Alteração de Estatutos - AG dia 23 de Julho 2011, 14:00 (sábado)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Para finalizar e desde ja peco desculpa se exagerei... Mas *** depois daquela super AG levar com aquela capa do jogo... Senti vergonha... No minimo na inside info ou topico dos bufos no maximo paredes da familia que esteve presente

Parabens pelo trabalho da comissao, veio tarde, era logo a seguir ao congresso, mas tanto aconteceu que ate percebo.

No geral concordámos com o proposto.
Temos novos caminhos a explorar mesmo que nao concordemos com esta ou aquela proposta, alinea, lencol, palanques de sonho...
Estivemos bem
Fomos SPORTING









Quem nao percebe porque quero Leões em vez de gatos pode continuar a navegar na maionesse
« Última modificação: Julho 25, 2011, 13:18 pm por CARLOS10ALMEIDA »


SAUDAÇÕES LEONINAS
CARLOS ALMEIDA
16.126
SPORTING SEMPRE 10RGULH0
O que vai acontecer é que vão ser criados dois ou três escalões 'inferiores ao base', baseados em políticas comerciais decididas pelo CD.

Vão ter cotas mais baixas que o escalão base, vão ter limitações na aquisição de GBs e provavelmente vão ter um sistema de pontos que os incentive e lhes proporcione vantagens na aquisição de merchandising e bilhetes, à semelhança do sistema de pontos actual, mas que reflicta o imenso know-how do vice Barbosa na área.
O que vai acontecer é que vão ser criados dois ou três escalões 'inferiores ao base', baseados em políticas comerciais decididas pelo CD.

Vão ter cotas mais baixas que o escalão base, vão ter limitações na aquisição de GBs e provavelmente vão ter um sistema de pontos que os incentive e lhes proporcione vantagens na aquisição de merchandising e bilhetes, à semelhança do sistema de pontos actual, mas que reflicta o imenso know-how do vice Barbosa na área.

   Acredita que já tinha pensado nessa hipótese, como recurso de modo a não perder associados correspondentes. De qualquer modo, há alguns problemas inerentes a essa solução e que têm complexa resolução. A não ser que se mantenha uma categoria idêntica à actual categoria dos sócios correspondentes, mas o quadro eleitoral definido não favorece essa solução, não há meio-voto, nem um terço de voto, e deixam de existir na categoria de efectivos sócios sem capacidade de votar.

   Por um lado parece-me mesmo uma solução de recurso que poderá ser adaptada, por outro parece-me que foge ao âmbito geral (porque há ainda várias indefinições) do que foi votado na proposta de alteração de estatutos.
« Última modificação: Julho 25, 2011, 02:11 am por HULK VERDE »
   Tens toda a razão quanto ao teu post-script, o que interessa é toda a gente ficar esclarecida e informada. Porém era interessante que isso acontecesse o mais tardar à data da votação, e não posteriormente, o que mesmo assim ainda não se verifica totalmente.

   O que quero dizer é que faria mais sentido, mesmo levando em conta a alegada "urgência por causa das políticas e questões comerciais", ter definido os quadros e tabelas, assim como os direitos das novas categorias de associados, a priori, à data da AG, e não ter um esboço de proposta de alteração, e continuar com indefinições mesmo a posteriori da votação.

   A pressa, ou precipitação, deste processo leva a estas situações de confusão, e dificuldades de comunicação e interpretação. O que é certo é que há coisas que foram votadas, mas que não se sabe ainda o que vão implicar, a situação dos actuais sócios correspondentes é uma delas e talvez a mais sensível e premente. E eles não sabem o enquadramento novo que vão passar a ter, e se concordam com ele ou o podem suportar.

   A pressa é inimiga da perfeição, depressa e bem, não há quem (sem querer fazer disto verdades insofismáveis, são provérbios, ditos populares).

Pois, percebo-te bem e acho que tens toda a razão.
Infelizmente o que me parece é que os nossos dirigentes e membros do CL têm a ideia de que os sócios acham que eles têm bom senso e por isso conseguem aceitar as coisas sem todas as explicações.... do género:  "Opah isso não é preciso definir e clarificar já nesta altura, os sócios sabem bem que podem confiar em nós e no nosso bom senso, nós não somos malucos, eles sabem que vamos fazer as coisas com cabeça...".
Claro que na realidade, isso não é assim nem nos podemos dar a esse "luxo", de achar que eles têm bom senso.
És um verdadeiro Leão na Internet... mas ainda não és sócio? Muda isso num só minuto, faz-te sócio e sê uma voz activa/participativa no nosso clube! Precisamos da ajuda de todos os Sportinguistas! -> https://socionumminuto.pt

RESULTADOS E CONCLUSÕES DA AUDITORIA DE GESTÃO 1995-2013
Voltando ao mesmo tema dos sócios correspondentes  ^-^  alguem me sabe informar se o direito a comprar bilhete sócio continua a ser só de 4 jogos por ano civil? Ou com a alteraçao nos estatutos e consequente aumento de quota, aumentaram tambem o direito a mais um ou dois jogos.
O Sporting somos sempre nós!
Voltando ao mesmo tema dos sócios correspondentes  ^-^  alguem me sabe informar se o direito a comprar bilhete sócio continua a ser só de 4 jogos por ano civil? Ou com a alteraçao nos estatutos e consequente aumento de quota, aumentaram tambem o direito a mais um ou dois jogos.

Infelizmente até agora não há certezas, porque os nossos dirigentes ainda não informaram nada acerca dessas questões comerciais.
Mas tendo em conta, que agora todos os sócios maiores de idade são sócios efectivos, ou seja, os sócios correspondentes deixam de existir, o que para mim tem lógica é que todos os efectivos ( de escalão base ou inferior ) tenham direito a comprar bilhetes a preço de sócio para todos os jogos da época, no máximo vão existir diferenças de preço entre os escalões. Qualquer coisa fora disto, para mim não é razoável, porque afinal de contas, agora vão ser todos sócios Efectivos.

Já agora, ainda não se sabe se a quota dos sócios de escalão inferior vai ser igual ou maior que a actual quota do sócio correspondente, mas penso que deve ser fixada entre os 5 e 6€, vamos ver...
És um verdadeiro Leão na Internet... mas ainda não és sócio? Muda isso num só minuto, faz-te sócio e sê uma voz activa/participativa no nosso clube! Precisamos da ajuda de todos os Sportinguistas! -> https://socionumminuto.pt

RESULTADOS E CONCLUSÕES DA AUDITORIA DE GESTÃO 1995-2013
Voltando ao mesmo tema dos sócios correspondentes  ^-^  alguem me sabe informar se o direito a comprar bilhete sócio continua a ser só de 4 jogos por ano civil? Ou com a alteraçao nos estatutos e consequente aumento de quota, aumentaram tambem o direito a mais um ou dois jogos.

Infelizmente até agora não há certezas, porque os nossos dirigentes ainda não informaram nada acerca dessas questões comerciais.
Mas tendo em conta, que agora todos os sócios maiores de idade são sócios efectivos, ou seja, os sócios correspondentes deixam de existir, o que para mim tem lógica é que todos os efectivos ( de escalão base ou inferior ) tenham direito a comprar bilhetes a preço de sócio para todos os jogos da época, no máximo vão existir diferenças de preço entre os escalões. Qualquer coisa fora disto, para mim não é razoável, porque afinal de contas, agora vão ser todos sócios Efectivos.

Já agora, ainda não se sabe se a quota dos sócios de escalão inferior vai ser igual ou maior que a actual quota do sócio correspondente, mas penso que deve ser fixada entre os 5 e 6€, vamos ver...

Sendo assim haveria 3 preços possiveis para 1 bilhete? Bilhete não socio, socio escalão base e socio escalao base inferior? Caso fosse isso aceita-se o aumento de quota.
O Sporting somos sempre nós!
Voltando ao mesmo tema dos sócios correspondentes  ^-^  alguem me sabe informar se o direito a comprar bilhete sócio continua a ser só de 4 jogos por ano civil? Ou com a alteraçao nos estatutos e consequente aumento de quota, aumentaram tambem o direito a mais um ou dois jogos.

Infelizmente até agora não há certezas, porque os nossos dirigentes ainda não informaram nada acerca dessas questões comerciais.
Mas tendo em conta, que agora todos os sócios maiores de idade são sócios efectivos, ou seja, os sócios correspondentes deixam de existir, o que para mim tem lógica é que todos os efectivos ( de escalão base ou inferior ) tenham direito a comprar bilhetes a preço de sócio para todos os jogos da época, no máximo vão existir diferenças de preço entre os escalões. Qualquer coisa fora disto, para mim não é razoável, porque afinal de contas, agora vão ser todos sócios Efectivos.

Já agora, ainda não se sabe se a quota dos sócios de escalão inferior vai ser igual ou maior que a actual quota do sócio correspondente, mas penso que deve ser fixada entre os 5 e 6€, vamos ver...

Sendo assim haveria 3 preços possiveis para 1 bilhete? Bilhete não socio, socio escalão base e socio escalao base inferior? Caso fosse isso aceita-se o aumento de quota.

Sim, existindo diferenças no preço entre os escalões seria assim, mas ainda não se sabe como vai ser, isso é apenas uma das hipóteses.
És um verdadeiro Leão na Internet... mas ainda não és sócio? Muda isso num só minuto, faz-te sócio e sê uma voz activa/participativa no nosso clube! Precisamos da ajuda de todos os Sportinguistas! -> https://socionumminuto.pt

RESULTADOS E CONCLUSÕES DA AUDITORIA DE GESTÃO 1995-2013
Ainda não vi em parte nenhuma que tivesse sido aprovado o tal  Artigo 22º que permitiria à Direcção sem a consulta dos sócios em AG, poder indexar o aumento anual das quotas até 2,5% do salário mínimo.

No entanto, o mais importante foi chumbado. O Artigo 44º que retiraria todo o poder aos sócios e que extinguiria por assim dizer, as Assembleias Gerais em benefício do Conselho de Situacionista(s).

Quanto ao Artigo 32º que propunha a apresentação de contas consolidadas em empresas em que o Sporting detivesse ou controlasse mais de 50% de forma directa ou indirecta, o que foi discutido e proposto por Bruno de Carvalho, foi que se apresentassem contas consolidadas mesmo que o Sporting não detivesse os tais 50%.
Como nenhuma obteve os 75% de aprovação necessários, quer em votos quer em votantes, as propostas foram reprovadas.

Li hoje que o presidente cooptado e ilegítimo Godinho Lopes, se lamentou com lágrimas de crocodilo, por tal Artigo não ter sido aprovado.
O que acontece, é que mesmo não tendo sido aprovado, nada impede que Godinho Lopes apresente essas contas consolidadas.

Se estivéssemos a lidar com gente séria, o que manifestamente não é o caso, ao invés de se lamentar hipocritamente com o resultado obtido, diria que mesmo assim e a bem da transparência e da credibilidade apregoada até à exaustão, mesmo que em cassete pirata, não teria nada a esconder e que os resultados consolidados seriam apresentados aos sócios.

Quanto à Assembleia propriamente dita, verificou-se uma fraquíssima adesão. Diria que apertadinhos e com boa vontade quase caberiam todos no Auditório.
As razões para tal falta de adesão, serão certamente muitas, mas a verdade é que escaparam à organização, leia-se direcção, que não fez a coisa por menos e alugou o Pavilhão Atlântico.
Dado o fracasso da decisão e a maratona que se verificou desde as 14h até às 3 e meia da manhã, chegou mesmo a correr a versão de que a razão de tal escolha, ter-se-ia prendido com o facto de Godinho Lopes alegadamente adoentado, poder pernoitar num dos paquetes da Expo 98.

Desde o início da Assembleia que ficou claro à vista de todos, que os inclassificáveis Dias Ferreira e Rui Oliveira e Costa pretendiam ser as cabeças de cartaz, os donos da Assembleia e os pais da alteração dos estatutos, nomeadamente no que dizia respeito ao Artigo 44º que retirava de uma vez por todas todo o poder aos sócios e que delegaria todos os poderes ao Conselho de Situacionista(s), pondo assim, praticamente fim às Assembleias Gerais dos sócios, no cumprimento das recomendações encomendadas e apresentadas por eles próprios no Congresso Fantoche de Santarém.

Saiu-lhes o tiro pela culatra.
Foram ridicularizados, gozados, vaiados e motivo de escárnio por parte dos sócios presentes.
Dias Ferreira, ao verificar a triste figura a que estava a ser submetido, chegou mesmo a abandonar o Pavilhão debaixo da risada e da zombaria da Assembleia, que não o poupou com frases como:

"Vai-te embora!", "Chulo, não fazes cá falta!", "Cuidado com as escadas!", "Vai ter com o chinês!"

Oliveira e Costa, percebendo o que o esperava, resolveu meter a viola no saco e resumiu-se à sua insignificância de verme rastejante.
No final a proposta indecorosa foi chumbada e só espero que nunca mais, nenhuma direcção, nem ninguém, tenha o descaramento de a voltar a propor aos sócios, mesmo que camuflada de Assembleia Referendária, tão do agrado do ainda presidente cooptado.

Em relação à intervenção do Vice-Presidente Carlos Barbosa, deu para perceber que não goza da simpatia de ninguém, devido à sua arrogância, à sua pseudo-superioridade bacoca, à sua prepotência saloia e à total falta de sensibilidade e conhecimentos do que é o Sporting.

Também interveio o jovem muito senhor de si próprio e para quem a vaidade e o ridículo não têm limites, o vogal da direcção, João Pedro Varandas.

Como não poderia deixar de ser, também ele foi motivo chacota, de desdém e desprezo por parte dos sócios, revelando para quem ainda não o conhecia, ser um petulante, um pavão emproado, em suma, aquilo a que se pode chamar de um perfeito imbecil.

Como se pode perceber, neste cenário cansativo e deprimente, num misto de comédia indiana com filme de terror mexicano, só faltaram mesmo as intervenções do detestável José Filipe Castro Guedes e do "credível" Godinho Lopes, que ainda assim guardou para o fim umas palavras imperceptíveis, mas que ninguém lhe passou cartão.

Embora a Assembleia em si tenha sido mal preparada, mal enjorcada e feita em cima do joelho, nem tudo foi mau.

Salvou-se a convivência entre aqueles que não se vergam, verificar que estes corpos sociais não colhem a simpatia dos sócios,  não têm margem de manobra e o chumbo das delegações e do esvaziamento dos sócios.

Fico a aguardar pela marcação de eleições antecipadas.





 

 

 

 
  
Ainda não vi em parte nenhuma que tivesse sido aprovado o tal  Artigo 22º que permitiria à Direcção sem a consulta dos sócios em AG, poder indexar o aumento anual das quotas até 2,5% do salário mínimo.

No entanto, o mais importante foi chumbado. O Artigo 44º que retiraria todo o poder aos sócios e que extinguiria por assim dizer, as Assembleias Gerais em benefício do Conselho de Situacionista(s).

Quanto ao Artigo 32º que propunha a apresentação de contas consolidadas em empresas em que o Sporting detivesse ou controlasse mais de 50% de forma directa ou indirecta, o que foi discutido e proposto por Bruno de Carvalho, foi que se apresentassem contas consolidadas mesmo que o Sporting não detivesse os tais 50%.
Como nenhuma obteve os 75% de aprovação necessários, quer em votos quer em votantes, as propostas foram reprovadas.

Li hoje que o presidente cooptado e ilegítimo Godinho Lopes, se lamentou com lágrimas de crocodilo, por tal Artigo não ter sido aprovado.
O que acontece, é que mesmo não tendo sido aprovado, nada impede que Godinho Lopes apresente essas contas consolidadas.

Se estivéssemos a lidar com gente séria, o que manifestamente não é o caso, ao invés de se lamentar hipocritamente com o resultado obtido, diria que mesmo assim e a bem da transparência e da credibilidade apregoada até à exaustão, mesmo que em cassete pirata, não teria nada a esconder e que os resultados consolidados seriam apresentados aos sócios.

Quanto à Assembleia propriamente dita, verificou-se uma fraquíssima adesão. Diria que apertadinhos e com boa vontade quase caberiam todos no Auditório.
As razões para tal falta de adesão, serão certamente muitas, mas a verdade é que escaparam à organização, leia-se direcção, que não fez a coisa por menos e alugou o Pavilhão Atlântico.
Dado o fracasso da decisão e a maratona que se verificou desde as 14h até às 3 e meia da manhã, chegou mesmo a correr a versão de que a razão de tal escolha, ter-se-ia prendido com o facto de Godinho Lopes alegadamente adoentado, poder pernoitar num dos paquetes da Expo 98.

Desde o início da Assembleia que ficou claro à vista de todos, que os inclassificáveis Dias Ferreira e Rui Oliveira e Costa pretendiam ser as cabeças de cartaz, os donos da Assembleia e os pais da alteração dos estatutos, nomeadamente no que dizia respeito ao Artigo 44º que retirava de uma vez por todas todo o poder aos sócios e que delegaria todos os poderes ao Conselho de Situacionista(s), pondo assim, praticamente fim às Assembleias Gerais dos sócios, no cumprimento das recomendações encomendadas e apresentadas por eles próprios no Congresso Fantoche de Santarém.

Saiu-lhes o tiro pela culatra.
Foram ridicularizados, gozados, vaiados e motivo de escárnio por parte dos sócios presentes.
Dias Ferreira, ao verificar a triste figura a que estava a ser submetido, chegou mesmo a abandonar o Pavilhão debaixo da risada e da zombaria da Assembleia, que não o poupou com frases como:

"Vai-te embora!", "Chulo, não fazes cá falta!", "Cuidado com as escadas!", "Vai ter com o chinês!"

Oliveira e Costa, percebendo o que o esperava, resolveu meter a viola no saco e resumiu-se à sua insignificância de verme rastejante.
No final a proposta indecorosa foi chumbada e só espero que nunca mais, nenhuma direcção, nem ninguém, tenha o descaramento de a voltar a propor aos sócios, mesmo que camuflada de Assembleia Referendária, tão do agrado do ainda presidente cooptado.

Em relação à intervenção do Vice-Presidente Carlos Barbosa, deu para perceber que não goza da simpatia de ninguém, devido à sua arrogância, à sua pseudo-superioridade bacoca, à sua prepotência saloia e à total falta de sensibilidade e conhecimentos do que é o Sporting.

Também interveio o jovem muito senhor de si próprio e para quem a vaidade e o ridículo não têm limites, o vogal da direcção, João Pedro Varandas.

Como não poderia deixar de ser, também ele foi motivo chacota, de desdém e desprezo por parte dos sócios, revelando para quem ainda não o conhecia, ser um petulante, um pavão emproado, em suma, aquilo a que se pode chamar de um perfeito imbecil.

Como se pode perceber, neste cenário cansativo e deprimente, num misto de comédia indiana com filme de terror mexicano, só faltaram mesmo as intervenções do detestável José Filipe Castro Guedes e do "credível" Godinho Lopes, que ainda assim guardou para o fim umas palavras imperceptíveis, mas que ninguém lhe passou cartão.

Embora a Assembleia em si tenha sido mal preparada, mal enjorcada e feita em cima do joelho, nem tudo foi mau.

Salvou-se a convivência entre aqueles que não se vergam, verificar que estes corpos sociais não colhem a simpatia dos sócios,  não têm margem de manobra e o chumbo das delegações e do esvaziamento dos sócios.


Fico a aguardar pela marcação de eleições antecipadas.
 

 :arrow:

Muito Bom!
"Reforçamos ainda a solução que temos vindo a defender para a sustentabilidade do Clube:
a)   O afastamento do Clube de todos os dirigentes envolvidos no “Projecto Roquette” e com responsabilidades na gravíssima situação actual, apuradas após a realização de uma verdadeira auditoria de gestão. Pedido de indemnização cível pelos danos causados ao Sporting Clube de Portugal;
b)    A renegociação firme, corajosa e realista da dívida bancária, de forma a reduzir drasticamente os encargos financeiros anuais; 
c)    A redução drástica dos custos com pessoal, como ponto de partida para que se alcance o equilíbrio da exploração operacional. Se analisarmos as últimas épocas, bem como o descalabro no balanço entre contratações e vendas de jogadores, facilmente verificamos duas realidades: (i) maior investimento não tem sido sinónimo de maior rendimento desportivo, (ii) os maiores encaixes financeiros com venda de jogadores foram com jogadores formados no Clube, e não com jogadores adquiridos pelas administrações e gestores de activos profissionais da SAD."
 - Candidatura Independente ao Conselho Fiscal e Disciplinar
Ainda não vi em parte nenhuma que tivesse sido aprovado o tal  Artigo 22º que permitiria à Direcção sem a consulta dos sócios em AG, poder indexar o aumento anual das quotas até 2,5% do salário mínimo.

No entanto, o mais importante foi chumbado. O Artigo 44º que retiraria todo o poder aos sócios e que extinguiria por assim dizer, as Assembleias Gerais em benefício do Conselho de Situacionista(s).

Quanto ao Artigo 32º que propunha a apresentação de contas consolidadas em empresas em que o Sporting detivesse ou controlasse mais de 50% de forma directa ou indirecta, o que foi discutido e proposto por Bruno de Carvalho, foi que se apresentassem contas consolidadas mesmo que o Sporting não detivesse os tais 50%.
Como nenhuma obteve os 75% de aprovação necessários, quer em votos quer em votantes, as propostas foram reprovadas.

Li hoje que o presidente cooptado e ilegítimo Godinho Lopes, se lamentou com lágrimas de crocodilo, por tal Artigo não ter sido aprovado.
O que acontece, é que mesmo não tendo sido aprovado, nada impede que Godinho Lopes apresente essas contas consolidadas.

Se estivéssemos a lidar com gente séria, o que manifestamente não é o caso, ao invés de se lamentar hipocritamente com o resultado obtido, diria que mesmo assim e a bem da transparência e da credibilidade apregoada até à exaustão, mesmo que em cassete pirata, não teria nada a esconder e que os resultados consolidados seriam apresentados aos sócios.

Quanto à Assembleia propriamente dita, verificou-se uma fraquíssima adesão. Diria que apertadinhos e com boa vontade quase caberiam todos no Auditório.
As razões para tal falta de adesão, serão certamente muitas, mas a verdade é que escaparam à organização, leia-se direcção, que não fez a coisa por menos e alugou o Pavilhão Atlântico.
Dado o fracasso da decisão e a maratona que se verificou desde as 14h até às 3 e meia da manhã, chegou mesmo a correr a versão de que a razão de tal escolha, ter-se-ia prendido com o facto de Godinho Lopes alegadamente adoentado, poder pernoitar num dos paquetes da Expo 98.

Desde o início da Assembleia que ficou claro à vista de todos, que os inclassificáveis Dias Ferreira e Rui Oliveira e Costa pretendiam ser as cabeças de cartaz, os donos da Assembleia e os pais da alteração dos estatutos, nomeadamente no que dizia respeito ao Artigo 44º que retirava de uma vez por todas todo o poder aos sócios e que delegaria todos os poderes ao Conselho de Situacionista(s), pondo assim, praticamente fim às Assembleias Gerais dos sócios, no cumprimento das recomendações encomendadas e apresentadas por eles próprios no Congresso Fantoche de Santarém.

Saiu-lhes o tiro pela culatra.
Foram ridicularizados, gozados, vaiados e motivo de escárnio por parte dos sócios presentes.
Dias Ferreira, ao verificar a triste figura a que estava a ser submetido, chegou mesmo a abandonar o Pavilhão debaixo da risada e da zombaria da Assembleia, que não o poupou com frases como:

"Vai-te embora!", "Chulo, não fazes cá falta!", "Cuidado com as escadas!", "Vai ter com o chinês!"

Oliveira e Costa, percebendo o que o esperava, resolveu meter a viola no saco e resumiu-se à sua insignificância de verme rastejante.
No final a proposta indecorosa foi chumbada e só espero que nunca mais, nenhuma direcção, nem ninguém, tenha o descaramento de a voltar a propor aos sócios, mesmo que camuflada de Assembleia Referendária, tão do agrado do ainda presidente cooptado.

Em relação à intervenção do Vice-Presidente Carlos Barbosa, deu para perceber que não goza da simpatia de ninguém, devido à sua arrogância, à sua pseudo-superioridade bacoca, à sua prepotência saloia e à total falta de sensibilidade e conhecimentos do que é o Sporting.

Também interveio o jovem muito senhor de si próprio e para quem a vaidade e o ridículo não têm limites, o vogal da direcção, João Pedro Varandas.

Como não poderia deixar de ser, também ele foi motivo chacota, de desdém e desprezo por parte dos sócios, revelando para quem ainda não o conhecia, ser um petulante, um pavão emproado, em suma, aquilo a que se pode chamar de um perfeito imbecil.

Como se pode perceber, neste cenário cansativo e deprimente, num misto de comédia indiana com filme de terror mexicano, só faltaram mesmo as intervenções do detestável José Filipe Castro Guedes e do "credível" Godinho Lopes, que ainda assim guardou para o fim umas palavras imperceptíveis, mas que ninguém lhe passou cartão.

Embora a Assembleia em si tenha sido mal preparada, mal enjorcada e feita em cima do joelho, nem tudo foi mau.

Salvou-se a convivência entre aqueles que não se vergam, verificar que estes corpos sociais não colhem a simpatia dos sócios,  não têm margem de manobra e o chumbo das delegações e do esvaziamento dos sócios.

Fico a aguardar pela marcação de eleições antecipadas.
  

 :clap:
Estranho a demora da saída dos resultados oficiais. Será que ainda estão a afinar?
Já aqui perguntei, mas se calhar não fui esclarecedor na questão. Dos foristas que estiveram presentes na assembleia, nos artigos relativos aos novos escalões de sócios, houve discussão acerca das possíveis restrições de sócios com escalão inferior ao base? Pois a proposta de alteração apenas prevê a diferença no nº de votos...  ???
Já aqui perguntei, mas se calhar não fui esclarecedor na questão. Dos foristas que estiveram presentes na assembleia, nos artigos relativos aos novos escalões de sócios, houve discussão acerca das possíveis restrições de sócios com escalão inferior ao base? Pois a proposta de alteração apenas prevê a diferença no nº de votos...  ???

Houve algumas propostas nesse sentido, por exemplo impossibilitar que sócios que não sejam do escalão máximo se pudessem candidatar a orgaõs sociais. Mas acho que nada disso foi aprovado. Penso que a unica restrição nos estatutos, a confirmar-se, é a diferente progressão em número de votos.
"An army of sheep led by a lion can defeat an army of lions led by a sheep"
Já aqui perguntei, mas se calhar não fui esclarecedor na questão. Dos foristas que estiveram presentes na assembleia, nos artigos relativos aos novos escalões de sócios, houve discussão acerca das possíveis restrições de sócios com escalão inferior ao base? Pois a proposta de alteração apenas prevê a diferença no nº de votos...  ???

Houve algumas propostas nesse sentido, por exemplo impossibilitar que sócios que não sejam do escalão máximo se pudessem candidatar a orgaõs sociais. Mas acho que nada disso foi aprovado. Penso que a unica restrição nos estatutos, a confirmar-se, é a diferente progressão em número de votos.

Nem a possível restrição da distância de um X de quilómetros relativamente a Lisboa (que foi falado antes da assembleia)?  :o Ou seja, vamos ter o que já esperava, 90% dos sócios que actualmente pagam 12€ vão passar para um escalão inferior, e as receitas do clube vão diminuir... Enfim...
Já aqui perguntei, mas se calhar não fui esclarecedor na questão. Dos foristas que estiveram presentes na assembleia, nos artigos relativos aos novos escalões de sócios, houve discussão acerca das possíveis restrições de sócios com escalão inferior ao base? Pois a proposta de alteração apenas prevê a diferença no nº de votos...  ???

Infelizmente não ficou claro, apesar da questão ter sido levantada tanto nas sessões de esclarecimento, como na própria Assembleia Geral.

Querer mudar Estatutos à pressa dá nisto...
"Reforçamos ainda a solução que temos vindo a defender para a sustentabilidade do Clube:
a)   O afastamento do Clube de todos os dirigentes envolvidos no “Projecto Roquette” e com responsabilidades na gravíssima situação actual, apuradas após a realização de uma verdadeira auditoria de gestão. Pedido de indemnização cível pelos danos causados ao Sporting Clube de Portugal;
b)    A renegociação firme, corajosa e realista da dívida bancária, de forma a reduzir drasticamente os encargos financeiros anuais; 
c)    A redução drástica dos custos com pessoal, como ponto de partida para que se alcance o equilíbrio da exploração operacional. Se analisarmos as últimas épocas, bem como o descalabro no balanço entre contratações e vendas de jogadores, facilmente verificamos duas realidades: (i) maior investimento não tem sido sinónimo de maior rendimento desportivo, (ii) os maiores encaixes financeiros com venda de jogadores foram com jogadores formados no Clube, e não com jogadores adquiridos pelas administrações e gestores de activos profissionais da SAD."
 - Candidatura Independente ao Conselho Fiscal e Disciplinar
Isto começa a não fazer sentido, quero ver que nomes é que vão arranjar...

Sócio
Meio-sócio
Um-terço-de-sócio
Sóciozinho

ou

Sócio de 1ª
Sócio de 2ª

ou ainda

Sócio classe A
Sócio classe B


Muito prestigiante, não haja dúvida ::)
Alguém me sabe confirmar se foi aprovada a passagem do CL para 70 elementos?
Alguém me sabe confirmar se foi aprovada a passagem do CL para 70 elementos?

Essa foi uma das que não foi aprovada.
Já aqui perguntei, mas se calhar não fui esclarecedor na questão. Dos foristas que estiveram presentes na assembleia, nos artigos relativos aos novos escalões de sócios, houve discussão acerca das possíveis restrições de sócios com escalão inferior ao base? Pois a proposta de alteração apenas prevê a diferença no nº de votos...  ???

Eu ouvi qualquer coisa que o domicílio fiscal teria de ser a 80 km de Lisboa. Isso não fazia parte da proposta de alteração?

Assim, pelo que percebo (e independentemente da distância a Lisboa), esta nova categoria de sócio poderá comprar bilhete a preço reduzido para todos os jogos, e não apenas quatro, como anteriormente.