O futebol do Sporting com Bruno de Carvalho.

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.





Não é aceitável o rendimento da equipa, esta época, sejam quais forem as razões, explicações e culpados ou bode expiatórios que se queiram encontrar. Investiu-se demasiado dinheiro para o que se vê em campo e para se assistir a uma regressão competitiva após um processo evolutivo que reaproximou os adeptos do clube, nos 3 anos anteriores.
 
Aliás, em um contexto de responsabilização, o maior quinhão cabe sempre ao líder. É este que decide, é este que delega, é este que escolhe em quem delegar. É o líder que monta a estrutura, dentro das condições existentes ou a existir e a capacidade instalada ou a instalar.
 
Dito isto e no que respeita à tal gestão desportiva, cujos méritos ou deméritos têm necessariamente que ser medidos pelos resultados, dentro dos condicionalismos próprios de um clube que ganhou 2 títulos de campeão desde 1982, sendo o seu último título em 2002 e que na última década se atrasou perigosamente em relação aos rivais, não vejo como aceitável e quando os adeptos disparam para todos os lados, que se esqueça o passado recente e se desvalorize o trabalho feito em condições muito difíceis.
 
No primeiro ano de mandato e após a pior classificação da história do clube, o Sporting conseguiu o apuramento para a Champions, coisa que não acontecia desde 2009.
 
Mais. Foi também e desde 2009, o ano em que o Sporting acabou o campeonato com menos de 10 pontos de diferença para o campeão, quando pelo meio assistimos a horrores e a fossos pontuais de 20, 30 e 40 pontos.
 
No segundo ano do mandato, o Sporting conquista a Taça de Portugal, algo que não acontecia desde 2008.
 
Novamente e tal como no ano anterior, com orçamentos espartanos e uma diferença enorme de investimento para os rivais.
 
Na terceira época, com a contratação de Jorge Jesus e um orçamento mais consentâneo com um candidato ao título embora ainda longe dos custos totais da concorrência, conquista-se a Supertaça e luta-se taco a taco com o Benfica até ao último jogo ( algo que não acontecia desde 2007 ), no ano em que os 2 clubes batem o seu recorde de pontos.
 
Aliás, nessa época, o Sporting bate o seu recorde de pontos, de vitórias e tem números defensivos e ofensivos muito acima da sua média histórica.
 
No processo, jogou-se muito bom futebol, chamando os Sportinguistas aos estádios e Alvalade bateu os seus recordes em assistência máxima e média.

2013/2014   74,4%
2014/2015   74,5%
2015/2016   86%


Estes são os aproveitamentos pontuais dos 3 anos anteriores.
 
3 anos seguidos com aproveitamentos a rondar os 75% ou mais? Só na década de 60. Década de 60, repito.
 
Com discordâncias pontuais em várias temáticas, erros mais ou menos consensuais e outros cuja análise dependem das interpretações de cada um, a evolução competitiva do Sporting foi uma realidade, em um contexto quase dramático e em que as prioridades até foram a reestruturação financeira e organizativa do clube, ainda assim a  aproximação aos rivais foi factual e indesmentível.
 
E pelo meio, a tal evolução e rentabilização dos activos levaram a que se batessem mais recordes, agora no que respeita a mais valias financeiras na alienação de passes de jogadores.
 
Não se trata obviamente de ficar satisfeito quando não se é campeão e no Sporting só devemos ficar felizes quando somos os melhores. Ninguém aqui enche a barriga com segundos lugares ou Taças de Portugal. Ou com aproveitamentos pontuais razoáveis quando não há títulos.
 
Trata-se de ter olhos na cara e memória com maior capacidade que um peixe, para nos lembrarmos de onde viemos, como estávamos e reconhecer o que entendo ser obrigatório reconhecer: trabalho, empenho, evolução, crescimento.
 
Portanto e não menosprezando o problema de uma época até a ver terrível, que desbaratou recursos financeiros e desportivos e que terá que haver necessariamente alterações, quanto mais não seja a nível estratégico, acho e peço desculpa, ou que faltam olhos na cara ou que a memória é curta. Ou ambos.
O texto confirma aquilo que e´evidente: Bruno de Carvalho tem de continuar como presidente do Sporting.

A questão e´que o futebol, como fenómeno de massas, vive do momento. Aqueles que o racionalizam não vacilam por um segundo sobre em quem votar nas próximas eleições. No entanto, existe uma margem substancial de adeptos que sofre da famigerada "memoria curta do futebol português". Para esses vai contar o momento e isso pode trazer alguns dissabores no processo de reeleição do actual presidente.

Duas notas mais:

-  Enquanto for o city lion o único candidato da oposição, Bruno de Carvalho não tem nada a temer. Se aparecer outra personagem, a questão pode ser diferente.

- Fica um pouco a sensação de que o presidente se deixou encurralar na situação em que actualmente vivemos. O problema e´que, quando alguém esta´encurralado, perde lucidez e poder de analise. Vamos esperar que Bruno de Carvalho demonstre toda a sua capacidade neste contexto difícil.
« Última modificação: Janeiro 17, 2017, 14:56 pm por JSabino »
Minoritariamente...pelo verdadeiro Sporting!

www.facebook.com/The-Hanging-Man-1733378720009340/
É engraçado q desde q Bruno de Carvalho é presidente q toda a comunicação social faz pressão para q o Sporting ganhe tudo caso contrário encontram assim justificação para que este abandone a presidência. Coisa que nunca vi acontecer com outros presidentes! Se a exigência que fazem com Bruno de Carvalho fosse igual para com os anteriores presidentes não estaríamos certamente tanto tempo reféns do projecto roquete.
Desde que JJ entrou no comando da equipa q existe um maior desejo de fazer cair o presidente com o actual treinador. O que os Sportinguistas têm de fazer é estar atentos e saber separar as coisas, uma coisa é o trabalho do presidente outra é o do treinador!
Sem sombra de duvida que Bruno de Carvalho vai continuar na liderança do Sporting!

SL
Obrigado por este trabalho. E obrigado por demonstrares que é possível ser-se exigente (e crítico) sem com isso perder a memória.
Excelente texto. Será interessante verificar, primeiro, o que será feito para tentar salvar o que resta desta época e, depois, o que será alterado no próximo Verão para evitar que se cometam os mesmo erros.




Não é aceitável o rendimento da equipa, esta época, sejam quais forem as razões, explicações e culpados ou bode expiatórios que se queiram encontrar. Investiu-se demasiado dinheiro para o que se vê em campo e para se assistir a uma regressão competitiva após um processo evolutivo que reaproximou os adeptos do clube, nos 3 anos anteriores.
 
Aliás, em um contexto de responsabilização, o maior quinhão cabe sempre ao líder. É este que decide, é este que delega, é este que escolhe em quem delegar. É o líder que monta a estrutura, dentro das condições existentes ou a existir e a capacidade instalada ou a instalar.
 
Dito isto e no que respeita à tal gestão desportiva, cujos méritos ou deméritos têm necessariamente que ser medidos pelos resultados, dentro dos condicionalismos próprios de um clube que ganhou 2 títulos de campeão desde 1982, sendo o seu último título em 2002 e que na última década se atrasou perigosamente em relação aos rivais, não vejo como aceitável e quando os adeptos disparam para todos os lados, que se esqueça o passado recente e se desvalorize o trabalho feito em condições muito difíceis.
 
No primeiro ano de mandato e após a pior classificação da história do clube, o Sporting conseguiu o apuramento para a Champions, coisa que não acontecia desde 2009.
 
Mais. Foi também e desde 2009, o ano em que o Sporting acabou o campeonato com menos de 10 pontos de diferença para o campeão, quando pelo meio assistimos a horrores e a fossos pontuais de 20, 30 e 40 pontos.
 
No segundo ano do mandato, o Sporting conquista a Taça de Portugal, algo que não acontecia desde 2008.
 
Novamente e tal como no ano anterior, com orçamentos espartanos e uma diferença enorme de investimento para os rivais.
 
Na terceira época, com a contratação de Jorge Jesus e um orçamento mais consentâneo com um candidato ao título embora ainda longe dos custos totais da concorrência, conquista-se a Supertaça e luta-se taco a taco com o Benfica até ao último jogo ( algo que não acontecia desde 2007 ), no ano em que os 2 clubes batem o seu recorde de pontos.
 
Aliás, nessa época, o Sporting bate o seu recorde de pontos, de vitórias e tem números defensivos e ofensivos muito acima da sua média histórica.
 
No processo, jogou-se muito bom futebol, chamando os Sportinguistas aos estádios e Alvalade bateu os seus recordes em assistência máxima e média.

2013/2014   74,4%
2014/2015   74,5%
2015/2016   86%


Estes são os aproveitamentos pontuais dos 3 anos anteriores.
 
3 anos seguidos com aproveitamentos a rondar os 75% ou mais? Só na década de 60. Década de 60, repito.
 
Com discordâncias pontuais em várias temáticas, erros mais ou menos consensuais e outros cuja análise dependem das interpretações de cada um, a evolução competitiva do Sporting foi uma realidade, em um contexto quase dramático e em que as prioridades até foram a reestruturação financeira e organizativa do clube, ainda assim a  aproximação aos rivais foi factual e indesmentível.
 
E pelo meio, a tal evolução e rentabilização dos activos levaram a que se batessem mais recordes, agora no que respeita a mais valias financeiras na alienação de passes de jogadores.
 
Não se trata obviamente de ficar satisfeito quando não se é campeão e no Sporting só devemos ficar felizes quando somos os melhores. Ninguém aqui enche a barriga com segundos lugares ou Taças de Portugal. Ou com aproveitamentos pontuais razoáveis quando não há títulos.
 
Trata-se de ter olhos na cara e memória com maior capacidade que um peixe, para nos lembrarmos de onde viemos, como estávamos e reconhecer o que entendo ser obrigatório reconhecer: trabalho, empenho, evolução, crescimento.
 
Portanto e não menosprezando o problema de uma época até a ver terrível, que desbaratou recursos financeiros e desportivos e que terá que haver necessariamente alterações, quanto mais não seja a nível estratégico, acho e peço desculpa, ou que faltam olhos na cara ou que a memória é curta. Ou ambos.

É nossa responsabilidade garantir que os Sportinguistas têm essa capacidade de perspectiva.
Não é um favor que fazemos a BdC.
É um favor que fazemos ao SCP que precisa que este trabalho continue.
Nada é bom demais para o SCP!
Ora bem. Força presidente, sempre contigo :arrow:
Com 19 anos apenas chegou a Lisboa a 26 de Junho de 1937 e não assinou logo contrato. Deu apenas a sua palavra de honra em como jogaria no Sporting sem ter sequer discutido questões monetárias. Apesar de abordado por um clube do norte, pensa-se serem os corruptos, e também pelos lampiões, oferecendo-lhe melhores condições, Peyroteo não aceitou pois estava verbalmente comprometido com o Sporting.
Epá, ok, os números falam por si, mas ele fala muito, gosta muito de guerras, pegou naquilo dos vouchers, um não-assunto...
Epá, ok, os números falam por si, mas ele fala muito, gosta muito de guerras, pegou naquilo dos vouchers, um não-assunto...
Um não assunto? Prendas aos árbitros é um não assunto? O Vieira discorda porque até deixou de os dar.
« Última modificação: Janeiro 17, 2017, 19:47 pm por AmorEterno_SCP »
Por ti contra tudo e todos!
Para ser sincero nem sequer consegui ler o teu post do principio ao fim , quando chegou a parte  de responsabilizar o  presidente  por ser lider nao consegui ler mais !!

Deve se fazer uma analize do presidente em tudo o que tem a ver com o Sporting , o nosso clube nao e SO  futebol e a verdade e que no que respeita as outras modalidades o Sporting esta a fazer o seu caminho normalmente,e tambem   verdade e que nao se consta que o sporting esteja em crise por haver ordenados em atrazo , atritos entre dirigentes , polemicas , e afins ,que muita vez acontecem no clube .

De facto o futebol e que movimenta as massas , e se estamos nas ruas da amargura neste aspecto nao e  a sua responsabilidade, nao e ele aque treina a equipa , o treinador escolhido foi do agrado quica da maioria dos adeptos direi mesmo 99% dos adeptos , o  presidente fez o que qualquer presidente deve de fazer , dar liberdade  a quem esta directamente ligado ao futebol para fazer as aquisicoes dos jogadores, neste caso o principal culpado desta epoca futebolistica tem um nome Jorge jesus !!
Cá estaremos para não deixar cair por terra nem no esquecimento todo o trabalho que foi feito...

Em frente, Presidente!!
SPORTING SEMPRE   :mais: :mais: :mais:
QUE O LEÃO VOLTE A RUGIR MAIS ALTO QUE NUNCA
Maior erro no futebol desde que Bruno De Carvalho é Presidente:

A venda de Freddie Montero para a China...
Epá, ok, os números falam por si, mas ele fala muito, gosta muito de guerras, pegou naquilo dos vouchers, um não-assunto...
Um não assunto? Prendas aos árbitros é um não assunto? O Vieira discorda porque até deixou de os dar.


ele estava a ser irónico
Nem me passa pela ideia não ser reeleito.
Estaremos sempre com o presidente! Força! Esta fase irá passar..
SER SPORTINGUISTA E SER LEÃO, É TER GARRA E EMOÇÃO!
Isto de bater nas costas quando tudo corre bem e falar mal quando corre mal, é fácil, porque falar é isso mesmo, fácil, fazer já é mais complicado.
Agora vejo por aqui muitos carregados de razão apontar ao presidente os erros, mas recuando no tempo, no final de Agosto, aquando do fecho do mercado, nessa altura em que estas criticas deveria ser feitas, não o foram. Depois das coisas acontecerem todos adivinham, mas há uma coisa com a qual eu vivo descansado: Não conheço ninguém mais Sportinguista que eu, e eu tenho a certeza eu o Presidente está tão triste com esta situação quanto eu.
O menos culpado da situação em que estamos.

O seu erro foi ter dado o estatuto de campeão a um treinador que ganhou bola.
Nem me passa pela ideia não ser reeleito.

Bruno, és tú? :)
-- Até a minha cozinha é verde e branca --
Para ser sincero nem sequer consegui ler o teu post do principio ao fim , quando chegou a parte  de responsabilizar o  presidente  por ser lider nao consegui ler mais !!

Deve se fazer uma analize do presidente em tudo o que tem a ver com o Sporting , o nosso clube nao e SO  futebol e a verdade e que no que respeita as outras modalidades o Sporting esta a fazer o seu caminho normalmente,e tambem   verdade e que nao se consta que o sporting esteja em crise por haver ordenados em atrazo , atritos entre dirigentes , polemicas , e afins ,que muita vez acontecem no clube .

De facto o futebol e que movimenta as massas , e se estamos nas ruas da amargura neste aspecto nao e  a sua responsabilidade, nao e ele aque treina a equipa , o treinador escolhido foi do agrado quica da maioria dos adeptos direi mesmo 99% dos adeptos , o  presidente fez o que qualquer presidente deve de fazer , dar liberdade  a quem esta directamente ligado ao futebol para fazer as aquisicoes dos jogadores, neste caso o principal culpado desta epoca futebolistica tem um nome Jorge jesus !!
Se calhar convinha era teres lido o texto até ao fim, mesmo.