Sem tréguas

0 Membros e 2 Visitantes estão a ver este tópico.

As eleições de 1958 também pareciam estar a favor de Humberto Delgado e este acabou derrotado contra quase 80% de votos no eterno Padrinho, como lhe chama afectuosamente a Ruth Malosso.

Portugal não mudou, estamos em 2017 e ainda agora esses corruptos ganharam mais um campeonato como todos sabemos. Vivemos no mesmo país labrego de 2016, 2015, 2014, 1963, 1962, 1961... A única diferença é que agora é tudo mais sofisticado e temos mais pão e circo.

Com VAR ou sem VAR as pessoas continuam a ser as mesmas e o lampionismo está enraizado nesta sociedade mal-formada e corrupta como a Ndrangheta na Calábria, a Camorra em Nápoles ou a Cosa Nostra na Sicília.

Os lampiões só param de subverter o sistema quando são apertados a sério e só quem conseguiu isso, através de um esquema bem montado na única cidade capaz de competir com a capital, foi o Porto. E isto também só foi possível num período, pós-25 de Abril, em que o dinheiro se deslocou para Norte perante a instabilidade que se vivia a Sul.

LFV e o seu Círculo (estamos a falar de uma máfia a sério, não apenas de crime desportivo), recuperaram todo o poder de subversão vermelho de um Estado Novo pós-1958 que nunca deixou de existir, um sistema auto-gerido de viciação orgânica e velada onde ganhava e ganha sempre o Clube do Regime. Desde políticos, magistrados e jornalistas a todo o tipo de dirigentes passando por toda essa praga de chefias intermédias que infestam as instituições e acabando em toda uma legião vermelha de portugueses mal-formados que compõem o grosso da população mais fiel ao ideal subversivo lampiónico que à própria nação. Essa é a verdadeira Estrutura que estava apenas adormecida.

O Clube do Regime pode dar-se ao luxo de perder 5 pontos ou até 5 campeonatos para depois recuperarem 20 pontos ou 20 campeonatos. Basta um fora-de-jogo decisivo no José Alvalade ao mesmo tempo que se assinala um penalty crucial em Carnide, a vantagem esfuma-se em segundos. Ou podem até oferecer-nos um título para de seguida nos brindarem com mais um treta-campeonato. Um ano refractário para fazerem umas afinações no sistema e nos calarem durante uns tempos, como aconteceu entre 1958 e 1978, em que a Batota Instituída ganhou 15 campeonatos e ao Sporting calharam 4 migalhas criteriosamente intercaladas.

Enquanto Portugal for o que é, competir numa modalidade desportiva nacional em que o Clube do Regime esteja envolvido é como acharmos que podemos montar uma estratégia duradoura para bater a casa num jogo de casino. Todos sabemos de que cor têm sido, são e continuarão a ser a federação, a liga, os árbitros e toda a gente sinistra que move o futebol português e que gravita em torno dele desde as cúpulas do poder ao mais reles jardineiro que liga a rega no final de um jogo. Com cartilha ou sem cartilha, eles não precisam de receber ordens para subverter porque têm uma mentalidade colectiva que preenche a ausência de consciência individual elevada e que os obceca com o propósito único do poder total e hegemonia a qualquer custo, tradicionalmente a custo da integridade moral e consequente lealdade desportiva.

Desengane-se quem acha que algo está a mudar. Cada vez que as nossas equipas entram em campo estão sempre em território hostil. Até podemos estar a ganhar algumas batalhas mas esta é uma guerra que nunca teve nem tem fim à vista e não poderá haver um único momento de tréguas.
Creio que o post deveria estar na zona da redacção.

Gostei de ler btw, também me revejo em algumas das opiniões(factos aliás).
 :clap: :clap: :clap: :clap: :clap: :clap: :clap: :clap:

Muito bem mesmo. Infelizmente é assim  :(
Com cartilha ou sem cartilha, eles não precisam de receber ordens para subverter porque têm uma mentalidade colectiva que preenche a ausência de consciência individual elevada e que os obceca com o propósito único do poder total e hegemonia a qualquer custo, tradicionalmente a custo da integridade moral e consequente lealdade desportiva.

Ler este parágrafo com atenção!
Spot on Viridis
Retrato cruel mas verdadeiro do nosso Futebol.  :mais:
Não coloco nem retiro uma vírgula sequer.

Este é o meu sentimento. Mais tarde ou mais cedo vamos perder pontos por inépcia ou simplesmente por roubo, quando acharem que já nos estamos a amesendar demasiado.

Ou então, como diz o @Viridis e muito bem, até nos podem deixar ganhar um campeonatozito e, parafraseando um lema pós 1926, "cá vamos nós (os Sportinguistas) cantando e rindo".

Este é um texto para refletirmos e não criarmos grandes expectativas que é para não ficarmos desapontados. Resta-nos fazer o nosso trabalho, o melhor que soubermos e pudermos. Pode ser que as coisas mudem mais tarde ou mais cedo.
   Gostei da metáfora do casino. É assim que eles se consideram, os donos ou anfitriões do jogo viciado, onde sempre acabam por ganhar, mesmo que por vezes percam, ou sejam forçados a dar uma borla.

   A melhor forma de não perder é não jogar o jogo deles, e impor o nosso. Sem batota e sem vícios, onde todos possam competir.
"Isto aqui não é a operação lava-jacto, isto é mas é a operação lava-porta-aviões"
Rui Trindade

Hic Sunt Leones
Muito bom @Viridis é a opinião que também tenho, a forma de estar e a corrupção está-lhes no sangue.
23-03-2013 A noite mais feliz da minha vida como Sportinguista.
A partir de agora mandamos nós e o Sporting terá o seu caminho novamente, quero vos agradecer a todos e dizer claramente para que toda a gente oiça:
Viva o Sporting Clube de Portugal! É nosso outra vez!
Palavras do Presidente do Sporting Clube de Portugal, Bruno de Carvalho. Bem haja Presidente!
(...) ao mesmo tempo que se assinala um penalty crucial em Carnide, a vantagem esfuma-se em segundos (...)
Pertinho de Carnide, ou seja, em S. Domingos de Benfica.
«Opiniões divergentes não significam ataques pessoais»
(...) ao mesmo tempo que se assinala um penalty crucial em Carnide, a vantagem esfuma-se em segundos (...)
Pertinho de Carnide, ou seja, em S. Domingos de Benfica.


Eles é que inicialmente chamaram Estádio de Carnide à capoeira, não foi? ;)
(...) ao mesmo tempo que se assinala um penalty crucial em Carnide, a vantagem esfuma-se em segundos (...)
Pertinho de Carnide, ou seja, em S. Domingos de Benfica.
Eles é que inicialmente chamaram Estádio de Carnide à capoeira, não foi? ;)
Isso carece de confirmação. Mas não, nem sequer está próximo da verdade.
No início de 1908, antes da fundação do SLB (Setembro), um dos clubes que lhe deu origem (o Sport Lisboa, do qual o Sporting também é descendente) jogou algures entre Luz e Carnide. Mas, não só esse campo não ficou para a história, como também não era o galinheiro (inaugurado simbolicamente a 1 de dezembro de 1954) que veio a ganhar forma nos anos 50~60.

«Opiniões divergentes não significam ataques pessoais»
Espera, antes de mais, existiu alguma relação entre o Sport Lisboa e o Sporting?
Espera, antes de mais, existiu alguma relação entre o Sport Lisboa e o Sporting?
Claro que existiu.
Só que um dia se zangaram, os sportinguistas saíram, e o Sport Lisboa faliu.

Sent from my Redmi 3 using Tapatalk

«Opiniões divergentes não significam ataques pessoais»
...  Enquanto Portugal for o que é, competir numa modalidade desportiva nacional em que o Clube do Regime esteja envolvido é como acharmos que podemos montar uma estratégia duradoura para bater a casa num jogo de casino. Todos sabemos de que cor têm sido, são e continuarão a ser a federação, a liga, os árbitros e toda a gente sinistra que move o futebol português e que gravita em torno dele desde as cúpulas do poder ao mais reles jardineiro que liga a rega no final de um jogo. Com cartilha ou sem cartilha, eles não precisam de receber ordens para subverter porque têm uma mentalidade colectiva que preenche a ausência de consciência individual elevada e que os obceca com o propósito único do poder total e hegemonia a qualquer custo, tradicionalmente a custo da integridade moral e consequente lealdade desportiva ...

boas. gosto particularmente deste teu paragrafo. só acrescentava uma "coisita" que me chateia pessoalmente ... com a quantidade de clubes satélite que os lampiões têm, é muito difícil colocar os nossos putos a treinar sem que levem uma lavagem ao cérebro aumentado assim a população de "galinácios" nas próximas gerações.
Espera, antes de mais, existiu alguma relação entre o Sport Lisboa e o Sporting?

Os fundadores do Sport Lisboa eram gente boa (da zona de Belém), séria, impecável, e SPORTINGUISTA...

Por isso é que, quando viram que o clube não tinha viabilidade, se mudaram todos para o Campo Grande, e se tornaram todos grandes e eternas figuras do Sporting Clube de Portugal (uma das fotos mais conhecidas e divulgadas pelo slb de uma das primeiras equipas do Sport Lisboa retrata quase exclusivamente grandes sportinguistas, cujos filhos e netos o são até hoje)...

Todos (os titulares) menos um que ficou à porta do "clube da elite" porque era filho de carroceiro (o pai tinha mesmo uma carroça e vendia hortaliças nos mercados) e tinha pés quadrados...

Este, jovem despeitado de nome Damião e que jogava pela "segunda equipa", regressou a Belém e tomou a decisão de fundir o clube que já tinha sido extinto com um outro de benfica, dando origem ao enorme aborto que temos de suportar até aos dias de hoje (e que tu tão brilhantemente descreveste nesse brilhante texto)...  :great:
(...) ao mesmo tempo que se assinala um penalty crucial em Carnide, a vantagem esfuma-se em segundos (...)
Pertinho de Carnide, ou seja, em S. Domingos de Benfica.


Eles é que inicialmente chamaram Estádio de Carnide à capoeira, não foi? ;)

O estádio começou por ser assim designado (até na imprensa) porque foi construído numa área da freguesia de... carnide...  :great:
(...) ao mesmo tempo que se assinala um penalty crucial em Carnide, a vantagem esfuma-se em segundos (...)
Pertinho de Carnide, ou seja, em S. Domingos de Benfica.
Eles é que inicialmente chamaram Estádio de Carnide à capoeira, não foi? ;)
O estádio começou por ser assim designado (até na imprensa) porque foi construído numa área da freguesia de... carnide...  :great:
Insisto que esse campo não só não ficou para a história, com não teve nada a ver com o primeiro galinheiro.
«Opiniões divergentes não significam ataques pessoais»