Política Nacional

VerdyBranco e 1 Visitante estão a ver este tópico.

   Recomendo o programa Combate de Blogs que passou este Sábado à noite na TVI24. Nem sempre tem conteúdo, hoje teve bastante. Especialmente na sátira ao Cavaco.

   UM ABRAÇO AOS ESTUDANTES DA ANTÓNIO ARROIO, EXPUSERAM A NU A VERGONHA DO SISTEMA CORRUPTO INSTITUÍDO, E NÃO FOI A PRIMEIRA NEM PROVAVELMENTE SERÁ A ÚLTIMA VEZ. EU SEI DO QUE ESTOU A FALAR!
Obrigado pela tua resposta pronta.

Esse artigo ilustra o que está mal com as Zonas Francas e não o contrario.

Quem quer ter as tais Zonas Francas na sua cidade é uma espécie de NIMBY ao contrario, porque está a ser uma espécie de fura-greves, está a querer "cortar" as taxas e impostos que os outros países aplicam as empresas. Se tu achas que a Pepsi Cola e Arcelor Mittal precisam de pagar menos impostos, não sei como ainda te queixas que o estado social é insustentável.

Queres trabalhar de borla, queres que o patrão não pague impostos e ainda queres que o façam no teu quintal? Tu e os teus lucram, mais precisamente, o quê? De que maneira é que essas medidas iriam ajudar a tua comunidade, explica lá, se faz favor e quando tenhas disponibilidade.


Se não foste tu que referiste o IRC, as minhas desculpas, devo ter sido eu quem fez confusão.

Quanto a propaganda do BES, desculpa mas não tenho tempo para isso. Nao te esqueças que a actual situação em que vivemos é culpa dos banqueiros, que diga-se de passagem, sao aqueles que menos sofrem e mais lucram com tudo isto.
Portanto em nada me admira que o Ex Sr do BES esteja 100% a favor de Zonas Francas governadas por políticos a quem possa pressionar, pagar ou mandar passear.

Pedir a opinião de um banqueiro em matéria de impostos seria o mesmo que perguntar a um esclavagista a sua opinião sobre subsídios de ferias.

:beer:

A Região Autónoma da Madeira é uma região ultraperiférica. Praticamente tudo o que consumimos importamos, não possuímos matéria-prima para sermos auto-sustentáveis. Como outra qualquer região precisamos de gerar recursos e como o vamos fazer sem a matéria-prima?
Por duas vias: o Turismo e a Zona Franca. O nosso principal ênfase é o Turismo, apostamos fortemente em marketing, temos cartazes fortes o ano inteiro para podermos ser competitivos nesta área. Somos a 2ª região em Portugal onde há mais oferta de camas.
 A 2ª via, a Zona Franca. É verdade que são autênticas lavandarias de dinheiro, que são usadas para "fugir" aos impostos. Coloquei entre aspas porque apenas há uma diminuição dos impostos pagos. Porque é positivo para nós? Deixa cá uma verba importante em impostos, deu-nos condições para explorar uma zona industrial, porque onde está sediada a zona franca há industrias a trabalhar, que empregam pessoas e tenho pena que isso não seja revelado na comunicação social. Esse senhores só sublinham os escritório com um e dois funcionários. Não acho justo a UE terminar com esta zona franca e deixar outras quantas em território europeu a funcionar. Devem é criar mecanismos para que não hajam tantas "fugas de impostos", regras mais claras. É completamente descabido dizer que foi criado uma zona franca para empresários madeirenses se escaparem dos seus impostos, completamente falso. Se tu puderes, como qualquer outra pessoa, pagar menos impostos, não o vais fazer?
 Terminando a zona franca da Madeira, vai-nos criar imensos problemas porque vamos ver o nosso produto per capita (PIB) a diminuir drasticamente e com isso, vão nos remetes para uma crise sem precedentes e para um nível alto de pobreza. E não me parece que queiras, tu e os restantes continentais, que as verbas que o Estado transfere para cá aumentem.

 Espero que agora estejas esclarecido! Mas ofereço-me novamente para mais esclarecimentos :)
“We have to be compact, close together tactically, and if you are close then you have options to play with. You don't always have to try the most risky ball if you are compact. You have to run, to fight, until the moment, and then ... bang, you take it.”

Jurgen Klopp
Se tu puderes, como qualquer outra pessoa, pagar menos impostos, não o vais fazer?

Não necessariamente.

Se te disserem que o teu filho não pode ter um infantário público porque não há dinheiro, que não podes ter uma carreira de autocarro da tua localidade até à cidade onde trabalhas porque não há dinheiro ou que o hospital não pode disponibilizar-te o tratamento X para a tua doença porque não há orçamento para isso, então se calhar pensas duas vezes.

O dinheiro dos impostos serve para isso, as pessoas é que esquecem e pensam que ele nasce da terra ou cai do céu, e é claro que a zona franca da madeira é um mecanismo que empobrece o estado e diminui o seu potencial de investimento na saúde, educação, transportes, etc.

As pessoas querem pagar menos impostos, mas não a qualquer preço.
eu gostei muito mais de pagar 50% de impostos na Alemanha do que 1/3 em Portugal. Porque na Alemanha o que eu pagava dava-me direito a muitas coisas, e aqui dá-me direito a que se riam de mim, o idiota que trabalha por conta de outrém e paga impostos.


O problema é que a alteração da SS é discutida de forma populista em Portugal, logo chovendo termos como neoliberalismo, vender a Segurança Social aos privados, etc, isto tudo enquanto a reforma das gerações vindouras vai sendo sacrificada.

A Segurança Social pode até permanecer inalterada, mas isso significará reduzir consideravelmente o valor das pensões, algo que os populistas do BE e do PCP estão preparados para aceitar, desde que nada do privado (como actualmente existe em alguns dos países mais avançados do mundo) se intrometa.

Menos jovens, mais velhos, aritmética básica para se concluir que a Segurança Social, perante a actual demografia, é um esquema destinado a perecer.

Engraçado como alguém com a tatuagem "England Forever" acusa os outros de serem populistas.

Tenho a certeza que um debate como aquele que o Paracelsus diz ter havido na Suécia não foi populista de certeza mas a ti, embriagado pela imaginaria pujança do sector privado, a tua cura milagrosa para todos os nossos males, pretendes convencer-nos de que esse é um "esquema destinado a perecer"...

Em que bases pretendes tu organizar a Segurança Social? Na base do lucro de companhias privadas, suponho.

 
Em Inglaterra também andam a despedir do sector publico, convencidos que o sector privado ia ser capaz de absorver os recém desempregados. Como se viu, foi mais um mito que caiu por terra, já que o desemprego está mais alto que nunca.

Que tens tu a ver com a tatuagem? Para um anarquista, tens tiques de controlador. Não tens absolutamente nada que ver com ela, pensa é em olhares para a tua própria pessoa.

Embrigado pela imaginária pujança do sector privado?

Não, nada embriagado, muito sóbrio sobre este importante assunto, agora mais do que nunca. És um tipo muito fraco em debates, já agora, porque a tua tendência de simplificar os argumentos dos outros aparvalhando-os é um vício teu. Alguma vez eu disse que a absorção de trabalhadores pelo sector privado aconteceria imediatamente após as suas saídas do sector público? E as necessárias reformas? Ou pensas que o sector público é o único a sofrer com a crise de crédito? Quem pensas que tem engordado as fileiras do desemprego em Portugal? O sector público? Tem juízo.

Mas quem é que financia o sector público?

Embriagado estás tu mais a tua ideologia arcaica e os teus maneirismos nojentos como debates determinados assuntos, acabando sempre por teceres considerações pessoais. Tens 40 e tal anos e julgas estar no direito de comentar as tatuagens de outras pessoas? Pensas que és quem? Comporta-te de acordo com a tua idade.

Queres falar de "pujança do sector privado"? Então considera estes dados:

http://blasfemias.net/2012/02/09/bons-exemplos/

Nao.

O trabalho e uma troca entre ti e a tua empresa. Tu trabalhas ela paga-te. Se tu nao trabalhares ela nao te paga. Portanto jamais em tempo algum irei trabalhar de borla para nenhuma empresa.

No entanto participo em algumas organizaçoes sem fins lucrativos, e dou o tempo que tenho disponivel gratuitamente. Porque ninguem esta a ganhar dinheiro com o meu trabalho.

Cada qual sabe que género de patrão tem. Se há uns que merecem que trabalhemos mais umas horas, recebendo o mesmo por isso, já outros não merecem que trabalhemos mais um minuto. Está na consciência de cada um. Por isso é que disse que há bons patrões que valorizam, como também há outros que exploram. Aos que exploram, podemos sempre participar, reinvidicar os nossos direitos.
 Agora se acho que uma greve geral vá resolver o quer que seja, não acho. E como eu, pensam outras organizações sindicais que não apoiam a greve geral da CGTP - que foi marcada para o seu novo secretário-geral mostre trabalho.
 Fazes tu muito bem em dar um contributo ao lado social da sociedade, eu faço o mesmo.

Nao tem apenas haver com o patrao. Alias na maioria das empresas as pessoas que la trabalham nem fazem ideia quem e o patrao, nunca o viram.
[...]

Não posso concordar. E não posso concordar porque não é verdade.

Segundo dados do IAPMEI, o número médio de trabalhadores por empresa é 10. É impossível que a maioria destas empresas não tenha um gestor (fundador da empresa ou detentor da maioria do seu capital) quase sempre presente, ou então cuja presença aconteça para que as actividades se desenvolvam. E com 10 trabalhadores é quase impossível, exceptuando algumas áreas de negócio, esta estar de tal forma departamentalizada que o seu mais importante elemento não seja visto pelos restantes colaboradores.

De acordo com a mesma organização, 96% das empresas são micro e pequenas empresas, portanto menos de 10 colaboradores. É impossível que os colaboradores nunca ponham os olhos no gestor.

Nova greve geral marcada pela CGTP para dia 22 de Março.

Quando será que marcaram um dia de trabalho geral?  :wall:

Vai ser tudo menos Greve Geral.

Vai ser uma Greve da CGTP e do seu chefe, o PCP, e da parte do sector público que lhe está afecto.

A adesão do privado será ínfima.

É que nem todos estão protegidos pelo dinheiro do contribuinte.
Se tu puderes, como qualquer outra pessoa, pagar menos impostos, não o vais fazer?

Não necessariamente.

Se te disserem que o teu filho não pode ter um infantário público porque não há dinheiro, que não podes ter uma carreira de autocarro da tua localidade até à cidade onde trabalhas porque não há dinheiro ou que o hospital não pode disponibilizar-te o tratamento X para a tua doença porque não há orçamento para isso, então se calhar pensas duas vezes.

O dinheiro dos impostos serve para isso, as pessoas é que esquecem e pensam que ele nasce da terra ou cai do céu, e é claro que a zona franca da madeira é um mecanismo que empobrece o estado e diminui o seu potencial de investimento na saúde, educação, transportes, etc.

As pessoas querem pagar menos impostos, mas não a qualquer preço.

Tu pensas assim, quem foge aos impostos não pensa assim! Infelizmente os impostos, em Portugal, não são aplicados dessa forma mas deviam!
 É preciso compreender que aqueles que deixam de estar na Zona Franca da Madeira, passam a estar noutras zonas francas! O que ainda torna as coisas piores! Não é preferível manter a Zona Franca e com isso manter cá alguns milhões, ou acabar com a Zona Franca e levar esses milhões para outro sítio e contribuir para o empobrecimento de uma região?
 O Norte da Europa, o cidadão desconta imenso mas, no entanto, o estado dá outro tipo de protecção.Em Portugal aumentam-se os impostos mas o nível de protecção mantêm-se o mesmo, até decrescendo em muitas área até.
“We have to be compact, close together tactically, and if you are close then you have options to play with. You don't always have to try the most risky ball if you are compact. You have to run, to fight, until the moment, and then ... bang, you take it.”

Jurgen Klopp
O problema dos impostos é que são um absurdo para o que se ganha. Mesmo com fugas as pequenas empresas têm dificuldade em ter receita líquida. Não se devia ter os mesmos padrões para uma micro e grande empresa.
Se tu puderes, como qualquer outra pessoa, pagar menos impostos, não o vais fazer?

Não necessariamente.


As pessoas querem pagar menos impostos, mas não a qualquer preço.

 :arrow:

eu gostei muito mais de pagar 50% de impostos na Alemanha do que 1/3 em Portugal. Porque na Alemanha o que eu pagava dava-me direito a muitas coisas, e aqui dá-me direito a que se riam de mim, o idiota que trabalha por conta de outrém e paga impostos.


 :arrow:

Tambem prefiro mais pagar impostos mais altos em Inglaterra e pelas mesmas razoes que referes acerca da Alemanha (onde também vivi e trabalhei).

É mesmo para que não se riam de quem trabalha que as Zonas Francas não deviam ser permitidas.
O esclarecimento que o Chown nao encontra é o facto de que as Zonas Francas nao beneficiam em nada os trabalhadores dos vários países, servindo apenas para que empresas já de si abastadas consigam amealhar ainda mais lucros, enquanto que os trabalhadores esses, são cada vez mais dispensáveis. Se as empresas estivessem obrigadas a pagar impostos onde vendem e produzem os seus produtos, já não havia necessidade para legisladores madeirenses, armados em chico-espertos, virem passar leis que permitem tirar lucros sobre actividades em que não são perdidos nem achados.

Só mesmo aqueles que apoiam as medidas neoliberais é que podem concordar com tal falta de honestidade.

Se a Madeira não é auto-suficiente em matéria de comida e outras amenidades básicas, aconselho sem uma ponta de ironia, para irem aprender com os cubanos. Esses sim que são auto-suficientes, devido ao embargo económico imposto pelos EUA e ao desmoronar do aparelho Soviético (que deixou de fornecer petróleo), obrigando Cuba a reaprender a produzir comida sem acesso a petróleo. Aliás Cuba é neste momento uma espécie de case-study de como nos podemos adaptar ao peak-oil, já que foi por isso mesmo que os cubanos passaram no inicio da década de 90

Demorou cerca de dois anos mas conseguiram, e dizem produzir mais comida agora do que com as técnicas supostamente modernas.

Ou seja, a culpa de os madeirenses nao terem que chegue para viver nao é dos cidadãos e trabalhadores de outros países, já que sao esses quem acaba por perder muito dinheiro, de onde apenas uma pequena parte irá realmente ser usada em proveito dos madeirenses, o resto irá terminar em outro offshore qualquer...

Nao me parece que isto seja um sistema viável.

É ou não verdade que 99% dos casos de corrupção, fugas ao fisco e lavagem de dinheiro, são efectuados com a conivência das leis e entidades bancarias dessas mesmas Zonas Francas e offshores??

Parece-me que nao há duvidas de que assim seja.

Mesmo a desculpa de que, se nao autorizarmos nós uma Zona Franca ou offshore, outro o fará, porque quando passamos por alguém na rua não lhe roubamos a carteira com a desculpa de que se não o fizermos outro o fará.


Só agora é que li a tua assinatura. Agora compreendo as tuas posições e dares Cuba como exemplo.
“We have to be compact, close together tactically, and if you are close then you have options to play with. You don't always have to try the most risky ball if you are compact. You have to run, to fight, until the moment, and then ... bang, you take it.”

Jurgen Klopp


O problema é que a alteração da SS é discutida de forma populista em Portugal, logo chovendo termos como neoliberalismo, vender a Segurança Social aos privados, etc, isto tudo enquanto a reforma das gerações vindouras vai sendo sacrificada.

A Segurança Social pode até permanecer inalterada, mas isso significará reduzir consideravelmente o valor das pensões, algo que os populistas do BE e do PCP estão preparados para aceitar, desde que nada do privado (como actualmente existe em alguns dos países mais avançados do mundo) se intrometa.

Menos jovens, mais velhos, aritmética básica para se concluir que a Segurança Social, perante a actual demografia, é um esquema destinado a perecer.

Engraçado como alguém com a tatuagem "England Forever" acusa os outros de serem populistas.

Tenho a certeza que um debate como aquele que o Paracelsus diz ter havido na Suécia não foi populista de certeza mas a ti, embriagado pela imaginaria pujança do sector privado, a tua cura milagrosa para todos os nossos males, pretendes convencer-nos de que esse é um "esquema destinado a perecer"...

Em que bases pretendes tu organizar a Segurança Social? Na base do lucro de companhias privadas, suponho.

 
Em Inglaterra também andam a despedir do sector publico, convencidos que o sector privado ia ser capaz de absorver os recém desempregados. Como se viu, foi mais um mito que caiu por terra, já que o desemprego está mais alto que nunca.

Que tens tu a ver com a tatuagem? Para um anarquista, tens tiques de controlador. Não tens absolutamente nada que ver com ela, pensa é em olhares para a tua própria pessoa.


Nao estou a controlar nada. Limito-me apontar uma incoerência no teu pensar (fizeste exactamente o mesmo quando me chamas-te anarquista e controlador), visto que não há nada mais populista que slogans baratos de tiques pseudo patrióticos.


Embrigado pela imaginária pujança do sector privado?

Não, nada embriagado, muito sóbrio sobre este importante assunto, agora mais do que nunca. És um tipo muito fraco em debates, já agora, porque a tua tendência de simplificar os argumentos dos outros aparvalhando-os é um vício teu. Alguma vez eu disse que a absorção de trabalhadores pelo sector privado aconteceria imediatamente após as suas saídas do sector público? E as necessárias reformas? Ou pensas que o sector público é o único a sofrer com a crise de crédito? Quem pensas que tem engordado as fileiras do desemprego em Portugal? O sector público? Tem juízo.

Eu ser fraco ou forte em debates não passa de uma opinião tua, nem sequer simplifiquei nenhuns argumentos porque, como se pode ver, até agora não deste mais do que opiniões, algo muito distinto de argumento, até porque opiniões não são certas nem erradas, são opiniões.

Tu chamas-lhe aparvalhar e simplificar argumentos, eu chamo iluminar as contradições e desarmar as razoes para revelar as agendas pessoais que levam a muitas das posições com as quais discordo.

Mas quem é que financia o sector público?

Embriagado estás tu mais a tua ideologia arcaica e os teus maneirismos nojentos como debates determinados assuntos, acabando sempre por teceres considerações pessoais. Tens 40 e tal anos e julgas estar no direito de comentar as tatuagens de outras pessoas? Pensas que és quem? Comporta-te de acordo com a tua idade.

Tenho 40 e tal anos e provavelmente mais tatuagens que tu. Mais não digo que já vi que estás a precisar de tomar uma chávena de chá, de preferência camomila, para ver se acalmas um bocadinho.

Eu sei que é aborrecido e complicado ter as nossas incoerências expostas em publico mas começar a fazer "considerações pessoais" acerca da minha idade ou juízo, enquanto que te queixas de eu fazer "considerações pessoais" não vai ajudar o teu caso.

Nem percebo de que te queixas acerca de "considerações pessoais", bem vistas as coisas não fui eu que declarei ser de esta e daquela família muito rica, nem que trabalho num banco, estudo na LSE e conduzo um carro muito caro.

Espero que compreendas que não podes guardar o bolo e comer-lo ao mesmo tempo.


Queres falar de "pujança do sector privado"? Então considera estes dados:

http://blasfemias.net/2012/02/09/bons-exemplos/


O sector privado é mais do que as exportações, não é?

Já agora, tu que és economista, talvez possas explicar porque razão temos um sector privado tão pujante mas uma taxa de desemprego altíssima?

Parece-me que há aqui algo que não bate certo...Havendo também que considerar o seguinte ponto

Citar
A causa fulcral dos problemas das dívidas na zona euro deve ser encontrada na acumulação insustentável de dívida dos sectores privados em muitos países do euro. Entre 1999 e 2008, quando a crise financeira estalou, os proprietários de casas na zona euro aumentaram os seus níveis de dívida de cerca de 50% do PIB para 70%. A explosão da dívida dos bancos na zona euro foi ainda mais espectacular e atingia uma percentagem superior a 250% do PIB em 2008. Surpreendentemente, o único sector que não teve um aumento do nível da dívida durante esse período foi o público que viu mesmo a sua dívida cair de 72 para 68% do PIB. A Irlanda e a Espanha, dois dos países com os problemas mais graves de dívida soberana, hoje em dia, passaram pelos mais fortes declínios dos rácios do défice anteriores à crise. Pelo contrário, estes foram os países onde a acumulação de dívida do sector privado foi mais forte.

Depois do crash de 2008, a acumulação de dívida privada na zona euro despoletou as dinâmicas deflacionárias que bem conhecemos, forçando os governos dos países da moeda única a permitir que os seus défices aumentassem. Isto foi conseguido através de dois canais. O primeiro consistiu nos governos assumirem a dívida dos privados (principalmente dívida da banca). O segundo operava através dos estabilizadores automáticos postos em ação pela diminuição das receitas governamentais induzida pela recessão. Em resultado disto, as percentagens de dívida do Estado em relação ao PIB começaram a crescer muito depressa depois da erupção da crise financeira. Desta forma, pode dizer-se que este aumento do défice foi necessário para salvar largos segmentos do sector privado.

Este aumento dos níveis de dívida do Estado tem seguramente pouco a ver com o esbanjamento de dinheiro por parte do governo que a imposição de regras severas de equilíbrio orçamental deveria travar. A Espanha e a Irlanda, na verdade, fizeram mais do que equilibrar os seus orçamentos: acumularam superavits. Ainda assim, isto não evitou que os países fossem avassalados por uma crise da dívida soberana. Portanto, ainda que os países adoptem regras de equilíbrio orçamental, continuarão a ocorrer, no futuro, crises das dívidas dos Estados.

Artigo publicado aqui




Provavelmente percebes melhor do que eu aquilo que está escrito nesse texto, portanto não entendo o que te leva sempre a querer ser o arauto e defensor dos vários componentes do sector privado.
@yazalde prepara-te, estão prestes a chamar-te.... comunista muahaha (riso maléfico) :twisted:

podia ser pior, podia ter na assinatura o nome de um banco e depois defender que é perfeitamente normal um banco ser tributado apenas 4%  :whistle:

The past is now part of my future,the present is well out of hand Ian Curtis, Heart and Soul
Chama-lo-ia de anti-capitalista e daí dar Cuba como exemplo. :)
“We have to be compact, close together tactically, and if you are close then you have options to play with. You don't always have to try the most risky ball if you are compact. You have to run, to fight, until the moment, and then ... bang, you take it.”

Jurgen Klopp
Só agora é que li a tua assinatura. Agora compreendo as tuas posições e dares Cuba como exemplo.

Conheces mais alguma ilha que seja auto-suficiente no que diz respeito a comida? Nao me recordo de ter usado Cuba como exemplo de nada mais que este aspecto e o facto de terem mais médicos per capita que os países ocidentais.

Parece-me é que tu não tens consciência do que se passa em Cuba, embora seja natural, já que vives na Madeira e estás sujeito e rodeado por um pensar retrogrado e condenado i.e. neoliberalismo ditatorial do AJJ

Cuba até está a implementar reformas necessárias e que até podem ser chamadas de capitalistas. Agora os cubanos já pagam impostos, já podem vender e comprar carros e já podem ter negócios privados.

Tudo isto são medidas com as quais concordo, pois servem para que a população consiga superar o embargo económico dos EUA e melhorar assim o seu nível de vida.

Nao sou dogmático nem pretendo impor o meu ponto de vista a ninguém, aliás esse é um ponto fulcral na filosofia anarquista, onde todo tipo de associação e instituição deve ser voluntaria e não compulsiva e democratica. Quanto a mim não há melhor fim atingir que este. 
Não têm é liberdade de expressão, por exemplo. Só agora com o irmão do Fidel Castro, o Raul é que tem havido algumas mudanças em termos de liberdade, a de expressão mantêm-se igual. Para puderes te expressar, tens que sair do país.
 Que dizer de imensos atletas que aproveitam as competições fora do país para se asilarem? Provavelmente porque Cuba não é o melhor país para viverem. Em saúde são dos melhores, mas infelizmente vivem em míseras condições!
“We have to be compact, close together tactically, and if you are close then you have options to play with. You don't always have to try the most risky ball if you are compact. You have to run, to fight, until the moment, and then ... bang, you take it.”

Jurgen Klopp
@yazalde prepara-te, estão prestes a chamar-te.... comunista muahaha (riso maléfico) :twisted:

podia ser pior, podia ter na assinatura o nome de um banco e depois defender que é perfeitamente normal um banco ser tributado apenas 4%  :whistle:

É para ajudar na pujança do sector privado...Bem vistas as coisas deve ajudar imenso a economia real que um banco só pague 4% de imposto. Até porque todos imaginamos para onde vai a diferença que pouparam ao pagar apenas 4%. Provavelmente vai parar a algum offshore das Caraíbas e bem vistas as coisas os banqueiros ocidentais que abusam desses paraísos fiscais (e não só), devem sofrer muito e ter uma vidinha cheia da trabalho, ganhando muito pouco, como aliás se pode confirmar no caso de um dos maiores doadores do partido do Daniel por default, os conservadores britânicos e o Exmo Lord Ashcroft e as Turks and Caicos Islands.


Quando ao chamarem comunista, estão 100% correctos mas apenas se adicionarem a palavra libertário a frase.  ;)
Se tu puderes, como qualquer outra pessoa, pagar menos impostos, não o vais fazer?

Não necessariamente.

Se te disserem que o teu filho não pode ter um infantário público porque não há dinheiro, que não podes ter uma carreira de autocarro da tua localidade até à cidade onde trabalhas porque não há dinheiro ou que o hospital não pode disponibilizar-te o tratamento X para a tua doença porque não há orçamento para isso, então se calhar pensas duas vezes.

O dinheiro dos impostos serve para isso, as pessoas é que esquecem e pensam que ele nasce da terra ou cai do céu, e é claro que a zona franca da madeira é um mecanismo que empobrece o estado e diminui o seu potencial de investimento na saúde, educação, transportes, etc.

As pessoas querem pagar menos impostos, mas não a qualquer preço.

Tu pensas assim, quem foge aos impostos não pensa assim! Infelizmente os impostos, em Portugal, não são aplicados dessa forma mas deviam!
 É preciso compreender que aqueles que deixam de estar na Zona Franca da Madeira, passam a estar noutras zonas francas! O que ainda torna as coisas piores! Não é preferível manter a Zona Franca e com isso manter cá alguns milhões, ou acabar com a Zona Franca e levar esses milhões para outro sítio e contribuir para o empobrecimento de uma região?
 O Norte da Europa, o cidadão desconta imenso mas, no entanto, o estado dá outro tipo de protecção.Em Portugal aumentam-se os impostos mas o nível de protecção mantêm-se o mesmo, até decrescendo em muitas área até.

Em Portugal os impostos também são aplicados assim... ou achas que o dinheiro para os professores, médicos, enfermeiros, funcionários da limpeza, etc, vem de onde? É claro que além disto existem outras áreas de aplicação, muitas delas de má aplicação e aqui reside o problema.

Agora explica-me qual a legitimidade de um empresário que usa a zona franca para meter o seu filho numa escola pública, de usar o autocarro de uma empresa pública ou de recorrer à urgência de um hospital público? Onde é que ela está? Onde está o cumprimento do dever cívico bem como a noção de solidariedade dessa pessoa?

E não é por eliminares uma zona franca que o dinheiro desaparece para outra zona franca. O factor decisivo é a aplicação do dinheiro pelo estado e a transparência com que o aplica. Se as pessoas perceberem onde é que o dinheiro está a ser aplicado então não é assim tão líquido que vão a correr para outra off-shore. A generalidade das pessoas querem é qualidade de vida, se o estado não lhes providencia isso (ou não se esforça para tal) logicamente que arranjam esquemas para manter o seu dinheiro, já que é o único instrumento que se pode substituir ao estado na demanda pela qualidade que almejam.
Não têm é liberdade de expressão, por exemplo. Só agora com o irmão do Fidel Castro, o Raul é que tem havido algumas mudanças em termos de liberdade, a de expressão mantêm-se igual. Para puderes te expressar, tens que sair do país.
 Que dizer de imensos atletas que aproveitam as competições fora do país para se asilarem? Provavelmente porque Cuba não é o melhor país para viverem. Em saúde são dos melhores, mas infelizmente vivem em míseras condições!

Que atletas sao esses? Conheces algum?

Nao confundas "direito de expressao" com propaganda da CIA. É sempre conviniente esquecer que os cubanos vivem cercados pela maior potencia mundial, e nao podem negociar livremente com outros paises e empresas. Sabias que se a tua companhia de transportes for desembarcar mercadoria a Cuba, é imediatamente banida de fazer negocios com os EUA e muitos dos seus estados-clientes.

E dizer que não há liberdade de expressão é mentira, lembra-te que em Cuba tinham as "mães de branco" (ou lá como se chamava a meia dúzia que recebia dinheiro da CIA - podes ver no youtube o documentário onde a "mãe e dirigente principal" o admite) a manifestarem-se livremente e quantas vezes lhes desse na real gana e que eu saiba nenhuma foi torturada.

Os EUA, esses sim que torturam pessoas legalmente através de waterboarding, e não só. A "liberdade de expressão" também é cada vez menor, como provam as novas leis SOPA e pior ainda o Patriot act e mais recentemente o assutador NDAA act (assinado a 31 de Dezembro, 2011, por Obama), onde a partir de agora é legal prender qualquer cidadão americano ou estrangeiro (ou seja tu ou eu), sem direito a julgamento, sem acusação formal, sem direito advogado ou telefonema para casa e mais assustador ainda, sem terem que avisar ninguém que tu estás preso. Bastando para isso que o estado declare que estás "ligado aos beligerantes"...

Desculpa que te diga mas metes-te o pé na argola com essa da "liberdade de expressão"  ;D
« Última modificação: Fevereiro 19, 2012, 20:01 pm por Yazalde70 »
Em Portugal os impostos também são aplicados assim... ou achas que o dinheiro para os professores, médicos, enfermeiros, funcionários da limpeza, etc, vem de onde? É claro que além disto existem outras áreas de aplicação, muitas delas de má aplicação e aqui reside o problema.

Agora explica-me qual a legitimidade de um empresário que usa a zona franca para meter o seu filho numa escola pública, de usar o autocarro de uma empresa pública ou de recorrer à urgência de um hospital público? Onde é que ela está? Onde está o cumprimento do dever cívico bem como a noção de solidariedade dessa pessoa?

E não é por eliminares uma zona franca que o dinheiro desaparece para outra zona franca. O factor decisivo é a aplicação do dinheiro pelo estado e a transparência com que o aplica. Se as pessoas perceberem onde é que o dinheiro está a ser aplicado então não é assim tão líquido que vão a correr para outra off-shore. A generalidade das pessoas querem é qualidade de vida, se o estado não lhes providencia isso (ou não se esforça para tal) logicamente que arranjam esquemas para manter o seu dinheiro, já que é o único instrumento que se pode substituir ao estado na demanda pela qualidade que almejam.
O empresário que tem empresas na Zona Franca paga outro género de impostos, como simples cidadão por exemplo. Só se não ganha ordenado, caso contrário, desconta para o IRS. Estamos a falar de IRC e tu confundes com o IRC. São coisas distintas, o cidadão e o empresário, neste caso. Deixa-me recordar-te que o próprio estado tem empresas na Zona Franca, ou tinha, a CGD saiu de lá e foi para outro País. Eu defendo regras mais claras e mais controlo na Zona Franca, sempre o defendi, como também defendo que a Zona Franca tem que se manter cá. O Estado fica mais a ganhar com a Zona Franca cá do que propriamente a perder.
“We have to be compact, close together tactically, and if you are close then you have options to play with. You don't always have to try the most risky ball if you are compact. You have to run, to fight, until the moment, and then ... bang, you take it.”

Jurgen Klopp
Que atletas sao esses? Conheces algum?

Nao confundas "direito de expressao" com propaganda da CIA. É sempre conviniente esquecer que os cubanos vivem cercados pela maior potencia mundial, e nao podem negociar livremente com outros paises e empresas. Sabias que se a tua companhia de transportes for desembarcar mercadoria a Cuba, é imediatamente banida de fazer negocios com os EUA e muitos dos seus estados-clientes.

E dizer que não há liberdade de expressão é mentira, lembra-te que em Cuba tinham as "mães de branco" (ou lá como se chamava a meia dúzia que recebia dinheiro da CIA - podes ver no youtube o documentário onde a "mãe e dirigente principal" o admite) a manifestarem-se livremente e quantas vezes lhes desse na real gana e que eu saiba nenhuma foi torturada.

Os EUA, esses sim que torturam pessoas legalmente através de waterboarding, e não só. A "liberdade de expressão" também é cada vez menor, como provam as novas leis SOPA e pior ainda o Patriot act e mais recentemente o assutador NDAA act (assinado a 31 de Dezembro, 2011, por Obama), onde a partir de agora é legal prender qualquer cidadão americano ou estrangeiro (ou seja tu ou eu), sem direito a julgamento, sem acusação formal, sem direito advogado ou telefonema para casa e mais assustador ainda, sem terem que avisar ninguém que tu estás preso. Bastando para isso que o estado declare que estás "ligado aos beligerantes"...

Desculpa que te diga mas metes-te o pé na argola com essa da "liberdade de expressão"  ;D
Vou-te dar a conhecer alguns atletas, como sou boa pessoa: Yisel Rodriguez, de 22 anos, e Yezenia Gallardo, de 20 anos; os pugilistas Erislandy Lara de 26 anos e Guillermo Rigondeaux de 24 anos; o maratonista Aguelmis Rojas e seu técnico Rafael Díaz; Pronto, já te indiquei seis atletas!

"A liberdade de expressão e o direito de ir e vir continuam submetidas a graves restrições em Cuba, segundo o relatório anual da AI (Anistia Internacional)" 2007.
"Anistia Internacional – O governo cubano deve reformar um sistema arbitrário de concessão de vistos de saída que afeta todos os cubanos e que é utilizado para punir a liberdade de expressão, declarou hoje a Anistia Internacional depois que uma destacada blogueira foi novamente impedida de viajar ao exterior." 2012.

Como podes ver, não meti o pé na argola mas, novamente, eu afirmo: compreendo a tua posição porque já li a tua assinatura! lol

“We have to be compact, close together tactically, and if you are close then you have options to play with. You don't always have to try the most risky ball if you are compact. You have to run, to fight, until the moment, and then ... bang, you take it.”

Jurgen Klopp
E eu a pensar que tínhamos médicos cubanos em Portugal...... afinal não devem ser..... Cuba não deixa sair ninguém do país. Ou então devem ser fugitivos..... se não são cubanos, o que serão? Madeirenses?

Já agora, é impressão minha ou os cidadãos americanos estão proibidos de viajar para Cuba? E aqueles que lá querem ir, têm de ir primeiro para o Canadá para depois poderem comprar um bilhete para Cuba.
E adivinha quem é que não permite. Estás certo: quem proíbe as viagens de cidadãos americanos para Cuba é o governo... americano.

Afinal, onde está a liberdade americana?
ex-dmalmeida
David Almeida - LE S: A27 F: 22 N: 39 Sócio Nº 14864
Σπόρτινγκ - Assim se escreve Sporting em grego. Спортинг - em Russo. Em japonês é スポルティング・リスボン.