Wiki Sporting - a enciclopédia do Sporting Clube de Portugal
Ferramentas pessoais
Espaços nominais
Variantes
Acções

Cândido de Oliveira

Da Wiki Sporting, a enciclopédia do Sporting Clube de Portugal
Ir para: navegação, pesquisa
Dados de Cândido de Oliveira Candidodeoliveira.jpg
Nome: Cândido Fernandes Plácido de Oliveira
Nascimento: 25 de Setembro de 1897
Naturalidade: Fronteira - Portugal
Posição: Treinador
Escalão Época Clube Jogos Golos Titulos Internacionalizações
JUV JUN ESP BB AA Golos
1ª Categoria 1914/15 Benfica 8 3
1ª Categoria 1915/16 Benfica 5 0 Campeonato Regional
1ª Categoria 1916/17 Benfica Campeonato Regional
1ª Categoria 1917/18 Benfica 3 0 Campeonato Regional
1ª Categoria 1918/19 Benfica 4 1
1ª Categoria 1919/20 Benfica 7 1 Campeonato Regional
1ª Categoria 1920/21 Casa Pia Campeonato Regional
1ª Categoria 1921/22 Casa Pia 1 0
1ª Categoria 1922/23 Casa Pia
1ª Categoria 1923/24 Casa Pia
1ª Categoria 1924/25 Casa Pia
1ª Categoria 1925/26 Casa Pia
Total = 1 0
Escalão Época Clube Obs. Jogos V E D Titulos
AA 1926/27 FPF 4 1 1 2
AA 1927/28 FPF 7 3 3 1
AA 1928/29 FPF 2 0 0 2
1929/30
1930/31
1931/32
1932/33
1933/34
AA 1934/35 FPF 1 0 1 0
AA 1935/36 FPF 2 0 0 2
AA 1936/37 FPF 0 0 0 0
1ª Divisão 1936/37 Belenenses 30 20 2 8
1ª Divisão 1937/38 Belenenses 28 14 0 14
AA 1937/38 FPF 5 3 1 1
AA 1938/39 FPF 2 0 0 2
AA 1939/40 FPF 1 0 0 1
AA 1940/41 FPF 2 0 1 1
AA 1941/42 FPF 1 1 0 0
1942/43
1943/44
AA 1944/45 FPF 1 0 1 0
1ª Divisão 1945/46 SPORTING Dir.Técnico 21 17 1 3 Taça de Portugal
1ª Divisão 1946/47 SPORTING Dir.Técnico 36 30 3 3 Campeonato de Lisboa
Campeonato Nacional
1ª Divisão 1947/48 SPORTING 31 25 1 5 Campeonato Nacional
Taça de Portugal
1ª Divisão 1948/49 SPORTING 29 21 2 6 Campeonato Nacional
1950 Flamengo Brasil 13 4 2 7
AA 1951/52 FPF 1 0 0 1
AA 1952/53 FPF 2 0 1 1
1ª Divisão 1952/53 FC Porto
1ª Divisão 1953/54 FC Porto
1954/55
1ª Divisão 1955/56 Académica
1ª Divisão 1956/57 Académica 32 15 6 11
2ª Divisão 1957/58 Académica 30 11 4 15
Total = 117 93 7 17

Cândido de Oliveira foi uma das figuras mais marcantes da história do futebol português, onde fez de tudo um pouco, tendo sido futebolista, seleccionador nacional, treinador, dirigente e jornalista. Em suma um verdadeiro mestre do futebol.

Para além disso Cândido de Oliveira foi um cidadão humanista, empenhado nas grandes causas da época em que viveu, destacando-se pelo seu enorme carácter e pela dedicação com que se entregou aos ambiciosos projectos em que se envolveu.

Nascido nos confins do Alentejo entrou para a Casa Pia de Lisboa em Junho de 1905, depois de ter ficado órfão, e desde muito cedo se revelou um amante do desporto e em especial do futebol, tornando-se jogador do Benfica em 1914.

Era então um excelente médio centro, com grande capacidade de comando e de passe, que fizeram dele um dos melhores jogadores portugueses da altura, quando em 1920 em conjunto com um grupo de ex alunos da Casa Pia, resolveu fundar o Casa Pia Atlético Clube, onde passou a jogar a partir daí, contribuindo para a conquista do título regional logo no primeiro ano de existência do Clube, do qual seria Presidente entre 1927 e 1928 e entre 1934 e 1936.

Cândido de Oliveira foi um dos maiores responsáveis pelo aparecimento da Selecção Nacional de Futebol, de que viria a ser o primeiro «Capitão», no célebre jogo de Madrid em 1921. Foi também várias vezes Seleccionador Nacional, participando nessa qualidade no primeiro grande feito do futebol português, com a excelente participação da nossa Selecção nos Jogos Olímpicos de 1928.

Em 1936 foi convidado a substituir o seu amigo Artur José Pereira no comando do Belenenses, devido a doença deste, aceitou mas recusou-se a receber o ordenado, exigindo que o continuassem a pagar ao Artur.

Democrata convicto, opositor dos regimes fascistas da época, foi uma espécie de agente secreto dos ingleses, preparando a formação de uma resistência portuguesa, à eventual invasão nazi a Portugal, o que lhe valeu o desterro para o campo de concentração do Tarrafal em 1942, onde esteve preso durante 18 meses, uma experiência terrível que relataria num livro que só seria publicado depois da Revolução de 1974.

Foi libertado em 1944 quando perante a eminente derrota da Alemanha na 2ª Guerra Mundial, Salazar sentiu a necessidade de se aproximar dos Aliados. Devolveram-lhe então o alto cargo que ocupava nos Correios, e o posto de Seleccionador Nacional, mas só aceitou o segundo, e apenas em nome da sua grande paixão pelo futebol.

Já tinha trabalhado como jornalista em várias publicações da época, quando depois de sair da prisão, fundou juntamente com Ribeiro dos Reis e Vicente de Melo, o jornal "A Bola", que se tornaria numa referência do jornalismo em Portugal.

Em Janeiro de 1946 foi convidado para assumir o comando técnico do Sporting, aceitou com a condição de que Abrantes Mendes o treinador na altura, continuasse nas mesmas funções, e logo nessa época conquistou a Taça de Portugal.

Nas três temporadas que se seguiram orientou a célebre equipa dos Cinco Violinos de que foi o grande obreiro, numa altura em que introduziu o famoso WM de Chapman, ganhando mais uma Taça de Portugal e um tri-campeonato, primeiro ainda como Supervisor Técnico do treinador inglês Robert Kelly, e nas duas épocas seguintes assumindo ele mesmo a condição de treinador, tendo como adjunto o seu grande discípulo Fernando Vaz, outro "casapiano".

Um dos títulos conquistados por Cândido de Oliveira ao serviço dos Leões ficou para a história como o Campeonato do Pirulito, porque foi decidido pela diferença de um golo. O Sporting precisava de ganhar ao Benfica por três golos, quando o técnico foi acusado por um dirigente leonino de estar a preparar um táctica suicida para esse jogo decisivo, contra aquele que tinha sido o seu primeiro clube. Mestre Cândido fiel às suas convicções ganhou o jogo por 4-1, com quatro golos de Peyroteo e demitiu-se. Foi então que o referido dirigente depois de também se ter demitido, lhe pediu para que ficasse. Cândido acedeu desde que ficassem os dois e ficaram para completarem o primeiro tri-campeonato da história do futebol português.

Em 1950 esteve no Brasil onde orientou o Flamengo, antes de regressar à Selecção Nacional, seguindo-se dois anos à frente do FC Porto e outros dois na Académica.

Faleceu em Estocolmo no dia 23 de Junho de 1958 vítima de doença pulmonar, quando estava a cobrir o Campeonato Mundial para "A Bola". Já se tinha sentido mal uns dias antes, chegando mesmo a receber assistência hospitalar, mas o seu espírito de missão fê-lo regressar aos estádios suecos e quando voltou ao hospital já era tarde.

Em honra à sua memória, a FPF atribuiu o seu nome à Supertaça portuguesa que se passou a disputar a partir de 1979.

To-mane 10h16min de 17 de Março de 2009 (WET)