Futebol bizarro... e por vezes engraçado

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Este caso não tem nada de engraçado, apenas bizarro.

[youtube=640,360]http://www.youtube.com/watch?v=-5r20kY2Yks[/youtube]

Acabou mesmo por falecer, aterrou de cabeça e partiu a coluna.
Se o guarda redes não tivesse frangado a esta hora ele estaria vivo  :inde:

Dá que pensar...


Jorge Fernando Pinheiro de Jesus: Mais do que um excelente treinador, um adepto que sente o Sporting como nós.
[youtube=640,360]MzSw1tC7Y-k[/youtube]
Itália: Há 60 anos, óvnis interrompem jogo da Fiorentina



A 27 de outubro de 1954, um jogo de futebol entre as reservas da Fiorentina e o Pistoiese foi interrompido por um fenómeno nos céus de Florença que ainda hoje alimenta mitos e histórias no imaginário da Toscania.

O céu estava limpo sob o estádio Artemio Franchi enquanto a Fiorentina vencia os vizinhos do Pistoiese por 6-2 num jogo amigável. A formação "viola" estava a caminho de se tornar numa das equipas mais vitoriosas no futebol italiano durante a década de cinquenta, mas naquela tarde de outono os protagonistas deixaram de ser os jogadores quando no início da segunda parte (por volta das 14h20) uma série de objetos voadores não identificados sobrevoou o recinto desportivo para espanto geral das cerca de 10 mil pessoas presentes nas bancadas. O jogo esteve interrompido durante 10 minutos, e no final a história do jogo passou mesmo para segundo plano.

“Eu lembro-me de tudo, do início ao fim. Todos pararam de jogar para ver aquilo no céu. Era algo que parecia um ovo a mover-se devagar, devagar. Todos estavam a olhar para cima enquanto caía do céu uma substância com um brilho prateado. Ficamos espantados, nunca vi nada parecido depois. Estávamos absolutamente chocados a partir do momento que vimos aquilo", recordou Ardico Magnini, antigo internacional italiano que representou a Fiorentina em mais de 200 jogos.

Já do lado do Pistoiese, o antigo capitão Romolo Tuci acredita que houve efetivamente contacto com extraterrestres nesse dia.

"Eu estava muito curioso e também muito, muito feliz. Nessa altura falávamos muito sobre alienígenas, sobre óvnis e nós tivemos essa experiência, nós vimo-los, diretamente, de verdade. Eu realmente acredito que eram seres de outra galáxia. Estávamos no estádio e vimos. Foi algo grandioso para se assistir”, recordou o antigo jogador italiano à imprensa italiana.

O caso foi investigado por um Comité de investigação que na altura chegou à conclusão de que os objetivos voadores não eram mais do que aviões militares em exercício. Já em relação à substância estranha que surgiu no céu após o avistamento, o fenómeno foi explicado com sendo produto de aranhas migratórias.

À parte de tudo isso, a Fiorentina viria a experimentar um dos seus períodos mais produtivos no futebol italiano nos anos posteriores ao avistamento de óvnis. Com Fulvio Bernardini, a equipa "viola" conquistaria o "scudetto" na época 1955/56, com 12 pontos de vantagem sobre o Milan, e um incrível registo de invencibilidade em 33 jogos seguidos. Nos anos seguintes, a Fiorentina foi uma das equipas mais temíveis em Itália tendo conquistado em 1961 a Taça de Itália e a primeira edição da Taça das Taças.

Da equipa "viola" que esteve em campo nesse célebre 27 de outubro de 1954, vários jogadores viriam a inscrever os seus nomes na história da Fiorentina nomeadamente Giuliano Sarti, Giuseppe Chiapella e Enrico Befan.


http://desporto.sapo.pt/futebol/liga_italiana/artigo/2014/10/27/h-60-anos-v-rios-vnis-interrompem-jogo-da-fiorentina

[youtube=640,360]http://www.youtube.com/watch?v=ZpCXkB-dLP8[/youtube]

Lutz Eigendorf, a morte de um “traidor

Marco Vaza 
15/11/2014 - 09:27


A história de um futebolista que conseguiu fugir da RDA, mas não escapou a uma morte que se supõe ter sido a mando da Stasi.


No último domingo passaram-se 25 anos sobre a queda do Muro de Berlim, que marcou simbolicamente o fim de duas Alemanhas. No seu lugar, apenas uma, que teria de incluir tudo. Não foi uma fusão em partes iguais. Da República Democrática Alemã (RDA), de inspiração socialista, restam, sobretudo memórias. O futebol foi o exemplo perfeito.

No primeiro campeonato da Alemanha unificada, apenas duas equipas da RDA foram integradas na 1.ª Bundesliga. Desde então, apenas quatro jogaram no principal campeonato alemão. Mas nenhuma delas foi o infame Dínamo de Berlim, a equipa que mais títulos conquistou na RDA, uma equipa que fazia tudo, mas mesmo tudo para ganhar, incluindo assassinatos.

Não é muito vulgar um clube ganhar dez campeonatos seguidos, mas foi o que aconteceu com o Berliner Fussball Club Dynamo entre 1979 e 1988. Não foi por acaso. O Dínamo de Berlim era o clube apoiado pela Stasi e tinha um fervoroso adepto em Erich Mielke, o chefe da polícia secreta da RDA. Por ordem de Mielke, os melhores jogadores da RDA foram transferidos para o Dínamo, os resultados eram manipulados e não admirava que fosse a equipa dominante. Em 1979, Lutz Eigendorf era uma estrela em ascensão, médio de 22 anos já internacional pela selecção da RDA, quando, após um jogo em território da Alemanha Oriental frente ao Kaiserslautern, driblou os seus companheiros de equipa e os vigilantes da Stasi para apanhar um táxi com direcção para o outro lado.

Eigendorf deixara de ser um simples jogador de futebol. Era um desertor e um traidor aos olhos de Mielke e da Stasi, um inimigo público da RDA. O médio estava tão empenhado na fuga que deixou a sua jovem esposa e uma filha em Berlim, convencido de que elas iriam em breve juntar-se a ele, mas nunca as voltaria a ver. A consequência desportiva imediata para Eigendorf foi um ano de suspensão imposto pela FIFA por ter fugido do seu clube, mas lá conseguiu continuar a sua carreira, acolhido pelo Kaiserslautern, e cumpriu o desejo de actuar na Bundesliga.

Entretanto, em Berlim, a Stasi tinha colocado em marcha uma operação que visava Gabriele, a mulher do futebolista. Primeiro, forçaram o divórcio, depois enviaram agentes para a seduzir. Um deles, nome de código “Lothario”, conseguiu e casou-se com Gabriele, e adoptou Sandy, a filha. Em Kaiserlautern, Lutz, resignado, fez o possível por reconstruir a sua vida. Voltou a casar-se, mas nunca atingiu na Bundesliga o nível que tinha atingido no Dínamo. Duas épocas depois, transferiu-se para o modesto Eintracht Braunschweig, mas também não vingou.

Na noite 5 de Março de 1983, Eigendorf ficou gravemente ferido após o seu Alfa Romeo ter embatido contra uma árvore. O jogador faleceu dois dias depois e a autópsia revelou elevada taxa de alcoolemia. Houve quem suspeitasse do envolvimento da Stasi, mas a sua morte foi dada como acidental. Seis anos depois caiu o muro, desapareceu a RDA e uma investigação jornalística nos arquivos da Stasi revelou que, afinal, havia um plano em marcha para que a deserção de Eigendorf não ficasse impune. Mielke destacou cerca de 50 espiões para seguir o jogador na República Federal Alemã (RFA), colocando um no seu círculo íntimo, Karl-Heinz Felgner, um antigo pugilista que já o conhecia desde os tempos de Berlim Leste e que se reaproximou do jogador apresentando-se, também ele, como desertor.

E a morte foi acidental, ou um elaborado plano da Stasi? Heribert Schwan, o jornalista de Colónia que teve acesso a documentos da Stasi, não encontrou provas definitivas, mas descobriu indícios suficientes para corroborar a teoria de assassinato. De acordo com um dos documentos que consultou, Eigendorf terá sido raptado e drogado por agentes da Stasi que, depois, o colocaram ao volante do seu automóvel. Na estrada estaria uma segunda equipa de agentes num outro automóvel com o propósito de encadear a visão de Eigendorf e provocar um despiste sem que se suspeitasse de acidente. Em 2010, houve quem tenha assumido ter estado envolvido num plano para matar Eigendorf. Era Felgner, o “amigo”/operacional da Stasi, mas este disse que o plano nunca foi avante. Trinta e um anos depois, a morte do “traidor” continua por esclarecer.


http://www.publico.pt/desporto/noticia/lutz-eigendorf-a-morte-de-um-traidor-1676314



Citar
Tim Wiese estreou-se num ringue da WWE
Ex-guarda-redes fez aparição especial em house-show em Frankfurt

Tim Wiese subiu, este sábado, pela primeira vez a um ringue da World Wrestling Entertainment (WWE), a maior companhia de wrestling do mundo.

O antigo guarda-redes internacional alemão tem vindo a ser associado a um ingresso no mundo do wrestling e, este sábado, marcou presença num house-show (espetáculo não televisionado) em Frankfurt.

Antes do evento, Wiese posou para a objetiva ao lado de Alicia Fox e Summer Rae, duas das Divas, as lutadoras da WWE.

Depois, surgiu no ringue apenas para uma aparição especial, que certamente terá empolgado a plateia local. Surgiu ao lado de Fit Finlay, ex-lutador, interferindo num combate de equipas.

Não combateu ainda porque, a confirmar-se o ingresso na WWE, Wiese, de 32 anos, terá de passar por algum tempo de preparação para poder mostrar-se nos ringues de wrestling norte-americanos.
Fonte
Videoglasses Football :lol:

O verdadeiro campo inclinado :mrgreen:

Sócio/Emblema de Prata/Gamebox A14
14/12/2005 joguei no relvado do Estádio de Alvalade.
Data de registo: Maio 19, 2005, 19:47 pm