticas.
Spoiler: mostrar

Federação recusa críticas do Sporting
O Sporting acusou a Federação Portuguesa de Futebol de criar o pânico e de não agir no caso das prendas aos árbitros. À TSF, a Federação já reagiu.

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) recusa as críticas do Sporting no caso das prendas do Benfica a árbitros, observadores e delegados da Liga.

Fonte do clube disse terça-feira à noite estranhar o silêncio da FPF. Para os leões a situação é grave, acrescentando que a ser verdade que haverá mão pesada para quem usufruiu das ofertas, a Federação está a criar o pânico no futebol português. O clube de Alvalade entende ainda que, para além de remeter o caso para a justiça, a Federação já devia ter agido desportivamente.

À TSF, fonte da Federação lembra que agiu neste caso enviando o processo para o Ministério Público e também para o Conselho de Displina.

Também contactado pela TSF, o Benfica não quis comentar as acusações do Sporting.

Tal como já tinha anunciado, Bruno de Carvalho não estará presente no dérbi com o Benfica agendado para o Estádio da Luz. É uma medida de protesto pela suspensão após o castigo aplicado no Bessa.

Os outros dirigentes do Sporting vão à Luz, mas para a caixa de segurança destinada aos adeptos do Sporting.


14/10/2015 - FPF / LIGA   INQUÉRITO CII da Liga
CD da FPF chutou a investigação para a CII da Liga
Spoiler: mostrar

Liga espera que cada órgão atue sobre ofertas a árbitros

"A Liga Portuguesa de Futebol Profissional aguardará serenamente que cada órgão faça o seu trabalho", avança o organismo.

A Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) disse hoje esperar "serenamente" que cada órgão atue sobre as ofertas do Benfica a árbitros, denunciadas pelo presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, a 05 de outubro.

"A Liga Portuguesa de Futebol Profissional aguardará serenamente que cada órgão faça o seu trabalho", afirmou fonte oficial do organismo, questionada pela agência Lusa sobre a sua atuação quanto às declarações do responsável 'leonino', sem confirmar a existência de um processo na Comissão de Instrução e Inquéritos (CII).

Igualmente contactada pela Lusa, a assessoria de comunicação da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) confirmou que, além da participação feita ao Ministério Público, a direção federativa solicitou a abertura de um processo no Conselho de Disciplina, que o remeteu, para instrução, para a CII da LPFP.

Em causa estão as declarações de Bruno de Carvalho, prestadas no dia 05 de outubro, no programa Prolongamento, na TVI24, sobre alegadas ofertas feitas pelo Benfica a árbitros, delegados da LPFP e observadores, em particular 'vouchers' de refeição, avaliados pelo presidente 'leonino' em cerca "um quarto de milhão de euros" por ano.

Na terça-feira, uma fonte do Sporting defendeu que "o Ministério Público é para averiguar se há corrupção e qual o grau que esta atingiu, mas a FPF já deveria ter tomado uma decisão a nível desportivo".

"A FPF não ficou impávida e serena. Quando soube da denúncia comunicou-a à Procuradoria-Geral da República. A justiça segue o seu caminho e neste momento a federação não tem de interferir", respondeu fonte federativa.


15/10/2015 - Pedro Proença, LIGA
Tenta demarcar-se chamando ao caso um «fait divers», mas não revela se recebeu as prendas
Spoiler: mostrar

Proença não diz se recebeu prendas do Benfica
Presidente da Liga recusou esclarecer se, enquanto árbitro, recebeu ofertas do Benfica e reduziu a polémica levantada pelo presidente do Sporting às "emoções" que precedem os dérbis.

Pedro Proença, presidente da Liga, demarcou-se, esta quinta-feira, da polémica levantada pelo líder do Sporting a propósito das prendas do Benfica aos árbitros e não chegou a esclarecer se, durante a carreira, recebeu ofertas do clube da Luz. À SIC Notícias, respondeu apenas com o currículo enquanto árbitro: "Em 2012, fui considerado o melhor árbitro do Mundo. Tenho em minha casa a medalha daquilo que foi a minha consagração enquanto desportista e atleta e é isso que guardo na minha memória. Nós, portugueses, temos de, de uma vez por todas, olhar para as coisas positivas que fazemos. Conseguimos ter dos melhores jogadores, dirigentes e árbitros do Mundo temos de voltar a falar outra vez daquilo que é o nosso futebol, que é fantástico em Portugal".

O ex-árbitro reduziu a "fait divers" a polémica entre os principais clubes lisboetas, que se defrontam na próxima jornada do campeonato: "Todos sabemos que a antecipação dos dérbis mexe com as emoções das pessoas e tenho a certeza de que vamos ter um fantástico jogo, com excelentes intérpretes".

As declarações foram feitas antes de uma reunião para apresentar aos clubes os planos de acção da Liga no mandato de quatro anos para o qual Pedro Proença foi, recentemente, eleito. Juntá-los nas causas comuns é uma das metas: "Hoje, os clubes têm a noção de que o seu objetivo tem de ser de contribuição, independentemente das vontades individuais. O futebol tem de ser trabalhado por todos. Acho que não há outro caminho. Cada clube quer ganhar, mas isso não significa que não nos consigamos sentar à mesa".


16/10/2015 - Fernando Gomes, FPF
O Presidente da FPF recusa-se a comentar o caso
Spoiler: mostrar

Fernando Gomes demarca-se de polémica entre Benfica e Sporting
Presidente da Federação Portuguesa de Futebol não quis tecer comentários sobre a tensão entre os dois clubes.

Os rivais da Segunda Circular, Benfica e Sporting têm aquecido o clima no futebol português nos últimos tempos. Desde à saída de Jesus para Alvalade, os processos em tribunal e as caixas para oferta aos árbitros apresentadas por Bruno de Carvalho, as acusações e as farpas têm sido uma constante.

No entanto, o presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Fernando Gomes não quis alimentar mais o ssunto.

"Não é o momento para falar de outras questões, que mereciam outro enquadramento. Não gosto de alimentar polémicas, o futebol precisa de tranquilidade", disse o líder da FPF, na apresentação do relatório e contas da FPF referentes a 2014/2015.


20/10/2015 - Vitor Pereira, CA da FPF
Diz, em comunicado, que só soube do caso quando foi divulgado pelo presidente do Sporting
Spoiler: mostrar

Vítor Pereira não tinha conhecimento das ofertas do Benfica aos árbitros
O presidente do Conselho de Arbitragem (CA) da FPF defendeu, em comunicado, que só soube do caso quando o mesmo foi divulgado pelo presidente do Sporting

Vítor Pereira veio a público defender que não estava a par das ofertas do Benfica aos árbitros. O desmentido vem no seguimento das declarações de Bruno de Carvalho, que afirmou que a Federação Portuguesa de Futebol já sabia das ofertas do Benfica aos árbitros, mesmo antes de divulgar o caso no programa "Prolongamento" da TVI24.

O presidente do Conselho de Arbitragem (CA) da FPF defendeu, em comunicado, que só soube do caso quando o mesmo foi divulgado pelo presidente do Sporting no dia 5 de outubro, no programa "Prolongamento" da TVI24.

Eis o comunicado de Vítor Pereira

"Na qualidade de presidente do Conselho de Arbitragem (CA) da FPF venho, por este meio, desmentir as notícias segundo as quais teria conhecimento das ofertas feitas pelo Sport Lisboa e Benfica aos árbitros reveladas pelo presidente do Sporting Clube de Portugal e fazer um apelo a todos os intervenientes no futebol para que defendam a imagem da modalidade, o desportivismo e o fair-play.

Os factos são os seguintes:

1. O presidente do CA não tinha conhecimento das ofertas feitas pelo Sport Lisboa e Benfica aos árbitros reveladas pelo presidente do Sporting Clube de Portugal, Bruno de Carvalho;

2. O presidente do CA apenas soube destas ofertas através da revelação feita pelo presidente do Sporting Clube de Portugal na edição de 5 de outubro de 2015 do programa Prolongamento, emitido a partir das 22h00 no canal televisivo TVI24;

3. Na manhã do dia seguinte, terça-feira 6 de outubro, o presidente do CA da FPF questionou os outros quatro membros da Secção Profissional sobre se tinham conhecimento das ofertas denunciadas pelo presidente do Sporting Clube de Portugal, tendo todos afirmado que desconheciam;

4. Às 15h08 do mesmo dia, a Secção Profissional do CA solicitou ao Departamento de Arbitragem que as declarações produzidas na véspera pelo presidente do Sporting Clube de Portugal na TVI24, e reproduzidas nos jornais de 6 de outubro, fossem enviadas para o Conselho de Disciplina, o órgão com poder disciplinar na FPF;

5. O presidente do CA lamenta que, na sua edição de 8 de outubro, o jornal O Jogo tenha publicado uma notícia com o título falso “Vítor Pereira sabia das prendas”, com o principal destaque na capa, e que o seu “Termómetro Desportivo” de hoje contenha uma pergunta que parte do errado pressuposto de que “Vítor Pereira já tinha conhecimento das prendas oferecidas pelo Benfica aos árbitros nos jogos domésticos”;

6. Tendo enviado a denúncia para os órgãos competentes da Justiça desportiva assim que dela tomou conhecimento, não compete ao presidente do CA fazer juízos de valor sobre o teor das revelações, restando-lhe aguardar pelas decisões dos órgãos da Justiça desportiva;

7. O presidente do CA faz um apelo a todos os intervenientes do futebol para que defendam a imagem da modalidade, o desportivismo e o ‘fair-play’.

8. O presidente do CA reafirma a sua confiança nos árbitros portugueses e está certo de que a investigação provará a seriedade dos árbitros.

Lisboa, 20 de outubro de 2015."


21/10/2015 - Pinto da Costa, FC PORTO
«Vejo que há um manto protector sobre tudo (...) Se fosse connosco já estaríamos mortos.»
Spoiler: mostrar

Pinto da Costa e as prendas aos árbitros: "Se fosse connosco, já estaríamos mortos"
"Há um manto protector sobre tudo”, disse o presidente do FC Porto no Canadá.

O presidente do FC Porto disse que há situações no futebol português que, se fossem associadas ao emblema portista, teriam um destaque maior, sem se referir especificamente à questão das ofertas do Benfica aos árbitros.

Jorge Nuno Pinto da Costa falava na quarta-feira à margem da cerimónia de apresentação da segunda escola internacional de futebol do FC Porto, em Toronto, Canadá, depois de questionado sobre o facto de Vítor Pereira, presidente do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), ter dito na terça-feira que este órgão desconhecia as ofertas feitas pelo Benfica aos árbitros, até ao momento em que foram reveladas pelo presidente do Sporting, Bruno de Carvalho.

“No meio de tanta anormalidade que vejo todos os dias, já acho tudo normal. Só acho uma coisa interessante: há coisas que se têm passado no futebol português, que não vou individualizar porque não é preciso, que se se passassem no FC Porto, a esta hora até já estavam na CNN. E, no entanto, vejo que há um manto protector sobre tudo”, começou por dizer o Pinto da Costa.

A 5 de Outubro, o presidente do Sporting disse que o Benfica oferecia a árbitros, delegados e observadores dos seus encontros, em Lisboa e no Seixal, um pacote com uma camisola ‘vintage’ do clube, entradas para o Museu Cosme Damião e refeições num restaurante do Estádio da Luz, calculando que, por ano, os ‘encarnados’ despendam nestas ofertas “um quarto de milhão de euros”.

“Não estou a individualizar este nem aquele. Estou a falar de tudo o que se passa, que passa levemente. É como o Augusto Gil, batem leve, levemente... Mas se fosse no FC Porto, não bateriam levemente, já estaríamos mortos nesta altura. Mas não me interessa nada o que os outros dizem ou o que fazem, e comentar os comentadores não faço, porque a única coisa que tenho é pena de ver que quem podia ajudar o futebol a ser melhor, que são os canais televisivos, fazem tudo a troco de audiências para prejudicar o futebol e o negócio do futebol”, disse ainda.

(...)


22/10/2015 - Bruno de Carvalho, SPORTING
Termina período de 20 dias de suspensão imposto pelo CD da FPF, sem culpa formada ou sequer inquérito concluído


24/10/2015 - Marco Ferreira, Ex-árbitro
Reafirma ao jornal AS que Vitor Pereira (CA) pressionava árbitros antes dos jogos com Benfica
Spoiler: mostrar

ESCÁNDALO EN PORTUGAL | MARCO FERREIRA
“El presidente de los árbitros de Portugal sólo me llamaba antes de arbitrar al Benfica”

El que sigue es el testimonio de un exárbitro que hará temblar al fútbol portugués. A sus 38 años, este colegiado internacional fue descendido a Segunda justo después de pitar la final de Copa. Y decidió dejarlo. Ahora denuncia en AS que el presidente del Consejo Arbitral del país, Vitor Pereira, presiona a los colegiados para favorecer al Benfica: “Mis compañeros no denuncian por miedo a que acabe con sus carreras, como hizo con la mía”.

¿Qué le pasó por la cabeza cuando recibió la noticia de su descenso a Segunda?

—Me quedé perplejo. Quince días antes había arbitrado la final de la Copa de Portugal, entre Sporting y Braga. Uno de los partidos más importantes de la temporada. No tenía ninguna señal que me hiciera pensar que me mandarían a Segunda. Las mismas personas que me descendieron me habían nombrado unos días antes árbitro de la final de Copa. Curioso.

—¿Encuentra una explicación?

—Para mí lo más grave es que, además de haber arbitrado la final de Copa, en enero me habían renovado como árbitro internacional de la FIFA. La única explicación que encuentro es que la pasada temporada había arbitrado tres veces al Benfica y perdió dos. Creo que por eso no me dieron ningún Clásico.

—¿Por qué lo cree?

—Yo y muchos compañeros recibimos llamadas del presidente del Consejo de Arbitraje, Vitor Melo Pereira (homólogo en Portugal de Sánchez Arminio), en la misma semana que estamos nombrados para arbitrar al Benfica. Vitor Pereira tiene muchos enemigos y muchos opositores, entre ellos la gente del propio Consejo de Arbitraje y muchos clubes de Primera. No le quieren ahí. Ahora, el único de los grandes que apoya a Pereira es el Benfica.

—¿Había tomado usted alguna decisión polémica en esas dos derrotas del Benfica?

—En la derrota ante el Braga, en octubre, todavía octava jornada, el partido fue mal. Pero para los dos equipos. Después de este partido, el Benfica protestó contra mí y me dijeron que no volvería a hacer un partido de los calientes. Y desde entonces no me pusieron en ningún otro encuentro importante...

—Entiendo…

—En la temporada anterior fui considerado el segundo mejor árbitro de Portugal por detrás del Proença. Arbitré el Benfica-Sporting, dos veces el Oporto-Benfica... Y los partidos fueron muy bien.

—¿Usted cree, entonces, que los árbitros de Portugal son conscientes de que no se pueden equivocar en contra del Benfica mientras mande Pereira en el Consejo de Arbitraje?

—No voy a decir que el Benfica pide a Vitor Pereira que hable con los árbitros para que favorezcan al club. No digo eso. Lo que digo es que él (Pereira) lo hace porque sabe que el Benfica es el único club que le apoya. Por eso no quiere que ningún árbitro que no le guste al Benfica pite sus partidos. El Benfica nunca ha hablado conmigo o me ha llamado para que les favoreciera. Pero Vitor Pereira, sí. En la semana en que yo tenía partido del Benfica, él me llamaba diciendo que tuviera cuidado, que el partido fuera bien. Y sólo lo hacía en partidos del Benfica. Nunca me ha llamado antes de un partido del Oporto, por ejemplo. Y no sólo a mí, a muchos compañeros...

—¿Qué le decía exactamente Pereira cuando le llamaba?

—Después del Braga-Benfica del que le hablé, Pereira me nombró para un Rio Ave-Benfica. Esa semana me llamó dos veces. El martes y el jueves. El jueves me dijo que, si no hacía un buen partido, no me podría nombrar para el Benfica-Oporto, que era en abril. Dijo que tuviera cuidado, que “eran los que se quejaban” y que “era el partido del título del Benfica”. Y yo le dije que no, que no era el partido del título porque el Benfica llevaba cuatro puntos de ventaja con respecto al Oporto. Y me contestó: “Es muy diferente jugar en contra del Oporto en abril con una diferencia de cuatro puntos que con dos puntos o uno”. Esto, bajo mi punto de vista, es grave. Porque claramente estaba refiriéndose al Benfica.

—¿Y qué tal fue al final el Rio Ave-Benfica?

—El Benfica ganaba 0-1 y pité un penalti a favor del Rio Ave, enseñé la roja directa al capitán del Benfica y el Rio Ave remontó 2-1. Pero fueron decisiones acertadas. Fue un buen partido. Pereira no me volvió a llamar desde entonces, y tampoco me nombró para el Benfica-Oporto.

—¿Nunca le llamó después de eso?

—No. Él me dijo que el partido tendría que ir bien para que me nombrara el árbitro del Benfica-Oporto. Hice un buen partido, pero no fui nombrado. Entonces lo que quiere decir es que, para él, un buen partido es que ganara el Benfica.

—¿Le había pasado más veces, que Pereira le llamara antes de un partido del Benfica?

—Antes del Braga-Benfica fue, más o menos, la misma conversación. Me dijo que el partido fuera bien y que “no hiciera caso al ruido que viniera del banquillo”. Me dijo eso porque, en el Boavista-Benfica anterior, le enseñé la roja al entrenador del Benfica en el descanso. Pereira tenía miedo de que yo le enseñara la roja otra vez.

—¿Sería correcto afirmar que Vitor Pereira llama a los árbitros para presionarles para que traten bien al Benfica?

—Él llama a los árbitros sólo antes de los partidos del Benfica. No lo hace en ningún otro partido de ningún otro club.

—¿Por qué no ha denunciado usted el caso a la Justicia?

—He denunciado ante la Federación y ellos han enviado la denuncia al Comité Disciplinario de la Liga Portuguesa. La semana pasada declaré.

—¿Cómo se eligen los árbitros para los partidos en Portugal?

—Es Vitor Pereira el que tiene total libertad para elegir a quien le apetece.

—¿Y no hay mal ambiente entre los árbitros por estas actitudes del presidente del Consejo de Arbitraje?

—Sí, pero tienen miedo de denunciarlo y de que Pereira acabe con sus carreras como acabó con la mía. Soy un ejemplo para ellos de lo que puede pasar. Yo era árbitro internacional y nunca en la historia de Portugal un árbitro internacional había sido descendido a Segunda.

—¿Se puede vivir del arbitraje el Portugal?

—Llega perfectamente para vivir, y bien. Yo soy de la isla de Madeira y todos los partidos que arbitraba eran en el continente. Iba y venía en avión e invertía mucho tiempo, por eso no podía tener otra actividad profesional que no fuera el arbitraje.

—¿Cuánto puede cobrar un árbitro internacional al año en Portugal?

—Depende de los partidos. Pero gana un sueldo de 2.500 euros fijos al mes. Además, 1.200 por partido de Primera, y se cobra 800 en Segunda. No se hace uno rico...

—¿Tiene su relato alguna relación con las quejas del Oporto sobre que el Benfica suele jugar casi siempre en superioridad numérica?

—No puedo afirmar que sí. Estaría diciendo que mis compañeros han cedido ante la presión de Pereira. Pero es normal que una persona que vea toda esta situación desde fuera saque tales conclusiones. Lo que le puedo decir es que Pereira llama a los árbitros antes de los partidos del Benfica. Pero si eso tiene efecto en el campo de juego, no lo puedo afirmar.

—¿Tiene usted conocimiento de que, en algún momento, se moviera dinero para favorecer al Benfica?

—Yo creo que no. Me gustaría que quedara claro que el Benfica nunca me ha llamado o contactado para pedir nada. ¡Nunca! Fui árbitro de Primera durante nueve años y el Benfica, ni ningún club, me ha hecho este tipo de ofrecimiento para que le beneficiara. Yo creo que es una iniciativa del mismo Vitor Pereira con el interés de agradar al único club que le apoya.

—¿Cuánto gana Pereira como presidente del Consejo Arbitral?

—Dicen que 8.000 euros al mes, pero no estoy seguro.

—¿Por qué no actúan los otros clubes ante esta situación?

—Yo creo que lo hacen, y que por eso no le apoyan.

—¿Cómo cree que reaccionará el fútbol portugués ante lo que está contando? Es grave...

—Por eso he elegido el AS, por ser de fuera de Portugal y tener un gran nombre internacional. Así tendrá más impacto en Portugal y en el resto del mundo.

—¿Le fue difícil tomar la decisión de dejar el arbitraje?

—Necesitaba dejarlo para denunciar lo que pasa. No podía hacerlo como árbitro, porque hay sanciones en contra de los árbitros que critican el Consejo Arbitral públicamente.

—Me queda una duda, ¿por qué Vitor Pereira le nombró para la final de Copa si tenía pensado descenderle?

—Lo hizo porque era un partido de máxima rivalidad y muy caliente; si yo lo hacía mal, tenía un motivo para descenderme. El problema fue que lo hice bien y se quedó sin argumentos. Fui el primer y único árbitro internacional de la historia de Madeira. Para mí se queda ese orgullo...


27/10/2015 - Vitor Pereira, CA da FPF
Nomeia árbitro envolvido em processo contra Bruno de Carvalho, ainda em curso no CD da FPF


29/10/2015 - Luis Filipe Vieira, BENFICA
Volta a não desmentir as «Caixas Douradas» e aposta tudo no branqueamento por inacção do «sistema»
Spoiler: mostrar

Luís Filipe Vieira desafia Bruno de Carvalho
O presidente do Benfica respondeu pela primeira vez ao Sporting e ao seu presidente Bruno de Carvalho, mas sem nunca referir o nome do clube rival ou do presidente leonino.

"Se alguém tem razões de queixa do Benfica ou de outro clube qualquer que as apresente às instâncias competentes e espere". As declarações são de Luís Filipe Vieira, em resposta ao presidente do Sporting mas sem nunca referir Bruno de Carvalho. Em causa, as acusações do líder sportinguista ao clube da Luz sobre ofertas aos árbitros.

Esta quinta-feira, num discurso de homenagem a Armando Jorge Carneiro no Estádio da Luz, o presidente do Benfica lembrou que "as palavras têm consequências e essas consequências vão chegar", depois de deixar a mensagem: "deixem de deslumbrar-se com os microfones, respeitem o futebol português e quem nele investe".

Luís Filipe Vieira garantiu ainda que o Benfica não vai ficar de braços cruzados. "Não vamos andar a gritar a nossa razão, vamos apenas reclamá-la onde o devemos fazer", prometeu o líder encarnado.


29/10/2015 - Pinto da Costa, FC PORTO
«O Benfica não negou nenhuma das acusações»
Spoiler: mostrar

PRESIDENTE DO FC PORTO COMENTA POLÉMICA
Pinto da Costa: «O Benfica não negou nenhuma das acusações»

Num artigo intitulado «Os intocáveis», publicado na revista Dragões, Pinto da Costa, presidente do FC Porto, falou das acusações de Marco Ferreira sobre o alegado favorecimento de Vítor Pereira, presidente do Conselho de Arbitragem (CA) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), ao Benfica.

«O Benfica não negou nenhuma das acusações do ex-árbitro e veio com o ‘fait-divers’ de que teria sido o nosso treinador a ‘plantar’ a entrevista, como se fosse possível um jornal espanhol aceitar fazer uma entrevista porque interessava a este ou àquele», escreveu o líder dos dragões, que sublinhou que as declarações do ex-árbitro ao As são idênticas às prestadas à RTP «há alguns meses.»

«O que neste caso realmente importa é saber o porquê de passados meses das denúncias de Marco Ferreira nada ter acontecido quer nas instâncias desportivas, quer nas judiciais, como se o ex-árbitro nunca tivesse falado», prosseguiu Pinto da Costa, que deixou, ao seu estilo irónico, uma mensagem.

«Pode ser que a Federação ou o Ministério Público espanhol investiguem. Porque cá por este retângulo há coisas em que ninguém quer tocar.»


03/11/2015 - José Fontelas Gomes, Presidente da APAF
APAF admite greve só como última medida para parar polémicas
Spoiler: mostrar

Árbitros admitem greve só como última medida para parar polémicas
O presidente da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol, José Fontelas Gomes garantiu que os árbitros não pretendem, nesta altura, parar os campeonatos. Em declarações ao JN, esta terça-feira, admitiu convocar uma greve geral como último recurso se as polémicas continuarem a escalar.

"Não está em causa qualquer paragem de campeonatos. Não é esse o caminho nem a nossa forma de estar. Mas é uma forma de reivindicar algo para a arbitragem", explicou Fontelas Gomes, presidente da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF).

Aquele dirigente negou, ainda, por completo a possibilidade de boicotar apenas jogos do Sporting, mesmo considerando que o presidente do clube de Alvalade, Bruno de Carvalho, tem estado no centro da polémica, com a denúncia das ofertas do Benfica a árbitros e as constantes críticas à atuação dos juízes em jogos dos leões. "Não é essa a hipótese que está em cima da mesa", vincou o responsável da APAF.

No comunicado de segunda-feira, a APAF pediu aos intervenientes para tomarem consciência do que têm sido feito e dito e como está a ser prejudicada a imagem do futebol português, apelando ao bom senso de todos os responsáveis, incluindo Fernando Gomes e Pedro Proença, presidentes da Federação Portuguesa de Futebol e da Liga de Clube, respetivamente.

Algo que Fontelas Gomes reafirmou ao nosso jornal. "Queremos consciencializar as pessoas sobre o que se está a passar", referiu, acrescentando que se for preciso serão os próprios árbitros a tomarem as medidas que considerarem adequadas: "Deixamos é em aberto, qualquer ação que possamos tomar, consoante o que acontecer".


06/11/2015 - Carlos Xistra, Árbitro
Alegadamente as ofertas continuam, com Xistra a ser "presenteado" no Benfica-Sporting
Spoiler: mostrar

Benfica ofereceu prenda a Carlos Xistra no dérbi com o Sporting

Apesar da confusão que o tema tem gerado, o Benfica não mudou de rotinas e continua a oferecer o pack Eusébio com os vouchers para jantar.
Segundo o jornal CM, Carlos Xistra, árbitro do dérbi que o Sporting venceu (0-3 na Luz), escreveu no relatório do jogo que tinha recebido a prenda da parte do Benfica.


06/11/2015 - CII da Liga
Comissão de Inquéritos questiona árbitros sobre prendas do Benfica
Spoiler: mostrar

Comissão de Inquéritos questiona árbitros sobre prendas do Benfica
Orgão disciplinar da Liga de Clubes está a reunir informação sobre caso das caixas com vouchers

A Comissão de Instrução e Inquéritos contactou esta quinta-feira à noite os árbitros, através de email, para os interrogar sobre as ofertas dos clubes, e em particular do Benfica.
 
A notícia foi avançada pela TSF e entretanto também confirmada pelo Maisfutebol.
 
Através de um questionário, o órgão disciplinar da Liga de Clubes coloca três perguntas aos árbitros: se já receberam prendas de algum clube, se se sentiram condicionados por alguma oferta de um clube e, por fim, se receberam e utilizaram alguma oferta do Benfica.
 
Os árbitros têm agora cinco dias para responder a estas três perguntas, também por escrito.
 
A Comissão de Instrução e Inquéritos está desta forma a recolher informação para formular um parecer, que enviará depois para o Conselho de Disciplina da Federação. O parecer não é, obviamente, vinculativo e tanto pode sugerir a abertura de um processo como pode sugerir a ausência de matéria disciplinar.
 
Recorde-se que o Conselho de Disciplina da Federação remeteu o caso das prendas do Benfica aos árbitros para a Comissão de Instrução e Inquéritos da Liga no passado dia 14 de outubro, ficando com esta com a responsabilidade de fazer as necessárias averiguações e emitir um parecer sobre o assunto.


09/11/2015 - Arbitros, (TVI24)
Confirmado que também houve árbitros a jantar no Museu da Cerveja usando os vouchers


11/11/2015 - Árbitros
O "Questionário" da CII aos árbitros
Spoiler: mostrar

Prendas: a pergunta sobre o Benfica e as dúvidas dos árbitros
Inquiridos aconselharam-se junto da APAF antes de preencherem o questionário

Os árbitros, assistentes e observadores que receberam o questionário da Comissão de Instrução e Inquéritos da Liga sobre as prendas dos clubes colocaram dúvidas sobre o preenchimento do mesmo à Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF).

De acordo com informações recolhidas pelo Maisfutebol, não se tratou de uma minuta em forma de decreto – para que todos os árbitros respondessem da mesma forma – mas sim conselhos enviados por e-mail após requisição dos inquiridos.

Ainda assim, tratando-se uma matéria extremamente sensível, é natural que o aconselhamento da APAF tenha sido tido em conta por árbitros, assistentes e observadores.

O questionário tinha três perguntas. Depois de perguntar a nível geral sobre o processo de oferta de prendas e lembranças, a Comissão de Instrução e Inquéritos da Liga abordou claramente o dossier Benfica.

A primeira pergunta enquadrava o cenário na última época e na temporada atual. Por fim, a terceira indicia apenas sobre o clube encarnado.

Eis a questão, a que o Maisfutebol teve acesso:

«No caso de ter interferido em jogo em que o Sport Lisboa e Benfica foi equipa visitada, foi-lhe oferecido algum presente ou alguma vantagem? Se sim, indique o jogo e a vantagem (assim como o momento em que lhe foi oferecida) e diga se viu na oferta uma tentativa de prejudicar a sua imparcialidade no sentido de favorecer o ofertante.»

Em geral, os árbitros responderam que todos os clubes oferecem lembranças no final dos jogos, à frente de testemunhas e sem qualquer tipo de intenção – sentida pelos árbitros – de benefício.

No caso do Benfica, a questão não mencionava os alegados vouchers para jantares (denunciados por Bruno de Carvalho, presidente do Sporting), pelo que dependerá de algum dos 143 inquiridos sobre a égide da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol – para além dos observadores da Liga – abordar diretamente esse tipo de oferta.

Não é possível saber, nesta altura, o que responderam todos os inquiridos.


11/11/2015 - Árbitros, APAF
Árbitros respondem à CII por minuta criada pela APAF, omitindo recebimento e utilizações das «Caixas Douradas»
Spoiler: mostrar

Árbitros garantem que todos os clubes dão lembranças
Os árbitros já responderam às questões colocadas pela Comissão de Inquérito da Liga sobre as alegadas prendas do Benfica. Nestas respostas, a que a TSF teve acesso, os árbitros não confirmam convites para refeições feitos pelo Benfica.

Os 180 árbitros, assistentes e observadores responderam todos da mesma forma. Seguiram uma minuta criada pela APAF (Associação Porruguesa de árbitros de Futebol) e confirmam que o Benfica e outros clubes ofereciam lembranças nos mesmo termos e contextos.

Neste mail de resposta às perguntas da Comissão de Inquérito da Liga, os árbitros nunca usam as expressões "voucher", "refeições", "almoços" ou "jantares". Dizem apenas que, por ser generalizada e circunstancial a entrega de tais ofertas, dependendo às vezes de factos tão concretos como aniversários de clubes, celebrações de feitos desportivos ou evocação de glórias, é impossível recordar ou localizar com precisão se em determinado jogo foi feita essa oferta.

Neste email a que a TSF teve acesso, os juízes explicam ainda que, ao longo da carreira, foi hábito generalizado os clubes oferecerem pequenas lembranças como porta-chaves, galhardetes, cachecóis, livros, camisolas ou produtos regionais como pão, doces e vinhos.

A maioria das vezes estas ofertas foram feitas no final dos jogos, à saída dos balneários e à vista de todos, sendo que nas competições profissionais também os delegados e assistentes da Liga os receberam.

Os 180 árbitros, assistentes e observadores concluem que estas ofertas, de valor irrisório, recebidas por boa educação e cortesia, não afetaram a imparcialidade até porque a entrega era feita no final dos jogos.


11/11/2015 - APAF
APAF garante que houve liberdade total para os inquiridos
Spoiler: mostrar

Prendas: árbitros responderam a questionário da Liga
APAF garante que houve liberdade total para os inquiridos

A Comissão de Instrução e Inquéritos da Liga enviou um questionário a árbitros, assistentes, observadores e delegados sobre as prendas e lembranças oferecidas pelos diversos clubes. O Maisfutebol confirmou que as respostas já foram dadas.

Recorde-se que, nesta quarta-feira, Luís Filipe Vieira, presidente do Benfica, esteve a ser ouvido na sede do organismo sobre o mesmo tema, na sequência de um processo aberto pelo Conselho de Disciplina da Federação após denúncia pública de Bruno de Carvalho, presidente do Sporting, sobre as caixas oferecidas pelo Benfica.

No questionário enviado pela Comissão de Instrução e Inquéritos havia uma pergunta diretamente relacionada com as ofertas do Benfica, embora fosse pedido a árbitros e demais agentes a discriminação de lembranças de todos os clubes.

O Maisfutebol confirmou junto da A Associação Portuguesa de Árbitro de Futebol (APAF) que os seus membros - 143 pessoas - já responderam às questões. Foram auscultados 24 árbitros, 48 assistentes, 12 árbitros estagiários, 24 assistentes estagiários e 35 observadores, para além de delegados da Liga, que não estão inseridos nesta entidade.

Garantindo que cada um «escreveu o que entendeu», José Fontela Gomes - presidente da APAF – não quis comentar a alegada existência de uma minuta enviada aos seus membros para servir de referência para as respostas.

De acordo com a rádio TSF, essa minuta existe e os inquiridos responderam que todos os clubes oferecem lembranças, sem abordar diretamente as alegadas caixas do Benfica. Uma informação que o Maisfutebol não conseguiu confirmar.

O caso seguirá os transmites normais, esperando-se uma clarificação das posições assumidas pelas partes.


11/11/2015 - Luis Filipe Vieira, BENFICA
A Comissão de Instrução e Inquéritos da Liga (CII) ouviu LFV
Spoiler: mostrar

Prendas aos árbitros: Vieira ouvido na Liga
Presidente encarnado apresentou-se perante a Comissão de Instrução e Inquérito

Luís Filipe Vieira deslocou-se nesta quarta-feira à Sede da Liga, no Porto, para ser ouvido na Comissão de Instrução e Inquéritos da Liga. A informação foi adiantada pela Rádio Renascença e confirmada entretanto pelo Maisfutebol.

O presidente do Benfica foi ouvido no âmbito do caso das prendas oferecidas pelo clube aos árbitros que dirigem os jogos da formação principal e da equipa B, e que eram entregues também aos delegados e observadores.

Vieira esteve acompanhado por Paulo Gonçalves, assessor jurídico da SAD, e foi ouvido durante cerca de uma hora.

Recorde-se que o processo foi aberto pelo Conselho de Discplina da Federação (que também remeteu o caso para o Ministério Público), depois de uma entrevista do presidente do Sporting ao programa «Prolongamento», da TVI24, na qual Bruno de Carvalho apresentou uma caixa que incluía uma camisola alusiva a Eusébio e quatro «vouchers» para o Museu da Cerveja, em Lisboa, garantindo que o Benfica a oferecia aos árbitros, delegados e observadores.

O Conselho de Disciplina da FPF abriu então o processo mas remeteu o caso para a Comissão de Instrução e Inquérito da Liga, que ainda vai ouvir Bruno de Carvalho. Ao que o Maisfutebol apurou, a data para tal audiência ainda não está agendada.

Depois desta fase de instrução, entregue à CII, o caso será devolvido ao Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol para uma decisão.





Este post está em evolução, podendo ser acrescentado e/ou rectificado por todos. Para cada inserção façam copy, paste do esquema abaixo para o lugar certo e preencham (não esqueçam o link da notícia):

00/00/0000 - Nome, Instituição
Descrição aqui
« Última modificação: Novembro 26, 2015, 03:42 am por Alex Nogueira »
http://www.dn.pt/desporto/benfica/interior/vieira-explicou-que-prendas-sao-dadas-a-vista-de-todos-4881492.html

A caixa certamente está à vistas de todos, mas o que está la´dentro (4 jantares à la carte para cada um), não.
E é aqui que está o problema.
ESFORÇO, DEDICAÇÃO, DEVOÇÃO E GLÓRIA
https://socionumminuto.pt/
Desde o minuto seguinte ao Presidente ter mostrado na TVI a Caixa Negra, que meio Portugal já sabia em que é que isto ia dar: nada, zero!

Esta é a dura realidade, desde FPF à Liga, passando pela APAF, a cortina de silencio foi total. Do SLB até hoje nem uma palavra sobre o assunto. Agora surge um ridículo inquérito feito aos árbitros que obviamente vai demonstrar que eles nunca se sentiram coagidos na Luz ou no Seixal.

Em breve será anunciado que a Caixa Negra é só uma cortesia sem qualquer malícia. E tudo regressa à normalidade.

Neste futebol Português já vi de tudo. Desde o FCP ser castigado no caso do Apito Dourado com 6 pontos, quando já tinha sido campeão com mais de 10 pontos sobre o 2º. Até mais recentemente um treinador entrar em campo, agredir um jogador e ser multado em 40,00 Euros.

Alguma vez alguém acreditaria que o SBL iria ser punido? Pior ainda, descer de divisão ??

Acho muito bem que o BdC não se cale, para que ninguem se esqueça desta pouca vergonha. Mas não vai passar disso.