[Equipa B] Comentários e Opiniões

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Isto ja é a divagar mas podia ser colocada 1 regra do genero 4 jogadores até x idade podem jogar pela equipa B desde que nao sejam convocados para a equipa A.
Tipo arias, rubio jogadores menos utilizados na A mas atençao esses tais 4 jogadores teriam que ser sempre os mesmos, relativamente a equipa B tb so 4 com idade igual ou superior a 19 anos podiam ser chamados ( tipo o golas que poderia ser o 3º Gr dos seniores e ia jogando na B)

Alguem refere Juary sinceramente não gosto muito do jogador em questao e temos p.mendes, eric,tobias,illori,le chega e sobra

Discordo.

Acho que o Sporting (e qualquer outro clube) deve utilizar na sua equipa B quem muito bem entender, e não vejo como pode haver alguma concorrência desleal por termos uns 30 jogadores inscritos em ambas as equipas e divisões até porque essa é outra das principais vantagens das equipas B. Não a vejo como concorrência desleal, entenda-se, porque qualquer clube em Portugal é livre de abrir uma equipa B.

Nota: Ilori, é com um só L, e é com İ.
Não percebo porque estão todos a querer deitar a perder uma das principais vantagens de ter uma equipa B que é a diminuição do número de jogadores do plantel principal.
Não. Uns 22 jogadores da equipa principal (o Barça devera rondar os 20/21) e uns miudos talentosos a saltarem muitas vezes da B.

Vejo jogadores como Ilori, Esgaio, João Carlos e Betinho (por exemplo) que com ritmo de futebol sénior, e se bem trabalhados, têm um talento que lhes permitirá ser aposta.

Na minha opinião a equipa principal deve ter apenas cerca de 18/19 jogadores.
Jogadores que sejam terceiras e quartas opções (dependendo da sua posição em campo) devem manter o ritmo competitivo na Liga Orangina, à falta de melhor opção. Não vejo o que podem o clube e os jogadores ganhar ao ficar com alguns deles parados meses de seguida, e temos tido muitos nessa situação ao longo das últimas épocas.
mas é preferível jogarem ai, sempre que tiverem no banco ou não sequer forem convocados.

Quantos jogos este ano o Andre Martins sem sequer ser convocado? e o Arias? e o Pereirinha?

Também pode servir para dar ritmo a jogadores que vêm de lesoes ou em ma forma

Isso não leva a nada de bom em minha opinião. Uma equipa B quer-se muito competitiva, ali a bater à porta da principal, não é um passeio para "recuperar jogadores", que lá vão para não arriscar nada e que assim comprometem o desempenho da própria equipa e a motivação dos seus jogadores. Já fizemos isso na passado e o resultado foi péssimo.
@Joséfino

Meu caro, o conceito de futebol português, em geral, é algo dúbio. Na realidade, o futebol português, em geral (se quisermos, o futebol profissional, em particular), recorre ao mercado brasileiro com mais facilidade do que se socorre das camadas jovens próprias, ou mesmo de outros clubes. Ora, o interesse do futebol português em geral, está em contraponto com a conduta dos clubes, também na sua generalidade.

A questão das assistências é algo que vai carecer de demonstração. Penso que a mais valia terá que ver com os direitos televisivos, não tanto com as assistências. Não estou a ver os nossos adeptos, especialmente os das claques, desdobrarem-se para ir aos jogos da equipa B e aos jogos dos AA. Mas, como referi, é algo que carece de ser demonstrado e eu não tenho, também, como contestar essa tua afirmação.

Eu expressei-me de forma incompleta, relativamente à "flutuação de jogadores" entre A e B. Mas vamos lá por partes. Deste plantel, quem é que seria despromovido para a equipa B, em nome de um plantel mais reduzido? Se não os integrarmos na equipa B, terão que ser emprestados, dispensados ou vendidos. Nem todas estas possibilidades dependem da nossa vontade.

Vamos supor:
a) que os mais jovens podem jogar na equipa B e que são para lá encaminhados, por exemplo, o Carrillo, o Rubio e o André Martins (penso que existirão regras, relativamente à idade dos jogadores que podem integrar o plantel B). Isto não é desvirtuar a competição, na Liga Orangina?

b) vamos supor que ninguém sai do plantel principal para o B, mas que existe uma redução do plantel para, por exemplo, 20 jogadores. O Domingos não treina apenas 20 jogadores, por isso serão chamados, regularmente (ou mesmo em permanência) 4 ou 5 jogadores. Então, não estamos a dar rotinas competitivas que vão beneficiar a equipa B, em condições que nenhum dos seus adversários pode igualar?

c) Não reduzimos o plantel e, por essa via, não há uma "flutuação" de jogadores entre plantéis de forma tão decisiva. Mas então, estamos a anular o efeito de ter plantéis mais curtos.

Os plantéis mais curtos, como disse e mantenho, retiram-nos competitividade se a redução não for imposta a todos os clubes. Olhemos para o plantel do Benfica e Porto, actuais, e digam-me lá de que jogadores podemos abdicar, do nosso plantel, sem que exista perda de competitividade.

Eu não acredito que o Benfica e o Porto, mesmo com as equipas B, reduzam os respectivos plantéis, da forma que muitos adeptos leoninos concebem que poderá suceder no Sporting. Portanto, a redução do plantel não é um efeito que eu repute de positivo, se considerarmos a trilogia "custo/competitividade/sucesso".

Relativamente aos clubes satélites, eu também não acho que os adeptos desse clube se convertam ao sportinguismo, só por lá terem jogadores nossos emprestados. Mas, se exportares o modelo de formação para esses clubes, angarias fontes privilegiadas de captação de talento, de forma descentralizada, mas sempre com a nossa supervisão. Basicamente, o Sporting tem as suas equipas de formação e ainda a dos seus satélites. Isso cria um sistema que permite aos miúdos, que entrem na formação dos satélites, terem a ambição de, um dia, poderem jogar na equipa do Sporting. O que, com tempo, vai levar à criação de uma maior empatia das comunidades para com o Sporting Clube de Portugal.
"Players lose you games, not tactics. There's so much crap talked about tactics by people who barely know how to win at dominoes." - Brian Clough

"He is a perfect illustration of my constant theme about assembling a team of imperfect players who compliment each other perfectly. Unless he is surrounded by team mates who recognise his strenghts and cover for his weaknesses, his special goal scoring ability will go largely untapped. He needs to to be in the right place at the right time!" - Bob Paisley on John Wark
Esta ideia da equipa B, como já disse aqui é deveras interessante, contudo, há diversos pontos - a maioria já focados aqui - que temos de ter em conta.

  • Para que exista equipa B sou de opinião que a equipa principal não pode ser constituída por mais do que 18 jogadores: 2 guarda-redes, 6 defesas, 5 médios, 3 extremos e 2 avançados.
  • Se só temos os 18 jogadores em cima, obrigatoriamente, a equipa B vai ter de ser constituída por jovens de inegável qualidade, por exemplo, jogadores como Cedric ou N. Reis. Digo isto por vários motivos: a qualquer momento a equipa principal precisará de jogadores (há lesões, há jogadores indisponíveis por cartões, há desgaste físico), portanto, os jogadores que venham a ser substitutos têm, de ter, de facto, capacidade para substituir os do plantel principal; não fará sentido ter equipa B senão for para integrar os jogadores e se a equipa principal for constituída por mais do que 18 jogadores, menores são as hipóteses de alinhar pela equipa principal e, consequentemente, menor será a atração que os jogadores terão em alinhar pela equipa B
  • Li, por aí, que jogadores como N. Reis ou Cedric nunca poderiam ser colocados numa equipa B, pois são jogadores para voos, claramente, superiores. Não discordo, todavia, queremos uma equipa B na Liga Orangina ou para estar a jogar na II ou III divisão? Uma equipa constituída maioritariamente por júniores ou por seniores de 1º ano tem capacidade para se manter na Orangina?
  • A Equipa B seria para aproveitar somente jogadores nossos ou serviria também como uma forma de lançar talentos que andam perdidos por essas ligas inferiores? Temos tido bons exemplos de que há jogadores perdidos nessas ligas: Salomão, Djaniny, Rudy, etc.
  • A equipa B será um fenómeno tão necessário de transição para o plantel principal? Não podemos, ao invés de ter uma equipa B, reduzir os números do plantel principal, ficando com os jogadores que têm mais qualidade e ir "lançando", paulatinamente, alguns júniores?
  • Em termos financeiros, será que os salários iriam ter um aumento considerável, ou pelo contrário, até podiam ser reduzidos?
A Orangina vai passar a ter 22 equipas?  :o
Acho que vou passar a ver mais jogos da Orangina do que da 1º liga...
Liga prepara entrada das equipas B na Liga Orangina
MUDANÇAS PARA A ÉPOCA 2012/13


A Liga de Clubes deverá aprovar na quarta-feira a proposta de regulamentação das equipas B, que prevê a sua entrada direta na Liga Orangina a partir da próxima época.

Tal medida, que implica aprovação posterior pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF), obrigará ao alargamento da segunda divisão do futebol nacional na época 2012/13, dos atuais 16 para 22 clubes, de modo a abrir vagas para os seis emblemas que pretendem usufruir dessa possibilidade.

Fonte ligada ao processo disse à Lusa que, além do Marítimo, que mantém a sua equipa B em atividade, já apresentaram intenções nesse sentido FC Porto, Benfica, Sporting, Vitória de Guimarães e Sp. Braga.

Após a aprovação em Assembleia-Geral da Liga, a nova direção da FPF, encabeçada por Fernando Gomes, apreciará a proposta de regulamentação, para a qual o próprio contribuiu enquanto presidente da Liga de clubes, cargo ao qual deverá renunciar até sexta-feira.

Segundo os estatutos federativos, é da competência da sua Direção a aprovação desta proposta, apesar de a sua implementação poder ser revista na época seguinte em Assembleia-Geral por requerimento de 20 por cento dos delegados.

Segundo fonte da Liga, essa proposta de regulamentação e as modificações necessárias no protocolo entre o organismo e a FPF deverão ficar aprovadas até finais de janeiro de 2012.

Entre os principais pontos a apreciar na quarta-feira estão os pressupostos competitivos, nomeadamente os critérios de constituição dos planteis, sendo segura a aposta no "jogador formado localmente", referiu a mesma fonte.

Assim, as equipas B devem fazer constar, na ficha técnica de um jogo, um número mínimo de dez jogadores formados localmente, isto é, que tenham sido inscritos na FPF há um período mínimo correspondente a três épocas desportivas, entre os 15 e 21 anos de idade.

Por outro lado, um jogador não poderá alinhar pela "B" se, em representação da equipa principal, tiver sido sancionado com cartões amarelos (em série ou por duplo amarelo) ou com cartão vermelho.

Tal deverá também ser cumprido no jogo seguinte da competição em que a equipa principal esteja envolvida, de modo a evitar que as equipas B sirvam para "limpar cadastros" do campeonato principal.

Segundo a Lusa apurou junto da Liga, a proposta define que as equipas B não podem estar na mesma divisão do que as as formações principais e estão sujeitas à descida aos escalões inferiores.

A despromoção pode acontecer pela via competitiva ou caso a equipa principal desça à Liga Orangina, o que motivará a descida automática da respetiva equipa B.

Tendo em conta pressupostos de aposta em jogadores das formações dos clubes, o que também abrange os jovens portugueses, os critérios etários prevalecem na proposta da Liga que será submetida à aprovação quarta-feira.

Assim, a idade máxima dos jogadores nas equipas B será de 23 anos e um mínimo de 16, à exceção de três, que poderão atuar sem limite etário. Estas restrições aplicam-se á ficha de cada jogo e não ao plantel.

A Assembleia-Geral Extraordinária da Liga de clubes, que apreciará e votará esta proposta, terá lugar na quarta-feira, no edifício da Alfândega do Porto, a partir das 17 horas.

Antes, pelas 14h, reúne-se o Conselho de Presidentes, órgão que a 27 de janeiro manifestou concordância no sentido de integrar as equipas B nas competições profissionais.
a limitação de idades parece-me idiota!
Gosto da proposta  :clap:

Sendo que é para 2012/2013, vamos poder dar continuidade a esta geração de juniores.

A limitação de idades não é idiota...e se vires bem, poderás alinhar com 3jogadores fora dos limites, o que irá porporcionar a possibilidade de jogadores da A possam recuperar o ritmo competitivo na equipa B. Que sentido faz teres jogadores fixos na equipa B com mais de 23 anos? Um gajo com mais de 23, se não deu nada, é porque não vai dar...além de que os encargos financeiros com um jogador desta idade não é o mesmo que de um gajo de 20.

Que avance rápido e que os nossos dirigentes comecem já a trabalhar no plantel. Esta medida vai proporcionar também a possibilidade de juniores de 2º ano, como Iuri, Bruma, Chaby, Dier, Tobias, Ié e outros, de irem experimentando o futebol sénior, ao mesmo tempo que os juniores de 1º ano teram maiores possibilidades de jogar  :great:

Só vejo vantagens neste modelo  :clap:
Gosto da proposta  :clap:

Sendo que é para 2012/2013, vamos poder dar continuidade a esta geração de juniores.

A limitação de idades não é idiota...e se vires bem, poderás alinhar com 3jogadores fora dos limites, o que irá porporcionar a possibilidade de jogadores da A possam recuperar o ritmo competitivo na equipa B. Que sentido faz teres jogadores fixos na equipa B com mais de 23 anos? Um gajo com mais de 23, se não deu nada, é porque não vai dar...além de que os encargos financeiros com um jogador desta idade não é o mesmo que de um gajo de 20.

Que avance rápido e que os nossos dirigentes comecem já a trabalhar no plantel. Esta medida vai proporcionar também a possibilidade de juniores de 2º ano, como Iuri, Bruma, Chaby, Dier, Tobias, Ié e outros, de irem experimentando o futebol sénior, ao mesmo tempo que os juniores de 1º ano teram maiores possibilidades de jogar  :great:

Só vejo vantagens neste modelo  :clap:

discordo, eles aprendem mais jogando com jogadores experientes ao lado do que continuando com os mesmos colegas dos juniores...

no meu entender deveria haver uma estrutura base de jogadores experientes para integrar os jovens e potenciar a sua evolução, nesse aspecto vejo mais interesse em préstimos pontuais como se tem feito até agora do que na manutenção de uma equipa de juniores mais velhos!
Gosto da proposta  :clap:

Sendo que é para 2012/2013, vamos poder dar continuidade a esta geração de juniores.

A limitação de idades não é idiota...e se vires bem, poderás alinhar com 3jogadores fora dos limites, o que irá porporcionar a possibilidade de jogadores da A possam recuperar o ritmo competitivo na equipa B. Que sentido faz teres jogadores fixos na equipa B com mais de 23 anos? Um gajo com mais de 23, se não deu nada, é porque não vai dar...além de que os encargos financeiros com um jogador desta idade não é o mesmo que de um gajo de 20.

Que avance rápido e que os nossos dirigentes comecem já a trabalhar no plantel. Esta medida vai proporcionar também a possibilidade de juniores de 2º ano, como Iuri, Bruma, Chaby, Dier, Tobias, Ié e outros, de irem experimentando o futebol sénior, ao mesmo tempo que os juniores de 1º ano teram maiores possibilidades de jogar  :great:

Só vejo vantagens neste modelo  :clap:

discordo, eles aprendem mais jogando com jogadores experientes ao lado do que continuando com os mesmos colegas dos juniores...

no meu entender deveria haver uma estrutura base de jogadores experientes para integrar os jovens e potenciar a sua evolução, nesse aspecto vejo mais interesse em préstimos pontuais como se tem feito até agora do que na manutenção de uma equipa de juniores mais velhos!

Discordo. Eles não aprendem mais a jogar com jogadores experientes, mas sim jogadores melhores. Nem vou muito longe, achas que Ricky van Wolfswinkel ou Rubiu têm algo a aprender com um jogador experiente como Postiga? Eu não.

Empréstimos pontuais? Com que propósito? É que basta olharmos para André Martins e Adrien para percebermos que esse não é o caminho. Se isso não chega, podemos sempre olhar para o Barcelona. Onde vês jogadores deles emprestados? A equipa B enquadrasse nos moldes pensados para as equipas B em Portugal, onde chegam a meter miúdos de 17/18 e 19 com maior potencial.

A principal falha do futebol de formação em Portugal, e que agora pode ser corrigido, está na transicção de Junior para Sénior. Os miúdos não podem parar de jogar, e têm de se adaptar o máximo possível ao grau de dificuldade. Só após é que acho que nos devemos preocupar com o resto. O que interessa é que não parem de jogar, de competir.
Gosto da proposta  :clap:

Sendo que é para 2012/2013, vamos poder dar continuidade a esta geração de juniores.

A limitação de idades não é idiota...e se vires bem, poderás alinhar com 3jogadores fora dos limites, o que irá porporcionar a possibilidade de jogadores da A possam recuperar o ritmo competitivo na equipa B. Que sentido faz teres jogadores fixos na equipa B com mais de 23 anos? Um gajo com mais de 23, se não deu nada, é porque não vai dar...além de que os encargos financeiros com um jogador desta idade não é o mesmo que de um gajo de 20.

Que avance rápido e que os nossos dirigentes comecem já a trabalhar no plantel. Esta medida vai proporcionar também a possibilidade de juniores de 2º ano, como Iuri, Bruma, Chaby, Dier, Tobias, Ié e outros, de irem experimentando o futebol sénior, ao mesmo tempo que os juniores de 1º ano teram maiores possibilidades de jogar  :great:

Só vejo vantagens neste modelo  :clap:

discordo, eles aprendem mais jogando com jogadores experientes ao lado do que continuando com os mesmos colegas dos juniores...

no meu entender deveria haver uma estrutura base de jogadores experientes para integrar os jovens e potenciar a sua evolução, nesse aspecto vejo mais interesse em préstimos pontuais como se tem feito até agora do que na manutenção de uma equipa de juniores mais velhos!

A equipa B não é para dar continuidade aos juniores. Devemos ficar com os 3/4 melhores jogadores de cada ano saídos da formação  e com outros como o Arias, Carrillo, Rubio e Turan.
Se jogássemos com todos os juniores acho que descíamos.   
Gosto da proposta  :clap:

Sendo que é para 2012/2013, vamos poder dar continuidade a esta geração de juniores.

A limitação de idades não é idiota...e se vires bem, poderás alinhar com 3jogadores fora dos limites, o que irá porporcionar a possibilidade de jogadores da A possam recuperar o ritmo competitivo na equipa B. Que sentido faz teres jogadores fixos na equipa B com mais de 23 anos? Um gajo com mais de 23, se não deu nada, é porque não vai dar...além de que os encargos financeiros com um jogador desta idade não é o mesmo que de um gajo de 20.

Que avance rápido e que os nossos dirigentes comecem já a trabalhar no plantel. Esta medida vai proporcionar também a possibilidade de juniores de 2º ano, como Iuri, Bruma, Chaby, Dier, Tobias, Ié e outros, de irem experimentando o futebol sénior, ao mesmo tempo que os juniores de 1º ano teram maiores possibilidades de jogar  :great:

Só vejo vantagens neste modelo  :clap:

discordo, eles aprendem mais jogando com jogadores experientes ao lado do que continuando com os mesmos colegas dos juniores...

no meu entender deveria haver uma estrutura base de jogadores experientes para integrar os jovens e potenciar a sua evolução, nesse aspecto vejo mais interesse em préstimos pontuais como se tem feito até agora do que na manutenção de uma equipa de juniores mais velhos!

Discordo. Eles não aprendem mais a jogar com jogadores experientes, mas sim jogadores melhores. Nem vou muito longe, achas que Ricky van Wolfswinkel ou Rubiu têm algo a aprender com um jogador experiente como Postiga? Eu não.

Empréstimos pontuais? Com que propósito? É que basta olharmos para André Martins e Adrien para percebermos que esse não é o caminho. Se isso não chega, podemos sempre olhar para o Barcelona. Onde vês jogadores deles emprestados? A equipa B enquadrasse nos moldes pensados para as equipas B em Portugal, onde chegam a meter miúdos de 17/18 e 19 com maior potencial.

A principal falha do futebol de formação em Portugal, e que agora pode ser corrigido, está na transicção de Junior para Sénior. Os miúdos não podem parar de jogar, e têm de se adaptar o máximo possível ao grau de dificuldade. Só após é que acho que nos devemos preocupar com o resto. O que interessa é que não parem de jogar, de competir.

discordo de ti, é um alivio ver o postiga pelas costas, no entanto não tenhas dúvidas que poderia ensinar muita coisa ao RVW, ou pensas que o ronaldo ou o messi por serem os melhores do mundo não aprendem nada com os outros??
A equipa B não é para dar continuidade aos juniores. Devemos ficar com os 3/4 melhores jogadores de cada ano saídos da formação  e com outros como o Arias, Carrillo, Rubio e Turan.
Se jogássemos com todos os juniores acho que descíamos.   

Descer? É sempre possível que aconteça...mas temos de nos lembrar que nós teremos possivelmente alguns futuros jogadores da selecção nacional na nossa equipa. Vale a pena apostar. Mesmo que desçam, acredito que com a evolução, própria do crescimento e evolução, irão sempre voltar a subir. A formação não acaba aos 19, e eu, pessoalmente, encaro a equipa B apenas como uma nova fase da formação. A longo prazo, espero que esta equipa esteja sempre entre os 1ºs da divisão.

Eu acho que devemos ficar não com os 3/4 melhores, mas sim todos aqueles que se considere que tenham possibilidade de vir a dar algo ao nosso clube, e neste momento são muitos. Esgaio, Mica, Ilori, Ié, Dier, Tobias Cá, JMário, JCarlos, Bruma, Iuri, Chaby, Betinho, Etock, e outros, não podem ficar parados, nem ser emprestados ao desbarato. Juntando a estes, Serôdio, Juary, Zézinho, Baldé, ou mesmo Rosado + um ou outro, acho que teremos condições para ter uma equipa competitiva a jogar bom futebol.

Arias, Carrillo, Rubio e Turan? Esses foram contratados para a equipa principal...Já todos têm rodagem de séniores ainda antes de chegarem ao Sporting.

Gosto da proposta  :clap:

Sendo que é para 2012/2013, vamos poder dar continuidade a esta geração de juniores.

A limitação de idades não é idiota...e se vires bem, poderás alinhar com 3jogadores fora dos limites, o que irá porporcionar a possibilidade de jogadores da A possam recuperar o ritmo competitivo na equipa B. Que sentido faz teres jogadores fixos na equipa B com mais de 23 anos? Um gajo com mais de 23, se não deu nada, é porque não vai dar...além de que os encargos financeiros com um jogador desta idade não é o mesmo que de um gajo de 20.

Que avance rápido e que os nossos dirigentes comecem já a trabalhar no plantel. Esta medida vai proporcionar também a possibilidade de juniores de 2º ano, como Iuri, Bruma, Chaby, Dier, Tobias, Ié e outros, de irem experimentando o futebol sénior, ao mesmo tempo que os juniores de 1º ano teram maiores possibilidades de jogar  :great:

Só vejo vantagens neste modelo  :clap:

discordo, eles aprendem mais jogando com jogadores experientes ao lado do que continuando com os mesmos colegas dos juniores...

no meu entender deveria haver uma estrutura base de jogadores experientes para integrar os jovens e potenciar a sua evolução, nesse aspecto vejo mais interesse em préstimos pontuais como se tem feito até agora do que na manutenção de uma equipa de juniores mais velhos!

A equipa B não é para dar continuidade aos juniores. Devemos ficar com os 3/4 melhores jogadores de cada ano saídos da formação  e com outros como o Arias, Carrillo, Rubio e Turan.
Se jogássemos com todos os juniores acho que descíamos.   

concordo com o citério de selecção que falas, mas dessa forma não se consegue fazer uma equipa. tinhamos 3 ou 4 juniores + 3 ou 4 contrataçoes promissoras e o resto??

há muitos bons jogadores experientes e que podem ser mais valias na 2ª liga portuguesa e que podiam ser aproveitados com baixo custo!!
Existem algumas questões que em minha opinião não estão resolvidas e que limitam de sobremaneira este projecto.

1º: Se as outras equipas da primeira liga quiserem criar uma equipa B, todas elas vão para a orangina? ou para a IIB?

2º: É impossível um plantel de ex-juniores manter-se na Orangina. A ir buscar todos os que estão fora, acabam-se os empréstimos? Será que o clube não perde com isso?

3º Não teria igual benefício prolongar o período de formação de um júnior e criar um escalão de formação adicional de sub-21? Não seria desportivamente mais justo, muito mais barato pois não teria custos de futebol profissional e não cumpriria grosseiramente com os propósitos de uma equipa B?

4º A optimização do plano competitivo dos júniores, com competições satélite para além do Nacional, não colmatará em larga medida as carências que se verificaram até aqui?

5º Aceitará algum treinador que queira lutar pelo título um plantel de 18 jogadores?

Reitero o que disse até aqui. Vou esquecer a equidade desportiva que resulta deste modelo. Para que a equipa B tenha sucesso é necessário investimento a sério, investimento monetário, ou nenhuns benefícios daí resultam. O plantel duvido que possa ter mais de 50% de ex-juniores para ser competitivo ao nível necessário par integrar a equipa A do Sporting. Duvido que o sporting esteja na disposição de fazer isso mas espero sinceramente que o faça pois, globalmente, uma equipa B muito forte com um plantel da A reduzido é aquele que acredito que trás melhores resultados desportivos e dividendos financeiros. Mas o meu bold é essencial, caso contrário este projecto será um desperdiçar de recursos.
 :offtopic:

Existem dois tópicos sobre este tema

fim de  :offtopic:
Existem algumas questões que em minha opinião não estão resolvidas e que limitam de sobremaneira este projecto.

1º: Se as outras equipas da primeira liga quiserem criar uma equipa B, todas elas vão para a orangina? ou para a IIB?

2º: É impossível um plantel de ex-juniores manter-se na Orangina. A ir buscar todos os que estão fora, acabam-se os empréstimos? Será que o clube não perde com isso?

3º Não teria igual benefício prolongar o período de formação de um júnior e criar um escalão de formação adicional de sub-21? Não seria desportivamente mais justo, muito mais barato pois não teria custos de futebol profissional e não cumpriria grosseiramente com os propósitos de uma equipa B?

4º A optimização do plano competitivo dos júniores, com competições satélite para além do Nacional, não colmatará em larga medida as carências que se verificaram até aqui?

5º Aceitará algum treinador que queira lutar pelo título um plantel de 18 jogadores?

Reitero o que disse até aqui. Vou esquecer a equidade desportiva que resulta deste modelo. Para que a equipa B tenha sucesso é necessário investimento a sério, investimento monetário, ou nenhuns benefícios daí resultam. O plantel duvido que possa ter mais de 50% de ex-juniores para ser competitivo ao nível necessário par integrar a equipa A do Sporting. Duvido que o Sporting esteja na disposição de fazer isso mas espero sinceramente que o faça pois, globalmente, uma equipa B muito forte com um plantel da A reduzido é aquele que acredito que trás melhores resultados desportivos e dividendos financeiros. Mas o meu bold é essencial, caso contrário este projecto será um desperdiçar de recursos.

Mas quais clubes alem dos mencionados têm capacidade para manter uma equipa B ?
A maioria deles nem uma equipa principal com um mínimo de qualidade conseguem ter sem empréstimos de outros clubes .
« Última modificação: Dezembro 13, 2011, 18:48 pm por Alvalade »
Total de utilizadores ignorados: 44
3º Não teria igual benefício prolongar o período de formação de um júnior e criar um escalão de formação adicional de sub-21? Não seria desportivamente mais justo, muito mais barato pois não teria custos de futebol profissional e não cumpriria grosseiramente com os propósitos de uma equipa B?
Já pensei nisto. Mas só Sporting, Benfica, Porto e mais 1/2 equipas seriam competitivas com um 'escalão sub-21'. E o objectivo é subir um degrau competitivo, face aos juniores. As dúvidas que tenho é se não será um degrau demasiado alto, inicialmente.

5º Aceitará algum treinador que queira lutar pelo título um plantel de 18 jogadores?

O plantel duvido que possa ter mais de 50% de ex-juniores para ser competitivo ao nível necessário par integrar a equipa A do Sporting.
As duas coisas estão relacionadas. Ou se reduz bastante o número de jogadores na equipa principal (para os tais 18 que referes, por exemplo), e isso força a ter uma Equipa B com uma base muito forte e já com alguma experiência - caso contrário, o projecto no Sporting deixará de ser muito apelativo para lutar pelo título.

Ou então, reduzes apenas ligeiramente o número de jogadores (para uns 22, por exemplo) e isso faz com que seja possível não ter custos tão elevados na Equipa B - ficando a tal base do plantel mais composta por ex-juniores, o que forçaria igualmente (o que a meu ver não seria particularmente problemático) a que, inicialmente, o projecto começasse na II B.

Isto é, neste aspecto tens duas opções (verificando-se o ressurgimento de uma equipa B): ou um plantel principal muito curto com uma Equipa B forte, com uma base mais experiente e a actuar num Campeonato competitivo (como a Orangina); ou um plantel principal apenas ligeiramente mais curto, com uma base mais composta por ex-juniores a actuar na II B.

Eu, pessoalmente, pesando os dois 'pratos' na balança... optaria pela segunda hipótese.
@ Mudo,

Conhecendo melhor o ritmo do futebol formação que eu, e vendo que há muito talento a não desperdiçar na actual equipa de juniores (talentos esses, que fazem sentido seguir para a Equipa B), não preferias começar o projecto, no seu primeiro ano, na II B?

Se subíssemos, melhor...