Luís Duque- Presidente da Liga de Clubes

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

***** Março 17, 2015, 17:25 pm
Epá...parem lá de utilizar o Varzim como exemplo :(

Peço desculpa.
Eu queria dizer era Carcavelos.  :P
Nada é bom demais para o SCP!
Racionalismo e orientação aos resultados sempre...
**** Março 17, 2015, 17:30 pm
Não percebeste o que quis dizer.

A minha alusão aos 20 jogos era em resposta aos jogos que referiste no comentário anterior:

Portanto, deixa ver se percebi:
Reduzir drasticamente a equipas nas divisões e manter 2 voltas.
Ou seja, ter um campeomnato com 20 jogos?
E depois não haver programas para discutir isso?

Não deves gostar de bola...

Se referisses 20, 30, 40 ou 100 jogos para mim seria indiferente, dei como exemplo aquilo que considerava correcto (Campeonato a 2 voltas + Taça de Portugal + Taça da Liga reformulada). Em momento algum, em comentários antes ou depois, defendi um número especifico de equipas. Apenas acho que o número de clubes deve ser reduzido e acho que em Portugal não temos capacidade para uma Liga de 16 clubes. Agora se me perguntas se mais reduzido que isso também não poderia ser problemático por uma série de razões, não faço ideia como tal aceito que não seja possível.

É como a alusão à possível extinção de equipas. Obviamente que não me refiro que as equipas da I ou II Liga iriam acabar. Agora uma redução de equipas nos mais diversos campeonatos (e isto é importante realçar, eu falo em termos gerais e não de uma Liga apenas, pois considero que o problema é mais fundo do que isso) iria levar a que muitas equipas, especialmente de escalões inferiores e de vilas/cidades, sem grande expressão acabariam por fundir-se a outros ou mesmo acabar. Actualmente não têm forma de se sustentar e esta medida ajudaria a dar o último passo rumo ao abismo... ou a seguirem um outro rumo que as levasse a ter mais proveitos desportivos e financeiros.

Dei o exemplo da margem sul. Houve a tesão de construir-se um estádio mais moderno para uma equipa enquanto as outras, situadas a pouco mais de 5 km de distância, viam as suas condições serem cada vez menores. Não faria mais sentido a união? Não valia a pena existir 2 ou 3 clubes da mesma região mais fortes e com maior capacidade de atrair gente em vez dos actuais 10 distribuídos por não sei quantas divisões? Não quiseram aproveitar a oportunidade de se unirem e algumas acabaram inclusivamente por fechar portas. Outras acabaram com os seniores optando apenas pelas camadas jovens. Só para se perceber melhor, de onde moro e num espaço de 7 km, encontro outros 7... clubes.

Dizer que quero mais clássicos e mais derbys é a mesma coisa que dizer que os restantes jogos, são desprezáveis. E quando se pretende mais destaque entre os grandes clubes, maior é o fosso para os restantes e bem pior fica o nosso campeonato...
« Última modificação: Março 17, 2015, 17:35 pm por Miúdo »
* Março 17, 2015, 17:31 pm
Uma solução era fazer um campeonato Ibérico com as melhores equipas de Espanha e Portugal.

E para apimentar mais as coisas ainda mudava o sistema de pontuação

-3 Pontos = Derrota com mais de 3 golos sofridos
-1 pontos = Empates 0-0 (para acabar de uma vez por todos com os "autocarros")
0 pontos = Derrota com diferença de 2 Golos
1 Ponto = empate com Golos
3 Pontos = Vitoria
4 Pontos = Goleada + de 3 golos diferença


Podem ter a certeza que a competitividade teria mesmo de mudar.
SPORTING mais que um clube uma Paixão!
«O SPORTING SOMOS NÓS»
***** Março 17, 2015, 17:36 pm
Não percebeste o que quis dizer.

A minha alusão aos 20 jogos era em resposta aos jogos que referiste no comentário anterior:

Portanto, deixa ver se percebi:
Reduzir drasticamente a equipas nas divisões e manter 2 voltas.
Ou seja, ter um campeomnato com 20 jogos?
E depois não haver programas para discutir isso?

Não deves gostar de bola...

Se referisses 20, 30, 40 ou 100 jogos para mim seria indiferente, dei como exemplo aquilo que considerava correcto (Campeonato a 2 voltas + Taça de Portugal + Taça da Liga reformulada). Em momento algum, em comentários antes ou depois, defendi um número especifico de equipas. Apenas acho que o número de clubes deve ser reduzido e acho que em Portugal não temos capacidade para uma Liga de 16 clubes. Agora se me perguntas se mais reduzido que isso também não poderia ser problemático por uma série de razões, não faço ideia como tal aceito que não seja possível.

É como a alusão à possível extinção de equipas. Obviamente que não me refiro que as equipas da I ou II Liga iriam acabar. Agora uma redução de equipas nos mais diversos campeonatos (e isto é importante realçar, eu falo em termos gerais e não de uma Liga apenas, pois considero que o problema é mais fundo do que isso) iria levar a que muitas equipas, especialmente de escalões inferiores e de vilas/cidades, sem grande expressão acabariam por fundir-se a outros ou mesmo acabar. Actualmente não têm forma de se sustentar e esta medida ajudaria a dar o último passo rumo ao abismo... ou a seguirem um outro rumo que as levasse a ter mais proveitos desportivos e financeiros.

Dei o exemplo da margem sul. Houve a tesão de construir-se um estádio mais moderno para uma equipa enquanto as outras, situadas a pouco mais de 5 km de distância, viam as suas condições serem cada vez menores. Não faria mais sentido a união? Não valia a pena existir 2 ou 3 clubes da mesma região mais fortes e com maior capacidade de atrair gente em vez dos actuais 10 distribuídos por não sei quantas divisões? Não quiseram aproveitar a oportunidade de se unirem e algumas acabaram inclusivamente por fechar portas. Outras acabaram com os seniores optando apenas pelas camadas jovens. Só para se perceber melhor, de onde moro e num espaço de 7 km, encontro outros 7... clubes.

É importante esse esclarecimento porque eu tenho sempre argumentado contra a tua lógica com base nesse pressuposto baseado nos posts que te citei. Se houve um mal entendido, muito do que te apontei já não se mantém.
Mas fico sem saber exatamente o que defendes nesta matéria.

Eu propus um quadro competitivo que me parece melhor que o atual sem prejuízo da necessidade de outro tipo de medidas complementares.
Outros já propuseram alternativas.
Qual seria a tua abordagem?
Nada é bom demais para o SCP!
Racionalismo e orientação aos resultados sempre...
***** Março 17, 2015, 17:39 pm
Uma solução era fazer um campeonato Ibérico com as melhores equipas de Espanha e Portugal.

E para apimentar mais as coisas ainda mudava o sistema de pontuação

-3 Pontos = Derrota com mais de 3 golos sofridos
-1 pontos = Empates 0-0 (para acabar de uma vez por todos com os "autocarros")
0 pontos = Derrota com diferença de 2 Golos
1 Ponto = empate com Golos
3 Pontos = Vitoria
4 Pontos = Goleada + de 3 golos diferença


Podem ter a certeza que a competitividade teria mesmo de mudar.

Essa é outra abordagem que até pode fazer muito sentido do ponto de vista financeiro (não sei se faz mesmo, mas admito isso).
Mas pessoalmente, eu não ia gostar.
Em 1ºlugar, raramente o território nacional voltaria a fazer a festa do título.
E depois, no nosso caso, tenho até medo que pudessemos não estar sempre na 1ªliga...

Not my thing... ;)
Nada é bom demais para o SCP!
Racionalismo e orientação aos resultados sempre...
***** Março 17, 2015, 18:01 pm
Mais uma achega relativamente à maior ou menor visibilidade da fase final dos últimos.
Acredito que esses jogos teriam bastante visibilidade e honras de destaque.

Mesmo atualmente, os jogos que decidem quem desce e quem sobe nas últimas jornadas merecem bastante destaque.
Aliás, as maiores enchentes dos clubes pequenos ocorrem contra os clubes grandes e nas últimas jornadas quando lutam para não descer, principlamente se os jogos são precisamente contra equipas contra as quais lutam diretamente (que é precisamente o que favoreço com o meu modelo).

Aliás, antigamente havia um conceito com algumas semelhanças a isto que era a liguilha.
A liguilha servia para decidir que subia e quem descia entre os últimos classificados da 1ªliga e os primeiros da 2ª.
Vocês não imaginam a criticidade, o grau de tensão e a importância que se dava a estes jogos...

Na Alemanha existe liguilha e são sempre jogos de vida ou de morte.
Há 2 anos tiveram mesmo que interromper um jogo por excesso de... vá... emoção do público.

Não vejo que estes jogos corressem qualquer risco de ninguém lhes ligar.
Bem pelo contrário.
Aqui o que se trata é apenas de ter um mês e meio final de campeonato com uma espécie de jornadas orientadas em que só se joga contra rivais diretos. Esta é que é a forma que me parece mais justa de decidir o que quer que seja nas últimas jornadas. Valorizar o que se fez durante o ano mas obrigando quem quer conquistar algo, seja o que for, a provar perante os seus rivais que, no compto geral, mereceu mesmo...

Isto é que é justo!
Isto é que é espetacular!
Isto é que promove as rivalidades e chama pessoas aos estádios!
Isto é que traz receitas...

Não estou a dizer que é a solução para todos os males do futebol.
Só estou a dizer que, em termos de reformulação dos quadros competitivos, me parece a solução mais equilibada.
« Última modificação: Março 17, 2015, 18:07 pm por Strikerr »
Nada é bom demais para o SCP!
Racionalismo e orientação aos resultados sempre...
**** Março 17, 2015, 18:04 pm
Luís Duque fala em redução do nº de clubes na liga. Há 1 ano o nº de equipas aumentou por causa do Boavista. Há uns 4 anos tinha diminuído.
Luís Duque não é um paraquedista no futebol. Anda no futebol há uns 20 anos. Na associação de futebol de Lisboa, no SCP, agora na liga.

O futebol não resiste a isto. A estas brincadeiras e arranjos de momento em função de conveniências desconhecidas.
Têm de existir medidas de fundo, duradouras e com sentido estratégico. Não quer dizer que não se mexa nunca, mas reajustar, depois de reavaliar, é completamente diferente de brincar.

O futebol tem o problema do nº de clubes/jornadas/jogos interessantes e tem imensos outros problemas, da formação aos empréstimos, passando pela publicidade estática, direitos de transmissão, imprensa desportiva, arbitragem, etc.
Tb não quer dizer que por existirem n problemas nada de se faça num ou outro. Mas convém pensar nas mudanças, negociá-las e realizá-las.

Há homens que andam no futebol há décadas. Pinto da Costa vai com 30, Vieira vai com 20, Fernando Gomes deve ter mais de uma década.
E andam todos a brincar porque só pensam em sacar os benefícios umbiguísticos do momento. Se o rival for contrariado, melhor. Depois logo se vê.
Ex. O Pinto da Costa era ferozmente contra o sorteio de árbitros e defendeu as nomeações com unhas e dentes. Dominava o sistema. Hoje, como o Vieira passou a perna ao Pinto e a mão que manda não lhe interessa, o outrora nomeador já é pelo sorteio.

Bardamerda
"O Sporting é nosso outra vez"
(declaração de Bruno de Carvalho, 42º presidente do Sporting Clube de Portugal, aos sócios do clube, em 23 de Março de 2013).
***** Março 17, 2015, 18:09 pm
Luís Duque fala em redução do nº de clubes na liga. Há 1 ano o nº de equipas aumentou por causa do Boavista. Há uns 4 anos tinha diminuído.
Luís Duque não é um paraquedista no futebol. Anda no futebol há uns 20 anos. Na associação de futebol de Lisboa, no SCP, agora na liga.

O futebol não resiste a isto. A estas brincadeiras e arranjos de momento em função de conveniências desconhecidas.
Têm de existir medidas de fundo, duradouras e com sentido estratégico. Não quer dizer que não se mexa nunca, mas reajustar, depois de reavaliar, é completamente diferente de brincar.

O futebol tem o problema do nº de clubes/jornadas/jogos interessantes e tem imensos outros problemas, da formação aos empréstimos, passando pela publicidade estática, direitos de transmissão, imprensa desportiva, arbitragem, etc.
Tb não quer dizer que por existirem n problemas nada de se faça num ou outro. Mas convém pensar nas mudanças, negociá-las e realizá-las.

Há homens que andam no futebol há décadas. Pinto da Costa vai com 30, Vieira vai com 20, Fernando Gomes deve ter mais de uma década.
E andam todos a brincar porque só pensam em sacar os benefícios umbiguísticos do momento. Se o rival for contrariado, melhor. Depois logo se vê.
Ex. O Pinto da Costa era ferozmente contra o sorteio de árbitros e defendeu as nomeações com unhas e dentes. Dominava o sistema. Hoje, como o Vieira passou a perna ao Pinto e a mão que manda não lhe interessa, o outrora nomeador já é pelo sorteio.

Bardamerda

Pois claro.
Esse é que é o problema.
E depois ainda vem dizer que há uma comissão a fazer um estudo para nos atirar areia para os olhos e dar credibilidade à coisa...
Deve ser estudo complexíssimo imagino...
Vai ter como resultado por tudo como estava antes.
Olha que surpresa!

Um LOL para o Duque...
Nada é bom demais para o SCP!
Racionalismo e orientação aos resultados sempre...
**** Março 17, 2015, 20:03 pm
Não percebeste o que quis dizer.

A minha alusão aos 20 jogos era em resposta aos jogos que referiste no comentário anterior:

Portanto, deixa ver se percebi:
Reduzir drasticamente a equipas nas divisões e manter 2 voltas.
Ou seja, ter um campeomnato com 20 jogos?
E depois não haver programas para discutir isso?

Não deves gostar de bola...

Se referisses 20, 30, 40 ou 100 jogos para mim seria indiferente, dei como exemplo aquilo que considerava correcto (Campeonato a 2 voltas + Taça de Portugal + Taça da Liga reformulada). Em momento algum, em comentários antes ou depois, defendi um número especifico de equipas. Apenas acho que o número de clubes deve ser reduzido e acho que em Portugal não temos capacidade para uma Liga de 16 clubes. Agora se me perguntas se mais reduzido que isso também não poderia ser problemático por uma série de razões, não faço ideia como tal aceito que não seja possível.

É como a alusão à possível extinção de equipas. Obviamente que não me refiro que as equipas da I ou II Liga iriam acabar. Agora uma redução de equipas nos mais diversos campeonatos (e isto é importante realçar, eu falo em termos gerais e não de uma Liga apenas, pois considero que o problema é mais fundo do que isso) iria levar a que muitas equipas, especialmente de escalões inferiores e de vilas/cidades, sem grande expressão acabariam por fundir-se a outros ou mesmo acabar. Actualmente não têm forma de se sustentar e esta medida ajudaria a dar o último passo rumo ao abismo... ou a seguirem um outro rumo que as levasse a ter mais proveitos desportivos e financeiros.

Dei o exemplo da margem sul. Houve a tesão de construir-se um estádio mais moderno para uma equipa enquanto as outras, situadas a pouco mais de 5 km de distância, viam as suas condições serem cada vez menores. Não faria mais sentido a união? Não valia a pena existir 2 ou 3 clubes da mesma região mais fortes e com maior capacidade de atrair gente em vez dos actuais 10 distribuídos por não sei quantas divisões? Não quiseram aproveitar a oportunidade de se unirem e algumas acabaram inclusivamente por fechar portas. Outras acabaram com os seniores optando apenas pelas camadas jovens. Só para se perceber melhor, de onde moro e num espaço de 7 km, encontro outros 7... clubes.

É importante esse esclarecimento porque eu tenho sempre argumentado contra a tua lógica com base nesse pressuposto baseado nos posts que te citei. Se houve um mal entendido, muito do que te apontei já não se mantém.
Mas fico sem saber exatamente o que defendes nesta matéria.

Eu propus um quadro competitivo que me parece melhor que o atual sem prejuízo da necessidade de outro tipo de medidas complementares.
Outros já propuseram alternativas.
Qual seria a tua abordagem?

Campeonato

 16 clubes, 2 voltas (se por acaso fosse benéfico uma redução maior com aumento do número de voltas, não veria problemas)

Descem 2, sobem 2.

Aqui o meu ponto de vista não se prende unicamente no campeonato da primeira divisão. A redução do número de equipas deve ser feita em todas as divisões, principalmente na II Liga.

Não faz o mínimo sentido haver 24 equipas e jogos à quarta-feira à tarde. Nem a motivação dos jogadores é a mesma, as assistências são miseráveis e os clubes só perdem com isso.

Jogos da I Liga à sexta/segunda apenas deveriam ser realizados por motivos excepcionais, sendo que os restantes o mais tardar às 18h. É inadmissível haver jogos às 21h de domingo. Alteração no preço médio dos bilhetes.

Obrigar os clubes a apostarem na sua formação e dificultar a contratação de jogadores estrangeiros, colocando por exemplo um limite de atletas possíveis de serem utilizados (esta medida, nos escalões inferiores até permitiria combater o tráfico de jogadores). Rever os empréstimos de jogadores, de forma a não tornar os clubes pequenos reféns/dependentes de equipas do mesmo campeonato.

Desse por onde desse, valorização do futebol português. Estamos cada vez mais focados nos três grandes e olha-se cada vez menos para os ditos pequenos, o que enfraquece o nosso campeonato, tornando-o cada vez menos competitivo. Não é por acaso que tirando os 3 grandes, as participações europeias das nossas equipas são sempre absolutamente vergonhosas.

Essa valorização passaria e muito pela tv. O nosso futebol está cada vez mais isolado, seja porque os jogos dão em canal fechado (e a subscrição é quase paga a peso de ouro), seja porque se abusa no preço dos bilhetes, ou pelo simples facto de se vender uma imagem de insegurança. Arrisco a dizer que todos nós conhecemos pelo menos uma pessoa que diz que não vai à bola com medo "dos marginais das claques".

Em contrapartida temos dezenas e dezenas de programas de debate futebolístico onde raramente se fala de futebol em termos gerais, optando sempre pela via da polémica, discussão, crise, etc. E as poucas análises que são feitas, para variar, centram-se nos jogos onde participam os três grandes, curiosamente sempre representados por 3 estarolas.

Bem ou mal, sinto sempre um enorme alivio quando temos os resumos da Liga dos Campeões salvo erro na TVI24. Pessoas ligadas ao futebol dão a sua opinião relativamente aos jogos do dia e somos brindados com resumos (alargados ou não) de cada partida.

O futebol português necessita urgentemente de unir e apoiar os clubes em geral, não abrindo ainda mais o fosso entre grandes e pequenos. Não só o campeonato ganharia competitividade como os clubes ganhariam relevo, inclusive... os grandes.

Taça de Portugal e Taça da Liga.

A primeira exige jogos a uma só mão em todas as eliminatórias. Não há festa do futebol no nosso país como a taça de Portugal, onde pessoas de todo o país têm possibilidade de ver equipas das suas terras defrontarem equipas de escalões superiores.

Mais uma vez, a devida valorização, horários e preços decentes levam a mais gente ao estádio. E é precisamente este tipo de jogos que podem levar a que as pessoas ganhem mais simpatia e interesse pelos clubes das suas terras.

A Taça da Liga é uma competição que poderia ser interessante mas que nunca foi, nem houve interesse, em torná-la competitiva.

Sendo uma competição secundária obviamente que nunca terá o peso de um campeonato, mas não é por isso que deve deixar de ser importante. O problema é que esta competição parece ter sido criada mais para salvar épocas dos lampiões do que propriamente para o fim a que era destinada: aumentar a qualidade do nosso futebol.

Como? Simples!

Até poderia haver fases de grupos (e porque não nos moldes que referiste para o campeonato, tendo como base sempre a classificação da época anterior?), mas nunca favorecendo os grandes.

A actual Taça da Liga, na óptica dos grandes, quanto muito, pode ser vista como uma competição a ganhar para não passarem uma temporada a zero. Assim foi com os lampiões ao inicio. Ora se a competição pouco serve aos grandes, torná-la pouco atractiva e complicada aos pequenos (em favorecimentos precisamente dos grandes), retira-lhe interesse.

Aumentar os prémios, mais uma vez horários e preços atractivos, equipas melhor classificadas no campeonato com menos hipóteses de jogar em casa, etc, poderiam tornar a taça mais competitiva. Mesmo sendo para jogadores menos utilizados, seria uma boa forma de rodarem, ganharem ritmo competitivo e quem sabe... ganharem a confiança para ganharem a titularidade na equipa principal.
**** Março 17, 2015, 20:36 pm
continua a encher a pança
Its a feeling we cant explain but we spend our lives explaining it, Its our religion.. we do not apologise for it we do not deny it, their our team our family OUR LIFE!!
****** Março 17, 2015, 22:57 pm


Hoje foi arrasado pelo Mario Figueiredo.
Testa de ferro este badocha.

SL
***** Março 17, 2015, 23:31 pm


Hoje foi arrasado pelo Mario Figueiredo.
Testa de ferro este badocha.

SL

Em algum programa? Confesso que gostava de ouvir.
Sporting Clube de Portugal
**** Março 17, 2015, 23:37 pm
Bem ou mal, sinto sempre um enorme alivio quando temos os resumos da Liga dos Campeões salvo erro na TVI24.

É inconcebível que sejam exibidos em sinal aberto resumos alargados (20/30') de jogos da champions e na liga portuguesa haja resumos de 2'/3' (incluindo jogos grandes).
Para cúmulo, esses minutinhos a correr (tempo para os golos, 1 ou 2 oportunidades, no máximo, e 1 ou 2 lances polémicos) são depois regados com umas 3 horas em sucessivos programas de uns badamecos quaisquer a dissertar sobre os jogos... que a esmagadora maioria do público não viu (por não ter ido ao estádio ou por não ter sportv)
Mesmo sabendo que os jogos champions têm muito mais qualidade, isto é inaceitável e demonstrativo de como a comunicação social respeita o público que gosta de futebol.
E sim, a comunicação social (tvs, rádios e jornais) são parte do futebol.

Sobre as propostas do @Miúdo e das do @Strikerr, só gostava de comentar o seguinte.
É clarinha a distinção entre propostas que visam a promoção do futebol (e cujos detalhes podem ser discutidos e melhorados) e as "propostas" que visam responder a interesses momentâneos de A ou B e "secar" C.
Alguém acredita que, depois de décadas a sugar o futebol, Duque, Gomes, Costa ou Vieira conseguirão, algum dia na vida, sair do 2º tipo de "propostas" e situar-se no 1º?
"O Sporting é nosso outra vez"
(declaração de Bruno de Carvalho, 42º presidente do Sporting Clube de Portugal, aos sócios do clube, em 23 de Março de 2013).
****** Março 18, 2015, 03:04 am
Uma solução era fazer um campeonato Ibérico com as melhores equipas de Espanha e Portugal.

E para apimentar mais as coisas ainda mudava o sistema de pontuação

-3 Pontos = Derrota com mais de 3 golos sofridos
-1 pontos = Empates 0-0 (para acabar de uma vez por todos com os "autocarros")
0 pontos = Derrota com diferença de 2 Golos
1 Ponto = empate com Golos
3 Pontos = Vitoria
4 Pontos = Goleada + de 3 golos diferença


Podem ter a certeza que a competitividade teria mesmo de mudar.

Sobre o campeonato Ibérico não concordo, mas sobre o sistema de pontuação era algo que tinha curiosidade em ver como resultava, já noutro dia um comentador falou nisto.

Não tinha de ser esse sistema que disseste, mas por exemplo uma vitória por mais de 3 golos de diferença valia mais 1 ponto e uma equipa que perdesse, mas marcasse pelo menos 2 golos ganhava também pelo menos 1 ponto.

Era algo interessante de se ver...



Sobre as competições nacionais, há muito erro a corrigir...

A taça da liga então tem de levar uma volta de 180º graus.
****** Março 18, 2015, 10:15 am


Hoje foi arrasado pelo Mario Figueiredo.
Testa de ferro este badocha.

SL

Em algum programa? Confesso que gostava de ouvir.

Li algures.....

SL
* Março 18, 2015, 11:57 am
Sobre as competições nacionais, há muito erro a corrigir...

A taça da liga então tem de levar uma volta de 180º graus.

Tem de levar uma volta, tem. Uma volta para o lugar de onde nunca devia ter saído, que não faz faltinha nenhuma.
* Março 18, 2015, 15:42 pm
Citação de: Record
Mário Figueiredo: «Liga é gerida por um homem de palha»
Antigo presidente muito crítico com Luís Duque


O antigo presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, Mário Figueiredo, considerou esta terça-feira, que o organismo está a ser gerido por um "testa-de-ferro dos interesses da Olivedesportos" e admitiu que o défice de seis milhões podia ser evitado.

"Teremos à frente da Liga, na continuidade do que acontecia antigamente, mais um homem de palha, um 'testa-de-ferro' dos interesses da Olivedesportos e do senhor Joaquim Oliveira na Liga", disse, Mário Figueiredo, em declarações à agência Lusa.

O antecessor de Luís Duque na presidência da LPFP considerou que o défice de seis milhões - anunciado segunda-feira - poderá ser culpa da atual direção.

"É por omissão da atual direção que a Liga poderá estar com défice financeiro de seis milhões de euros, e provavelmente estar-se-ão a criar as condições para depois justificar a tal redução dos quadros competitivos que são do interesse da própria Olivedesportos", afirmou Figueiredo.

O antigo presidente, lembrou que a atual direção não recorreu de uma sentença desfavorável, numa ação instaurada contra a Olivesdesportos, no valor de cinco milhões de euros mais juros, e suspendeu 'sine die' uma ação de 2,5 milhões contra a Santa Casa.

"No meu consulado foi instaurada uma ação contra a Olivedesportos por incumprimento do contrato da Taça da Liga, onde era pedido um valor próximo dos cinco milhões mais os juros, foi proferido um acórdão pelo tribunal arbitral (...) A matéria era sujeita a recurso para o tribunal da relação e, que eu saiba, a Liga não terá recorrido dessa situação", explicou.

Mário Figueiredo, acrescentou que esse valor aliado a um outro, no valor de 2,5 milhões de euros, sobre a Santa Casa da Misericórdia, podia equilibrar as contas.

Na segunda-feira, o presidente da LPFP, Luís Duque, admitiu que o organismo pode terminar a temporada com um saldo negativo perto dos seis milhões de euros, e adiantou a possibilidade de terem de ser tomadas medidas de recuperação financeira.

Entre as medidas de redução de despesas poderão estar, segundo Luís Duque, a redução do número de clubes das ligas profissionais, sobretudo a II Liga, e a revisão do formato da Taça da Liga.

Luís Duque, assumiu a presidência da LPFP a 27 de outubro de 2014, sucedendo a Mário Figueiredo, que presidia ao organismo desde janeiro de 2012 e que tinha sido reeleito, em junho do ano passado, para um segundo mandato.

A reeleição, de Mário Figueiredo, foi anulada pelo Conselho de Justiça (CJ) da Federação Portuguesa de Futebol, por considerar que outras candidaturas foram excluídas indevidamente.
Interessa sim o símbolo na parte da frente da camisola, muito mais do que o nome na parte de trás. by 34.169
** Março 18, 2015, 17:38 pm
Este Luis Duque é mais um bazofia da bola, que vive á custa desse desporto.

Luis Duque nunca fez nada pelo futebol, nunca teve ideias ou vontade de mudar o que quer que seja, o seu único objectivo é o tacho e receber muito bem pelos serviços prestados.

Entrou na Liga com o intuito de a credibilizar e conseguir os patrocínios que a liga tanto necessita, passado este tempo todo consegui o mesmo que o figueiredo ou seja uma liga falida sem credibilidade e sujeita a servir os interesses de certos clubes.

É indiferente se a liga tem 18 ou 16 clubes ou 10 clubes em 4 voltas ou playoffs que a mediocridade é a mesma, era preciso uma mudança drástica no campeonato português que tinha de passar por apoiar o fim dos fundos (Em vez de ser um cavaleiro andante dos fundos), a obrigatoriedade de as equipa da liga terem 50% de jogadores portugueses a centralização dos direitos desportivos em que naturalmente quem fica melhor classificado, tem melhor audiência televisivas, etc,  tem de receber mais mas que consiga distribuir uma verba suficiente para que as ultimas 10 equipas do campeonato não sirvam apenas de sacos de porrada (Que é o que esta a acontecer).

O Mário Figueiredo até tinha uma proposta de centralização dos direitos desportivos, só que ia contra a vontade do benfica e porto que querem uma distribuição á espanhola, 90% a dividir entre as 2 nádegas e o resto é para os pobres.
****** Março 19, 2015, 01:25 am

Tem de levar uma volta, tem. Uma volta para o lugar de onde nunca devia ter saído, que não faz faltinha nenhuma.

Assim como tem sido não faz falta não.

Mas se fosse feita de outra forma, podia ser interessante.

Até porque a ideia da competição devia ser dar mins aos jogadores menos utilizados dos planteis e dar oportunidades aos jovens.
* Março 19, 2015, 11:07 am

Tem de levar uma volta, tem. Uma volta para o lugar de onde nunca devia ter saído, que não faz faltinha nenhuma.

Assim como tem sido não faz falta não.

Mas se fosse feita de outra forma, podia ser interessante.

Até porque a ideia da competição devia ser dar mins aos jogadores menos utilizados dos planteis e dar oportunidades aos jovens.

Já não tivemos um "campeonato de reservas" há uns 2 ou 3 anos? Temos Equipas B, com 40 e tal jogos por época só para o campeonato... para além do mais, esperar "seriedade" numa competição organizada por uma liga dominada por 2 nádegas é o mesmo que tentar encontrar um unicórnio. Mal por mal, acabe-se com aquilo e que se arranje maneira de fazer mais uns joguitos para um campeonato de 10 a 4 voltas...