Grécia - o rastilho para o fim da União Europeia

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Parece que os empréstimos da Máfia não são suficientes.
A Grécia é talvez uma árvore na floresta, mas que caindo leva muitas mais atrás.

 :arrow:

Oh se leva, há muito banco, muito estado e muita gente que enterrou dinheiro na Grécia para esta não sucumbir em incumprimento e agora esta decide que afinal se calhar vai entrar em incumprimento voluntariamente e não pagar de volta um tusto a esse pessoal todo (ou pelo menos pagar no dia de são nunca à tarde). Esse pessoal, bancos e países vão ter a corda na garganta. Há quem diga que se calhar não deviam ter emprestado logo de início e deixado cair a Grécia, mas provavelmente esses são os mesmos que acusam a Europa de ser pouco solidária, ou seja, preso por ter cão e por não ter.  ::)

Sabes precisamente quem são as pessoas ou estados a que a Grécia deve dinheiro? É que o problema grego e dos PIIGS em geral é que devem dinheiro aos tais investidores que ninguem parece saber muito bem quem sao mas nao haja duvidas que foram gente não pagou os impostos que devia de inicio, até porque as leis são feitas para os beneficiar a eles e não a nós.

Repara neste exemplo:

Citar

A list of countries by external debt, compiled from the CIA’s World Factbook , makes fascinating reading. I find the figure at the top of the list jaw-dropping. It is a total figure for “the World”. According to this total, the “World” is in external debt to the tune of just under 60 trillion US dollars. Or 95% of the entire world’s GDP. Go back and read that again. How can this be? Is there an alien entity lending US dollars that I know nothing about? Or is the world in debt to private individuals, so isolated and untaxable that they do not count as part of the GDP of any country? Is the fact that, looking down the list, the lowest figures (or unlisted figures) are all totalitarian regimes or tax havens, important?

 

Acho que deves ler o resto do artigo, para perceberes até que ponto estamos a ser levados por esta cantilena.

Quanto a Grécia, mais precisamente, acho que ninguém nega que o maior problema é o facto da classe media alta, ricos e super-ricos da Grécia, estarem constantemente a fugir aos impostos (embora os super-ricos fujam aos impostos em todo lado, não sendo só na Grécia), problema que se agrava com o partidarismo e respectiva compra de votos em troca por pensões e empregos no estado.


Qualquer dia inventam para aí um produto derivado qualquer para investir/apostar em quem será o próximo país a estar na mira "dos mercados"!!! :sleep: :sleep: :sleep: :sleep: :sleep:
we arent pigs! we are now PIIGS
Qualquer dia inventam para aí um produto derivado qualquer para investir/apostar em quem será o próximo país a estar na mira "dos mercados"!!! :sleep: :sleep: :sleep: :sleep: :sleep:

Como agora saiu o filme do Tintin e sempre achei piada aos manos Dupont e Dupont, eu diria mais...
Quem será o próximo país a estar na mira "dos mercados", devido as falcatruas efectuadas por esses mesmos "mercados"


Citar
So a Greek default, amongst all the terrible things it may do, were it disorderly, could emit shock waves that rock our economy.

Then there’s the Italian problem. If we all thought the Greeks were a major issue, then the Italians could provide the end of everything as we know it.

Italy is the world’s third largest issuer of sovereign debt. It also has a woefully uncompetitive economy – at least right now. Like the other problem Euro nations it has fallen so far out of step with the German economy that an adjustment now will be both difficult and, potentially, disruptive. Toss in the usual opaque nature of Italian politics, its steadily rising cost of debt, and the stubborn nature of its leadership ,and nasty things could be about to happen.

The particularly sad part about all this is that the Italians had managed their debt fairly well until the credit markets  started to target them. Then again we could say the same for the Spanish and Irish (ou dos Portugueses, acrescento eu): their debt problems all stem from private sector stupidity and their steady decline in competitiveness since about 2000. It was not bad government debt management or budget laxity that created the crisis, it was dumb banking and private sector debt accumulation.

So it is perverse that the markets all now focus on the creditworthiness of sovereign debt. It is even more perverse to listen to bankers and rating agencies opine sagely on the rotten management of various national budgets, when they were the original vector through which the epidemic stormed.



Artigo publicado aqui


 :whistle:

olha que ainda vêm aí os do costume dizer que a divida privada não tem mal nenhum :twisted:

The past is now part of my future,the present is well out of hand Ian Curtis, Heart and Soul
Pois, até porque se está mesmo a ver que a culpa foi toda dos médicos, enfermeiros, bombeiros, policias e demais funcionários públicos!

Aposto que andavam todos a espatifar as reformas milionárias em Wall Street, foi assim que se deu o crash e tudo.



Vou aqui deixar um gráfico para os crentes da religião capitalista.


E não se esqueçam!?! Se trabalharmos todos o mais arduamente possível, todos nós podemos vir a fazer parte do 1%...Não são eles que dizem que quanto mais rico for o teu patrão, mais dinheiro tu terás?  

Ao consultar o gráfico fico com outra impressão, e vocês?
« Última modificação: Novembro 10, 2011, 12:45 pm por Yazalde70 »


"Há algum tempo, foi publicada , na revista Stern, uma “carta aberta” de um cidadão alemão, Walter Wuelleenweber, dirigida a “caros gregos”, com um título e sub-título:



Depois da Alemanha ter tido de salvar os bancos, agora tem de salvar também a Grécia



Os gregos, que primeiros fizeram alquimias com o euro, agora, em vez de fazerem economias, fazem greves



Caros gregos,



Desde 1981 pertencemos à mesma família. Nós, os alemães, contribuímos como ninguém mais para um Fundo comum, com mais de 200 mil milhões de euros, enquanto a Grécia recebeu cerca de 100 mil milhões dessa verba, ou seja a maior parcela per capita de qualquer outro povo da U.E.



Nunca nenhum povo até agora ajudou tanto outro povo e durante tanto tempo.



Vocês são, sinceramente, os amigos mais caros que nós temos. O caso é que não só se enganam a vocês mesmos, como nos enganam a nós.



No essencial, vocês nunca mostraram ser merecedores do nosso Euro. Desde a sua incorporação como moeda da Grécia, nunca conseguiram, até agora, cumprir os critérios de estabilidade. Dentro da U.E., são o povo que mais gasta em bens de consumo.



Vocês descobriram a democracia, por isso devem saber que se governa através da vontade do povo, que é, no fundo, quem tem a responsabilidade. Não digam, por isso, que só os políticos têm a responsabilidade do desastre. Ninguém vos obrigou a durante anos fugir aos impostos, a opor-se a qualquer política coerente para reduzir os gastos públicos e ninguém vos obrigou a eleger os governantes que têm tido e têm.



Os gregos são quem nos mostrou o caminho da Democracia, da Filosofia e dos primeiros conhecimentos da Economia Nacional.



Mas, agora, mostram-nos um caminho errado. E chegaram onde chegaram, não vão mais adiante!!!







Na semana seguinte, o Stern publicou uma carta aberta de um grego, dirigida a Wuelleenweber:





Caro Walter, Chamo-me Georgios Psomás. Sou funcionário público e não “empregado público” como, depreciativamente, como insulto, se referem a nós os meus compatriotas e os teus compatriotas.



O meu salário é de 1.000 euros. Por mês, hem!... não vás pensar que por dia, como te querem fazer crer no teu País. Repara que ganho um número que nem sequer é inferior em 1.000 euros ao teu, que é de vários milhares.



Desde 1981, tens razão, estamos na mesma família. Só que nós vos concedemos, em exclusividade, um montão de privilégios, como serem os principais fornecedores do povo grego de tecnologia, armas, infraestruturas (duas autoestradas e dois aeroportos internacionais), telecomunicações, produtos de consumo, automóveis, etc.. Se me esqueço de alguma coisa, desculpa. Chamo-te a atenção para o facto de sermos, dentro da U.E., os maiores importadores de produtos de consumo que são fabricados nas fábricas alemãs.



A verdade é que não responsabilizamos apenas os nossos políticos pelo desastre da Grécia. Para ele contribuíram muito algumas grandes empresas alemãs, as que pagaram enormes “comissões” aos nossos políticos para terem contratos, para nos venderem de tudo, e uns quantos submarinos fora de uso, que postos no mar, continuam tombados de costas para o ar.



Sei que ainda não dás crédito ao que te escrevo. Tem paciência, espera, lê toda a carta, e se não conseguir convencer-te, autorizo-te a que me expulses da Eurozona, esse lugar de VERDADE, de PROSPERIDADE, da JUSTIÇA e do CORRECTO.



Estimado Walter,



Passou mais de meio século desde que a 2ª Guerra Mundial terminou. QUER DIZER MAIS DE 50 ANOS desde a época em que a Alemanha deveria ter saldado as suas obrigações para com a Grécia.



Estas dívidas, QUE SÓ A ALEMANHA até agora resiste a saldar com a Grécia (Bulgária e Roménia cumpriram, ao pagar as indemnizações estipuladas), e que consistem em:



1. Uma dívida de 80 milhões de marcos alemães por indemnizações, que ficou por pagar da 1ª Guerra Mundial;



2. Dívidas por diferenças de clearing, no período entre-guerras, que ascendem hoje a 593.873.000 dólares EUA.



3. Os empréstimos em obrigações que contraíu o III Reich em nome da Grécia, na ocupação alemã, que ascendem a 3,5 mil milhões de dólares durante todo o período de ocupação.



4. As reparações que deve a Alemanha à Grécia, pelas confiscações, perseguições, execuções e destruições de povoados inteiros, estradas, pontes, linhas férreas, portos, produto do III Reich, e que, segundo o determinado pelos tribunais aliados, ascende a 7,1 mil milhões de dólares, dos quais a Grécia não viu sequer uma nota.



5. As imensuráveis reparações da Alemanha pela morte de 1.125.960 gregos (38,960 executados, 12 mil mortos como dano colateral, 70 mil mortos em combate, 105 mil mortos em campos de concentração na Alemanha, 600 mil mortos de fome, etc., et.).



6. A tremenda e imensurável ofensa moral provocada ao povo grego e aos ideais humanísticos da cultura grega.



Amigo Walter, sei que não te deve agradar nada o que escrevo. Lamento-o.



Mas mais me magoa o que a Alemanha quer fazer comigo e com os meus compatriotas.



Amigo Walter: na Grécia laboram 130 empresas alemãs, entre as quais se incluem todos os colossos da indústria do teu País, as que têm lucros anuais de 6,5 mil milhões de euros. Muito em breve, se as coisas continuarem assim, não poderei comprar mais produtos alemães porque cada vez tenho menos dinheiro. Eu e os meus compatriotas crescemos sempre com privações, vamos aguentar, não tenhas problema. Podemos viver sem BMW, sem Mercedes, sem Opel, sem Skoda. Deixaremos de comprar produtos do Lidl, do Praktiker, da IKEA.



Mas vocês, Walter, como se vão arranjar com os desempregados que esta situação criará, que por ai os vai obrigar a baixar o seu nível de vida, Perder os seus carros de luxo, as suas férias no estrangeiro, as suas excursões sexuais à Tailândia? Vocês (alemães, suecos, holandeses, e restantes “compatriotas” da Eurozona) pretendem que saíamos da Europa, da Eurozona e não sei mais de onde.



Creio firmemente que devemos fazê-lo, para nos salvarmos de uma União que é um bando de especuladores financeiros, uma equipa em que jogamos se consumirmos os produtos que vocês oferecem: empréstimos, bens industriais, bens de consumo, obras faraónicas, etc.



E, finalmente, Walter, devemos “acertar” um outro ponto importante, já que vocês também disso são devedores da Grécia:



EXIGIMOS QUE NOS DEVOLVAM A CIVILIZAÇÃO QUE NOS ROUBARAM!!!



Queremos de volta à Grécia as imortais obras dos nosos antepassados, que estão guardadas nos museus de Berlim, de Munique, de Paris, de Roma e de Londres.



E EXIJO QUE SEJA AGORA!! Já que posso morrer de fome, quero morrer ao lado das obras dos meus antepassados.



Cordialmente,



Georgios Psomás
“no small number of these whaling seamen belong to the Azores, where the outward bound Nantucket whalers frequently touch to augment their crews from the hardy peasants of those rocky shores.”
Herman Melville - Moby Dick
Bem, este homem tem "tomates"  :lol:





"Cameron has commited economical suicide

Cameron either is stupid or incompetent or all of the above icon_lol.gif

Cameron is a little boy going into the adult's conversation "
alguém está a ver o expresso da meia noite?

The past is now part of my future,the present is well out of hand Ian Curtis, Heart and Soul
alguém está a ver o expresso da meia noite?

Sao sempre os mesmos capachos... ja' nao tenho pachorra para ouvir os politicos tugas, sorry  :hand:
alguém está a ver o expresso da meia noite?

Sao sempre os mesmos capachos... ja' nao tenho pachorra para ouvir os politicos tugas, sorry  :hand:
 :arrow:

Os únicos "políticos" que ouço são provenientes do Governo Sombra.
Um dos melhores discursos sobre a realidade actual


Ministro irlandês admite referendar a permanência no euro se os cidadãos forem chamados a decidir sobre o recente acordo da UE.

O ministro das Finanças irlandês, Michael Noonan, afirmou hoje que qualquer referendo na Irlanda ao novo acordo da União Europeia (UE) pode vir a incluir um voto sobre a permanência do país na zona euro.

"Tudo se resume a uma questão muito simples: se queremos ou não continuar no euro", referiu o ministro irlandês numa entrevista à Bloomberg. "Diante dessa questão, acho que o povo irlandês vai aprovar [a permanência na zona euro]", acrescentou.

Noonen sublinhou, porém, que "não é certo" que a Irlanda necessite de um referendo sobre o acordo alcançado na última cimeira europeia. Segundo o responsável isso vai depender da necessidade de alterar a Constituição irlandesa.

"Espero ter o primeiro rascunho do acordo antes do Natal. Depois estaremos em condições para analisarmos as condições legais da implementação do acordo", disse.
O que eu pagava para ver uma reunião entre o Cantona e a Angelina!  :twisted:
O que eu pagava para ver uma reunião entre o Cantona e a Angelina!  :twisted:

 :mrgreen:
Chat shit get banged.
O que eu pagava para ver uma reunião entre o Cantona e a Angelina!  :twisted:

wtf?  :shifty:

The past is now part of my future,the present is well out of hand Ian Curtis, Heart and Soul
O que eu pagava para ver uma reunião entre o Cantona e a Angelina!  :twisted:

Comentário do Moderador Isto nao tem nada a ver com o assunto do topico.
Saudades do futuro.
Peço desculpa se feri algumas susceptibilidades.

Estejam à vontade para apagar/editar os meus comentários.