Vídeo Árbitro (VA)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Aquele golo limpo ao Setúbal na última jornada, e que o VAR não validou é escandaloso. Qualquer leigo vê. Aqui se prova que se os árbitros quiserem, continuam a lixar as equipas..
SER SPORTINGUISTA E SER LEÃO, É TER GARRA E EMOÇÃO!
Citar
Outra forma de condicionar os jogos
Já se percebeu que o VAR veio limitar aqueles erros grosseiros, tais como penaltis e foras de jogo, que tantos e tantos lamentos e revolta nos valeram. Face a essa nova realidade, tem-se notado, cada vez mais, uma permissividade dos árbitros em relação às entradas duras sobre os jogadores do Sporting, em profundo contraste com a facilidade com que se assinalam faltas e se mostram cartões aos jogadores leoninos.

Contra o Tondela já tinha sido uma vergonha, ontem, frente ao Marítimo, o apitadeiro Mota fez questão de reforçar a dose, como muito bem documenta este resumo do Artista do Dia (clica para veres).

Se estendermos esta análise à equipa B e às próprias equipas de juniores e de juvenis, rapidamente constatamos que é esta a forma escolhida para, esta época, condicionar os jogos. Torna-se patético chegar ao final de um Sporting-Tondela e perceber que se mostraram dois amarelos aos jogadores comandados por Pepa (e um a jogadores do Sporting), ou chegar ao final do jogo de ontem e perceber que houve 1-3 em amarelos.

Depois? Depois comparamos com o que se vai passando nos jogos dos nossos principais rivais e com a forma como jogadores como Pizzi, Eliseu, Luisão, Maxi ou André André fazem o que querem e lhes sobra tempo para dizer que “foi na bola”. É a isto que temos que estar muito atentos, é isto que temos que continuar a denunciar.

A Tasca do Cherba
Aquele golo limpo ao Setúbal na última jornada, e que o VAR não validou é escandaloso. Qualquer leigo vê. Aqui se prova que se os árbitros quiserem, continuam a lixar as equipas..

Eh pá, eu gosto do Vitória de Setúbal mas não vi uma imagem em que pudesse afirmar peremptoriamente que a bola tinha ultrapassado na totalidade a linha de golo. Se há eu não vi.
Aquele golo limpo ao Setúbal na última jornada, e que o VAR não validou é escandaloso. Qualquer leigo vê. Aqui se prova que se os árbitros quiserem, continuam a lixar as equipas..

Eh pá, eu gosto do Vitória de Setúbal mas não vi uma imagem em que pudesse afirmar peremptoriamente que a bola tinha ultrapassado na totalidade a linha de golo. Se há eu não vi.

Mas vê com atenção as imagens da sportv. Em camara lenta. Dá claramente a ideia esta lá dentro
SER SPORTINGUISTA E SER LEÃO, É TER GARRA E EMOÇÃO!
Neste momento, por mim só saia pela clausula. Já passou o tempo de andar a negociar e tempo para arranjar um substituto. Viu-se isso no ano passado com o Slimani e com o João Mário. Andamos demasiado tempo a negociar, que depois os substitutos só vieram nos últimos dias de mercado e pouco ou nada renderam durante a epóca.

Tenho pena que o WC não tenha conseguido convencer uma equipa de topo a pegar nele, mas é assim a vida. Esforce-se mais este ano e que ajude o clube a ganhar nome na europa, que ainda vai a tempo de sair para um clube que lhe pague um ordenado condizente com o seu potencial.

WUT

 :rotfl:
Isto é a morte do artista. É uma versão melhorada do Torsiglieri, mas para um Sporting campeão não chega.

"All the people that was rooting on me to fail, at the end of the day they have to wake up tomorrow and have the same life that they had before they woke up today," James said. | "Lebron is not as good as Michael Jordan ? C´mon! Lebron is in a class by himself!" O.Robertson said.
Citar
Rui Calafate
O VAR E AS ALIANÇAS

Alianças nem com mostarda. Entendo que se há boas relações institucionais entre os clubes, os presidentes se devem sentar lado a lado, agora, alianças nem vê-las. Uma coisa é a civilidade que deve nortear o comportamento dos dirigentes para que o clima seja saudável e arejado, outra, empurrar para trás algumas rivalidades sanguíneas quando está em discussão a indústria e o negócio. Diferente é uma política de alianças, sejam elas estratégicas ou puramente tácticas pelo momento que se vive.

Cada clube tem a sua identidade e deve orgulhosamente só patentear os seus valores e a sua história, ter poder para influenciar, escolher o momento para tirar o pé e serenar, bem como outro momento em que é preciso ser feroz e agressivo na defesa dos seus interesses. Tal como os treinadores fazem ‘mind games’, também todos sabemos que há tempos em que se deve carregar no botão dos factores envolventes que podem condicionar o desfecho de uma partida. Porém, guerra aberta todos os dias da semana é contraproducente e banaliza o efeito das mensagens que devem ser nevralgicamente cirúrgicas e quanto a alianças anti-natura já sabemos que estão condenadas à nascença, ainda mais quando a classificação da Liga é competitiva. Por isso está morta a aliança Sporting-Porto.

Que se desiludam as carpideiras contra os meios tecnológicos que toda a gente de bom senso já percebeu que o VAR pode ajudar a verdade desportiva. Vai haver erros, também suspeitos do costume, mas este é um caminho de pedras daquelas que se vão guardando para construir um castelo, como diria Fernando Pessoa. As polémicas são uma constante, não há descanso nem com jogos de Selecção e, por vezes, enterram-se rapidamente jogos espectaculares, verdadeiros hinos ao futebol, sob uma cortina de ferro de declarações avulsas que espelham a insensatez de quem dirige as coisas e ganharia imenso em estar calado.

A FPF gasta um milhão de euros no VAR e já renovou por mais um ano a aposta. Cabe agora melhorar diversos aspectos, especialmente quanto à comunicação da explicação das decisões. Vamos ao râguebi e ao futebol americano que usam semelhante tecnologia e vemos que a virtude é que o árbitro que lidera a equipa comunica para todo o estádio, claramente, depois de ver e ter ouvido a restante equipa que se encontra na sala de observação. E é aqui que em Portugal ainda se falha nestes primeiros passos. Há a paragem do jogo, a consequente decisão, mas quem está na bancada não sabe o que motivou tal veredicto. Para além do mais têm acontecido problemas técnicos que não podem ocorrer, omissões na divulgação dos relatórios que devem ter critérios uniformes e não serem exibidos consoante os caprichos de quem manda e, por último, em caso de incompetência expressa não pode haver pudor em punir e castigar quem erra grosseiramente. Com estas melhorias, o VAR veio para ficar.

Record
Citar
BRUNO DE CARVALHO E O VÍDEO-ÁRBITRO: «TEM HAVIDO MAIS ERROS DO QUE GOSTARÍAMOS»
Ainda assim, o líder leonino lembra a sua importância para a verdade desportiva e salienta a sua continuidade

Bruno de Carvalho analisou o 'rendimento' do vídeo-árbitro (VAR) ao cabo de 11 jornadas. Esta tecnologia, cuja introdução sempre foi defendida pelo presidente do Sporting, tem tido mais erros do que o líder leonino desejaria mas este sublinhou a sua importância para a verdade desportiva.

"O VAR foi uma luta muito grande do Sporting. Tem havido erros, infelizmente mais do que gostaríamos, mas é um acréscimo à verdade desportiva e vamos defender até à ultima uma ferramenta muito útil ao futebol português. É por isso de louvar que tenha havido o acordo entre a FPF e a Liga para que continue [por mais uma época]. Espero que estas duas entidades tenham a noção que o VAR tem de ficar para durar. É como tudo, quem manuseia o VAR tem de ser competente. Quando não o são, saem. Tem de ser para todos", disse Bruno de Carvalho esta sexta-feira, na entrega dos prémios 'Rugidos de Leão', em Leiria.

Record
 Já seria de adivinhar que o problema do Vídeo Árbitro fosse o Árbitro. Nem com acesso a imagens conseguem ser um bocado mais competentes, o que ajuda a provar um pouco do que temos visto ao longo dos anos, além da aparente facilidade em deixar-se influenciar por terceiros, a nível técnico são muito fracos e mostram zero evolução.

 Quando a demissões. Esqueçamos isso. Em Portugal, sobretudo neste sector, ninguém é despedido. Excepto se prejudicar o dono disto tudo, aí é tratado o seu afastamento com avaliações negativas.
“We have to be compact, close together tactically, and if you are close then you have options to play with. You don't always have to try the most risky ball if you are compact. You have to run, to fight, until the moment, and then ... bang, you take it.”

Jurgen Klopp
Esta caminhada é irreversível e para já a FPF anunciou a viabilização financeira de mais um ano de VAR em Portugal, enquanto outras Federações nacionais, como a espanhola, já se preparam para adoptar este instrumento fundamental para a credibilização do futebol, sendo que ainda há a possibilidade da novidade entrar em acção já no Mundial do próximo ano.

Para já o ano zero do VAR tem servido para que se possam detectar as fragilidades desta nova ferramenta e agora o que importa é que haja a capacidade de perceber o que se pode melhorar e coragem para fazê-lo, de forma a afinar uma máquina fundamental para o futuro do Futebol.

Já se sabia que este seria um ano experimental, mas pelo que se viu até aqui já se podem tirar várias conclusões:

*Seja por corporativismo, seja por medo ou respeito, os árbitros estão a levar ao extremo a máxima do protocolo "mínima interferência" esquecendo o "máximo benefício". Tem de haver uma maior intervenção do VAR na chamada de atenção aos árbitros de campo para que estes pelo menos avaliem os lances que possam ser passíveis de penaltis ou expulsões.

*As imagens de transmissões feitas por canais de clubes não podem ser utilizadas pelo VAR..

*Os fiscais de linha devem ser fortemente penalizados quando assinalarem mal um fora de jogo e pelo contrário deve haver tolerância se deixarem passar de forma errada os chamados casos de dúvida.

*Devem ser severas as penalizações para os erros grosseiros, como foram os casos da entrada violenta do Eliseu (VAR), ou do penalti sobre o Gelson (árbitro).

*Devem ser definidos e públicos critérios claros para garantir a uniformização dos mesmos em relação aos lances que podem ser avaliados pelo VAR, nomeadamente o que é ou não passível de marcação de penalti, ou de expulsão.

*emanalmente o CA deve explicar as decisões tomadas, com base nos critérios atrás referidos, divulgando se necessário as comunicações efectuadas e publicando as penalizações aos árbitros que erraram.

*As classificações dos árbitros devem ter por base uma avaliação dos jogos filmados, acabando-se com essa "coisa" dos observadores.

O que o VAR nunca vai conseguir corrigir é a falta de qualidade, e em alguns casos de seriedade, dos árbitros, mas se a APAF e o CA em vez de se queixarem das criticas, aproveitarem esta ferramenta para fomentar uma selecção dos melhores, de acordo com os seus desempenhos no campo, deixando claro que se acabaram os padres e as missas encomendadas pelos meninos queridos do 1º ministro, então a depuração será feita e em breve teremos melhores árbitros e menos polémicas.

Finalmente devo dizer que encaro com algumas reservas a ideia de ir buscar antigos árbitros para o VAR. Em teoria isso até faz todo o sentido, mas o passado triste da maior parte dessas figuras e as prestações de muitos deles como comentadores de arbitragem, pura e simplesmente arrepiam-me.

Os corruptos que continuem a chiar o importante é que o video arbitro está em funcionamento o resto é letra de aziados que querem é continuar a fazer o que melhor sabem, roubar!
23-03-2013 A noite mais feliz da minha vida como Sportinguista.
A partir de agora mandamos nós e o Sporting terá o seu caminho novamente, quero vos agradecer a todos e dizer claramente para que toda a gente oiça:
Viva o Sporting Clube de Portugal! É nosso outra vez!
Palavras do Presidente do Sporting Clube de Portugal, Bruno de Carvalho. Bem haja Presidente!
Citar
GREVE 'INVIABILIZA' VÍDEO-ÁRBITRO
Deixa de haver condições para o funcionamento do VAR nas circunstâncias previstas

A iminente greve dos árbitros neste fim-de-semana não deverá colocar em causa a realização das partidas profissionais em Portugal, mas o caso muda de figura quando falamos do vídeo-árbitro. É que é necessário haver condições para que a tecnologia em causa continue a ser utilizada, algo que não é previsível, uma vez que a adesão à paragem está perto de ser total.

Ora, se não houver qualquer árbitro disponível - especialmente de primeira categoria -, torna-se muito complicado manter o VAR em funcionamento, até porque não se trata de algo que pode ser resolvido da mesma maneira que a questão do árbitro principal é tratada. Recorde-se que o vídeo-árbitro opera na Cidade do Futebol, pelo que não é viável encontrar um 'voluntário' nas bancadas.

Além disso, o vídeo-árbitro encontra-se no primeiro ano de 'vida' em Portugal, pelo que todos os árbitros tiveram formação específica para desempenhar estas funções. Nesse sentido, o mais provável é que todos os jogos se realizem sem o VAR ser utilizado pelos árbitros que estiverem em ação.

Record
A ser verdade haver jogos , com arbitros de segunda categoria e sem video  arbitro , vai ser bonito , vai !!
Se algum  dos grandes se sentir prejudicado   e nao vier a ser campiao, ate parece que ja estou a ver , esse a clube a tentar impugnar o  campeonato !!
Alias se houver greve  nao faz sentido sem video arbitro , era preferivel nao haver jogos, mas secalhar o objectivo sera mesmo esse acabar com o VAR .
Disse-se que não é greve, mas "pedido de dispensa" (não são prejudicados na pontuação se captei bem). Seja como for, admiro a coragem para sistematicamente se dizer que se deve aos "3" grandes. Quando somos nós, é o "SCP", quando são os outros, são os "3". Vamos esquecer que os emails são todos verdadeiros e têm palavras de dirigentes e funcionários de carnide, e vamos esquecer também o que os mesmos fizeram ontem na btv atirando petardos para o ar.
Haja "dispensa" ou mudança de ideias, há uma coisa que podemos esperar, escrita há umas horas pelo javardeiro, em jeito de brincadeira bem real:

"If you can survive disappointment, nothing can beat you."
http://www.abola.pt/nacional/Noticias/Ver/703215



Citar
IMAGENS DO VIDEOÁRBITRO VÃO PASSAR EM DIRETO NA TELEVISÃO

«O Conselho de Arbitragem (CA) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) vai passar a disponibilizar imagens do Centro de videoarbitragem para que possam ser utilizadas em direto pelas televisões que transmitem os jogos, sempre que existe revisão de lances no relvado», pode ler-se na nota publicada no site do organismo.

«Trata-se de algo que já estava previsto», explica Ana Raquel Brochado, porta-voz do CA, que acrescenta: «As televisões poderão mostrar imagens do trabalho do videoárbitro nos momentos em que o árbitro procede a uma revisão no relvado. É algo que já acontece a nível internacional nos países que estão inseridos no projeto videoárbitro.»

Ana Raquel Brochado lembra ainda que nesta altura «também já é disponibilizado às televisões o sinal de output com as imagens que o árbitro vê quando se dirige à zona de revisão».
ex-dmalmeida
David Almeida - LE S: A27 F: 22 N: 39 Sócio Nº 14864
Σπόρτινγκ - Assim se escreve Sporting em grego. Спортинг - em Russo. Em japonês é スポルティング・リスボン.
http://www.abola.pt/nacional/Noticias/Ver/703215



Citar
IMAGENS DO VIDEOÁRBITRO VÃO PASSAR EM DIRETO NA TELEVISÃO

«O Conselho de Arbitragem (CA) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) vai passar a disponibilizar imagens do Centro de videoarbitragem para que possam ser utilizadas em direto pelas televisões que transmitem os jogos, sempre que existe revisão de lances no relvado», pode ler-se na nota publicada no site do organismo.

«Trata-se de algo que já estava previsto», explica Ana Raquel Brochado, porta-voz do CA, que acrescenta: «As televisões poderão mostrar imagens do trabalho do videoárbitro nos momentos em que o árbitro procede a uma revisão no relvado. É algo que já acontece a nível internacional nos países que estão inseridos no projeto videoárbitro.»

Ana Raquel Brochado lembra ainda que nesta altura «também já é disponibilizado às televisões o sinal de output com as imagens que o árbitro vê quando se dirige à zona de revisão».
Sim. Na liga alemã desde o início que os espectadores vêem as imagens que o vídeo-árbitro vê. Só não se percebe porque raio aqui se levou tanto tempo para se fazer...

Sent from my Redmi Note 3 using Tapatalk

A continuidade e a sua credibilidade trouxeram-nos a esta triste realidade. Basta!

O fora-de-jogo assinalado aos morcões é inacreditável. Nem quando o Avôbakar remata está à frente do jogador do Benfica. O golo era mais que limpo.
Os árbitros, nestes casos, deviam deixar seguir os lances e o VAR confirmava ou anulava.