Fórum SCP

Criação De Fundo De Jogadores Sporting (ESAF)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Considero que a esmagadora maioria sofre de alguma falta de maturidade (não a nível futebolístico, entenda-se) que faz com que pareçam muitas vezes à deriva quando alcançam o patamar sénior de alta competição, quando todos sabemos que podem render muitíssimo mais, ou não estivéssemos a falar de jogadores que são a "nata" da sua geração (ou lá perto, pelo menos).
Será culpa deles? Ou não temos tido nós um modelo (seja a nível estrutural - i.e., directivo - seja a nível de estruturação táctica do futebol sénior) capaz de potenciar o talento dos jogadores saídos da formação? Honestamente, tendo em conta o acréscimo de rendimento e de sucesso desses jogadores, ao saírem do Sporting e lidarem com esse tipo de modelos... acredito que seja mais por isto.

Ou seja, é um facto que os jogadores saídos da Academia ultimamente tinham valor para terem rendido mais, mas não concluo por isso que tal seja por 'falta de maturidade' (é que ter sucesso no meio do caos é capaz de ser mais difícil do que parece...).

O Sporting recruta e faz evoluir alguns dos melhores jogadores a nível nacional em todos os seus escalões (acho que qualquer pessoa reconhece isso) e no entanto só raras excepções se conseguem impor na equipa sénior e até alcançar voos internacionais de grande magnitude. É claro que quando esses jogadores demonstram maturidade psíquica/mental, por serem futebolisticamente tão acima da média, acabam por se destacar de imediato e ter ascensões quase meteóricas e não é por isso de estranhar que nos últimos 20, 30 anos tenhamos formado 2 dos melhores jogadores do mundo.
Novamente, concordo com o 'fenómeno' (que me parece perfeitamente factual), discordo da causa  :great:

Não concordo que não tenham maturidade a nível mental (aí, não estaríamos só a falar de jogadores da formação; será que entre todos os jogadores do Sporting dos últimos anos, 85% não tinha a tal 'capacidade mental'?).

A meu ver, a partir do momento em que não há uma estrutura directiva minimamente competente, e não há um enquadramento colectivo que favoreça as características dos jogadores talentosos (do futebol moderno)... torna-se desde logo inviável falar do que jogador x ou y individualmente não conseguiu, ou de que estratégia x ou y (mal executada) não resulte...

Dificilmente me lembro de ver ausente do discurso dos dirigentes do Sporting, de há muitos anos para cá, palavras como contenção e rigor financeiro. E chegámos a um ponto em que as diferenças entre as receitas ordinárias do Sporting e dos outros dois é avassaladora. Para não falar das extraordinárias. 
Dificilmente vejo o benfica como um bom exemplo, até pelo montante da sua dívida, mas o Sporting também não o é e não o foi. Não quando as suas receitas não fazem face, por uma margem enorme, às despesas. Margem de 44M.
A mim importa-me pouco conceitos como contenção ou rigor financeiro, por si só. Da mesma forma que o investimento não me diz absolutamente nada.

Importa, acima de tudo, que a estratégia escolhida seja seguida de forma competente. Dizer que reduzir custos e ter o tal 'rigor financeiro' leva a maus resultados desportivos, porque assim aconteceu nos últimos anos, é, para mim, o mesmo que defender que o investimento leva a maus resultados desportivos, porque nos últimos anos, o pouco que existiu, não teve sucesso algum.

Temos 2 caminhos... ou reduzimos os custos com pessoal para valores perto de meados da década passada e alargamos o fosso para os rivais ou aumentamos exponencialmente as receitas. E estas só aumentam com uma equipa de futebol forte e competitiva.  Se esperamos que seja a formação a sustentar a competividade necessária para títulos de campeão e boas performances na Champions, estaremos a enganar-nos.
Discordo totalmente neste aspecto, especialmente na questão dos 2 caminhos  :great:

Não gosto de ser fatalista, da inevitabilidade ou da linearidade no que toca ao Sporting. Não quero ver as coisas a preto, e a branco. Apenas.

Não penso que haja dois caminhos. Não é investir e ter sucesso, ou não investir e aumentar o fosso para os rivais.

É possível seguir uma estratégia intermediária, em que se continue investir, e apenas ligeiramente menos que actualmente, e em que se tenha sucesso.

É preciso é ter-se coragem e competência para tornar a estratégia... uma boa estratégia. Da mesma forma que o Sporting do ano passado (com um orçamento muito elevado!) não teve sucesso por investir muito, também o Sporting de FSF não teve sucesso por ter 'rigor financeiro'.

São políticas, são formas de ver uma estratégia para o clube. Eu, pessoalmente, não me revejo, como já referi, nem em uma nem noutra (antes num meio-termo, que até prova em contrário, seguido com competência, pode perfeitamente ter bons resultados; embora reitero que seja impossível qualquer tipo de estratégia ou planificação ter sucesso se for seguida de forma incompetente).

Agora, se (qualquer que seja a estratégia) esta for seguida com competência e com visão... por mim, tudo bem. Tem-no sido, nesta temporada. Daí não achar esta estratégia seguida este ano, por pressuposto, errada. Simplesmente prefiro outra. Mas desde que seja competente... é o fundamental.
Não é, obviamente, isso. Não falei em aumentos exponenciais de custos, mas sim de receitas. O que entendo que não pode acontecer é diferenças orçamentais entre os 3 grandes de 1 para 2 ( e temos que comparar com os rivais, porque vivemos no mesmo ambiente competitivo ) e diferenças de investimento de 1 para 3, 4, 5 no investimento no futebol. Não há competência que combata isto, a não ser pontualmente. O que o Sporting fez este ano e a qualidade que tem no plantel tem um nome: investimento ( o que pressupõe competência - aleluia - caso contrário, eram gastos ). Havia outra forma? A curto prazo entendo que näo.

Quando digo que a formação não pode, pelo menos enquanto os outros tiverem o nível actual, ser a base de uma equipa com real capacidade de lutar pelo título, não quero dizer que não seja uma aposta estratégica.

E devo dizer que atribuindo a FSF , ao seu discurso economicista, à falta de soluções para a construção de uma equipa verdadeiramente competitiva ( ainda por cima desfazendo-se de património ), uma das razões do afastamento dos adeptos, entendo que teve sucesso... embora relativo. Presenças consecutivas na CL, 2 anos a lutar pelo título até ao fim, outro a andar por lá perto, 4 troféus, com as diferenças a nível financeiro que referi ( factuais e objectivas ), seria pouco expectável. Não atribuo é o mérito disto a ele.
Então imagina esse tipo de predominância da formação - existente na altura de FSF/PB - num clube onde a transição do futebol jovem para o futebol sénior fosse muito mais facilitada (com a implementação da Equipa B, por exemplo; que tem exactamente esse objectivo). E com melhor estrutura técnica e directiva.

O Sporting, a meu ver, se quer reduzir e racionalizar o investimento nesta próxima fase (e faz sentido que o faça), deve tentar implementar certas medidas que garantam que essa 'racionalização' não tem um impacto desportivo tão significativo.

E se temos tantos atletas da formação do Sporting nas Selecções ns últimos anos, não é de imaginar o poder que teríamos se conseguíssimos muito melhor os talentos que formamos (não me parece que o tenhamos feito particularmente bem, na medida em que estes ou têm passado logo para uma realidade demasiado exigente - séniores do Sporting, como o Adrien passou -, ou vão emprestados para clubes que não lhes garantem perspectivas de crescimento a nível técnico-táctico para actuarem num clube com o
nosso modelo ofensivo).

Mas lá está: neste momento, sem a Equipa B, seria arriscado (e arrisco dizer, provavelmente inviável) reduzir muito os custos, de facto. Porque a perda desportiva podia ser bastante significativa.

Agora, isto não invalida que, para a próxima temporada, arranque a Equipa B, e se possa por exemplo apostar de forma convicta e firme no talento de Cédric Soares, Adrien Silva e André Carrillo (que, ao lado de jogadores de top internacional, como RP, Insua, Matías, Capel - preferia Jeffren, mas as lesões... - e RvW).

A primeira, porque garantirá para o futuro próximo um melhor aproveitamento dos talentos da formação (ou melhor... um ainda melhor aproveitamento, reparo), as segundas porque os efeitos financeiros serão tremendamente positivos, e a perda desportiva não será assim tão significativa.

(Sobre estes jogadores, acedo que o Cédric ainda não é defensivamente um jogador tremendamente fiável - como o dono do actual lugar em Alvalade também não é -, que o Adrien precisava de estimúlos e só no final da temporada estará ao nível do "xadrezista" Schaars...

Mas, a aposta em duas ou três mudanças pontuais (mais a tal medida com vista a um melhor aproveitamento na transição da formação para os séniores) tornaria o Sporting um clube mais sustentável... sem de todo abdicar da ambição.
Considero que a esmagadora maioria sofre de alguma falta de maturidade (não a nível futebolístico, entenda-se) que faz com que pareçam muitas vezes à deriva quando alcançam o patamar sénior de alta competição, quando todos sabemos que podem render muitíssimo mais, ou não estivéssemos a falar de jogadores que são a "nata" da sua geração (ou lá perto, pelo menos).
Será culpa deles? Ou não temos tido nós um modelo (seja a nível estrutural - i.e., directivo - seja a nível de estruturação táctica do futebol sénior) capaz de potenciar o talento dos jogadores saídos da formação? Honestamente, tendo em conta o acréscimo de rendimento e de sucesso desses jogadores, ao saírem do Sporting e lidarem com esse tipo de modelos... acredito que seja mais por isto.

Ou seja, é um facto que os jogadores saídos da Academia ultimamente tinham valor para terem rendido mais, mas não concluo por isso que tal seja por 'falta de maturidade' (é que ter sucesso no meio do caos é capaz de ser mais difícil do que parece...).

O Sporting recruta e faz evoluir alguns dos melhores jogadores a nível nacional em todos os seus escalões (acho que qualquer pessoa reconhece isso) e no entanto só raras excepções se conseguem impor na equipa sénior e até alcançar voos internacionais de grande magnitude. É claro que quando esses jogadores demonstram maturidade psíquica/mental, por serem futebolisticamente tão acima da média, acabam por se destacar de imediato e ter ascensões quase meteóricas e não é por isso de estranhar que nos últimos 20, 30 anos tenhamos formado 2 dos melhores jogadores do mundo.
Novamente, concordo com o 'fenómeno' (que me parece perfeitamente factual), discordo da causa  :great:

Não concordo que não tenham maturidade a nível mental (aí, não estaríamos só a falar de jogadores da formação; será que entre todos os jogadores do Sporting dos últimos anos, 85% não tinha a tal 'capacidade mental'?).

A meu ver, a partir do momento em que não há uma estrutura directiva minimamente competente, e não há um enquadramento colectivo que favoreça as características dos jogadores talentosos (do futebol moderno)... torna-se desde logo inviável falar do que jogador x ou y individualmente não conseguiu, ou de que estratégia x ou y (mal executada) não resulte...


Eu explico.

Há coisas que só se aprendem passando por elas e a verdade é que os formados no Sporting são colocados numa "redoma" desde muito cedo. São jogadores que estão habituados a jogar com companheiros tão bons ou melhores do que eles, um lugar mais ou menos garantido na equipa (mesmo que não sejam titulares sabem que o clube quer apostar neles e que tudo vai fazer para que tenham oportunidades), lidam com treinadores e funcionários que lhes passam a mão pelo pêlo e que os apaparicam porque sabem que têm valor, têm facilidades financeiras desde muito cedo para poderem desenvolver as suas extravagâncias.

O resultado é que não são tão pressionados a colmatar as suas falhas (podem-no ser nos treinos, mas não têm que fazer "levantar" uma equipa de cepos por assim dizer), e no seguimento da oração anterior não desenvolvem um espírito de liderança e de ultrapassagem das adversidades, porque elas são reduzidas. Não têm de crescer do nada, não têm de lutar "pela sobrevivência", não têm de saber o que é passar fome ou dificuldades de modo a que tenham de investir tudo para ganhar um lugar ao sol e assim minorarem esses problemas.

Existem rapazes que têm esse espírito imbutido nos seus genes, mas a maioria não tem esta "garra" (têm em vez disso vedetismo a mais e vontade em receber os louros antes mesmo de terem ganho seja o que for). E por muito trabalho que exista das pessoas que os treinam e que lidam com eles no dia-a-dia, o que me parece é que a maioria só irá "acordar para a vida" quando passar de facto pelas dificuldades, quando tiver de comer a relva para conseguir uns míseros minutos a dar pontapés na bola durante um jogo e perceber que para a maior parte deles o estrelato e o sucesso só serão atingidos com 99% de transpiração e 1% de inspiração (como aliás quase tudo na vida).
Ah, e a provável criação da Equipa B, embora não tenha custos monstruosos, á partida deverá ter o seu peso (a meu ver, um peso que se justifica, ainda para mais atendendo á utilidade que teve no passado em fazer jovens talentosos terem uma boa transição para o fut. sénior).

Eu serei sempre contra a criação de uma Equipa B, não pelos custos, mas porque não me parece que prolongar o inbreed seja saudável para os nossos atletas.

Considero que a esmagadora maioria sofre de alguma falta de maturidade (não a nível futebolístico, entenda-se) que faz com que pareçam muitas vezes à deriva quando alcançam o patamar sénior de alta competição, quando todos sabemos que podem render muitíssimo mais, ou não estivéssemos a falar de jogadores que são a "nata" da sua geração (ou lá perto, pelo menos).

O Sporting recruta e faz evoluir alguns dos melhores jogadores a nível nacional em todos os seus escalões (acho que qualquer pessoa reconhece isso) e no entanto só raras excepções se conseguem impor na equipa sénior e até alcançar voos internacionais de grande magnitude. É claro que quando esses jogadores demonstram maturidade psíquica/mental, por serem futebolisticamente tão acima da média, acabam por se destacar de imediato e ter ascensões quase meteóricas e não é por isso de estranhar que nos últimos 20, 30 anos tenhamos formado 2 dos melhores jogadores do mundo.

Mas pronto, isto é apenas uma opinião.

Eu discordo, uma equipa B num quadro competitivo permanente é o ideal para promover a transição dos juniores para os seniores, mais do que isto acho que é fundamental renovar os quadros competitivos nas camadas jovens, os nossos miúdos têm poucos jogos realmente competitivos e isso só mudará com outro tipo de campeonato, tipo playoff ou algo do género, há que aumentar a competição de forma a promover o crescimento dos miúdos, só farão aumentando os jogos entre as equipas mais fortes.

Acho interessante esta "cena" do Next Generation, a competição internacional também contribui para a evolução dos miúdos, principalmente quando têm a possibilidade de jogar com os melhores jogadores europeus nos seus escalões, gostava de ver esta competição alargada aos outros escalões, pelo menos juvenis e iniciados.
Hoje como sempre, tenho o FórumSCP na mente e o Sporting Clube de Portugal no coração!
'Apaparicados' em que sentido? Sendo tremendamente talentosos, entrando na equipa principal e depois vendo suplentes e jogadores incompetentes a ganharem cinco vezes o que eles ganham (não produzindo nem metade), a serem treinados por técnicos inaptos e a trabalharem num clube que tem estado 'em chamas', e sem estabilidade alguma...?

Bom, discordo perfeitamente da criação de 'dificuldades' aos nossos jovens para ver quem as supera. Porque jogar numa equipa com um modelo defensivo, por muito que torne o indivíduo mais responsável, não ajuda em nada a perceber melhor o jogo, a ter uma melhor capacidade de jogar num modelo (ofensivo) de uma equipa grande, e a explorar o talento que têm.



@ Rui Sampaio,

Concordo. Mas será que, sendo o objectivo da Equipa B ajudar a transição dos jogadores do futebol formação para o futebol sénior, a próxima Equipa B estará preparada para actuar na Orangina...?

Tendo em conta os resultados que a História nos diz que a última Equipa B teve (com muitos valores individuais, também), e tendo em conta a fraquíssima competitividade da Fase Regular do Campeonato Nacional... duvido  :inde:

Se calhar, essa presença na Liga Orangina até obrigava a ter vários jogadores já com alguma experiência no plantel... e não me parece esse o objectivo da implementação desta medida (um ou outro, sim, sem dúvida, mas a base devia ser ex-juniores, para fazerem a transição em conjunto para o fut. sénior).
A equipa B tem que ser uma equipa competitiva, tem sempre que haver uma escolha quando os jogadores chegam ao último ano de juniores, não teremos de certeza 20 e tal jogadores com potencial para chegar à equipa principal, os jogadores que apresentam capacidade para evoluir devem ser integrados numa equipa B com jogadores mais velhos e onde possam evoluir, este é o cenário ideal, não sei se é possível nem sei se é neste sentido que vamos evoluir, contudo não vejo outra forma de promover a evolução destes miúdos.
Hoje como sempre, tenho o FórumSCP na mente e o Sporting Clube de Portugal no coração!
Eu não tenho uma opinião totalmente formada sobre esta questão da equipa B, mas olho para alguns exemplos que podem ser interessantes: O Barcelona tem equipa B que permanentemente cede jogadores para a equipa A e é a melhor equipa do mundo.

Os corruptos já tiveram equipa B mas não foi dai que nasceram alguns grandes jogadores como Baia, Fernando Couto, Ricardo Carvalho, Bruno Alves etc.

Ou seja, a equipa B pode potenciar alguma coisa mas não sei se é a solução mágica. Além da falta de competitividade que andar na IIB pode criar nos jogadores, além de obrigar os jogadores saidos dos juniores a conviverem com novos ambientes e atletas mais "maduros", obriga à manutenção de um plantel de cerca de 22/23 jogadores quando, verdadeiramente, apenas 2 ou 3 poderão ter aspirações a algum dia servirem a equipa A.

Falando do caso específico do SCP acho que exemplos como Veloso, Yannick e, actualmente, Adrien e Cedric podem provar que emprestando jogadores, desde que para equipas competitivas e onde possam jogar com regularidade, parece-me ser a solução mais eficaz e económica.
Além da falta de competitividade que andar na IIB pode criar nos jogadores
Falte de competitividade...? Para os ex-juniores, parece-me mais um 'degrau' competitivo, pelo que nao vejo que tenham problemas de falta de competitividade (basta ver que grandes talentos, como o Nani e o Veloso, estiveram nessa divisão, inclusivamente emprestados).

obrigar os jogadores saidos dos juniores a conviverem com novos ambientes e atletas mais "maduros
É por isso que deve, a meu ver, haver um grande interacção entre a Equipa principal e a Equipa B (reduzindo o número de jogadores da primeira, por exemplo).

manutenção de um plantel de cerca de 22/23 jogadores quando, verdadeiramente, apenas 2 ou 3 poderão ter aspirações a algum dia servirem a equipa A.
Não sei se será bem assim. Por exemplo, nesta fornada de juniores, há muitos jogadores com talento. Muitos mesmo. Se a transição do futebol formação para o futebol sénior for feita de forma mais produtiva (o que, a meu ver, a Equipa B pode ajudar a 'garantir'), á partida aproveitar-se-á mais o talento dos nossos jovens que aquilo que se tem aproveitado (e que, mesmo assim, já tem sido bastante).
Parece-me que estás a falar bastante de cor...

Em primeiro lugar, o Nani não esteve emprestado a nenhum clube da II Divisão B. O Veloso esteve e foi colocado num clube onde estava um treinador que mais tarde se ponderou contratar como técnico do Sporting e com reconhecidas capacidades em termos de aproveitamento de jovens.

Adicionalmente, dizer que se iria aproveitar mais do que 2 ou 3 atletas num plantel de 22-23 jogadores só porque se acha que na actual equipa há lá muitos talentos, é claramente uma precipitação. O Zezinho tb era uma máquina e um talento e agora no Atlético tem jogado pouco, ou então, vi mundos e fundos aqui sobre a "não-renovação" do Renato Santos e que ele era o maior e o caraças... onde anda ele agora? Moreirense? Freamunde? (Sinceramente não sei...)

Também este comentário é "básico" porque num cenário de atletas acompanhados por técnicos do Sporting e com colegas que já conhecem há algum tempo, também acredito que poderá haver um melhor aproveitamento. E mesmo o rácio de 2 jogadores aproveitados em 20 não me choca pois se com isso conseguirmos transaccionar um atleta ou evitar a contratação de um atleta para a equipa principal, já é um ganho...

... E não nos podemos esquecer que muitos destes atletas depois acabam por ficar a "passear" por equipas de II divisão ou Orangina a receber menos de 1000 euros por mês, por isso o custo não é muito elevado.

Quanto à competitividade, pior do que a falta dela, o mais grave será o descontextualização. A maioria dos atletas sai de estilos de jogo mais técnicos com bola no pé etc e depois vai para equipas destas que jogam à base da força e do pontapé para a frente...
Adicionalmente, dizer que se iria aproveitar mais do que 2 ou 3 atletas num plantel de 22-23 jogadores só porque se acha que na actual equipa há lá muitos talentos, é claramente uma precipitação. O Zezinho tb era uma máquina e um talento e agora no Atlético tem jogado pouco, ou então, vi mundos e fundos aqui sobre a "não-renovação" do Renato Santos e que ele era o maior e o caraças... onde anda ele agora? Moreirense? Freamunde? (Sinceramente não sei...)
(O ano passado, estava no Moreirense, emprestado pelo Rio Ave  :great: No Freamundo está um dos Matias, penso que também emprestado por um clube da Primeira Liga)

Eu não disse que se vai aproveitar mais do que 2 ou 3 atletas num plantel de 22-23 jogadores. Digo que acho que o número de atletas que pode ser aproveitado não é exactamente linear, e que, na minha opinião, dentro desta geração há pelo menos uns 5 que acho que têm muito talento.

Em relação aos outros exemplos, estou á vontade. Lembro-me de ter visto, por exemplo, uns vídeos dos treinos desta pré-temporada,  e o que vi do Zezinho não me entusiasmou nada. Não por estar no meio dos graúdos (houve outros de que gostei, alguns juniores, ou seja, mais novos que ele), mas porque não apreciei o 'estilo'.

Em relação ao Renato Santos, acho que fez efectivamente uma boa ponta final de Campeonato. Não sei é como se portou em todo o decorrer da época, além de que se falou haverem questões extra-desportivas para a sua não renovação.

De qualquer forma, do que vi de ambos os jogadores... acredito mais no talento e no potencial de 4/5 dos que estão actualmente na equipa. É uma opinião meramente pessoal... mas tenho-a.

Também este comentário é "básico" porque num cenário de atletas acompanhados por técnicos do Sporting e com colegas que já conhecem há algum tempo, também acredito que poderá haver um melhor aproveitamento. E mesmo o rácio de 2 jogadores aproveitados em 20 não me choca pois se com isso conseguirmos transaccionar um atleta ou evitar a contratação de um atleta para a equipa principal, já é um ganho...
Sim, não seria um mau número, anualmente. Comparado com os rivais, seria naturalmente bastante bom! Agora, também depende da 'matéria-prima' que tenhas num dado momento (e que não é sempre a mesma, em termos qualitativos). E do treinador que a vá gerir. E dos colegas com quem vá jogar.

Por isso mesmo eu, quando referi que a Equipa B podia ajudar a garantir uma melhor transição para o futebol sénior, utilizei a palavra entre-aspas. Nunca garante, porque é complicadíssimo saber o sucesso de um atleta no futebol profissional. Mas ajudará a que a transição seja mais fácil, á partida. O que já é um ganho muito considerável também...

... E não nos podemos esquecer que muitos destes atletas depois acabam por ficar a "passear" por equipas de II divisão ou Orangina a receber menos de 1000 euros por mês, por isso o custo não é muito elevado.

Quanto à competitividade, pior do que a falta dela, o mais grave será o descontextualização. A maioria dos atletas sai de estilos de jogo mais técnicos com bola no pé etc e depois vai para equipas destas que jogam à base da força e do pontapé para a frente...
Sim, daí dizer que o custo da Equipa B não seria efectivamente muito significativo. Embora existisse (e fosse propício a uma redução do número de atletas na Equipa Principal, por exemplo).

Quanto á competitividade... concordo! Por isso, acho que a equipa B é importante, pelo facto dos jogadores entrarem no futebol sénior através das mãos de um técnico que tenha um modelo semelhante ao do treinador principal do clube.

Mas se a competitividade não é efectivamente o fundamental na questão... atendendo aos resultados passados, consideras uma boa ideia entrar já na Orangina? Não seria dar um 'passo maior que a perna'?

Dou um exemplo, o André Martins. Se tivesse sido integrado numa equipa b após findar a experiência no fut. formação (sim, sei que teve sucesso - a nível de rendimento, pelo menos - no Real), não podia ter tido um crescimento mais significativo enquanto não estava na equipa principal...?

Óbvio, é sempre incerto (estamos aqui a falar de tudo, menos de verdades absolutas). Mas acredito honestamente que sim...
Citar
O ano passado, estava no Moreirense, emprestado pelo Rio Ave   No Freamundo está um dos Matias, penso que também emprestado por um clube da Primeira Liga)

O Renato continua em Moreira de Conegos
O Marco Matias está como dizes e bem em Freamunde , emprestado pelo Vitória de Guimaraes

Considerem-se esclarecidos  :mrgreen: :mrgreen:

SL

Pertenecemos a aquellos que lo dan todo por una idea, dicen que estamos en extinción, puede que seamos los últimos rebeldes, pero con la convicción de luchar hasta el final por lo que defendemos. Recorremos miles de kilómetros sin la seguridad de volver todos enteros a casa, sin el aplauso de nadie... Porque no lo necesitamos, porque nosotros preferimos seguir a nuestro equipo donde vaya, que quedarnos en casa viendo la televisión.
Venid con nosotros, vuestra vida no será mejor, eso no lo podemos garantizar, pero si aseguramos que vivirás verdaderamente.                     POLITICAMENTE INCORRECTOS!


FORÇA & HONRA
Is this true?  :think:

Segunda-feira, 1 de Outubro de 2012
Clube Português só detém 100% do passe de 8 jogadores.
O Sporting tem apenas a totalidade dos passes de oito jogadores do plantel principal: Carriço, Pereirinha e Izmailov, e mais os reforços Boulahrouz, Gelson, Rojo, Viola e Pranjic (contratações posteriores a 30 de Junho, das quais não há informação sobre a percentagem do passe que a SAD detém, pressupondo-se que seja 100 por cento).
Todos os outros já não pertencem integralmente à SAD leonina, informou a sociedade no Relatório e Contas relativo ao período de 1 de Julho de 2011 a 30 de Junho de 2012.
A SAD leonina tem vindo a alienar partes dos passes a fundos de investimento. Do médio Elias, por quem pagou ao Atl. Madrid, em Agosto de 2011, 8,850 milhões de euros (pela totalidade do passe), o Sporting já só detém 50 por cento dos direitos económicos. A SAD vendeu a outra metade a um fundo por três milhões e 850 mil euros, ou seja, menos de metade do que gastou no brasileiro.
Do passe de Wolfswinkel, um dos mais cotados do plantel, os leões têm apenas 35 por cento, ou seja, caso venda o avançado holandês pelo valor da cláusula de rescisão, cifrada em 22 milhões de euros, a SAD leonina só recebe 7,7 milhões – o jogador custou 5,075 milhões.
Também os casos de Cédric e André Carrillo são sintomáticos da dificuldade que o Sporting terá em realizar encaixes financeiros significativos, no futuro, com a venda de jogadores: dois jovens de 21 anos, com enorme margem de valorização, de quem resta à SAD 30 por cento do passe.
Publicada por Marcos Trindade em 04:13


http://sportveaquinoticias.blogspot.pt/2012/10/clube-portugues-so-detem-100-do-passe.html

« Última modificação: Outubro 01, 2012, 14:25 pm por wild_oscar »
Não! Se não me engano, temos 25% do Rojo e 0% do Viola (Pelo que percebi das palavras do Godinho...)
Não! Se não me engano, temos 25% do Rojo e 0% do Viola (Pelo que percebi das palavras do Godinho...)
É isso. Veio num pasquim à uns dias...
''You have forgotten who you are and so have forgotten me. Look inside yourself, Simba. You are more than what you have become. You must take your place in the Circle of Life.'' Mufasa, Lion King, 1994

''These are dark times, there is no denying. Our world has perhaps faced no greater threat than it does today. But I say this to our citizenry: We, ever your servants, will continue to defend your liberty and repel the forces that seek to take it from you!'' Rufus Scrimgeour, Minister for Magic
Aqui as % de passes actualmente na posse da Sporting SAD da equipa Principal em Junho de 2012:

Nelas têem a retirar o passe de Bojinov, Matias e outros que já não fazem parte da equipa Principal. No Proximo RC teremos informação acerca de Rojo, Boularouz, Pranjic, Viola e Gelson.



E as transacções com o SPF:




Estamos entregues á Bicharada.

Parabéns ao Sr. Godinho Lopes pelo Brilhante plano de valorização dos activos do Sporting.
« Última modificação: Outubro 01, 2012, 15:18 pm por Gtony »
Esforço, Dedicação e Devoção servem de pouco se não houver Competência e Rigor.

Acrescente-se definitivamente estes 2 pilares ao ADN do Sporting, para atingirmos a Gloria.
E esses 11,5 M estão onde no R&C?

Este valor foi englobado na conta Custos/Proveitos com transacções de Jogadores, que por sinal deu negativo em cerca de 5 Milhões €.


Estes valores das % de passes que o Sporting alienou, demonstra a Gestão de Excelencia que vigora neste Sporting.
O Projecto infalivel rumo ao abismo.
Esforço, Dedicação e Devoção servem de pouco se não houver Competência e Rigor.

Acrescente-se definitivamente estes 2 pilares ao ADN do Sporting, para atingirmos a Gloria.
ESTOU COMPLETAMENTE INDIGNADO COM ISTO. COMO É POSSÍVEL TERMOS CHEGADO A ESTE PONTO