Auditoria ao Grupo Sporting

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

 Para não começar a asneirar, apenas digo:

Quando vir qualquer um destes "senhores" na rua, logo lhes direi (e farei) o que me vai na alma.

O enterro do Sporting CP está para breve  :'(
Citar

Atrasados Mentais”, “Ignorantes”, “Anormais”, “Terroristas”, “Maus adeptos”, “Destabilizadores”, “Minoria silenciosa”….

Todos estes apelidos foram dados aos Sportinguistas desde o inicio da nomenclatura Roquette. Em todos estes momentos os sócios foram tratados como lixo e considerados a mais no Sporting. Enquanto isso, muitos enchiam os bolsos à conta do nosso clube e destruiam mais de 100 anos de história.

Confesso, o resultado da auditoria (já tive oportunidade de ler com atenção as mais de 80 páginas do relatório) não me surpreenderam. Deixaram-me triste, mas não me surpreenderam. Os números lá expressos vieram apenas comprovar o que qualquer Sportinguista atento sabia, temos sido governados por uma quadrilha de bandidos, uma cambada de gestores incompetentes e um conjunto de aproveitadores.

Eu sou do Sporting desde sempre. Nasci no seio de uma familia com fortes ligações ao Sporting e lembro-me de, em miúdo, ir ao velhinho Alvalade com o meu tio, então Vice-Presidente do clube. Lembro-me de entrar no estádio e sentir que estavamos todos em familia, a grande e fantástica familia leonina. Talvez recuando agora me recorde que de facto não eram muitos os títulos que conquistávamos no futebol, é certo, mas o prazer que eu tinha em ir ao velhinho Alvalade, o prazer de sentir uma verdadeira tarde de futebol (precedida de tantas outras modalidades) faziam-me não pensar muito nisso. Queria ver o meu Sporting a ganhar ou a perder e em todas as modalidades.

Um dos motivos pelos quais os Sportinguistas diziam sempre presente era porque aquela era a nossa paixão, o nosso escape dos problemas do dia a dia. Era um clube e não uma empresa. Era gerido por amor e os erros de gestão, que também os havia, eram erros de quem queria o bem do clube e não o bem pessoal ou de terceiros. Sabiamos que na cabeça de todos só estava um único pensamento: honrar o grande clube que eramos (somos).

Em 1986 o Sporting Clube de Portugal tinha cerca de 132 mil sócios (nas últimas eleições pouco mais de 25 mil…). Este número é tão ou mais impressionante visto que totalizavam mais que o conjunto de sócios de Benfica e FC Porto. Eramos então a grande potência desportiva nacional.

Até que um conjunto de “brilhantes” gestores decidiu que a paixão não se pode sobrepor à razão e que o nosso clube deveria ser gerido de forma profissional, como uma empresa. Esta foi a versão vendida. Nela vinham os sonhos em formato de frases bombásticas: “O Sporting não vai mais depender da bola que bate na trave”, “Vamos ganhar 2 campeonatos em cada 3” e outras…
Os Sportinguistas, sedentos de vitórias, deixaram-se embalar no conto do vigário e deram carta branca para o que se iria provar ser a derrocada do outrora, maior clube português.

Depois de Roquette vieram muitos mais. Dias da Cunha (que até atrasados mentais chamou aos sócios), Soares Franco (o tal que queria acabar com os sócios para os converter em clientes) e o inenarrável José Eduardo Bettencourt (não vale a pena descrever tudo o que conseguiu fazer de errado em apenas 1 ano). Todos eles apareceram como salvadores quando na realidade todos sabiamos serem apenas seguidores.

Ontem alguém me dizia que acredita que a pasta foi sendo passada de mão em mão de forma a alguns do crimes que foram cometidos terem tempo de prescrever. Quando os assuntos viessem à baila já seria tarde para acusar alguém. É uma teoria que faz sentido do meu ponto de vista.

Mas nós, sócios e adeptos do Sporting Clube de Portugal, também temos culpa disto. Fomos nós, sócios e adeptos do Sporting Clube de Portugal, que aceitámos que isto acontecesse.
TODOS somos culpados, uns mais que outros é certo, uns por concordarem outros por ficarem calados. Por aceitarmos sem reclamar o que nos estava a ser servido, por acreditarmos que os tais “gestores” saberiam melhor do que nós como gerir um clube (que para eles não passa de mais uma empresa). Pois bem, o Sporting era nosso, dos sócios, e nós decidimos entregá-lo a meia dúzia de larápios para fazerem o que com ele entendessem. Perdemos todos.

Muitos irão dizer que “este não é o momento para falar, é momento de união”, pois então eu pergunto, qual é o momento certo? Em 15 anos desta geração não me recordo de um momento em que fosse considerado certo. No começo da época é mau porque destabiliza, a meio da época não porque temos que estar unidos, no final da época também não porque temos que estar quietinhos para que possam preparar a nova temporada com calma. NUNCA É O MOMENTO:

E de silêncios em silêncios chegámos a este ponto.

Não tenhamos dúvidas, voltámos ao costume do “ou isto ou o abismo”, e isto, meus caros, é a venda do nosso clube a um qualquer investidor estrangeiro. Que estejam atentos, que acordem deste sono profundo que temos todos estado. Que nos lembremos que o Sporting, na sua essência, é nosso. Dos adeptos, dos sócios, de quem por ele chora e faz sacrificios.

O Sporting é nosso, não o deixemos morrer.

Saudações Leoninas a todos
Nuno Mourão

Do Sporting Apoio.

A informação, a procura da mesma, a sua partilha e debate, é responsabilidade individual, de cada um e nós, enquanto Sportinguistas e a exigência ao esclarecimento e transparência nunca deve baixar, por mais dependente dos owners dessa informação e da sua propensão para a disponibilização da mesma que estejamos.

Pois bem, vivemos dum mal endémico à sociedade, direccionada para o supérfluo, para o acessório e para a imagem, secundarizando o essencial... como adeptos de um clube vivemos um problema adicional, que é a componente emocional que sendo a alma que suporta o Sporting, dificulta-nos o julgamento sobre tudo o que se passa sobre a sua gestão e o seu passado. Queremos acreditar no que nos dizem, que o Sporting está de volta, que têm soluções para o caos financeiro e desportivo, agarramo-nos a qualquer promessa como se uma bóia de salvação se tratasse, mesmo que todos os sinais, pelo passado das pessoas, pela sua acção, postura e caráter, nos devesse deixar no mínimo prevenidos e com tolerância zero a qualquer medida desviante do bem do clube.

Não culpo quem quis acreditar, culpo é quem quis e quer ostracizar quem manteve as suas convicções, de acordo com o julgamento da informação a que acederam, que processaram e que se bateram pelas mesmas. Culpo todos os que têm responsabilidades e mantém a postura de desculpabilização e branqueamento do passado, movidos por interesses de uma teia que relações que se autodefendem e ao que praticaram. O Sporting vai ao fundo porque criámos um monstro, uma franja de notáveis, de responsabilidade e visibilidade pública, fraca, sem personalidade e cúmplice na destruição do meu clube. O que tenho assistido desde ontem é mais uma vergonha... uma das muitas... e não tenho dúvidas que os adeptos vão seguir exactamente o caminho pretendido por estes senhores.

@Lion73
Compreendo todo este clamar de insatisfação face à auditoria por todos há muito tempo conhecida mas tenho-te como um bocado mais inteligente que isto!
Não se embarque em demagogia fácil... Por favor!
O Sporting glorioso para os miúdos de vintes é difícil de vislumbrar mas para a malta dos trinta ou quarenta é em diferente...
Eu fui um dos 132000 socios do Sporting numa altura em que a esmagadora maioria eram escolas de ginastica e natação no tempo em que não havia ginásios ou spas.
Em Alvalade enchia-se o estádio com 40-45 mil adeptos mas raramente se passava das 20 mil a partir de Janeiro, altura em que já tínhamos morrido pelo Natal.
Este clube era um saco de gatos sem rumo durante 18 anos e o incumprimento financeiro era diário.
É de rir à gargalhada quando aparece agora sousa cintras a dizer que deixaram o clube sem dívidas!
O denominado projecto Roquette aparece para colmatar uma insuficiência de décadas em relação à hegemonia superior dos nossos adversários.
Foi pela mão do projecto Roquette que chegamos finalmente aos títulos após 18 anos a pão e agua.
Foi Roquette que nos fez vislumbrar uma superioridade merecida sobre os nossos adversários e em 2002 julgavamo-nos efectivamente melhores que os outros!
Éramos campeões e o Sporting estava na moda... Finalmente todos os putos queriam ser do Sporting outra vez!
O grave problema foi que não conseguimos, todos nós sportinguistas, sustentar um projecto demasiado rápido e oneroso para as nossas possibilidades.
Não me venham com estorias cândidas de meninos pela mão do tio (talvez algum vice de jorge goncalves, um verdadeiro pulha! ) a caminho da bola ao domingo porque eu também lá ia e aquilo era uma miséria franciscana, um clube perfeitamente defunto que só estrabuchava em junho quando chegavam as unhas...

Sejamos sensatos!
O Sporting precisa de empenho e colaboração de todos.
Precisa de gente atenta aos desenvolvimentos e que não embarque em faluas fáceis sempre que alguém lhe acene com jogadores ou milhões.
Este tipo de escrutinio serve para qualquer candidato que se proponha a dirigir o clube e nenhum está isento de desconfiança cimentada por todos estes anos de insucesso.
Ao Sporting cabe discutir projectos e ideias de forma aberta e inteligente e não com arruaças administradas por miudagem e gente com pouca estabilidade emocional e social.
É pelo esforço e inteligência que se conquistam desígnios e nada está ainda perdido para nós desde que essa seja a nossa vontade!
Como eu já o disse anteriormente:
Falar menos e trabalhar mais...




Ainda não compreendi o teu pensamento, a tua pouca capacidade de síntese aliada à minha falta de concentração em ler textos longos não ajuda.

Há 16 anos não ganhávamos nada, mas tinhamos potencial, património, jogadores de futebol e capacidade para arranjar crédito. Passivo de 27 milhões de euro.

Actualmente continuamos sem ganhar nada, o potencial está a perder-se, não temos rumo, o pouco património que resta está hipotecado pela banca, temos parcialmente alguns passes de jogadores, incapazes de arranjar crédito. Com um passivo de 370 milhões + 45 milhões de euro da gestão de Godinho.

Estamos melhores? Temos rumo?
"Reforçamos ainda a solução que temos vindo a defender para a sustentabilidade do Clube:
a)   O afastamento do Clube de todos os dirigentes envolvidos no “Projecto Roquette” e com responsabilidades na gravíssima situação actual, apuradas após a realização de uma verdadeira auditoria de gestão. Pedido de indemnização cível pelos danos causados ao Sporting Clube de Portugal;
b)    A renegociação firme, corajosa e realista da dívida bancária, de forma a reduzir drasticamente os encargos financeiros anuais; 
c)    A redução drástica dos custos com pessoal, como ponto de partida para que se alcance o equilíbrio da exploração operacional. Se analisarmos as últimas épocas, bem como o descalabro no balanço entre contratações e vendas de jogadores, facilmente verificamos duas realidades: (i) maior investimento não tem sido sinónimo de maior rendimento desportivo, (ii) os maiores encaixes financeiros com venda de jogadores foram com jogadores formados no Clube, e não com jogadores adquiridos pelas administrações e gestores de activos profissionais da SAD."
 - Candidatura Independente ao Conselho Fiscal e Disciplinar
   Portanto, chamar pulha a Jorge Gonçalves (e indirectamente aos seus vices) e aldrabão ao Sousa Cintra pode ser.

   Chamar corja ao Roquettismo (os "salvadores" do Sporting) não pode ser, é falar demais e trabalhar pouco ou nada.

   Dizes que já todos sabíamos da auditoria (ou do que ela veio "revelar", mais ou menos de forma clara ou nem por isso), mas depois não vale assacar responsabilidades aos responsáveis pelo Sporting nesse período, e sim ir buscar o Jorge Gonçalves e o Sousa Cintra e mandar-lhes umas bojardas. Se bem sei, as pessoas que pediram a auditoria quiseram incluir o período a partir de 1995, e não acredito que se importassem de recuar até mais atrás.

   Só falta vires dar razão ao ROC, e pelo menos assumes a tua postura em relação a este assunto.

   Não consigo encontrar coerência nisto.
Jorge Gonçalves foi de facto um pulha que fugiu para Angola para não ter que ser preso!
Quanto a Sousa Cintra, reservo-me de emitir opiniões tendo apenas por convicta e justificada a opinião que tenho sobre ele.
Em todo o caso, negociatas NÃO AUDITADAS à parte, relembro epenas o curioso episódio da estatua do leão a entrada do estádio que Cintra resolveu oferecer ao clube para em seguida cobrá-lo ao mesmo clube num negocio, à altura, verdadeiramente da china... 55 mil contos!
Citar

Atrasados Mentais”, “Ignorantes”, “Anormais”, “Terroristas”, “Maus adeptos”, “Destabilizadores”, “Minoria silenciosa”….

Todos estes apelidos foram dados aos Sportinguistas desde o inicio da nomenclatura Roquette. Em todos estes momentos os sócios foram tratados como lixo e considerados a mais no Sporting. Enquanto isso, muitos enchiam os bolsos à conta do nosso clube e destruiam mais de 100 anos de história.

Confesso, o resultado da auditoria (já tive oportunidade de ler com atenção as mais de 80 páginas do relatório) não me surpreenderam. Deixaram-me triste, mas não me surpreenderam. Os números lá expressos vieram apenas comprovar o que qualquer Sportinguista atento sabia, temos sido governados por uma quadrilha de bandidos, uma cambada de gestores incompetentes e um conjunto de aproveitadores.

Eu sou do Sporting desde sempre. Nasci no seio de uma familia com fortes ligações ao Sporting e lembro-me de, em miúdo, ir ao velhinho Alvalade com o meu tio, então Vice-Presidente do clube. Lembro-me de entrar no estádio e sentir que estavamos todos em familia, a grande e fantástica familia leonina. Talvez recuando agora me recorde que de facto não eram muitos os títulos que conquistávamos no futebol, é certo, mas o prazer que eu tinha em ir ao velhinho Alvalade, o prazer de sentir uma verdadeira tarde de futebol (precedida de tantas outras modalidades) faziam-me não pensar muito nisso. Queria ver o meu Sporting a ganhar ou a perder e em todas as modalidades.

Um dos motivos pelos quais os Sportinguistas diziam sempre presente era porque aquela era a nossa paixão, o nosso escape dos problemas do dia a dia. Era um clube e não uma empresa. Era gerido por amor e os erros de gestão, que também os havia, eram erros de quem queria o bem do clube e não o bem pessoal ou de terceiros. Sabiamos que na cabeça de todos só estava um único pensamento: honrar o grande clube que eramos (somos).

Em 1986 o Sporting Clube de Portugal tinha cerca de 132 mil sócios (nas últimas eleições pouco mais de 25 mil…). Este número é tão ou mais impressionante visto que totalizavam mais que o conjunto de sócios de Benfica e FC Porto. Eramos então a grande potência desportiva nacional.

Até que um conjunto de “brilhantes” gestores decidiu que a paixão não se pode sobrepor à razão e que o nosso clube deveria ser gerido de forma profissional, como uma empresa. Esta foi a versão vendida. Nela vinham os sonhos em formato de frases bombásticas: “O Sporting não vai mais depender da bola que bate na trave”, “Vamos ganhar 2 campeonatos em cada 3” e outras…
Os Sportinguistas, sedentos de vitórias, deixaram-se embalar no conto do vigário e deram carta branca para o que se iria provar ser a derrocada do outrora, maior clube português.

Depois de Roquette vieram muitos mais. Dias da Cunha (que até atrasados mentais chamou aos sócios), Soares Franco (o tal que queria acabar com os sócios para os converter em clientes) e o inenarrável José Eduardo Bettencourt (não vale a pena descrever tudo o que conseguiu fazer de errado em apenas 1 ano). Todos eles apareceram como salvadores quando na realidade todos sabiamos serem apenas seguidores.

Ontem alguém me dizia que acredita que a pasta foi sendo passada de mão em mão de forma a alguns do crimes que foram cometidos terem tempo de prescrever. Quando os assuntos viessem à baila já seria tarde para acusar alguém. É uma teoria que faz sentido do meu ponto de vista.

Mas nós, sócios e adeptos do Sporting Clube de Portugal, também temos culpa disto. Fomos nós, sócios e adeptos do Sporting Clube de Portugal, que aceitámos que isto acontecesse.
TODOS somos culpados, uns mais que outros é certo, uns por concordarem outros por ficarem calados. Por aceitarmos sem reclamar o que nos estava a ser servido, por acreditarmos que os tais “gestores” saberiam melhor do que nós como gerir um clube (que para eles não passa de mais uma empresa). Pois bem, o Sporting era nosso, dos sócios, e nós decidimos entregá-lo a meia dúzia de larápios para fazerem o que com ele entendessem. Perdemos todos.

Muitos irão dizer que “este não é o momento para falar, é momento de união”, pois então eu pergunto, qual é o momento certo? Em 15 anos desta geração não me recordo de um momento em que fosse considerado certo. No começo da época é mau porque destabiliza, a meio da época não porque temos que estar unidos, no final da época também não porque temos que estar quietinhos para que possam preparar a nova temporada com calma. NUNCA É O MOMENTO:

E de silêncios em silêncios chegámos a este ponto.

Não tenhamos dúvidas, voltámos ao costume do “ou isto ou o abismo”, e isto, meus caros, é a venda do nosso clube a um qualquer investidor estrangeiro. Que estejam atentos, que acordem deste sono profundo que temos todos estado. Que nos lembremos que o Sporting, na sua essência, é nosso. Dos adeptos, dos sócios, de quem por ele chora e faz sacrificios.

O Sporting é nosso, não o deixemos morrer.

Saudações Leoninas a todos
Nuno Mourão

Do Sporting Apoio.

A informação, a procura da mesma, a sua partilha e debate, é responsabilidade individual, de cada um e nós, enquanto Sportinguistas e a exigência ao esclarecimento e transparência nunca deve baixar, por mais dependente dos owners dessa informação e da sua propensão para a disponibilização da mesma que estejamos.

Pois bem, vivemos dum mal endémico à sociedade, direccionada para o supérfluo, para o acessório e para a imagem, secundarizando o essencial... como adeptos de um clube vivemos um problema adicional, que é a componente emocional que sendo a alma que suporta o Sporting, dificulta-nos o julgamento sobre tudo o que se passa sobre a sua gestão e o seu passado. Queremos acreditar no que nos dizem, que o Sporting está de volta, que têm soluções para o caos financeiro e desportivo, agarramo-nos a qualquer promessa como se uma bóia de salvação se tratasse, mesmo que todos os sinais, pelo passado das pessoas, pela sua acção, postura e caráter, nos devesse deixar no mínimo prevenidos e com tolerância zero a qualquer medida desviante do bem do clube.

Não culpo quem quis acreditar, culpo é quem quis e quer ostracizar quem manteve as suas convicções, de acordo com o julgamento da informação a que acederam, que processaram e que se bateram pelas mesmas. Culpo todos os que têm responsabilidades e mantém a postura de desculpabilização e branqueamento do passado, movidos por interesses de uma teia que relações que se autodefendem e ao que praticaram. O Sporting vai ao fundo porque criámos um monstro, uma franja de notáveis, de responsabilidade e visibilidade pública, fraca, sem personalidade e cúmplice na destruição do meu clube. O que tenho assistido desde ontem é mais uma vergonha... uma das muitas... e não tenho dúvidas que os adeptos vão seguir exactamente o caminho pretendido por estes senhores.

@Lion73
Compreendo todo este clamar de insatisfação face à auditoria por todos há muito tempo conhecida mas tenho-te como um bocado mais inteligente que isto!
Não se embarque em demagogia fácil... Por favor!
O Sporting glorioso para os miúdos de vintes é difícil de vislumbrar mas para a malta dos trinta ou quarenta é em diferente...
Eu fui um dos 132000 socios do Sporting numa altura em que a esmagadora maioria eram escolas de ginastica e natação no tempo em que não havia ginásios ou spas.
Em Alvalade enchia-se o estádio com 40-45 mil adeptos mas raramente se passava das 20 mil a partir de Janeiro, altura em que já tínhamos morrido pelo Natal.
Este clube era um saco de gatos sem rumo durante 18 anos e o incumprimento financeiro era diário.
É de rir à gargalhada quando aparece agora sousa cintras a dizer que deixaram o clube sem dívidas!
O denominado projecto Roquette aparece para colmatar uma insuficiência de décadas em relação à hegemonia superior dos nossos adversários.
Foi pela mão do projecto Roquette que chegamos finalmente aos títulos após 18 anos a pão e agua.
Foi Roquette que nos fez vislumbrar uma superioridade merecida sobre os nossos adversários e em 2002 julgavamo-nos efectivamente melhores que os outros!
Éramos campeões e o Sporting estava na moda... Finalmente todos os putos queriam ser do Sporting outra vez!
O grave problema foi que não conseguimos, todos nós sportinguistas, sustentar um projecto demasiado rápido e oneroso para as nossas possibilidades.
Não me venham com estorias cândidas de meninos pela mão do tio (talvez algum vice de jorge goncalves, um verdadeiro pulha! ) a caminho da bola ao domingo porque eu também lá ia e aquilo era uma miséria franciscana, um clube perfeitamente defunto que só estrabuchava em junho quando chegavam as unhas...

Sejamos sensatos!
O Sporting precisa de empenho e colaboração de todos.
Precisa de gente atenta aos desenvolvimentos e que não embarque em faluas fáceis sempre que alguém lhe acene com jogadores ou milhões.
Este tipo de escrutinio serve para qualquer candidato que se proponha a dirigir o clube e nenhum está isento de desconfiança cimentada por todos estes anos de insucesso.
Ao Sporting cabe discutir projectos e ideias de forma aberta e inteligente e não com arruaças administradas por miudagem e gente com pouca estabilidade emocional e social.
É pelo esforço e inteligência que se conquistam desígnios e nada está ainda perdido para nós desde que essa seja a nossa vontade!
Como eu já o disse anteriormente:
Falar menos e trabalhar mais...




Ainda não compreendi o teu pensamento, a tua pouca capacidade de síntese aliada à minha falta de concentração em ler textos longos não ajuda.

Há 16 anos não ganhávamos nada, mas tinhamos potencial, património, jogadores de futebol e capacidade para arranjar crédito. Passivo de 27 milhões de euro.

Actualmente continuamos sem ganhar nada, o potencial está a perder-se, não temos rumo, o pouco património que resta está hipotecado pela banca, temos parcialmente alguns passes de jogadores, incapazes de arranjar crédito. Com um passivo de 370 milhões + 45 milhões de euro da gestão de Godinho.

Estamos melhores? Temos rumo?
Mas não sou eu que o afirmo! De facto, estás um bocado confundido com a extensão do texto...
Mas posso no entanto dizer-te que em 35 anos já vi o Sporting melhor mas também já vi o Sporting bem pior que agora...
Mas o que está na moda hoje é fazer alarde!
Bora lá...
Comunicado da AAS

Citar
Auditoria Financeira

Perante as recentes divulgações, por parte do Sporting Clube de Portugal, do relatório da auditoria financeira realizada aos últimos 14 anos, a Associação de Adeptos Sportinguistas indica que:

1. O documento ora apresentado reflecte a dura realidade do futebol português nos últimos 30 anos, com os clubes financeiramente desequilibrados e excessivamente dependentes das receitas televisivas, receitas das competições europeias e outras receitas extraordinárias (tais como transferências de jogadores).

2. O debate em torno deste tema no Sporting Clube de Portugal ilucidou diversos sócios que, há uns anos  (década)   a   esta   parte, viviam  hipnotizados  nas nuvens do optimismo financeiro que lhes foi vendido pelo “Messias” a partir de 1995. Porém, não terá sido por falta de alerta: O Grupo “Ofensiva 1906”* procurou por diversas vezes, desde 2001,  despertar   consciências ,   tal   como   o Dr. Sérgio Abrantes Mendes . Que os adeptos de outros clubes pugnem igualmente pelos mesmos valores, é o que desejamos. Enquanto é tempo...

3. O Sumário Executivo do relatório da auditoria  financeira  não transmite nenhum facto novo que não fosse já do conhecimento dos sportinguistas interessados e não vai muito além de uma amálgama de R&C dos últimos anos.

4. A Associação de Adeptos Sportinguistas está neste momento a estudar o Relatório Detalhado da Auditoria e questionará o Conselho Directivo do Sporting Clube de Portugal nas matérias que, para o efeito, considerar oportunas.

5.  Tal com anteriormente solicitado e mencionado por diversas partes (tal como a AAS) esta auditoria revela, contudo, a real necessidade e oportunidade em realizar uma Auditoria de Gestão ao mesmo período e assim apurar eventuais responsabilidades ao nível da gestão bem como determinar os contornos exactos de alguns negócios então efectuados. Acreditamos que, aí sim, existiriam relevantes ovidades.

6.  O Sporting   tem ,   de facto, de se centrar no   futuro e pensar em  crescer e valorizar-se. Apurar responsabilidades passadas credibiliza o clube exteriormente no presente e futuro, sob pena de se pensar que tudo passa incólume no Sporting Clube de Portugal. Mesmo sendo de realçar o facto deste Conselho Directivo ter realizado esta auditoria, achamos que deve ir mais longe...

7. Não apreciámos totalmente a forma de divulgação escolhida e é nosso entendimento que os sócios deveriam ser informados, em primeiro lugar, no local devido: Assembleia Geral. Ainda não é tarde para tal e consideramos que o tema em análise deve ser alvo de uma Assembleia Geral Extraordinária a ter lugar no final da época (para não perturbar o trabalho actual no Futebol Profissional) onde os sócios se possam pronunciar sobre o documento e tomem as decisões que entenderem ser as mais adequadas, mandatando o Conselho Directivo do clube. A bem da transparência e democraticidade do nosso clube.

8.  A união   dos   sportinguistas   far-se-á sempre pela verdade. Na verdade desportiva tal como na financeira. Sem dramas, mas com rigor e respeito pela nossa História e pelos nossos antepassados.

Nada disto impede, porém, que continuemos a viver o Sporting no dia a dia, a encher os estádios e a apoiar as nossas equipas nas diversas modalidades! E os sportinguistas continuarão a fazê-lo, não descurando a recompensa pela sua paixão: a verdade, o rigor e a competência.

Sporting Clube de Portugal, SEMPRE!
Comité Executivo
Associação de Adeptos Sportinguistas
www.aasporting.org
*Nota: O Grupo “Ofensiva 1906” está na génese da fundação da Associação de Adeptos
Sportinguistas

Bom comunicado.
Exactamente! Aqui está uma reacção de gente sensata...
Foi pela mão do projecto Roquette que chegamos finalmente aos títulos após 18 anos a pão e agua.

E será pela mão do projecto roquette que estaremos mais 18 anos sem ganhar títulos!

E que o clube afundará!
Se calhar!
Who knows...?!
@pepeu

Trabalhar em prol do clube todos o fazemos, uns mais que os outros e todos dentro das suas possibilidades...

Pessoalmente, estive envolvido na Lista Independente ao CFeD onde juntamente com outros colegas/amigos dispendemos tempo e recursos naquilo que acreditamos.

E se há coisa que defendo, é a Responsabilização... Por isso, toda a conversa do "sabemos que para trás foi mau mas agora é tempo de olhar para o futuro" é típica de quem tem a cauda à mostra e quer fugir enquanto é tempo

Felizmente, tenho muitas provas dadas em Alvalade e profissionalmente, e não me considero alguém com "pouca estabilidade emocional e social"

E ainda bem! Louvo em saber disso...
É por aí que deve seguir o rumo do Sporting!
Citar
pepeu:

@Lion73
Compreendo todo este clamar de insatisfação face à auditoria por todos há muito tempo conhecida mas tenho-te como um bocado mais inteligente que isto!
Não se embarque em demagogia fácil... Por favor!
O Sporting glorioso para os miúdos de vintes é difícil de vislumbrar mas para a malta dos trinta ou quarenta é em diferente...
Eu fui um dos 132000 socios do Sporting numa altura em que a esmagadora maioria eram escolas de ginastica e natação no tempo em que não havia ginásios ou spas.
Em Alvalade enchia-se o estádio com 40-45 mil adeptos mas raramente se passava das 20 mil a partir de Janeiro, altura em que já tínhamos morrido pelo Natal.
Este clube era um saco de gatos sem rumo durante 18 anos e o incumprimento financeiro era diário.
É de rir à gargalhada quando aparece agora sousa cintras a dizer que deixaram o clube sem dívidas!
O denominado projecto Roquette aparece para colmatar uma insuficiência de décadas em relação à hegemonia superior dos nossos adversários.
Foi pela mão do projecto Roquette que chegamos finalmente aos títulos após 18 anos a pão e agua.
Foi Roquette que nos fez vislumbrar uma superioridade merecida sobre os nossos adversários e em 2002 julgavamo-nos efectivamente melhores que os outros!
Éramos campeões e o Sporting estava na moda... Finalmente todos os putos queriam ser do Sporting outra vez!
O grave problema foi que não conseguimos, todos nós sportinguistas, sustentar um projecto demasiado rápido e oneroso para as nossas possibilidades.
Não me venham com estorias cândidas de meninos pela mão do tio (talvez algum vice de jorge goncalves, um verdadeiro pulha! ) a caminho da bola ao domingo porque eu também lá ia e aquilo era uma miséria franciscana, um clube perfeitamente defunto que só estrabuchava em junho quando chegavam as unhas...

Sejamos sensatos!
O Sporting precisa de empenho e colaboração de todos.
Precisa de gente atenta aos desenvolvimentos e que não embarque em faluas fáceis sempre que alguém lhe acene com jogadores ou milhões.
Este tipo de escrutinio serve para qualquer candidato que se proponha a dirigir o clube e nenhum está isento de desconfiança cimentada por todos estes anos de insucesso.
Ao Sporting cabe discutir projectos e ideias de forma aberta e inteligente e não com arruaças administradas por miudagem e gente com pouca estabilidade emocional e social.
É pelo esforço e inteligência que se conquistam desígnios e nada está ainda perdido para nós desde que essa seja a nossa vontade!
Como eu já o disse anteriormente:
Falar menos e trabalhar mais...

Eu vivi os 18 anos de seca e lembro-me de um clube de renovadas expectativas, mesmo quando se somavam, um após o outro, os anos de insucesso. Não tenho saudades das derrotas, mas se me permito parar para pensar no que correu mal, posso apontar a rostos, muito diferentes entre si e na sua forma de pensar o Sporting e que contribuiram para a "terciarização do clube", mas não deixou nunca de haver ilusão e um sentimento de clubismo que neste momento está a morrer.  E encontro uma razão para isso.... os delfins, com o mentor à cabeça, do projecto Roquette, homem que até será culpado apenas do parto do monstro e cuja "educação" deixou nas mãos de incompetentes, que partilharam entre si o clube e dele fizeram o que bem entenderam.

Opta por viveres o clube como bem entenderes, continuando a apontar ao "projecto" que se desenvolveu demasiado rápido, qual ser vivo sem acção humana. Eu não o faço. Exerço o meu direito a sentir-me revoltado com o engano promovido por senhores que validam anos de incompetência e dela fazem o seu branqueamento e digo-o... näo quero este tipo de gente no meu clube! Já chegou.
Mas não sou eu que o afirmo! De facto, estás um bocado confundido com a extensão do texto...
Mas posso no entanto dizer-te que em 35 anos já vi o Sporting melhor mas também já vi o Sporting bem pior que agora...
Mas o que está na moda hoje é fazer alarde!
Bora lá...

Não me parece que seja uma questão de moda, mas preocupação. Segundo ponto, não me parece que o Sporting alguma vez tenha estivesse tão endividado, vazio de património e sócios como agora, pelos menos nas últimas décadas. Por isso dizer que já se viu pior... não sei.  Por mais que se queira esconder, há um grupo de pessoas que arrastou o Clube a esta situação deplorável, o mais interessante é defenderem silêncio. Quando querem agir? Quando chamar à responsabilidade aqueles que tanto mal fizeram ao Sporting e permitiram e permitem situações de promiscuidade perturbadoras?

Eles andaram a cozinhar esta situação há muito e de modo a que os sócios não tenham muito mais opções.

Defender entrada de investidores, não é trabalhar e muito menos solução. Quem para lá possa ir,  não pagará o passivo do Clube ou SAD e não nos devolve o património. Trabalhar é tomar consciência real do que passa e passou, responsabilizar quem dever ser responsabilizado, falar verdade aos sócios e por fim à promiscuidade com a banca dentro do Clube, bem como ao virus que é e foi o projecto roquette.
Estatutos: Artigo 3º 1 - O SPORTING CLUBE DE PORTUGAL É UMA UNIDADE INDIVISÍVEL CONSTÍTUIDA PELA TOTALIDADE DOS SEUS ASSOCIADOS.
____________________________________________
Os 10 Mandamentos do Sportinguista por Salazar  Carreira
http://www.forumscp.com/wiki/index.php?title=%22Os_dez_mandamentos_do_Sportinguista%22
@pepeu

Trabalhar em prol do clube todos o fazemos, uns mais que os outros e todos dentro das suas possibilidades...

Pessoalmente, estive envolvido na Lista Independente ao CFeD onde juntamente com outros colegas/amigos dispendemos tempo e recursos naquilo que acreditamos.

E se há coisa que defendo, é a Responsabilização... Por isso, toda a conversa do "sabemos que para trás foi mau mas agora é tempo de olhar para o futuro" é típica de quem tem a cauda à mostra e quer fugir enquanto é tempo

Felizmente, tenho muitas provas dadas em Alvalade e profissionalmente, e não me considero alguém com "pouca estabilidade emocional e social"

E ainda bem! Louvo em saber disso...
É por aí que deve seguir o rumo do Sporting!

Então concordas que, ao mesmo tempo que se trabalha para o futuro, se devem responsabilizar os erros do passado? Porque essa parte é fundamental, sob o risco de surgir uma nova dinastia estimulada pelo facto de saber que erros de gestão (e gestão danosa, vide MDC) são desculpabilizados
Este forista recusa aplicar nos seus posts o novo Acordo Ortográfico
@Lion73
Gostei particularmente da "terceirização do clube"...
Essa terceirização foi mais uma "inevitabilidade" que está bem patente nos modelos constituídos pelos nossos adversários umas vezes bem sucedidos e outras vezes nem por isso!
Não é a terceirizacao que mata o clube, antes pelo contrário!
Isso permite-te que tu agora estejas aqui a fazer valer toda a tua angustia face aos resultados divulgados.
Antes da terceirizacao tínhamos contas aprovadas em assembleias do clube feitas à segunda-feira para meia dúzia de sócios!

Lion
Deixemo-nos de hipocondrias e refaçamos o nosso clube, seja com estes ou com outros quaisquer desde que se apresentem propostas concretas e realistas!
É disso que todos precisamos...
Estes, em todo o caso estão lá, até ver, por mais 2 anos e tal... O que que entendes ser sensato fazer quanto a isso?!
@pepeu

Trabalhar em prol do clube todos o fazemos, uns mais que os outros e todos dentro das suas possibilidades...

Pessoalmente, estive envolvido na Lista Independente ao CFeD onde juntamente com outros colegas/amigos dispendemos tempo e recursos naquilo que acreditamos.

E se há coisa que defendo, é a Responsabilização... Por isso, toda a conversa do "sabemos que para trás foi mau mas agora é tempo de olhar para o futuro" é típica de quem tem a cauda à mostra e quer fugir enquanto é tempo

Felizmente, tenho muitas provas dadas em Alvalade e profissionalmente, e não me considero alguém com "pouca estabilidade emocional e social"

E ainda bem! Louvo em saber disso...
É por aí que deve seguir o rumo do Sporting!

Então concordas que, ao mesmo tempo que se trabalha para o futuro, se devem responsabilizar os erros do passado? Porque essa parte é fundamental, sob o risco de surgir uma nova dinastia estimulada pelo facto de saber que erros de gestão (e gestão danosa, vide MDC) são desculpabilizados
Mas os erros do passado devem ser devidamente escrutinados e se houver justificação para tal, então que se responsabilize os seus autores.
Mas intenção não faz prova de facto!
E as minhas convicções não têm que passar por ser exactamente as tuas...
Mas se tens dados que comprovem a tua tese, então vai em frente!
Tens todo o meu apoio... Mas só após a apresentação de matéria de facto!
@pepeu

Trabalhar em prol do clube todos o fazemos, uns mais que os outros e todos dentro das suas possibilidades...

Pessoalmente, estive envolvido na Lista Independente ao CFeD onde juntamente com outros colegas/amigos dispendemos tempo e recursos naquilo que acreditamos.

E se há coisa que defendo, é a Responsabilização... Por isso, toda a conversa do "sabemos que para trás foi mau mas agora é tempo de olhar para o futuro" é típica de quem tem a cauda à mostra e quer fugir enquanto é tempo

Felizmente, tenho muitas provas dadas em Alvalade e profissionalmente, e não me considero alguém com "pouca estabilidade emocional e social"

E ainda bem! Louvo em saber disso...
É por aí que deve seguir o rumo do Sporting!

Então concordas que, ao mesmo tempo que se trabalha para o futuro, se devem responsabilizar os erros do passado? Porque essa parte é fundamental, sob o risco de surgir uma nova dinastia estimulada pelo facto de saber que erros de gestão (e gestão danosa, vide MDC) são desculpabilizados
Mas os erros do passado devem ser devidamente escrutinados e se houver justificação para tal, então que se responsabilize os seus actores.
Mas intenção não faz prova de facto!
E as minhas convicções não têm que passar por ser exactamente as tuas...
Mas se tens dados que comprovem a tua tese, então vai em frente!
Tens todo o meu apoio... Mas só após a apresentação de matéria de facto!


Tentou-se, mas a Direcção entendeu, após desmarcação de uma reunião, não convidar a Lista Independente ao CFeD a integrar o grupo de auditoria. Apesar de nesse grupo de auditoria figurar um elemento de uma lista menos votada que a Independente, logo não foi por aí...

Provavelmente terá sido uma infeliz coincidência a Lista Independente conter pessoas de diversas áreas, desde juristas a auditores, e ter sido a primeira a defender a auditoria de gestão, porque este relatório mais não é do que copy paste dos últimos  :great:
Este forista recusa aplicar nos seus posts o novo Acordo Ortográfico
@pepeu

Trabalhar em prol do clube todos o fazemos, uns mais que os outros e todos dentro das suas possibilidades...

Pessoalmente, estive envolvido na Lista Independente ao CFeD onde juntamente com outros colegas/amigos dispendemos tempo e recursos naquilo que acreditamos.

E se há coisa que defendo, é a Responsabilização... Por isso, toda a conversa do "sabemos que para trás foi mau mas agora é tempo de olhar para o futuro" é típica de quem tem a cauda à mostra e quer fugir enquanto é tempo

Felizmente, tenho muitas provas dadas em Alvalade e profissionalmente, e não me considero alguém com "pouca estabilidade emocional e social"

E ainda bem! Louvo em saber disso...
É por aí que deve seguir o rumo do Sporting!

Então concordas que, ao mesmo tempo que se trabalha para o futuro, se devem responsabilizar os erros do passado? Porque essa parte é fundamental, sob o risco de surgir uma nova dinastia estimulada pelo facto de saber que erros de gestão (e gestão danosa, vide MDC) são desculpabilizados
Mas os erros do passado devem ser devidamente escrutinados e se houver justificação para tal, então que se responsabilize os seus actores.
Mas intenção não faz prova de facto!
E as minhas convicções não têm que passar por ser exactamente as tuas...
Mas se tens dados que comprovem a tua tese, então vai em frente!
Tens todo o meu apoio... Mas só após a apresentação de matéria de facto!


Tentou-se, mas a Direcção entendeu, após desmarcação de uma reunião, não convidar a Lista Independente ao CFeD a integrar o grupo de auditoria. Apesar de nesse grupo de auditoria figurar um elemento de uma lista menos votada que a Independente, logo não foi por aí...

Provavelmente terá sido uma infeliz coincidência a Lista Independente conter pessoas de diversas áreas, desde juristas a auditores, e ter sido a primeira a defender a auditoria de gestão, porque este relatório mais não é do que copy paste dos últimos  :great:
Então... Tribunal com eles!!
É esmiuçar todos os relatórios e auditorias ao dispor dos sócios do clube desde que foi constituída a SAD e apresentar uma queixa-crime contra a integridade do clube ou dos socios que o constituem...!
@Pepeu,

Quando se multiplica um passivo por 10 vezes, despindo-se o clube de património imobiliário, muitas coisas há que explicar.

É curioso que a auditoria não faça referência às derrapagens orçamentais da construção do estádio e da academia. Só por acaso, o responsável pelo pelouro do estádio tinha o mesmo nome do actual presidente.

Eu sou dos que acho que na vigência desta dinastia nem todos são culpados.

Não culpo, por exemplo, o Filipe Soares Franco. Foi o único presidente que fez por conter os resultados financeiros negativos, assumindo o compromisso de manter os melhores jogadores do plantel. E conseguiu, em certa medida, fazer algo que podia e devia ter invertido o rumo. Chegou já muito tarde, no entanto, com o clube numa situação muito precária. E não foi devidamente apreciado.

Depois dele, veio o "presidente adepto". O tal que ia deixar de olhar para as contas e para a contenção do investimento, para trazer ânimo e investir (o que não havia) no futebol do clube. Na verdade, nem olhou para as contas, nem investiu no futebol. Foi um descalabro. Mas deste descalabro os culpados são os sócios, que criticaram tanto o Soares Franco por não investir no futebol (o homem não tinha o que investir). Se não há dinheiro, normalmente, não há palhaço. Mas os sócios querem que o clube invista dinheiro, que não tem, e que tenha dinheiro em caixa. Não dá para ter sol na eira e chuva no nabal.

A culpa disto, no entanto, é de quem prometeu que o clube ficaria a salvo da bola que batesse na trave. Já Saint-Exupery dizia que "ficas responsável por tudo o que cativas". E quem prometeu "mundos e fundos", cativando a imaginação do menos fanático dos adeptos, tinha a obrigação de não ter deixado isto entregue à bicharada; tinha obrigação de ter explicado um projecto a quem não o percebia.
"Players lose you games, not tactics. There's so much crap talked about tactics by people who barely know how to win at dominoes." - Brian Clough

"He is a perfect illustration of my constant theme about assembling a team of imperfect players who compliment each other perfectly. Unless he is surrounded by team mates who recognise his strenghts and cover for his weaknesses, his special goal scoring ability will go largely untapped. He needs to to be in the right place at the right time!" - Bob Paisley on John Wark
Citar

Atrasados Mentais”, “Ignorantes”, “Anormais”, “Terroristas”, “Maus adeptos”, “Destabilizadores”, “Minoria silenciosa”….

Todos estes apelidos foram dados aos Sportinguistas desde o inicio da nomenclatura Roquette. Em todos estes momentos os sócios foram tratados como lixo e considerados a mais no Sporting. Enquanto isso, muitos enchiam os bolsos à conta do nosso clube e destruiam mais de 100 anos de história.

Confesso, o resultado da auditoria (já tive oportunidade de ler com atenção as mais de 80 páginas do relatório) não me surpreenderam. Deixaram-me triste, mas não me surpreenderam. Os números lá expressos vieram apenas comprovar o que qualquer Sportinguista atento sabia, temos sido governados por uma quadrilha de bandidos, uma cambada de gestores incompetentes e um conjunto de aproveitadores.

Eu sou do Sporting desde sempre. Nasci no seio de uma familia com fortes ligações ao Sporting e lembro-me de, em miúdo, ir ao velhinho Alvalade com o meu tio, então Vice-Presidente do clube. Lembro-me de entrar no estádio e sentir que estavamos todos em familia, a grande e fantástica familia leonina. Talvez recuando agora me recorde que de facto não eram muitos os títulos que conquistávamos no futebol, é certo, mas o prazer que eu tinha em ir ao velhinho Alvalade, o prazer de sentir uma verdadeira tarde de futebol (precedida de tantas outras modalidades) faziam-me não pensar muito nisso. Queria ver o meu Sporting a ganhar ou a perder e em todas as modalidades.

Um dos motivos pelos quais os Sportinguistas diziam sempre presente era porque aquela era a nossa paixão, o nosso escape dos problemas do dia a dia. Era um clube e não uma empresa. Era gerido por amor e os erros de gestão, que também os havia, eram erros de quem queria o bem do clube e não o bem pessoal ou de terceiros. Sabiamos que na cabeça de todos só estava um único pensamento: honrar o grande clube que eramos (somos).

Em 1986 o Sporting Clube de Portugal tinha cerca de 132 mil sócios (nas últimas eleições pouco mais de 25 mil…). Este número é tão ou mais impressionante visto que totalizavam mais que o conjunto de sócios de Benfica e FC Porto. Eramos então a grande potência desportiva nacional.

Até que um conjunto de “brilhantes” gestores decidiu que a paixão não se pode sobrepor à razão e que o nosso clube deveria ser gerido de forma profissional, como uma empresa. Esta foi a versão vendida. Nela vinham os sonhos em formato de frases bombásticas: “O Sporting não vai mais depender da bola que bate na trave”, “Vamos ganhar 2 campeonatos em cada 3” e outras…
Os Sportinguistas, sedentos de vitórias, deixaram-se embalar no conto do vigário e deram carta branca para o que se iria provar ser a derrocada do outrora, maior clube português.

Depois de Roquette vieram muitos mais. Dias da Cunha (que até atrasados mentais chamou aos sócios), Soares Franco (o tal que queria acabar com os sócios para os converter em clientes) e o inenarrável José Eduardo Bettencourt (não vale a pena descrever tudo o que conseguiu fazer de errado em apenas 1 ano). Todos eles apareceram como salvadores quando na realidade todos sabiamos serem apenas seguidores.

Ontem alguém me dizia que acredita que a pasta foi sendo passada de mão em mão de forma a alguns do crimes que foram cometidos terem tempo de prescrever. Quando os assuntos viessem à baila já seria tarde para acusar alguém. É uma teoria que faz sentido do meu ponto de vista.

Mas nós, sócios e adeptos do Sporting Clube de Portugal, também temos culpa disto. Fomos nós, sócios e adeptos do Sporting Clube de Portugal, que aceitámos que isto acontecesse.
TODOS somos culpados, uns mais que outros é certo, uns por concordarem outros por ficarem calados. Por aceitarmos sem reclamar o que nos estava a ser servido, por acreditarmos que os tais “gestores” saberiam melhor do que nós como gerir um clube (que para eles não passa de mais uma empresa). Pois bem, o Sporting era nosso, dos sócios, e nós decidimos entregá-lo a meia dúzia de larápios para fazerem o que com ele entendessem. Perdemos todos.

Muitos irão dizer que “este não é o momento para falar, é momento de união”, pois então eu pergunto, qual é o momento certo? Em 15 anos desta geração não me recordo de um momento em que fosse considerado certo. No começo da época é mau porque destabiliza, a meio da época não porque temos que estar unidos, no final da época também não porque temos que estar quietinhos para que possam preparar a nova temporada com calma. NUNCA É O MOMENTO:

E de silêncios em silêncios chegámos a este ponto.

Não tenhamos dúvidas, voltámos ao costume do “ou isto ou o abismo”, e isto, meus caros, é a venda do nosso clube a um qualquer investidor estrangeiro. Que estejam atentos, que acordem deste sono profundo que temos todos estado. Que nos lembremos que o Sporting, na sua essência, é nosso. Dos adeptos, dos sócios, de quem por ele chora e faz sacrificios.

O Sporting é nosso, não o deixemos morrer.

Saudações Leoninas a todos
Nuno Mourão

Do Sporting Apoio.

A informação, a procura da mesma, a sua partilha e debate, é responsabilidade individual, de cada um e nós, enquanto Sportinguistas e a exigência ao esclarecimento e transparência nunca deve baixar, por mais dependente dos owners dessa informação e da sua propensão para a disponibilização da mesma que estejamos.

Pois bem, vivemos dum mal endémico à sociedade, direccionada para o supérfluo, para o acessório e para a imagem, secundarizando o essencial... como adeptos de um clube vivemos um problema adicional, que é a componente emocional que sendo a alma que suporta o Sporting, dificulta-nos o julgamento sobre tudo o que se passa sobre a sua gestão e o seu passado. Queremos acreditar no que nos dizem, que o Sporting está de volta, que têm soluções para o caos financeiro e desportivo, agarramo-nos a qualquer promessa como se uma bóia de salvação se tratasse, mesmo que todos os sinais, pelo passado das pessoas, pela sua acção, postura e caráter, nos devesse deixar no mínimo prevenidos e com tolerância zero a qualquer medida desviante do bem do clube.

Não culpo quem quis acreditar, culpo é quem quis e quer ostracizar quem manteve as suas convicções, de acordo com o julgamento da informação a que acederam, que processaram e que se bateram pelas mesmas. Culpo todos os que têm responsabilidades e mantém a postura de desculpabilização e branqueamento do passado, movidos por interesses de uma teia que relações que se autodefendem e ao que praticaram. O Sporting vai ao fundo porque criámos um monstro, uma franja de notáveis, de responsabilidade e visibilidade pública, fraca, sem personalidade e cúmplice na destruição do meu clube. O que tenho assistido desde ontem é mais uma vergonha... uma das muitas... e não tenho dúvidas que os adeptos vão seguir exactamente o caminho pretendido por estes senhores.

@Lion73
Compreendo todo este clamar de insatisfação face à auditoria por todos há muito tempo conhecida mas tenho-te como um bocado mais inteligente que isto!
Não se embarque em demagogia fácil... Por favor!
O Sporting glorioso para os miúdos de vintes é difícil de vislumbrar mas para a malta dos trinta ou quarenta é em diferente...
Eu fui um dos 132000 socios do Sporting numa altura em que a esmagadora maioria eram escolas de ginastica e natação no tempo em que não havia ginásios ou spas.
Em Alvalade enchia-se o estádio com 40-45 mil adeptos mas raramente se passava das 20 mil a partir de Janeiro, altura em que já tínhamos morrido pelo Natal.
Este clube era um saco de gatos sem rumo durante 18 anos e o incumprimento financeiro era diário.
É de rir à gargalhada quando aparece agora sousa cintras a dizer que deixaram o clube sem dívidas!
O denominado projecto Roquette aparece para colmatar uma insuficiência de décadas em relação à hegemonia superior dos nossos adversários.
Foi pela mão do projecto Roquette que chegamos finalmente aos títulos após 18 anos a pão e agua.
Foi Roquette que nos fez vislumbrar uma superioridade merecida sobre os nossos adversários e em 2002 julgavamo-nos efectivamente melhores que os outros!
Éramos campeões e o Sporting estava na moda... Finalmente todos os putos queriam ser do Sporting outra vez!
O grave problema foi que não conseguimos, todos nós sportinguistas, sustentar um projecto demasiado rápido e oneroso para as nossas possibilidades.
Não me venham com estorias cândidas de meninos pela mão do tio (talvez algum vice de jorge goncalves, um verdadeiro pulha! ) a caminho da bola ao domingo porque eu também lá ia e aquilo era uma miséria franciscana, um clube perfeitamente defunto que só estrabuchava em junho quando chegavam as unhas...

Sejamos sensatos!
O Sporting precisa de empenho e colaboração de todos.
Precisa de gente atenta aos desenvolvimentos e que não embarque em faluas fáceis sempre que alguém lhe acene com jogadores ou milhões.
Este tipo de escrutinio serve para qualquer candidato que se proponha a dirigir o clube e nenhum está isento de desconfiança cimentada por todos estes anos de insucesso.
Ao Sporting cabe discutir projectos e ideias de forma aberta e inteligente e não com arruaças administradas por miudagem e gente com pouca estabilidade emocional e social.
É pelo esforço e inteligência que se conquistam desígnios e nada está ainda perdido para nós desde que essa seja a nossa vontade!
Como eu já o disse anteriormente:
Falar menos e trabalhar mais...




Ainda não compreendi o teu pensamento, a tua pouca capacidade de síntese aliada à minha falta de concentração em ler textos longos não ajuda.

Há 16 anos não ganhávamos nada, mas tinhamos potencial, património, jogadores de futebol e capacidade para arranjar crédito. Passivo de 27 milhões de euro.

Actualmente continuamos sem ganhar nada, o potencial está a perder-se, não temos rumo, o pouco património que resta está hipotecado pela banca, temos parcialmente alguns passes de jogadores, incapazes de arranjar crédito. Com um passivo de 370 milhões + 45 milhões de euro da gestão de Godinho.

Estamos melhores? Temos rumo?
Mas não sou eu que o afirmo! De facto, estás um bocado confundido com a extensão do texto...
Mas posso no entanto dizer-te que em 35 anos já vi o Sporting melhor mas também já vi o Sporting bem pior que agora...
Mas o que está na moda hoje é fazer alarde!
Bora lá...

Continuas a enrolar e a acrescentar pouco, no entanto melhoraste na capacidade de síntese... Tens passado demasiado tempo nas "nuvens", quando desceres à terra diz em que altura viste o Sporting pior que agora, na vertente desportiva, patrimonial e financeira.

Com o "amigo" Soares Franco não terá sido...
« Última modificação: Fevereiro 02, 2012, 21:58 pm por jnrodrigues »
"Reforçamos ainda a solução que temos vindo a defender para a sustentabilidade do Clube:
a)   O afastamento do Clube de todos os dirigentes envolvidos no “Projecto Roquette” e com responsabilidades na gravíssima situação actual, apuradas após a realização de uma verdadeira auditoria de gestão. Pedido de indemnização cível pelos danos causados ao Sporting Clube de Portugal;
b)    A renegociação firme, corajosa e realista da dívida bancária, de forma a reduzir drasticamente os encargos financeiros anuais; 
c)    A redução drástica dos custos com pessoal, como ponto de partida para que se alcance o equilíbrio da exploração operacional. Se analisarmos as últimas épocas, bem como o descalabro no balanço entre contratações e vendas de jogadores, facilmente verificamos duas realidades: (i) maior investimento não tem sido sinónimo de maior rendimento desportivo, (ii) os maiores encaixes financeiros com venda de jogadores foram com jogadores formados no Clube, e não com jogadores adquiridos pelas administrações e gestores de activos profissionais da SAD."
 - Candidatura Independente ao Conselho Fiscal e Disciplinar
olha o papagaio voltou !!
Mas os erros do passado devem ser devidamente escrutinados e se houver justificação para tal, então que se responsabilize os seus autores.

Acho que disseste tudo. Os erros do passado deveriam ser escrutinados e a isso se chamava auditoria de gestao, aquela que ia perguntar porque é que certas coisas foram feitas. Ora essa auditoria de gestao nao foi feita.
E se achas que o Sporting já esteve pior, gostava de saber quando é que o Sporting depois de vender practicamente todo o patrimonio que tem teve consolidadas 350 milhoes euros dívidas
Esqueçam lá isso, afinal está tudo bem e todos deixaram as contas como deve ser.
Magníficos gestores que eles são.

http://www.tsf.pt/PaginaInicial/Desporto/Interior.aspx?content_id=2281476

 :clap: :clap:
(...)
E se achas que o Sporting já esteve pior, gostava de saber quando é que o Sporting depois de vender practicamente todo o patrimonio que tem teve consolidadas 350 milhoes euros dívidas.
   :arrow:

   Este sim, é um argumento a ter em conta.

   Como é que com tanta alienação de património, desinvestimento (que tanto serve de desculpa para umas coisas - perca de competitividade e falta de dinheiro - como por outro lado se vê que investimento foi o que não faltou, porém sem qualquer critério nem valorização, proveito desportivo e retorno financeiro), project finance, e o Sporting tem este passivo monstruoso?

   É que não é só o passivo, é o património que foi desmantelado e retalhado com a desculpa de abate e controlo do passivo. Para onde foi tanto dinheiro? Para que serviu hipotecar e alienar o património?

   Aqui se chega à conclusão que dinheiro é o que não tem faltado em Alvalade, isso é notório para quem não se deixa iludir, só que não em benefício dos interesses do Sporting Clube de Portugal. Este ponto é óbvio, e é o ponto-chave. É impossível defender isto, do ponto de vista da defesa dos interesses do Clube. O rei vai nu. Mas há quem ainda o veja bem vestido.
« Última modificação: Fevereiro 03, 2012, 01:00 am por HULK VERDE »