Votação

Director Desportivo ?

Sim
133 (82.1%)
Não
29 (17.9%)

Votos totais: 162

Votação encerrada: Dezembro 30, 2016, 19:22 pm

Director Desportivo, sim ou não ? Quem ?

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Pior que quererem o Monchi e os fundos com que trabalha, é acharem que o Presidente trabalharia com um Director Desportivo que lhe dá ordens e manda assinar cheques sem perguntar ou andarem com tanta coisa contra os fundos e depois acharem que esta malta, a este nível, não trabalha com os fundos e com as carteiras de clientes.
“A lot of football success is in the mind. You must believe you are the best and then make sure that you are.” - Bill Shankly
A questão não passa tanto por contratar um diretor desportivo para contratar jogadores. Passa por trazer alguém que faças as questões certas. Neste momento a estrutura é composta pelo Treinador e pelo Presidente. O Presidente confia no Treinador, por isso, o Treinador pede e o Presidente, na medida das possibilidades, tende a dar.

Na minha opinião não devia ser assim. É necessário um elemento que questione aquela lacuna, que questione a necessidade de recorrer ao mercado. Recorrendo ao mercado, que questione a necessidade de trazer aquele elemento. Ou seja, é necessário um gajo em que o Presidente tenha tanta confiança como no treinador e que estejam em constante discussão sobre as necessidades da equipa e os elementos que integram o plantel.

O treinador treina. Para além de treinar, deve ter uma palavra a dizer na constituição do plantel, porque é ele que, à partida, está mais bem colocado para conhecer das necessidades da equipa. Deve pedir jogadores se os identificar. Mas tem de existir alguém que questione (TUDO) o que o treinador faz. Um autêntico terrorista para o treinador.

Um gajo que pergunte o porquê do plantel ter elementos a mais. O porquê de ter elementos a menos. O porquê daquele gajo ser chamado. O porquê daquele gajo não ser chamado. Basicamente, alguém que obrigue o treinador a dar justificações de cada um dos pedidos que faz e que lhe contraponha conselhos.

Por exemplo, o JJ entende que é necessário um lateral-esquerdo. Naturalmente, tem uma ideia de quem precisa. Recomenda o Insua. Este gajo questiona (1) a necessidade de um lateral esquerdo; (2) o porquê desse lateral ser o Insua. Logo de seguida vai junto do departamento de prospeção e pergunta: quais os jogadores que vocês recomendam para lateral-esquerdo? O gabinete de prospeção apresenta mais três ou quatro nomes. Ele pega nesses nomes, leva-os ao presidente ao treinador e decidem.
Pior que quererem o Monchi e os fundos com que trabalha, é acharem que o Presidente trabalharia com um Director Desportivo que lhe dá ordens e manda assinar cheques sem perguntar ou andarem com tanta coisa contra os fundos e depois acharem que esta malta, a este nível, não trabalha com os fundos e com as carteiras de clientes.

O Presidente trabalha com quem ele acha que pode beneficiar o Sporting. O que não faltam ai são exemplos de gente que andou num bate boca com o Presi e hoje em dia está a trabalhar no Sporting (graças ao JJ mas estão. Aliás acho que o próprio JJ se pode enquadrar nesse perfil)

Fundos são reais e toda a gente tem de lidar com eles. Uns de uma forma e outros de outra. Não sou especialista nas finanças do Sevilha apenas sei isto: 5 ou 6 troféus europeus, presenças nos oitavos-de-final da Champions, taças do Rey, Supertaças (ser campeão em Espanha é quase impossível para um Sevilha).

Daniel Alves, Gameiro, Júlio Batista, Negredo, Kanouté, Nzonzi, Rakitic, Luís Fabiano... A lista nunca mais acaba. Jogadores que só em sonhos vestiriam a camisola do Sporting.  Claro que com o background que ele tem é natural que faça exigências e é natural que o presidente aceite e no próximo clube dele vai ser igual. O que já não acho tão normal é andar a contratar desempregados ou tipos que eram "bons" em 2009

Esta parte não é para ti: acho engraçado desvalorizarem o trabalho de um homem que chega ao Sevilha quando estava na 2ª divisão e que 17 anos depois quadruplica o nº de troféus europeus do Sporting em cento e tal anos. Foi só fundos? Foi só sorte? Ou terá havido mérito dele?

Relembro também que o Sporting assinou recentemente uma parceria com a Traffic.

Bater pívias por ter menos passivo que os outros é que é bom. Campeões da pré-época e do passivo, esses dois ninguém nos tira
A minha cartilha é o Sporting
A questão não passa tanto por contratar um diretor desportivo para contratar jogadores. Passa por trazer alguém que faças as questões certas. Neste momento a estrutura é composta pelo Treinador e pelo Presidente. O Presidente confia no Treinador, por isso, o Treinador pede e o Presidente, na medida das possibilidades, tende a dar.

Na minha opinião não devia ser assim. É necessário um elemento que questione aquela lacuna, que questione a necessidade de recorrer ao mercado. Recorrendo ao mercado, que questione a necessidade de trazer aquele elemento. Ou seja, é necessário um gajo em que o Presidente tenha tanta confiança como no treinador e que estejam em constante discussão sobre as necessidades da equipa e os elementos que integram o plantel.

O treinador treina. Para além de treinar, deve ter uma palavra a dizer na constituição do plantel, porque é ele que, à partida, está mais bem colocado para conhecer das necessidades da equipa. Deve pedir jogadores se os identificar. Mas tem de existir alguém que questione (TUDO) o que o treinador faz. Um autêntico terrorista para o treinador.

Um gajo que pergunte o porquê do plantel ter elementos a mais. O porquê de ter elementos a menos. O porquê daquele gajo ser chamado. O porquê daquele gajo não ser chamado. Basicamente, alguém que obrigue o treinador a dar justificações de cada um dos pedidos que faz e que lhe contraponha conselhos.

Por exemplo, o JJ entende que é necessário um lateral-esquerdo. Naturalmente, tem uma ideia de quem precisa. Recomenda o Insua. Este gajo questiona (1) a necessidade de um lateral esquerdo; (2) o porquê desse lateral ser o Insua. Logo de seguida vai junto do departamento de prospeção e pergunta: quais os jogadores que vocês recomendam para lateral-esquerdo? O gabinete de prospeção apresenta mais três ou quatro nomes. Ele pega nesses nomes, leva-os ao presidente ao treinador e decidem.

Eu concordo que é necessário um elemento ativo/com voz a fazer a ponte entre o treinador e o Presidente, alguém com conhecimento de balneário e com vastos conhecimentos no mercado, no fundo alguém útil que substitua Otávio Machado mas com poderes mais abrangentres e definidos.
Agora, discordo com este exemplo dado ao nível do mercado, ou seja, na altura de análise do plantel não acredito que exista uma reunião só entre O Presidente e o treinador, nessa reunião certamente estará presente o departamento de scouting que deverá apresentar diversas opções para as posições apontadas pela equipa técnica. No acto de escolha até acredito que as opiniões de JJ têm "voto de qualidade", umas resultam outras não. Mas não vejo que a existência de um DD mude algo nesse aspeto... este até pode colocar as questões que entender mas a opinião de JJ deve ser atendida porque é ele que dirige a equipa e sabe melhor do que ninguém as suas fraquezas e como pode pode melhorar o plantel. Na escolha do TAL jogador o departamento de scouting pode e deve intervir.
O Presidente trabalha com quem ele acha que pode beneficiar o Sporting. O que não faltam ai são exemplos de gente que andou num bate boca com o Presi e hoje em dia está a trabalhar no Sporting (graças ao JJ mas estão. Aliás acho que o próprio JJ se pode enquadrar nesse perfil)

Não estou a falar de pessoas. Isso é pacífico.

Estou a falar de uma questão muito prática: a esmagadora maioria das pessoas que aqui defendem um Director Desportivo estão a imaginar um manager à boa maneira britânica ou um Giuseppe Marotta+Fábio Paratici. Ou um Monchi, embora neste caso não tenha tanta certeza que será assim.Ora estes gajos são todo poderosos nos clubes onde trabalham. Eles decidem, os presidentes assinam os cheques. E mesmo na Premier já há poucos assim.

Estás a ver isto acontecer no Sporting? O Marotta manda o Paratici observar um jogador (ele ou, na maioria dos casos, a sua equipa) e depois decidem e compram? O Bruno primeiro caía da cadeira, com a pressa em se levantar, em seguida ia dar com a cadeira na cabeça dos gajos. O Monchi falava com o treinador, logo decidia se era necessário mesmo um tipo para ali ou não, depois ligava aos fundos e agentes e escolhia da lista, pagando avultadas comissões (e metendo ao bolso também, está claro) e o Bruno de Carvalho sentadinho na bancada à espera do começo do campeonato. 'Tá bem..

Fundos são reais e toda a gente tem de lidar com eles. Uns de uma forma e outros de outra. Não sou especialista nas finanças do Sevilha apenas sei isto: 5 ou 6 troféus europeus, presenças nos oitavos-de-final da Champions, taças do Rey, Supertaças (ser campeão em Espanha é quase impossível para um Sevilha).

Com certeza. nem me cabe a mim defender ou atacar os fundos. Eles fazem pela sua vida.

Agora, o Sporting definiu uma estratégia. A esmagadora maioria dos Sportinguistas bateram palmas. Relembro o que se disse aqui no fórum sobre isso, até quanto à possibilidade de perder muitos jogadores. Agora não se pode querer sol na eira e a chuva no nabal. As coisas têm consequências.

Daniel Alves, Gameiro, Júlio Batista, Negredo, Kanouté, Nzonzi, Rakitic, Luís Fabiano... A lista nunca mais acaba. Jogadores que só em sonhos vestiriam a camisola do Sporting.  Claro que com o background que ele tem é natural que faça exigências e é natural que o presidente aceite e no próximo clube dele vai ser igual. O que já não acho tão normal é andar a contratar desempregados ou tipos que eram "bons" em 2009

Esta parte não é para ti: acho engraçado desvalorizarem o trabalho de um homem que chega ao Sevilha quando estava na 2ª divisão e que 17 anos depois quadruplica o nº de troféus europeus do Sporting em cento e tal anos. Foi só fundos? Foi só sorte? Ou terá havido mérito dele?

Mesmo não sendo para mim, comento isto: obviamente que não coloco o mérito em causa. É óbvio que faz o seu trabalho bem feito. Acerta mais do que falha, pelo menos da minha percepção.

E também é óbvio que nunca defendi desempregados ou pés de tijolo. Nem no tempo dos croquettes, nem na época do Leonardo Jardim, nem com o Marco Silva, nem com o Jorge Jesus.

O que eu continuo a achar é que se atira muita areia e se fala de muita coisa que não é a realidade factual do Sporting há décadas. E que se discute uma possibilidade que não se encaixa na cultura actual do Sporting. Santana Lopes, José Roquette, Dias da Cunha, Soares Franco, Eduardo Bettencourt, Godinho Lopes: tudo Presidentes que nem por um minuto duvido que aceitassem tal estrutura. Aliás, tudo tipos em que essa filosofia assenta que nem uma luva. Bruno de Carvalho não. Tal como Sousa Cintra, por exemplo.

Havendo espaço para um cargo com algumas funções, esse perfil não. É normal que tais sujeitos queiram o controlo? Claro que sim, é a forma como trabalham. Não coloco isso minimamente em causa. Se calhar até sou adepto do modelo da Juventus. Mas não acredito que o veja no Sporting nos próximos anos. E mesmo depois, com este Presidente, nunca será completamente assim.

Relembro também que o Sporting assinou recentemente uma parceria com a Traffic.

Com certeza. E se calhar até já recorreu a uma barriga de aluguer , algo que será cada vez mais usual no futebol (ou estavam à espera que o fim do TPO fosse o fim dos fundos?). Mas fê-lo segundo acordos que nunca conseguirá com uma Doyen, uma Gestifute ou seus tentáculos. Não é assim que a muita malta que é dona dessas empresas ganha. É muita gente a mamar e é gente que tem de mamar bem. Se o Mendes já é o que é, imagina a malta acima dele.
“A lot of football success is in the mind. You must believe you are the best and then make sure that you are.” - Bill Shankly
A questão não passa tanto por contratar um diretor desportivo para contratar jogadores. Passa por trazer alguém que faças as questões certas. Neste momento a estrutura é composta pelo Treinador e pelo Presidente. O Presidente confia no Treinador, por isso, o Treinador pede e o Presidente, na medida das possibilidades, tende a dar.

Na minha opinião não devia ser assim. É necessário um elemento que questione aquela lacuna, que questione a necessidade de recorrer ao mercado. Recorrendo ao mercado, que questione a necessidade de trazer aquele elemento. Ou seja, é necessário um gajo em que o Presidente tenha tanta confiança como no treinador e que estejam em constante discussão sobre as necessidades da equipa e os elementos que integram o plantel.

O treinador treina. Para além de treinar, deve ter uma palavra a dizer na constituição do plantel, porque é ele que, à partida, está mais bem colocado para conhecer das necessidades da equipa. Deve pedir jogadores se os identificar. Mas tem de existir alguém que questione (TUDO) o que o treinador faz. Um autêntico terrorista para o treinador.

Um gajo que pergunte o porquê do plantel ter elementos a mais. O porquê de ter elementos a menos. O porquê daquele gajo ser chamado. O porquê daquele gajo não ser chamado. Basicamente, alguém que obrigue o treinador a dar justificações de cada um dos pedidos que faz e que lhe contraponha conselhos.

Por exemplo, o JJ entende que é necessário um lateral-esquerdo. Naturalmente, tem uma ideia de quem precisa. Recomenda o Insua. Este gajo questiona (1) a necessidade de um lateral esquerdo; (2) o porquê desse lateral ser o Insua. Logo de seguida vai junto do departamento de prospeção e pergunta: quais os jogadores que vocês recomendam para lateral-esquerdo? O gabinete de prospeção apresenta mais três ou quatro nomes. Ele pega nesses nomes, leva-os ao presidente ao treinador e decidem.

Isso é, pura e simplesmente, a receita para o desastre.

Nenhum treinador que é treinador a sério se sujeita a isso. Nem um. :arrow:
«Já vi o suficiente deste JJ e já lhe tirei as medidas. Com ele, o Sporting não vai a lado nenhum»

@SCP Always in forumscp 22-08-17
A questão não passa tanto por contratar um diretor desportivo para contratar jogadores. Passa por trazer alguém que faças as questões certas. Neste momento a estrutura é composta pelo Treinador e pelo Presidente. O Presidente confia no Treinador, por isso, o Treinador pede e o Presidente, na medida das possibilidades, tende a dar.

Na minha opinião não devia ser assim. É necessário um elemento que questione aquela lacuna, que questione a necessidade de recorrer ao mercado. Recorrendo ao mercado, que questione a necessidade de trazer aquele elemento. Ou seja, é necessário um gajo em que o Presidente tenha tanta confiança como no treinador e que estejam em constante discussão sobre as necessidades da equipa e os elementos que integram o plantel.

O treinador treina. Para além de treinar, deve ter uma palavra a dizer na constituição do plantel, porque é ele que, à partida, está mais bem colocado para conhecer das necessidades da equipa. Deve pedir jogadores se os identificar. Mas tem de existir alguém que questione (TUDO) o que o treinador faz. Um autêntico terrorista para o treinador.

Um gajo que pergunte o porquê do plantel ter elementos a mais. O porquê de ter elementos a menos. O porquê daquele gajo ser chamado. O porquê daquele gajo não ser chamado. Basicamente, alguém que obrigue o treinador a dar justificações de cada um dos pedidos que faz e que lhe contraponha conselhos.


Por exemplo, o JJ entende que é necessário um lateral-esquerdo. Naturalmente, tem uma ideia de quem precisa. Recomenda o Insua. Este gajo questiona (1) a necessidade de um lateral esquerdo; (2) o porquê desse lateral ser o Insua. Logo de seguida vai junto do departamento de prospeção e pergunta: quais os jogadores que vocês recomendam para lateral-esquerdo? O gabinete de prospeção apresenta mais três ou quatro nomes. Ele pega nesses nomes, leva-os ao presidente ao treinador e decidem.

Lamento, nenhum treinador se sujeita a isso, nenhum. E digo-te já, não consegues citar ninguém que aceite isso.

Objectivo do DD é arranjar os melhores jogadores para as posições referidas pelo treinador.
"Sporting! Minha vida é o Sporting, minha paixão é o Sporting, meu amor é o Sporting, é o Sporting é o Sporting é o Sporting! Meu vício é o Sporting, minha família é o Sporting, Sporting, Sporting, Sporting, é o meu Sporting!"
Não se sujeita a quê, exatamente? A que questionem de maneira continua o seu trabalho? Não vejo porquê. O objetivo não é minar o trabalho do treinador. É ter alguém ao lado do presidente (que é quem decide) a questionar o que o treinador faz e a dar uma perspetiva inversa à do treinador. É ter alguém com uma posição permanentemente crítica.

Há no futebol espaço para treinadores que nada interferem na constituição do plantel. Mas não há espaço no futebol para um treinador que interfere no plantel mas que tem o seu trabalho questionado de maneira permanente por um outro membro.

Objectivo do DD é arranjar os melhores jogadores para as posições referidas pelo treinador.

Não, não é. Esse é o objetivo do gabinete de prospeção que identifica os jogadores para as necessidades da equipa.
Não se sujeita a quê, exatamente? A que questionem de maneira continua o seu trabalho? Não vejo porquê. O objetivo não é minar o trabalho do treinador. É ter alguém ao lado do presidente (que é quem decide) a questionar o que o treinador faz e a dar uma perspetiva inversa à do treinador. É ter alguém com uma posição permanentemente crítica.

Há no futebol espaço para treinadores que nada interferem na constituição do plantel. Mas não há espaço no futebol para um treinador que interfere no plantel mas que tem o seu trabalho questionado de maneira permanente por um outro membro.

Objectivo do DD é arranjar os melhores jogadores para as posições referidas pelo treinador.

Não, não é. Esse é o objetivo do gabinete de prospeção que identifica os jogadores para as necessidades da equipa.

Por outras palavras, director negoceia os jogadores.

Faz a ligação entre o presidente e o treinador. presidente define o valor a gastar na equipa, o treinador indica as posições necessárias e o director contrata
"Sporting! Minha vida é o Sporting, minha paixão é o Sporting, meu amor é o Sporting, é o Sporting é o Sporting é o Sporting! Meu vício é o Sporting, minha família é o Sporting, Sporting, Sporting, Sporting, é o meu Sporting!"
O Presidente trabalha com quem ele acha que pode beneficiar o Sporting. O que não faltam ai são exemplos de gente que andou num bate boca com o Presi e hoje em dia está a trabalhar no Sporting (graças ao JJ mas estão. Aliás acho que o próprio JJ se pode enquadrar nesse perfil)

Não estou a falar de pessoas. Isso é pacífico.

Estou a falar de uma questão muito prática: a esmagadora maioria das pessoas que aqui defendem um Director Desportivo estão a imaginar um manager à boa maneira britânica ou um Giuseppe Marotta+Fábio Paratici. Ou um Monchi, embora neste caso não tenha tanta certeza que será assim.Ora estes gajos são todo poderosos nos clubes onde trabalham. Eles decidem, os presidentes assinam os cheques. E mesmo na Premier já há poucos assim.

Estás a ver isto acontecer no Sporting? O Marotta manda o Paratici observar um jogador (ele ou, na maioria dos casos, a sua equipa) e depois decidem e compram? O Bruno primeiro caía da cadeira, com a pressa em se levantar, em seguida ia dar com a cadeira na cabeça dos gajos. O Monchi falava com o treinador, logo decidia se era necessário mesmo um tipo para ali ou não, depois ligava aos fundos e agentes e escolhia da lista, pagando avultadas comissões (e metendo ao bolso também, está claro) e o Bruno de Carvalho sentadinho na bancada à espera do começo do campeonato. 'Tá bem..

Fundos são reais e toda a gente tem de lidar com eles. Uns de uma forma e outros de outra. Não sou especialista nas finanças do Sevilha apenas sei isto: 5 ou 6 troféus europeus, presenças nos oitavos-de-final da Champions, taças do Rey, Supertaças (ser campeão em Espanha é quase impossível para um Sevilha).

Com certeza. nem me cabe a mim defender ou atacar os fundos. Eles fazem pela sua vida.

Agora, o Sporting definiu uma estratégia. A esmagadora maioria dos Sportinguistas bateram palmas. Relembro o que se disse aqui no fórum sobre isso, até quanto à possibilidade de perder muitos jogadores. Agora não se pode querer sol na eira e a chuva no nabal. As coisas têm consequências.

Daniel Alves, Gameiro, Júlio Batista, Negredo, Kanouté, Nzonzi, Rakitic, Luís Fabiano... A lista nunca mais acaba. Jogadores que só em sonhos vestiriam a camisola do Sporting.  Claro que com o background que ele tem é natural que faça exigências e é natural que o presidente aceite e no próximo clube dele vai ser igual. O que já não acho tão normal é andar a contratar desempregados ou tipos que eram "bons" em 2009

Esta parte não é para ti: acho engraçado desvalorizarem o trabalho de um homem que chega ao Sevilha quando estava na 2ª divisão e que 17 anos depois quadruplica o nº de troféus europeus do Sporting em cento e tal anos. Foi só fundos? Foi só sorte? Ou terá havido mérito dele?

Mesmo não sendo para mim, comento isto: obviamente que não coloco o mérito em causa. É óbvio que faz o seu trabalho bem feito. Acerta mais do que falha, pelo menos da minha percepção.

E também é óbvio que nunca defendi desempregados ou pés de tijolo. Nem no tempo dos croquettes, nem na época do Leonardo Jardim, nem com o Marco Silva, nem com o Jorge Jesus.

O que eu continuo a achar é que se atira muita areia e se fala de muita coisa que não é a realidade factual do Sporting há décadas. E que se discute uma possibilidade que não se encaixa na cultura actual do Sporting. Santana Lopes, José Roquette, Dias da Cunha, Soares Franco, Eduardo Bettencourt, Godinho Lopes: tudo Presidentes que nem por um minuto duvido que aceitassem tal estrutura. Aliás, tudo tipos em que essa filosofia assenta que nem uma luva. Bruno de Carvalho não. Tal como Sousa Cintra, por exemplo.

Havendo espaço para um cargo com algumas funções, esse perfil não. É normal que tais sujeitos queiram o controlo? Claro que sim, é a forma como trabalham. Não coloco isso minimamente em causa. Se calhar até sou adepto do modelo da Juventus. Mas não acredito que o veja no Sporting nos próximos anos. E mesmo depois, com este Presidente, nunca será completamente assim.

Relembro também que o Sporting assinou recentemente uma parceria com a Traffic.

Com certeza. E se calhar até já recorreu a uma barriga de aluguer , algo que será cada vez mais usual no futebol (ou estavam à espera que o fim do TPO fosse o fim dos fundos?). Mas fê-lo segundo acordos que nunca conseguirá com uma Doyen, uma Gestifute ou seus tentáculos. Não é assim que a muita malta que é dona dessas empresas ganha. É muita gente a mamar e é gente que tem de mamar bem. Se o Mendes já é o que é, imagina a malta acima dele.

Eu só não estava a gostar da maneira como se estava a falar do melhor DD na actualidade nem das justificações que deste para, vamos supor, um eventual ingresso de Monchi no Sporting (impossível, eu sei).

Eu acho que BdC passou muitos "cheques em branco" este Verão, para o JJ. Cheques que com outro treinador muito provavelmente não passaria. Ele foi Douglas, Baladas, Ruiz, Markovic... confesso que já me esqueci de uns quantos tão inglória foi a passagem deles pelo Sporting. Porque é que isso aconteceu? Porque, tirando o Ruiz, é tudo caruncho e como tal barato. É mais fácil "passar cheques" quando o valor é 1 milhão e não 10 milhões. O outro motivo é devido ao background que o JJ tem como treinador que lhe dá direito de exigir coisas que um Marco Silva ou um Jardim (na altura) não poderiam exigir.

Porque não pode trabalhar BdC com uma pessoa deste calibre só que noutro cargo? Com certeza que o Monchi não andava ai com rédea solta quando chegou ao Sevilha, teve de fazer por merecer essa responsabilidade, agora claro, quando se tem o sucesso financeiro e desportivo que ele teve então é evidente que as regalias passam a ser outras, mal seria se assim não fosse. Eu ficava muito mais tranquilo em confiar o meu livro de cheques a alguém que percebe do assunto que a alguém que não percebe do assunto, faz parte daquele slogan: o barato sai caro

Sobre fundos, carteiras de clientes, comissões... Não sei, não me interessa e duvido imenso que os adeptos do Sevilha se preocupem muito com isso porque lá está, ajudou a trazer muito sucesso ao clube. Não te esqueças é dos boatos sobre o JJ que recebe, ou recebia, muita comissão por cada jogador que metia no benfica.

O que eu imagino no Sporting, ou o que eu quero vá, é alguém que não ande a reciclar nomes do passado, alguém que tenha a capacidade para sacar bons jogadores de mercados acessíveis. Eu não peço que contratem o próximo Daniel Alves, eu só quero que encontrem opções melhores que um italo-argentino que estava desempregado ou que um trintão Português que tinha acabado de descer de divisão na Alemanha, onde nem era sempre titular. Acho que não é pedir muito e também não é preciso um Monchi para isto. O que eu vejo actualmente é o treinador a pedir e o presidente, como é barato, a dar. Parecem 2 amigos a falar num café, não há base, não há sistema.

Essa gente é poderosa, e o sucesso dos clubes deles fala por si, porque conquistaram esse direito. Ninguém lhes deu nada.

Eu batia era palmas se fôssemos campeões agora se é com fundos, sem fundos, com emprestados, só com jogadores da Academia... Isso a mim não me interessa nada. O que referes é um dos problemas dos Sportinguistas, festejam essas coisas irrelevantes em vez de se preocuparem com o que realmente importa. Obviamente que os fundos também têm de lucrar com o negócio, o problema do Sporting foi ter um bando de idiotas como o Godinho a assinar contratos com esses mesmos fundos. Se tivesse sido o BdC o contrato do Rojo seria diferente, ou então ele não seria reforço, e ter-se-ia evitado todo esse drama. Mas já agora o Rojo foi dos últimos estrangeiros que deixou um dinheirão no Sporting, teve relativamente bom rendimento desportivo e saiu para um colosso. Sinceramente não me lembro de mais nenhum caso desses, regra geral são sempre da formação. Pode ser coincidência mas pode também querer dizer muita coisa. Sabes a quem é que isso não vai acontecer? Ao Schelotto, ao Douglas, ao Zeegelaar, ao Paulista, ao Castaignos etc etc etc

Eu quero acreditar que mais que estruturas o Presidente quer é ganhar e está disposto a tudo, na medida dos possíveis obviamente, para que isso aconteça. Não entro nesse pensamento que ou é desta forma ou não é, considero-o uma pessoa adaptável e capaz de trabalhar com toda a gente desde que o Sporting saia beneficiado.

Claro que isto é um cenário utópico, nós estamos apenas a falar de futebol. O treinador, esse sim, já demonstrou que não quer, gosta, nem consegue trabalhar com uma pessoa nestas circunstâncias de que estamos a discutir.
A minha cartilha é o Sporting
O Presidente trabalha com quem ele acha que pode beneficiar o Sporting. O que não faltam ai são exemplos de gente que andou num bate boca com o Presi e hoje em dia está a trabalhar no Sporting (graças ao JJ mas estão. Aliás acho que o próprio JJ se pode enquadrar nesse perfil)

Não estou a falar de pessoas. Isso é pacífico.

Estou a falar de uma questão muito prática: a esmagadora maioria das pessoas que aqui defendem um Director Desportivo estão a imaginar um manager à boa maneira britânica ou um Giuseppe Marotta+Fábio Paratici. Ou um Monchi, embora neste caso não tenha tanta certeza que será assim.Ora estes gajos são todo poderosos nos clubes onde trabalham. Eles decidem, os presidentes assinam os cheques. E mesmo na Premier já há poucos assim.

Estás a ver isto acontecer no Sporting? O Marotta manda o Paratici observar um jogador (ele ou, na maioria dos casos, a sua equipa) e depois decidem e compram? O Bruno primeiro caía da cadeira, com a pressa em se levantar, em seguida ia dar com a cadeira na cabeça dos gajos. O Monchi falava com o treinador, logo decidia se era necessário mesmo um tipo para ali ou não, depois ligava aos fundos e agentes e escolhia da lista, pagando avultadas comissões (e metendo ao bolso também, está claro) e o Bruno de Carvalho sentadinho na bancada à espera do começo do campeonato. 'Tá bem..

Fundos são reais e toda a gente tem de lidar com eles. Uns de uma forma e outros de outra. Não sou especialista nas finanças do Sevilha apenas sei isto: 5 ou 6 troféus europeus, presenças nos oitavos-de-final da Champions, taças do Rey, Supertaças (ser campeão em Espanha é quase impossível para um Sevilha).

Com certeza. nem me cabe a mim defender ou atacar os fundos. Eles fazem pela sua vida.

Agora, o Sporting definiu uma estratégia. A esmagadora maioria dos Sportinguistas bateram palmas. Relembro o que se disse aqui no fórum sobre isso, até quanto à possibilidade de perder muitos jogadores. Agora não se pode querer sol na eira e a chuva no nabal. As coisas têm consequências.

Daniel Alves, Gameiro, Júlio Batista, Negredo, Kanouté, Nzonzi, Rakitic, Luís Fabiano... A lista nunca mais acaba. Jogadores que só em sonhos vestiriam a camisola do Sporting.  Claro que com o background que ele tem é natural que faça exigências e é natural que o presidente aceite e no próximo clube dele vai ser igual. O que já não acho tão normal é andar a contratar desempregados ou tipos que eram "bons" em 2009

Esta parte não é para ti: acho engraçado desvalorizarem o trabalho de um homem que chega ao Sevilha quando estava na 2ª divisão e que 17 anos depois quadruplica o nº de troféus europeus do Sporting em cento e tal anos. Foi só fundos? Foi só sorte? Ou terá havido mérito dele?

Mesmo não sendo para mim, comento isto: obviamente que não coloco o mérito em causa. É óbvio que faz o seu trabalho bem feito. Acerta mais do que falha, pelo menos da minha percepção.

E também é óbvio que nunca defendi desempregados ou pés de tijolo. Nem no tempo dos croquettes, nem na época do Leonardo Jardim, nem com o Marco Silva, nem com o Jorge Jesus.

O que eu continuo a achar é que se atira muita areia e se fala de muita coisa que não é a realidade factual do Sporting há décadas. E que se discute uma possibilidade que não se encaixa na cultura actual do Sporting. Santana Lopes, José Roquette, Dias da Cunha, Soares Franco, Eduardo Bettencourt, Godinho Lopes: tudo Presidentes que nem por um minuto duvido que aceitassem tal estrutura. Aliás, tudo tipos em que essa filosofia assenta que nem uma luva. Bruno de Carvalho não. Tal como Sousa Cintra, por exemplo.

Havendo espaço para um cargo com algumas funções, esse perfil não. É normal que tais sujeitos queiram o controlo? Claro que sim, é a forma como trabalham. Não coloco isso minimamente em causa. Se calhar até sou adepto do modelo da Juventus. Mas não acredito que o veja no Sporting nos próximos anos. E mesmo depois, com este Presidente, nunca será completamente assim.

Relembro também que o Sporting assinou recentemente uma parceria com a Traffic.

Com certeza. E se calhar até já recorreu a uma barriga de aluguer , algo que será cada vez mais usual no futebol (ou estavam à espera que o fim do TPO fosse o fim dos fundos?). Mas fê-lo segundo acordos que nunca conseguirá com uma Doyen, uma Gestifute ou seus tentáculos. Não é assim que a muita malta que é dona dessas empresas ganha. É muita gente a mamar e é gente que tem de mamar bem. Se o Mendes já é o que é, imagina a malta acima dele.

Eu só não estava a gostar da maneira como se estava a falar do melhor DD na actualidade nem das justificações que deste para, vamos supor, um eventual ingresso de Monchi no Sporting (impossível, eu sei).

Eu acho que BdC passou muitos "cheques em branco" este Verão, para o JJ. Cheques que com outro treinador muito provavelmente não passaria. Ele foi Douglas, Baladas, Ruiz, Markovic... confesso que já me esqueci de uns quantos tão inglória foi a passagem deles pelo Sporting. Porque é que isso aconteceu? Porque, tirando o Ruiz, é tudo caruncho e como tal barato. É mais fácil "passar cheques" quando o valor é 1 milhão e não 10 milhões. O outro motivo é devido ao background que o JJ tem como treinador que lhe dá direito de exigir coisas que um Marco Silva ou um Jardim (na altura) não poderiam exigir.

Porque não pode trabalhar BdC com uma pessoa deste calibre só que noutro cargo? Com certeza que o Monchi não andava ai com rédea solta quando chegou ao Sevilha, teve de fazer por merecer essa responsabilidade, agora claro, quando se tem o sucesso financeiro e desportivo que ele teve então é evidente que as regalias passam a ser outras, mal seria se assim não fosse. Eu ficava muito mais tranquilo em confiar o meu livro de cheques a alguém que percebe do assunto que a alguém que não percebe do assunto, faz parte daquele slogan: o barato sai caro

Sobre fundos, carteiras de clientes, comissões... Não sei, não me interessa e duvido imenso que os adeptos do Sevilha se preocupem muito com isso porque lá está, ajudou a trazer muito sucesso ao clube. Não te esqueças é dos boatos sobre o JJ que recebe, ou recebia, muita comissão por cada jogador que metia no benfica.

O que eu imagino no Sporting, ou o que eu quero vá, é alguém que não ande a reciclar nomes do passado, alguém que tenha a capacidade para sacar bons jogadores de mercados acessíveis. Eu não peço que contratem o próximo Daniel Alves, eu só quero que encontrem opções melhores que um italo-argentino que estava desempregado ou que um trintão Português que tinha acabado de descer de divisão na Alemanha, onde nem era sempre titular. Acho que não é pedir muito e também não é preciso um Monchi para isto. O que eu vejo actualmente é o treinador a pedir e o presidente, como é barato, a dar. Parecem 2 amigos a falar num café, não há base, não há sistema.

Essa gente é poderosa, e o sucesso dos clubes deles fala por si, porque conquistaram esse direito. Ninguém lhes deu nada.

Eu batia era palmas se fôssemos campeões agora se é com fundos, sem fundos, com emprestados, só com jogadores da Academia... Isso a mim não me interessa nada. O que referes é um dos problemas dos Sportinguistas, festejam essas coisas irrelevantes em vez de se preocuparem com o que realmente importa. Obviamente que os fundos também têm de lucrar com o negócio, o problema do Sporting foi ter um bando de idiotas como o Godinho a assinar contratos com esses mesmos fundos. Se tivesse sido o BdC o contrato do Rojo seria differente, ou então ele não seria reforço, e ter-se-ia evitado todo esse drama. Mas já agora o Rojo foi dos últimos estrangeiros que deixou um dinheirão no Sporting, teve relativamente bom rendimento desportivo e saiu para um colosso. Sinceramente não me lembro de mais nenhum caso desses, regra geral são sempre da formação. Pode ser coincidência mas pode também querer dizer muita coisa. Sabes a quem é que isso não vai acontecer? Ao Schelotto, ao Douglas, ao Zeegelaar, ao Paulista, ao Castaignos etc etc etc

Eu quero acreditar que mais que estruturas o Presidente quer é ganhar e está disposto a tudo, na medida dos possíveis obviamente, para que isso aconteça. Não entro nesse pensamento que ou é desta forma ou não é, considero-o uma pessoa adaptável e capaz de trabalhar com toda a gente desde que o Sporting saia beneficiado.

Claro que isto é um cenário utópico, nós estamos apenas a falar de futebol. O treinador, esse sim, já demonstrou que não quer, gosta, nem consegue trabalhar com uma pessoa nestas circunstâncias de que estamos a discutir.

O problema começa logo quando não é apenas falar de futebol.
O problema continua quando se quer ganhar a todo o custo (Godinhices e outros ...)
Por isso estamos como estamos. A Gerir assim !

Por isso dei o exemplo vendas 72M mais valias 42 gastos em 43M (36M+6M)
No SCP existe uma reestruturação a cumprir ou é para vender o clube ?

Dos 42M metade ia para a banca logo e agora onde repões o plantel com que scouting sem Cash?
E esqueces todas as compras falhadas do Sevilha e com que consequências ?
Ou não aguentar jogadores e vender por valores "baixos" (venda o SCP o Gelson por 35M e cai o mundo...)
E como Gerir no SCP o não Lutar pelo título por exemplo?
17 ano , vens com essa conversa quando nem 2 anos tem o treinador e carregas Carvão tds os dias.

Defendes um DD pelas vitórias e atacas um Treinador independentemente das suas.


Dá para contratar o Monchi??! :-[

Bem, já que o Monchi se foi. :menos:


Por mim tentava contratar este senhor para trabalhar connosco:



Giovanni Carnevali



O Sassuolo é uma microeconomia que faz aquisições de baixo custo bastante interessantes... apesar de esta época ter corrido bastante mal a nível de resultados, têm lá jogadores bastante interessantes...

Já para não falar que o mercado Italiano neste momento é uma mina! :mais:



E o Defrel pode vir com ele! :mais: :mrgreen:
Citar
«Não fui convidado para regressar ao Sporting» - Carlos Freitas
15:04 - 30-07-2017
A-  A  A+
Após passagens por Sporting, SC Braga, Panathinaikos e Metz, Carlos Freitas, 51 anos, é hoje diretor técnico da Fiorentina. Em entrevista a A BOLA, garante que não foi convidado para regressar a Alvalade.

Depois de experiências em Portugal, Grécia e França, como estão a correr as coisas em Itália, nomeadamente em Florença?

- Tem sido uma experiência muito enriquecedora, num campeonato diferente de todos os outros onde tive oportunidade de trabalhar, onde sobretudo a componente tática ganha uma importância diferente dos outros, onde semanalmente é possível defrontar grandes equipas, em estádios normalmente cheios. Está a ser fantástico.

Agora à distância, como analisa o trabalho que fez no Sporting?

- O Sporting, a exemplo dos outros clubes onde trabalhei, foi uma etapa importante para mim e que me permitiu estar onde estou. Estou grato ao clube, conheci ótimas pessoas. O balanço que faço hoje continua a ser positivo, tive oportunidade de trabalhar com grandes jogadores e treinadores, grandes massas associativas, onde tive oportunidade de festejar títulos, obviamente com outras pessoas, e onde houve uma passagem infeliz, que foi a última.

E acabou em tribunal. Em abril de 2016 foi conhecida a sentença e acabou por ganhar a ação e direito a uma indemnização de 210 mil euros. O assunto está resolvido?

- Sendo um assunto que está em segredo de justiça, não me vou pronunciar. Quanto à minha ação contra o Sporting, essa sim, está resolvida.

Já recebeu?

- Não… Foi julgada, houve recursos, a justiça deu-me sempre razão.

Curiosamente, voltou agora a falar-se no seu nome, como sendo uma hipótese para a direção-geral do futebol profissional, vaga que seria ocupada por Octávio Machado. Foi convidado?

- Não. Não fui convidado. Nem é assunto que para mim seja relevante. Estou contente onde estou, renovei até 2019 há menos de um mês, numa manifestação de confiança de todos, que me prolongaram o contrato. Essa é a minha realidade.

Aceitaria trabalhar com Bruno de Carvalho?

- Nunca parto de pressupostos fictícios, ou seja, nunca tive qualquer contacto com nenhum elemento desta Direção. É sabido que sou amigo do Jorge Jesus há cerca de 30 anos, é alguém que conheço muito bem, com quem tive oportunidade de ter uma relação feliz no SC Braga. Quanto ao lado profissional, a minha realidade é a Fiorentina e gosto de falar de realidades.

A Bola