[UEFA Euro 2012] Quartos-de-final: Espanha vs França

0 Membros e 2 Visitantes estão a ver este tópico.

Comedores de tortilha e avec's , quais deles gosto mais??  :think:

Se queremos ganhar alguma coisa não podemos escolher adversários ...
A inveja é muito feia. Vocês estão todos borradinhos, por isso torciam todos pela França, esses sim, uns verdadeiros porcos que já nos f*** vezesvsem conta. Patético. :arrow:

Eu acho que temos hipóteses, passará muito pela consistência defensiva saídas rapidas e inteligentes e não ter medo. Mas temo, que vamos começar, mais uma vez, cá todos atrás e charutada para o Ronaldo, como o bentolas gosta. Mas acho que não somos favoritos, nem de perto nem de longe. Os tipos são os actuais campeões da europa e do mundo. É bom não esquecer. :arrow:

Toca_do_lobo,

Isso que coloquei a bold é o que tenho dito, pois isso é enorme verdade até os comentadores só falavam nisso queremos ser campeões da europa venha a Espanha e que de seguida volte a vir a Alemanha sempre a defender e à cobarde, não obrigado.

Força Portugal de uma vez por todas sai da toca da mediocridade e dá uma alegria a todos os Portugueses, mas vais ter que ser forte, muito forte e não borrado como sempre tens sido desde que sou nascido.

23-03-2013 A noite mais feliz da minha vida como Sportinguista.
A partir de agora mandamos nós e o Sporting terá o seu caminho novamente, quero vos agradecer a todos e dizer claramente para que toda a gente oiça:
Viva o Sporting Clube de Portugal! É nosso outra vez!
Palavras do Presidente do Sporting Clube de Portugal, Bruno de Carvalho. Bem haja Presidente!
Vocês estão todos borradinhos, por isso torciam todos pela França

.. esta é daquelas apologias que nunca irá entrar na minha cabeça. :mrgreen: :great:

Para sermos os melhores temos de derrotar os melhores? Quem disse? Está escrito nalgum lado? Tudo o que é competições a eliminar - seja Taça de Portugal, Europeu, Mundial, Playoff de Futsal - aquilo que eu quero é derrotar o adversário mais acessível possível, aliás, só provaria que a incompetência dos ditos "favoritos" foi maior do que o habitual, facilitando - em teoria - o trabalho que nós [Sporting, Portugal] teremos de realizar para alcançar os nossos objectivos. Às tantas tenho objectivos errados mas aquilo que eu quero é sagrar-me campeão europeu e se para isso defrontar República Checa + França + Grécia, óptimo. :o :mais: É a dita mania do "galifão", "o que eu quero é derrotar a Espanha", "venha de lá essa Alemanha", dizem eles que isso apenas revela que não somos "borrados" e que não tememos ninguém - pensamento à benfica [ :lol:] - mas depois vai-se a ver e .. opá, bolas, perdemos, mas pronto, ao menos jogámos olhos nos olhos.

A ambição desmedida não é uma qualidade, é estupidez. E há quem confunda "borra" com "inteligência" mas vá, em Portugal existem muitas pessoas que ainda não perceberam que o que fica na história não é o peito, mas sim os títulos. :arrow:
Citar
Toca_do_lobo:

A inveja é muito feia. Vocês estão todos borradinhos, por isso torciam todos pela França, esses sim, uns verdadeiros porcos que já nos f*** vezesvsem conta. Patético. :arrow:


Sendo a Espanha a equipa mais forte, vejo como natural o desejo da vitória dos franceses e que fossem estes os adversários de Portugal.

Apesar de um jogo pastoso e com menos qualidade na posse de bola que o habitual, a Espanha confirmou a sua superioridade, raramente foi posta à prova e com um golo tão cedo, pode fazer o seu jogo, defendendo com a bola nos pés.

É preciso dizer que a França provou que ainda não ultrapassou os traumas recentes, continua a ser, à imagem dos últimos anos, um conjunto de jogadores que olham para o seu umbigo e não uma equipa. Não foi um adversário à altura.

Citar
Mas temo, que vamos começar, mais uma vez, cá todos atrás e charutada para o Ronaldo, como o bentolas gosta.

Não vamos tentar ultrapassar os espanhóis em percentagem de posse de bola, disso tenho eu a certeza.

Citar
Mas temo, que vamos começar, mais uma vez, cá todos atrás e charutada para o Ronaldo, como o bentolas gosta.

Não vamos tentar ultrapassar os espanhóis em percentagem de posse de bola, disso tenho eu a certeza.
Nem precisamos. Defender com muita concentração, recuperar as bolas e lançar CR7+Nani no contra-ataque. Se o CR7 ainda estiver em modo super-guerreiro, isto chega  8)


Citar
Há coisas na vida que nunca mudam, a nobreza de carácter é uma delas, ou se tem, ou não. Por mais “riqueza” que ostentem, os pobres de espírito sempre o serão. O complexo de inferioridade demonstrado por todas estas atitudes é totalmente incompatível com um clube que para além de títulos quer ser grande, pois a grandeza é muito mais do que o vencer. A grandeza é vencer, é saber vencer, é saber perder, é saber estar, algo que não está ao alcance de todos.

O Sporting Clube de Portugal,
Lisboa, 28 de Outubro de 2013
 A selecção francesa veio para dentro de campo, com os problemas dos balneários. Nunca foram uma equipa coesa, jogaram desanimados e com pouca garra. A França tinha e tem um conjunto de jogadores de enorme qualidade, mas enquanto não deixarem egos de parte, será bastante complicado terem sucesso. Foram os inimigos de eles próprios.  :menos:

 A selecção espanhola, limitou-se a chegar à vantagem, depois geriu bem o jogo com o seu futebol bastante característico, o futebol anestésico espanhol.
“We have to be compact, close together tactically, and if you are close then you have options to play with. You don't always have to try the most risky ball if you are compact. You have to run, to fight, until the moment, and then ... bang, you take it.”

Jurgen Klopp
Que seleção patética a francesa e que divertido que foi seguir o jogo na TF1.
Como eu gostava de ouvir agora o Marcel Desaily, que dizia que uma equipa que vai duas vezes seguidas ao play-off não é uma grande equipa, pode até não ser mas sempre é melhor do que a porcaria da seleção francesa.
Ontem lembrei desta curiosidade:

Luís Felipe Scolari pegou no Brasil a meio do apuramento para mundial 2002 quando as contas estavam complicadas e apurou-o com dificuldades. Na fase final construiu a equipa em torno de Ronaldo (o fenómeno) e foi campeão.

Paulo Bento pegou em Portugal a meio do apuramento para europeu 2012 quando as contas estavam complicadas e apurou-o com dificuldades. Na fase final construiu a equipa em torno de Ronaldo (o Cristiano) e...

Claro que ganhar pelo Brasil não é o mesmo que ganhar por Portugal mas...
Será que história se repete? Oxalá que sim!
Ai ai aquele penalti a favor da espanha.  ::)
Ontem lembrei desta curiosidade:

Luís Felipe Scolari pegou no Brasil a meio do apuramento para mundial 2002 quando as contas estavam complicadas e apurou-o com dificuldades. Na fase final construiu a equipa em torno de Ronaldo (o fenómeno) e foi campeão.

Paulo Bento pegou em Portugal a meio do apuramento para europeu 2012 quando as contas estavam complicadas e apurou-o com dificuldades. Na fase final construiu a equipa em torno de Ronaldo (o Cristiano) e...

Claro que ganhar pelo Brasil não é o mesmo que ganhar por Portugal mas...
Será que história se repete? Oxalá que sim!

mas o Scolari tinha no seu plantel o Polga :mrgreen:
Ontem lembrei desta curiosidade:

Luís Felipe Scolari pegou no Brasil a meio do apuramento para mundial 2002 quando as contas estavam complicadas e apurou-o com dificuldades. Na fase final construiu a equipa em torno de Ronaldo (o fenómeno) e foi campeão.

Paulo Bento pegou em Portugal a meio do apuramento para europeu 2012 quando as contas estavam complicadas e apurou-o com dificuldades. Na fase final construiu a equipa em torno de Ronaldo (o Cristiano) e...

Claro que ganhar pelo Brasil não é o mesmo que ganhar por Portugal mas...
Será que história se repete? Oxalá que sim!

mas o Scolari tinha no seu plantel o Polga :mrgreen:

Queriam melhor especialista em 2º lugares e em provas a eliminar que o Paulo Bento?
Depois do 2º no apuramento e o 2º no grupo, vamos ficar em 2º depois de perder com a Alemanha  :mrgreen:
Citar
Spain's "Tiki-Takanaccio" proves boringly effective

Midway through the second half of Spain's 2-0 Euro 2012 quarter-final win over France, some of the Donetsk crowd gave their verdict on the game through the universal language of football fans - whistles and boos.

It was not a loud and angry response to a bad foul or a cynical piece of cheating and fittingly there was little passion in the brief protest.

Instead, it was a release of the frustration they felt at having paid to watch two of the continent's most respected soccer-playing nations and been presented with a game that was as soulless as the pre-match music UEFA plays at Euro 2012 arenas.

France's half-hearted, disjointed performance, negative from the outset and utterly lacking in conviction or belief, had a lot to do with the empty feeling many left the Donbass Arena with.

But Spain's approach, with little flair, creativity or emotion, was what had caused the whistles, the fans clearly expecting more entertainment from a team who have dominated international football for the past four years.

Pass after pass going backwards, sideways and occasionally forward, but with little intent to actually pose a threat to the French goal, was the method of Vicente Del Bosque's team and it was enough to set up a semi-final against Portugal on Wednesday.

Spain have now kept 11 clean sheets and conceded only three goals in their last 14 European Championship and World Cup matches and there is simply no debate about the effectiveness of their tactical approach.

But it was disappointing to see a team searching for a unique major tournament treble play with such limited ambition having grabbed the lead in the 19th minute through a good old-fashioned run to the byline, cross and header.

The admirers of the ‘Tiki Taka' game like to talk about the technical quality of the passing and movement, the intelligence and honing it requires but increasingly the possession has become used for a defensive, negative purpose.

For long stretches of the game, Spain were holding on to the ball not to build or create but simply to keep it from their opponents and even, it appeared in the second half, just to use up time.

While Barcelona's version of the method involves fast exchanges close to the penalty area with the glorious talent of Argentinean Lionel Messi providing the finishing touch, often in spectacular fashion, Spain are far more negative.

Del Bosque did not pick a centre forward again, a system which connoisseurs of tactics like to describe as playing with a ‘false nine' but which in reality bares little relation to that innovation from the great Hungarian team of the 1950s.

Apart from Cesc Fabregas trying to get into the forward position later in moves and showing his lack of awareness in that role by frequently getting caught off-side, Spain's approach was simply to play with six midfielders in front of four defenders.

INCISIVE PASS

Not surprisingly, the result was that when Spain reached the phase in possession where most teams look for an incisive pass to a player in the box, they turned around, went back and started again. Pitifully, the French midfield allowed them to.

It is without doubt a functional style but in the same way that the concrete Soviet-era tower blocks across Poland and Ukraine are, achieving a purpose in an unappealingly pragmatic fashion.

European football has seen effective but emotionally draining tactics before.

Italian teams in the 1960s and 1970s produced a defensive system known as ‘catenacccio' based around cancelling out opponents and almost exclusively relying on the occasional counter-attack for goals.

One internet commenter during Saturday's game certainly felt there was a connection between Spain's approach and the old method of Helenio Herrera at Inter Milan, describing the evolution of Del Bosque's tactics as ‘Tiki-takanaccio'.

It will be fascinating to see whether Portugal, who unlike the French possess a deadly counter-attacking game around exceptional wingers Cristiano Ronaldo and Nani, can use their pace on the break to cut through the Spanish defense.

If Spain get through that challenge, they may well face Germany in the final, a team who have proved it is possible to play accurate, passing football allied with speed, directness and intent.

Curiously, the two strongest teams left in the tournament represent almost exact reverses of their national stereotypes, the passionate, exciting and unpredictable Germans and the supremely organized, efficient and effective Spanish.

If 'Tiki Taka' does triumph again, the neutrals will be hoping it is done with a little more imagination and verve than it took to dispatch the French.

Esta aí tudo.

O futebol fantástico da melhor selecção do mundo.
Isto é a morte do artista. É uma versão melhorada do Torsiglieri, mas para um Sporting campeão não chega.

"All the people that was rooting on me to fail, at the end of the day they have to wake up tomorrow and have the same life that they had before they woke up today," James said. | "Lebron is not as good as Michael Jordan ? C´mon! Lebron is in a class by himself!" O.Robertson said.
Vocês estão todos borradinhos, por isso torciam todos pela França

.. esta é daquelas apologias que nunca irá entrar na minha cabeça. :mrgreen: :great:

Para sermos os melhores temos de derrotar os melhores? Quem disse? Está escrito nalgum lado? Tudo o que é competições a eliminar - seja Taça de Portugal, Europeu, Mundial, Playoff de Futsal - aquilo que eu quero é derrotar o adversário mais acessível possível, aliás, só provaria que a incompetência dos ditos "favoritos" foi maior do que o habitual, facilitando - em teoria - o trabalho que nós [Sporting, Portugal] teremos de realizar para alcançar os nossos objectivos. Às tantas tenho objectivos errados mas aquilo que eu quero é sagrar-me campeão europeu e se para isso defrontar República Checa + França + Grécia, óptimo. :o :mais: É a dita mania do "galifão", "o que eu quero é derrotar a Espanha", "venha de lá essa Alemanha", dizem eles que isso apenas revela que não somos "borrados" e que não tememos ninguém - pensamento à benfica [ :lol:] - mas depois vai-se a ver e .. opá, bolas, perdemos, mas pronto, ao menos jogámos olhos nos olhos.

A ambição desmedida não é uma qualidade, é estupidez. E há quem confunda "borra" com "inteligência" mas vá, em Portugal existem muitas pessoas que ainda não perceberam que o que fica na história não é o peito, mas sim os títulos. :arrow:

Não, para se ganhar um grande título não é preciso derrotar as 10 primeiras selecções do ranking num mesmo torneio. Até porque seria impossível. Mas de certeza que tens de ganhar a algumas, ou não? Até a Grécia em 2004 teve de eliminar a França e Portugal que era a equipa mais forte do torneio. E deixa que te diga o seguinte, se para ti é igual ganhar um título a jogar contra equpes medianas ou enfrentar as melhores, para mim não. Nem para a maioria esmagadora das pessoas. :arrow:

Essa conversa de galifões e lampios passo à frente, mas também te digo que essa comparação, ainda que subtil, para a próxima merecerá uma resposta diferente. :arrow:

E sim, repito, estavam (e estão!) todos borrados!! Só assim se explica essa "simpatia" pelos galos azuis, equipe essa sim, mediana sem ponta por onde se pegue. Foram triturados pelos espanhóis mesmo e apesar de jogarem sempre com 11 jogadores atrás da bola, como joga a Macedónia e o Luxemburgo. Ridículo! :arrow:

Se para ti jogar de maneira inteligente mas sem medo, é "jogar de peito feito e depois ai Meu Deus levamos na boca e ainda dizem que jogámos olhos nos olhos" eu discordo. Não temos equipa para ter a mesma posse de bola e comandar o jogo como eles têm, e por isso querer fazer isso seria ridículo e um suicídio, mas temos equpe mais que suficiente para não voltarmos ao jogo do betolas frente a Alemanha dos primeiros 75 min de jogo. Temos uma equipa razoável, boa nalgumas posições e o melhor do mundo lá na frente. Perdemos claramente nos 23, mas nos 11, principalmente sem grandes lesões e castigos, consiguimos de certeza jogar o tal " olhos nos Olhos". Não é peito feito, é sem miserabilismos, sem expedientes, sem manhas, sem palahçadas. E sem medo. Perdemos no fim? É provavel, eles são os actuais campeões, e não o foram por acaso nem com ajudas de árbitros como para aqui alguns ainda têm o topete de vir afirmar. Foram porque não tiveram medo dos franceses, dos brasileiros, dos argentinos, dos alemães e dos holandeses. E porque tinham (e têm) uma grande equipa. :arrow:
«Já vi o suficiente deste JJ e já lhe tirei as medidas. Com ele, o Sporting não vai a lado nenhum»

@SCP Always in forumscp 22-08-17
Citar
Toca_do_lobo:

A inveja é muito feia. Vocês estão todos borradinhos, por isso torciam todos pela França, esses sim, uns verdadeiros porcos que já nos f*** vezesvsem conta. Patético. :arrow:


Sendo a Espanha a equipa mais forte, vejo como natural o desejo da vitória dos franceses e que fossem estes os adversários de Portugal
Apesar de um jogo pastoso e com menos qualidade na posse de bola que o habitual, a Espanha confirmou a sua superioridade, raramente foi posta à prova e com um golo tão cedo, pode fazer o seu jogo, defendendo com a bola nos pés.

É preciso dizer que a França provou que ainda não ultrapassou os traumas recentes, continua a ser, à imagem dos últimos anos, um conjunto de jogadores que olham para o seu umbigo e não uma equipa. Não foi um adversário à altura.

Citar
Mas temo, que vamos começar, mais uma vez, cá todos atrás e charutada para o Ronaldo, como o bentolas gosta.

Não vamos tentar ultrapassar os espanhóis em percentagem de posse de bola, disso tenho eu a certeza.

Não vejo as coisas dessa maneira, mas admito que para alguns isso seja uma realidade. Não torço por uns, só por causa de outros. Nem com o Sporting o faço, quanto mais com a seleção. Quer dizer torço sempre contra lampios, corruptos, porque os odeio. Assim como torci contra a França, contra a Alemanha e contra os brits, porque não posso com eles. Mas não porque que tenha medo de jogar contra os seus adversários! :arrow:

Não, de facto não vamos cmpetir com eles pela posse de bola, mas convinha fazer um joguito mais..... atrevidote que o joguito que fizemos contra os boches nos primeiros 75 min. Não somos uma seleção qualquer. Ficaria muito desapontado (mas não surpreendido, sobretudo tendo em conta o treinador...) se Portugal mudasse o seu esquema de jogo para jogar com os espanhóis, como fizeram todas as equipas que jogaram com eles. Com a tal Croácia tão elogiada aqui, incluída. E por isso, (e tirando os italianos, jogo de grupo) é que foram todos de vela. E bem. :arrow:
«Já vi o suficiente deste JJ e já lhe tirei as medidas. Com ele, o Sporting não vai a lado nenhum»

@SCP Always in forumscp 22-08-17
Resumindo o que tenho lido aqui...

Se jogarmos ao ataque e perdermos, não tem problema.
Se jogarmos à defesa e ganharmos, deve ser criticado!

Posso concordar com as críticas ao Paulo Bento em jogos de pontos ( e mesmo assim não concordo totalmente), mas em jogos a eliminar, é óbvio que o jogo tem que ser feito com muita contenção e com o mínimo de risco possível, pois uma perda de bola pode ser fatal. Fazer aquilo que muitos foristas criticam é fundamental, não arriscar desnecessáriamente no passe, ter a bola controlada, e sair para o ataque rápido, principalmente em roubos de bola.

Vamos ver...
Citar
Toca_do_lobo:


Não vejo as coisas dessa maneira, mas admito que para alguns isso seja uma realidade. Não torço por uns, só por causa de outros. Nem com o Sporting o faço, quanto mais com a seleção. Quer dizer torço sempre contra lampios, corruptos, porque os odeio. Assim como torci contra a França, contra a Alemanha e contra os brits, porque não posso com eles. Mas não porque que tenha medo de jogar contra os seus adversários! :arrow:


Bem, cada um fala por si... no meu caso não é uma questão de medo, mas de lógica, quando esta aumentaria as nossas probabilidades de ganhar o título e estas seriam maiores, em teoria, se defrontássemos a França, que é uma equipa cheia de egos e espartilhada. Tal desejo parece-me perfeitamente natural.

Agora não nego que esta meia final com a Espanha tem os seus méritos... é que no caso de vitória de Portugal, esta será frente aos campeões europeus e mundiais em título, porventura o grande candidato à vitória este ano, o que elevaria o feito dos portugueses... que não o acho, de todo, impossível, embora seja, evidentemente, muito difícil.