Votação

Melhor em campo

Rui Patrício
0 (0%)
João Pereira
27 (3.9%)
Polga
0 (0%)
Daniel Carriço
5 (0.7%)
Insúa
0 (0%)
Rinaudo
1 (0.1%)
Schaars
13 (1.9%)
Elias
11 (1.6%)
Matias Fernandez
7 (1%)
Capel
512 (74.7%)
Wolfswinkel
5 (0.7%)
Carrillo
86 (12.6%)
Rubio
1 (0.1%)
Bojinov
11 (1.6%)
Ninguém se destacou
6 (0.9%)

Votos totais: 622

Votação encerrada: Outubro 29, 2011, 22:07 pm

Liga 2011–12 [8ªj.24/10] SPORTING 6-1 Gil Vicente

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

- Parabens ao SCP pela vitoria , uma vitoria bem regada de golos !!-O mundo Leonino estava a precisar disto , neste momento respira-se confiança , nao hà limites e tudo poderà ser possivel , temos de novo direito ao sonho...!                                                                                  -Mas nem tudo sao rosas, existe muita qualidade sim senhor, sobretudo  do meio campo para frente , mas a equipa denota ainda muitas dificuldades no que toca a defender , basta um elemento baixar um pouco o seu hiper rendimento ( Rinaudo ) que logo o SCP fica como que partido em dois com grande buraco a meio , por onde um adversario mais cotado,ambicioso e maturo  poderia ontem ter tirado grandes dividendos ! Aliàs num dos raros lances em que o Gil conseguiu chegar-se à frente , marcou muito facilmente atè, foi um dos lances que me enervou deveras , pois demonstra que defensivamente ainda estamos muito fracos ! - Foi deliciosa esta goleada , atè porque à muito nao a saboreàvamos , mas è preciso descer à terra ; eu pessoalmente preferia ter ganho sò  3-0  e nao ver aquelas intermitencias na defesa , quero um Leao dominador mas seguro  atràs ! -Tambem è verdade que o jogo europeu deixou algumas marcas , mas nao explica tudo e ainda hà muito trabalho a fazer para realmente ficarmos com uma equipa consistente e temida ! -Por enquanto o caminho è este : jogo a jogo ...proximo objectivo 10° vitoria ! Força SPORTING !
Ter garra para escrever o futuro !
O fosso está tapado com o quê?

Hoje acordei de papo cheio  :dance:

Não achei que fosse das melhores exibições do Sporting mas que me deu um prazer enorme... Isso é verdade.

Ainda tenho algumas reservas na defesa pois, julgo, existem algumas paragens cerebrais dos jogadores que, com equipas rápidas e com maior qualidade, podem causar-nos problemas.

Por outro lado, gosto de ver o que os jogadores, na generalidade, deixam em campo. Isto acho que ninguém pode negar. Estou orgulhoso deles por isso.

Vou votar no Carrillo para MVP, não pela importância no jogo todo mas, quando ele entra... Meu Deus... Que classe... Merecia o golo... Estou rendido à qualidade do miúdo. E se continuar a melhorar, daqui a um ou dois anos, não sei não...


Spoooooortiiiiiing
Demorou a desmontar a rede defensiva do Gil mas, depois de conseguido, foi um fartote de golos e oportunidades.
O Sporting está muito forte e encontra soluções para todas as circunstâncias.
Ainda assim, iniciou o jogo no esquema táctico algo confuso, onde Matias, que se constitui como um dos jogadores em melhor forma, jogou completamente fora de posição, dadas as suas características.
Por isso, o jogo do Sporting começou lento e pouco fluido, apenas compensado pela enorme qualidade dos seus intérpretes.
Já na segunda parte, com um Gil corajoso entrando à procura do empate, caiu finalmente a teia defensiva gilista e abriram-se as portas para os leões devorarem o osso à sua vontade.
A entrada de Carrillo acabou por ser o boost que faltava para antingirmos a goleada, conseguindo fazer uns 30-35 minutos finais de verdadeiro luxo.
Por essa razão, e apesar de grandes exibições de quase todos os intervenientes em jogo, com especial destaque para Capel e Elias, considero o MVP de ontem, Carrillo por toda a magia que impôs em campo e em tão pouco tempo, com a particularidades de ter sido competente tanto à direita como à esquerda!
Alguém o referiu aqui há uns tempos e concordo em absoluto... Há ali tanto de Nani!
Foi um jogo em que acabei com sentimentos bem diferentes... por um lado, fico em êxtase por acreditar que podemos ser campeões este ano... por outro, nao foi l muito saudável ver os meu gil Vicente goleado (tal como acontecera com o United)
Vim de Alvalade de papo cheio como há muito não acontecia.  ;D

Arrisco-me a dizer que a última vez que vi ao vivo o Sporting dar 6 foi já no longinquo jogo em Alvalade contra o Halmstads, ainda Jardel espalhava magia no nosso ataque.  ;)

Primeira parte a controlar, a jogar o suficiente para vencer de forma justa. Podíamos ter ido para o intervalo com pelo menos 2-0 que não era escândalo nenhum. Na segunda parte, magia total. Acabámos a jogar com 4 (!!!) avançados e todos a grande rotação.

Cumprimos a nossa obrigação que é vencer estes jogos. Sei que não vai ser fácil sermos campeões mas a continuarmos assim, com esta equipa, se não for este ano, para o ano podemos ter uma palavra a dizer...  ;)
SPORTING CLUBE DE PORTUGAL - O NOSSO GRANDE AMOR!
Eu votei no Schaars porque ele faz a equipa jogar a bola, não se nota muito mas ele mexe com o jogo do Sporting.
Demasiado fiel para desistir ! Só todos unidos podemos VENCER!
Citar
Meia dúzia a garantir que agora ésério


Um triunfo inequívoco que foi um forte alerta à concorrência de que este Sporting é um candidato para levar a sério foi o que a equipa de Domingos Paciência deixou ontem à noite em Alvalade, levado ao rubro pelos sete golos de um jogo em que os leões marcaram meia dúzia. É que o crónico candidato que assume, em definitivo, e com legitimidade, essa condição, sem os desníveis evidentes nos últimos anos, apresentou vastos e credíveis recursos para reclamar um lugar de destaque na luta pelo primeiro lugar no final do campeonato. A começar pela fórmula aplicada na larga maioria dos triunfos, cuja sequência foi ontem elevada a nove, a melhor da carreira do técnico: marcar cedo. Depois, a força de resistir à tentação de resolver logo tudo: a equipa mostrou a serenidade e sobriedade de não perder o controlo do jogo e mandou sempre, com paciência e perseverança, nunca perdendo a noção dos equilíbrios de que não poderia abdicar. Depois, a capacidade de explosão, de arrebatar as bancadas e trucidar o adversário. Por fim, o resultado de tudo isso: uma equipa solidária, equilibrada, desequilibradora, entusiasmante, contagiante e triunfante.

Domingos avisara que não iria proceder a grandes alterações, potenciando o momento de forma e capital anímico dos jogadores, pelo que não foi surpreendente a saída de Pereirinha face ao último onze, para encaixar Elias e Matías - à direita - no conjunto que levara de vencida os romenos do Vaslui, na quinta-feira. Tudo o resto se mantinha - excepção feita ao regresso de Insúa, castigado na Liga Europa, para a lateral esquerda. O eixo defensivo do passado voltou a subir ao relvado e foi... nuclear na entrada a ganhar em que o leão se vai mostrando viciado nesta senda vitoriosa: foi na sequência de ressaltos de um lance estudado que Polga serviu Carriço para o golo inaugural, aos 7'.

O Gil Vicente não perdeu o norte e foi provando a importância do golo do ex-capitão (ontem, voltou a "dar" a braçadeira a Polga) na alvorada do encontro: as linhas recuadas não chegavam a sê-lo o bastante para deixar em perigo a baliza de Adriano, estando os caminhos até lá tapados pelos onze jogadores, que procuravam a transição rápida para o ataque, explorando a velocidade e mobilidade do trio da frente.

Num jogo em que Rinaudo esteve uns furos abaixo do nível sempre elevado em que se tem exibido, foi particularmente importante a movimentação e ocupação de espaços de Elias - sobretudo - e Schaars, para travar as cada vez mais frequentes investidas da equipa de Barcelos e pautar o jogo da equipa, sem precipitações, nem riscos desnecessários. O entendimento de Matías com João Pereira, à direita, resultava no suceder de situações de perigo potencial; Capel, à esquerda, actuava quase em regime de exclusividade.

O intervalo chegou, sem mais golos, e o Gil esboçou a reacção no início da segunda parte. Van Wolfswinkel, presa fácil dos centrais na área resguardada pela defesa que era... toda a equipa, fugiu para a direita, escapou a Halisson, foi derrubado onde a falta é punida com castigo máximo, converteu-o, fez o seu nono golo com o 9 nas costas, e confirmou o que já se configurava como certo: o nono triunfo consecutivo da sua equipa.

Depois, apareceu... Capel. O espanhol, do "alto" dos seus 1,73m, fez dois golos de cabeça, abriu o livro com os seus vibrantes raides e mostrou o caminho da goleada à equipa. Rinaudo saiu de um jogo em que nunca entrara realmente, Rubio entrou para terrenos que não são os seus (o ponta-de-lança chileno jogou pelas alas), já depois de Carrillo render Matías, derivando então da direita para a esquerda, onde continuou a fazer estragos. Capel, que já é herói em Alvalade, deu o lugar, em apoteose, a Bojinov, que se estreou a marcar - e bisou. Estava feita meia dúzia, numa noite perfeita dos leões, que ainda sofreram o tento de honra de um Gil Vicente que foi atropelado por uma equipa que transpira a confiança que lhe vem faltando na última década, que pratica um futebol tão esforçado como o que de melhor se viu nesse período, mas entusiasmante e vibrante.

Para a sequência de dez, segue-se a visita a Santa Maria da Feira. Na Liga, depois, é Leiria e o dérbi. Promete...

In o Jogo
Citar

O Sporting um a um
Capel lidera orquestra
 

Rui Patrício 6

Muito eficiente a sair dos postes, só nada pôde fazer no cabeceamento fatal de Roberto. No mais, nada lhe pode ser apontado.


João Pereira 7

Foi do 47 a primeira tentativa, mas chutou cruzado, ao lado (2'). Quase abriu caminho para o golo num arremesso e pouco depois tentou, ele mesmo, um chapéu negado por Adriano após grande lance colectivo. Momento alto quando surgiu fulgurante, aos 62', para, num cruzamento largo, deixar Capel fazer o resto.


Polga 6

Aproveitou uma sobra na área para servir Carriço no 1-0. Fazer o marcador funcionar é que não é com ele: falhou-o aos 71' e 87', na sequência de cantos. Na sua missão primeira (defender), foi surpreendido por Roberto no tento dos minhotos, mas seria injusto puni-lo quando fez tudo bem, menos os golos.


Carriço 8

O jogo de ontem ilustrou quão decidido está a lutar sem quartel pela titularidade. Surgiu solto na área adversária para abrir o activo e fazer o primeiro traço no desenho da goleada, sendo intransponível a defender. Firme em todas as acções.


Insúa 7

Subiu muito no flanco para combinar com Capel e gerar superioridade numérica. Executou sem êxito um livre, segurou as pontas lá atrás e denotou bom entendimento com Carrillo. Foi do argentino o centro tenso que encontrou Bojinov e o fecho da contagem (90'+2').


Rinaudo 5

Brigão e ousado - é a sua imagem de marca -, fez mesmo assim das suas mais apagadas exibições. Pouco fiável no passe, demasiado quezilento na marcação, só pareceu tranquilizar-se à medida que a equipa ampliou a vantagem, saindo aos 69'.


Elias 7

Com ele, a bola sai (quase) sempre jogável. O internacional brasileiro voltou da ausência europeia para dar fluidez e nervo ao meio-campo, variando com Matías entre a meia e a extrema direitas. Bem a fechar o espaço à oposição nas compensações, cobrou um livre sobre o travessão aos 41'.


Schaars 6

Contributo louvável do médio, mas uns furos abaixo dos parceiros de sector. Tocou mal de primeira um meio-golo que nasceu do centro de Capel, mas tentou jogar simples e estancar as transições gilistas.


Matías Fernández 6

EL Crá alojou-se na direita e fez um jogo personalizado, não decisivo, com vários passes a rasgar a defesa gilista. Antes do intervalo, obrigou Adriano a bela defesa numa sua conversão de livre directo.


Van Wolfswinkel 8

Nove golos em nove jogos! O holandês provocou e marcou ele próprio um penálti, que deu no 2-0, e tentou mais aos 84' e 90'. O "Iceman" dos castigos máximos jogou, fez jogar, marcou e pedir-lhe mais é difícil.


Carrillo 7

Envolvente, de passada larga e técnica vistosa, passou para a banda canhota após a saída de Capel. Esteve na origem do quarto golo, assistiu Bojinov no quinto e, também, no sexto, empurrando para Insúa, que serviu o mesmo certeiro búlgaro.


Diego Rubio 4

Entrou aos 69' e passou para a direita, fora do seu habitat, com o surgimento posterior de Bojinov. No final teve boa combinação com Van Wolfswinkel, debalde.


Bojinov 7

Quebrou o enguiço e de que maneira: dois golos em pouco mais de um quarto de hora mostraram o instinto do búlgaro. Adriano ainda lhe negou um outro, aos 86'.



In o jogo
La la la la-la-la-la
La la la la-la-la-la
la la la la la laaaa...
la la la la la laaaa-a-a-a...
x2

Em frente!
Somos Leões a pensar na vitória
Bandeiras e vozes é [em] dia de Glória
vamos jogar, vamos vencer, gritemos...

Em frente!
Somos campeões rugindo no vento
Lideres [pilhas] na bola a todo o momento
vamos ganhar, poder é crer, em frente!
...

 ;)

Tinha este single em vinil (era verde e tudo), mas voltas da vida fizeram-no desaparecer... :(


Ha! Boa, imagina tu que eu só ouvia 'pilhas'... andei ali pra trás e p´ra frente, e não percebia o que diziam.
Mas pilhas não ficava mal também... ehehehe.
Obrigado.
SL
A verdade é que jogámos de forma lenta, sem intensidade, resolvendo a partida porque de facto existe para ali qualidade e soluções muito acima da média, com um nível de confiança elevado, no momento.

Jogámos de forma lenta e sem intensidade? Se houve alguma coisa neste jogo foi exactamente o contrário caro forista. Enfim as opiniões não se discutem, mas parece que vimos jogos diferentes.

Eu não perco um único jogo do Sporting (quer seja no estádio ou na televisão) e posso afirmar categoricamente que não via o Sporting a jogar com esta velocidade, intensidade e poder ofensivo há MUITO tempo.

Seria interessante (e eu acredito) ganhármos ao Feirense, Vaslui e à U. Leiria e chegar ao aviário da luz com 12 seguidas. Eles até já tremem..

Comparando dinâmicas de Lazio, Guimarães ou Setúbal, assumo que vi menor velocidade com Famalicão, Vaslui e Gil. Posso estar errado, naturalmente, mas foi o que vi.

Não quer com isso dizer que a equipa não esteja a resolver as situações de forma colectiva, apoiada em exibições individuais que estão acima da média, mas em termos de velocidade e até de pressão (ontem houve efectivamente um ou outro momento de pressão muito alta, mas inferiores em numero ao que já vi antes), parece-me que a estratégia actual está um bocado diferente.

Volto a fazer a mesma referência, mesmo que isso seja incómodo para um ou outro, o Sporting teve um calendário bastante acessível se comparando com aquilo que já poderia ter ocorrido. Verdadeiramente difícil apenas a Lazio, todos os restantes adversários, não querendo menosprezar nenhum deles, não podem ser assumidos como obstáculos de monta.

Estou absolutamente à vontade para o escrever porque desde o inicio da época que assumi não esperar resultados desportivos, e pretender "apenas" ver trabalho e evolução, o que até ao momento está a acontecer, pelo que estou satisfeito... estou preparado para a perda de pontos, jogos e objectivos. Estarão muitos dos sportinguistas? Será mais um desafio!
Excelente noite, apenas o sabor amargo de não ter assistido ao primeiro golo do SPORTING, pois existiu muita demora na entrada para o estádio, pelo menos na porta 3. :cartao: (situação a rever, pois parece me que daqui para a frente vamos continuar a ter casa acima dos 30.000).

Já agora, alguém me sabe dizer se existem numeros oficias em relação ao espectadores no estádio. É que se não estou em erro não foi referido durante o encontro e na comunicação social fala-se acima de 30.000 e noutros acima de 35.000.


Saudades de ver o estádio assim..... :clap:

Eu quero ir à bola num domingo à tarde.Eu não quero ver na tv.Abrir uma tocha e cantar bem alto
FORÇA SPORTING ALLEZ
Mas Porquê??? Mas Porquê???.Não posso Porquê???
A culpa é da SPORTTV!!!!!!!!
grande jogo, vi o jogo com um benfiquista ao lado, foi-se embora qd marcamos o 4-0 hahahhaha
o que mais me impressiona, é a garra e qualidade do meio campo.
e depois outra coisa, para alem de um onze excelente, temos uma p*** equipa fora do onze.
jefreen, izma, americano, andre santos, carrillo, bojinov, rubio etc etc
Esforço, Dedicação, Devoção e Gloria.......... CAMPEÕOOOEESSSSS
O fosso está tapado com o quê?


Golos. :dance:

 :rotfl:

Sobre o jogo (que não pude assistir in loco), foi, para mim, mais um grande jogo do Sporting, ainda que, a espaços, tenha sido mais pausado, dando a ideia que os jogadores estavam a acomodar-se ao um zero. No entanto, de repente, lá vinha uma incursão do Capel ou do João Pereira que punha o Gil Vicente em sentido.

Estou ansioso por ver este Sporting jogar com o Malfica e o FêCêPê  :drool:

Por último, para os que dizem que ainda não fomos verdadeiramente postos à prova, gostaria de lembrar que, nos dois últimos anos, qualquer equipa parecia ser um obstáculo imenso para o Sporting. Claro que hoje, com treinador de jeito, apoio de 35 mil leões, qualidade e quantidade na equipa, garra e ambição, é mais dificil uma qualquer equipa representar uma ameaça séria. Claro que as há, mas ja não são todas...

 Ontem fiz uma entorse no joelho esquerdo de tanta vez me levantar para gritar golo ... espero recuperar ate domingo

  :beer: Sl
Carreira para carnide: #71
Encontrei este cartoon hoje no sapo (se calhar até já o meteram aqui) :



NOVE SEGUIDAS



 :rotfl:


 :victory:
(vamos outra pois, qual é a duvida!?)
Agora que já recuperei da euforia da goleada :D Digam-me, não acham que o 1º golo foi algo irregular?

Pergunto pelo seguinte, e ainda bem que não somos sempre prejudicados, mas tb é preciso reconhecer qdo somos beneficiados :p

O Carriço marca, beneficiando de uma situação de fora-de-jogo posicional, ou seja, a bola é endossada a Polga, e Carriço está nessa altura off-side, e a seguir beneficia dessa posição para marcar o 1º golo. Assim sendo, não deveria ter sido invalidado?

De resto, vi e revi o lance do penalty e o do 2º golo do Capel, e ambos me parecem correctos! O Capel está em linha, e aquilo é um penalty claro :p

La La La La La... e o Sporting é o nosso grande Amor!! :D
@ Lion73, é impressão minha ou falta a nota / apreciação ao Capel ?
Citar

O Sporting um a um
Capel lidera orquestra
 

Rui Patrício 6

Muito eficiente a sair dos postes, só nada pôde fazer no cabeceamento fatal de Roberto. No mais, nada lhe pode ser apontado.


João Pereira 7

Foi do 47 a primeira tentativa, mas chutou cruzado, ao lado (2'). Quase abriu caminho para o golo num arremesso e pouco depois tentou, ele mesmo, um chapéu negado por Adriano após grande lance colectivo. Momento alto quando surgiu fulgurante, aos 62', para, num cruzamento largo, deixar Capel fazer o resto.


Polga 6

Aproveitou uma sobra na área para servir Carriço no 1-0. Fazer o marcador funcionar é que não é com ele: falhou-o aos 71' e 87', na sequência de cantos. Na sua missão primeira (defender), foi surpreendido por Roberto no tento dos minhotos, mas seria injusto puni-lo quando fez tudo bem, menos os golos.


Carriço 8

O jogo de ontem ilustrou quão decidido está a lutar sem quartel pela titularidade. Surgiu solto na área adversária para abrir o activo e fazer o primeiro traço no desenho da goleada, sendo intransponível a defender. Firme em todas as acções.


Insúa 7

Subiu muito no flanco para combinar com Capel e gerar superioridade numérica. Executou sem êxito um livre, segurou as pontas lá atrás e denotou bom entendimento com Carrillo. Foi do argentino o centro tenso que encontrou Bojinov e o fecho da contagem (90'+2').


Rinaudo 5

Brigão e ousado - é a sua imagem de marca -, fez mesmo assim das suas mais apagadas exibições. Pouco fiável no passe, demasiado quezilento na marcação, só pareceu tranquilizar-se à medida que a equipa ampliou a vantagem, saindo aos 69'.


Elias 7

Com ele, a bola sai (quase) sempre jogável. O internacional brasileiro voltou da ausência europeia para dar fluidez e nervo ao meio-campo, variando com Matías entre a meia e a extrema direitas. Bem a fechar o espaço à oposição nas compensações, cobrou um livre sobre o travessão aos 41'.


Schaars 6

Contributo louvável do médio, mas uns furos abaixo dos parceiros de sector. Tocou mal de primeira um meio-golo que nasceu do centro de Capel, mas tentou jogar simples e estancar as transições gilistas.


Matías Fernández 6

EL Crá alojou-se na direita e fez um jogo personalizado, não decisivo, com vários passes a rasgar a defesa gilista. Antes do intervalo, obrigou Adriano a bela defesa numa sua conversão de livre directo.


Van Wolfswinkel 8

Nove golos em nove jogos! O holandês provocou e marcou ele próprio um penálti, que deu no 2-0, e tentou mais aos 84' e 90'. O "Iceman" dos castigos máximos jogou, fez jogar, marcou e pedir-lhe mais é difícil.


Carrillo 7

Envolvente, de passada larga e técnica vistosa, passou para a banda canhota após a saída de Capel. Esteve na origem do quarto golo, assistiu Bojinov no quinto e, também, no sexto, empurrando para Insúa, que serviu o mesmo certeiro búlgaro.


Diego Rubio 4

Entrou aos 69' e passou para a direita, fora do seu habitat, com o surgimento posterior de Bojinov. No final teve boa combinação com Van Wolfswinkel, debalde.


Bojinov 7

Quebrou o enguiço e de que maneira: dois golos em pouco mais de um quarto de hora mostraram o instinto do búlgaro. Adriano ainda lhe negou um outro, aos 86'.



In o jogo
@ Lion73, é impressão minha ou falta a nota / apreciação ao Capel ?
Citar

O Sporting um a um
Capel lidera orquestra
 

Rui Patrício 6

Muito eficiente a sair dos postes, só nada pôde fazer no cabeceamento fatal de Roberto. No mais, nada lhe pode ser apontado.


João Pereira 7

Foi do 47 a primeira tentativa, mas chutou cruzado, ao lado (2'). Quase abriu caminho para o golo num arremesso e pouco depois tentou, ele mesmo, um chapéu negado por Adriano após grande lance colectivo. Momento alto quando surgiu fulgurante, aos 62', para, num cruzamento largo, deixar Capel fazer o resto.


Polga 6

Aproveitou uma sobra na área para servir Carriço no 1-0. Fazer o marcador funcionar é que não é com ele: falhou-o aos 71' e 87', na sequência de cantos. Na sua missão primeira (defender), foi surpreendido por Roberto no tento dos minhotos, mas seria injusto puni-lo quando fez tudo bem, menos os golos.


Carriço 8

O jogo de ontem ilustrou quão decidido está a lutar sem quartel pela titularidade. Surgiu solto na área adversária para abrir o activo e fazer o primeiro traço no desenho da goleada, sendo intransponível a defender. Firme em todas as acções.


Insúa 7

Subiu muito no flanco para combinar com Capel e gerar superioridade numérica. Executou sem êxito um livre, segurou as pontas lá atrás e denotou bom entendimento com Carrillo. Foi do argentino o centro tenso que encontrou Bojinov e o fecho da contagem (90'+2').


Rinaudo 5

Brigão e ousado - é a sua imagem de marca -, fez mesmo assim das suas mais apagadas exibições. Pouco fiável no passe, demasiado quezilento na marcação, só pareceu tranquilizar-se à medida que a equipa ampliou a vantagem, saindo aos 69'.


Elias 7

Com ele, a bola sai (quase) sempre jogável. O internacional brasileiro voltou da ausência europeia para dar fluidez e nervo ao meio-campo, variando com Matías entre a meia e a extrema direitas. Bem a fechar o espaço à oposição nas compensações, cobrou um livre sobre o travessão aos 41'.


Schaars 6

Contributo louvável do médio, mas uns furos abaixo dos parceiros de sector. Tocou mal de primeira um meio-golo que nasceu do centro de Capel, mas tentou jogar simples e estancar as transições gilistas.


Matías Fernández 6

EL Crá alojou-se na direita e fez um jogo personalizado, não decisivo, com vários passes a rasgar a defesa gilista. Antes do intervalo, obrigou Adriano a bela defesa numa sua conversão de livre directo.


Van Wolfswinkel 8

Nove golos em nove jogos! O holandês provocou e marcou ele próprio um penálti, que deu no 2-0, e tentou mais aos 84' e 90'. O "Iceman" dos castigos máximos jogou, fez jogar, marcou e pedir-lhe mais é difícil.


Carrillo 7

Envolvente, de passada larga e técnica vistosa, passou para a banda canhota após a saída de Capel. Esteve na origem do quarto golo, assistiu Bojinov no quinto e, também, no sexto, empurrando para Insúa, que serviu o mesmo certeiro búlgaro.


Diego Rubio 4

Entrou aos 69' e passou para a direita, fora do seu habitat, com o surgimento posterior de Bojinov. No final teve boa combinação com Van Wolfswinkel, debalde.


Bojinov 7

Quebrou o enguiço e de que maneira: dois golos em pouco mais de um quarto de hora mostraram o instinto do búlgaro. Adriano ainda lhe negou um outro, aos 86'.



In o jogo

O Capel foi a estrela. Tem apreciação à parte...  :)

Citar
A ESTRELA

Capel 8
O diabo verde leva-os ao inferno

Joga como um homem possuído e contagia as bancadas como nenhum outro. Com o seu futebol incisivo, agitado, vibrante, o extremo canhoto é cada vez mais um ídolo de Alvalade, palco onde diz ter redescoberto a alegria pelo jogo. Ontem, o camisola 11 até mostrou que a sua altura meã não é limitação: marcou dois golos, ambos de cabeça. O recital começou quando ofereceu um golo a Schaars aos 33', mas o holandês esbanjou. Sempre a ganhar a linha, assistiu para a cabeça de Van Wolfswinkel, novamente debalde. O espanhol é de palmo e meio, mas saltou do alto da sua pequenez e respondeu à cabeçada para fazer o 3-0, após belo centro de João Pereira. Para provar que não foi acaso, repetiu a dose, isolado, numa recarga.

in O Jogo