NBA |2018 - 2019

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

-13.

É incrível como as dinâmicas dos old Warriors continuam todas lá, apenas algo adormecidas.

E com isso regressam igualmente as insuficiências|vícios de um modelo de jogo alucinante, de movimento permanente, e sem capacidade exterior para lá de apenas dois indivíduos. :mrgreen: Há momentos onde a ânsia pela decisão rápida, pelo antecipar do próximo movimento, pelo pensamento dois bloqueios mais à frente apenas avoluma - como hoje! - as perdas de bola desnecessárias, mas o mero prazer de os ver neste registo que durante alguns anos gerou uma satisfação basquetebolista tão pura na minha pessoa, dá-me logo uma enorme satisfação. É (quase) nostálgico ver o Draymond Green a galopar metros a uma velocidade bizarra, ou tê-lo a organizar tanto (!) em halfcourt, ou a ver tanto bloqueio sob bloqueio em tão poucos segundos.

Dito isto: as lacunas do seu modelo pós-Harrison Barmes são bastante expostas quando Kevin Durant não está presente. A equipa não tem uma 2ª unidade digna de playing time e não existem atiradores para lá da dupla de backcourt, expõe demasiado a eficiência do ataque nos ombros de dois intervenientes e quando os lançamentos não surgem, não existe uma referência que pause o jogo, acalme o tempo de ataque e garanta easy points para estancar hemorragias. É uma equipa mais humana, num desenho mais falível mas que em noite sim, e são várias, ou (quase) todas, produz aquele que é para mim o basket mais bonito|inteligente|colectivo que alguma vez vi. Hoje Portland quer mais, embora o Lillard esteja de rastos fisicamente.

Warriors sem KD... 5V-0D... e show-time!

Maquina de basket!

Warriors sem KD... 5V-0D... e show-time!

2ª parte demolidora: 57-33.

Eu adoro o Terry Stotts mas hoje acho que esteve mal em quase tudo.

Foi demasiado lento a responder à run do 3.º período, não quis alterar a tradicional rotação da equipa e quando respondeu não investiu na dupla que estava a gerar dificuldades no garrafão de Golden State: Kanter - Collins. :menos: Foi demasiado mal aproveitada a ausência de Stephen Curry, Draymond Green e Andre Iguoudala durante os 4|5 minutos iniciais do último período de jogo. Diga-se que terá sido, quiçá, o canto do cisne para o Damian Lillard. Ele está de gatas. Mãos nos joelhos. Passada pesada. Pouca clarividência. É só coração a partir daqui.
Ver os Warriors sem o toldo de ódio e azia que me me cobriu durante 4 largos anos é incrível. :mrgreen:

O Curry é qualquer coisa. Soberbo. Ainda me lembro quando discutia que o Irving poderia ser inserido na mesma linha do Steph. Risório. Só tenho pena que o KD se tenha juntado aos Warriors nestes 3 anos. Possivelmente, tirou-me mais um título (ou não), e tirou-nos, sobretudo, de 3 anos de Steph Curry como peça principal dos Warriors.

Vai-te embora, KD. O mundo do basquetebol suplica.

Enviado do meu SM-G950F através do Tapatalk



"In Northeast Ohio, nothing is given. Everything is earned. You work for what you have.

I’m ready to accept the challenge. I’m coming home." - LeBron James
Os Blazers não têm qualquer chance.

Chegou a ser incomodativo ver os GS começarem a aumentar vantagem e a única solução que tinham era lançar de 3 sem qualquer preparação ou entrar para o cesto o homem que leva a bola para o ataque.

Isto é basket? Muito fraquinho