Matías Fernández

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Citar
Wanderlust:
Citação de: Lion73 em Hoje, 21:27

Jogou poucas. Muito poucas.  É mais necessário na ala, onde as opções escasseiam, na minha opinião. Não como extremo típico, óbvio, mas Izmailov é um excelente transportador de jogo, mais que um organizador ou criativo. Além disso, fecha muito bem o flanco.


Claro que fecha. Os jogadores modernos defendem e atacam com a mesma qualidade. Quando se e mesmo bom em qq lugar se sobresai...

O tempo dos jogadores soltos já era. Ou se e um predestinado...ou então...


Tenta pensar em alguns médios centro de ataque por esse mundo fora. E imagina-os nas alas. Todos eles teriam o mesmo rendimento que têm na sua posição de origem? E ao contrário... extremos no meio? Consegues fazer esse exercicio? É um disparate dizer que muitos deles andariam perdidos, fora de posição? Izmailov é um caso à parte. Um animal de competição. Muda o chip conforme o que lhe pedem. Há poucos como ele, a este nível.

Agora e indo aos jogadores " soltos " que tu referes, numa clara desvalorização do Matias, que recorrentemente fazes ( não é uma critica à tua opinião, perfeitamente legítima, é uma constatação )... referes num post anterior, que Schaars tens as suas funções e que as desempenha bem. Concordo. Mas não faz o que o chileno faz, seja o holandês jogador de futebol moderno ou mesmo futurista. Não faz.

Ou faz?
Citar
Wanderlust:
Citação de: Lion73 em Hoje, 21:27

Jogou poucas. Muito poucas.  É mais necessário na ala, onde as opções escasseiam, na minha opinião. Não como extremo típico, óbvio, mas Izmailov é um excelente transportador de jogo, mais que um organizador ou criativo. Além disso, fecha muito bem o flanco.


Claro que fecha. Os jogadores modernos defendem e atacam com a mesma qualidade. Quando se e mesmo bom em qq lugar se sobresai...

O tempo dos jogadores soltos já era. Ou se e um predestinado...ou então...


Tenta pensar em alguns médios centro de ataque por esse mundo fora. E imagina-os nas alas. Todos eles teriam o mesmo rendimento que têm na sua posição de origem? E ao contrário... extremos no meio? Consegues fazer esse exercicio? É um disparate dizer que muitos deles andariam perdidos, fora de posição? Izmailov é um caso à parte. Um animal de competição. Muda o chip conforme o que lhe pedem. Há poucos como ele, a este nível.

Agora e indo aos jogadores " soltos " que tu referes, numa clara desvalorização do Matias, que recorrentemente fazes ( não é uma critica à tua opinião, perfeitamente legítima, é uma constatação )... referes num post anterior, que Schaars tens as suas funções e que as desempenha bem. Concordo. Mas não faz o que o chileno faz, seja o holandês jogador de futebol moderno ou mesmo futurista. Não faz.

Ou faz?

N escondo que n sou fan do Matias. Seria mentira dizer o contrario. E pouco intenso e n sabe jogar sem bola...algo q no futebol actual e fundamental. Tem os seus pontos fortes...e inegável...mas n sou apreciador das características do jogador olhando para os fortes e fracos do mesmo. E assim mesmo...futebol tb e jogo de opiniões.

Qto ao holandês q n sei pq e q e para aqui chamado como de resto já tinha referido...executa bem as suas funções. Sim...sabe defender e atacar.
@ Lion73,

Aqueles três golos no início da temporada, bem como o seu bom rendimento exibicional nesse período, foram salvo erro jogando no meio.

Acho, por acaso, que é aí que mais rende. É um jogador com boa visão de jogo, capacidade de passe, que sabe procurar a bola naquela zona do meio-campo ofensivo e é perigoso tendo-a aí.

Ainda assim, preferiria o Matías Fernandez. Acho que a aposta em jogadores como o Marat ou o Rodríguez faz pouco sentido. Como estabilizar minimamente um onze apostando em jogadores que só amiúde estão disponíveis?

E por isso nesta partida ia para o trio André-Stijn-Matías. Ou com o tal duplo pivot atrás do chileno (não me parece tão má ideia tendo em conta a falta de criatividade do duo), ou com um dos primeiros sozinho na primeira linha. Preferencialmente o Schaars.

Mais adiantado, o Izmailov e o Carrillo, sim. Tenho algumas dúvidas da capacidade do DC se impor neste modelo. Pedir-lhe para não insistir tanto no transporte da bola e na jogada individual, pedir-lhe para jogar por dentro e não ir á linha... duvido que se imponha.

Se passar a transportar a bola e a "partir sozinho", e em direcção á baliza - não á linha - apenas quando a situação numericamente parecer interessante (que seja provavel que o desequilíbrio possa resultar), terá grande sucesso.

Ainda assim, duvido muito que se adapte desta forma à nova forma de jogar.

@ Wanderlust,

Vamos lá a ver uma coisa: o Schaars jogou mais recuado que em outros jogos, é verdade. Como o Elias. Mas ainda assim é preciso um jogador mais criativo, mais ofensivo, mais imprevisível no meio.

O mínimo era dar-se ordens para o Elias se soltar mais. Sempre tem outra capacidade de aparecer no espaço ofensivo e entrar em rupturas. Mas isso não aconteceu.

O que aconteceu foi que, quando a equipa trocava a bola, havia muitas vezes pouco apoio á zona do Izmailov e do Carrillo (um buraco enorme entre eles que, em ataque continuado, não deveria existir).

Em relação ás comparações, o SS não é o JM. Este último é um jogador que consegue (ou conseguia) pedir a bola mais á frente, trocá-la e recebê-la á entrada da área.

Poderia, quiçá, não ter grande capacidade de remate, e sobretudo não ter grande variedade de soluções ofensivas (apesar de ter mais que o SS, um jogador só de passe e de posição, de pegar na bola atrás e metê-la num colega).

Mas ao menos ainda aparecia ali.
Gonçalo:

Quanto aos golos de inicio de época de Izma... acho que não. Estava na ala. Pelo menos frente ao Olhanense e Paços, estava, frente ao Maritimo, não tenho a certeza.

Wanderlust:

Claramente, são formas diferentes de ver o futebol. No meu entender e especialmente quando os espaços não abundam, não há ninguém no plantel que ofereça o que o chileno tem. Improviso e imprevisibilidade e capacidade de tomar boas decisões em zonas mais adiantadas no terreno, isto a partir do centro. Quanto à intensidade do jogador, discordo parcialmente. Quando tem continuidade, apresenta niveis aceitáveis, tendo em conta o jogador que é e isto mesmo sem bola.

Para mim, o defeito de Matias é mesmo a sua personalidade pouco afirmativa, que o leva, por vezes, a esconder-se. Mas de há um ano para cá melhorou muito.
Gonçalo:

Quanto aos golos de inicio de época de Izma... acho que não. Estava na ala. Pelo menos frente ao Olhanense e Paços, estava, frente ao Maritimo, não tenho a certeza.

Wanderlust:

Claramente, são formas diferentes de ver o futebol. No meu entender e especialmente quando os espaços não abundam, não há ninguém no plantel que ofereça o que o chileno tem. Improviso e imprevisibilidade e capacidade de tomar boas decisões em zonas mais adiantadas no terreno, isto a partir do centro. Quanto à intensidade do jogador, discordo parcialmente. Quando tem continuidade, apresenta niveis aceitáveis, tendo em conta o jogador que é e isto mesmo sem bola.

Para mim, o defeito de Matias é mesmo a sua personalidade pouco afirmativa, que o leva, por vezes, a esconder-se. Mas de há um ano para cá melhorou muito.

Acho que há muita gente que espera que Matias seja um defesa... o que não o é. Claramente. O que não quer dizer que não apoie a defesa, apoia sim... mas deve salvar as suas forças para os "raides" atacantes e não em tarefas defensivas. Já por isso, temos a segurança de uma dupla Rinaudo - Schaars, ou Schaars - Elias.
«O importante é ganhar. Quer se goste mais de umas coisas e menos de outras, quer se tenha uma opinião mais para a esquerda ou mais para a direita, o que realmente importa é que cada um de nós ponha sempre os interesses do Sporting Clube de Portugal acima de qualquer gosto particular, de qualquer ataque dos nossos adversários, e tão alto que nada nem ninguém nos impeça de sermos cada vez mais fortes, ganhadores e campeões».
Lion73,

Com o Olhanense, o trio de meio-campo foi Rinaudo, Schaars e André Santos. O Marat entrou aos 45 + 2 - foi a primeira substituição - para o lugar do AS. Tendo marcado nesse jogo. Entraram ainda o Rubio e o Capel pelo Jeffren e pelo Yannick.

No jogo contra o Beira-Mar, entrou aos 36 minutos para o lugar do Matías Fernandez, que estava a actuar no centro do terreno. Não me recordo como foi a sua exibição. Entraram ainda Postiga e Carriço por Yannick e Rodriguez.

Na derrota por 2-3 frente ao Marítimo, jogou com o Stijn Schaars e o André Santos no meio-campo. Na frente, Yannick, Postiga e Capel. Marcou um golo, mas não vi o jogo, não sei como jogou. Entraram Bojinov, Jeffren e RvW pelos 3 da frente.

Na revoravolta contra o Paços de Ferreira, foi o primeiro jogador a entrar em campo, aos 45 + 1, substituindo na altura o Stijn Schaars e jogando com o Rinaudo e o Elias no meio-campo. Não me recordo como jogou.

Posto isto, acho que o russo não jogou assim tão poucas vezes no centro do terreno, especialmente esta temporada. Foi só um breve apontamento: acho efectivamente que rende mais no meio, mas não conto regularmente com ele para lugar nenhum, já.

E infelizmente.
Citar
Goncalojbcorreia:

Posto isto, acho que o russo não jogou assim tão poucas vezes no centro do terreno, especialmente esta temporada. Foi só um breve apontamento: acho efectivamente que rende mais no meio, mas não conto regularmente com ele para lugar nenhum, já.

Quer no jogo com o Olhanense, quer com o Paços, jogos em que marcou, a equipa acabou em 442. Tenho até ideia que quando fez os golos, já estávamos com 2 avançados. Não me lembro se nestas 2 ocasiões, se quando entrou o fez para o meio, mas se sim, foi por pouco tempo, pelas mexidas posteriores.

Desde que chegou ao Sporting, a sua utilização tem sido quase em exclusivo, na ala. Em outro desenho táctico, menos aberto do que se pede actualmente no 433, mas mesmo aqui pode-se perfeitamente arranjar um compromisso colectivo que potencie as características de Izmailov. Não é jogador de linha, não é um extremo que cole ao PL, mas e assim o joelho ajude, pode dar à equipa aquilo que sempre deu: competência no transporte, nos apoios e nos momentos de definição e não fazia isto pelo centro do terreno.

Não digo isto porque ache que não renderia no meio. Penso é que neste sistema, o russo faz mais falta na ala.
Gonçalo:

Quanto aos golos de inicio de época de Izma... acho que não. Estava na ala. Pelo menos frente ao Olhanense e Paços, estava, frente ao Maritimo, não tenho a certeza.

Wanderlust:

Claramente, são formas diferentes de ver o futebol. No meu entender e especialmente quando os espaços não abundam, não há ninguém no plantel que ofereça o que o chileno tem. Improviso e imprevisibilidade e capacidade de tomar boas decisões em zonas mais adiantadas no terreno, isto a partir do centro. Quanto à intensidade do jogador, discordo parcialmente. Quando tem continuidade, apresenta niveis aceitáveis, tendo em conta o jogador que é e isto mesmo sem bola.

Para mim, o defeito de Matias é mesmo a sua personalidade pouco afirmativa, que o leva, por vezes, a esconder-se. Mas de há um ano para cá melhorou muito.

E como dizes...temos visões diferentes :)

Concordo que o matias tem características impares no plantel do Sporting...mas isso n faz dele titular (nem tão pouco e selo de qualidade).
O Matias sem bola tem inúmeras dificuldades... nas transições e fases defensivas do jogo. Apesar da muita correria, fa-lo invariavelmente mal.  A personalidade pouco afirmativa, como tu o afirmas, já tinha sido detectada nas camadas jovens da selecção chilena...
Hoje o jogo tem uma componente mental fortíssima...e só os mais capazes e que triunfam...

Posto isto, espero que jogue bem e contribua para uma grande noite de bola!

Abraco
Exibição tristonha. Hoje merecia um puxão de orelhas, dos piores jogos desde há muito tempo e a equipa precisava do " outro "Matias.  Um golo para compor as coisas, mas a não repetir.
"O Mundo sabe que, pelo teu amor, eu sou doente..."
Finalmente um golo de Livre  :dance:
In • Hoc • Signo • Vinces

Total de utilizadores ignorados: 23
Exibição tristonha. Hoje merecia um puxão de orelhas, dos piores jogos desde há muito tempo e a equipa precisava do " outro "Matias.  Um golo para compor as coisas, mas a não repetir.

1 golo de livre directo ;)

« Última modificação: Fevereiro 23, 2012, 22:20 pm por Leão de Eiras »
Sporting até morrer! Obrigada por me teres dado uma das maiores alegrias da minha vida, Campeão 1999/2000.
Não jogou muito mas marcou o seu golo mais importante com a camisola do Sporting.
E também está ligado ao primeiro golo na Polónia.
:clap:  :clap: :clap:
Citar
Wanderlust:
Citação de: Lion73 em Hoje, 21:54

Exibição tristonha. Hoje merecia um puxão de orelhas, dos piores jogos desde há muito tempo e a equipa precisava do " outro "Matias.  Um golo para compor as coisas, mas a não repetir.


1 golo de livre directo ;)


:mrgreen:

Não vou contabilizá-lo como tal... ;)
Não jogou muito mas marcou o seu golo mais importante com a camisola do Sporting.
E também está ligado ao primeiro golo na Polónia.
:clap:  :clap: :clap:

 :naughty:
um golo de livre!? pasme-se... não estamos habituados
Não jogou muito mas marcou o seu golo mais importante com a camisola do Sporting.
E também está ligado ao primeiro golo na Polónia.
:clap:  :clap: :clap:

 :naughty:

Qual foi então?
Tal como a equipa, recua em demasia. Tem que andar por terrenos mais avançados e não descer tanto. Jogo esforçado e teve bem no livre que originou o golo.
“We have to be compact, close together tactically, and if you are close then you have options to play with. You don't always have to try the most risky ball if you are compact. You have to run, to fight, until the moment, and then ... bang, you take it.”

Jurgen Klopp