Wiki Sporting, a enciclopédia do Sporting Clube de Portugal

Forum SCP - A Comunidade do Sporting Clube de Portugal


Olá, Visitante. Por favor Entre ou Registe-se se ainda não for membro.
Setembro 02, 2014, 12:38

Entrar com nome de utilizador, password e duração da sessão

Anúncios:

Início Início  Ajuda Ajuda  Regras Regras  Pesquisa Pesquisa  Entrar Entrar  Registe-se Registe-se       Wiki Wiki  Links Links 
Fórum SCP - A Comunidade do Sporting Clube de Portugal Universo Sporting Clube de Portugal Redacção Porta 10-A Tópico:

Análise do Plantel e da Época 2011/2012

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
Páginas: « anterior 1 ... 4 5 [6] Ir para o fundo Imprimir
Autor Tópico: Análise do Plantel e da Época 2011/2012 (Lida 13681 vezes)

Re: Análise do Plantel e da Época 2011/2012 , « Resposta #100 em: Setembro 19, 2011, 11:09 »



*
Júnior

Mensagens: 2357
Idade: 34
Localidade: Portimão
Masculino


Análise ao jogo Zurique 0 – 2 Sporting (1º Jogo da Fase de Grupos da Liga Europa):

Ficha do Jogo:

Estádio: Letzigrund Stadium, Zurique

Assistência: 10 400 Espectadores

Equipa de Arbitragem:

   Árbitro Principal – Pol van Boekel (Holanda)
   Assistentes – Angelo Boonman e Bas van Dongen
   Adicionais – Richard Liedsveld e Tom van Sichem
   4º Árbitro – Jeroen Sanders


Zurique:

     1   Leoni (cap)
     4   R. Koch
   28   Béda
     2   Jorge Teixeira
     3   Rodriguez
   27   Schonbachler
   15   Buff
   20   Gajic
   12   Alphonse
   30   Chikhaoui
   25   Mehmedi


Sporting:
   
     1   Rui Patrício   
   47   João Pereira (cap)   
     5   Onyewu   
     2   Rodriguez   
   48   Insúa   
   21   Rinaudo   
     8   Schaars   
   25   Pereirinha   
   18   Carrillo   
     9   van Wolfswinkel   
   11   Capel

Em Execução
Registado

E o SPORTING é o nosso GRANDE AMOR!


Re: Análise do Plantel e da Época 2011/2012 , « Resposta #101 em: Setembro 19, 2011, 14:22 »



*
Júnior

Mensagens: 2357
Idade: 34
Localidade: Portimão
Masculino


Antevisão do Rio Ave vs. Sporting do dia 19 de Setembro de 2011 – 5º Jogo da Liga Portuguesa.

Passada uma das semanas mais revolucionárias da história do futebol do Sporting, um clima de bonança começa a querer inundar os corredores da Academia, principalmente devido às duas vitórias consecutivas, algo inédito esta época: uma, arrancada a ferros, num terreno tradicionalmente difícil para o clube leonino e para quem lá jogar e a outra, tirando partido do maior poderio europeu e construindo uma exibição suficientemente sólida, indicativa da maior experiência do Sporting, neste tipo de palcos.

No entanto, o cenário está longe de ser perfeito. E o treinador sabe-o e disse-o, de forma objectiva e sem fugir às responsabilidades. A meu ver, bem. É preciso elevar os níveis de concentração e procurar mante-los aí durante toda a partida; é necessário jogar em velocidade e com agressividade ofensiva e defensiva; é fundamental aproveitar o máximo das oportunidades de golo construídas. Em suma, é preciso vencer e convencer.

Apesar da vitória segura contra o Zurique, ficaram ainda bem patentes, alguns erros primários, resultantes de desconcentrações inaceitáveis, que têm que ser obrigatoriamente corrigidos, sob pena de virmos a sofrer novos dissabores, quando jogarmos contra equipas de maior poderio ou contra equipas bem organizadas e com maior conhecimento dessas nossas lacunas.

E uma dessas equipas pode ser, perfeitamente o Rio Ave. Eu não me deixo surpreender pela posição na tabela classificativa que a equipa de Vila do Conde ocupa neste momento. Quem conhece o historial desta equipa e deste treinador, sabe que Carlos Brito entra, quase sempre, no campeonato com pé frio e que, lá mais para a frente, as suas equipas costumam ser referências de futebol bem jogado. Carlos Brito gosta destes jogos para elevar a moral das tropas e ultrapassar as dificuldades. E que melhor oportunidade para dar a volta por cima, que defrontar, no seu reduto, uma equipa grande, que ainda luta para estabilizar o seu jogo?!

Aqui deverá residir as principais preocupações de Domingos e de toda a equipa do Sporting. Terá que encarar este jogo como sendo de importância vital, para as pretensões do clube, na Liga, pois do outro lado, terá um adversário a passar um momento muito complicado, mas que não tem nada a perder e verá este jogo como ideal para ultrapassar esta fase. Por isso mesmo, pede-se o máximo profissionalismo e a máxima concentração a todos os jogadores.

Para além da conjuntura do adversário ser complicada, o cenário não é melhor, se analisarmos a conjuntura do plantel. Se por um lado, Domingos poderá voltar a contar com o internacional brasileiro Elias, que será, sem sombra para qualquer dúvida, uma tremenda mais-valia para a equipa, a ausência daquele que tem sido o jogador mais preponderante na equipa – Marat Izmailov – é um rude golpe nos índices motivacionais da equipa. É indiscutível a importância do internacional russo, que tem sido o principal dinamizador da equipa e aquele que tem mostrado à equipa como marcar. Para além disso, existem algumas preocupações no centro da defesa.

No centro da defesa, o cenário não é melhor. Com o capitão Daniel Carriço afastado da equipa, restam três alternativas, todas elas bastante experientes, para se construir uma defensiva sólida. A aposta tem recaído sobre Rodriguez e Onyewu, que parecem começar a entender-se bem, mas o que é certo, é que ainda evidenciam algumas lacunas que têm que ser corrigidas, principalmente em termos de entendimento e de comunicação.

Outro problema, que me parece óbvio, recai sobre o flanco direito do ataque. Se na esquerda, os problemas parecem estar resolvidos, com Insúa e Capel a começarem a combinar maravilhosamente (como ficou bem patente no jogo de Zurique), na direita o cenário é diferente. Depois da dispensa de Yannick e das lesões de Izmailov e Jeffren (que ainda não pode dar o seu contributo, devido ao problema muscular na coxa esquerda), as opções reduziram-se substancialmente, restando, de momento, duas opções para o lugar – Pereirinha e Carrillo. Se Pereirinha evidenciou, no jogo de Paços de Ferreira, alguma potencialidade para combinar bem com João Pereira, possibilitando inclusivamente, uma série de movimentações baseadas em trocas posicionais, o facto é que ainda demonstra algum défice de agressividade. No entanto, neste momento, dá mais garantias que Carrilo. Este jovem internacional peruano tem aquilo que falta a Pereirinha – agressividade – mas falta ainda regularidade nas suas acções e alguma segurança nas compensações defensivas. Neste momento, penso que pode ser importante em momentos de dificuldade, quando for preciso ir ao banco buscar um jogador que desequilibre. Para titular, penso que ainda é cedo. Neste momento, Pereirinha parece-me mais preparado.

No centro do terreno, Rinaudo agarrou o lugar com unhas e dentes e começa a transformar-se num elemento fundamental na manobra da equipa, enquanto que Schaars, depois da sua exibição em Zurique, parece querer voltar a mostrar aquilo que fez na pré-época. Aqui, julgo que estamos bem perto do ideal, com André Santos como reserva de luxo. Quando Matias estiver a 100%, poderemos construir um meio-campo de luxo, onde será possível combinar agressividade, qualidade de passe, qualidade técnica e genialidade. Para este jogo, Matias deverá entrar e jogar não mais de 15 minutos, para ir apurando, de forma gradual, a sua condição física e ir ganhando, a pouco e pouco, os ritmos de jogo necessário.

No entanto, uma coisa é de compreensão unânime. Ainda estamos muito longe daquilo que se pretende, tanto ao nível do onze ideal base, como em termos exibicionais. Assim, é imperativo encarar o jogo de Vila de Conde com o máximo de profissionalismo e evitar surpresas desagradáveis.

Esta e a lista de convocados de Domingos, para o jogo contra o Rio Ave:

Guarda-redes: Rui Patrício e Marcelo;
Defesas: Rodríguez, Anderson Polga, Onyewu, Evaldo, João Pereira e Insúa;
Médios: Schaars, Capel, Matías Fernández, Pereirinha, Rinaudo, André Santos e Elias;
Avançados: Bojinov, Wolfswinkel, Carrillo, Diego Rubio.

A lista inclui 19 atletas, devendo Evaldo ser o preterido do lote dos jogadores a serem inscritos na ficha de jogo. Realce, igualmente, para a ausência na lista dos convocados, de André Martins, que tem sido presença nas últimas partidas, dando o seu lugar ao recuperado Matias.

Este é o meu onze para esta partida:

                            Rui Patrício


João Pereira      Onyewu      Rodriguez      Evaldo


                              Rinaudo

                   Schaars                Elias



         Pereirinha                                 Capel

                        van Wolfswinkel


Ass. ZeQueira
Registado

E o SPORTING é o nosso GRANDE AMOR!
Re: Análise do Plantel e da Época 2011/2012 , « Resposta #102 em: Setembro 24, 2011, 12:49 »



*
Júnior

Mensagens: 2357
Idade: 34
Localidade: Portimão
Masculino


Análise ao jogo Rio Ave 2 – 3 Sporting (5º Jogo da Liga Portuguesa):


Ficha do Jogo:


Estádio: Estádio dos Arcos, Vila do Conde

Assistência: 1 200 Espectadores

Equipa de Arbitragem:

   Árbitro Principal – Hugo Miguel
   Assistentes – Hernâni Fernandes e Nuno Roque
   4º Árbitro – Jorge Ferreira


Rio Ave:

   38   Paulo Santos
     6   Sony
     2   Gaspar (cap)
     5   Jeferson
   15   Tiago Pinto
   10   Vítor Gomes
   30   Wires
     8   Tarantini
     7   Kelvin
     9   João Tomás
   88   Yazalde


Sporting:
   
     1   Rui Patrício   
   47   João Pereira (cap)   
     5   Onyewu   
     2   Rodriguez   
   48   Insúa   
   21   Rinaudo   
     8   Schaars   
   77   Elias   
   18   Carrillo   
     9   van Wolfswinkel   
   11   Capel


Em execução
« Última modificação: Setembro 25, 2011, 17:46 por ZeQueira » Registado

E o SPORTING é o nosso GRANDE AMOR!
Re: Análise do Plantel e da Época 2011/2012 , « Resposta #103 em: Setembro 24, 2011, 15:27 »



*
Júnior

Mensagens: 2357
Idade: 34
Localidade: Portimão
Masculino


Antevisão do Sporting vs. Vitória de Setúbal do dia 24 de Setembro de 2011 – 6º Jogo da Liga Portuguesa.

O jogo de hoje, frente ao Vitória de Setúbal tem um papel decisivo.

Primeiro que tudo, é preciso aproveitar o elan positivo que toda a equipa está a viver neste momento, depois de três vitórias consecutivas, todas elas fora de casa. A equipa mostrou que é lutadora e que é capaz de se unir, contra as adversidades. Foi capaz de completar uma reviravolta, em apenas 10 minutos, depois de ter estado a perder por 2-0 (contra Paços de Ferreira); numa competição europeia, foi capaz de jogar, de forma personalizada, decidindo o jogo, de forma fria e conseguindo estancar o poder ofensivo do adversário, sem sofrer qualquer tento (contra Zurique); depois de ter estado a ganhar por 2-0, com o jogo praticamente decidido, permitiu o empate, mas teve sangue frio para se reunificar e conseguir chegar ao golo da vitória. Isto só é possível em equipas com personalidade. É certo que, futebolisticamente, ainda falta fazer muita coisa, mas a entrega destes jogadores é impressionante e a ambição parece ser desmedida.

Um segundo ponto que me parece importante, é a necessidade que esta equipa sente em fazer as pazes com a sua massa associativa e uma vitória frente ao seu exigente público será a pedra de toque que parece faltar, para catapultar esta estrutura para mais altos voos. Uma equipa que conquista três vitórias, longe de portas, nas condições que as alcançou, tem obrigações de, num jogo no seu terreno, assumir as suas responsabilidades e construir uma exibição sólida e convincente, capaz de intimidar o adversário e toda a concorrência directa. Algo deste género, elevará o Sporting para patamares mais condizentes com a sua história.

Em terceiro lugar, é incontornável referir que, é imprescindível aproveitar o empate do clássico, que forçou os nossos dois adversários directos na luta pelo título, a perderem dois pontos e permitindo assim o encurtar das distâncias, para uns absolutamente recuperáveis, três pontos. Para quem, à apenas 2 jornadas atrás, tinha 7 pontos de atraso, trata-se de um feito bastante assinalável, para uma equipa que era apelidada de desequilibrada, inconsequente e sem agressividade. Atenção, meus senhores! O Sporting vem aí!

No entanto, para que tal aconteça, é necessário ultrapassar uma das boas equipas do campeonato, o histórico Vitória de Setúbal, que apresenta um conjunto que mescla a irreverência da juventude, com a estabilidade e o conhecimento de jogadores mais experientes, orientado por um treinador jovem e personalizado, que já deu provas de gostar de que a sua equipa tenha uma estrutura forte e organizada, que gosta de privilegiar a posse de bola a meio-campo, com jogadores muito experientes e bons tecnicamente, deixando na frente, um trio muito rápido e imprevisível. Destaque para o guardião Diego, que costuma arrancar para grandes exibições, contra o Sporting (a época passada foi prova disso mesmo), para o lateral/ala Ney Santos, que faz da sua rapidez e da sua força, armas suficientes para colocar qualquer flanco esquerdo defensivo em sentido (atenção para Insúa) e para Pitbull, que é daqueles jogadores que decide partidas, através de lances individuais. Nota para a dupla de centrais, muito forte e experiente, que pode causar algumas dificuldades, nos lances de bola parada defensivos. Jogadores como José Pedro, Hugo Leal, Neca e o próprio Pitbull, podem causar muitos problemas ao Sporting, quer pela qualidade técnica que possuem, quer em lances de bola parada. No entanto, a veterania de alguns desses elementos da equipa do Setúbal poderá ser aproveitada pela equipa do Sporting, se jogar em velocidade e com agressividade na luta pela posse de bola. Nota ainda para o jovem ponta-de-lance João Silva, que perfila-se como uma das maiores esperanças do futebol português da actualidade, pela sua rapidez de execução e pelo seu instinto matador.

Para ultrapassar estas dificuldades, o Sporting terá que manter os índices de concentração no máximo e não se deixar surpreender pelo estilo de futebol rendilhado, a meio-campo, que esta equipa de Setúbal gosta de apresentar. Os passes de ruptura são frequentes nesta equipa e há que estar atentos a eles, principalmente às costas da defensiva. A velocidade de execução a meio-campo será fundamental para cansar a equipa forasteira, de preferência com futebol apoiado, utilizando a velocidade nas alas, para criar desequilíbrios.


Esta é a lista de convocados de Domingos, para o jogo contra o Vitória de Setúbal.

Guarda-redes: Rui Patrício e Marcelo;

Defesas: Rodríguez, Polga, Onyewu, Evaldo, João Pereira e Insúa;

Médios: Schaars, Capel, Matías Fernández, Rinaudo, André Santos e Elias;

Avançados: Wolfswinkel, Carrillo, Diego Rubio e Bojinov.


Nota para a ausência na convocatória para Pereirinha, que tinha vindo a ser utilizado nas três partidas anteriores, de forma constante, ora no onze titular (quer como ala, quer como médio), ora como suplente utilizado.

Nesta lista de convocados, destaque para a presença de apenas dois jogadores de características ofensivas, com propensão para alinharem nos flancos – Capel e Carrillo – que deverão assumir a titularidade, podendo igualmente Insúa desempenhar tais funções, numa altura mais avançada da partida, se o resultado estiver a correr de feição. Historicamente, Bojinov também seria uma opção para essa posição, mas a opinião contrária que Domingos parece ter, em relação a essa hipótese, aliado ao facto do internacional búlgaro evidenciar ainda uma deficiente condição física, limita, ainda mais, as opções para as alas.

Contrariamente, para a zona de meio-campo, a abundância é por demais evidente: Rinaudo, André Santos, Schaars, Elias e Matias oferecem soluções para todos os gostos, permitindo uma grande versatilidade de opções, consoante o desenrolar dos acontecimentos.

Para o ataque, três opções disponíveis, uma delas que parece talhada para este 4x3x3 que tem vindo a ser utilizado – van Wolfwinkel – que vem de 3 jogos consecutivos a marcar. As restantes duas opções, parecem mais vocacionadas para alinhar num sistema de dois avançados – Rubio e Bojinov.

Na defensiva, nota para a ausência, uma vez mais, do capitão Daniel Carriço, que parece ter caído em desgraça, aos olhos do treinador. No centro da defesa, Domingos aproveitará para continuar a consolidar o bloco Onyewu-Rodriguez, com João Pereira na direita e Insúa na esquerda.

Na baliza, apesar das intranquilidades vividas, Rui Patrício já provou que merece a titularidade, por tudo o que representa e por tudo o que é capaz de fazer.


O meu onze para este jogo é o seguinte:


                   Rui Patrício


João Pereira      Onyewu      Rodriguez      Insúa


                           Rinaudo

             Schaars                   Elias



   Carrillo                                     Capel

                    van Wolfswinkel



Ass. ZeQueira
Registado

E o SPORTING é o nosso GRANDE AMOR!
Gosta deste tópico? Partilhe-o:
Páginas: « anterior 1 ... 4 5 [6] Ir para o topo Imprimir
Fórum SCP - A Comunidade do Sporting Clube de Portugal Universo Sporting Clube de Portugal Redacção Porta 10-A Tópico:

Análise do Plantel e da Época 2011/2012

« tópico anterior seguinte »
Ir para:

Powered by SMF 1.1.19 | SMF © 2011, Simple Machines
Tema SMFone modificado por Avantix e Paracelsus.
Optimizado para o Mozilla Firefox na resolução 1024 x 768.
© 2004 - 2010 | Fórum SCP | Alguns Direitos Reservados
Fórum não-oficial do Sporting Clube de Portugal

Ajuda | | Sitemap | Política de Privacidade