Wiki Sporting - a enciclopédia do Sporting Clube de Portugal
Ferramentas pessoais
Espaços nominais
Variantes
Acções

A primeira Final do Jamor

Da Wiki Sporting, a enciclopédia do Sporting Clube de Portugal
Ir para: navegação, pesquisa

Perdidos que estavam os Campeonatos Regional e Nacional, restava a Taça de Portugal para salvar a época ao Sporting Clube de Portugal, que chegava à Final com o bonito pecúlio de 22 golos marcados contra 4 sofridos em apenas três jogos, todos eles disputados no Lumiar e com o natural favoritismo resultante do facto de o adversário ser o Atlético.

Apesar de tudo, por esta altura a equipa de Alcântara era um adversário sempre difícil, conforme se poderia constatar pelo facto de no princípio daquela época ter conseguido ganhar ao Sporting no Stadium de Lisboa e, de para chegar a esta Final, ter eliminado Benfica e FC Porto.

Mas o que marcou verdadeiramente esta edição da Taça de Portugal foi o facto da Final se disputar pela primeira vez no Estádio Nacional. Este passaria a ser o palco de quase todas as finais desta competição, que se transformaram na festa do futebol português e numa espécie de ritual abençoado por toda a envolvência da Mata do Jamor.

Equipa do Sporting que venceu a primeira final no Jamor

O jogo disputou-se a 30 de Junho de 1946 e o Sporting alinhou com: Azevedo; Álvaro Cardoso e Manecas; Veríssimo, Octávio Barrosa e Juvenal; Armando Ferreira, Sidónio, Peyroteo, António Marques e Albano.

O Sporting, praticando um futebol de bom recorte técnico bem ao gosto do seu treinador Cândido de Oliveira, arrumou a questão logo na 1ª parte.

Para não variar, foi Peyroteo quem inaugurou o marcador logo à passagem do primeiro quarto de hora e, 5 minutos depois, Sidónio fazia o 2-0. Sem nunca abrandar, os Leões chegaram ao 3-0 com um segundo golo de Peyroteo aos 30m.

Rogério Simões ainda reduziu a diferença, mas 2 minutos depois Albano repôs a vantagem e fixou o resultado da 1ª parte em 4-1.

Na 2ª parte, o ritmo do jogo baixou e o Sporting foi gerindo a vantagem, apesar da boa réplica do Atlético que obrigou Azevedo a mostrar o seu valor.

Mesmo assim Peyroteo voltou a marcar, mas esse golo seria anulado, e acabou por ser o Atlético a reduzir a desvantagem com um golo de Marques a 2 minutos do fim.

Américo Tomás, na altura Ministro do Mar e futuro Presidente da República, entregou a Taça ao Capitão Álvaro Cardoso. Tornou-se assim a terceira Taça conquistada pelos Leões e a segunda consecutiva.


To-mane 18h48min de 17 de Outubro de 2008 (WEST)