O Nosso Orgulho em Imagens

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.



Sir Bobby , Cintra e Manuel Fernandes.

O enjeitadinho da ponta não conta.

Os nossos Campeões Europeus em 2016. 
:venia: :clap:

P.s nesta fotografia faltam João Mário, Jéssica Augusto e Sara Moreira.
« Última modificação: Setembro 11, 2016, 21:39 pm por SCasanova »
O Sporting Clube de Portugal não se resume a uma paixão por um símbolo desenhado numa camisola. É uma religião, uma ideologia, uma forma de vida!
Citar
osé Carlos da Silva José nasceu a 22 de Setembro de 1941 em Vila Franca de Xira - Portugal. Posição: Defesa Central
José Carlos foi um defesa rijo, autoritário e com um grande carisma e sentido de liderança que o tornaram num dos históricos capitães de equipa do Sporting. Actuou no Sporting durante doze temporadas (1962/63 a 1973/74) realizando o total de 367 jogos onde marcou 4 golos. Ao serviço do Sporting foi três vezes Campeão Nacional (1965/66, 1969/70 e 1973/74), venceu quatro Taças de Portugal (1962/63, 1970/71, 1972/73 e 1973/74) e a Taça das Taças de 1964, tendo actuado nos últimos seis jogos dessa brilhante campanha.
Representou a Selecção A por 36 vezes, fazendo parte da grande equipa que ficou em 3º lugar no Mundial de 1966, onde fez os últimos dois jogos.
Texto retirado de: http://www.forumscp.com/wiki/index.php
Edição de Vídeo: Portal Sporting Memória
Música: MachinimaSound, "Totally happy" by Russ Makixicz and "Urban Evasion" by Aaron Spencer (Royalty Free Music) [CC-BY]
Imagem: RTP (Rádio Televisão Portuguesa)



Citar
Carlos Alberto Manaca Dias nasceu a 22 de Setembro de 1946 na Beira - Moçambique. Posição: Defesa e Médio
Jogador polivalente e oriundo do Sporting da Beira, Manaca chegou a Portugal referenciado como um avançado possante e de boa técnica, quando ainda só tinha 18 anos de idade.
Actuou pelas reservas nas primeiras épocas em Alvalade e depois foi emprestado à Sanjoanense. Quando regressou, começou a ser utilizado no meio-campo para depois passar a actuar a defesa lateral. Na sua última passagem por Alvalade (1977/78) fez dupla com Laranjeira a defesa central.
Ao todo, nas 3 passagens pelo Sporting, totalizou 211 jogos oficiais apontando 7 golos. Foi 2 vezes Campeão Nacional (1969/70 e 1973/74) e conquistou quatro Taças de Portugal (1970/71, 1972/73, 1973/74 e 1977/78).
Texto adaptado de: http://www.forumscp.com/wiki/index.php?title=Manaca
Edição de Vídeo: Portal Sporting Memória (www.sporting.footballhome.net)
Música: Battle of Kings by Per Kiilstofte https://machinimasound.com/music/batt...
Licensed under Creative Commons Attribution 4.0 International (http://creativecommons.org/licenses/b...)
Imagem: RTP (Rádio Televisão Portuguesa)


Citar
Joaquim Alberto Castanheira de Melo. nasceu a 11 de Setembro de 1949 em Coimbra - Portugal. Posição: Guarda-redes.
Guarda-redes oriundo do União de Coimbra, jogou também na Académica, onde foi vice-campeão nacional de Juniores, na temporada de 1967/68. Regressou na época seguinte ao União, para integrar uma equipa que fez um percurso notável, que a levou da 3ª à 1ª Divisão, em apenas três anos.
Foi assim que Melo se estreou na divisão principal do futebol português na época de 1972/73, destacando-se como um guarda-redes muito ágil e excelente nas saídas aos cruzamentos, pelo que apesar da descida de divisão do União, foi com naturalidade que despertou o interesse de outros clubes, com o Belenenses a ganhar a corrida pelo seu concurso.
Depois de uma época em que jogou pouco, Melo tomou conta da baliza dos azuis do Restelo, tornando-se num dos melhores guarda-redes portugueses, sendo algumas vezes chamado à Selecção Nacional, onde estava tapado por Bento e Vítor Damas, e assim apenas conta com uma internacionalização na equipa B, quando já era jogador do Vitória de Guimarães, onde viria a perder o lugar para o grande Vítor Damas, já na sua última época ao serviço dos vimaranenses.
Foi contratado pelo Sporting na temporada de 1981/82, para concorrer com o internacional húngaro Meszaros, também ele contratado nessa altura, e mais uma vez se viu tapado por um dos melhores guarda-redes da Europa, acabando por jogar pouco, mesmo quando Katzirz ocupou o lugar deixado em aberto pelo seu compatriota, embora nessa altura tenha chegado a ser titular durante alguns jogos.
Assim nas três temporadas em que representou o Sporting, Melo apenas disputou 17 jogos oficiais pela equipa principal do Clube, o suficiente para ser Campeão Nacional na época de 1981/82.
Concluída a sua ligação ao Sporting, regressou ao Belenenses e posteriormente ainda passou pelo União da Madeira, antes de chegar ao Estrela da Amadora, onde encerrou a sua carreira de futebolista profissional já com 41 anos de idade, na sequência de um traumatismo craniano provocado por um violento choque com um dos postes da baliza.
No Estrela voltou a viver grandes momentos, como a subida de divisão na época de 1987/88, e principalmente a histórica conquista da Taça de Portugal em 1990, tendo sido titular nos dois jogos decisivos dessa brilhante campanha.
Posteriormente Melo continuou ligado ao futebol como treinador de guarda-redes, tendo passado por clubes como Belenenses, União de Leiria, Pescadores da Costa da Caparica e Sporting Clube de Linda-A-Velha.
Colabora na Sporting TV como comentador dos jogos de Futebol, no Estádio José Alvalade. Faz também parte do painel de comentadores do programa "Especial Jornada".
Texto: http://www.forumscp.com/wiki/index.php?title=Melo
Edição de Vídeo: Portal Sporting Memória (http://www.sporting.footballhome.net/)
Música: MachinimaSound, "Lucid Eclipse" (Royalty Free Music) [CC-BY-NC-ND]
Imagem: RTP (Rádio Televisão Portuguesa)


Citar
Samuel Ferreira Fraguito. Nasceu a 8 de Setembro de 1951 em Vila Real.Posição: Médio Centro.
Nascido em Trás-os-Montes, o pequeno Samuel foi para o Brasil ainda bebé, e foi no Rio de Janeiro que passou a sua infância, e que começou a mostrar os seus dotes futebolísticos, tendo jogado nos escalões base do Fluminense entre os seus 10 e 15 anos, altura em que os seus pais resolveram regressar a Portugal.
Tinha então 16 anos, quando começou a dar nas vistas nos juniores do Vila Real, passando logo para a equipa principal e despertando a atenção de David Sequerra, que o convocou para a Selecção Nacional de Juniores.
Em 1970 transferiu-se para o Boavista, onde fez duas excelentes temporadas, que o tornaram num jogador cobiçado pelos grandes clubes de Portugal. Foi então que o Sporting tomou a dianteira e aproveitando a Lei Militar, garantiu o concurso de um jogador que tinha as características ideais para substituir Peres.
Em Alvalade, Fraguito mostrou todo o esplendor do seu futebol, com a sua técnica refinada pelas influências brasileiras, à qual juntava uma visão de jogo notável e uma pujança física pouco habitual nos jogadores com as suas características, que o tornaram num dos melhores médios da sua geração.
Infelizmente a sua carreira ficou marcada por alguns infortúnios no que diz respeito a lesões, e chegou mesmo a ser forçado a uma paragem de um ano, acabando por ser operado a um joelho em Inglaterra. Mas mesmo assim fez 209 jogos oficiais pela equipa principal do Sporting, nos quais marcou 22 golos, contribuindo para a conquista de dois Campeonatos e duas Taças de Portugal.
Aqueles que viram jogar Fraguito ficarão surpreendidos pelo facto de ele contar com apenas 6 internacionalizações A, situação que nem pode ser explicada só pelas muitas lesões de que foi vitima, uma das quais o impediu de comparecer a uma convocatória, situação que se repetiria poucos meses depois, devido a um mal entendido. O que é certo é que a partir daí ele foi afastado da Selecção, e nunca mais foi convocado, apesar de se ter tentado justificar.
Esta situação e as constantes lesões, acabaram por impedir Fraguito de chegar mais longe na a sua carreira, que terminou muito cedo com o seu afastamento total do mundo da bola, onde dado o seu carácter introvertido, nunca se sentiu muito à vontade, excepto quando estava dentro das quatro linhas a exibir a sua classe de grande jogador que era.
Texto: http://www.forumscp.com/wiki/index.php?title=Fraguito
Edição de Vídeo: Portal Sporting Memória (http://www.sporting.footballhome.net/)
Música: Silent Partner, "Parasail" Free Music
Imagem: RTP (Rádio Televisão Portuguesa), RAI (Radiotelevisione Italiana), RTVE (Radiotelevisión Española) e ina.fr (Institut national de l’audiovisuel)


Citar
Paulo Silas do Prado Pereira, nasceu a 27 de Agosto de 1965 em Campinas - Brasil. Posição: Médio.
Silas iniciou a sua carreira de futebolista profissional em 1985 no São Paulo, e começou logo por ser Campeão estadual, num ano em que foi também a grande figura da Selecção brasileira que ganhou o Campeonato do Mundo de sub-20 disputado na URSS, onde ele conquistou a Bola de Ouro, o troféu que distingue o melhor jogador do torneio. Nessa altura era considerado a maior promessa do futebol brasileiro.
Depois de quatro épocas no São Paulo, onde conquistou mais um Campeonato Paulista e um Brasileirão, Silas foi contratado pelo Sporting na época de 1988/89, sendo anunciado pelo Presidente Jorge Gonçalves como a sua principal "unha".
Em Alvalade confirmou imediatamente o enorme jogador que era, arrancando grandes exibições, coroadas com laivos de genialidade e magníficos golos, destacando-se um que marcou ao Ajax, em Amesterdão.
Infelizmente o Sporting vivia um período muito conturbado, pelo que não era um clube atractivo para um jogador daquela qualidade. Assim a segunda temporada de Silas em Alvalade foi marcada por alguma irregularidade, para a qual muito contribuíram as lesões, e as várias idas à Selecção do Brasil, onde se tornou uma presença constante, tendo representado a "canarinha" por 38 vezes, participando nos Campeonatos do Mundo de 1986 e de 1990, e na Copa América de 1989, onde o Brasil foi Campeão, embora nunca tenha sido propriamente um titular indiscutível no "escrete"
Depois de duas épocas no Sporting em que realizou 52 jogos, nos quais marcou 14 golos, teve uma curta passagem pelo Uruguai, antes de seguir para Itália, onde jogou no Cesena e na Sampdoria.
Em 1992 regressou ao Brasil para representar o Internacional de Porto Alegre, onde ganhou o estadual de Rio Grande do Sul e a Taça do Brasil, seguindo depois para o Vasco da Gama, onde foi Campeão Carioca em 1994.
Partiu então para o Japão, tornando-se num verdadeiro "globetrotter" do futebol mundial, com passagens pela Argentina onde foi Campeão e será sempre recordado com um grande ídolo do San Lorenzo, novamente pelo São Paulo, onde foi outra vez Campeão Paulista, antes de voltar ao Japão onde esteve três épocas, até regressar definitivamente ao Brasil, ainda a tempo de ser Campeão do Paraná, tendo concluído a sua longa carreira no Inter de Limeira, já quase com 40 anos de idade.
Texto: http://www.forumscp.com/wiki/index.php?title=Silas
Edição de Vídeo: http://www.sporting.footballhome.net
Música: "Martin's Song" - Instrumental Music Tribute - Orchestra Rock e "Monument" - Epic Heroic Orchestra Film Music (Free Music)
Imagem: RTP (Rádio Televisão Portuguesa)



Citar
Rui Manuel Trindade Jordão nasceu a 9 de Agosto de 1952 em Benguela - Angola. Posição: Avançado.
Jordão foi um dos mais notáveis produtos da interminável fonte que durante anos a fio forneceu dezenas de jogadores ao futebol português, com origem nas ex colónias africanas.
Avançado felino, muito rápido e ao mesmo tempo elegante e poderoso e com um grande faro pelo golo, foi um dos maiores goleadores da história do nosso futebol, onde deixou marcas só ao alcance dos melhores.
Rui Jordão principiou a jogar futebol no Sporting de Benguela, onde foi descoberto pelos grandes clubes de Lisboa. Chegou ser falado para o Sporting, mas uma lesão contraída numa prova de Atletismo em que foi vice-campeão nos 80 metros, e alguma hesitação da parte dos Leões, permitiu a antecipação do Benfica que pagou apenas 30 contos por ele.
Chegou a Lisboa como uma grande promessa, e não defraudou as expectativas, pois logo na sua primeira época nos seniores, ajudou a conquistar uma "dobradinha" e chegou à Selecção A, que representou na Taça da Independência do Brasil disputada em 1972, onde marcou 2 golos e ganhou o rótulo de “Novo Eusébio”.
Tornou-se então num jogador importante no Benfica, conquistando vários títulos e sagrando-se como o melhor marcador do Campeonato Nacional de 1975/76.
Assim foi com naturalidade que despertou a cobiça de clubes estrangeiros. transferindo-se para o Saragoça de Espanha, que pagou 9 mil contos pelo seu passe, mas não se adaptou e resolveu regressar a Portugal no final do primeiro ano do seu contrato.
Apesar do interesse do Benfica, optou pelo Sporting, onde esteve nove anos, de 1977 a 1986, formando com Manuel Fernandes uma dupla temível, e conquistando dois Campeonatos Nacionais, duas Taças de Portugal e uma Supertaça.
Nas duas primeiras épocas de verde e branco, foi fustigado por lesões, uma delas uma dupla fractura na tíbia e no perónio, provocada por uma entrada violenta do defesa benfiquista Alberto.
No entanto recuperou e voltou a ser o grande jogador que fora, atingindo o auge da sua carreira e ganhando um lugar na história do Sporting, como um dos seus melhores avançados de sempre, tendo marcando 186 golos num total de 286 jogos oficiais disputados ao serviço da equipa principal do Clube, e sagrando-se novamente o melhor goleador do Campeonato Nacional, na época de 1979/80, com 31 golos marcados, que foram decisivos para o titulo conquistado nessa temporada.
Esse feito valeu-lhe o Prémio Stromp na categoria Atleta Profissional em 1980
Seria também decisivo na época de 1981/82, ao marcar os três golos com que o Sporting derrotou o Benfica em Alvalade, num jogo determinante para a conquista desse campeonato, onde Jordão e Manuel Fernandes passaram a ter a companhia de António Oliveira, com quem formaram uma linha avançada inesquecível.
Na Selecção também conquistou um lugar cativo, totalizando 43 internacionalizações e marcando 15 golos, com destaque para os dois que fez na meia-final do Campeonato da Europa de 1984, que Portugal perdeu com a França, por 3-2 no prolongamento.
Abandonou o Sporting à beira dos 34 anos, fazendo então um interregno na sua brilhante carreira, mas não resistiu aos apelos do seu velho companheiro Manuel Fernandes, a quem se juntou no Vitória de Setúbal na temporada de 1987/88, ainda a tempo de jogar mais duas épocas e de somar mais três internacionalizações.
Após ter encerrado a sua carreira como futebolista, tornou-se pintor, afastando-se definitivamente do mundo do futebol.
Texto: http://www.forumscp.com/wiki/index.php?title=Jord%C3%A3o
Edição de Vídeo: http://www.sporting.footballhome.net
Música: "playing to win", "spring to life" e "super hero" (Free Stock Music)
Imagem: RTP (Rádio Televisão Portuguesa) e youtube.com
Golos:
#1 - 13-11-1977 TP SPORTING - Sp. Espinho (3 - 1)
#2 - 09-10-1977 Mundial78Q Dinamarca - Portugal (2-4)
#3 - 04-11-1979 CN Benfica - SPORTING (3 - 2)
#4 - 09-12-1979 CN SPORTING - F.C. Porto (1 - 0)
#5 - 30-12-1979 CN SPORTING - V. Guimarães (2 - 0)
#6 - 01-06-1980 CN SPORTING - U. Leiria (3 - 0)
#7 - 01-06-1980 CN SPORTING - U. Leiria (3 - 0)
#8 - 24-09-1980 Particular Itália - Portugal (3-1)
#9 - 25-10-1980 CN SPORTING - Sp. Espinho (4 - 1)
#10 - 25-10-1980 CN SPORTING - Sp. Espinho (4 - 1)
#11 - 09-11-1980 CN SPORTING - Varzim (1 - 0)
#12 - 17-12-1980 Mundial82Q Portugal - Israel (3-0)
#13 - 08-02-1981 CN SPORTING - V. Guimarães (2 - 0)
#14 - 19-09-1981 CN SPORTING - Penafiel (6 - 0)
#15 - 21-10-1981 TU Southampton (Inglaterra) - SPORTING (2 - 4)
#16 - 29-11-1981 CN U. Leiria - SPORTING (0 - 2)
#17 - 10-01-1982 TP SPORTING - Boavista (3 - 2)
#18 - 14-03-1982 TP SPORTING - Penafiel (3 - 0)
#19 - 28-03-1982 CN SPORTING - Benfica (3 - 1)
#20 - 28-03-1982 CN SPORTING - Benfica (3 - 1)
#21 - 28-03-1982 CN SPORTING - Benfica (3 - 1)
#22 - 16-05-1982 CN SPORTING - Rio Ave (7 - 1)
#23 - 16-05-1982 CN SPORTING - Rio Ave (7 - 1)
#24 - 29-05-1982 TPFinal SPORTING - Sp. Braga (4 - 0)
#25 - 30-10-1982 CN SPORTING - Sp. Braga (6 - 2)
#26 - 30-10-1982 CN SPORTING - Sp. Braga (6 - 2)
#27 - 20-11-1982 CN SPORTING - Boavista (4 - 2)
#28 - 23-01-1983 TP SPORTING - Estoril Praia (5 - 0)
#29 - 30-01-1983 CN SPORTING - F.C. Porto (3 - 3)
#30 - 13-02-1983 CN SPORTING - Amora (4 - 1)
#31 - 21-09-1983 Euro84Q Portugal - Finlândia (5-0)
#32 - 19-10-1983 TU SPORTING - Celtic Glasgow (Escócia) (2 - 0)
#33 - 19-10-1983 TU SPORTING - Celtic Glasgow (Escócia) (2 - 0)
#34 - 13-11-1983 Euro84Q Portugal - URSS (1-0)
#35 - 20-11-1983 CN SPORTING - Portimonense (3 - 0)
#36 - 29-01-1984 TP SPORTING - Benfica (2 - 1)
#37 - 04-04-1984 TP F.C. Porto - SPORTING (2 - 1)
#38 - 21-04-1984 CN Águeda - SPORTING (0 - 1)
#39 - 02-06-1984 Particular Portugal - Jugoslávia (2 - 3)
#40 - 02-06-1984 Particular Portugal - Jugoslávia (2 - 3)
#41 - 23-06-1984 Euro84 Portugal - França (2 - 3)
#42 - 23-06-1984 Euro84 Portugal - França (2 - 3)
#43 - 04-11-1984 CN Vizela - SPORTING (2 - 5)
#44 - 04-11-1984 CN Vizela - SPORTING (2 - 5)
#45 - 14-11-1984 Mundial86Q Portugal - Suécia (1 - 3)
#46 - 18-11-1984 CN SPORTING - Sp. Braga (8 - 1)
#47 - 18-09-1985 TU SPORTING - Feyenoord (Holanda) (3 - 1)
#48 - 19-10-1985 CN Portimonense - SPORTING (0 - 1)
#49 - 06-04-1986 CN SPORTING - Sp. Covilhã (6 - 1)
#50 - 06-04-1986 CN SPORTING - Sp. Covilhã (6 - 1)




Citar
Artur Manuel Soares Correia, nasceu a 18 de Abril de 1950 em Lisboa - Portugal. Posição: Lateral direito.
Defesa direito conhecido por "ruço", começou a jogar nos Juvenis do Futebol Benfica como avançado, mas um ano depois já estava nos Juniores do Benfica, onde principiou por jogar no meio-campo, tendo sido Campeão Nacional na época de 1967/68.
Na temporada seguinte seguiu para a Académica, apesar de Otto Glória o ter escolhido para ficar no plantel do Benfica, mas sonhava ser médico. A sua opção viria a revelar-se acertada, não pelos estudos, mas porque em Coimbra teve a oportunidade de jogar regularmente, transformando-se num lateral direito muito prometedor, revelando toda a sua raça de jogador muito aguerrido e destemido, embora por vezes algo duro e temperamental.
Depois de três épocas na Académica regressou ao Benfica, onde viveu os melhores anos da sua carreira, conquistando cinco Campeonatos Nacionais e uma Taça de Portugal, e chegando à Selecção A que representou por 35 vezes, nas quais marcou 1 golo.
Na sua última época ao serviço do Benfica, sofreu uma pleurisia que pôs em risco a sua carreira. Conseguiu recuperar mas perante a hesitação dos dirigentes benfiquistas em renovar-lhe o contrato, aceitou a proposta de João Rocha para se transferir para o Sporting na temporada de 1977/78, assinando então um contrato por três épocas.
Tinha 27 anos e estava no auge da sua carreira quando chegou a Alvalade, pelo que naturalmente entrou logo na equipa, tornando-se titular indiscutível e contribuindo para a conquista de uma Taça de Portugal e de um Campeonato, durante as três temporadas que representou o Sporting, nas quais participou em 85 jogos oficiais pela equipa principal.
Ao serviço do Sporting manteve a titularidade da selecção nacional, tendo jogado 9 vezes e marcado um golo fenomenal quase do meio campo, contra a Noruega, a 1 de Novembro de 1979. No total somou 35 internacionalizações.
Em Setembro de 1980 sofreu um acidente cardiovascular que colocou a sua vida em perigo. Recuperou para a vida, mas o futebol acabou ali, quando ainda só tinha 30 anos de idade.
A 3 de Junho de 1981 realizou-se no Estádio José Alvalade um jogo amigável, entre Sporting e Benfica, que terminou empatado 1-1, e que serviu para homenagear Artur.
Nesse mesmo ano, Artur foi agraciado, pelo então Presidente da República, General Ramalho Eanes, com a "Ordem do Infante".
Faleceu a 25 de julho de 2016, aos 66 anos, na sequência de um AVC.
Texto adaptado de: http://www.forumscp.com/wiki/index.php?title=Artur
Edição de Vídeo: http://www.sporting.footballhome.net
Música: "Rallying The Defense" de MachinimaSound (Royalty Free Music) [CC-BY], "Povo Que Cais Descalço" de Dead Combo (Free Music Archive) e "Epic" de www.bensound.com
Imagem: RTP (Rádio Televisão Portuguesa) e youtube.com



Citar
Mário Jorge da Silva Pinho Fernandes, nasceu a 24 de Agosto de 1961 em Ponta Delgada, Açores - Portugal. Posição: Lateral e extremo esquerdo.
Produto das escolas do Sporting onde jogou desde os Iniciados, Mário Jorge era um jogador com uma técnica refinada e uma excelente visão de jogo, que aliadas à sua notável velocidade de execução, o tornaram desde muito cedo num dos mais promissores futebolistas da sua geração.
Fazia toda a ala esquerda, tendo começado como extremo para depois ser adaptado a lateral, acabando por jogar muitas vezes no meio-campo, mas sempre com a mesma qualidade.
Foi lançado na equipa principal do Sporting por Rodrigues Dias, quando tinha acabado de fazer 18 anos e ainda era júnior, entrando a 10 minutos do fim de um jogo no qual o Sporting derrotou o Estoril por 2-0, na 1ª jornada do Campeonato da época de 1979/80, o suficiente para se sagrar pela primeira vez Campeão Nacional.
Na época seguinte fixou-se no plantel principal mas só fez 2 jogos, e só na temporada de 1981/82 começou a ser utilizado regularmente, principalmente depois de Malcolm Allison ter deixado Jordão de fora para lhe dar a titularidade, num importante jogo em que o Sporting ganhou por 1-0 ao FC Porto, com Mário Jorge a marcar o golo da vitória. Depois disto ainda saiu da equipa, mas logo a seguir Allison transformou-o em lateral esquerdo, posição na qual se fixou como titular, contribuindo para a "dobradinha" conquistada nessa época.
Foi como lateral esquerdo que continuou na equipa nas três temporadas seguintes, fazendo esquecer Inácio que tinha partido para o FC Porto, participando assim na conquista da primeira Supertaça da história do Sporting, e estreando-se na Selecção A num particular disputado em Coimbra no dia 8 de Junho de 1983, em que Portugal perdeu por 4-0 com o Brasil.
Na época de 1985/86 Manuel José resolveu lançar o jovem lateral esquerdo Fernando Mendes e Mário Jorge passou a jogar no meio-campo, voltando à Selecção para participar na campanha que levou Portugal ao Mundial de 1986, ficando para a história como um dos heróis da épica vitoria de Portugal na Alemanha, num jogo em que realizou uma exibição extraordinária. No entanto não foi convocado por José Torres para a fase final do Mundial do México, uma injustiça que lhe permitiu escapar à polémica de Saltillo e somar mais algumas internacionalizações pela Selecção A, que no total foram 9.
Em 1985 foi distinguido com o Prémio Stromp na categoria Futebolista.
Outro dos grandes momentos de Mário Jorge, foi no dia dos históricos 7–1 ao Benfica, um jogo no qual marcou dois golos, contribuindo decisivamente para essa grande vitória do Sporting, com mais uma grande exibição.
Depois de sete temporadas como titular no Sporting, foi pouco utilizado na época de 1988/89 e no final dessa temporada foi emprestado ao Beira Mar, regressando um ano depois, mais já não conseguiu recuperar o seu lugar na equipa, terminando a sua ligação ao Sporting à beira dos 30 anos, numa altura em que totalizava 268 jogos oficiais ao serviço da equipa principal do Clube, nos quais marcou 21 golos, números reveladores de uma boa carreira, mas que dado o seu enorme potencial poderia ter sido ainda melhor.
Posteriormente ainda jogou no Estrela da Amadora e no Estoril, onde encerrou a sua carreira de futebolista profissional em 1995.
Texto: http://www.forumscp.com/wiki/index.php
Edição de Vídeo: http://www.sporting.footballhome.net
Música: "Totally Happy Ending" por Russ Makiwicz, "End Game" por Per Kiilstofte e "Urban Evasion" por Aaron Spencer, licensed under Creative Commons Attribution Non-Commercial No-Derivatives 4.0 International.
Imagem: RTP (Rádio Televisão Portuguesa) e Youtube.com