Catalunha e Escócia: Novos Estados Independentes?

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Ao dar a independência a estes tipos abre-se um precedente para outros o quererem também, ou é impressão minha?
Os bascos vão querer seguir o exemplo.
Ninguém focou o essencial. Inés Arrimadas do Ciudadanos da Catalunha. Shame on you!




Não admira que a independência ainda se tenha ficado nos 47%. Eu cá também havia de votar neste partido... Quem é que quer desanexar-se desta líder parlamentar?





É como a Procuradora-Geral da Crimeia, também me faz apoiar a anexação à Rússia, de alma e coração...





« Última modificação: Setembro 28, 2015, 06:50 am por Viridis »
Quem disse aí que na Catalunha a maior parte das pessoas não falam catalão?  :lol: :lol: :lol:

Já alguma lá foste? Seguro que não. Nem no McDonalds os anúncios são em espanhol. Nem tudo o que a internet te diz é verdade.

É o típico "li na internet".

Eu já lá vivi e o catalão era claramente a língua mais utilizada.

@StrompXXI  e eu acrescento-te que eu já vivi em Madrid e quando ia a Barcelona, as diferenças culturais entre os dois "países" eram enormes. Forma de ser, de estar, de viver a vida, de olhar os estrangeiros...não tem absolutamente nada a ver. A cultura da Catalunha está até mais próxima da portuguesa que da espanhola.

concordo com tudo

e essa diferenca é muito mais forte fora de Barcelona como por exemplo em Tarragona, Girona ou Lleida

passei algum tempo em  Montblanc (regiao de Tarragona) e conheci Catalaes que nao sabiam falar Espanhol (até uma engenheira), nas escolas aprende-se em Catalao embora ainda exista uma disciplina de Espanhol

sobre os anuncios do Mc Donalds ou Burger King estarem em Catalao tem haver com a directiva da Generalitat em obrigar a ter os menus em Catalao, obviamente que podem ter em dois ou tres idiomas mas um deles tem de ser sempre o Catalao e o segundo outro nao obrigatoriamente o Espanhol, por exemplo em Sitges como era um sitio turistico escolhiam Catalao e Ingles.
 Maioria nos deputados eleitos, mas não maioria nos votos. E agora, avançam para a independência sem ter a maioria do povo com eles? É só mais um imbróglio político que a Espanha tem para resolver.

 E por aqui se vê que a questão da independência não é consensual entre os catalães. E não existindo uma maioria absoluta, não deviam avançar para o processo de tornar a Catalunha uma nação.
“We have to be compact, close together tactically, and if you are close then you have options to play with. You don't always have to try the most risky ball if you are compact. You have to run, to fight, until the moment, and then ... bang, you take it.”

Jurgen Klopp
ão maioria nos votos. E agora, avançam para a independência sem ter a maioria do povo com eles? É só mais um imbróglio político que a Espanha tem para resolver.


Ninguém pode dizer que houve maioria de votos Sim ou Não, existem partidos que podem ser incluídos em ambas as facções.
Total de utilizadores ignorados: 40

O centralismo corrupto de Madrid  já treme  :)
“There seems to be this snobbery around football that everyone has to play the most entertaining football" 
Gary Neville dixit
 Maioria nos deputados eleitos, mas não maioria nos votos. E agora, avançam para a independência sem ter a maioria do povo com eles? É só mais um imbróglio político que a Espanha tem para resolver.

 E por aqui se vê que a questão da independência não é consensual entre os catalães. E não existindo uma maioria absoluta, não deviam avançar para o processo de tornar a Catalunha uma nação.

A resolução é simples. Fazer um referendo. Porque as eleições não eram sobre sim/não à independência. E portanto as leituras são as que quisermos fazer.


 Maioria nos deputados eleitos, mas não maioria nos votos. E agora, avançam para a independência sem ter a maioria do povo com eles? É só mais um imbróglio político que a Espanha tem para resolver.

 E por aqui se vê que a questão da independência não é consensual entre os catalães. E não existindo uma maioria absoluta, não deviam avançar para o processo de tornar a Catalunha uma nação.

A resolução é simples. Fazer um referendo. Porque as eleições não eram sobre sim/não à independência. E portanto as leituras são as que quisermos fazer.



https://en.wikipedia.org/wiki/Catalan_self-determination_referendum,_2014#Results
Precisa de afinações? Não procure mais, João Lino de Castro é a solução!
Isto só há duas soluções para uma independencia.. ou a Catalunha a declara unilateralmente (como fez o Kosovo) e deixa a situação resolver-se por si só ao fim de algumas decadas.. ou então tem de conseguir convencer Madrid a mudar a constituição e depois negociar uma saida organizada..

Caso contrario, por mais referendos que façam a resposta será sempre a mesma, o referendo é ilegal e por isso não conta para nada.

Como na minha opinião Madrid nunca irá abrir a caixa de pandora só restará a declaraçao de independencia unilateral com todos os custos (pesados) que isso acarraterá..
 Maioria nos deputados eleitos, mas não maioria nos votos. E agora, avançam para a independência sem ter a maioria do povo com eles? É só mais um imbróglio político que a Espanha tem para resolver.

 E por aqui se vê que a questão da independência não é consensual entre os catalães. E não existindo uma maioria absoluta, não deviam avançar para o processo de tornar a Catalunha uma nação.

A resolução é simples. Fazer um referendo. Porque as eleições não eram sobre sim/não à independência. E portanto as leituras são as que quisermos fazer.



https://en.wikipedia.org/wiki/Catalan_self-determination_referendum,_2014#Results

The Catalan government indicated that 2,305,290 votes were cast overall,[8] but did not provide a turnout percentage figure. Turnout estimates published by media outlets range between 37.0% [9][10][11] and 41.6%.[12] 80.8% of the cast votes supported the Yes-Yes option, 10.1% the Yes-No, 4.5% the No option.

Se 63% a 58% optaram por não votar, o referendo não é válido. Mas, se bem me lembro, foi um referendo sui generis, sem o aval das entidades competentes. Quando digo um referendo, falo de um verdadeiro e legal. O Rajoy vai ter que compreender que o Reino Unido lidou bastante melhor com isto, enterrando o assunto durante longos anos. Porque aceitou o referendo e fez a campanha que pretendeu. e e porque ganhou o não. Tal como acredito que ganhe na Catalunha. Aliás, sinceramente, não acredito que a Catalunha queira a independência. Na minha opinião, isto é apenas para terem maior autonomia.
Citar
Catalunha avança para a independência e Rajoy prepara-se para a guerra
00:05 Pedro Duarte

Barcelona avança para a independência e coloca-se à margem da Constituição espanhola. Mariano Rajoy denuncia “provocação”.


O líder conservador espanhol garantiu ontem que irá usar todos os meios políticos e legais ao seu dispor para travar a secessão da Catalunha, entrando em nova rota de colisão com o governo de Barcelona. “Todos os que querem separar a Catalunha [de Espanha] devem saber que não vão ter sucesso. Vão enfrentar a lei e um governo disposto a aplicá-la”, disse ontem Mariano Rajoy durante uma conferência de imprensa no Palácio da Moncloa.

Madrid reagia assim à entrega, no parlamento catalão, de uma resolução conjunta dos movimentos separatistas catalães, ‘Junts pels Sí’ e CUP, para dar “início ao processo de criação de um Estado independente”. De acordo com a agenda dos dois partidos – que detêm a maioria absoluta em número de deputados (72) no parlamento regional –, a resolução vai ser votada no próximo dia 6 de Novembro e o processo de independência “não será submetido às decisões das instituições do Estado espanhol, em particular do Tribunal Constitucional”, um organismo que os independentistas consideram não ter legitimidade para se pronunciar sobre a Catalunha. Com esta decisão, os partidos que irão formar o próximo governo da Catalunha entram em choque frontal com Madrid, uma vez que estão a dizer claramente que não se consideram sujeitos às leis espanholas, estando a um passo de as considerarem legislação de um país estrangeiro.

Para Rajoy, este texto é “uma provocação de quem tenciona passar por cima da lei, porque sabem que esta não está do seu lado”. Eo chefe do governo espanhol não está sozinho. Antes de reagir, em conferência de imprensa na Moncloa, Rajoy entrou em contacto telefónico com os principais líderes da oposição, nomeadamente o socialista Pedro Sánchez do PSOE e Albert Rivera, do Ciudadanos (C’s). O Podemos, liderado por Pablo Iglesias (que ontem se despediu da Eurocâmara para se dedicar em exclusivo à campanha para as eleições espanholas), ficou excluído dos contactos.

A firmeza de Rajoy foi respondida quase imediatamente pela vice-presidente do governo catalão, Neus Munté, que lamentou que Rajoy tenha respondido “com ameaças” à resolução catalã, uma atitude que ligou às legislativas que terão lugar a 20 de Dezembro. “É claro que estamos em campanha eleitoral, e provavelmente é por isso que Rajoy fez este acto”, disse Munté, que pediu a Madrid que tenha “respeito pela Democracia e liberdade de expressão”, já que os partidos no poder na Catalunha venceram as eleições do passado dia 27 de Setembro.

http://economico.sapo.pt/noticias/catalunha-avanca-para-a-independencia-e-rajoy-preparase-para-a-guerra_232927.html
Citar
Parlamento da Catalunha aprova o início da "desanexação" de Espanha

Documento foi aprovado com 72 votos a favor e 63 contra. Não é uma declaração unilateral mas sim um manifesto de intenções "para preparar as bases da futura Constituição catalã".

O parlamento da Catalunha aprovou esta segunda-feira um documento que marca o início do processo de "desanexação" de Espanha, precisamente um ano depois de uma consulta popular, feita contra a decisão do Tribunal Constitucional, que deu uma vitória esmagadora ao "sim" à independência.

A declaração foi aprovada com os 72 votos da coligação Juntos pelo Sim (que integra a Convergência Democrática da Catalunha, do presidente do governo autonómico, Artur Mas) e da Candidatura de Unidade Popular (CUP), um partido independentista e anticapitalista. O "não" contou com os votos de 63 deputados.

http://www.publico.pt/mundo/noticia/parlamento-da-catalunha-aprova-declaracao-de-independencia-1713835?page=-1