Tudo sobre o incêndio no estádio da luz

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Tópico para discussão das incidências do incêndio no Galinheiro aquando do galinhas-Sporting de 26/11/2011.


Polícia Judiciária investiga incêndio na Luz, danos podem atingir meio milhão de euros
28.11.2011 - 10:24 Hugo Daniel Sousa, Paulo Curado
Foto: Marcos Borga/Reuters
   
A Polícia Judiciária (PJ) está a investigar o incêndio provocado anteontem por adeptos do Sporting na bancada norte do Estádio da Luz e vai usar as imagens de videovigilância do recinto para tentar identificar os autores do fogo, adiantou ao PÚBLICO fonte policial, explicando que nenhuma das cinco detenções e 24 identificações no final do jogo estiveram relacionadas com o fogo.

A mesma fonte revelou que o incêndio na bancada afectou não só centenas de cadeiras (que foram empilhadas para causar o fogo), como atingiu também a estrutura da cobertura do recinto. O Estádio da Luz será hoje visitado por técnicos especializados e responsáveis da Liga, para determinar a extensão dos prejuízos. Fonte do Benfica adiantou ao PÚBLICO que, caso a cobertura tenha danos assinaláveis, os prejuízos podem atingir valores a rondar “meio milhão de euros”.

O regulamento da Liga Portuguesa de Futebol Profissional prevê que os clubes tenham de assumir as indemnizações por danos provocados pelos seus adeptos, além de estipular multas entre 250 e 2500 euros pelo comportamento incorrecto dos adeptos.

“A Liga vai esperar pelos relatórios e só depois o seu órgão de disciplina actuará dentro das suas competências, no âmbito de cada matéria em causa”, disse ao PÚBLICO fonte da Liga, que aguarda os relatórios da polícia, delegados e bombeiros.

Um dos aspectos que causaram perplexidade às autoridades policiais e aos bombeiros foi a extensão do incêndio, existindo, nesta altura, suspeitas de que os adeptos do Sporting tenham conseguido entrar no estádio com produtos inflamáveis. É que, como explicou ao PÚBLICO fonte policial, as cadeiras utilizadas nos estádios são material de combustão lenta.

Em comunicado, o presidente do Sporting disse que a direcção do clube “não se revê nos danos causados após o jogo”, mas também foi muito crítico em relação à forma como os adeptos leoninos foram tratados na Luz. “As condições dispensadas aos adeptos que pagaram o seu bilhete são, no mínimo, lamentáveis, quer pela falta de acesso de alguns sectores a unidades sanitárias, quer a bares, não sendo possível, sequer, comprar uma garrafa de água”, lê-se no comunicado de Godinho Lopes, que apoiou as declarações do vice-presidente Paulo Pereira Cristóvão, que, logo a seguir ao jogo, falou de “condições pré-históricas”.

Relações muito tensas

Os dirigentes do Sporting ficaram desagradados não só pelo facto de os adeptos terem sido posicionados numa zona vedada com redes e alegadamente com lugares a menos para o número de pessoas que lá foi colocado, mas também pela demora na revista. “Não estou de acordo com o que alguns adeptos do Sporting fizeram no final do jogo, com o vandalismo das cadeiras, mas não posso deixar de referir que os adeptos do Sporting que foram agredidos, apertados, sufocados, espezinhados e humilhados não são menos do que cadeiras”, disse Bruno de Carvalho, ex-candidato à presidência do Sporting.

As polémicas antes e após o derby de sábado, aliás, provocaram um recuo na aproximação entre Benfica e Sporting. No início de Setembro, Luís Filipe Vieira e Godinho Lopes juntaram-se ao almoço para discutir assuntos de mútuo interesse, mas, quase três meses depois, as relações entre os clubes lisboetas estão no fio da navalha.

Logo após o jogo, Pereira Cristóvão insurgiu-se contra o Benfica. “Há muito tempo que passámos a pré-história. Tudo o que é regulamento de segurança foi violado. Havia dois adeptos por cadeira, quem está dentro da ‘caixa’ fica com a visão prejudicada e exigir 22 euros por isto não é sério, nem honesto. O Conselho Directivo e a SAD vão analisar isto e depois decidir”, disse o vice-presidente leonino.

O Benfica reagiu de imediato, pela voz do director de comunicação, João Gabriel, que acusou o dirigente do Sporting de fazer declarações “populistas” e “pré-históricas” e defendeu que a “caixa” em que os adeptos do Sporting foram colocados “é uma estrutura de última geração na Europa”.

Os dois presidentes não foram os principais protagonistas desta guerra de palavras, mas não hesitaram em mandar recados. “Quanto ao resto, vamos ignorar e passar ao lado de quem pouco se importa com as consequências das suas irresponsáveis palavras e actos”, disse ontem Luís Filipe Vieira, presidente do Benfica, em comunicado. Já Godinho Lopes respondeu que o Sporting “não se esconde atrás de declarações de funcionários da comunicação”.
Agora fico à espera dessas "provas", porque hipoteticamente falando, quase tudo é possível, até que alguém do lado das galinholas tivesse colocado materiais inflamáveis antes do jogo naquela área e depois ateado o fogo para culpabilizar os adeptos do Sporting. Quem sabe até algum steward ou polícia poderia ter ateado o fogo... não foram os adeptos do Sporting revistados antes de entrar? Então como explicam os materiais inflamáveis?
olhem querem ver que agora para os lampiões o betão já arde  :think:
NA VANGUARDA DE UMA TRADIÇÃO, PELO SPORTING SEMPRE!
Agora fico à espera dessas "provas", porque hipoteticamente falando, quase tudo é possível, até que alguém do lado das galinholas tivesse colocado materiais inflamáveis antes do jogo naquela área e depois ateado o fogo para culpabilizar os adeptos do Sporting. Quem sabe até algum steward ou polícia poderia ter ateado o fogo... não foram os adeptos do Sporting revistados antes de entrar? Então como explicam os materiais inflamáveis?

Sai mas é uma multa ao clube que organizou o jogo que não garantiu a não entrada de produtos inflamáveis no recinto do jogo.  :twisted:
Não é nada connosco,os lampiões que paguem,o estádio é deles.



A única coisa inflamável lá dentro é o cheiro a m**da que anda sempre por lá ou o bafo do Insébio...

Fizeram a "caixa" e esqueceram-se de fazer a exaustão... Problema deles!  :inde:
dizer que os bombeiros foram de imediato para la é uma PURA MENTIRA!!  :cartao:
Its a feeling we cant explain but we spend our lives explaining it, Its our religion.. we do not apologise for it we do not deny it, their our team our family OUR LIFE!!
Agora fico à espera dessas "provas", porque hipoteticamente falando, quase tudo é possível, até que alguém do lado das galinholas tivesse colocado materiais inflamáveis antes do jogo naquela área e depois ateado o fogo para culpabilizar os adeptos do Sporting. Quem sabe até algum steward ou polícia poderia ter ateado o fogo... não foram os adeptos do Sporting revistados antes de entrar? Então como explicam os materiais inflamáveis?

Sai mas é uma multa ao clube que organizou o jogo que não garantiu a não entrada de produtos inflamáveis no recinto do jogo.  :twisted:

 :arrow: :arrow: :arrow:

Então mas eles não chamam inferno à estrumeira?

Estão-se a queixar de quê?
Nunca a expressão Inferno da Luz teve tanto sentido como agora.

E depois querem que não haja violência no futebol.Cá os esperamos em Alvalade.


a culpa do incêndio é deles e só deles. o pessoal estava à espera que eles apagassem a luz como de costume, e fez umas fogueiritas para não ficar às escuras...
Everyone is king when there’s no one left to pawn
A chamada "zona de conforto" só ficava completa com uma lareira.  :inde:
"Conformity is the jailer of freedom and the enemy of growth." - John F. Kennedy
Apagaram um foco de incêndio de um lado imediatamente, do outro deixaram arder para mais um espectáculo televisivo. Quando essas autoridades policiais e dos bombeiros dizem que ficaram perplexas com a ocorrência mostra como de autoridade estas entidades não tem nada, são um simples instrumento dos lampiões. Depois queixam-se que as pessoas não os respeitam.

E quando falam em produtos inflamáveis só me lembro da cerveja que estava no corpo de muita gente. Para a próxima deixem as pessoas irem à casa de banho.  :mrgreen:
Desde o 1º momento que me parece estranho como o incêndio alastrou tão depressa e demorou tanto a ser combatido.

Não sei explicar, mas tenho hipóteses.
Aquilo pode ter problemas de construção graves.
Sabemos que tinha de ficar barato e tinha de ser rápido.
Em vez de ferro, podem ter colocado eucalipto. E, em vez de betão, podem ter reforçado a pneus, fornecido pelo grande líder, claro. E as cadeiras podem ser feitas por um composto de resina ou de pasta de papel.

Depois, mudar os adeptos adversários de sítio tb tem custos.
A segurança e a protecção contra incêndios no topo mais alto ainda mais custos têm.  E é preciso pensar nisso. E pensar é algo não não se faz por aqueles lados.
As mangueiras têm de ser maiores, o seu transporte é mais demorado, as saídas têm de ser reposicionadas, etc, etc.
Foi tudo vistoriado, mas será que o plano de segurança previsto para o piso 0 foi mesmo modificado?

Obviamente que quem tem por começar a responder não são os jornaleiros, nem nós. Mas os (ir)responsáveis pela segurança daquele campo
Para um fogo com aquela dimensão e para os efeitos que eles querem que tenha tido (cobertura e estrutura afectada), há muitas perguntas que convirá responder
Espero que os dirigentes do Sporting não sejam lorpas e não se deixem comer pela comunicação social, simplificadora, sensacionalista, tendenciosa e militantemente lampiursa

PS: acabo de ler que um jornaleiro da tvi levou na boca no túnel de vento, ontem. Percebi que foi o Valdemar Duarte, que tanto elogiou a gaiola e que, quando lhe disseram que havia muitos adeptos do SCP para entrar, não foi de modas: "viessem mais cedo"
Ó Godinho, tu já aprendias umas coisas
Os primeiros "fogachos" começaram no nosso sector esquerdo. Após o maior desse sector ter sido apagado, no nosso sector direito deflagraram vários em zonas separadas.

Ora, quando acabaram de apagar um desses, o extintor deu o berro. O bombeiro viu que havia fogo mais acima, fogo esse que viria a ser o maior da noite, mas voltou para trás porque o extintor já não dava para mais.

Além do mais, o erro da nossa colocação viu-se no final: a cavalaria não conseguia, estando em território inferior, cavalgar ali por cima para chegar ate ao fogo. Só o fizeram quando muita malta estava já nos corrredores de acesso. Caso o fogo tivesse sido no piso 0, teria sido fácil chegar até lá entrando por cima e "desbravando" a descer

São burros que nem uma porta, tanto as vermelhas comos os tais organizadores de tal mafiosidade
« Última modificação: Novembro 28, 2011, 14:34 pm por Paracelsus »
Este forista recusa aplicar nos seus posts o novo Acordo Ortográfico
Agora o prejuízo já vai em 500m . Daqui a nada querem que financiemos a compra de alguns jogadores deles em Janeiro. Pff...


Os primeiros "fogachos" começaram no nosso sector esquerdo. Após o maior desse sector ter sido apagado, no nosso sector direito deflagraram vários em zonas separadas.

Ora, quando acabaram de apagar um desses, o extintor deu o berro. O bombeiro viu que havia fogo mais acima, fogo esse que viria a ser o maior da noite, mas voltou para trás porque o extintor já não dava para mais.

Além do mais, o erro da nossa colocação viu-se no final: a cavalaria não conseguia, estando em território inferior, cavalgar ali por cima para chegar ate ao fogo. Só o fizeram quando muita malta estava já nos corrredores de acesso. Caso o fogo tivesse sido no piso 0, teria sido fácil chegar até lá entrando por cima e "desbravando" a descer

São burros que nem uma porta, tanto as vermelhas comos os tais organizadores de tal mafiosidade

 :arrow: :arrow: :arrow: :arrow: :arrow: :arrow: :arrow:

"Conformity is the jailer of freedom and the enemy of growth." - John F. Kennedy
Desde o 1º momento que me parece estranho como o incêndio alastrou tão depressa e demorou tanto a ser combatido.

Não sei explicar, mas tenho hipóteses.
Aquilo pode ter problemas de construção graves.
Sabemos que tinha de ficar barato e tinha de ser rápido.
Em vez de ferro, podem ter colocado eucalipto. E, em vez de betão, podem ter reforçado a pneus, fornecido pelo grande líder, claro. E as cadeiras podem ser feitas por um composto de resina ou de pasta de papel.

Depois, mudar os adeptos adversários de sítio tb tem custos.
A segurança e a protecção contra incêndios no topo mais alto ainda mais custos têm.  E é preciso pensar nisso. E pensar é algo não não se faz por aqueles lados.
As mangueiras têm de ser maiores, o seu transporte é mais demorado, as saídas têm de ser reposicionadas, etc, etc.
Foi tudo vistoriado, mas será que o plano de segurança previsto para o piso 0 foi mesmo modificado?

Obviamente que quem tem por começar a responder não são os jornaleiros, nem nós. Mas os (ir)responsáveis pela segurança daquele campo
Para um fogo com aquela dimensão e para os efeitos que eles querem que tenha tido (cobertura e estrutura afectada), há muitas perguntas que convirá responder
Espero que os dirigentes do Sporting não sejam lorpas e não se deixem comer pela comunicação social, simplificadora, sensacionalista, tendenciosa e militantemente lampiursa

PS: acabo de ler que um jornaleiro da tvi levou na boca no túnel de vento, ontem. Percebi que foi o Valdemar Duarte, que tanto elogiou a gaiola e que, quando lhe disseram que havia muitos adeptos do SCP para entrar, não foi de modas: "viessem mais cedo"
Ó Godinho, tu já aprendias umas coisas

Cá pra mim o sistema de extintores e medidas anti-incêndio do Galinheiro é profundamente deficiente. E nesse caso não há direito a indemnização (é como nas seguradoras), aquilo só ardeu porque não existiam meios suficientes e adequados para extinguir convenientemente o incêndio.

Além disso, se não houvesse aquela jaula ridícula provavelmente teria sido mais fácil e rápido chegar ao local do incêndio, ou seja, foi o próprio clube galináceo o principal responsável pela proporção que o incêndio tomou... e também neste caso deixa de haver direito a indemnização.

Um dos aspectos que causaram perplexidade às autoridades policiais e aos bombeiros foi a extensão do incêndio, existindo, nesta altura, suspeitas de que os adeptos do Sporting tenham conseguido entrar no estádio com produtos inflamáveis. É que, como explicou ao PÚBLICO fonte policial, as cadeiras utilizadas nos estádios são material de combustão lenta.

Além de demorarem uma eternidade a fazer revistas (várias vezes), levando a que grande número de adeptos entrem no estádio largos minutos depois do inicio do jogo, mesmo assim não sabem fazer o seu trabalho. Pois claro que a culpa é do Sporting  :cartao: :cartao:
Meio milhão de euros  :o mas ta tudo doido a pocilga ardeu toda e minguem me contou ou q?
Nunca a expressão Inferno da Luz teve tanto sentido como agora.

E depois querem que não haja violência no futebol.Cá os esperamos em Alvalade.

 :arrow:
O Sporting Clube de Portugal não se resume a uma paixão por um símbolo desenhado numa camisola. É uma religião, uma ideologia, uma forma de vida!