"Brancos são mais inteligentes que os pretos"

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Citação de: Paulo Duarte
quie experiencias sao essas nao sei.... realmente as afirmaçoes dele nao sao formalmente muito felizes...

A ideia que a notícia transmite é que ele fala de experiências meramente empíricas (os empregados africanos e tal), tal como se lançou para esta discussão o factor da não existência de grandes civilizações em África.

A ciência não se faz com base em pressupostos deste tipo...

Creio que é natural para a maioria das pessoas a ideia de que, mesmo que se tenha um potencial genotípico muito grande para qualquer coisa, se as condições "ambientais" (e este ambiental açambarca ambiente, cultura, educação, tudo o que não está definido geneticamente) não o propiciarem, esse potencial nunca será atingido. E isto serve tanto para a inteligência como para a capacidade para jogar à bola (vejam o Dani por exemplo  ;) ).

Daí que se diferencie genótipo de fenótipo, potencial genético de expressão genética.

Parece-me claro que há influência genética no factor inteligência, mas prová-lo cientificamente parece-me um pouco complexo. Ter-se-iam de realizar experiências de ética questionável, educando "amostras" da mesma forma (de modo a eliminar qualquer fonte de variabilidade "ambiental") para se puder obter resultados. Resultados esses que seriam muito complicados de concluir e analisar, pois não só não existem métodos fiáveis para se calcular a inteligência (os testes de QI estão um pouco fora de moda) como o próprio conceito de inteligência é algo muito complicado de definir.

À luz das teorias evolucionistas, parece-me complicado afirmar que, numa espécie que se destaca pela sua capacidade de raciocinar, um ramo tenha visto diminuída essa "skill". Algumas diferenças de características físicas entre raças são explicáveis pela adaptação necessária a diferentes tipos de ambientes, mas a inteligência é uma característica necessária a qualquer homo sapiens. A inteligência é a nossa "arma evolutiva".

Teoricamente, parece-me pouco plausível que as diferenças de inteligência entre raças sejam superiores às diferenças de inteligência intra raças. Mas este é um tema muito interessante e que levanta muitas questões. Como diria um professor meu "se os golfinhos tivessem mãos com polegares oponíveis..."
"Alianças só na mão esquerda da minha mulher"
Citação de: Yaponchick
Se os povos de África fossem superiores aos da Europa, não teriam sido colonizados. Teriam colonizado.

Essa parece-me uma afirmação muito pouco ponderada.

Superioridade de povos é um conceito muito abstracto... Referes-te a quê, capacidade tecnológica, nível de armamento, avanço científico, meio de subsistência? Acredito que o povo africano pré colonial estava relativamente adaptado ao seu ambiente, tal como os europeus o estavam ao seu.

E se a superioridade culturo-intelectual definisse quem coloniza de quem é colonizado, talvez hoje todos falássemos mandarim, ou árabe.

A História faz sentido se contextualizada.
"Alianças só na mão esquerda da minha mulher"
Eddie, as civilizações da América do Sul não se desenvolveram em condições idênticas (excluíndo o deserto) ?

Certamente que na Europa também o tipo de agricultura possível a Sul não é o mesmo que no Norte.
Sinceramente, o que me parece é que nos nossos dias na Europa os países mais desenvolvidos são justamente os países com condições naturais menos favoráveis.

The future is now... and now... and now... and now... and now... and now... and now...
não li o livro mas agora pretendo ler... mas fui procurar na net algo que me resumisse bastante o que lá vem escrito e encontrei isto:

Citar
Resumo do resumo: o homem ao encontrar condições ambientais adequadas à agricultura pode deixar o nomadismo extrativista/caçador. Ao armazenar alimentos (o caçador não conseguia ficar carregando a casa nas costas) e domésticar animais (gado, galinha, etc) estas populações conseguiram utilizar mais tempo e esforço na criação de tecnologia (aço e armas). Com tecnologia, estas sociedades obtiveram vantagens competitivas em relação às outras. Outra vantagem: ao conviver com animais domésticos, estas sociedades, desenvolveram resistência a diversas doenças (Germes), diferentemente dos caçadores. Os espanhóis praticamente dizimaram as civilizações pré-colombianas com doenças que trouxeram e não com armas.

Pois se fôr isto que o livro afirma, vai lá ler mais atentamente as minhas mensagens e vais ver que, mesmo sem ler o livro, digo por outras palavras +/- o que aqui está descrito.

Esse resumo é demasiado simplista, está bastante incompleto e omite as grandes causas de fundo que constituem a resposta à questão que colocaste, e na sequência da qual te recomendei a leitura do livro.

Recordo que a questão que colocavas era porque é que, à excepção de 2 ou 3 casos, não se haviam desenvolvido grandes civilizações em África, um facto que poderia de facto sugerir uma maior capacidade inata das populações "não-africanas" para se organizarem em sociedades complexas e constituírem grandes civilizações. É um argumento respeitável e eu próprio acreditava nisso quando era mais novo, mas está errado e não tem em consideração causas de fundo como a geografia, a ecologia e a história das populações e só uma visão integrativa destas 3 ciências permite perceber esse aspecto da evolução humana. E atenção que o meu ponto de vista não é enviesado por eu já ter lido o livro; ao ler o livro apenas confirmei aquilo que anos de conhecimento académico, interesse por história e geografia e horas intermináveis a jogar Civilization já me tinham dado a entender.

Amanhã vou tentar colocar aqui a digitalização de um diagrama que sumariza a ideia-chave do livro, mas basicamente, para obteres a resposta à tua pergunta tens que olhar para a geografia do continente africano. África não é só o continente onde vivem os africanos. É uma região do Planeta com características ecológicas e geográficas muito próprias e uma diversidade de ecossistemas sem paralelo em qualquer outra região do Mundo, sendo que na sua grande parte é (ou era) constituído por floresta tropical, outra grande parte é constituída por um dos maiores desertos do Mundo, e o continente em si encontra-se na quente e húmida faixa do planeta que é limitada pelo trópico de Câncer a Sul e trópico de Capricórnio a Norte, com todas as consequências para a agricultura e para a saúde humana que daí são decorrentes. Ademais, enquanto a Europa e a Ásia têm a sua maior extensão num eixo leste-oeste, África tem a sua maior extensão num eixo Norte-Sul. Quando se caminha de Norte para Sul (ou vice-versa), as mudanças ambientais são muito mais drásticas do que quando se caminha de leste para oeste: o fotoperíodo é diferente, a sazonalidade do clima é diferente, os ecossistemas são diferentes, etc. Isto foi desde os primórdios um factor inibidor da prática da agricultura em África, porque a expansão das populações dava-se maioritariamente ao longo do eixo Norte-Sul e isso implicava readaptações sucessivas às tecnologias e conhecimentos que haviam sido adquiridos em latitudes diferentes e nomeadamente à procura de novas espécies cultiváveis, o que atrasou o processo desde o seu início. O mesmo não se passou na Europa e Ásia, pois a migração dos agricultores pôde ser feita em grandes extensões de terreno e ao longo duma gama limitada de latitudes, logo sem necessidade de grandes reajustes nos métodos de cultivo ou nas espécies cultivadas. A partir daqui penso que consegues derivar a sucessão de acontecimentos que se deram a seguir e conduziram à realidade actual. Se o fizeres verás que não é preciso invocar nenhum diferencial de inteligência inata entre os povos ou mesmo nenhum diferencial de "engenho desenvolvido por necessidade" para explicar porque é que os povos de certas regiões geográficas conseguiram coisas que outros não conseguiram. Não se tratou de menor inteligência nem de falta de engenho por os recursos estarem ali à mão; tratou-se simplesmente da falta de condições ecológicas e geográficas para estabelecer, desenvolver e expandir a agricultura, e por conseguinte da falta de condições para estabelecer e desenvolver a respectiva e necessária organização socio-política e desenvolvimento tecnológico.

Isto é só um toque, muito mais há por dizer, muitos outros factores há a ter em conta, mas só mesmo lendo o livro é que visualizas na sua plenitude a big picture.

Eddie, essa teoria norte/sul, etc, justifica algumas coisas mas não explica por exemplo porque é que em África (subsariana) não houve pelo menos civilizações como a inca, maia, asteca, que tiveram áreas de residência muito semelhantes (grandes florestas tropicais, sem apetência para agricultura, ou então os Andes). Como também houve grandes culturas no sul da India e em zonas inóspitas como os desertos árabes ou as cordilheiras asiáticas. Como houve civilizações no norte de África (núbios), maioritariamente negras (nem falo dos Egípcios, cujo desenvolvimento teve mais a ver com o Nilo do que com o facto de serem os africanos com pele mais clara.



Eddie, as civilizações da América do Sul não se desenvolveram em condições idênticas (excluíndo o deserto) ?

Certamente que na Europa também o tipo de agricultura possível a Sul não é o mesmo que no Norte.
Sinceramente, o que me parece é que nos nossos dias na Europa os países mais desenvolvidos são justamente os países com condições naturais menos favoráveis.



Isto é explicado, na minha opinião, porque os povos com mais dificuldades ambientar têm que lutar mais, têm efectivamente que ser mais inteligentes. Mas por outro lado, podemos dizer que essa "superioridade" só acontece quando efectivamente a força bruta deixou de ser o argumento de desenvolmento (isto é, até ao século passado, quem se impôs foi sempre exclusivamente quem tinha o exército mais forte, e a partir de 1945 começou a levar-se em conta outros argumentos, porque a continuar na Europa a voragem belicista a que estivémos sujeitos desde sempre, ou pelo menos de forma mais acentuada desde que os Romanos decidiram sair da sua península, com dizia, caso se mantivesse essa vontade de fazer a guerra, já os suecos, finlandeses e noruegueses tinham sido invadidos pelos seus vizinhos do centro e leste da Europa.

Eddie, as civilizações da América do Sul não se desenvolveram em condições idênticas (excluíndo o deserto) ?

Sim. A América, tal como a África, tem o seu eixo maior na direcção Norte-Sul, também apresenta grandes faixas de floresta tropical e na verdade também tem grandes regiões desérticas, incluindo o deserto mais seco de todo o Mundo: o Atacama. E tal como em África, também não apareceram mais do que dois ou três grandes impérios. Na América os Aztecas, Maias e Incas; na África o Egipto, o Acsum (Etiópia) e o reino de Kush (Sudão). De qualquer das formas, não nos podemos esquecer que nas regiões onde se desenvolveram as grandes civilizações ameríndias, o continente é estreito, rapidamente se chega ao litoral, (onde tipicamente abundam recursos) seja por leste ou por oeste, e as faixas de floresta tropical são um fiozinho quando comparadas com a floresta tropical africana que constitui o coração do continente, logo não é de estranhar que a expansão agrícola na América tenha sido mais rápida do que em África.

Apesar de em alguns aspectos haver uma vantagem inicial das condições na América relativamente à África, o mesmo problema manteve-se, o desenvolvimento na América não foi assim tão grande e diversificado, acabou por ser mais lento do que na Europa e Ásia e finalmente estagnou, e a prova disso é que levaram uma coça dos Europeus mal estes lá chegaram, porque eram maças de pedra contra espadas de aço e mosquetes.

Certamente que na Europa também o tipo de agricultura possível a Sul não é o mesmo que no Norte.
A diferença não é assim tão grande porque, como já disse, no caso da Europa estamos a falar numa gama de latitudes muito mais limitada do que no caso de África, mas mesmo que fosse, continuaria a haver todo um eixo este-oeste para expandir rapidamente sem necessidade de modificação e adaptação a novas espécies para cultivar. A laranja só para dar um exemplo, é originária da Índia e dá-se tão bem na Índia, como no Médio Oriente, no Mediterrâneo ou na Península Ibérica.

Sinceramente, o que me parece é que nos nossos dias na Europa os países mais desenvolvidos são justamente os países com condições naturais menos favoráveis.

Dizes bem, nos NOSSOS DIAS, porque na antiguidade os grandes impérios e as grandes inovações tiveram origem nos sítios onde havia condições para tal: Médio Oriente, Sul da Europa, Sul da Ásia e China. Sim, a Finlândia, a Noruega, a Suécia, a Alemanha encontram-se entre os países mais desenvolvidos do Mundo apesar de se encontrarem muito a norte, onde poderia haver dificuldade em implementar as mesmas técnicas que eram usadas muito mais a Sul. Mas são ricos e desenvolvidos HOJE, após o evento da industrialização. O que eram essas regiões à data do apogeu da Babilónia, ou mesmo mais tarde, à data do Império de Alexandre ou do Império Romano? Pouco mais do que uma cambada de pastores e pescadores.
« Última modificação: Outubro 18, 2007, 22:58 pm por eddie_verdde »
Quod scripsi, scripsi.:
Tudo pelo Sporting, nada contra o Sporting.
Banca, Academia, Paulo Bento.
Evolução na continuidade.
Orgulhosamente sós a bater palmas ao mau futebol. Para Alvalade, rapidamente e em força.
Como é que este cromo pode dizer que raça x é mais inteligente que raça y sem estabeleçer o real significado de inteligencia?

Mas uma coisa é verdade:há diferentes raças,cada uma com alguma caracteristicas próprias,as diferenças entre os vários grupos de seres humanos são claras.Vamos a exemplos:
- Os alemães têm em média maior altura que os zulus;
- A diferente forma facial da cara dos Asiáticos;

Essas características se explicam pela diferença no DNA das populações humanas que sofreram os processos da seleção natural separadamente. Se há, como todos podem ver, diferenças físicas claras entre as raças, então é razoável deduzir que há também diferenças intelectuais.

Deve ser difícil provar isso, mas com certeza alguma raça deve ter mais facilidade para lidar com números do que outra. Alguma deve ter mais facilidade para comunicar-se verbalmente que outra.No geral, é totalmente aceitável dizer que um grupo humano possui maior inteligência que outro.Mas não podemos generalizar e dizer "os brancos são mais inteligentes que os pretos e ponto final",até porque dentro do grupo dos pretos e brancos existem uma infinidade de raças que não podem ser consideradas iguais.

Mesmo que se provasse cientificamente, isso não quer dizer porcaria nenhuma. Mesmo se a média dos negros fosse menos inteligente que a média dos brancos, ainda assim existiriam muitos negros mais inteligentes que brancos, mesmo porque a suposta diferença não seria muito grande.Até porque o mundo já assistiu á formação de grandes impérios comandados por outras raças que não a raça branca.

Portanto este tipo que defina primeiro de tudo o queé inteligencia e não venha falar de coisas destas sem mais nem menos.
How to become a skin head:
1. Remove 90% of your hair
2. Remove 90% of your brain
3. Remove 90% of your balls
Voila....what is left over, is now a skinhead
Já agora, numa versão mais completa que tinha lido dessa entrevista, há outro aspecto que lhe tira a credibilidade de vez, e com este não há argumento de defesa possível:

Citar
Dr Watson is no stranger to controversy. He has been reported in the past saying that a woman should have the right to abort her unborn child if tests could determine it would be homosexual.
"If you can't dazzle them with brilliance, baffle them with bullshit"
Um exemplo de seres inferiores foram os anormais que fizeram o ataque hoje aos apoiantes da Bhenazir Butto no regresso desta ao Paquistão.

Que cambada de anormais. :cartao:

Da vez de este chico esperto tentar explicar a inteligência por herança genética , melhor seria ele provar que há individuos que regridem , isto é não utilizam a suposta inteligência que supostamente receberam por herança genética.
Um exemplo de seres inferiores foram os anormais que fizeram o ataque hoje aos apoiantes da Bhenazir Butto no regresso desta ao Paquistão.

Que cambada de anormais. :cartao:

Da vez de este chico esperto tentar explicar a inteligência por herança genética , melhor seria ele provar que há individuos que regridem , isto é não utilizam a suposta inteligência que supostamente receberam por herança genética.
:arrow:
Isso ocorre,por exemplo,naqueles que deixam de ser do Sporting para ser lampiões :exclaim:
How to become a skin head:
1. Remove 90% of your hair
2. Remove 90% of your brain
3. Remove 90% of your balls
Voila....what is left over, is now a skinhead
Eddie, as civilizações da América do Sul não se desenvolveram em condições idênticas (excluíndo o deserto) ?

Sim. A América, tal como a África, tem o seu eixo maior na direcção Norte-Sul, também apresenta grandes faixas de floresta tropical e na verdade também tem grandes regiões desérticas, incluindo o deserto mais seco de todo o Mundo: o Atacama. E tal como em África, também não apareceram mais do que dois ou três grandes impérios. Na América os Aztecas, Maias e Incas; na África o Egipto, o Acsum (Etiópia) e o reino de Kush (Sudão). De qualquer das formas, não nos podemos esquecer que nas regiões onde se desenvolveram as grandes civilizações ameríndias, o continente é estreito, rapidamente se chega ao litoral, (onde tipicamente abundam recursos) seja por leste ou por oeste, e as faixas de floresta tropical são um fiozinho quando comparadas com a floresta tropical africana que constitui o coração do continente, logo não é de estranhar que a expansão agrícola na América tenha sido mais rápida do que em África.
[/quote]

Se calhar posso estar a dizer uma bacorada das grandes, mas se calhar a America desenvolveu-se mais porque houve muito mais emigração europeia do que na Africa, ou não?


"I haven’t failed; I’ve had 10,000 ideas that didn’t work" Benjamin Franklin
Acho que um premio Nobel, deveria ser mais inteligente :).

O que é um branco? E um preto?. Zidane? Bin Laden? Presidente da Tunísia? Antonio Costa? Quaresma :)?
O mundo não é a preto e branco, e um cientista devia saber isto melhor que ninguém. A definição de inteligência é muito complexa. A raça humana e no momento só uma o Homem sapiens sapiens.
Africa foi o berço da raça humana é ai que estão as nossas raízes mais longínquas.



Agora, estou em total desacordo que foi o colonialismo ou causas ambientais as principais causas actual atraso de grande parte do continente africano actualmente.
A "civilização" nasceu na Mesopotâmia, actual Iraque, logo não foi na Europa. E depois durante milhares de anos as regiões mais avançadas do planeta foram as regiões da bacia do mediterrâneo. Egipto, Fenícia, Cartago, Grécia..., e depois o Império Romano que ocupou toda a bacia do mediterrânico. A longínqua China também tinha uma civilização muito avançada.




A par da China foi na bacia do mediterrâneo que estiveram as "nações" mais avançadas do mundo ate ao sec. XVI, o próprio renascimento se deu principalmente em Itália. Só após o sec. XVI e que o "centro do mundo" se transferiu primeiro para o centro/norte da Europa e depois para o outro lado do Atlântico estando hoje a avançar a passos largos para o Extremo Oriente.



Ou seja o avanço civilizacional (e a inteligência) é uma coisa dinâmica e o grande passado não nos garante um grande futuro.


Africa:
- A colonização não é quanto a mim a principal razão do atraso Africano. Há um país africano que nunca foi colonizado, a Libéria, 0 seu estado de desenvolvimento não é superior aos outros? Não. A colonização foi uma coisa datada que felizmente faz parte do passado mas têm as costas demasiado largas. Alem disso a maior parte dos países africanos já é independente à 50 anos.



Hong Kong, foi uma das últimas regiões a ser descolonizada:), Macau ainda foi posteriormente. Duvido que algum habitante de Hong Kong chore pelos cantos dos maleficios da colonização.
Contrariamente a perspectivas de alguns Ocidentais, e diziam que seria a desgraça. Hong Kong é hoje passados 10 anos, uma região com o PIB per Capita superior ao Reino Unido e com uma taxa de crescimento muito superior a Britânica e um regime "semi-democratico" que a China tem respeitado numa filosofia um país dois regimes. O mesmo sucede em Macau, PIB per capita superior ao Português, e crescimento a milhas do Nacional.




Agricultura.
Eu estive em Africa explicar pelo clima e pelas condições ambientais o atraso Africano é tentar tapar o Sol com peneira, de alguém que nunca esteve em Africa.



A agricultura nasceu da escassez não da abundância. Foi com as mudanças climatéricas da última glaciação, os mares subiram e o Saara apareceu. Também o “apareceu”Deserto Arábico do Irão e de Gobi, que no fundo são o “mesmo”.
Os homens caçavam no Saara, coberto de erva e rios. Mas depois, a desertificação condenou-os a morrerem de fome. Evidentemente que os caçadores pré-historicos se foram refugiar junto dos rios, do Nilo em Africa e do Tigre e Eufrates na Mesopotâmia.
Mas não podiam viver da caça, não havia espaço nem animais que chegassem. E da escassez nasceu o “engenho”, junto aos rios nasciam cereais selvagens. O “engelho” foi seleccionar as melhores, semeá-las e arrancar as outras. E muitos aqui tiveram milhares de anos, a cultivar a terra no mesmo sítio. E criaram a civilização mais avançada da sua época.
Africa sub-sariana, teria quanto muito, sido uma desvantagem pela positiva. A abundância normalmente não aguça o engenho e quem como eu esteve em Africa sabe que certas regiões africanas têm condições impar para a prática da agricultura. Nasce tudo e há água e sol em abundância sem precisar de muito trabalho e com densidades populacionais muito baixas. Tem vantagens comparativas imensas em relação as regiões Europeias mas desenvolvidas(Norte) onde a pratica da agricultura em latitudes elevadas é muito difícil.




A abundância normalmente não aguça o engenho. (A nossa decadência Europeia será muito explicada por isso dai a cem anos, mas isso é outra historia).
« Última modificação: Outubro 19, 2007, 00:20 am por old lion »
SPORTING a maior potência desportiva NACIONAL
Eh pá, a verdade é que os pretos estão-se a cagar para isso, porque está provado que têm a pila maior! :lol:

(Fim do interlúdio porco, podem continuar :twisted:)
Saudades do futuro.
Tenho estado a ler os comentários a este tópico e confesso que algumas ideias aqui explanadas, surpreendem-me quanto baste.

Esse tal Watson até pode estar errado, mas era genial em 1962, pois descobriu a estrutura molecular do ADN e agora, vejam só, deu-lhe para dizer bacoradas com 79 anos. Quer isto dizer, que o homem em 45 anos não aprendeu mais nada (independentemente de algumas das suas posições mais ou menos reprováveis em termos éticos) e até já está a ficar xexé. E eu que julgava que a idade trazia mais experiência e mais conhecimento...

Também não deixa de ser curioso que de forma mais ou menos jocosa, todos aqui admitem como provado que os negros são mais fortes que os brancos e que até têm a pila maior, mas quando o tema é «inteligência», caem na tentação fácil de engendrar «n» conceitos subjectivos sobre a mesma, não vá o Diabo tecê-las e chegarem à triste conclusão que afinal são racistas. Quer isto dizer que há por aqui verdadeiros especialistas em comparar forças e medir pilas, mas ninguém minimamente habilitado a arriscar um significado concreto para o termo «inteligência».

Quando estudei filosofia, lembro-me de ter aprendido que a inteligência é a capacidade que um indivíduo tem de resolver problemas ou situações que para ele, são totalmente novas, mas se eu recorrer a um dicionário que tenho cá em casa, também não me é muito difícil encontrar um significado gramatical para «inteligência»:

inteligência (L inteligentia), f. Faculdade de compreender; entendimento; compreensão fácil; raciocínio;

Como vêem, não custou muito.

O que não deixa de ser engraçado, é que ao estarem a condená-lo violentamente pelas suas posições, estão exactamente a cair no pecadilho a que ele chamou de «defesa do politicamente correcto» e se assim não é, devo deduzir que todos aqueles que acham que Watson está a proferir autênticas alarvidades, podem provar precisamente o contrário, ou seja, que os negros são tão ou mais inteligentes que os brancos.

Pela parte que me toca, sou incapaz de dizer se os negros são mais, menos ou tão inteligentes que os brancos, mas sou igualmente incapaz de deixar de respeitar a opinião de quem quer que seja, só para alinhar no bacoco do politicamente correcto ou ferir as susceptibilidades de uma qualquer comissão de defesa dos direitos humanos, cujos objectivos são meramente sociais e não científicos. Se quiserem conhecer as fundamentações científicas das declarações de James Watson, o mais sensato será ler os seus livros, ao invés de tentarem encontrá-las numa mera notícia veiculada pela comunicação social.
As mulheres são como as piscinas: o seu custo de manutenção é muito elevado e não é compensado pelo tempo que passamos dentro delas.

Um homem é como um soalho flutuante: se for bem montado, pode ser pisado durante mais de 30 anos.
- é muito mais difícil definir e classificar inteligência que capacidade física
- deve ser muito mais difícil também em relação à capacidade física destrinçar o que na inteligência demonstrada e testável através de testes deriva da capacidade inata dos objetos de observação do desenvolvimento dessa capacidade, através do sistema formal de ensino e de vários outros mecanismos de interacção social

Volto a dizer: é muito mais fácil arranjar medidas objectivas de capacidade física (dimensões dos orgãos sexuais secundários então nem se fala - atenção que performance é uma coisa diferente ;)) e medi-las do que definir parâmetros de inteligência e quantificá-los tendo em conta todos os factores para os quais se deve controlar.
Saudades do futuro.
- é muito mais difícil definir e classificar inteligência que capacidade física
- deve ser muito mais difícil também em relação à capacidade física destrinçar o que na inteligência demonstrada e testável através de testes deriva da capacidade inata dos objetos de observação do desenvolvimento dessa capacidade, através do sistema formal de ensino e de vários outros mecanismos de interacção social

Volto a dizer: é muito mais fácil arranjar medidas objectivas de capacidade física (dimensões dos orgãos sexuais secundários então nem se fala - atenção que performance é uma coisa diferente ;)) e medi-las do que definir parâmetros de inteligência e quantificá-los tendo em conta todos os factores para os quais se deve controlar.

Até porque como está provado, existem vários tipos de inteligência...

De resto concordo com tudo o que disse o Always na questão do racismo... se alguém comparar branco com branco e afirmar que um é mais inteligente que outro ninguém se importa, nem mesmo o branco que foi considerado menos inteligente... ainda no outro dia vi um programa na TV que consistia exactamente nisto, usando um grupo de pessoas que se destacaram nas suas áreas de especialidade (cientistas premiados de várias áreas, artistas plásticos, músicos, médicos, desportistas, etc), fizeram vários testes aos diferentes tipos de inteligência e depois uma média dos resultados. Ganhou a artista plástica, que por sinal era mulata. :D :D

Agora se quisermos comparar brancos com pretos, morre à nascença a ideia porque é racismo...
The future is now... and now... and now... and now... and now... and now... and now...
por acaso um dos assuntos que vinha aqui expor era esse... (ou parecido..)

lembram-se daquele programa do QI que deu na tvi aqui há uns anos?... pois é.. comparavam tudo: homens com mulheres,carecas com cabeludos, taxistas com peixeiras... brancos com pretos, chineses e indianos etc nada...

pior ainda.. se tivessem quase a certeza que os pretos eram mais inteligentes que os brancos tinham-no feito... haver a demonstraçao que o preto é mais inteligente que o branco (por exemplo se as declaracoes do dr warson fossem ao contrario..) nao é problema ... a hipotese de o branco ser mais inteligente que o preto é racismo...

quanto ao problema das raças e da sua capacidade inata podemos estabelecer uma comparação com outras especies:

por exemplo o cao... nao há raças mais agressivas que outras?... mais fieis?... mais inteligentes?... nao sao caracteristicas inatas das varias raças?... entao porque é que nao pode acontecer o mesmo com a especie humana?... independentemente das causas para essa diferenciaçao ou de quem é mais ou menos inteligente, sensivel, agressivo etc...

vale a pena estudar isso?... podemos organizar melhor as sociedades partindo dos resultados desse estudo?...

nao em termos desta raça é mais inteligente logo devia mandar no mundo... acho os arabes e indianos mais inteligentes que os europeus e nao é por causa disso que os quero a mandar em mim...

quanto ao problema civilizacional acho que é marginal a esta discussao... o surgimento de civilizacoes é funçao de varias condiçoes que sao fruto do acaso... acredito mais que as civilizacoes poderiam ter criado essa seleccao que uma previa seleccao criado as civilizacoes... nao me estou a referir a grandes civilizacoes mas a estilos de vida...



vivó Sporting!!!
vale a pena estudar isso?... podemos organizar melhor as sociedades partindo dos resultados desse estudo?...

 :rotfl:... oh Paulo não leves a mal, mas não estou mesmo a ver a utilidade de um estudo destes...
vale a pena estudar isso?... podemos organizar melhor as sociedades partindo dos resultados desse estudo?...

 :rotfl:... oh Paulo não leves a mal, mas não estou mesmo a ver a utilidade de um estudo destes...

nao levo a mal... a questao levantada nao era para recolher unanimidade...

nem eu sei se terá utillidade ou nao...

consigo ver mais vantagens que desvantagens... contudo teria o problema da discriminacao se o assunto nao fosse encarado da maneira correcta e isso é uma desvantagem muito grande...

um dos principios da sociedade actual é que todos somos iguais, temos igual potencial, igual capacidade, defendemos  (ou deveriamos defender) os mesmos principios... só assim faz sentido a sociedade neo-liberal para a qual caminhamos a passos largos... mas e se nao partirmos todos do mesmo ponto?.. se na realidade nao formos iguais e existirem diferenças nao a nivel individual mas a nivel racico?... fara sentido caminhar para uma sociedade competitiva quando se sabe á partida quem vai perder?.. e que que a faixa que vai perder é caracterizada por ser branca ou preta ou amarela?...

mesmo havendo mistura de raças quanto tempo levará a esbater essa diferença?.. e será rapida o suficiente de modo a acompanhar a seleccao social?...

por outro lado o que define intelectualmente uma raça?... que afinidades isso cria com a propria raça?.. haverá maior afinidade em termos intelectuais independentemente das condiçoes sociais?... ou seja existe um padrao intelectual definido dentro de uma raça que aproxima as pessoas independentemente da sua experiencia de vida?...

uma naçao apesar da mistura de raças tem uma raça predominante que se distingue intelectualmente das outras?... é possivel uma nacao conduzir a sua politica em funcao das caracteristicas intelectuais dessa raça (e quando digo raça é a raça ou raças predominantes..)?...

como podes ver poderia passar o resto do dia a levantar questoes baseadas nos resultados desse estudo...

vivó Sporting!!!
O neo-liberalismo não é absoluto... todas as formas de intervencão social destinam-se a suprir situacões de desvantagem intelectual, física, mental ou seja lá o que for.

Por essa ordem de ideias, não deveria haver medicina, já que deveríamos partir do pressuposto que todos têm a mesma capacidade de aguentar uma gripe ou outra coisa qualquer.