Ex-Dirigentes do Sporting Clube de Portugal

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

****** Maio 18, 2015, 16:53 pm
O antigo administrador da SAD do Sporting Luís Duque contariou esta segunda-feira o depoimento do antigo presidente do clube, Godinho Lopes, e garantiu só ter sabido da existência de um contrato para vigilância de jogadores «através da imprensa».
 
«Apenas troquei impressões com o Paulo Pereira Cristóvão sobre questões de segurança. Desconheço se isso foi materializado num contrato», afirmou Luís Duque, agora presidente da Liga, que foi administrador da SAD do Sporting entre abril de 2011 e outubro de 2012.
 
Luís Duque foi ouvido como testemunha no âmbito do caso Cardinal, que envolve Paulo Pereira Cristóvão, antigo vice-presidente do clube e antigo inspetor da Polícia Judiciária. Na sessão anterior, Godinho Lopes admitiu ter falado com Luís Duque para contactar uma empresa que fizesse «um trabalho de acompanhamento e não de espionagem [dos jogadores]».
 
«A ideia não foi minha, se [Godinho Lopes] a discutiu comigo não tenho ideia», disse Luís Duque, admitindo, no entanto ter recebido de Paulo Pereira Cristóvão «informações avulsas sobre jogadores».
 
Luís Duque considerou ainda que «qualquer contrato que tivesse como âmbito os ativos da SAD deveria ter passado pela SAD».
 
Segundo a acusação, o Sporting terá contratado a empresa Businlog, para a vigilância de jogadores, tendo esta posteriormente subcontratado a Right Expert, com ligações a Paulo Pereira Cristóvão.
 
O atual presidente da Liga de clubes admitiu, tal outras testemunhas ouvidas anteriormente, ter tido conhecimento da denúncia de uma alegada tentativa de suborno ao árbitro assistente José Cardinal durante uma reunião com Godinho Lopes, Carlos Freitas, então diretor para o futebol, e Paulo Pereira Cristóvão.
 
Durante a sessão da manhã foi também ouvido João Melo Franco, presidente do Conselho Fiscal do Sporting entre 2011 e 2013, que esclareceu alguns pormenores do inquérito interno realizado pelo clube no âmbito do caso Cardinal.
 
Melo Franco confirmou a existência de um contrato, de 8.000 euros mensais, com o Businlog, explicando que a empresa estava proibida de subcontratar outras.
 
No entanto, segundo a acusação, a Businlog, que efetuava a vigilância de jogadores, subcontratou a Right Expert, à qual pagava 6.000 mensais.
 
O antigo presidente do Conselho Fiscal confirmou também que foi disponibilizada a Paulo Pereira Cristóvão uma verba de 3.000 euros, que acabou por ser classificada como confidencial.
 
Segundo a acusação a verba de 3.000 euros terá sido usada para efetuar o depósito de 2.000 euros na conta de José Cardinal, para posteriormente o acusar de ter sido subornado, antes de um jogo entre o Sporting e o Marítimo.
 
Paulo Pereira Cristóvão, que está detido desde março no âmbito de um outro processo, deverá prestar declaração ao tribunal, presidido pela juíza Marisa Arnedo, a 27 de maio, às 14:00.
 
O antigo inspetor da Polícia Judiciária é acusado de um crime de burla qualificada, outro de branqueamento de capitais, dois de peculato, mais um de devassa por meio informático, um de acesso ilegítimo e, por fim, um de denúncia caluniosa agravada.

MF

Uns dizem uma coisa outros dizem outra. Andávamos entregues á bicharada!!!!!
Que sejam todos expulsos de Socio.

SL
***** Maio 18, 2015, 18:52 pm
E o mais engraçado que tudo, é que esqueçamos por 3 segundos o passado...
ESTE SENHOR É O ACTUAL PRESIDENTE DA LIGA!!!
Sempre Sporting!
* Maio 18, 2015, 19:00 pm
Para recordar, Carlos Barbosa (2011):

Vice-presidente do conselho diretivo para a Comunicação e Marketing confia na revisão dos estatutos durante a AG de hoje


RECORD – Como vai cumprir o objetivo de vender 30 mil Gameboxes no meio de uma crise tão forte?



CARLOS BARBOSA – A renovação do Sporting passa por uma situação importantíssima que é a aprovação na AG de hoje dos novos tipos de sócio. Haverá uma série de novas categorias que permitirá, por sua vez, que se faça um novo tipo de Gameboxes. Os sócios estavam completamente dissociados do clube. Ninguém vinha ao estádio. Só para se ter uma ideia, 50 por cento da audiência no estádio eram portadores de Gamebox. Não faz sentido. Este ano já batemos o recorde das renovações. O melhor era do tempo de Soares Franco com 12.500 e nós já vamos nas 18 mil renovações. Com as vendas espero atingir as 30 mil porque, apesar de tudo, o valor das Gameboxes e dos bilhetes tem sido muito ponderado. Vamos manter os preços do ano passado porque sabemos que as pessoas não têm dinheiro e há uma crise generalizada. Não podemos pensar que o futebol é uma exceção à crise que o país atravessa. Por muito que os ferrenhos sportinguistas deixem outros pagamentos por efetuar para pagar a Gamebox nós sabemos a realidade e temos de contemplar tudo isso. Agora há o sonho, há a paixão, a emoção...


R – ... Uma pré-época que tem ajudado a mobilizar...


CB – Sim, tem. Mas quando a bola começar a rolar a sério e aparecerem os resultados efetivos, será melhor. O grande período de vendas é imediatamente antes da primeira jornada do campeonato. Entre 12 de agosto e o próprio dia do jogo é quando esperamos a “loucura” das vendas.


R – Para quem tem 90 mil sócios, não é assim tão ambicioso chegar aos 100 mil, como pretende Godinho Lopes...


CB – O que nós queremos não é ter 90 mil sócios. O que queremos é ter 100 mil pagantes. É a grande diferença.


R – Quantos são os efetivamente pagantes?



CB – Com a recuperação que estamos a fazer através de uma operação de telemarketing, estou convencido de que devemos ter qualquer coisa entre os 60 mil e os 70 mil pagantes. Perdemos 14 mil pagantes na época passada. E perdemos 25 mil pagantes quando Santana Lopes foi presidente e instituiu a quota extraordinária. Ter sócios não me diz nada. Quero é ter sócios pagantes. Dizer que tenho 300 mil sócios...


R – É exequível chegar aos 100 mil pagantes esta época?



CB – Acho que sim, se os estatutos forem aprovados hoje. Os sócios do Sporting não perceberam ainda a importância da AG de hoje. A AG vai permitir uma modernização do Sporting. Não estou a falar do voto por correspondência, no voto eletrónico, nem no número de votos de cada um. Esse assunto está resolvido por quem de direito. A minha parte é comercial. Com os atuais estatutos estou completamente blindado para as categorias de sócios que existem. Tenho de ir procurar o sócio onde ele está e dar-lhe aquilo que ele quer. O que estou a fazer no Sporting é, de certa forma, uma cópia daquilo que fiz no ACP, onde tenho cerca de 260 mil sócios pagantes e entrei com pouco mais de 150 mil. É preciso ter várias categorias de sócio: para aquele que não vem, o que é atleta, o que vem todos os dias, o que tem Gamebox mas não pode vir a um determinado número de jogos e quer vender o lugar recebendo 50 por cento do valor. Há uma série de iniciativas comerciais que só poderão ser feitas com os novos estatutos aprovados. A discussão dos estatutos é a viragem do Sporting em termos comerciais e financeiros. Os sócios não podem estar hoje na AG a perder-se com parvoíces e com coisas sem interesse para satisfazer o ego deles, porque o que está aqui em causa é o Sporting. As novas categorias de sócio são o crescimento do Sporting. Vai ser facílimo passar os 100 mil.


R – Cem mil sócios pagantes dará para quê?


CB – Se os estatutos forem aprovados, conforme espero, por larga maioria, não vamos ter 100 mil sócios. Vamos ter muito mais. Há sócios que querem dar mais dinheiro ao Sporting. E há os que não têm tanto dinheiro e os que só vêm uma vez por ano. Mas mesmo os sócios que estão em Bragança querem ter regalias. O cartão de sócio do Sporting deve ter o mesmo valor que o do ACP, por exemplo. Deve dar descontos, ter promoções. O sócio que está em Bragança quer ter vantagens por pagar a quota. As contrapartidas têm de ser superiores ao que ele paga, que é o que acontece no ACP e eu quero transportar para o Sporting. A quota do sportinguista deve ser paga pelas vantagens que o cartão lhe dará.


R – Isto será para quando?


CB – Estamos a trabalhar as parcerias mas só posso avançar quando forem aprovados – hoje, espero – os estatutos com as novas categorias de sócio. O que paga mais tem mais vantagens, os que pagam menos têm menos vantagens. Quando aos votos, isso é outra questão, para as nove pessoas de todas as tendências que formaram a comissão de revisão dos estatutos.


R – Há alguma ideia de quanto poderão crescer as receitas?


CB – Não se pode fazer cálculos sem saber que categorias de sócios serão aprovadas. Se forem todas pode-se fazer as contas, com um estudo de mercado. Se for chumbada uma categoria, por uma birra qualquer (pois isto é um aspeto meramente comercial), as receitas serão prejudicadas. É preciso um leque amplo de categorias de sócio para poder aumentar as receitas.


R – Uma das ideias que pretende implementar para aproximar a equipa dos adeptos é pôr os jogadores a assinar camisolas antes e depois dos jogos...



CB – Deixe-me dizer algo que considero importantíssimo. Os jogadores fazem parte do marketing de qualquer clube de futebol. Blindar os jogadores é uma má opção. O público quer estar com eles, quer conversar, quer tirar fotografias. Os nossos profissionais perceberam que, numa altura em que o Sporting está a passar por grandes dificuldades, têm também que colaborar. Tenho tido uma recetividade excecional do Luís Duque, do Carlos Freitas e do próprio treinador, Domingos Paciência. Um jogador lesionado pode, no dia do jogo, fazer várias ações que ajudarão na parte comercial. Vamos refazer a Loja Verde, criar outro tipo de merchandising e, se calhar, vamos mudar a localização da Loja, integrando-a com o Museu. O Museu do Sporting não fica atrás do do Barcelona. A diferença é que o deles é mais moderno e tem uma série de tecnologias multimédia atrativas. Temos de transformar o Museu, juntamente com a Loja, num local de peregrinação. O Barcelona recebe por ano 1,9 milhões de visitantes. Já pensaram o que representa isto em dinheiro?


R – A ideia das assinaturas nas camisolas é para avançar já?


CB – É para já.


R – No próximo sábado?


CB – Não sei se avança já no sábado, por causa do espetáculo que será montado. Talvez não dê para operacionalizar mas vamos fazer isso em todos os jogos.


R – Há mais novidades para os sócios?



CB – Estamos a trabalhar várias coisas, sobretudo nos jogos fora. Queremos ter atividades com os sócios antes dos jogos fora de casa. Brevemente anunciaremos um programa, que inclui o bilhete do jogo, para que os sócios locais possam participar e, depois, apoiar a equipa. Nós precisamos do apoio dos sócios e não podemos contar só com as claques que andam atrás da equipa.


R – E jogos ao domingo à tarde em Alvalade?


CB – A Federação não se opõe e vamos ter uma conversa com Joaquim Oliveira nesse sentido. Já não há o impedimento de a Liga Orangina ser à mesma hora. Queremos trazer as famílias ao estádio. Em Inglaterra as transmissões não perdem audiência e os estádios estão cheios com famílias inteiras. Não podemos estar reféns das transmissões de televisão quando as pessoas querem vir ao estádio ver futebol. As verbas da televisão são importantíssimas e não as queremos prejudicar, como é evidente. Tem de haver um entendimento entre a Olivedesportos e o Sporting para se realizar o maior número de jogos ao domingo à tarde em Alvalade.


R – Isso irá acontecer ainda esta época?


CB – Tem mesmo de acontecer esta época. Penso que Joaquim Oliveira percebe isto perfeitamente, porque não vai colidir com horários da Sport TV. Ele pode ganhar o dinheiro que tem de ganhar e nós ganharmos com as transmissões e termos o público que queremos.


R – O azul TMN nas camisolas é um foco de desagrado. Prometeu resolver até final do ano...


CB – Não prometi resolver. O que eu disse foi “se esta onda sportinguista continuar, nós esgotamos as camisolas até ao fim do ano”. Nessa altura, pode-se mandar fazer camisolas novas. Não vou deitar camisolas para o lixo. Os equipamentos foram encomendados há um ano, antes desta direção. Fizemos várias experiências para serigrafar em cima das camisolas existentes mas não resultaram. Já temos o acordo da Portugal Telecom para retirar o fundo azul.


RECORD – Também é um dos sportinguistas entusiasmado com a equipa?


CB – Sou. Em todos os sítios onde passei, verifiquei que o mais importante é a competência e o profissionalismo. E o que eu vejo neste novoSporting, sendo uma pessoa que percebe pouco de futebol, é uma equipa excecional, com Luís Duque, Carlos Freitas e Domingos Paciência. A escolha de jogadores que foi feita, sem loucuras de preços, prova o profissionalismo. Nãoandamos a concorrer contra nenhum clube, como é o caso do Benfica e do FCPorto, que andam a ver quem gasta mais dinheiro e quem ganha ao outro. Não é essa a nossa postura.


R – Isso é bom ou mau sinal?


CB – É bom. Temos de ser nós próprios, o Sporting. Estamoscompletamente nas tintas para o FC Porto e para o Benfica. Isso não faz sentido.


R – Mas o facto de Pinto da Costa não se ter preocupado com os jogadores pretendidos pelo Sporting não o alarma?


CB – O Pinto da Costa tem lá o quintal dele e nós temos o nosso. Ele gere o dele. Gosta muito de grandes conversas, de estar em conferências deimprensa sempre a gozar com tudo e com todos. Nós estamos noutro registo,noutro campeonato. Estamos a fazer o nosso trabalho, calmamente.


R – E acha que o Sporting tem equipa para isso?


CB – Não acho. Tenho a certeza. Temos uma equipa que está a ser construída para que possa competir com qualquer clube. Não é o FC Porto que nos preocupa. Preocupa-nos é, se formos à Champions, o Barcelona e o Real Madrid, para também podermos competir. Porque, daqui a um ano, um ano e tal, o FC Porto já não fará parte do nosso campeonato. O campeonato do Sporting daqui a um ano ou dois será o Barcelona, o Ajax, o Real Madrid. Isso para nós é que vai ser importante. Não vou competir com o Pinto da Costa, vou competir com a equipa do FC Porto no terreno. O que Pinto da Costa diz não me interessa rigorosamente nada.


R – As palmas no aeroporto para receber a equipa do estágio não lhe pareceram excessivas?


CB – Não. Nós tivemos uma travessia no deserto, muito má, nos últimos anos, que se limitou a um problema de competência e nada mais. De repente, os sócios veem competência no clube, competência no futebol, competência no presidente, confiança por parte da banca, veem que, até agora, cumprimos tudo o que prometemos, não anunciamos nada que não esteja já assinado. Os sócios sentem um novo Sporting. O próprio título da campanha – O Sporting está de volta – é exatamente isso. O que aconteceu nos últimos anos não era o verdadeiro Sporting. Os sócios sentem isso e daí a procura das Gameboxes e dos bilhetes.


R – Mas não ficar satisfeitos com uma boa pré-época...


CB – As pessoas têm de ficar satisfeitas com uma época inteira boa. Vamos competir para o 1.º lugar. Não estou prometer que vamos ser campeões mas vamos competir para o 1.º lugar e, para isso, precisamos do apoio dos sócios: que venham ao estádio, que nos apoiem, que não nos assobiem se um jogo correr mal. Estamos a começar praticamente do zero.


R – O Sporting contratou bastantes jogadores. Isso ajudou à parte comercial?


CB – É muito importante. No ano passado, que camisolas conseguia vender? Postiga, Djaló e do Liedson, antes de se ir embora. Agora temos um naipe de jogadores enorme, de grandes estrelas.


R – Quem é o campeão?


CB – As camisolas ainda só foram postas à venda há uma semana. Entretanto, chegaram novos jogadores. O campeão vão ser aquele que brilhar mais no terreno e tiver mais empatia com os sócios. Os profissionais do Sporting, os que entraram e os que estavam cá, surpreenderam-me pela empatia e disponibilidade, que não vejo noutros clubes.


R – Como sportinguista, qual é a cara nova que lhe está a “encher as medidas”?


CB – Todas. O Luís Duque, o Carlos Freitas e o Domingos Paciência são os três maestros de tudo isto e, agora, temos de ver quem toca melhor. Uns vão tocar melhor violino, outros melhor piano, outros bateria, outros bombo. Todos no seu lugar. Neste momento não lhe posso dizer que estou completamente doido com este ou aquele jogador porque acho que fizemos excelentes aquisições, sem entrarmos em loucuras de pagamentos. Ainda ontem fizemos a apresentação de um belíssimo jogador, contratado em segredo, de uma simpatia e humildade como nós precisamos no Sporting. Os jovens reveem-se nestes ídolos. Não podem ter um tipo a assinar a camisola com ar maldisposto. Isso não é o Sporting.


R – Muito sinceramente, acredita que as arbitragens vão melhorar esta época?


CB – Não. Mas não tem a ver com o Sporting, com o Benfica ou com o FC Porto. O Sporting tem de ser respeitado, como os outros. Teria de haver uma maior profissionalização dos árbitros. Teriam de estar todos completamente independentes dos clubes e estar profissionalizados. Enquanto isso não se resolver em Portugal e os árbitros não tiverem as penalidades que têm de ter, o problema não se resolve. O árbitro tem de pensar que, se não for independente e competente, está a prejudicar os clubes em milhões de euros. O negócio do futebol gera milhões de euros e uma decisão errada pode estragar tudo isso. Não aceito, por isso, que um árbitro seja incompetente.

 :sick: :shifty:
***** Maio 18, 2015, 21:36 pm
Citar
Luís Duque: «Godinho mentiu? Só ele pode dizer…»


Luis Duque, antigo administrador da SAD do Sporting, negou em tribunal na manhã desta segunda-feira, ter tido qualquer conhecimento prévio ou apoiado qualquer iniciativa de acompanhamento e vigilância dos jogadores do Sporting através do contrato entre o clube a empresa Businlog, controlada por Paulo Pereira Cristóvão.

Em mais uma sessão do julgamento do "caso Cardinal" Duque admitiu ter tido “duas, três ou quatro conversas” com Cristóvão sobre assuntos relacionados com actividades nocturnas e extra futebolística de alguns jogadores do clube mas insistiu que em momento algo teve conhecimento de um contrato formal para vigilância direta dos atletas.

“Soube da existência desse contrato pela imprensa. Internamente, não soube de nada. Não vi o contrato, não tive conhecimento do mesmo e não foi assinado pela SAD,” sublinhou Luis Duque no tribunal de Lisboa.

O antigo responsável do Sporting, questionado pelo tribunal, disse entender existir “uma diferença” entre “falar-se se segurança dos jogadores e existir um contrato com uma entidade externa para seguir os jogadores”.

Questionado sobre a declaração de Godinho Lopes ao mesmo tribunal, segundo o qual a ideia do contrato terá “partido de uma conversa a três, com Luis Duque e Carlos Freitas”, o atual presidente da Liga de Clubes voltou a negar: “Se mentiu? Terá de lhe perguntar a ele”.

Duque sublinhou: “Só ele pode responder. A ideia não foi minha e não sabia da existência desse contrato”.

Questionado se sabia se Carlos Freitas teve conhecimento do mesmo, Duque voltou a ser direto: “Não sei, mas não acredito que tivesse, pois se tivesse certamente que me teria transmitido”.

Antes de Luis Duque, o tribunal ouviu João Melo Franco, à altura presidente do Conselho Fiscal e Disciplinar do Sporting. Esta testemunha disse que no processo interno Luis Duque negou ter tido conhecimento do contrato com a Businlog e que “a ideia terá partido de Paulo Pereira Cristóvão”.

Melo Franco falou ainda sobre as verbas do contrato, confirmando o pagamento de 8 mil euros mensais, e de uma despesa “confidencial” de 3 mil euros de que Pereira Cristóvão só apresentou justificativos para “cerca de 1200 euros”. Como consequência, esclareceu, o Conselho Fiscal e Disciplinar sugeriu regras para levantamentos de caixa no Sporting.


In RASCORD





Citar
Ex-diretora financeira acusada de "falsidade de depoimento"

JUÍZA MARISA ARNEDO INTERROMPEU AS DECLARAÇÕES



A antiga diretora financeira do Sporting, Patrícia Loureiro, viu esta segunda-feira o seu depoimento em tribunal a propósito do “caso Cardinal” interrompido pela juíza Marisa Arnedo, que a acusou de “manifesta contradição”. Segundo a juíza, “afigura-se-nos manifesta a existência de indícios de crime de falsidade de depoimento”, o que a levou a ”extrair certidão” e enviar cópia para o DIAP para abertura de procedimento criminal” contra Patrícia Loureiro.

No fundo, a antiga diretora financeira do Sporting é acusada de perjúrio no seu depoimento em que, na realidade, entrou em clara contradição, não conseguindo esclarecer quase todas as perguntas colocadas pelo tribunal.

A questão central respeitava ao vale de 3 mil euros solicitado pelo então vice-presidente do Sporting, Paulo Pereira Cristóvão, que pretendia que o mesmo fosse considerado como “despesa confidencial” sem necessidade de comprovativos contabilísticos.

Patrícia Loureiro começou por dizer que “no Sporting não existiam despesas confidenciais” e que por isso Pereira Cristóvão acabou por levar aquela verba com a obrigação de apresentar as respectivas faturas justificativas. Confrontada com documentos apensos ao processo em que a sua própria assinatura permite, em dezembro de 2011, o levantamento dos referidos 3 mil euros para “despesas confidenciais”, Patrícia Loureiro não conseguiu desfazer as dúvidas da juíza Marisa Arnedo e de alguns dos advogados envolvidos no processo.

O primeiro aviso de Marisa Arnedo foi claro: “a senhora está obrigada a dizer a verdade”, disse, a certa altura, visivelmente agastada com a forma evasiva como Patrícia Loureiro respondia. Até que, cerca de dez minutos mais tarde, tomou a decisão referida.

A outra testemunha que deveria ser ouvida na tarde desta segunda-feira, Joana Pimenta, ex-mulher de Paulo Pereira Cristóvão, invocou a lei para pedir dispensa de prestar testemunho, o que foi aceite pelo tribunal.

O julgamento de Paulo Pereira Cristóvão e Vitor Viegas, arguidos no chamado “caso Cardinal”, prosseguirá no próximo dia 27 com a audição de um perito da Polícia Judiciária, da testemunha Carlos Barbosa e do próprio arguido Pereira Cristóvão.


In RASCORD
És um verdadeiro Leão na Internet... mas ainda não és sócio? Muda isso num só minuto, faz-te sócio e sê uma voz activa/participativa no nosso clube! Precisamos da ajuda de todos os Sportinguistas! -> https://socionumminuto.pt

A verdade sobre o Sporting da "geração" Roquette

Documentário "GOLPE NO SPORTING"
****** Maio 19, 2015, 00:26 am
Esse Carlos Barbosa, que aborto de pessoa  :sick: :sick: :sick:
* Maio 19, 2015, 00:30 am
Interessante ver que os artistas envolvidos andam praticamente todos com lapsos de memória... :twisted:
**** Maio 19, 2015, 10:19 am
Entrando em "modo de Arya Stark"

nobre guedes...carlos barbosa...luis duque...godinho Lopes...bettencourt...carlos freitas...
** Maio 19, 2015, 10:59 am
Esse Carlos Barbosa, que aborto de pessoa  :sick: :sick: :sick:

Este chamou garoto ao Presidente Bruno de Carvalho...o que lhe devia ser chamado a ele, tendo em conta o que fizeram ao Sporting?

Aberto a sugestões?
* Maio 19, 2015, 12:07 pm
Ainda à poucos dias revi o Padrinho. E esta malta não era muito diferente, dentro do Sporting existiu uma verdadeira máfia que sugou o clube até ao tutano.

Vergonha de gente.


**** Maio 19, 2015, 22:37 pm
Nessa entrevista foi dito que se ia lutar pelo primeiro lugar, sendo provavelmente foi um dos comentários mais contidos das personagens. Curioso é que nem metade do celeuma foi criado. Hoje até se justifica o insucesso de uma época com a utilização da expressão "pole position". Falam-se em pressões, juventude e outras merdas genéricas para justificar o que se pretende e bem entende.
****** Maio 19, 2015, 22:42 pm
Nessa entrevista foi dito que se ia lutar pelo primeiro lugar, sendo provavelmente foi um dos comentários mais contidos das personagens. Curioso é que nem metade do celeuma foi criado. Hoje até se justifica o insucesso de uma época com a utilização da expressão "pole position". Falam-se em pressões, juventude e outras merdas genéricas para justificar o que se pretende e bem entende.

Mas nessa altura tinhas "o melhor plantel de sempre"!


"If players are patient enough we can develop the team into one of the biggest in the world." - Jürgen Klopp
* Ontem às 01:59
Esta gentalha devia ir toda presa, quase que iam afundando o Sporting a um ponto de não retorno possível.
*** Ontem às 15:10
Deixo um excerto de uma entrevista que esse tipo terá dado ao diário económico e que foi colocado na Cortina Verde:

E como vê o clube hoje?

CB: Creio que o clube, hoje em dia, se chama Marco Silva. Tem feito um trabalho notável.

Se alguém queria provas que a falta de vergonha na cara pode não ter limites, aqui estão elas.

Só à paulada é que lá iam.
Enquanto poucos se questionarem porque é que na lixeira ninguém põe autocarro e porque é que para lá de coimbra ninguém joga para ganhar com os corruptos de pouco vale a indignação com as vergonhas da arbitragem que completam o lodo desta liga.
****** Ontem às 17:03
Citar
Dias da Cunha: «Sem erros de arbitragem Sporting teria ficado à frente»
DIAS DA CUNHA COMENTA ÉPOCA LEONINA
Quinta-Feira, 21 maio de 2015 | 13:28


Dias da Cunha não tem dúvidas: o campeão nacional seria outro caso não tivesse havido tantos erros da arbitragem esta época.

"O Sporting foi prejudicado nos dois jogos que realizou com o Benfica. Além disso, foi manifestamente prejudicado em outros jogos nos quais empatou. O Sporting teria ficado à frente do Benfica", afirmou o antigo dirigente à Antena 1.

Não escondendo a admiração pelo atual treinador leonino, Dias da Cunha assume mesmo que não gosta de "pensar no Sporting sem Marco Silva".

"Habituei-me a admirar o trabalho que fez, ainda no Estoril, e gosto do que tem feito no Sporting. A minha admiração por ele tem dois aspectos: ele tem um grande conhecimento do futebol e pelo seu caráter", sublinhou, acrescentando que o clube de Alvalade "tem todas as condições para ganhar a Taça de Portugal".

http://www.record.xl.pt/Futebol/Nacional/1a_liga/Sporting/interior.aspx?content_id=949889
**** Ontem às 17:10
Se queriam maior prova que Marco Silva é apenas um acessório...
* Ontem às 18:19
O Dias da Cunha devia ser proibido de falar, especialmente quando o assunto é o Sporting. O pior no meio disto tudo, é que duvido que ele acredite, sequer, no que está a dizer.

O parágrafo referente ao MS é o costume - lavagem cerebral.

Já agora, se alguém estiver interessado em deitar o almoço/lanche cá para fora, faça o favor de ir ver a entrevista do Carlos 'monte de esterco' Barbosa, de onde se podem retirar estas duas pérolas - 'o clube, hoje em dia, chama-se Marco Silva... tem feito um trabalho notável' e 'com esta direcção não me apetece ver os jogos no estádio; vejo em casa'. :wall: