Criação De Fundo De Jogadores Sporting (ESAF)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

A proposito, ja que falamos de fundos, gostaria de colocar uma questao.

Estes fundos com os quais estamos a trabalhar sao auto-renovaveis da mesma forma que seria o fundo do BdC?

Com o fundo do BdC, apos cada venda entraria no fundo o mesmo valor que saiu aquando da compra e so as mais valias eram divididas pelas duas partes (Sporting e investidores). O fundo renovar-se-ia periodicamente para poder ser novamente utilizado.

Com os fundos actuais, o dinheiro é simplesmente dividido e ponto final. Aparentemente... Mas nao conhecemos os mecanismos dos fundos, pelo que nao faço ideia se algum deles sera auto-renovavel.
:lol: :lol: :lol:

Um prato. Bala, não leves a mal, achei o exercício excelente. Mas prova exactamente o CONTRÁRIO daquilo que queres demonstrar!! :)

A diferença não é assim tão grande? :o

A diferença é ENORME!! O Clube investir ZERO, portanto com risco ZERO, se a coisa não correr bem não perde UM CENTIMO, e se a coisa corre bem faz SEMPRE mais dinheiro... e a diferença não é assim tão grande?!  :o :naughty:

É abissal. Principalmente nas circunstâncias do SCP actual, que como toda a gente sabe, é um Clube falido.

Caro Toca_do_lobo, por variadas vezes ja me referi ao fundo do BdC como sendo "excelente" ou mesmo uma "dadiva"... Espero que tenhas ficado esclarecido acerca deste ponto.

Dito isso, reforço o que ja disse previamente. A diferença em termos de lucro final nao é muito significativa. Dizes (e muito bem) que com o fundo do BdC o Sporting investe zero e como tal tem risco zero se a coisa nao correr bem. Esta é a grande vantagem, mas nao trazes novidade nenhuma porque eu proprio ja o referi previamente umas quantas vezes.

Repara nos 4 negocios que eu apontei. No final das contas, o fundo russo permitiu um lucro de 4.5 milhoes relativamente aos fundos do GL. Lucro esse que foi dividido pela venda de 4 jogadores. Estes valores sao importantes, mas nao é com numeros desta ordem de grandeza que o Sporting conseguira limpar as suas contas. Repara que uma participaçao razoavel na Champions League (eliminaçao nos quartos de final, como frequentemente consegue o FCP) traz receitas (directas+indirectas) perto dos 20 milhoes de euros (sem contar com a valorizaçao dos jogadores e da marca Sporting). Repara que os contratos de TV trarao ao Benfica e ao FC Porto receitas que poderao vir a ser 10-20 milhoes de euros superiores as do Sporting, anualmente. So essas duas fontes de receitas representam 20-30 milhoes de euros por ano. Se juntares eventual naming do estadio (algo que nao foi reprovado na AG, contrariamente ao que alguns pensam), poderas ter ai 25-35 milhoes anuais.

Lembra-te tambem que, contrariamente ao que sucederia com o fundo russo, o Sporting é quem escolhe as suas contrataçoes. Os empresarios do fundo do BdC teriam direito a vetar possiveis contrataçoes.

CONCLUSAO, o fundo do BdC era melhor, nao duvido, mas o recurso aos fundos da actual direccao nao é significativamente pior e é mesmo a unica forma de termos um plantel ao nivel do que exige. Uns fundos sao melhores que outros, claro, mas sem fundos ou investidores externos, nada feito.

Vou repetir, em jeito de comentario final, que um ultraje foi a avaliacao feita pelo fundo do BES a alguns jogadores do plantel, em particular o Andre Santos.

E daí que com o fundo do BdC podiamos ter apostado em mais 4 jogadores de 15 M€ cada para limpar as competições internas, ou seja, o patamar de qualidade desportiva seria incomparavelmente superior. ;D O Godinho se fosse esperto fazia era uma mega-operação de charme ao BdC para meter cá o dinheiro dos russos. :P
A proposito, ja que falamos de fundos, gostaria de colocar uma questao.

Estes fundos com os quais estamos a trabalhar sao auto-renovaveis da mesma forma que seria o fundo do BdC?

Com o fundo do BdC, apos cada venda entraria no fundo o mesmo valor que saiu aquando da compra e so as mais valias eram divididas pelas duas partes (Sporting e investidores). O fundo renovar-se-ia periodicamente para poder ser novamente utilizado.

Com os fundos actuais, o dinheiro é simplesmente dividido e ponto final. Aparentemente... Mas nao conhecemos os mecanismos dos fundos, pelo que nao faço ideia se algum deles sera auto-renovavel.

Olha, é engraçado. Pois de um fundo hipotético como lhe chamou o Rodrigues, conhecemos muito mais do que de um fundo que supostamente está a funcionar. Não te consigo responder com clareza, porque de facto não faço a mínima ideia como funcionam os fundos (parece que são dois... ::)) do godinho. E não faço a mínima ideia, porque nunca ninguém nesta direcção, achou importante explicá-los.
Assinatura renovada! Demorou, mas foi!
Alguem me pode esclarecer quanto falta para prefazer os 15M do Fundo e quem poderão ser os proximos a integrarem o Fundo?
Alguem me pode esclarecer quanto falta para prefazer os 15M do Fundo e quem poderão ser os proximos a integrarem o Fundo?

Fundo foi totalmente prescrevido penso eu.
Alguem me pode esclarecer quanto falta para prefazer os 15M do Fundo e quem poderão ser os proximos a integrarem o Fundo?

Fundo foi totalmente prescrevido penso eu.

Subscrito  :great:
Alguem me pode esclarecer quanto falta para prefazer os 15M do Fundo e quem poderão ser os proximos a integrarem o Fundo?

Fundo foi totalmente prescrevido penso eu.

Subscrito  :great:

Agradecido deve ter sido da hora  ;)
Eu tenho impressao que nao vendemos ainda percentagens de jogadores equivalentes aos 15M do Fundo...
Eu tenho impressao que nao vendemos ainda percentagens de jogadores equivalentes aos 15M do Fundo...

Salvo erro, deve estar em falta a divulgação de 5M desse fundo.

Foram 5.9M anunciados com os miudos - Wilson, Owuso, Renato Neto, André Martins, etc.

Depois foram uns 5M com o Capel, Carrillo, Jeffrén e Rinaudo.

E por isso falta saber que outras percentagens estarão no fundo.
Peter Kenyon investe no Sporting por acreditar no projecto "leonino"

Peter Kenyon,que levou Cristiano Ronaldo para o Manchester United e José Mourinho para o Chelsea, disse que teve sucesso à custa do talento fornecido por clubes portugueses, daí que agora, enquanto investidor, se tenha virado para o Sporting.
O fundo de jogadores que gere comprou partes consideráveis de jogadores do Sporting, como Elias.
Kenyon disse que o Sporting tem «talento» para «produzir jogadores que depois partem para as maiores ligas».
Neste sentido e por entender que o Sporting vai lutar pelo título, o investidor prometeu torcer pelos "leões" no próximo "derby" frente ao Benfica.
O ex-director-geral do Chelsea e do Manchester United vincou que acredita «muito no futebol português», por «observar vantagens competitivas no histórico de desenvolvimento de jogadores muito bons».
« Última modificação: Novembro 17, 2011, 18:02 pm por Zambrot »
A continuidade e a sua credibilidade trouxeram-nos a esta triste realidade. Basta!

Este já tem Eric e Tobias...

Já se está a preparar para atacar mais uns quantos. Até já deve estar em conversações para que os Juniores não sejam incluidos no fundo BES.
Citar
in http://economico.sapo.pt/noticias/eu-teria-cuidado-com-os-fundos-de-jogadores_131564.html

“Eu teria cuidado com os fundos de jogadores”

Conselho é para os clubes portugueses. Porquê? “Quem são, de facto, os investidores e qual é a origem do dinheiro”.

Responsável pelo estudo anual da Deloitte que avalia o estado financeiro de clubes e marcas na Europa, Dan Jones foi o primeiro orador no Congresso Football Talks que amanhã termina em Cascais. Embora reconheça que a situação é delicada e tem alguns pontos de contacto com a crise na União Europeia, o inglês considera "mais fácil" encontrar soluções para o futebol e desaconselha os clubes portugueses a recorrer a fundos de jogadores.

Sendo um estudioso acerca do estado dos clubes europeus, a situação dos portugueses é mais ou menos preocupante?
Enquadra-se num contexto de dificuldades decorrentes não apenas de erros na gestão, mas também da crise generalizada nas sociedades.

Estando os bancos com problemas para conceder crédito, a ideia de recurso a fundos de jogadores é adequada como fonte de financiamento?
Sei que os clubes portugueses têm utilizado essa fonte sob diversas formas, mas desaconselho-os e eu teria cuidado porque há sempre dúvidas sobre duas questões principais: quem são, de facto, os investidores e de onde vem o dinheiro. Entendo que os clubes agem dessa forma porque precisam de dinheiro a curto prazo. Já não entendo que se fale em repartição de riscos, pois esta é a área de actuação dos clubes desde sempre. Portugal tem agido bem como formador, aproveitando ainda os mercados de Brasil e África de modo natural. Perder isso para pessoas que se movimentam fora dos clubes seria abdicar de uma vantagem.

Quando o presidente do Benfica admite que os próximos tempos serão de menor investimento, isso é um alerta positivo?
É um discurso positivo e as regras de fair-play financeiro da UEFA vão ajudar a disciplinar os clubes nos seus negócios. Os adeptos talvez sintam mais dificuldade em perceber isso, mas há algo que todos entendem: está a ser feita uma escolha entre a vida dos clubes nas próximas décadas e a sua afirmação no topo durante oito meses para depois falirem. Parece-me que a escolha é óbvia. Nas sondagens a adeptos em Inglaterra, mais do que qualquer outra questão, o dinheiro é sempre mencionado como principal factor.
Infelizmente, a reacção comum nisto é pensar:

"Eu quero lá saber... Quero é que a bola entre"
Interessante. Ainda para mais, a última resposta de Dan Jones  :great:

Eu, pessoalmente, tenho referido que acho perfeitamente possível reduzir custos sem perder ambição. E já dei exemplos em que considerava que isso acontecia, e que a perda desportiva não seria particularmente significativa.
E os rivais, também reduziriam custos? É que as diferenças, este ano menos, já têm sido tremendas.
E os rivais, também reduziriam custos? É que as diferenças, este ano menos, já têm sido tremendas.
Não vou comparar com os rivais, porque o Sporting não tem de seguir os maus exemplos (a nível de sustentabilidade futura, não a nível de resultados, naturalmente).

Além de que não têm outra fonte de aproveitamento que não o investimento, puro e duro. Circunstâncias diferentes, mas enquanto assim continuarem... por mim, tudo bem. Com o mal (futuro) dos outros posso eu bem Lion  :great:

Mas se até um LFV (que só têm capacidade de ir buscar jogadores capazes e/ou promissores fora do Clube) fala na necessidade de desinvestir nos próximos tempos... parece-me um claro sinal.

Ah, e a provável criação da Equipa B, embora não tenha custos monstruosos, á partida deverá ter o seu peso (a meu ver, um peso que se justifica, ainda para mais atendendo á utilidade que teve no passado em fazer jovens talentosos terem uma boa transição para o fut. sénior).
Ah, e a provável criação da Equipa B, embora não tenha custos monstruosos, á partida deverá ter o seu peso (a meu ver, um peso que se justifica, ainda para mais atendendo á utilidade que teve no passado em fazer jovens talentosos terem uma boa transição para o fut. sénior).

Eu serei sempre contra a criação de uma Equipa B, não pelos custos, mas porque não me parece que prolongar o inbreed seja saudável para os nossos atletas.

Considero que a esmagadora maioria sofre de alguma falta de maturidade (não a nível futebolístico, entenda-se) que faz com que pareçam muitas vezes à deriva quando alcançam o patamar sénior de alta competição, quando todos sabemos que podem render muitíssimo mais, ou não estivéssemos a falar de jogadores que são a "nata" da sua geração (ou lá perto, pelo menos).

O Sporting recruta e faz evoluir alguns dos melhores jogadores a nível nacional em todos os seus escalões (acho que qualquer pessoa reconhece isso) e no entanto só raras excepções se conseguem impor na equipa sénior e até alcançar voos internacionais de grande magnitude. É claro que quando esses jogadores demonstram maturidade psíquica/mental, por serem futebolisticamente tão acima da média, acabam por se destacar de imediato e ter ascensões quase meteóricas e não é por isso de estranhar que nos últimos 20, 30 anos tenhamos formado 2 dos melhores jogadores do mundo.

Mas pronto, isto é apenas uma opinião.
Dificilmente me lembro de ver ausente do discurso dos dirigentes do Sporting, de há muitos anos para cá, palavras como contenção e rigor financeiro. E chegámos a um ponto em que as diferenças entre as receitas ordinárias do Sporting e dos outros dois é avassaladora. Para não falar das extraordinárias. 
Dificilmente vejo o benfica como um bom exemplo, até pelo montante da sua dívida, mas o Sporting também não o é e não o foi. Não quando as suas receitas não fazem face, por uma margem enorme, às despesas. Margem de 44M.

É o Sporting que tem e de longe ( entre os 3 maiores de Portugal ), o pior racio entre custos com o pessoal e receitas geradas. Este racio é um dos ponderadores do chamado flair play financeiro. Temos 2 caminhos... ou reduzimos os custos com pessoal para valores perto de meados da década passada e alargamos o fosso para os rivais ou aumentamos exponencialmente as receitas. E estas só aumentam com uma equipa de futebol forte e competitiva.  Se esperamos que seja a formação a sustentar a competividade necessária para títulos de campeão e boas performances na Champions, estaremos a enganar-nos.
Dificilmente me lembro de ver ausente do discurso dos dirigentes do Sporting, de há muitos anos para cá, palavras como contenção e rigor financeiro. E chegámos a um ponto em que as diferenças entre as receitas ordinárias do Sporting e dos outros dois é avassaladora. Para não falar das extraordinárias. 
Dificilmente vejo o benfica como um bom exemplo, até pelo montante da sua dívida, mas o Sporting também não o é e não o foi. Não quando as suas receitas não fazem face, por uma margem enorme, às despesas. Margem de 44M.

É o Sporting que tem e de longe ( entre os 3 maiores de Portugal ), o pior racio entre custos com o pessoal e receitas geradas. Este racio é um dos ponderadores do chamado flair play financeiro. Temos 2 caminhos... ou reduzimos os custos com pessoal para valores perto de meados da década passada e alargamos o fosso para os rivais ou aumentamos exponencialmente as receitas. E estas só aumentam com uma equipa de futebol forte e competitiva.  Se esperamos que seja a formação a sustentar a competividade necessária para títulos de campeão e boas performances na Champions, estaremos a enganar-nos.

Esta "fuga para a frente" seria muito menos arriscada se ainda mantivéssemos os activos como o património não-desportivo vendido por FSF. Assim corremos o risco de nos darmos mal, se a coisa tem deslizes e precisarmos de almofadas ou balões de oxigénio pelo caminho... não os temos. :inde:
É que agora nem com a banca vão poder contar.

PS Referia-me a fair play e não flair... :mrgreen: