Departamento Comercial e Marketing do Sporting Clube de Portugal

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Neste caso, a responsável.

E ela nem limpa troféus, nem nada, isso são outras pessoas.

Basicamente ela não faz um caralh* .

 O que é estranho, a Isabel Victor tem um currículo relevante na área da Museologia. Isto prova o que venho a dizer, mais que nomes, precisamos é de uma forma de trabalhar completamente distinta. Certamente a Isabel Victor tem que sair do seu gabinete e ver in loco o que se passa, melhorando o serviço que gere.

 Será que as pessoas passam a incompetentes quando chegam ao Sporting? Às vezes fico a pensar que contraímos um vírus qualquer, que quem quer que venha, deixa de ser um profissional de topo e passa a ser um acomodado de topo. Neste caso, acomodada.

 Na altura do Mário Casquilho, cheguei a reunir-me com o mesmo e apresentar um projecto para dinamizar o Museu. Entretanto, o Mário Casquilho saiu do Sporting tudo mudou e o projecto deixou de fazer algum sentido. Isto para dizer que há muito que se pode fazer, há muito por onde melhorar e crescer, mas as pessoas tem que ter essa mentalidade, essa abertura, caso contrário o Museu passa a ser um depósito de troféus onde os Sportinguistas se dirigem para contemplar alguns desses troféus. Ora, creio que o Museu tem outra missão. Armazéns é que guardam troféus. O Museu tem que interagir com os Sportinguistas, tem que se abrir à comunidade e tem que contar a história do Sporting. É a sua memória visual, é a história do Sporting que ali está e que cabe ao Museu contá-la, apresentá-la e em alguns momentos, defendê-la. Ser um organismo fechado sobre si mesmo, mais vale fechá-lo e assim poupamos em gastos.
“We have to be compact, close together tactically, and if you are close then you have options to play with. You don't always have to try the most risky ball if you are compact. You have to run, to fight, until the moment, and then ... bang, you take it.”

Jurgen Klopp
Não sei os motivos das duas saídas, se alguém souber e quiser informar, agradeço.

 O de Marketing sai por receber um convite de uma empresa estrangeira. O do Comercial tem um processo disciplinar em curso. Ao que parece, é muito por aqui.

 

 A falta de stock deve-se a quem está à frente da Loja Verde. Já a falta de sinalização do Museu, deve-se ao responsável pelo mesmo, que tem que fazer mais, do que propriamente andar a limpar os troféus e a organizá-los.

 Mais que mudar de pessoas, precisamos de mudar a forma de trabalhar. Melhor. Ter uma forma de trabalhar que vá de encontra aos anseios dos Sportinguistas. Isto implica uma mudança de 180º.

Neste caso, a responsável.

E ela nem limpa troféus, nem nada, isso são outras pessoas.

Basicamente ela não faz um caralh* .

Que se pode fazer muito melhor no museu estou totalmente de acordo, a publicidade que o Sporting faz a volta do mesmo é nulo, os meus pais por exemplo nunca visitaram o museu tal como a grande maioria dos adeptos, agora dizeres esse tipo de coisas avulso fica-te mal.

O museu pelo que sei ao longo do ano tem bastantes iniciativas de exposições temporárias, ou seja vê-se que existe uma tentativa para que exista dinamismo o grande problema é as pessoas viverem dentro da sua própria bolha e não perceberem que não basta o Sporting colocar uma nota de rodapé no site oficial a dizer que há uma exposição temporária, é necessário a parte do Marketing para despertar o interesse dos adeptos em ir ao museu.

O preço de ir ao museu e visitar o estádio também me parece completamente desproporcionado 13 euros, isso paga-se para ir visitar o Camp Nou e o Santiago Bernabeu e por mais respeito que tenha pela nossa história o que interessa quando se faz os preços é a procura, o RM e o Barcelona podem praticar esses preços porque têm essa procura por parte dos turistas e acaba por ser um hotspot da cidade, será que o Estádio de Alvalade pode entrar no mesmo desígnio na cidade de Lisboa? Creio que não tem comparação pelo que o preço devia ser ajustado.
é necessário a parte do Marketing para despertar o interesse dos adeptos em ir ao museu.

 Quando elaboras um projecto de uma exposição temporária, a sua difusão, a comunicação, é um dos pontos que fazem parte do caderno de encargos. Se a exposição conta com números muito baixos, então há um problema ali na difusão e cabe ao responsável inverter isso. Desconheço a forma de trabalhar do Sporting, por isso posso estar a cometer um erro, mas se como responsável do Museu vejo que há uma falha na divulgação, cabe a mim inverter isso. O Departamento de Marketing a tratar de tudo, acabará por ter destes erros porque lhes falta sensibilidade para o projecto e dou-lhes razão. É da responsabilidade do Museu tratar do seu marketing, tratar de chegar aos Sportinguistas, esperar que sejam outros (o Marketing) a fazer isso, haverá sempre falhas. Obviamente.
“We have to be compact, close together tactically, and if you are close then you have options to play with. You don't always have to try the most risky ball if you are compact. You have to run, to fight, until the moment, and then ... bang, you take it.”

Jurgen Klopp
Neste caso, a responsável.

E ela nem limpa troféus, nem nada, isso são outras pessoas.

Basicamente ela não faz um caralh* .

 O que é estranho, a Isabel Victor tem um currículo relevante na área da Museologia. Isto prova o que venho a dizer, mais que nomes, precisamos é de uma forma de trabalhar completamente distinta. Certamente a Isabel Victor tem que sair do seu gabinete e ver in loco o que se passa, melhorando o serviço que gere.

 Será que as pessoas passam a incompetentes quando chegam ao Sporting? Às vezes fico a pensar que contraímos um vírus qualquer, que quem quer que venha, deixa de ser um profissional de topo e passa a ser um acomodado de topo. Neste caso, acomodada.

 Na altura do Mário Casquilho, cheguei a reunir-me com o mesmo e apresentar um projecto para dinamizar o Museu. Entretanto, o Mário Casquilho saiu do Sporting tudo mudou e o projecto deixou de fazer algum sentido. Isto para dizer que há muito que se pode fazer, há muito por onde melhorar e crescer, mas as pessoas tem que ter essa mentalidade, essa abertura, caso contrário o Museu passa a ser um depósito de troféus onde os Sportinguistas se dirigem para contemplar alguns desses troféus. Ora, creio que o Museu tem outra missão. Armazéns é que guardam troféus. O Museu tem que interagir com os Sportinguistas, tem que se abrir à comunidade e tem que contar a história do Sporting. É a sua memória visual, é a história do Sporting que ali está e que cabe ao Museu contá-la, apresentá-la e em alguns momentos, defendê-la. Ser um organismo fechado sobre si mesmo, mais vale fechá-lo e assim poupamos em gastos.

O museu do Sporting teria de ser muito mas mesmo muito melhor do que o actual. É fraquíssimo. Não é um museu da dimensão do Sporting.

Eu ainda tenho esperança que se faça um museu a sério no Alvaláxia, quando o recomprarmos.

O Museu tem que interagir com os Sportinguistas, tem que se abrir à comunidade e tem que contar a história do Sporting. É a sua memória visual, é a história do Sporting que ali está e que cabe ao Museu contá-la, apresentá-la e em alguns momentos, defendê-la. Ser um organismo fechado sobre si mesmo, mais vale fechá-lo e assim poupamos em gastos.

A principal missão do nosso Museu é educar os Sportinguistas na grandeza deste clube, no seu ecletismo ímpar, na sua história extraordinariamente prolífica em Troféus. No fundo, a sensação que miúdos e graúdos devem ter, ao sair do nosso Museu, é espanto e um redobrado orgulho no Clube. Como ainda não tive a oportunidade de ver o Museu depois da restruturação, não posso avaliar se as transformações efectuadas atingem tal objectivo.
Não basta estar aberto ao público, é imperativo que o discurso expositivo sirva para educar e sobretudo encantar, com a nossa história, quem visita o Museu. Tenho alguns anos de experiência profissional na área museológica e sei o quão é fácil expor acervo sem clareza nos objectivos propostos ou no discurso expositivo. O museu de um clube, mais do que apresentar Troféus, tem que encantar quem o visita, tem que saber capitalizar a vertente emocional dos adeptos, principalmente dos mais novos. A nossa história é de tal forma rica que se torna simples conseguir fazê-lo.
É fundamental flexibilizar o funcionamento/atendimento para que quem procura o Museu encontre uma porta aberta a preços razoáveis. Não é difícil ter um Museu com qualidade, contemporâneo e cuja oferta esteja permanentemente focada nas necessidades e expectativas de quem o procura.
"Não é o Sporting que se orgulha do nosso valor. Nós é que nos devemos sentir honrados por ter esta camisola vestida."
Francisco Stromp
O museu de um clube, mais do que apresentar Troféus, tem que encantar quem o visita, tem que saber capitalizar a vertente emocional dos adeptos, principalmente dos mais novos. A nossa história é de tal forma rica que se torna simples conseguir fazê-lo.

 É essa uma das missões dos Museus. Caso contrário, passa a ser apenas um armazém onde guardamos troféus.

 Baseio a minha opinião nas críticas que vou lendo. Também desconheço in-loco o trabalho feito.
“We have to be compact, close together tactically, and if you are close then you have options to play with. You don't always have to try the most risky ball if you are compact. You have to run, to fight, until the moment, and then ... bang, you take it.”

Jurgen Klopp
Concordo totalmente que os nossos preços são desajustados, mas o bilhete normal do Camp Nou Experience custa muito mais que o nosso, já vai nos 25€. Na última vez que lá fui, em 2013, custava 20€.
"De resto, só quem souber muito pouco do desporto nacional poderá ignorar essa espécie de fenómeno singular que caracteriza os sócios e adeptos do Sporting e que consiste em fazer deles, independentemente dos condicionalismos que afectam e empolgam os da maioria dos outros clubes, os melhores sócios e os mais fiéis adeptos do Mundo."
O museu de um clube, mais do que apresentar Troféus, tem que encantar quem o visita, tem que saber capitalizar a vertente emocional dos adeptos, principalmente dos mais novos. A nossa história é de tal forma rica que se torna simples conseguir fazê-lo.

 É essa uma das missões dos Museus. Caso contrário, passa a ser apenas um armazém onde guardamos troféus.

 Baseio a minha opinião nas críticas que vou lendo. Também desconheço in-loco o trabalho feito.

Do que se vai sabendo do projecto será esse o objectivo da extensão do museu a abrir no pavilhão, criar uma experiência mais interactiva e emocional.
"De resto, só quem souber muito pouco do desporto nacional poderá ignorar essa espécie de fenómeno singular que caracteriza os sócios e adeptos do Sporting e que consiste em fazer deles, independentemente dos condicionalismos que afectam e empolgam os da maioria dos outros clubes, os melhores sócios e os mais fiéis adeptos do Mundo."
O museu de um clube, mais do que apresentar Troféus, tem que encantar quem o visita, tem que saber capitalizar a vertente emocional dos adeptos, principalmente dos mais novos. A nossa história é de tal forma rica que se torna simples conseguir fazê-lo.

 É essa uma das missões dos Museus. Caso contrário, passa a ser apenas um armazém onde guardamos troféus.


Um Museu "típico" tem como principal missão educar, apresentando dados/acervo que permitem cumprir essa missão. Regra geral, o lado emocional num discurso expositivo está escondido atrás da informação apresentada ao público. Conheço algumas excepções, onde o apoio/apelo à emoção se encontra mais presente, mas não é propriamente aquilo a que chamaria de norma no discurso expositivo.
No Museu de um clube, a premissa tem que ser inversa. Hoje em dia é fácil aceder à informação de quantos Troféus, quantas medalhas temos. Visualizar, ao vivo e a cores essa informação, de forma a exponenciar a emoção e o orgulho que temos neste clube, é algo diferente e requer uma abordagem diferente da tradicionalmente presente num Museu.
"Não é o Sporting que se orgulha do nosso valor. Nós é que nos devemos sentir honrados por ter esta camisola vestida."
Francisco Stromp
Concordo totalmente que os nossos preços são desajustados, mas o bilhete normal do Camp Nou Experience custa muito mais que o nosso, já vai nos 25€. Na última vez que lá fui, em 2013, custava 20€.

Quando visitei ainda não estava nos 20 em 2011, o do Real Madrid também visitei por essas alturas e estava a 18 euros  mas temos de ver que acabam por ser hotspots da cidade que os turistas metem no topo das preferências, um casal de namorados vai a Madrid ela quer ir visitar o Prado e o macho quer ir ao Santiago Bernabéu e tirar uma foto no banco de suplentes, em Lisboa será que o Estádio de Alvalade está no mesmo patamar do Mosteiro dos Jerónimos ou do Oceanário de Lisboa? Não me parece, logo o preço tem de ser ajustado quer para quem nos visita como para os próprios adeptos.

Um preço na ordem dos 8 euros parecia-me perfeitamente natural para a procura que acabam por ser adeptos/sócios e turistas que são Sport Addicted.
« Última modificação: Outubro 12, 2017, 13:19 pm por PHRZ »
Um Museu "típico" tem como principal missão educar, apresentando dados/acervo que permitem cumprir essa missão. Regra geral, o lado emocional num discurso expositivo está escondido atrás da informação apresentada ao público. Conheço algumas excepções, onde o apoio/apelo à emoção se encontra mais presente, mas não é propriamente aquilo a que chamaria de norma no discurso expositivo.
No Museu de um clube, a premissa tem que ser inversa. Hoje em dia é fácil aceder à informação de quantos Troféus, quantas medalhas temos. Visualizar, ao vivo e a cores essa informação, de forma a exponenciar a emoção e o orgulho que temos neste clube, é algo diferente e requer uma abordagem diferente da tradicionalmente presente num Museu.

 Vejo o Museu como um espaço expositivo, com a missão de salvaguardar uma memória histórica e de a perpetuar ao longo do tempo. Mais que expor um objectivo, há que promover uma ligação entre o objectivo expositivo e o público, criar um laço emotivo e assim garantir que há uma interação positiva, promovendo a história. Por outro lado, há igualmente a obrigatoriedade de cultivar o público, despertar a sua consciência  e criar empatia. O Museu do Sporting tem a missão de contar a história do clube, preservar a sua memória e promover uma relação de empatia com o seu público. A própria história é cativante, é significativa e isso facilita imenso o papel do Museu. É um projecto ainda muito novo e espero que possa evoluir no melhor sentido, adequando o espaço à nossa grandiosidade e perceber que o Museu é um espaço de interação, um espaço aberto e que deve estar ao dispor da comunidade Sportinguista e outros interessados.
“We have to be compact, close together tactically, and if you are close then you have options to play with. You don't always have to try the most risky ball if you are compact. You have to run, to fight, until the moment, and then ... bang, you take it.”

Jurgen Klopp
Concordo totalmente que os nossos preços são desajustados, mas o bilhete normal do Camp Nou Experience custa muito mais que o nosso, já vai nos 25€. Na última vez que lá fui, em 2013, custava 20€.

Quando visitei ainda não estava nos 20 em 2011, o do Real Madrid também visitei por essas alturas e estava a 18 euros  mas temos de ver que acabam por ser hotspots da cidade que os turistas metem no topo das preferências, um casal de namorados vai a Madrid ela quer ir visitar o Prado e o macho quer ir ao Santiago Bernabéu e tirar uma foto no banco de suplentes, em Lisboa será que o Estádio de Alvalade está no mesmo patamar do Mosteiro dos Jerónimos ou do Oceanário de Lisboa? Não me parece, logo o preço tem de ser ajustado quer para quem nos visita como para os próprios adeptos.

Sem dúvida, a qualidade e a fama do produto são bem diferentes. um casal vai ao Camp Nou e larga na boa 200€ ou 300€ entre a visita e a ida à loja, e há sempre gente a visitar. Mais comparável com o nosso era o museu do Atlético de Madrid no Calderon, na altura paguei penso que 9€. Foi no período pré-Simeone, talvez 2008 ou 2009.

Não sendo um must da cidade, temos uma grande vantagem, a localização e proximidade com transportes. Temos que tirar partido disso, e aí acho que termos uma loja na zona turística que fizesse essa articulação seria muito bom ("está a 15 minutos do estádio, compre já aqui o seu bilhete e ainda lhe damos 5€ de desconto em merchandise" / "compre um artigo de valor superior a 50€ e damos-lhe um desconto de 50% na tour do estádio+museu").
"De resto, só quem souber muito pouco do desporto nacional poderá ignorar essa espécie de fenómeno singular que caracteriza os sócios e adeptos do Sporting e que consiste em fazer deles, independentemente dos condicionalismos que afectam e empolgam os da maioria dos outros clubes, os melhores sócios e os mais fiéis adeptos do Mundo."
 :mais: :mais: :mais: :mais: :mais: :mais:


Sinceramente não sei se é bom ou mau  :inde:
 :mais: :mais: :mais: :mais: :mais: :mais:


Sinceramente não sei se é bom ou mau  :inde:

Sinceramente não sei o que é.
 :mais: :mais: :mais: :mais: :mais: :mais:


Sinceramente não sei se é bom ou mau  :inde:

Sinceramente não sei o que é.

Eu por acaso vi.

A nossa equipa de kickboxing foi ao reality show  solidário da tvi e levou cachecóis para todos os concorrentes.

A receptividade foi top. E cheguei à conclusão que a maioria dos concorrentes são do Sporting.
 :mais: :mais: :mais: :mais: :mais: :mais:


Sinceramente não sei se é bom ou mau  :inde:

Sinceramente não sei o que é.

Eu por acaso vi.

A nossa equipa de kickboxing foi ao reality show  solidário da tvi e levou cachecóis para todos os concorrentes.

A receptividade foi top. E cheguei à conclusão que a maioria dos concorrentes são do Sporting.

Ah, ok :)
É difícil dizer que não a uma equipa de kickboxing. :)
 :mais: :mais: :mais: :mais: :mais: :mais:


Sinceramente não sei se é bom ou mau  :inde:

Sinceramente não sei o que é.

Eu por acaso vi.

A nossa equipa de kickboxing foi ao reality show  solidário da tvi e levou cachecóis para todos os concorrentes.

A receptividade foi top. E cheguei à conclusão que a maioria dos concorrentes são do Sporting.

Ah, ok :)
É difícil dizer que não a uma equipa de kickboxing. :)

 :lol: