Fórum SCP

Votação

Melhor em campo

Marcelo Boeck
0 (0%)
João Pereira
18 (4.4%)
Onyewu
18 (4.4%)
Polga
2 (0.5%)
Insúa
1 (0.2%)
Daniel Carriço
10 (2.4%)
Schaars
20 (4.8%)
André Martins
297 (71.9%)
Capel
10 (2.4%)
Bojinov
7 (1.7%)
Wolfswinkel
26 (6.3%)
André Santos
2 (0.5%)
Pereirinha
0 (0%)
Rubio
0 (0%)
Ninguém se destacou
2 (0.5%)

Votos totais: 395

Votação encerrada: Dezembro 04, 2011, 21:55 pm

EL 2011–12 [5ªj. 01/12] SPORTING 2-0 FC Zürich

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Quem é o palhaço do Sobral? O que é que ele nos fez para o Domingos falar assim dele? :mrgreen:

É um otário de um lampião fanático que tenta disfarçar com as suas crónicas pseudo-imparciais:
http://www.maisfutebol.iol.pt/desce/derby-penalty-casos-domingos-paciencia/1304365-1498.html

Este só escreve baboseiras...

P.S. 2 (actualizado dia 2 de Dezembro, às 12:09): Está a circular pela net um vídeo da conferência de imprensa de ontem em que se ouve Domingos Paciência a perguntar a Pedro Sousa, assessor de imprensa, se viu lá fora o «outro palhaço, o Sobral». Alguns, de juízo apressado, pensaram que se trataria de uma referência a mim, Luís Sobral. A tese pareceu-me impossível. Domingos é tido como pessoa séria, equilibrada, honesta, alguém que jamais se referiria a um jornalista naqueles termos. Enfim, para dissipar dúvidas liguei primeiro a Pedro Sousa. Disse que não tinha de falar sobre isso. Pediu-me para ligar a Domingos. Assim fiz. Foi a primeira vez que falei com Domingos. Garantiu-me que não senhor, não estava a referir-se a mim, até porque não me conhece. O que é verdade e faz sentido. Escrevo esta nota para evitar quaisquer mal-entendidos que possam causar dano à imagem do treinador do Sporting.

Upa lá lá, upa lá lá..

Claro que o Domingos não estava a falar do Luís Sobral. Estava a falar do outro jornalista Sobral, do outro Maisfutebol. Como é óbvio.

Ganda bailinho que o encornado levou...
A curiosidade fez-me ir ler a crónica citada pelo Zambrot. Primeira e última vez que leio uma crónica dessa personagem. Eu nunca vi a benficatv mas presumo que seja algo muito parecido...

Palhaço é eufemismo...
foi surpreendentemente um bom jogo. Esperava algo na linha do vaslui, mas a equipa recuperou a ambição apesar das muitas mexidas. André Martins nunca tinha visto um jogo a sério dele, gostei. Precisa de mais oportunidades...dá-me mais esperanças que o André Santos. De negativo só mesmo os passes para traz do carriço e os chutões do Polga. Marcelo também esteve seguro e sem tremideira.
Grande Domingos!! Ainda não tinha visto esse inicio de conferência de imprensa. Genial!

E não acho que o Sporting tivesse que forçar mais nada. Há jogo na 2ª feira, e existem lesões que nunca mais acabam, logo acho que o Sporting fez muito bem em controlar o jogo (que esteve completamente controlado), cumprindo assim o objectivo principal, que era ficar em 1º no grupo.

Cada vez mais, EU ACREDITO!
E assim se apresenta mais um pequeno grande talento ao mundo, de nome André Martins e com futuro risonho à frente, o que este rapaz perde em altura ganha em coração, já o conhecia, no início do jogo disse ao meu Pai e ao meu irmão para estarem atentos aos movimentos do 28, o jogo mostrou que temos ali uma alternativa a ter em conta e acho que o Domingos também já percebeu isso, só por isto já me posso dar por contente.

O jogo foi bom, a equipa abordou o mesmo de forma profissional e fez o que tinha que fazer, 1º lugar garantido e agora podemos ir a Itália mais descontraídos, ainda que seja um jogo para ganhar e não para abordar como foi abordado o jogo na Roménia!

Gostei de ver que não há quebra anímica após o jogo na pocilga e isso demonstra bem o carácter deste grupo.

Venha o Belém! :great:

MVP - André Martins.
Hoje como sempre, tenho o FórumSCP na mente e o Sporting Clube de Portugal no coração!
Granda domingos  :lol:. Eu até customo ler esse "sobe e desce" e o palhaço realmente nao perde uma oportunidade para tentar rebaixar o Sporting. Mas desta vez foi mesmo um abuso.

Tanto medinho do Sporting  :lol:
Um jogo tranquilo sem grandes sobresaltos onde mais uma vez demonstramos que estamos bem.
Bom golo de Wolf com uma grande recepção e remate, Boji também com um bom golo de cabeça e um pormenos se dá golo era fantástico.
Mas o destaque é para André Martins também já o conhecia e acompanhava algum tempo a carreira deste jogador, foi sem duvida o motor da equipa com grandes movimentações e passes a rasgar a defesa contrária procurando sempre apoiar e dar linha de passe aos seus colegas por tudo isto foi o meu MVP.
E O SPORTING È O NOSSO GRANDE AMOR :)
Foi (mais) um jogo muito competente da equipa. Sem deslumbrar (parece-me que seria muito, muito complicado fazê-lo), conseguiu dominar o jogo, e ter a totalidade das ocasiões de golo (que não foram tantas assim). Isto é fundamental, na medida em que a equipa consegue controlar o adversário, e ainda dominar por completo a posse da bola (estando assim mais próxima de criar situações perigosas).

A forma como a equipa jogou foi, além do espelho do que tem sido este ano (como já referido), o espelho do tipo de jogadores que possuía disponível. Da totalidade do onze, apenas João Pereira e Diego Capel são jogadores com grande agressividade ofensiva e particularmente desequilibradores. Era portanto normal, sem a irreverência de Carrillo e/ou sem a magia de Matías Fernandez, que o futebol apresentado tenha sido como foi.

Uma equipa a dominar e controlar o encontro, circulando a bola de forma paciente (Carriço, Schaars e o próprio André Martins, por exemplo, dão primazia á segurança, da mesma forma que Bojinov e RvW são jogadores que gostam muito mais de jogar com os colegas do que de investir em situações individuais), e abrindo assim alguns espaços no bloco do Zurich, que se foi aguentando como pôde.

Uma tendência que se acentuou com as entradas do Pereirinha e do André Santos. Jogadores que gostam de trocar a bola, de circular, de pôr os adversários a correr para se desposicionarem e abrirem brechas. Não jogadores particularmente talentosos, fortes no 1x1, desequilibradores com agressividade ofensiva (como o JP e o DC).

Ou seja, para concluir, um jogo em que a equipa, a meu ver, esteve dentro do registo esperado (face ás ausências de Rinaudo, Carrillo, Matías e Jeffren, jogadores mais desequilibradores, verticais e/ou agressivos), e teve um rendimento bastante positivo, dentro do que se esperava (ou do que se exigia) para esta partida.

Das individualidades, dizer que o Carriço está a mostrar poder ser uma boa solução a trinco (assim tenha mais rotinas no lugar, e mais confiança), que André Martins transpira qualidade em todos os momentos do jogo, que Bojinov se em boa forma física (impossível não é) seria um portento, e que Capel está a insistir demasiado na solução de receber a bola, parar, ganhar um metro e cruzar para a área. É forte neste movimento (jogando na esquerda) mas pode (deve!) variar mais o seu jogo, tornando-se menos previsível.

Todos os outros (Boeck, João Pereira, Onyewu, Polga, Insua, Schaars, Ricky, André Santos e Diego Rubio) estiveram - uns melhor, outros pior - dentro da qualidade que têm, e do que Domingos Paciência seguramente esperaria deles.

Faltou-me apenas falar do BP. Foram demasiados anos. A jogar com os colegas errados, a ser treinado pelos treinadores errados. A ser arrastado pela corrente que por pouco não levou, definitivamente, ele e outros (alguns tremendamente talentosos).  Mas ainda vai a tempo. Oxalá Domingos o consiga... 'restabelecer'.
Gostei muito da atitude dos jogadores, e parabéns ao André Martins pela boa exibição.
O guarda-redes esteve bem em todo o jogo, gostei particularmente da forma destemida como enfrentou as saídas para jogar com os punhos.

Os defesas estiveram razoáveis, não era um jogo que criasse grandes dificuldades a esse nível. Deu para JP e Insúa irem ao ataque ajudar os colegas. E até Onyewu!... que mostrou dotes típicos de um extremo.

Todo o meio campo esteve irrepreensível, gostei muito. Desde o Carriço até ao André Martins e Schaars. É um meio campo que combina posicionamento, antecipação e desarme com criatividade, passe e simplicidade de processos, que por sua vez combina com inteligência táctica, pressão e liderança.

No ataque, Wolfswinkel aproveitou a oportunidade mais flagrante, Bojinov mostrou mais um pouco daquilo que pode fazer e Capel esteve novamente incansável.


Bom jogo, não facilitámos e isso é o mais importante. Vamos passear a Roma e tentar trazer de lá uma vitória que seria boa para a motivação das tropas.
Estou a rever o jogo. Para já, peço desculpa por este "desenterranço", mas gostava de deixar aqui alguns momentos muito bons, que não tenho visto nos últimos jogos:

04:42 - Insua tem a bola, Schaars vem buscá-la, roda para Carriço (está a trinco) que recebe a bola e faz um passe curto para o André Martins. Schaars encontra-se ao lado de AM. Este, recebe a bola, "ataca" o jogador que está no espaço de Schaars, que baixa, e o André joga para trás. O Schaars recebe, o jogador que o André Martins atacou vai pressioná-lo, e ele devolve com um passe curto e vertical ao André, que recebe sozinho (está no espaço em que o holandes estava, porque atacou o seu adversário sem bola; este saiu na pressao, e o Andre ficou sozinho, porque o seu primeiro marcador directo nao foi atras dele - já que um colega seu estava naquela zona). O André dá de primeira para o Capel que, coisa rara, está numa situação de 1x1 (e não 1x2). Isto é trabalhar, colectivamente, para criar situações de 1x1 aos desequilibradores  :clap:

10:00 - Polga recebe a bola vinda do Onyewu, progride no terreno até perto da linha de meio-campo e faz um passe rasteiro de média (e não de longa) distância para o Wolfswinkel. Qual é a novidade aqui? Algo que não vejo o Wolfswinkel fazer há algum tempo: recuar vários metros, para dar uma linha de passe vertical e minimamente segura ao Anderson Polga. O Wolf dá de calcanhar para o lado, onde o AM vem a entrar, e apesar do lance não ter tido grande seguimento, o miúdo estava numa boa situação, fruto do adversário (dc) arrancado pelo RvW daquele espaço.  :)

11:16 - João Pereira a ler bem a situação ofensiva! Tem a bola junto á linha, e por perto está o Diego Capel. Este arrasta um defesa para a linha (está sem bola, e vai a correr para a frente do JP). O João tem um marcador directo, e outro que está a impedir o passe para zonas centrais (o outro adversário que estava a fazê-lo foi forçado a acompanhar o espanhol). O João flecte para dentro, atacando esse adversário, o A. Martins, que estava perto, recua dois metros e fica sem oponente, o João entrega-lhe a bola. O André recebe, o adversário que o João atacou vai pressioná-lo, e o André entrega a bola ao João que está sozinho. Este simula uma finta, chama os adversarios (já são dois), o André passa-lhes pelas costas e vai receber mais á frente (o João faz um passe que entra por entre os dois jogadores do Zurique). Grande trabalho para receber de ambos (e de Capel, que se mantém onde está, e a troca de bolas entre o JP e o AM deixa-o sem adversários na linha, endossando-lhe depois o André a bola)  ;D

E quais são, no geral, as novidades?

- Uma das opções ofensivas do Sporting é colocar dos centrais directamente para os jogadores da frente, quando a opção é o passe vertical. Neste jogo, estes tiveram linhas de passe. Em particular, Wolfswinkel excelente a recuar e a receber rasteiro do central, algo impensável agora (porque a linha defensiva está mais recuada, e porque o holandês está a jogar mais com o fora-de-jogo e a linha defensiva contrária). Como Wolf é relativamente bom tecnicamente, consegue tabelar por vezes até de primeira com um dos médios que entra para o espaço que ele deixou vazio.

- Outra das opções ofensivas do Sporting é colocar a bola nas laterais, em particular com JP a conduzir e transportar. Porém, ao contrário dos últimos jogos, a equipa conseguiu voltar a jogar para dentro, não ficando "presa" naquele espaço. Se por demérito das dos jogadores do Zurique, que, ao contrário da maioria, não ficaram em contenção e tentaram pressionar; se por mérito do trabalho sem bola (para receber - mesmo quando não recebiam, arrastavam o adversario, e acabavam por criar situações de 2x2, que rapidamente se transformavam em situaçoes de 2x1, com o ataque de um dos jogadores ao jogador que estava a marcar o outro, deixando para trás o seu marcador directo e deixando o colega sozinho, endossando-lhe depois a bola)? Um pouco das duas, provavelmente.

E, dito isto, vou agora rever o resto do jogo. É que vou apenas nos 15:00  :o, mas as saudades deste tipo de futebol, mais circular, colectivo e interior, começam a fazer-se sentir, mais que nunca.